SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Amphi bios   Amphi  = duas bios  = vida FASE LARVAL FASE ADULTA Vertebrados que passam sua fase larvária no meio aquático, com adaptações para esse meio. Depois, sofrem metamorfose transformando-se em adultos, que passam a viver na terra, com adaptações prontas para esse novo tipo de vida.
 
 
O CICLO DE VIDA DE UM SAPO
MEMBRANAS NATATÓRIAS
CLASSIFICAÇÃO DOS ANFÍBIOS ORDEM ÁPODA ORDEM URODELA ORDEM ANURA
Como todos os anfíbios, a cobra-cega leva uma vida dupla - primeiro na água e depois em terra firme. Algumas espécies fazem exceção. Quando a larva sai dos ovos, vive na água, é vegetariana e respira por brânquias externas. Depois de passar por diversas transformações (metamorfoses), passa a ter respiração aérea. Respira o ar com um pulmão só. Respira também pela pele que é úmida e coberta de muco. ORDEM ÁPODA (SEM PÉS)
ORDEM URODELA (SALAMANDRA)
SALAMANDRA GIGANTE
RÃ PERERECA SAPO ORDEM ANURA
ANURO = em grego significa SEM CAUDA Fase Adulta
Qual a diferença entre esses animais?  SAPO Hábitat: prefere viver em terra firme. Tamanho: de 2 a 25 centímetros Número de espécies: cerca de 300 Tem aparência estranha, pele rugosa e cheia de verrugas. Suas pernas curtas fazem com que dê pulos limitados e desajeitados. Graças as glândulas na região dorsal, o sapo libera veneno que pode irritar nossos olhos e as mucosas.
PERERECA Hábitat: muito encontrada em galhos de árvores Tamanho: menos de 10 centímetros Número de espécies: mais de 700 Em geral, a perereca é menor que um sapo ou uma rã e tem como característica os olhos esbugalhados, deslocados para fora. Suas pernas finas e longas permitem grandes saltos - algumas alcançam a marca de 2 metros de distância! As pontas dos dedos da perereca possuem um tipo de ventosa, que ajuda a subir nas árvores
RÃ Hábitat: mora principalmente em lagoas Tamanho: de 9,8 milímetros a 30 centímetros Número de espécies: mais de 4 mil Se o sapo assusta pelo veneno, a rã é considerada um prato sofisticado em muitos países. Ela tem a pele lisa e brilhante. Suas pernas são longas e correspondem a mais da metade do tamanho do animal. As patas traseiras podem ser dotadas de membranas que ajudam a rã a nadar
CORAÇÃO DOS ANFÍBIOS
ALIMENTAÇÃO DOS ANFÍBIOS Relação ecológica: PREDATISMO CONTROLE BIOLÓGICO
 
33 cm e pesa cerca de 3-5 kg
REPRODUÇÃO  a grande maioria possui a fecundação e o desenvolvimento  externos
As rãs desta família são caracterizadas pela pele quase transparente. Vivem em florestas úmidas da América Central e do Sul. Também conhecida como rã de vidro, quase todos os seus órgãos são aparentes.
A DEFESA CONTRA PREDADORES  CAMUFLAGEM
SUBSTÂNCIAS VENENOSAS
 
No blog você encontra o link para fazer a dissecação!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
IV.3 Répteis
IV.3 RépteisIV.3 Répteis
IV.3 Répteis
Rebeca Vale
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
Bruna M
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
Ana Maciel
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Lidia Medeiros
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
Lucas Castro
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Killer Max
 
Repteis
RepteisRepteis
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Grupo UNIASSELVI
 
Repteis
RepteisRepteis
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sabrina lima
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
Rebeca Vale
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Andre Luiz Nascimento
 
7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas
crisbassanimedeiros
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
jrz758
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
IV.3 Répteis
IV.3 RépteisIV.3 Répteis
IV.3 Répteis
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
 
7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 

Destaque

Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Yan Barbieri
 
Anfibios
Anfibios Anfibios
Anfibios
Bárbara Tavares
 
2EM #13 Anfíbios (2017)
2EM #13 Anfíbios (2017)2EM #13 Anfíbios (2017)
2EM #13 Anfíbios (2017)
Professô Kyoshi
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
Juarez Silva
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
César Milani
 
Aula 01 introdução à embriologia
Aula 01   introdução à embriologiaAula 01   introdução à embriologia
Aula 01 introdução à embriologia
mikerondon
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
Fatima Comiotto
 
Teorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da VidaTeorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da Vida
profatatiana
 
Origem Da Vida
Origem Da VidaOrigem Da Vida
Origem Da Vida
Diego Yamazaki Bolano
 
A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
Emily Almeida
 

Destaque (11)

Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
 
Anfibios
Anfibios Anfibios
Anfibios
 
2EM #13 Anfíbios (2017)
2EM #13 Anfíbios (2017)2EM #13 Anfíbios (2017)
2EM #13 Anfíbios (2017)
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Aula 01 introdução à embriologia
Aula 01   introdução à embriologiaAula 01   introdução à embriologia
Aula 01 introdução à embriologia
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Teorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da VidaTeorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da Vida
 
Origem Da Vida
Origem Da VidaOrigem Da Vida
Origem Da Vida
 
A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
 

Semelhante a Aula anfíbios

Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
IsmaelMarinho4
 
Animais
AnimaisAnimais
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Curiosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os saposCuriosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os sapos
Ressurrei
 
Anfíbios completo
Anfíbios completo Anfíbios completo
Anfíbios completo
Thalia Cardoso
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
andreiaalbuquerque17
 
Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Especialidade de anfíbios
Especialidade de anfíbiosEspecialidade de anfíbios
Especialidade de anfíbios
Pedro Henrique Araújo
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
Edézio Miranda
 
Classe Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBiosClasse Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBios
Simone Morais
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdfMatéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Filhos da Rocha
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
Ferrari Ferrari
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
Taise Martins
 
Animais marinhos
Animais marinhosAnimais marinhos
Animais marinhos
Piaget1623
 
Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
Sheila Cassenotte
 
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.pptEspecialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
AlexandreJr7
 
Anfibios e peixes 2010
Anfibios e peixes 2010Anfibios e peixes 2010
Anfibios e peixes 2010
Ana Paula Costa Souza
 

Semelhante a Aula anfíbios (20)

Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Anfibius
 
Curiosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os saposCuriosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os sapos
 
Anfíbios completo
Anfíbios completo Anfíbios completo
Anfíbios completo
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
 
Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015
 
Especialidade de anfíbios
Especialidade de anfíbiosEspecialidade de anfíbios
Especialidade de anfíbios
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Classe Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBiosClasse Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdfMatéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
 
Animais marinhos
Animais marinhosAnimais marinhos
Animais marinhos
 
Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
 
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.pptEspecialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
 
Anfibios e peixes 2010
Anfibios e peixes 2010Anfibios e peixes 2010
Anfibios e peixes 2010
 

Aula anfíbios

  • 1.  
  • 2. Amphi bios Amphi = duas bios = vida FASE LARVAL FASE ADULTA Vertebrados que passam sua fase larvária no meio aquático, com adaptações para esse meio. Depois, sofrem metamorfose transformando-se em adultos, que passam a viver na terra, com adaptações prontas para esse novo tipo de vida.
  • 3.  
  • 4.  
  • 5. O CICLO DE VIDA DE UM SAPO
  • 7. CLASSIFICAÇÃO DOS ANFÍBIOS ORDEM ÁPODA ORDEM URODELA ORDEM ANURA
  • 8. Como todos os anfíbios, a cobra-cega leva uma vida dupla - primeiro na água e depois em terra firme. Algumas espécies fazem exceção. Quando a larva sai dos ovos, vive na água, é vegetariana e respira por brânquias externas. Depois de passar por diversas transformações (metamorfoses), passa a ter respiração aérea. Respira o ar com um pulmão só. Respira também pela pele que é úmida e coberta de muco. ORDEM ÁPODA (SEM PÉS)
  • 11. RÃ PERERECA SAPO ORDEM ANURA
  • 12. ANURO = em grego significa SEM CAUDA Fase Adulta
  • 13. Qual a diferença entre esses animais? SAPO Hábitat: prefere viver em terra firme. Tamanho: de 2 a 25 centímetros Número de espécies: cerca de 300 Tem aparência estranha, pele rugosa e cheia de verrugas. Suas pernas curtas fazem com que dê pulos limitados e desajeitados. Graças as glândulas na região dorsal, o sapo libera veneno que pode irritar nossos olhos e as mucosas.
  • 14. PERERECA Hábitat: muito encontrada em galhos de árvores Tamanho: menos de 10 centímetros Número de espécies: mais de 700 Em geral, a perereca é menor que um sapo ou uma rã e tem como característica os olhos esbugalhados, deslocados para fora. Suas pernas finas e longas permitem grandes saltos - algumas alcançam a marca de 2 metros de distância! As pontas dos dedos da perereca possuem um tipo de ventosa, que ajuda a subir nas árvores
  • 15. RÃ Hábitat: mora principalmente em lagoas Tamanho: de 9,8 milímetros a 30 centímetros Número de espécies: mais de 4 mil Se o sapo assusta pelo veneno, a rã é considerada um prato sofisticado em muitos países. Ela tem a pele lisa e brilhante. Suas pernas são longas e correspondem a mais da metade do tamanho do animal. As patas traseiras podem ser dotadas de membranas que ajudam a rã a nadar
  • 17. ALIMENTAÇÃO DOS ANFÍBIOS Relação ecológica: PREDATISMO CONTROLE BIOLÓGICO
  • 18.  
  • 19. 33 cm e pesa cerca de 3-5 kg
  • 20. REPRODUÇÃO a grande maioria possui a fecundação e o desenvolvimento externos
  • 21. As rãs desta família são caracterizadas pela pele quase transparente. Vivem em florestas úmidas da América Central e do Sul. Também conhecida como rã de vidro, quase todos os seus órgãos são aparentes.
  • 22. A DEFESA CONTRA PREDADORES CAMUFLAGEM
  • 24.  
  • 25. No blog você encontra o link para fazer a dissecação!