SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Aspecto Culturais da Colônia

          Capítulo 03
           Página 38
      LIVRO HB 1 – Colônia
Arte na Colônia
• Padre Antônio Vieira: Sermões

• Gregório de Matos: sátiras
Contexto para a produção
•   Saraus literários;
•   Músicas sacras;
•   Movimento Iluminista:
•   Rousseau, Voltaire...
•   Jovens “brasileiros” e seus estudos na Europa;
•   Proibição dessas obras por Portugal;
• Agremiações literárias: Arcádia Ultramarina:
  Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio
  Gonzaga e Alvarenga Peixoto
• Surgimento de um nacionalismo ainda tímido;
• A arte pela luta contra a repressão;
• A literatura como construção da cultura
  brasileira;
• Em contrapartida: proibição da circulação
  dessas obras na Colônia;
• Censura: meio de combate a cultura e
  expressão das ideias
• A riqueza patrocinadora da cultura;
• Arte barroca: representação do divino e
  criticas sociais: artistas de origem pobre e
  mestiços ;
Mestre Ataíde
Aleijadinho
• Antônio Francisco Lisboa;
• Possível participação na Conjuração Mineira;
• Desigualdade social, exclusão social e racial;
• Obras críticas ao governo português e
  religiosas;
• Obra: cristo crucificado com uma marca de
  corda no pescoço: possível ligação com
  Tiradentes
a) a urbanização da Amazônia, o início da produção do tabaco, a introdução do trabalho livre com os imigrantes.
b) a introdução do tráfico africano, a integração do índio, a desarticulação das relações                                com    a    Inglaterra.
c) a industrialização de São Paulo, a produção de café no Vale do Paraíba, a expansão da criação de ovinos em Minas Gerais.
d)   a   preservação   da   população   indígena,   a   decadência   da   produção   algodoeira,   a   introdução   de   operários   europeus.
e) o aumento da produção de alimento, a integração de novas áreas por meio da pecuária e do comércio, a mudança do eixo econômico para o sul.
•   (Fuvest-SP) No século XVIII, a produção do ouro provocou muitas
    transformações na colônia. Entre elas, podemos destacar
    a) a urbanização da Amazônia, o início da produção do tabaco, a
    introdução do trabalho livre com os imigrantes.
•   b) a introdução do tráfico africano, a integração do índio, a desarticulação
    das relações com a Inglaterra.
    c) a industrialização de São Paulo, a produção de café no Vale do Paraíba,
    a expansão da criação de ovinos em Minas Gerais.
    d) a preservação da população indígena, a decadência da produção
    algodoeira, a introdução de operários europeus.
    e) o aumento da produção de alimento, a integração de novas áreas por
    meio da pecuária e do comércio, a mudança do eixo econômico para o
    sul.
E
• (Unifor-CE) no contexto do panorama cultural
  brasileiro, o Aleijadinho destacou-se por sua
  contribuição à:

  a) escultura e arquitetura;
  b) pintura e ourivesaria;
  c) gravura e cinzelamento;
  d) ourivesaria e paisagismo;
  e) pirogravura e ourivesaria.
a
•   Assinale a alternativa incorreta:
    a) A literatura e as artes em geral consolidaram-se na colônia, somente
    com a urbanização da sociedade mineira, no século XVIII.
    b) O Iluminismo exerceu forte influência sobre a elite cultural mineira,
    inclusive na Inconfidência.
    c) Os árcades mineiros, por meio de duas obras, introduziram o
    sentimento de nacionalismo na literatura, apesar de várias restrições.
    d) Portugal, seguindo o exemplo da Espanha, fundou duas faculdades de
    Direito na colônia: uma em Olinda, outra em São Paulo.
    e) As pinturas mais importantes da era mineradora, pertencem a Manuel
    da Costa Ataíde, cuja maior obra é o teto da igreja de São Francisco de
    Assis, em Ouro Preto.
d
CAPÍTULO 4
    A crise do SISTEMA COLONIAL
• REVOLTA DE BECKMAN NO MARANHÃO
• DROGAS DO SERTÃO
• PROIBIÇÃO DA ESCRAVIDÃO DO ÍNDIO
• BAIXOS PREÇOS E PRODUTOS DE MÁ
  QUALIDADE;
• POUCO APOIO DA METRÓPOLE
• DIFERENÇAS ECONÔMICAS
• CRIAÇÃO DA COMPANHIA DE COMÉRCIO DO
  MARANHÃO PARA ATENDER OS INTERESSES DOS
  COLONOS;
• NÃO FORNECIMENTO DE ESCRAVOS;
• COMPRA E VENDA POR PREÇOS “INJUSTOS”
• INVASÃO DOS ARMAZÉNS DA COMPANHIA;
• PRISÃO DOS PADRES JESUÍTAS;
• EXPULSÃO DO CAPITÃO-MOR
• E FORMAÇÃO DE UM NOVO GOVERNO
• NOVO GOVERNADOR: GOMES FREIRE DE
  ANDRADE;
• PRISÃO E EXECUÇÃO DOS PRINCIPAIS LÍDERES;
• FIM DA COMPANHIA DE COMÉRCIO DO
  MARANHÃO
A Guerra dos Emboabas
• Antecedentes:
• Descoberta do ouro por parte dos
  Bandeirantes paulistas;
• Imigração desenfreada para a região das
  minas;
• Crença do direito de explorar devido a
  descoberta por parte dos paulistas
• As minas ficavam na então região da
  capitania de São Paulo
Modo de vida paulistano
• Pobres, descalços, casas pobres, alimentação
  modesta;
• EMBOABA: todo aquele que não é da
  capitania de São Paulo;
O Conflito
•   “Surra” nos chefes dos paulistas;
•   Afastamento das regiões das minas;
•   Manuel Nunes Viana – governador;
•   Expulsão dos paulistas das           regiões
    militarizadas;
A pacificação
• Separação das capitanias de São Paulo e
  Minas Gerais;
• Elevação a condição de vila: MARIANA; Sabará
  e Ouro Preto (Vila Rica);
GUERRA DOS MASCATES
Antecedentes
• Rio de Janeiro – produção açucareira
• Nordeste declínio: concorrência interna e
  externa (Antilhas);
• Preço excessivo do escravo (região das minas);
• Endividamento dos produtores;
• Monopólio comercial (pacto colonial)
• Senhores de Engenho (elite local)
• Comerciantes (MASCATES) geralmente
  portugueses;
• Disputa entre Olinda (capital da capitania) X
  Recife (centro comercial)
• 1709 – RECIFE agora é VILA!!!!!!
Conflito
•   Indignação dos senhores de engenhos
•   Pedido de cancelamento do decreto
•   Tabelamento dos preços dos escravos;
•   Comércio com navios ingleses e franceses;
•   1712 – recife nova capital da capitania;
Revolta de Vila Rica - 1710
•   Antecedentes:
•   pacificação da guerra dos emboabas
•   Aumento dos impostos;
•   Maior controle;
•   Contrabando, corrupção e sonegação
• Inúmeras formas de contrabando
Reivindicações
• Fechamento das casas de fundição
• Fim do monopólio do sal
• Perdão incondicional dos rebeldes;

• Consequências: prisão e execução de Felipe
  dos Santos, líder da revolta;
ATIVIDADES
•   As Revolstas Separatistas
    Ao mesmo tempo em que se desenvolvia, em Portugal, uma política de reforma do
    absolutismo, surgiram conspirações na Colônia. Elas estavam ligadas às novas
    idéias e a acontecimentos ocorridos na Europa e nos Estados Unidos, mas também
    à realidade local. A idéia de uma nação brasileira foi se definindo à medida em que
    setores da sociedade da Colônia passaram a ter interesses distintos da Metrópole
    ou a identificar nela a fonte de seus problemas.
    1- No período colonial surgiram várias rebeliões e movimentos de libertação que
    questionaram a dominação portuguesa sobre o Brasil. A respeito dessas rebeliões,
    podemos afirmar que:
    I - Todos os Movimentos de contestação visavam à separação definitiva do Brasil
    de Portugal.
    II - Até a 1° metade do século XVIII, os movimentos contestatórios exigiam
    mudanças, mas não o rompimento do estatuto colonial.
    III - Desde o final do século XVIII, os movimentos de libertação sofreram a
    influência do Iluminismo e defendiam o fim do pacto colonial.
    VI - A luta pela abolição da escravatura era uma das propostas presentes em
    basicamente todas as rebeliões.
    V - Uma das razões de vários movimentos contestatórios era o abuso tributário da
    Coroa Portuguesa em relação aos colonos: Estão corretas as afirmativas:
•   1. (Unicruz-RS) - Durante quase dois séculos havia considerável identidade
    de interesses entre o desempenho da elite colonial e a política da
    Metrópole. Cabia aos senhores rurais desbravar o território brasileiro e
    desenvolver a economia da Colônia. A Metrópole só recebia os lucros na
    forma de quintos reais e dos dízimos que cobrava. Com o tempo,
    entretanto, os conflitos entre Metrópole e Colônia foram crescendo,
    alimentados por uma contradição inevitável. O resultado foi a explosão de
    revoltas, algumas sem objetivo separatista, outras com.

    Constitui revolta separatista:

    a) Guerra dos Emboabas.
    b) Guerra dos Mascates.
    c) Revolta de Vila Rica.
    d) Conjuração Mineira.
    e) Revolta de Beckman.
• 2. (Unibero-SP) - A Guerra dos Emboabas (1707-1709) e a Inconfidência
  Mineira (1789) foram revo¬tas ocorridas no Brasil. Sobre elas, assinale a
  alternativa correta:

   a) Ambas tinham o objetivo de separar o Brasil de Portugal e ocorreram
   na região da mineração.
   b) A primeira e considerada uma revolução separatista e mais radical do
   que a segunda, tendo ocorrido na região de São Paulo e liderada pelos
   Bandeirantes.
   c) Tanto a primeira como a segunda foram influenciadas pelas idéias
   iluministas e pela independência das Treze Colônias inglesas, mas só a
   segunda teve êxito nos seus objetivos.
   d) A primeira foi bem-sucedida, garantindo aos paulistas a posse da região
   da mineração, enquanto a segunda foi reprimida pela Coroa portuguesa
   antes de acontecer.
   e) Ambas ocorreram na mesma região do Brasil, contra a dominação
   portuguesa na área da mineração, no entanto, somente a segunda teve
   influência das idéias iluministas européias.
• (Fuvest)
• A elevação de Recife à condição de vila; os protestos contra a implantação
  das Casas de Fundição e contra a cobrança de quinto; a extrema miséria e
  carestia reinantes em Salvador, no final do século XVIII, foram episódios
  que colaboraram, respectivamente, para as seguintes sublevações
  coloniais:
• a) Guerra dos Emboabas, Inconfidência Mineira e Conjura dos Alfaiates.
• b) Guerra dos Mascates, Motim do Pitangui e Revolta dos Malês.
• c) Conspiração dos Suassunas, Inconfidência Mineira e Revolta do
  Maneta.
• d) Confederação do Equador, Revolta de Felipe dos Santos e Revolta dos
  Malês.
• e) Guerra dos Mascates, Revolta de Felipe dos Santos e Conjura dos
  Alfaiates.
•   (UFRN)
•   A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica,
    verificadas nas primeiras décadas do século XVIII, podem ser
    caracterizadas como:
•   a) movimentos isolados em defesa de ideias liberais, nas diversas
    capitanias, com a intenção de se criarem governos republicanos;
•   b) movimentos de defesa das terras brasileiras, que resultaram num
    sentimento nacionalista, visando à independência política;
•   c) manifestações de rebeldia localizadas, que contestavam alguns
    aspectos da política econômica de dominação do governo português;
•   d) manifestações das camadas populares das regiões envolvidas, contra as
    elites locais, negando a autoridade do governo metropolitano.
•   e) manifestações separatistas de ideologia liberal contrárias ao domínio
    português.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
emanuel
 
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
Lista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoelLista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoel
profnelton
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
Ligia Amaral
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
André Moraes
 

Mais procurados (20)

Simulado de história do brasil imperial
Simulado de história do brasil imperialSimulado de história do brasil imperial
Simulado de história do brasil imperial
 
Prova de história 1 ano
Prova de história 1 anoProva de história 1 ano
Prova de história 1 ano
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
 
UFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetivaUFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetiva
 
Matéria a ser lecionada 1º ano ensino médio
Matéria a ser lecionada  1º ano  ensino médioMatéria a ser lecionada  1º ano  ensino médio
Matéria a ser lecionada 1º ano ensino médio
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
História – brasil colônia período joanino 01 – 2014
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
 
Prova de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestreeProva de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestree
 
Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4
 
Brasil Colonial
Brasil ColonialBrasil Colonial
Brasil Colonial
 
Diagnostica historia 9ano1
Diagnostica historia 9ano1Diagnostica historia 9ano1
Diagnostica historia 9ano1
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
Lista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoelLista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoel
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
 
Avaliação de história colon
Avaliação de história colonAvaliação de história colon
Avaliação de história colon
 
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 

Semelhante a Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman

A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
Josivane Love
 
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestreResumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Marcos Schwartz
 
Brasil colonia revoltas colonias
Brasil colonia   revoltas coloniasBrasil colonia   revoltas colonias
Brasil colonia revoltas colonias
lucasdanielviei
 
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistasMódulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Breno Girotto
 
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
Wladimir Crippa
 
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
Wladimir Crippa
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
Andrei Rita
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
Daniel Alves Bronstrup
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 

Semelhante a Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman (20)

ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
 
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestreResumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
 
Brasil colônia 3
Brasil colônia 3Brasil colônia 3
Brasil colônia 3
 
Cursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opçãoCursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opção
 
Brasil colonia revoltas colonias
Brasil colonia   revoltas coloniasBrasil colonia   revoltas colonias
Brasil colonia revoltas colonias
 
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistasMódulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
 
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
 
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg3º Bloco   2   FormaçãO EconôMica E Social Brasileira   Fernando Niedersberg
3º Bloco 2 FormaçãO EconôMica E Social Brasileira Fernando Niedersberg
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
 
O BRASIL E A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL.pptx
O BRASIL E A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL.pptxO BRASIL E A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL.pptx
O BRASIL E A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL.pptx
 
arquivo_52_279_2066.ppt
arquivo_52_279_2066.pptarquivo_52_279_2066.ppt
arquivo_52_279_2066.ppt
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revoltas Coloniais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revoltas Coloniaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revoltas Coloniais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revoltas Coloniais
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
www.CentroApoio.com - História - Revoltas Coloniais - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revoltas Coloniais - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - História - Revoltas Coloniais - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revoltas Coloniais - Vídeo Aula
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
21 educar - cap36 - tensões na américa portuguesa
21 educar - cap36 - tensões na américa portuguesa21 educar - cap36 - tensões na américa portuguesa
21 educar - cap36 - tensões na américa portuguesa
 

Mais de Eliphas Rodrigues

Mais de Eliphas Rodrigues (18)

Africanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistênciaAfricanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistência
 
Revoltas coloniais
Revoltas coloniaisRevoltas coloniais
Revoltas coloniais
 
Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2
 
Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1
 
Reforma protestante e a Contrarreforma
Reforma protestante e a ContrarreformaReforma protestante e a Contrarreforma
Reforma protestante e a Contrarreforma
 
Renascimento> características e conceitos
Renascimento> características e conceitosRenascimento> características e conceitos
Renascimento> características e conceitos
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
História e cultura afro brasileira (2)
História e cultura afro brasileira (2)História e cultura afro brasileira (2)
História e cultura afro brasileira (2)
 
Africa & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileiraAfrica & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileira
 
O pós guerra (anos 80
O pós guerra (anos 80O pós guerra (anos 80
O pós guerra (anos 80
 
Revoltas republicanas
Revoltas republicanasRevoltas republicanas
Revoltas republicanas
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
II GUERRA MUNDIAL PARTE II
II GUERRA MUNDIAL PARTE IIII GUERRA MUNDIAL PARTE II
II GUERRA MUNDIAL PARTE II
 
II guerra mundial
II guerra mundialII guerra mundial
II guerra mundial
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 
Cultura no Brasil imperial
Cultura no Brasil imperialCultura no Brasil imperial
Cultura no Brasil imperial
 
colonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeirascolonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeiras
 
O processo da independência
O processo da independênciaO processo da independência
O processo da independência
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman

  • 1. Aspecto Culturais da Colônia Capítulo 03 Página 38 LIVRO HB 1 – Colônia
  • 2. Arte na Colônia • Padre Antônio Vieira: Sermões • Gregório de Matos: sátiras
  • 3. Contexto para a produção • Saraus literários; • Músicas sacras; • Movimento Iluminista: • Rousseau, Voltaire... • Jovens “brasileiros” e seus estudos na Europa; • Proibição dessas obras por Portugal;
  • 4. • Agremiações literárias: Arcádia Ultramarina: Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e Alvarenga Peixoto
  • 5. • Surgimento de um nacionalismo ainda tímido; • A arte pela luta contra a repressão; • A literatura como construção da cultura brasileira; • Em contrapartida: proibição da circulação dessas obras na Colônia; • Censura: meio de combate a cultura e expressão das ideias
  • 6. • A riqueza patrocinadora da cultura; • Arte barroca: representação do divino e criticas sociais: artistas de origem pobre e mestiços ;
  • 8.
  • 9.
  • 10. Aleijadinho • Antônio Francisco Lisboa; • Possível participação na Conjuração Mineira; • Desigualdade social, exclusão social e racial; • Obras críticas ao governo português e religiosas; • Obra: cristo crucificado com uma marca de corda no pescoço: possível ligação com Tiradentes
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. a) a urbanização da Amazônia, o início da produção do tabaco, a introdução do trabalho livre com os imigrantes. b) a introdução do tráfico africano, a integração do índio, a desarticulação das relações com a Inglaterra. c) a industrialização de São Paulo, a produção de café no Vale do Paraíba, a expansão da criação de ovinos em Minas Gerais. d) a preservação da população indígena, a decadência da produção algodoeira, a introdução de operários europeus. e) o aumento da produção de alimento, a integração de novas áreas por meio da pecuária e do comércio, a mudança do eixo econômico para o sul.
  • 15. (Fuvest-SP) No século XVIII, a produção do ouro provocou muitas transformações na colônia. Entre elas, podemos destacar a) a urbanização da Amazônia, o início da produção do tabaco, a introdução do trabalho livre com os imigrantes. • b) a introdução do tráfico africano, a integração do índio, a desarticulação das relações com a Inglaterra. c) a industrialização de São Paulo, a produção de café no Vale do Paraíba, a expansão da criação de ovinos em Minas Gerais. d) a preservação da população indígena, a decadência da produção algodoeira, a introdução de operários europeus. e) o aumento da produção de alimento, a integração de novas áreas por meio da pecuária e do comércio, a mudança do eixo econômico para o sul.
  • 16. E • (Unifor-CE) no contexto do panorama cultural brasileiro, o Aleijadinho destacou-se por sua contribuição à: a) escultura e arquitetura; b) pintura e ourivesaria; c) gravura e cinzelamento; d) ourivesaria e paisagismo; e) pirogravura e ourivesaria.
  • 17. a • Assinale a alternativa incorreta: a) A literatura e as artes em geral consolidaram-se na colônia, somente com a urbanização da sociedade mineira, no século XVIII. b) O Iluminismo exerceu forte influência sobre a elite cultural mineira, inclusive na Inconfidência. c) Os árcades mineiros, por meio de duas obras, introduziram o sentimento de nacionalismo na literatura, apesar de várias restrições. d) Portugal, seguindo o exemplo da Espanha, fundou duas faculdades de Direito na colônia: uma em Olinda, outra em São Paulo. e) As pinturas mais importantes da era mineradora, pertencem a Manuel da Costa Ataíde, cuja maior obra é o teto da igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto.
  • 18. d
  • 19. CAPÍTULO 4 A crise do SISTEMA COLONIAL • REVOLTA DE BECKMAN NO MARANHÃO • DROGAS DO SERTÃO • PROIBIÇÃO DA ESCRAVIDÃO DO ÍNDIO • BAIXOS PREÇOS E PRODUTOS DE MÁ QUALIDADE; • POUCO APOIO DA METRÓPOLE • DIFERENÇAS ECONÔMICAS
  • 20. • CRIAÇÃO DA COMPANHIA DE COMÉRCIO DO MARANHÃO PARA ATENDER OS INTERESSES DOS COLONOS; • NÃO FORNECIMENTO DE ESCRAVOS; • COMPRA E VENDA POR PREÇOS “INJUSTOS” • INVASÃO DOS ARMAZÉNS DA COMPANHIA; • PRISÃO DOS PADRES JESUÍTAS; • EXPULSÃO DO CAPITÃO-MOR • E FORMAÇÃO DE UM NOVO GOVERNO
  • 21. • NOVO GOVERNADOR: GOMES FREIRE DE ANDRADE; • PRISÃO E EXECUÇÃO DOS PRINCIPAIS LÍDERES; • FIM DA COMPANHIA DE COMÉRCIO DO MARANHÃO
  • 22.
  • 23.
  • 24. A Guerra dos Emboabas • Antecedentes: • Descoberta do ouro por parte dos Bandeirantes paulistas; • Imigração desenfreada para a região das minas; • Crença do direito de explorar devido a descoberta por parte dos paulistas • As minas ficavam na então região da capitania de São Paulo
  • 25. Modo de vida paulistano • Pobres, descalços, casas pobres, alimentação modesta; • EMBOABA: todo aquele que não é da capitania de São Paulo;
  • 26. O Conflito • “Surra” nos chefes dos paulistas; • Afastamento das regiões das minas; • Manuel Nunes Viana – governador; • Expulsão dos paulistas das regiões militarizadas;
  • 27. A pacificação • Separação das capitanias de São Paulo e Minas Gerais; • Elevação a condição de vila: MARIANA; Sabará e Ouro Preto (Vila Rica);
  • 29.
  • 30. Antecedentes • Rio de Janeiro – produção açucareira • Nordeste declínio: concorrência interna e externa (Antilhas); • Preço excessivo do escravo (região das minas); • Endividamento dos produtores; • Monopólio comercial (pacto colonial)
  • 31. • Senhores de Engenho (elite local) • Comerciantes (MASCATES) geralmente portugueses; • Disputa entre Olinda (capital da capitania) X Recife (centro comercial) • 1709 – RECIFE agora é VILA!!!!!!
  • 32. Conflito • Indignação dos senhores de engenhos • Pedido de cancelamento do decreto • Tabelamento dos preços dos escravos; • Comércio com navios ingleses e franceses; • 1712 – recife nova capital da capitania;
  • 33. Revolta de Vila Rica - 1710
  • 34. Antecedentes: • pacificação da guerra dos emboabas • Aumento dos impostos; • Maior controle; • Contrabando, corrupção e sonegação
  • 35. • Inúmeras formas de contrabando
  • 36. Reivindicações • Fechamento das casas de fundição • Fim do monopólio do sal • Perdão incondicional dos rebeldes; • Consequências: prisão e execução de Felipe dos Santos, líder da revolta;
  • 37.
  • 39. As Revolstas Separatistas Ao mesmo tempo em que se desenvolvia, em Portugal, uma política de reforma do absolutismo, surgiram conspirações na Colônia. Elas estavam ligadas às novas idéias e a acontecimentos ocorridos na Europa e nos Estados Unidos, mas também à realidade local. A idéia de uma nação brasileira foi se definindo à medida em que setores da sociedade da Colônia passaram a ter interesses distintos da Metrópole ou a identificar nela a fonte de seus problemas. 1- No período colonial surgiram várias rebeliões e movimentos de libertação que questionaram a dominação portuguesa sobre o Brasil. A respeito dessas rebeliões, podemos afirmar que: I - Todos os Movimentos de contestação visavam à separação definitiva do Brasil de Portugal. II - Até a 1° metade do século XVIII, os movimentos contestatórios exigiam mudanças, mas não o rompimento do estatuto colonial. III - Desde o final do século XVIII, os movimentos de libertação sofreram a influência do Iluminismo e defendiam o fim do pacto colonial. VI - A luta pela abolição da escravatura era uma das propostas presentes em basicamente todas as rebeliões. V - Uma das razões de vários movimentos contestatórios era o abuso tributário da Coroa Portuguesa em relação aos colonos: Estão corretas as afirmativas:
  • 40. 1. (Unicruz-RS) - Durante quase dois séculos havia considerável identidade de interesses entre o desempenho da elite colonial e a política da Metrópole. Cabia aos senhores rurais desbravar o território brasileiro e desenvolver a economia da Colônia. A Metrópole só recebia os lucros na forma de quintos reais e dos dízimos que cobrava. Com o tempo, entretanto, os conflitos entre Metrópole e Colônia foram crescendo, alimentados por uma contradição inevitável. O resultado foi a explosão de revoltas, algumas sem objetivo separatista, outras com. Constitui revolta separatista: a) Guerra dos Emboabas. b) Guerra dos Mascates. c) Revolta de Vila Rica. d) Conjuração Mineira. e) Revolta de Beckman.
  • 41. • 2. (Unibero-SP) - A Guerra dos Emboabas (1707-1709) e a Inconfidência Mineira (1789) foram revo¬tas ocorridas no Brasil. Sobre elas, assinale a alternativa correta: a) Ambas tinham o objetivo de separar o Brasil de Portugal e ocorreram na região da mineração. b) A primeira e considerada uma revolução separatista e mais radical do que a segunda, tendo ocorrido na região de São Paulo e liderada pelos Bandeirantes. c) Tanto a primeira como a segunda foram influenciadas pelas idéias iluministas e pela independência das Treze Colônias inglesas, mas só a segunda teve êxito nos seus objetivos. d) A primeira foi bem-sucedida, garantindo aos paulistas a posse da região da mineração, enquanto a segunda foi reprimida pela Coroa portuguesa antes de acontecer. e) Ambas ocorreram na mesma região do Brasil, contra a dominação portuguesa na área da mineração, no entanto, somente a segunda teve influência das idéias iluministas européias.
  • 42. • (Fuvest) • A elevação de Recife à condição de vila; os protestos contra a implantação das Casas de Fundição e contra a cobrança de quinto; a extrema miséria e carestia reinantes em Salvador, no final do século XVIII, foram episódios que colaboraram, respectivamente, para as seguintes sublevações coloniais: • a) Guerra dos Emboabas, Inconfidência Mineira e Conjura dos Alfaiates. • b) Guerra dos Mascates, Motim do Pitangui e Revolta dos Malês. • c) Conspiração dos Suassunas, Inconfidência Mineira e Revolta do Maneta. • d) Confederação do Equador, Revolta de Felipe dos Santos e Revolta dos Malês. • e) Guerra dos Mascates, Revolta de Felipe dos Santos e Conjura dos Alfaiates.
  • 43. (UFRN) • A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica, verificadas nas primeiras décadas do século XVIII, podem ser caracterizadas como: • a) movimentos isolados em defesa de ideias liberais, nas diversas capitanias, com a intenção de se criarem governos republicanos; • b) movimentos de defesa das terras brasileiras, que resultaram num sentimento nacionalista, visando à independência política; • c) manifestações de rebeldia localizadas, que contestavam alguns aspectos da política econômica de dominação do governo português; • d) manifestações das camadas populares das regiões envolvidas, contra as elites locais, negando a autoridade do governo metropolitano. • e) manifestações separatistas de ideologia liberal contrárias ao domínio português.