SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... Se é verdade
Tanto horror perante os céus...
Ó mar! Por que não apagas
Coa esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noite! tempestades!
Rolai as imensidades!
Varrei os mares, tufão!
(Castro Alves – O Navio Negreiro)
Abolição da Escravidão
• Conjunto de ações públicas realizadas
durante o Segundo Reinado que,
gradualmente levou à extinção da
Escravidão.
• Aconteceu gradualmente, motivada
tanto por pressões externas quanto
internas.
INGLATERRA
• Após abolir o tráfico de suas colônias (1807) e a
escravidão (1833) – passa de Maior traficante a
maior defensora do fim do comércio escravista.
POR QUE?
• Causas predominantemente econômicas.
• Completada 1ª fase inicial da Revolução Industrial
• Capitalismo consolidado
• Interesse em mercados consumidores
• Escravos não recebem por seu trabalho e
portanto não compram.
• Capitais usados na compra de escravos poderiam
ser usados na compra de mercadorias.
• A Inglaterra redobrou seus esforços no
combate ao tráfico.
• 1831, foi aprovada uma lei brasileira
antitráfico (comércio negreiro = pirataria).
• 1845 Parlamento Inglês aprovou uma lei
(Bill Aberdeen) – autorizava a Marinha
Inglesa a perseguir e afundar navios
negreiros e julgar sua tripulação em
tribunais britânicos.
• As Pressões inglesa levou o governo
brasileiro a promulgar, 1850 a lei Eusébio
de Queiroz – proíbia o tráfico negreiro.
 Após a extinção do tráfico negreiro, cresceu no
país a Campanha Abolicionista.
 Adesão de vários setores da sociedade:
Parlamentares
Imprensa
Militares
Artista intelectuais
PRINCIPAIS LEIS PROMULGADAS
LEI DO VENTRE LIVRE (1871) – declarava livre
todos os filhos de escravos nascidos a partir
daquela data.
 Segundo a lei a criança ficava sobre autoridade dos
senhores até 8 anos.
“... o senhor da mãe terá a opção de receber do
Estado a indenização de 600$000 ou utilizar-se
do menor até a idade de 21 anos” (art.1º).
 Segundo Calógeras “ficava desfechado golpe
mortal no instituto servil: ambas as fontes de
sua existência eram estancadas, as importações
africanas e o nascimento”.
CURIOSIDADE:
“EM 1884, AS PROVINCIAS DO CEARÁ E DO
AMAZONAS ADIANTARAM-SE AO GOVERNO
IMPERIAL E EXTINGUIRAM A ESCRAVIDÃO (...)
CRESCIA O NÚMERO DE ESCRAVOS QUE FUGIAM
E AUMENTAVAM AS REVOLTAS NAS FAZENDAS ...”.
(FERREIRA, 1995)
 Episódio de Itu
LEI DOS SEXAGENÁRIOS (1885) – Concedia
liberdade aos escravos com mais de 65 anos.
 Índice médio de vida do negro girava em torno
de 30 anos.
 Não satisfez os ideais Abolicionistas por isso
favoreciam a fuga de escravos.
 Favorecia os senhores, pois livrava-os da
obrigação de sustentar escravos que não
trabalhavam.
“a Lei dos Sexagenários foi uma tentativa
desesperada daqueles que se apegavam à
escravidão para deter a marcha do processo”
(Emília Viotti).
13 DE MAIO DE 1888
PROMULGADA PELA PRINCESA ISABEL
A ESCRAVIDÃO FOI LEGALMENTE
EXTINTA DO BRASIL
“O IMPÉRIO BRASILEIRO CONSEGUIU
A FAÇANHA DE SER O ÚLTIMO PAÍS
OCIDENTAL A ACABAR COM A
ESCRAVIDÃO”. (COTRIN, 239)
“A Abolição libertou o negro
do pântano da escravidão,
mas jogou-o no poço do
desemprego e/ou do emprego
não-qualificado; da miséria
que não lhe permite viver
dignamente sua cidadania
plena e da permanente
desorganização social”.
(SILVA, p. 184)
ESCRAVIDÃO ONTEM E HOJE
• Em 2002, o Ministério do Trabalho libertou
2.306 trabalhadores escravos nas áreas
rurais do país. Em 2004, foram libertados
4.932.
• Um estudo publicado pela Organização
Internacional do Trabalho (OIT), da
Organização das Nações Unidas, em maio
de 2005, indica que existem cerca de 12,3
milhões de escravos no mundo todo, dos
quais entre 40% e 50% são crianças.
Fonte: (OLIVEIRA, Pedagogia e Educação. P.3)
A verdadeira emancipação dos negros, sua
luta pela cidadania plena, é tarefa gigantesca
que permanece inacabada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaEdenilson Morais
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da repúblicaFabiana Tonsis
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Isaquel Silva
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasilFabiana Tonsis
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Nefer19
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIILú Carvalho
 

Mais procurados (20)

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasil
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 

Destaque

Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930
Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930
Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930Michel Vieira
 
Revista analisis numerico
Revista analisis numericoRevista analisis numerico
Revista analisis numericoomar abou
 
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baiana
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baianaDiferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baiana
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baianaJuliana Fernanda
 
Ensayo capitulo 11
Ensayo  capitulo 11Ensayo  capitulo 11
Ensayo capitulo 11cartagena91
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilFelipe de Souza
 
English.speaking.basic
English.speaking.basicEnglish.speaking.basic
English.speaking.basicZaw Aung
 

Destaque (8)

Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930
Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930
Crise e totalitarismo nos anos 1920 e 1930
 
Revista analisis numerico
Revista analisis numericoRevista analisis numerico
Revista analisis numerico
 
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baiana
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baianaDiferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baiana
Diferenças entre a inconfidência mineira e a conjuração baiana
 
Medios de trabajo
Medios de trabajoMedios de trabajo
Medios de trabajo
 
Ensayo capitulo 11
Ensayo  capitulo 11Ensayo  capitulo 11
Ensayo capitulo 11
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do Brasil
 
English.speaking.basic
English.speaking.basicEnglish.speaking.basic
English.speaking.basic
 
How to slides
How to slidesHow to slides
How to slides
 

Semelhante a Abolição da escravidão

01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015Rafael Noronha
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
EscravidãoRodrigo
 
01 8º ano história rafael - escravidão.
01 8º ano história   rafael  - escravidão.01 8º ano história   rafael  - escravidão.
01 8º ano história rafael - escravidão.Rafael Noronha
 
2º ano história rafa - escravidão
2º ano história   rafa  - escravidão2º ano história   rafa  - escravidão
2º ano história rafa - escravidãoRafael Noronha
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilNome Sobrenome
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanAspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanEliphas Rodrigues
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXAnderson Torres
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009Nelson Silva
 
A Independência de Cuba
A Independência de CubaA Independência de Cuba
A Independência de CubaFelippe Vidal
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidãoRafael Noronha
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroCarlos Zaranza
 
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptx
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptxMovimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptx
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptxKarinyRocha4
 
Produção e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de EscravosProdução e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de EscravosDébora Rodrigues
 

Semelhante a Abolição da escravidão (20)

01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
01 8º ano história rafael - escravidão.
01 8º ano história   rafael  - escravidão.01 8º ano história   rafael  - escravidão.
01 8º ano história rafael - escravidão.
 
2º ano história rafa - escravidão
2º ano história   rafa  - escravidão2º ano história   rafa  - escravidão
2º ano história rafa - escravidão
 
Inconfidências
InconfidênciasInconfidências
Inconfidências
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
O Segundo Reinado
O Segundo ReinadoO Segundo Reinado
O Segundo Reinado
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 
28 segundo reinado
28   segundo reinado28   segundo reinado
28 segundo reinado
 
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanAspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Aula segundo reinado
Aula segundo reinadoAula segundo reinado
Aula segundo reinado
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009
 
A Independência de Cuba
A Independência de CubaA Independência de Cuba
A Independência de Cuba
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidão
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
 
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptx
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptxMovimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptx
Movimentos Separatistas no Brasil Colonial - História 2.1 e 2.3.pptx
 
Produção e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de EscravosProdução e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de Escravos
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Abolição da escravidão

  • 1.
  • 2. Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus! Se é loucura... Se é verdade Tanto horror perante os céus... Ó mar! Por que não apagas Coa esponja de tuas vagas De teu manto este borrão?... Astros! noite! tempestades! Rolai as imensidades! Varrei os mares, tufão! (Castro Alves – O Navio Negreiro)
  • 3. Abolição da Escravidão • Conjunto de ações públicas realizadas durante o Segundo Reinado que, gradualmente levou à extinção da Escravidão. • Aconteceu gradualmente, motivada tanto por pressões externas quanto internas.
  • 4. INGLATERRA • Após abolir o tráfico de suas colônias (1807) e a escravidão (1833) – passa de Maior traficante a maior defensora do fim do comércio escravista. POR QUE? • Causas predominantemente econômicas. • Completada 1ª fase inicial da Revolução Industrial • Capitalismo consolidado • Interesse em mercados consumidores • Escravos não recebem por seu trabalho e portanto não compram. • Capitais usados na compra de escravos poderiam ser usados na compra de mercadorias.
  • 5. • A Inglaterra redobrou seus esforços no combate ao tráfico. • 1831, foi aprovada uma lei brasileira antitráfico (comércio negreiro = pirataria). • 1845 Parlamento Inglês aprovou uma lei (Bill Aberdeen) – autorizava a Marinha Inglesa a perseguir e afundar navios negreiros e julgar sua tripulação em tribunais britânicos. • As Pressões inglesa levou o governo brasileiro a promulgar, 1850 a lei Eusébio de Queiroz – proíbia o tráfico negreiro.
  • 6.
  • 7.  Após a extinção do tráfico negreiro, cresceu no país a Campanha Abolicionista.  Adesão de vários setores da sociedade: Parlamentares Imprensa Militares Artista intelectuais
  • 8. PRINCIPAIS LEIS PROMULGADAS LEI DO VENTRE LIVRE (1871) – declarava livre todos os filhos de escravos nascidos a partir daquela data.  Segundo a lei a criança ficava sobre autoridade dos senhores até 8 anos. “... o senhor da mãe terá a opção de receber do Estado a indenização de 600$000 ou utilizar-se do menor até a idade de 21 anos” (art.1º).  Segundo Calógeras “ficava desfechado golpe mortal no instituto servil: ambas as fontes de sua existência eram estancadas, as importações africanas e o nascimento”.
  • 9. CURIOSIDADE: “EM 1884, AS PROVINCIAS DO CEARÁ E DO AMAZONAS ADIANTARAM-SE AO GOVERNO IMPERIAL E EXTINGUIRAM A ESCRAVIDÃO (...) CRESCIA O NÚMERO DE ESCRAVOS QUE FUGIAM E AUMENTAVAM AS REVOLTAS NAS FAZENDAS ...”. (FERREIRA, 1995)  Episódio de Itu
  • 10. LEI DOS SEXAGENÁRIOS (1885) – Concedia liberdade aos escravos com mais de 65 anos.  Índice médio de vida do negro girava em torno de 30 anos.  Não satisfez os ideais Abolicionistas por isso favoreciam a fuga de escravos.  Favorecia os senhores, pois livrava-os da obrigação de sustentar escravos que não trabalhavam. “a Lei dos Sexagenários foi uma tentativa desesperada daqueles que se apegavam à escravidão para deter a marcha do processo” (Emília Viotti).
  • 11.
  • 12. 13 DE MAIO DE 1888 PROMULGADA PELA PRINCESA ISABEL A ESCRAVIDÃO FOI LEGALMENTE EXTINTA DO BRASIL “O IMPÉRIO BRASILEIRO CONSEGUIU A FAÇANHA DE SER O ÚLTIMO PAÍS OCIDENTAL A ACABAR COM A ESCRAVIDÃO”. (COTRIN, 239)
  • 13. “A Abolição libertou o negro do pântano da escravidão, mas jogou-o no poço do desemprego e/ou do emprego não-qualificado; da miséria que não lhe permite viver dignamente sua cidadania plena e da permanente desorganização social”. (SILVA, p. 184)
  • 15. • Em 2002, o Ministério do Trabalho libertou 2.306 trabalhadores escravos nas áreas rurais do país. Em 2004, foram libertados 4.932. • Um estudo publicado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização das Nações Unidas, em maio de 2005, indica que existem cerca de 12,3 milhões de escravos no mundo todo, dos quais entre 40% e 50% são crianças. Fonte: (OLIVEIRA, Pedagogia e Educação. P.3)
  • 16. A verdadeira emancipação dos negros, sua luta pela cidadania plena, é tarefa gigantesca que permanece inacabada.

Notas do Editor

  1. ua