SlideShare uma empresa Scribd logo
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
A Escrita na História da Humanidade
A informação impressa permite deduzir que esta é uma das relações mais estruturadas e
antigas entre o homem e um engenho seu.
Uma prova é o fato de que as mais remotas performances protagonizadas pelo homem
chegaram até nós principalmente através alguma inscrição: as pinturas rupestres.
Na pré-história o ser humano já internalizava a necessidade de registros impressos.
Do Paleolítico ao contemporâneo o homem mantém uma relação com as inscrições de forma
semelhante à aprendizagem da escrita na infância. Explicando: assim como a criança mantém
seus primeiros contatos com os impressos rabiscando, desenhando e reconhecendo figuras, a
raça humana em sua fase “criança” (o homem das cavernas) começou a registrar sua história
através de desenhos-rabiscos.
A ORALIDADE E OS REGISTROS PICTOGRÁFICOS
“A história da humanidade se divide em duas imensas eras: antes e a partir da escrita. (...)
Vivemos os séculos da civilização da escrita. Todas as nossas sociedades baseiam-se sobre o
escrito. A lei escrita substitui a lei oral, o contrato escrito substituiu a convenção verbal, a
religião escrita se seguiu à tradição lendária. E, sobretudo não existe história que não se funde
sobre textos”. (HIGOUNET, 2003).
Na evolução humana, a utilização dos registros impressos, sejam os pictogramas rupestres,
sejam os primeiros símbolos literais dos fonemas, tornaram-se indispensáveis às relações sócio-
econômico-culturais
As pinturas rupestres não são consideradas exatamente escrita, mas criptografias
aleatórias que pretendem transmitir sua mensagem, gravadas em um material da natureza.
Por isso mesmo, é possível fazer uma analogia entre aquelas gravuras e a escrita:
ambos os casos buscam registrar algo, de alguma forma, para determinado grupo, para
aquele momento ou para a posteridade.
“Sobre a relação entre a «linguagem simbólica» – expressa através de símbolos
abstractos pintados – e a sua intenção, digamos que foi através destas imagens que o homem
entendeu que podia fazer passar uma mensagem, um pensamento, o seu estado de espírito,
etc. Estas pinturas demonstram o valor que os homens da pré-história conferiam às suas
criações. O conjunto destes desenhos-escrita, passíveis de serem compreendidos por todos
os membros de um mesmo grupo, tomam a designação de pictogramas. Pertencem, pois, ao
conjunto das escritas pictográficas, que no grego significam descrição da imagem, para
servir de símbolo”. (PIRES).
As figuras rupestres talvez representem o mais remoto exemplo de que um registro
impresso adquire preeminência sobre a oralidade, no que diz respeito a uma mensagem
escrita permanecer o máximo possível em seu estado representativo original [...] permitindo
que gerações milênios mais tarde apreciem e teçam conjecturas sobre uma forma social que
não deixou outro vestígio [...].
Segundo Fábio Costa Pedro e Olga M. A. Fonseca Coulon (1989), o fim da Pré-História
ocorreu primeiramente no Oriente Próximo, com o surgimento da escrita ligado à evolução das
primeiras civilizações urbanas, na região entre os rios Tigres e Eufrates, na Mesopotâmia, cerca
de 40 séculos antes da Era Cristã.
Apenas se conhecem épocas, povos e
locais de onde se deram os primeiros
registros escritos, os chamados cuneiformes,
desenvolvidos pelos sumérios na
Mesopotâmia, por volta de 4.000 a.C.,
embora alguns historiadores situem seu
aparecimento há mais de seis mil anos
O ORIENTE E A ESCRITA CUNEIFORME
A escrita causou uma revolução tão significativa nas comunicações, que os historiadores
estabeleceram o encerramento da Pré-História e o nascimento da História no período em que o
homem começou a escrever.
Essa passagem histórica não se deu ao mesmo tempo em todas as partes do nosso planeta.
Somente muitos milênios depois a Pré-História findou na América, na África Central e na
Austrália, com a conquista dessas regiões pelos europeus, a partir do século XV.
A existência da escrita distingue-se como um marco das formas de expressão, não
apenas por sua capacidade de registrar a História, representar a fala ou ideias, ser apreendida
e decodificada pelo entendimento humano, mas também por ultrapassar limites geográficos,
sobreviver épocas, ajudar a construir ou desconstruir culturas, universalizar religiões, ideias,
pensamentos, sofrer mutações pelas mais diversas causas, entre elas as transliterações e as
traduções, e, ainda assim, ter a possibilidade de permanecer como originalmente foi produzida.
O desenvolvimento dos métodos de agricultura e do comércio, e as distâncias entre as
cidades entre as quais se estabeleciam relações de troca, são tidos como os responsáveis
pelos primeiros registros escritos, ante a necessidade de controle administrativo, de registros
contábeis e de se saber com exatidão onde se situavam os distantes pontos de abastecimento
e quais as rotas a seguir para os alcançar.
Se tornou imprescindível o desenvolvimento de sistemas de pesos e medidas, só
possíveis com recurso à matemática, – que implica também alguma forma de notação gráfica –,
e de mapas e cartas.
Assim, a escrita teria sido criada primeiramente para atender a uma necessidade prática
de informação agro-comercial, em vários lugares.
MIL UTILIDADES HISTÓRICAS
O principal uso da escrita cuneiforme foi na contabilidade e
administração, como registro de bens, marcas de propriedade, cálculos e
transações comerciais. Essas informações eram gravadas em tabletes de
argila com estiletes.
Outras atividades se estabeleceram auxiliadas pela escrita, como a
Astronomia, o Direito e a Literatura.
Na área do Direito, um código de leis da Mesopotâmia representa um
dos mais notáveis impressos. Sob as ordens de Khammu-rabi (Hammurabi),
rei da Babilônia, 282 cláusulas foram gravadas em 21 colunas, conhecidas
como Código de Hamurábi, embora abrangesse também leis mais antigas.
O código trata, dentre outros assuntos, das classes sociais, do comércio, da
família (divórcio, o pátrio poder, a adoção, o adultério, o incesto), do
trabalho (precursor do salário mínimo, das categorias profissionais, das leis
trabalhistas), e da propriedade.
CIÊNCIAS E LITERATURA NA MESOPOTÂMIA
LEIS DO CÓDIGO DE HAMURABI
- Se alguém enganar a outrem, difamando esta pessoa, e este outrem não
puder provar, então aquele que enganou deverá ser condenado à morte.
- Se uma pessoa roubar a propriedade de um templo ou corte, ele será
condenado à morte e também aquele que receber o produto do roubo
deverá ser igualmente condenado à morte.
- Se uma pessoa roubar o filho menor de outra, o ladrão deverá ser
condenado à morte.
- Se uma pessoa arrombar uma casa, deverá ser condenado à morte na
parte da frente do local do arrombamento e ser enterrado.
- Se uma pessoa deixar entrar água, e esta alagar as plantações do
vizinho, ele deverá pagar 10 gur de cereais por cada 10 gan de terra.
- Se um homem tomar uma mulher como esposa, mas não tiver relações
com ela, esta mulher não será considerada esposa deste homem.
- Se um homem adotar uma criança e der seu nome a ela como filho,
criando-o, este filho quando crescer não poderá ser reclamado por outra
pessoa.
AS ESCRITAS SAGRADAS DO EGITO
Diferentemente dos sumérios que cunhavam suas inscrições de formas triangulares em tábuas de
argila, os egípcios usavam a forma material do livro, com o uso do papiro em forma de rolo, o emprego da
tinta e a utilização das ilustrações como complemento explicativo do texto.
O sistema egípcio de escrita já reproduzia quase que totalmente a língua falada, pois alguns dos seus
pictogramas já representavam sílabas. Além dos pictogramas, era formado por fonogramas
(representação de sons) e outros signos determinantes. Por seus fonogramas, podemos dizer que a
escrita egípcia já constituía uma ideia mais ou menos aproximada de um alfabeto, pois já trazia uma
característica de representações silábicas.
A escrita está estreitamente ligada aos registros Pedra vertical monolítica, em que os antigos faziam
inscrições ou esculturas. de rituais sagrados, colheitas, estações e movimento de cheia e vazante do
Nilo.
AS ORIGENS DO ALFABETO
Segundo Higounet, “o alfabeto pode ser definido como um sistema de sinais que exprimem
os sons elementares da linguagem” (2003, p. 59).
Algumas evoluções de formas pictográficas que mais tarde se tornariam as letras do
alfabeto como as conhecemos hoje:
O a era a representação da cabeça de um boi na escrita egípcia. Em grego, o alfa se
escreve . O b era a representação de uma casa egípcia. O d era a figura de uma porta. O m era
o desenho das ondas da água. O n era o desenho de uma cobra. O era a figura de um olho. O x
representava o peixe, e assim por diante. (CAGLIARI, p. 108).
FENÍCIA, BERÇO DOS ALFABETOS?
O alfabeto fenício apareceu pela primeira vez em Biblos e é considerado a origem dos
alfabetos atuais.
O que se sabe da sua escrita provém de curtas inscrições em pedra. Com os dados que se
apresentam hoje, pode-se entender que a construção das palavras, assim como o alfabeto árabe
e o hebraico, não tinham símbolos para representar sons de vogais. Cada símbolo representa
uma consoante. As vogais precisavam ser deduzidas no contexto da palavra.
ALFABETO GREGO: A INOVAÇÃO DAS VOGAIS
Os gregos foram um dos primeiros povos a representar graficamente não ideias, nem
sílabas, mas os próprios sons das letras, a menor parte decomposta de uma palavra.
Higounet comenta que “o modo como se fez a notação das
vogais merece um pouco mais de atenção, pois foi com essa
inovação que o alfabeto grego se tornou o ancestral de todos os
alfabetos europeus modernos” (HIGOUNET, 2003, p. 89).
Com o domínio do império romano, o latim se impõe como
língua e escrita dominante, mas a escrita dos primeiros documentos
latinos que se conhecem denotam uma forte ligação de origem e de
adaptações de uma escrita grega (HIGOUNET, 2003, p. 103).
A FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA
Na história da língua portuguesa podemos
destacar pelo menos duas fases: a do português
arcaico13 (sécs. XIII a 1536/1540), ou seja, em fase de
formação, porém já com certo estilo, e o português
moderno, que começou a ser formado a partir do século
XVI, com o aparecimento das primeiras gramáticas que
definem a morfologia e a sintaxe.
A língua portuguesa chegou ao Brasil, no século
XVI, já com as influências dos povos germânico e
árabe. Ao “desembarcar” em terras brasileiras, a língua
Assim, o português no Brasil assumiu algumas características distintas da língua falada em
Portugal, configurando uma identidade mais específica.
portuguesa encontrou resistências por parte dos nativos, mas foi se estabelecendo com fortes
interferências indígenas e africanas. Houve contribuições italianas na época do Renascimento.
Durante a colonização, as invasões do país pelos espanhóis e franceses acrescentaram ao
léxico do Brasil termos daqueles povos.
REFERÊNCIAS
ALVES, Rubem. Entre a ciência e a sapiência. São Paulo: Loyola, 1999, p.101
AQUINO, Rubim Santos Leão; FRANCO, Denize de Azevedo; LOPES, Oscar
Guilherme Pahl Campos. História das sociedades: das comunidades primitivas às sociedades medievais. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 1980.
BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1991.
BRASIL. Portal Sua Pesquisa. Pré-História - As fases da Pré-História, cultura e arte pré-histórica, Paleolítico (Idade da Pedra Lascada), Mesolítico,
Neolítico (Idade da Pedra Polida), a vida dos homens das cavernas, nômades e sedentários, origem da agricultura, arte rupestre. Disponível em
www.suapesquisa.com/prehistoria/
COULON, Olga M. A. Fonseca e PEDRO, Fábio Costa. A PRÉ-HISTÓRIA - História: Pré-História, Antiguidade e Feudalismo.
http://www.hystoria.hpg.ig.com.br/prehist.html, 1989.
HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. 10ª edição - São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4ª ed. São Paulo. Loyola, 2003.
____ As tecnologias da Inteligência - o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993. 13ª reimpressão, 2004.
____. Cibercultura. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, 2000, 4ª reimpressão, 2003.
MEDEIROS, Adelardo A. D. A língua portuguesa. www.linguaportuguesa.ufrn.br/pt_2.2.php.
PIMENTA, Emanuel Dimas de Melo. Natureza, artefactos e percepção sensorial. http://www.asa-art.com/edmp/95percept.doc
PIRES, Cláudia. Antecedentes Históricos da Escrita. http://www.revistatemas. com/contacto/NewFiles/Contacto12.html
SCLIAR, Moacyr. Um olhar sobre a cultura brasileira - A língua portuguesa. Disponível em http://falar-portugues.blogspot.com/2005/09/lngua-portuguesa-
pormoacyr-scliar.html (acesso em 08/10/2007) e http://www.minc.gov.br/textos/olhar/linguaportuguesa.htm
WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Verbete Língua grega. http://pt.wikipedia.org/wiki

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obrigações feudais - Idade Média
Obrigações feudais - Idade MédiaObrigações feudais - Idade Média
Obrigações feudais - Idade Média
Ariane Cris
 
Aula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding EquityAula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding Equity
Gabriel Ferraciolli
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
empresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendasempresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendas
João Costa
 
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Universidade Pedagogica
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
JoseSimas
 
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Aula 1   - Gestão de PessoalAula 1   - Gestão de Pessoal
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Rafael Gonçalves
 
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIAINFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
Diego Bian Filo Moreira
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
PGC - NIRF
PGC - NIRFPGC - NIRF
Período pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonialPeríodo pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonial
mundica broda
 
Aulas Marketing de Serviços
Aulas Marketing de ServiçosAulas Marketing de Serviços
Aulas Marketing de Serviços
Pietri Erivaldo
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Edvaldo Lopes
 
Desenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargosDesenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargos
Universidade Pedagogica
 
Persas
PersasPersas
Grecia
Grecia Grecia
Grecia
Adail Silva
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
Nefer19
 
Rosto Humano
Rosto HumanoRosto Humano
Rosto Humano
sergiolemos
 
Persas slide
Persas slidePersas slide
Persas slide
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Obrigações feudais - Idade Média
Obrigações feudais - Idade MédiaObrigações feudais - Idade Média
Obrigações feudais - Idade Média
 
Aula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding EquityAula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding Equity
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
empresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendasempresa e gestão de força de vendas
empresa e gestão de força de vendas
 
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
 
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Aula 1   - Gestão de PessoalAula 1   - Gestão de Pessoal
Aula 1 - Gestão de Pessoal
 
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIAINFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
INFOGRÁFICO DA IDADE MÉDIA
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
PGC - NIRF
PGC - NIRFPGC - NIRF
PGC - NIRF
 
Período pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonialPeríodo pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonial
 
Aulas Marketing de Serviços
Aulas Marketing de ServiçosAulas Marketing de Serviços
Aulas Marketing de Serviços
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
Desenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargosDesenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargos
 
Persas
PersasPersas
Persas
 
Grecia
Grecia Grecia
Grecia
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
 
Rosto Humano
Rosto HumanoRosto Humano
Rosto Humano
 
Persas slide
Persas slidePersas slide
Persas slide
 

Semelhante a Alfabetização e letramento 02

A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita
Paulo Martins
 
A Escrita.docx
A Escrita.docxA Escrita.docx
A Escrita.docx
ssuser440ba1
 
Os princípios da comunicação
Os princípios da comunicaçãoOs princípios da comunicação
Os princípios da comunicação
Roberta Scheibe
 
A escrita
A escritaA escrita
A escrita
silveirio95
 
A História da Escrita
A História da EscritaA História da Escrita
A História da Escrita
Ygor Castro
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
António Bento
 
01d17t01
01d17t0101d17t01
01d17t01
Sack Monteiro
 
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICAPRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
Angela Araujo
 
Princípios gerais
Princípios geraisPrincípios gerais
Princípios gerais
Adriana Dalla Vecchia
 
Midias na educação, material impresso
Midias na educação, material impressoMidias na educação, material impresso
Midias na educação, material impresso
elaniasf
 
PRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
PRÉ HISTÓRIA DO LIVROPRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
PRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
tecnologiasemsala
 
Santos, a.
Santos, a.Santos, a.
Santos, a.
Débs Pereira
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
 MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto? MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
Simone Silva
 
A historia da escrita
A historia da escritaA historia da escrita
A historia da escrita
AlanWillianLeonioSil
 
A aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escritaA aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escrita
Vando Marinho
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Maria Ribeiro
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Maria Ribeiro
 
O poder da escrita
O poder da escritaO poder da escrita
O poder da escrita
Mylena Ferraz
 
Introdução linguagem oral e escrita
Introdução linguagem oral e escritaIntrodução linguagem oral e escrita
Introdução linguagem oral e escrita
Ediane Britto
 

Semelhante a Alfabetização e letramento 02 (20)

A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita
 
A Escrita.docx
A Escrita.docxA Escrita.docx
A Escrita.docx
 
Os princípios da comunicação
Os princípios da comunicaçãoOs princípios da comunicação
Os princípios da comunicação
 
A escrita
A escritaA escrita
A escrita
 
A História da Escrita
A História da EscritaA História da Escrita
A História da Escrita
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
 
01d17t01
01d17t0101d17t01
01d17t01
 
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICAPRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
 
Princípios gerais
Princípios geraisPrincípios gerais
Princípios gerais
 
Midias na educação, material impresso
Midias na educação, material impressoMidias na educação, material impresso
Midias na educação, material impresso
 
PRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
PRÉ HISTÓRIA DO LIVROPRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
PRÉ HISTÓRIA DO LIVRO
 
Santos, a.
Santos, a.Santos, a.
Santos, a.
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
 MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto? MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO - Ora essa! quem inventou o texto?
 
A historia da escrita
A historia da escritaA historia da escrita
A historia da escrita
 
A aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escritaA aprendizagem da leitura e da escrita
A aprendizagem da leitura e da escrita
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
 
O poder da escrita
O poder da escritaO poder da escrita
O poder da escrita
 
Introdução linguagem oral e escrita
Introdução linguagem oral e escritaIntrodução linguagem oral e escrita
Introdução linguagem oral e escrita
 

Mais de Israel serique

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
Israel serique
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
Israel serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Israel serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
Israel serique
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
Israel serique
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
Israel serique
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
Israel serique
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
Israel serique
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
Israel serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Israel serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
Israel serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
Israel serique
 
Aula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICAAula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICA
Israel serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 
Aula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICAAula 04: ESTATÍSTICA
Aula 04: ESTATÍSTICA
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Alfabetização e letramento 02

  • 1. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A Escrita na História da Humanidade
  • 2. A informação impressa permite deduzir que esta é uma das relações mais estruturadas e antigas entre o homem e um engenho seu. Uma prova é o fato de que as mais remotas performances protagonizadas pelo homem chegaram até nós principalmente através alguma inscrição: as pinturas rupestres. Na pré-história o ser humano já internalizava a necessidade de registros impressos. Do Paleolítico ao contemporâneo o homem mantém uma relação com as inscrições de forma semelhante à aprendizagem da escrita na infância. Explicando: assim como a criança mantém seus primeiros contatos com os impressos rabiscando, desenhando e reconhecendo figuras, a raça humana em sua fase “criança” (o homem das cavernas) começou a registrar sua história através de desenhos-rabiscos. A ORALIDADE E OS REGISTROS PICTOGRÁFICOS
  • 3. “A história da humanidade se divide em duas imensas eras: antes e a partir da escrita. (...) Vivemos os séculos da civilização da escrita. Todas as nossas sociedades baseiam-se sobre o escrito. A lei escrita substitui a lei oral, o contrato escrito substituiu a convenção verbal, a religião escrita se seguiu à tradição lendária. E, sobretudo não existe história que não se funde sobre textos”. (HIGOUNET, 2003). Na evolução humana, a utilização dos registros impressos, sejam os pictogramas rupestres, sejam os primeiros símbolos literais dos fonemas, tornaram-se indispensáveis às relações sócio- econômico-culturais
  • 4. As pinturas rupestres não são consideradas exatamente escrita, mas criptografias aleatórias que pretendem transmitir sua mensagem, gravadas em um material da natureza. Por isso mesmo, é possível fazer uma analogia entre aquelas gravuras e a escrita: ambos os casos buscam registrar algo, de alguma forma, para determinado grupo, para aquele momento ou para a posteridade. “Sobre a relação entre a «linguagem simbólica» – expressa através de símbolos abstractos pintados – e a sua intenção, digamos que foi através destas imagens que o homem entendeu que podia fazer passar uma mensagem, um pensamento, o seu estado de espírito, etc. Estas pinturas demonstram o valor que os homens da pré-história conferiam às suas criações. O conjunto destes desenhos-escrita, passíveis de serem compreendidos por todos os membros de um mesmo grupo, tomam a designação de pictogramas. Pertencem, pois, ao conjunto das escritas pictográficas, que no grego significam descrição da imagem, para servir de símbolo”. (PIRES). As figuras rupestres talvez representem o mais remoto exemplo de que um registro impresso adquire preeminência sobre a oralidade, no que diz respeito a uma mensagem escrita permanecer o máximo possível em seu estado representativo original [...] permitindo que gerações milênios mais tarde apreciem e teçam conjecturas sobre uma forma social que não deixou outro vestígio [...].
  • 5. Segundo Fábio Costa Pedro e Olga M. A. Fonseca Coulon (1989), o fim da Pré-História ocorreu primeiramente no Oriente Próximo, com o surgimento da escrita ligado à evolução das primeiras civilizações urbanas, na região entre os rios Tigres e Eufrates, na Mesopotâmia, cerca de 40 séculos antes da Era Cristã. Apenas se conhecem épocas, povos e locais de onde se deram os primeiros registros escritos, os chamados cuneiformes, desenvolvidos pelos sumérios na Mesopotâmia, por volta de 4.000 a.C., embora alguns historiadores situem seu aparecimento há mais de seis mil anos O ORIENTE E A ESCRITA CUNEIFORME
  • 6. A escrita causou uma revolução tão significativa nas comunicações, que os historiadores estabeleceram o encerramento da Pré-História e o nascimento da História no período em que o homem começou a escrever. Essa passagem histórica não se deu ao mesmo tempo em todas as partes do nosso planeta. Somente muitos milênios depois a Pré-História findou na América, na África Central e na Austrália, com a conquista dessas regiões pelos europeus, a partir do século XV.
  • 7. A existência da escrita distingue-se como um marco das formas de expressão, não apenas por sua capacidade de registrar a História, representar a fala ou ideias, ser apreendida e decodificada pelo entendimento humano, mas também por ultrapassar limites geográficos, sobreviver épocas, ajudar a construir ou desconstruir culturas, universalizar religiões, ideias, pensamentos, sofrer mutações pelas mais diversas causas, entre elas as transliterações e as traduções, e, ainda assim, ter a possibilidade de permanecer como originalmente foi produzida. O desenvolvimento dos métodos de agricultura e do comércio, e as distâncias entre as cidades entre as quais se estabeleciam relações de troca, são tidos como os responsáveis pelos primeiros registros escritos, ante a necessidade de controle administrativo, de registros contábeis e de se saber com exatidão onde se situavam os distantes pontos de abastecimento e quais as rotas a seguir para os alcançar. Se tornou imprescindível o desenvolvimento de sistemas de pesos e medidas, só possíveis com recurso à matemática, – que implica também alguma forma de notação gráfica –, e de mapas e cartas. Assim, a escrita teria sido criada primeiramente para atender a uma necessidade prática de informação agro-comercial, em vários lugares. MIL UTILIDADES HISTÓRICAS
  • 8. O principal uso da escrita cuneiforme foi na contabilidade e administração, como registro de bens, marcas de propriedade, cálculos e transações comerciais. Essas informações eram gravadas em tabletes de argila com estiletes. Outras atividades se estabeleceram auxiliadas pela escrita, como a Astronomia, o Direito e a Literatura. Na área do Direito, um código de leis da Mesopotâmia representa um dos mais notáveis impressos. Sob as ordens de Khammu-rabi (Hammurabi), rei da Babilônia, 282 cláusulas foram gravadas em 21 colunas, conhecidas como Código de Hamurábi, embora abrangesse também leis mais antigas. O código trata, dentre outros assuntos, das classes sociais, do comércio, da família (divórcio, o pátrio poder, a adoção, o adultério, o incesto), do trabalho (precursor do salário mínimo, das categorias profissionais, das leis trabalhistas), e da propriedade. CIÊNCIAS E LITERATURA NA MESOPOTÂMIA
  • 9. LEIS DO CÓDIGO DE HAMURABI - Se alguém enganar a outrem, difamando esta pessoa, e este outrem não puder provar, então aquele que enganou deverá ser condenado à morte. - Se uma pessoa roubar a propriedade de um templo ou corte, ele será condenado à morte e também aquele que receber o produto do roubo deverá ser igualmente condenado à morte. - Se uma pessoa roubar o filho menor de outra, o ladrão deverá ser condenado à morte. - Se uma pessoa arrombar uma casa, deverá ser condenado à morte na parte da frente do local do arrombamento e ser enterrado. - Se uma pessoa deixar entrar água, e esta alagar as plantações do vizinho, ele deverá pagar 10 gur de cereais por cada 10 gan de terra. - Se um homem tomar uma mulher como esposa, mas não tiver relações com ela, esta mulher não será considerada esposa deste homem. - Se um homem adotar uma criança e der seu nome a ela como filho, criando-o, este filho quando crescer não poderá ser reclamado por outra pessoa.
  • 10. AS ESCRITAS SAGRADAS DO EGITO Diferentemente dos sumérios que cunhavam suas inscrições de formas triangulares em tábuas de argila, os egípcios usavam a forma material do livro, com o uso do papiro em forma de rolo, o emprego da tinta e a utilização das ilustrações como complemento explicativo do texto. O sistema egípcio de escrita já reproduzia quase que totalmente a língua falada, pois alguns dos seus pictogramas já representavam sílabas. Além dos pictogramas, era formado por fonogramas (representação de sons) e outros signos determinantes. Por seus fonogramas, podemos dizer que a escrita egípcia já constituía uma ideia mais ou menos aproximada de um alfabeto, pois já trazia uma característica de representações silábicas. A escrita está estreitamente ligada aos registros Pedra vertical monolítica, em que os antigos faziam inscrições ou esculturas. de rituais sagrados, colheitas, estações e movimento de cheia e vazante do Nilo.
  • 11. AS ORIGENS DO ALFABETO Segundo Higounet, “o alfabeto pode ser definido como um sistema de sinais que exprimem os sons elementares da linguagem” (2003, p. 59). Algumas evoluções de formas pictográficas que mais tarde se tornariam as letras do alfabeto como as conhecemos hoje: O a era a representação da cabeça de um boi na escrita egípcia. Em grego, o alfa se escreve . O b era a representação de uma casa egípcia. O d era a figura de uma porta. O m era o desenho das ondas da água. O n era o desenho de uma cobra. O era a figura de um olho. O x representava o peixe, e assim por diante. (CAGLIARI, p. 108).
  • 12. FENÍCIA, BERÇO DOS ALFABETOS? O alfabeto fenício apareceu pela primeira vez em Biblos e é considerado a origem dos alfabetos atuais. O que se sabe da sua escrita provém de curtas inscrições em pedra. Com os dados que se apresentam hoje, pode-se entender que a construção das palavras, assim como o alfabeto árabe e o hebraico, não tinham símbolos para representar sons de vogais. Cada símbolo representa uma consoante. As vogais precisavam ser deduzidas no contexto da palavra.
  • 13. ALFABETO GREGO: A INOVAÇÃO DAS VOGAIS Os gregos foram um dos primeiros povos a representar graficamente não ideias, nem sílabas, mas os próprios sons das letras, a menor parte decomposta de uma palavra. Higounet comenta que “o modo como se fez a notação das vogais merece um pouco mais de atenção, pois foi com essa inovação que o alfabeto grego se tornou o ancestral de todos os alfabetos europeus modernos” (HIGOUNET, 2003, p. 89). Com o domínio do império romano, o latim se impõe como língua e escrita dominante, mas a escrita dos primeiros documentos latinos que se conhecem denotam uma forte ligação de origem e de adaptações de uma escrita grega (HIGOUNET, 2003, p. 103).
  • 14. A FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA Na história da língua portuguesa podemos destacar pelo menos duas fases: a do português arcaico13 (sécs. XIII a 1536/1540), ou seja, em fase de formação, porém já com certo estilo, e o português moderno, que começou a ser formado a partir do século XVI, com o aparecimento das primeiras gramáticas que definem a morfologia e a sintaxe. A língua portuguesa chegou ao Brasil, no século XVI, já com as influências dos povos germânico e árabe. Ao “desembarcar” em terras brasileiras, a língua Assim, o português no Brasil assumiu algumas características distintas da língua falada em Portugal, configurando uma identidade mais específica. portuguesa encontrou resistências por parte dos nativos, mas foi se estabelecendo com fortes interferências indígenas e africanas. Houve contribuições italianas na época do Renascimento. Durante a colonização, as invasões do país pelos espanhóis e franceses acrescentaram ao léxico do Brasil termos daqueles povos.
  • 15. REFERÊNCIAS ALVES, Rubem. Entre a ciência e a sapiência. São Paulo: Loyola, 1999, p.101 AQUINO, Rubim Santos Leão; FRANCO, Denize de Azevedo; LOPES, Oscar Guilherme Pahl Campos. História das sociedades: das comunidades primitivas às sociedades medievais. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 1980. BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1991. BRASIL. Portal Sua Pesquisa. Pré-História - As fases da Pré-História, cultura e arte pré-histórica, Paleolítico (Idade da Pedra Lascada), Mesolítico, Neolítico (Idade da Pedra Polida), a vida dos homens das cavernas, nômades e sedentários, origem da agricultura, arte rupestre. Disponível em www.suapesquisa.com/prehistoria/ COULON, Olga M. A. Fonseca e PEDRO, Fábio Costa. A PRÉ-HISTÓRIA - História: Pré-História, Antiguidade e Feudalismo. http://www.hystoria.hpg.ig.com.br/prehist.html, 1989. HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. 10ª edição - São Paulo: Parábola Editorial, 2003. LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4ª ed. São Paulo. Loyola, 2003. ____ As tecnologias da Inteligência - o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993. 13ª reimpressão, 2004. ____. Cibercultura. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, 2000, 4ª reimpressão, 2003. MEDEIROS, Adelardo A. D. A língua portuguesa. www.linguaportuguesa.ufrn.br/pt_2.2.php. PIMENTA, Emanuel Dimas de Melo. Natureza, artefactos e percepção sensorial. http://www.asa-art.com/edmp/95percept.doc PIRES, Cláudia. Antecedentes Históricos da Escrita. http://www.revistatemas. com/contacto/NewFiles/Contacto12.html SCLIAR, Moacyr. Um olhar sobre a cultura brasileira - A língua portuguesa. Disponível em http://falar-portugues.blogspot.com/2005/09/lngua-portuguesa- pormoacyr-scliar.html (acesso em 08/10/2007) e http://www.minc.gov.br/textos/olhar/linguaportuguesa.htm WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Verbete Língua grega. http://pt.wikipedia.org/wiki