SlideShare uma empresa Scribd logo
Caetana Coevas
             Tâmara Saba




III Nível – Silvicultura – I Semestre 2011
       Disciplina: Fisiologia Vegetal
   Estomas são anexos epidérmicos das folhas
    constituídos    por    duas   células-guardas   ou
    estomáticas repletas de cloroplastos, cuja parede
    interna, que rodeia a abertura do ostíolo, é mais
    espessada, esse fato faz com que as restantes
    paredes    das    células-guarda   tenham     maior
    elasticidade, o que permite abrir ou fechar o
    estoma, de acordo com o grau de turgescência da
    célula.
   Estas estruturas epidérmicas podem ser também
    encontradas em frutos, flores e caules jovens.
   Ao lado aparecem duas ou mais células conhecidas
    por anexas, companheiras ou subsidiárias.
   O ostíolo abre-se, no interior da folha, numa
    grande       cavidade      denominada       câmara
    subestomática.
Fisiologia dos estômatos
    Estas células podem ser de dois tipos:
    A) elípticas (em forma de rim)
    B) em forma de halter, estômatos típicos de
    gramíneas.
   Funções:

          a)Transpiração.
          b)Fotossíntese.
          c)Respiração.
          d)Termoregulador

   As células guarda só apresentam plasmodesmos
    entre elas e não apresentam qualquer tipo de
    conexão com as restantes células do complexo
    estomático.

   Assim, todos os compostos importados para o
    seu interior têm de atravessar a membrana
    plasmática. Esta característica do complexo
    estomático é extremamente importante em
    termos fisiológicos.
   A frequência estomática é definida como o
    número de estômatos por unidade de área de
    uma face foliar.

   A densidade varia entre espécies, indivíduos e
    até mesmo entre folhas de uma mesma planta,
    sendo modificada por fatores ambientais, tais
    como    luminosidade,  umidade     do    ar  e
    concentração de CO2 .

   A localização dos estômatos nas faces das folhas (adaxial
    e abaxial)) pode variar dependendo da espécie:

    a)ANFIESTOMÁTICA. ambas - Ex. Folhas de regiões
    áridas.

   b)HIPOESTOMÁTICA. abaxial - Ex. Folhas de regiões
    úmidas.

   c)EPIESTOMÁTICA. adaxial - Ex. Folhas de plantas
    aquáticas.

   d)ANISOESTOMÁTIA.        ambas,   porém    com   número
    diferentes
   As formas, tamanhos, o arranjo espacial e as
    características das outras células do complexo estomático
    são importantes para que ocorram as mudanças de
    abertura dos estomas.

    A comparação dos complexos estomáticos antes e depois
    da abertura do póro mostra que o aumento de volume das
    células guarda é parcialmente compensado pelo decréscimo
    de volume das células vizinhas.

   Estas mudanças no volume são devidas ao movimento
    osmótico da água que segue o aumento do conteúdo em
    solutos das células guarda, o que também modifica as
    relações de turgescência entre as células guarda e as
    vizinhas (Weyers & meidner, 1990).

   As células guardas são normalmente menores do que
    as células adjacentes da epiderme, permitindo
    alterações muito rapidas na pressão de turgescência.

   O decréscimo no potencial osmótico ΨS    resulta no
    decréscimo do Ψw e consequentemente a água move-se
    para dentro da célula guarda.

   O movimento de íons nas células guardas,
    principalmente de K+, provocam grandes mudanças no
    ΨS e consequentemente no Ψ.

   A turgescência das células guarda estão diretamente
    relacionadas com a entrada e saída de íons de
    potássio.
   Quando o potássio entra nas células guarda, por
    transporte ativo, aumenta a pressão osmótica nestas
    células, levando à entrada de água por osmose.
   As células guarda ficam túrgidas, abrindo, então, o
    estômato.

   Quando o potássio sai da célula, por difusão simples,
    diminui a pressão osmótica nestas células, levando à
    saída de água por osmose. As células guarda ficam
    plasmolisadas, fechando o estômato.

   Estudos sobre o conteúdo em solutos das células
    guarda mostraram que o potássio é mais importante
    no início do dia, mas depois a sua concentração
    diminui ao mesmo tempo que a concentração em
    sacarose aumenta, atingindo um pico na fase do dia
    em que a abertura estomática é máxima
Fisiologia dos estômatos
   O potencial osmótico das células guarda diminui,
    isto é, fica mais negativo quando os estomas
    abrem.
    Como as células guarda praticamente duplicam o
    seu volume durante a abertura, este aumento da
    concentração de solutos ocorre apesar da diluição
    (Salisbury & Ross, 1992).
   Em resumo, os estomas abrem devido à absorção
    de água pelas células guarda, e esta absorção é
    causada pela concentração de solutos que
    provoca uma diminuição do potencial osmótico.
   O mecanismo de abertura e fechamento estomático é bem
    complexo, sendo regulado por diversos fatores, dentre eles:
    a concentração de íons potássio, influenciando na pressão
    osmótica, a intensidade luminosa, a concentração de gás
    carbônico    e     o    teor    hídrico     do     vegetal.

   Concentração de K+
    Alta concentração - Abertura do ostíolo
     Baixa concentração - Fechamento do ostíolo

   Intensidade luminosa
    Alta intensidade - Abertura do ostíolo
     Baixa intensidade - Fechamento do ostíolo
   Concentração de CO2
    Alta concentração - Fechamento do ostíolo
     Baixa concentração - Abertura do ostíolo

   Suprimento de água
    Alto teor - Abertura do ostíolo
     Baixo teor - Fechamento do ostíolo
   http://www.angelfire.com/ar3/alexcosta0/Re
    lHid/Rhw8.htm
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%B4mato
   http://www.simbiotica.org/transporteplanta.
    htm
   MARENCO Ricardo A e LOPES Nei Fernandes
   Fisiologia Vegetal 3ª edição.
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 flor
3 flor3 flor
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
00367p
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
Ronaldo Professorr
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Flores 2012 aula
Flores 2012 aulaFlores 2012 aula
Flores 2012 aula
Priscila Belintani
 
Transpiração vegetal
Transpiração vegetalTranspiração vegetal
Transpiração vegetal
Andreas Hoskens
 
Fisiologia vegetal apostila 1
Fisiologia vegetal   apostila 1Fisiologia vegetal   apostila 1
Fisiologia vegetal apostila 1
Johnson Rocha
 
Aula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetalAula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetal
Andréa Vasconcelos
 
Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
Maria Betânia
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
Joseanny Pereira
 
Translocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicosTranslocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicos
Joseanny Pereira
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal
Alexandre Pusaudse
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
Joseanny Pereira
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
profatatiana
 
Folhas
FolhasFolhas
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FloresSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Turma Olímpica
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
Marcus Magarinho
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FolhaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Turma Olímpica
 
Angiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_brAngiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_br
EduardoEmiliano
 

Mais procurados (20)

3 flor
3 flor3 flor
3 flor
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Flores 2012 aula
Flores 2012 aulaFlores 2012 aula
Flores 2012 aula
 
Transpiração vegetal
Transpiração vegetalTranspiração vegetal
Transpiração vegetal
 
Fisiologia vegetal apostila 1
Fisiologia vegetal   apostila 1Fisiologia vegetal   apostila 1
Fisiologia vegetal apostila 1
 
Aula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetalAula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetal
 
Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
 
Translocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicosTranslocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicos
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
 
Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FloresSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FolhaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Folha
 
Angiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_brAngiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_br
 

Semelhante a Fisiologia dos estômatos

Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Membrana Plasmatica
Membrana PlasmaticaMembrana Plasmatica
Membrana Plasmatica
BIOGERALDO
 
Membrana celular pp
Membrana celular ppMembrana celular pp
Membrana celular pp
Fernando Rcc
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
Isaura Mourão
 
rsrsrOsmose
rsrsrOsmosersrsrOsmose
rsrsrOsmose
Edson Leão
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
Alice MLK
 
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças EstruturaisCélulas Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
MaelDIncio
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Suely Santos
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
Rafael Soapprice
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Claudia Braz
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Robervania Nadja
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
Hugo Martins
 
Apostila de fisiologia vegetal 2009
Apostila de fisiologia vegetal 2009Apostila de fisiologia vegetal 2009
Apostila de fisiologia vegetal 2009
Robbyson Melo
 
Mapa conceitual membrana plasmática
Mapa conceitual   membrana plasmáticaMapa conceitual   membrana plasmática
Mapa conceitual membrana plasmática
Laurinda Lima
 
A membrana plasmática
A membrana plasmáticaA membrana plasmática
A membrana plasmática
Kamos Diniz
 
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos VegetaisFrente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Ressurrei
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
Nilderlânia Paulino Sampaio
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 

Semelhante a Fisiologia dos estômatos (20)

Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
Membrana Plasmatica
Membrana PlasmaticaMembrana Plasmatica
Membrana Plasmatica
 
Membrana celular pp
Membrana celular ppMembrana celular pp
Membrana celular pp
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
 
rsrsrOsmose
rsrsrOsmosersrsrOsmose
rsrsrOsmose
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças EstruturaisCélulas Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
Células Procariontes e Eucariontes: Diferenças Estruturais
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
 
Apostila de fisiologia vegetal 2009
Apostila de fisiologia vegetal 2009Apostila de fisiologia vegetal 2009
Apostila de fisiologia vegetal 2009
 
Mapa conceitual membrana plasmática
Mapa conceitual   membrana plasmáticaMapa conceitual   membrana plasmática
Mapa conceitual membrana plasmática
 
A membrana plasmática
A membrana plasmáticaA membrana plasmática
A membrana plasmática
 
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos VegetaisFrente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 

Mais de Caetana Coevas

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
Caetana Coevas
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
Caetana Coevas
 
Seminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetanaSeminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetana
Caetana Coevas
 
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso  syzygium cuminiEfeitos do extrato aquoso  syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Caetana Coevas
 
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadasContenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Caetana Coevas
 
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreasInfluência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Caetana Coevas
 
Sem. de ecologia1
Sem. de ecologia1Sem. de ecologia1
Sem. de ecologia1
Caetana Coevas
 
Resumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar CaetanaResumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar Caetana
Caetana Coevas
 

Mais de Caetana Coevas (8)

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
 
Seminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetanaSeminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetana
 
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso  syzygium cuminiEfeitos do extrato aquoso  syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
 
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadasContenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
 
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreasInfluência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
 
Sem. de ecologia1
Sem. de ecologia1Sem. de ecologia1
Sem. de ecologia1
 
Resumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar CaetanaResumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar Caetana
 

Fisiologia dos estômatos

  • 1. Caetana Coevas Tâmara Saba III Nível – Silvicultura – I Semestre 2011 Disciplina: Fisiologia Vegetal
  • 2. Estomas são anexos epidérmicos das folhas constituídos por duas células-guardas ou estomáticas repletas de cloroplastos, cuja parede interna, que rodeia a abertura do ostíolo, é mais espessada, esse fato faz com que as restantes paredes das células-guarda tenham maior elasticidade, o que permite abrir ou fechar o estoma, de acordo com o grau de turgescência da célula.  Estas estruturas epidérmicas podem ser também encontradas em frutos, flores e caules jovens.  Ao lado aparecem duas ou mais células conhecidas por anexas, companheiras ou subsidiárias.  O ostíolo abre-se, no interior da folha, numa grande cavidade denominada câmara subestomática.
  • 4. Estas células podem ser de dois tipos:  A) elípticas (em forma de rim)  B) em forma de halter, estômatos típicos de gramíneas.
  • 5. Funções:  a)Transpiração.  b)Fotossíntese.  c)Respiração.  d)Termoregulador  As células guarda só apresentam plasmodesmos entre elas e não apresentam qualquer tipo de conexão com as restantes células do complexo estomático.  Assim, todos os compostos importados para o seu interior têm de atravessar a membrana plasmática. Esta característica do complexo estomático é extremamente importante em termos fisiológicos.
  • 6. A frequência estomática é definida como o número de estômatos por unidade de área de uma face foliar.  A densidade varia entre espécies, indivíduos e até mesmo entre folhas de uma mesma planta, sendo modificada por fatores ambientais, tais como luminosidade, umidade do ar e concentração de CO2 . 
  • 7. A localização dos estômatos nas faces das folhas (adaxial e abaxial)) pode variar dependendo da espécie:  a)ANFIESTOMÁTICA. ambas - Ex. Folhas de regiões áridas.  b)HIPOESTOMÁTICA. abaxial - Ex. Folhas de regiões úmidas.  c)EPIESTOMÁTICA. adaxial - Ex. Folhas de plantas aquáticas.  d)ANISOESTOMÁTIA. ambas, porém com número diferentes
  • 8. As formas, tamanhos, o arranjo espacial e as características das outras células do complexo estomático são importantes para que ocorram as mudanças de abertura dos estomas.  A comparação dos complexos estomáticos antes e depois da abertura do póro mostra que o aumento de volume das células guarda é parcialmente compensado pelo decréscimo de volume das células vizinhas.  Estas mudanças no volume são devidas ao movimento osmótico da água que segue o aumento do conteúdo em solutos das células guarda, o que também modifica as relações de turgescência entre as células guarda e as vizinhas (Weyers & meidner, 1990). 
  • 9. As células guardas são normalmente menores do que as células adjacentes da epiderme, permitindo alterações muito rapidas na pressão de turgescência.  O decréscimo no potencial osmótico ΨS resulta no decréscimo do Ψw e consequentemente a água move-se para dentro da célula guarda.  O movimento de íons nas células guardas, principalmente de K+, provocam grandes mudanças no ΨS e consequentemente no Ψ.  A turgescência das células guarda estão diretamente relacionadas com a entrada e saída de íons de potássio.
  • 10. Quando o potássio entra nas células guarda, por transporte ativo, aumenta a pressão osmótica nestas células, levando à entrada de água por osmose.  As células guarda ficam túrgidas, abrindo, então, o estômato.  Quando o potássio sai da célula, por difusão simples, diminui a pressão osmótica nestas células, levando à saída de água por osmose. As células guarda ficam plasmolisadas, fechando o estômato.  Estudos sobre o conteúdo em solutos das células guarda mostraram que o potássio é mais importante no início do dia, mas depois a sua concentração diminui ao mesmo tempo que a concentração em sacarose aumenta, atingindo um pico na fase do dia em que a abertura estomática é máxima
  • 12. O potencial osmótico das células guarda diminui, isto é, fica mais negativo quando os estomas abrem.  Como as células guarda praticamente duplicam o seu volume durante a abertura, este aumento da concentração de solutos ocorre apesar da diluição (Salisbury & Ross, 1992).  Em resumo, os estomas abrem devido à absorção de água pelas células guarda, e esta absorção é causada pela concentração de solutos que provoca uma diminuição do potencial osmótico.
  • 13. O mecanismo de abertura e fechamento estomático é bem complexo, sendo regulado por diversos fatores, dentre eles: a concentração de íons potássio, influenciando na pressão osmótica, a intensidade luminosa, a concentração de gás carbônico e o teor hídrico do vegetal.  Concentração de K+  Alta concentração - Abertura do ostíolo Baixa concentração - Fechamento do ostíolo  Intensidade luminosa  Alta intensidade - Abertura do ostíolo Baixa intensidade - Fechamento do ostíolo
  • 14. Concentração de CO2  Alta concentração - Fechamento do ostíolo Baixa concentração - Abertura do ostíolo  Suprimento de água  Alto teor - Abertura do ostíolo Baixo teor - Fechamento do ostíolo
  • 15. http://www.angelfire.com/ar3/alexcosta0/Re lHid/Rhw8.htm  http://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%B4mato  http://www.simbiotica.org/transporteplanta. htm  MARENCO Ricardo A e LOPES Nei Fernandes  Fisiologia Vegetal 3ª edição.