SlideShare uma empresa Scribd logo
História da 1ª REPÚBLICA




                A Revolução
              Republicana e a
            queda da Monarquia




                                 1
Razões
   da
 queda
   da
Monarquia:
             2
-1- Apesar do
Desenvolvimento
 industrial verificado
na 2ª metade do século XIX,
grande parte da população
portuguesa continuava a trabalhar
na agricultura, uma agricultura
muito pobre e pouco produtiva;
                                    3
-2- As fábricas localizavam-se
sobretudo nas regiões de Lisboa e
Porto;




                                4
-3-O país tinha grandes
dívidas;




                          5
- 4 - A
maior parte
da população
vivia mal;


               6
- 5 - Grande agitação POLÍTICA E
SOCIAL e falta de liberdade.




                                   7
Assim: A MONARQUIA entra em
   CRISE
     CRISE POLÍTICO/SOCIAL

 1. Grande descontentamento popular
  resultante do Ultimato Inglês de
  1890;
2. o
 partido
 republicano
 , fundado
 em 1876,
 ganha cada
 vez mais
 adeptos;
CRISE ECONÓMICO -
           FINANCEIRA

 A) aumento da inflação;
INFLAÇÃO –
( de forma mais simples , significa ou)

 É o aumento contínuo do nível geral de
preços DE BENS DE CONSUMO E
SERVIÇOS e a diminuição do poder de
compra do dinheiro.



                                           11
b)
 aumento
 dos
 impostos;
C) aumento do custo de vida;
 D) o Estado não cumpria com o
 pagamento das suas dívidas às
 empresas, privadas, estatais e ainda
 internacionais; (exemplo é: o pedido de
 empréstimo a bancos estrangeiros.)
e) a família real gastava mais
 do que recebia de pensão e
 ajudas de custo do estado.
O PRINCIPIO do FIM :
Em 1876, formou-se o Partido Republicano
  Português, que propunha substituir a Monarquia
  pela República.


Monarquia                    República

-O   chefe de Estado é o    -O chefe de Estado é o
rei.                        presidente.
- O rei herda o trono.      -O presidente é eleito pelos
- Governa até à morte.      cidadãos, ou, pelos seus
                            representantes.
                            - A duração do mandato
                            presidencial é limitada por lei.
                            (actualmente é 5 anos.)       16
BANDEIRA E SELO DA MONARQUIA
O PARTIDO REPUBLICANO PORTUGUÊS


  A partir de 1880, e das
comemorações             do
tricentenário da morte de
Camões aproveitadas para
divulgação    das    ideias
republicanos, torna-se o
mais importante partido da
oposição;
(Algumas destas ideias eram
inspiradas   na     revolução
francesa.)


                                        18
O partido republicano defendia o progresso,
          a liberdade e a justiça;




                                         19
Este partido era formado por intelectuais e
estudiosos, profissionais liberais (advogados,
médicos, professores), comerciantes, industriais,
funcionários e operários;




                                              20
Entre os seus
fundadores está
Teófilo
Braga, escritor
e Presidente do 1º
governo Provisório.


                      21
Revendo e explicando:
       Afinal o que foi o ultimato inglês?
             Como é que começou?
 Foi um acontecimento relacionado com as colónias
portuguesas em África e que contribuiu para que o
Partido Republicano fosse ganhando cada vez mais
apoiantes.




                                                22
E a história do ultimato inglês começa
pela CONFERÊNCIA DE BERLIM:




                                         23
•      Portugal, depois da
    independência do Brasil,
    organizou viagens de exploração
    em África, com o objetivo de
    dominar as terras
    compreendidas entre Angola e
    Moçambique, já que eram os
    únicos territórios que restavam.

                                       24
Em 1886, Portugal
 apresentou um mapa
 (mapa cor-de-
 rosa), onde
 constavam esses
 territórios a que
 julgava ter direitos.
(Estes territórios incluíam
  as terras de Angola e
  Moçambique e também
  as terras entre estes
  dois futuros países,
  zonas muito ricas em
  vários minerais e outras
  matérias primas.)           25
A história da 1ª republica
Ora em 1884 a 1885 tinha havido uma
CONFERÊNCIA em BERLIM onde os
países mais poderosos da EUROPA
tinham feito a PARTILHA DOS
TERRITÓRIOS de ÁFRICA.
 Estes países decidiram que: quem tinha direito
  e podia ocupar os territórios africanos seriam
  os países que os ocupassem efetivamente;
 Substituíram o direito de ocupação histórico
  (RECLAMADO por Portugal, desde os
  Descobrimentos).
28
A INGLATERRA
que nos finais do
século XIX era já a
maior potência da
EUROPA estava
também interessada
em ocupar os
mesmos territórios
entre Angola e
Moçambique

                      29
LOGO: A Inglaterra opôs-
  se à ocupação por
  Portugal destes
  territórios e, em 1890,
       um
  enviou
  ultimato, exigindo
  que os portugueses os
  abandonassem , sob
  pena de declaração de
  guerra. O rei D. Carlos
  e o governo aceitaram a
  exigência britânica,
  deixando o país numa
  posição humilhante.

                            30
Assim O ULTIMATO INGLÊS foi:
 A ordem em que Inglaterra impõe a Portugal a
  retirada imediata dos territórios entre Angola
  e Moçambique;
 Portugal, muito dependente economicamente
  de Inglaterra, devendo dinheiro a este e
  outros países, cedeu;
 Não tendo um exército forte e bem armado
  capaz de fazer frente a uma potência como a
  Inglaterra, cedeu;
E provocou ondas de
descontentamento, protesto e
revoltas nacionalistas na
população portuguesa,
agitadas pelo PARTIDO
REPUBLICANO.



                               32
Rei D. Carlos, o rei
diplomata e o rei
INCOMPREENDIDO.
Não se esqueçam que:

Portugal vai entrar na 1ª GUERRA
MUNDIAL, apesar de não ter meios
financeiros e económicos e estar a passar
por uma grande crise política, exatamente
para tentar proteger as colónias africanas
que conseguiu na conferência de Berlim e
que eram ambicionadas pela ALEMANHA
, no caso de Angola e pela INGLATERRA
no caso de Moçambique, pois já tinha
ocupado os territórios entre eles.
35
Preparando a Revolução Republicana
  1- Em 31 de Janeiro de 1891 dá-se no
Porto a primeira revolta armada contra a
monarquia .




                                           36
2 - No dia 1 de Fevereiro de 1908,
em Lisboa, ocorre o regicídio: são
mortos num atentado o rei D. Carlos
I e o príncipe herdeiro, D. Luís
Filipe.




                                      37
Assim, O REGICÍDIO em 1908 foi:
                 A família real é alvo de um
                  ataque, a 1 de Fevereiro de
                  1908, quando regressava a
                  Lisboa, vinda de Vila
                  Viçosa, em que morrem o
                  rei D. Carlos e o príncipe
                  herdeiro D. Luís Filipe;
                 D. Manuel II, com 18 anos,
                  sobe ao trono e demite
                  João Franco, então 1º
                  ministro;
                 de 1908 a 1910 a monarquia
                  foi incapaz de resolver a
                  grave crise do reino .
REI D. CARLOS E RAINHA D. AMÉLIA
D. MANUEL E D. AMÉLIA APÓS
       O REGICÍDIO
3 -  Sobe ao trono D. Manuel II
que viria a ser o último rei em
Portugal.




                                   41
ACLAMAÇÃO DO ÚLTIMO REI DE PORTUGAL
              EM 1908



                 “Real! Real! Real!
                 Pelo Muito Alto,
                 Muito Poderoso
                 e Fidelíssimo
                 Rei de Portugal,
                 o Senhor D.
                 Manuel II.”
E assim estão criadas as
   condições para ser
    PROCLAMADA A
      REPÚBLICA;




                           43
Vamos rever, em resumo:
           A MONARQUIA EM CRISE
        CRISE                CRISE ECONÓMICO
    POLÍTICO/SOCIAL             FINANCEIRA
 Grande
  descontentamento         Falências de empresas,
  popular resultante do     fábricas e de bancos;
  Ultimato Inglês de       aumento da inflação;
  1890;                    aumento dos impostos;
 o partido
  republicano, fundado     aumento do custo de
  em 1876, ganha cada       vida;
  vez mais adeptos;        o Estado não cumpria
 lutas sociais com as      com o pagamento das
  classes baixas e          suas dívidas;
  médias da população      a família real gastava
  por viverem em
  grandes dificuldades.     mais do que recebia do
                            estado.
PROCLAMAÇÃO da
   REPÚBLICA
  PORTUGUESA




                 45
 REVOLUCIONÁRIOS E
  CIVIS juntam-se NA
ROTUNDA ( do marquês)
– LISBOA – 4 de Outubro
       de 1910
as tropas
 fieis à
 monarquia
 concentraram
 -se no Rossio;
o Rossio e o
 Palácio das
 Necessidades
 são
 bombardeados,
 pelos navios da
 marinha a
 partir do Tejo.
De 4 para 5 de
    Outubro de
    1910, em
    Lisboa, deu-se
    a revolução
    republicana.
 

 
                     49
A revolta partiu de pequenos
grupos de conspiradores a que a
população aderiu.




                                  50
O exército monárquico não se
conseguiu organizar e os
revoltosos venceram.




                                51
Na manhã de 5 de Outubro de 1910,
dirigentes do Partido Republicano, na varanda
do edifício da Câmara Municipal de Lisboa,
proclamaram a implantação da República em
Portugal.
                                            52
5 DE OUTUBRO de 1910
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
 a família real
  foge para a
  Ericeira e daí
  para o exílio,
  em
  Inglaterra;
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA


               José Relvas
                proclama a
                república da
                varanda da
                Câmara
                Municipal de
                Lisboa;
o resto do país aceitou e
 aderiu aos festejos.
     Após a
    proclamação
    da República
    foi criado um
    governo
    provisório,
    presidido por
    Dr. Teófilo
    Braga.
                    57
A Revolução Republicana e a queda da
                        Monarquia

        Primeiras medidas tomadas pelo governo provisório:


- Adotou-se         uma        nova
  bandeira;

- O hino nacional passou a ser
  A Portuguesa;

- A moeda passou a ser o
  escudo em vez do real;

-     Estabeleceu-se a igualdade
    entre filhos legítimos e
    ilegítimos.
                                                             58
Medidas tomadas pelo governo
                 provisório:



  O hino
  nacional
passou a ser
     A
Portuguesa;
     



                                       59
Medidas tomadas pelo governo
                    provisório:


- A        moeda
  passou a ser o
  escudo em vez
  do real;

-     Estabeleceu-
    se a igualdade
    entre    filhos
    legítimos     e
    ilegítimos.
 

                                          60
“A PORTUGUESA”


          “A portuguesa” foi
           composta no
           rescaldo do
           Ultimato Inglês e
           foi tocada pela
           primeira vez em
           Lisboa.
“A PORTUGUESA”
       Tem letra de
        Henrique Lopes de
        Mendonça e música
        de Alfredo Keil.
“A PORTUGUESA”



          Foi adaptada e
           tornou-se o Hino
           Nacional, depois
           da implantação da
           República, em
           1910.
64
65
 O governo provisório organizou
    eleições para formar a
    Assembleia Constituinte. A
    função desta Assembleia era
    a    de    fazer  a    nova
    constituição.

    A Constituição Republicana
  ficou conhecida como a
  Constituição     de    1911
  pois foi aprovada a 19 de
  Agosto desse ano.

  Manuel de Arriaga foi o
  1º Presidente da República
  eleito pelo povo.
                                  66
Assim: DIRIGENTES DO PARTIDO
REPUBLICANO
                Os dirigentes do Partido
                 Republicano formam um
                 Governo Provisório,
                 presidido por Teófilo
                 Braga, que tem como
                 missão preparar as
                 eleições para a
                 Assembleia Constituinte;
                a Assembleia
                 Constituinte elabora a
                 Constituição de 1911 e
                 elege Manuel de Arriaga
                 como primeiro
                 presidente da República
                 Constitucional.
A Revolução Republicana e a queda da
                       Monarquia
   Segundo a Constituição republicana de 1911:
   •Todos são iguais perante a lei;
   •A expressão do pensamento é livre;
   •Separação dos poderes: legislativo, executivo e judicial.




Vejamos melhor, outra vez:
                                                                68
A CONSTITUIÇÃO DE 1911

                        PODER LEGISLATIVO
                     Congresso da República
                     (eleito por sufrágio directo)
2 câmaras – a dos Deputados eleita por 4 anos e a do Senado por 6 anos

                         PODER EXECUTIVO

    Presidente da República                     Governo
       (eleito por 4 anos pelo           (nomeado e demitido pelo
      Congresso; tem funções         Presidente da República; formado
          representativas)             por um presidente e ministros)


                          PODER JUDICIAL
                                 Tribunais
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA
      A NÍVEL ECONÓMICO
 Agricultura – maior mecanização e maior utilização de
  adubos; apesar disto a agricultura permanece
  atrasada porque nem todos tem dinheiro para comprar
  os meios para a modernização.
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA
             A NÍVEL ECONÓMICO
Indústria –
desenvolvimento do
sector têxtil,
moagem,
metalurgia,
conservas, cortiça,
química e cimentos,
com aumento de
trabalhadores
mas que continuavam a
trabalhar com piores
condições e a ganhar
muito mal.                           71
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA
        A NÍVEL ECONÓMICO

Transportes – desenvolvimento
da vias de comunicação,
nomeadamente os caminhos-de-
ferro e meios de comunicação
como os automóveis, camionetas e
camiões na continuação do que já
vinha a ser feito desde o século
XIX mas muito menos por falta de
dinheiro.
                                   72
 A economia permanece
       atrasada.




                         73
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
          produções agrícolas
comércio externo (em milhares de contos)
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
INFLAÇÃO




inflação (latim inflatìo, -onis, inchação, tumor)
 Desequilíbrio económico caracterizado por uma alta geral dos preços e que provém do excesso do
poder de compra da massa dos consumidores (particulares, empresas, Estado) em relação à
quantidade de bens e de serviços postos à sua disposição. ≠ DEFLAÇÃO, DESINFLAÇÃO ou Carestia
(falta de dinheiro ou produtos) resultante desse desequilíbrio, provoca sempre um Aumento
excessivo.
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
PROBLEMAS NA
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
INFLAÇÃO E POBREZA
80
81
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA AO NÍVEL
    DA INSTRUÇÃO E DA CULTURA

  Instituiu-se a escolaridade obrigatória dos 7
   aos 10 anos;
  desenvolveu-se o ensino técnico;
  criaram-se as universidades de Lisboa e Porto
   e reorganizou-se a de Coimbra;
  abriram-se jardins-escola, museus e
   bibliotecas;
  apesar destas medidas a taxa de
   analfabetismo pouco se alterou.
Em 1911, 70% da população portuguesa
    era analfabeta. Portugal precisava de
    trabalhadores mais instruídos e capazes de
    acompanhar a evolução das técnicas.




                                             83
84
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
  ANALFABETISMO / ENSINO
86
Os governos republicanos vão tomar medidas
    para melhorar a instrução dos portugueses:  
 

• criaram o ensino infantil para crianças dos 4
  aos 7 anos;
• tornaram o ensino primário obrigatório e
  gratuito para as crianças entre os 7 e os 10
  anos;
• criaram novas escolas do ensino primário e
  técnico (escolas agrícolas, comerciais e
  industriais);

                                               87
Os governos republicanos vão tomar
 
    medidas para melhorar a instrução dos
    portugueses:  

• fundaram "escolas normais" destinadas
  a formar professores primários;
• criaram Institutos Superiores de ensino
  técnico;
• criaram as Universidades de Lisboa e
  Porto e reformaram a de Coimbra.
                                        88
Medidas para defender os trabalhadores:
 

• direito à greve;
 


• direito a 8 horas de trabalho diário
  e a um dia de descanso semanal;
• criação de um seguro obrigatório
  para a doença, velhice e acidentes
  de trabalho.


                                              89
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA
      A NÍVEL SOCIAL
           Instituiu-se o
            direito à greve em
            1910;
           o trabalho infantil
            foi proibido;
           o horário de
            trabalho foi fixado,
            em 1919, em 8
            horas por dia, seis
            dias por semana;
REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA
      A NÍVEL SOCIAL
           foi instituído o
            divórcio;
           o casamento civil
            passou a ser o único
            válido;
           criam-se instituições
            de proteção à infância
            e à velhice;
           reconhece-se a
            igualdade dos direitos
            da mulher.
INSTABILIDADE SOCIAL
Em 1914, os sindicatos uniram-se e surgiu a União
        Operária Nacional, mais tarde (1919) Confederação
        Geral do Trabalho.




        A mobilização dos trabalhadores para as greves era
        grande; algumas estendiam-se a todo o país - greves
        gerais.
     
                                                              93
A Revolução Republicana e a queda da
                       Monarquia
                  A 1º Guerra Mundial
        
   Entre 1914 e 1918 deu-se uma Grande Guerra na Europa. De um
lado estava a Inglaterra e do outro a Alemanha. Lutavam entre si
pelo domínio de territórios fora da Europa (nomeadamente em
África).




    Em 1916 Portugal tornou-se aliado da Inglaterra, prendendo os
barcos alemães que na altura se refugiavam no nosso país. A
Alemanha declarou guerra a Portugal e as nossas tropas partiram
para a França e para Angola e Moçambique, onde os alemães nos
atacavam.


                                                                94
Em 1918, a guerra terminou com a derrota da
Alemanha e a morte de milhares de portugueses.
     
 

              Consequências da Guerra

   -Os preços dos produtos subiram enquanto que os
salários não acompanhavam essa subida;
   - A guerra aumentou as despesas do Estado e a divida
externa, pedindo cada vez mais empréstimos ao
estrangeiro. Portugal viu-se obrigado a aumentar os
impostos;
   - Eram frequentes as greves, as revoltas, os assaltos
aos armazéns de alimentos e os atentados à bomba.

                                                      95
 
 




        96
Instabilidade governativa

      Os   governos iam caindo uns atrás dos
 
outros, porque não apresentavam soluções para a
crise e os deputados dos diferentes partidos
políticos não se entendiam.
      Entre 1910 e 1926 Portugal teve 9
Presidentes da Republica e 45 Governos.

      Em 28 de Maio de 1926, uma acção militar
chefiada pelo General Gomes da Costa pôs fim à
1ª República.


                                             97
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
  INSTABILIDADE POLÍTICA
   (16 ANOS – 45 GOVERNOS)
INSTABILIDADE POLÍTICA
PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
          assim:
               Instabilidade   política
                (em 16 anos tivemos 45
                governos      e     dois
                períodos de ditadura
                imposta    por   golpes
                militares: 1915 com
                Pimenta de Castro e em
                1917 a 1918 com Sidónio
                Pais);
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
          assim:

 insegurança
  pública       e
  agitação social
  (atentados,
  agressões
  várias,
  ataques
  bombistas,
  assassinatos,
  greves);
DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
          assim:
• graves problemas financeiros, Portugal estava
  na    quase   bancarrota,    agravados   pela
  participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial.
CONSEQUÊNCIAS da participação
     portuguesa na 1ª guerra mundial

 Milhares de mortos portugueses participantes nos
  exércitos aliados;
 decréscimo do número de nascimento de crianças pois
  houve um desequilíbrio entre o nº de mulheres e
  homens, ocasionado pela guerra;
 diminuição da esperança média de vida (fraca
  alimentação, condições de vida, mutilados e feridos e
  doenças);
 envelhecimento da população.
 desemprego;
 aumento da emigração;
 aumento dos conflitos sociais
CONSEQUÊNCIAS da participação
  portuguesa na 1ª guerra mundial
 Empobrecimento geral devido aos gastos
  brutais no esforço de guerra para um país já
  pobre;
 enriquecimento dos empresários de guerra e
  aumento de fraudes;
 quebra geral das produções e perda de
  mercados;
 subida dos preços – inflação;
 desvalorização da moeda;
 Aumento do já grande e crónico endividamento
  ao estrangeiro .
Trincheiras da 1ª guerra mundial




                                   105
O DESCONTENTAMENTO COM A
        REPÚBLICA


 Católicos – descontentes com todas as
  medidas tomadas contra a Igreja Católica
  que incluíram o corte de relações com a
  Santa Sé.
O DESCONTENTAMENTO COM A
        REPÚBLICA


Monárquicos – querem restaurar a
 monarquia e em 1919 chegam a
 instaurar a Monarquia do Norte
 durante quase um mês.
O DESCONTENTAMENTO COM A
         REPÚBLICA

 Classes       Médias          (industriais,
  comerciantes, membros do exército e
  funcionários públicos) – descontentes
  com o agravamento das condições de
  vida e a insegurança que faz parte do
  dia a dia da república, fome, assaltos,
  roubos, pobreza, é o dia a dia.
Tarefa            para responder no caderno diário:

1. Diga algumas das razões para o
   descontentamento que existia em Portugal no
   final da monarquia?
2. Qual era o partido que estava a frente da
   implantação da República?
3. Em que ano, em que dia foi a implantação da
   1ªRepública?
4. A implantação da República foi muito difícil?
   Porquê?
5. Diga 3 realizações no trabalho, na educação, na
   sociedade e na economia da 1ªrepublica.
Golpe militar de
 28 DE MAIO DE 1926
QUEDA DA 1ª REPÚBLICA
 Em 1926 as instituições republicanas
estavam completamente desprestigiadas;




                                         111
em 28 de Maio de 1926
 deu-se o golpe militar comandado pelo general
Gomes da Costa que teve o seu início em Braga e se
estendeu a Lisboa onde se constitui uma junta
revolucionária chefiada pelo comandante Mendes
Cabeçadas;




                                                112
 o governo republicano foi derrubado;




                                    113
 instituiu-se uma ditadura militar até 1928.




                                                114
fez – se de imediato o
estabelecimento da censura.




                              115
Dissolveu-se do Parlamento da
          República,




                            116
(extinguiu-se a
Carbonária
que era a
principal
organização
revolucionária do
Partido
Republicano).

                  117
O MARECHAL CARMONA
        António Óscar de
         Fragoso Carmona
         foi eleito
         Presidente da
         República em
         1928;
        nesse mesmo ano
         chama para
         ministro das
         Finanças o Dr.
         António de
         Oliveira Salazar.
119
120
121
122

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
Maria Gomes
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
Edite Bartissol
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
ricardup
 
A implantação da república em portugal
A implantação da república em portugalA implantação da república em portugal
A implantação da república em portugal
Carla Teixeira
 
ImplantaçãO Da RepúBlica
ImplantaçãO Da RepúBlicaImplantaçãO Da RepúBlica
ImplantaçãO Da RepúBlica
Bruno Reimão
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
Maria Gomes
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Inês e Beatriz
 
Crise e queda da monarquia
Crise e queda da monarquiaCrise e queda da monarquia
Crise e queda da monarquia
brlopes
 
A Queda da primeira república
A Queda da primeira república A Queda da primeira república
A Queda da primeira república
Maria Gomes
 
QUEDA DA MONARQUIA
QUEDA DA MONARQUIAQUEDA DA MONARQUIA
QUEDA DA MONARQUIA
Maria Gomes
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Realizações da 1ª república
Realizações da 1ª repúblicaRealizações da 1ª república
Realizações da 1ª república
Gina Rodrigues
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Inês e Beatriz
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
eb23ja
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
jdlimaaear
 
5 de outubro
5 de outubro 5 de outubro
5 de outubro
Ana Barreiros
 
Implantação da República
Implantação da RepúblicaImplantação da República
Implantação da República
Michele Pó
 

Mais procurados (20)

Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
 
A implantação da república em portugal
A implantação da república em portugalA implantação da república em portugal
A implantação da república em portugal
 
ImplantaçãO Da RepúBlica
ImplantaçãO Da RepúBlicaImplantaçãO Da RepúBlica
ImplantaçãO Da RepúBlica
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
Crise e queda da monarquia
Crise e queda da monarquiaCrise e queda da monarquia
Crise e queda da monarquia
 
A Queda da primeira república
A Queda da primeira república A Queda da primeira república
A Queda da primeira república
 
QUEDA DA MONARQUIA
QUEDA DA MONARQUIAQUEDA DA MONARQUIA
QUEDA DA MONARQUIA
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Realizações da 1ª república
Realizações da 1ª repúblicaRealizações da 1ª república
Realizações da 1ª república
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
5 de outubro
5 de outubro 5 de outubro
5 de outubro
 
Implantação da República
Implantação da RepúblicaImplantação da República
Implantação da República
 

Destaque

1republica
1republica1republica
1republica
aprendizes
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
Lucilia Fonseca
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
Queda primeira república 1314
Queda primeira república 1314Queda primeira república 1314
Queda primeira república 1314
Maria Gomes
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
Crise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da MonarquiaCrise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da Monarquia
Sílvia Mendonça
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
cruchinho
 
ImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlicaImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlica
Margarida Moreira
 
A RevoluçãO Republicana Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
A RevoluçãO Republicana   Os Acontecimentos De 4 E 5 De OutubroA RevoluçãO Republicana   Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
A RevoluçãO Republicana Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
Gina Rodrigues
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
guesta40f44
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
vanessasequeira
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
eb23ja
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Joao Bernardo Santos
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
jdlimaaear
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
Fabiana Severiano
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
fernandaataide55
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
cidalialuis
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

1republica
1republica1republica
1republica
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
Queda primeira república 1314
Queda primeira república 1314Queda primeira república 1314
Queda primeira república 1314
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Crise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da MonarquiaCrise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da Monarquia
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
ImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlicaImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlica
 
A RevoluçãO Republicana Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
A RevoluçãO Republicana   Os Acontecimentos De 4 E 5 De OutubroA RevoluçãO Republicana   Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
A RevoluçãO Republicana Os Acontecimentos De 4 E 5 De Outubro
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
A RevoluçãO De 5 De Outubro De 1910
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
 

Semelhante a A história da 1ª republica

A República
A RepúblicaA República
A República
Beatriz Moscatel
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
Gina Rodrigues
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
Gina Rodrigues
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
guestde15028
 
A queda da monarquia DAFG
A queda da monarquia DAFGA queda da monarquia DAFG
A queda da monarquia DAFG
osemprefixe
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
ticemformacao
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
Luís Ferreira
 
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926 A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
martamariafonseca
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
guest600ffe1
 
1º+republ..
1º+republ..1º+republ..
A queda da monarquia
A queda da monarquiaA queda da monarquia
A queda da monarquia
manuelao
 
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
Pelo Siro
 
Powerpoint da revoluo republicana
Powerpoint da revoluo republicanaPowerpoint da revoluo republicana
Powerpoint da revoluo republicana
quintadocano
 
1republica
1republica1republica
1republica
Álvaro Maurício
 
André+Caç
André+CaçAndré+Caç
André+Caç
eb23cv
 
André+Caç
André+CaçAndré+Caç
André+Caç
eb23cv
 
A revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a quedaA revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a queda
Jaime Fernandes
 

Semelhante a A história da 1ª republica (20)

A República
A RepúblicaA República
A República
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
Power Point De HistóRia
Power Point De HistóRiaPower Point De HistóRia
Power Point De HistóRia
 
A queda da monarquia DAFG
A queda da monarquia DAFGA queda da monarquia DAFG
A queda da monarquia DAFG
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
 
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926 A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
1º+republ..
1º+republ..1º+republ..
1º+republ..
 
A queda da monarquia
A queda da monarquiaA queda da monarquia
A queda da monarquia
 
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
1296233736 powerpoint da_revoluo_republicana
 
Powerpoint da revoluo republicana
Powerpoint da revoluo republicanaPowerpoint da revoluo republicana
Powerpoint da revoluo republicana
 
1republica
1republica1republica
1republica
 
André+Caç
André+CaçAndré+Caç
André+Caç
 
André+Caç
André+CaçAndré+Caç
André+Caç
 
A revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a quedaA revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a queda
 

Mais de anabelasilvasobral

Composição
ComposiçãoComposição
Composição
anabelasilvasobral
 
Invisivel
InvisivelInvisivel
Lançamento do ano letivo 2012
Lançamento do ano letivo 2012Lançamento do ano letivo 2012
Lançamento do ano letivo 2012
anabelasilvasobral
 
Escrever uma carta
Escrever uma cartaEscrever uma carta
Escrever uma carta
anabelasilvasobral
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
anabelasilvasobral
 
D.carlos
D.carlosD.carlos
Malhoa
MalhoaMalhoa
Antigas profissões
Antigas profissõesAntigas profissões
Antigas profissões
anabelasilvasobral
 
Oficios
OficiosOficios
A vida na cidade em Portugal no século XIX
A vida  na cidade em Portugal no século XIXA vida  na cidade em Portugal no século XIX
A vida na cidade em Portugal no século XIX
anabelasilvasobral
 
A vida no campo em Portugal no século XIX
A vida no campo  em Portugal no século XIXA vida no campo  em Portugal no século XIX
A vida no campo em Portugal no século XIX
anabelasilvasobral
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
anabelasilvasobral
 
Oldtimers
Oldtimers Oldtimers
Oldtimers
anabelasilvasobral
 
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª   os transportes e as comunicações no século xixParte 3ª   os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
anabelasilvasobral
 
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª   a industria na segunda metade do século xixParte 2ª   a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
anabelasilvasobral
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
anabelasilvasobral
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
anabelasilvasobral
 
O império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIIIO império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIII
anabelasilvasobral
 
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouroO ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
anabelasilvasobral
 

Mais de anabelasilvasobral (20)

Composição
ComposiçãoComposição
Composição
 
Invisivel
InvisivelInvisivel
Invisivel
 
Preaviso greve manif12_jul
Preaviso greve manif12_julPreaviso greve manif12_jul
Preaviso greve manif12_jul
 
Lançamento do ano letivo 2012
Lançamento do ano letivo 2012Lançamento do ano letivo 2012
Lançamento do ano letivo 2012
 
Escrever uma carta
Escrever uma cartaEscrever uma carta
Escrever uma carta
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
 
D.carlos
D.carlosD.carlos
D.carlos
 
Malhoa
MalhoaMalhoa
Malhoa
 
Antigas profissões
Antigas profissõesAntigas profissões
Antigas profissões
 
Oficios
OficiosOficios
Oficios
 
A vida na cidade em Portugal no século XIX
A vida  na cidade em Portugal no século XIXA vida  na cidade em Portugal no século XIX
A vida na cidade em Portugal no século XIX
 
A vida no campo em Portugal no século XIX
A vida no campo  em Portugal no século XIXA vida no campo  em Portugal no século XIX
A vida no campo em Portugal no século XIX
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
 
Oldtimers
Oldtimers Oldtimers
Oldtimers
 
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª   os transportes e as comunicações no século xixParte 3ª   os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
 
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª   a industria na segunda metade do século xixParte 2ª   a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
 
O império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIIIO império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIII
 
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouroO ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
 

Último

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

A história da 1ª republica

  • 1. História da 1ª REPÚBLICA A Revolução Republicana e a queda da Monarquia 1
  • 2. Razões da queda da Monarquia: 2
  • 3. -1- Apesar do Desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século XIX, grande parte da população portuguesa continuava a trabalhar na agricultura, uma agricultura muito pobre e pouco produtiva; 3
  • 4. -2- As fábricas localizavam-se sobretudo nas regiões de Lisboa e Porto; 4
  • 5. -3-O país tinha grandes dívidas; 5
  • 6. - 4 - A maior parte da população vivia mal; 6
  • 7. - 5 - Grande agitação POLÍTICA E SOCIAL e falta de liberdade. 7
  • 8. Assim: A MONARQUIA entra em CRISE CRISE POLÍTICO/SOCIAL  1. Grande descontentamento popular resultante do Ultimato Inglês de 1890;
  • 9. 2. o partido republicano , fundado em 1876, ganha cada vez mais adeptos;
  • 10. CRISE ECONÓMICO - FINANCEIRA  A) aumento da inflação;
  • 11. INFLAÇÃO – ( de forma mais simples , significa ou)  É o aumento contínuo do nível geral de preços DE BENS DE CONSUMO E SERVIÇOS e a diminuição do poder de compra do dinheiro. 11
  • 12. b) aumento dos impostos;
  • 13. C) aumento do custo de vida;
  • 14.  D) o Estado não cumpria com o pagamento das suas dívidas às empresas, privadas, estatais e ainda internacionais; (exemplo é: o pedido de empréstimo a bancos estrangeiros.)
  • 15. e) a família real gastava mais do que recebia de pensão e ajudas de custo do estado.
  • 16. O PRINCIPIO do FIM : Em 1876, formou-se o Partido Republicano Português, que propunha substituir a Monarquia pela República. Monarquia República -O chefe de Estado é o -O chefe de Estado é o rei. presidente. - O rei herda o trono. -O presidente é eleito pelos - Governa até à morte. cidadãos, ou, pelos seus representantes. - A duração do mandato presidencial é limitada por lei. (actualmente é 5 anos.) 16
  • 17. BANDEIRA E SELO DA MONARQUIA
  • 18. O PARTIDO REPUBLICANO PORTUGUÊS A partir de 1880, e das comemorações do tricentenário da morte de Camões aproveitadas para divulgação das ideias republicanos, torna-se o mais importante partido da oposição; (Algumas destas ideias eram inspiradas na revolução francesa.) 18
  • 19. O partido republicano defendia o progresso, a liberdade e a justiça; 19
  • 20. Este partido era formado por intelectuais e estudiosos, profissionais liberais (advogados, médicos, professores), comerciantes, industriais, funcionários e operários; 20
  • 21. Entre os seus fundadores está Teófilo Braga, escritor e Presidente do 1º governo Provisório. 21
  • 22. Revendo e explicando: Afinal o que foi o ultimato inglês? Como é que começou? Foi um acontecimento relacionado com as colónias portuguesas em África e que contribuiu para que o Partido Republicano fosse ganhando cada vez mais apoiantes. 22
  • 23. E a história do ultimato inglês começa pela CONFERÊNCIA DE BERLIM: 23
  • 24. Portugal, depois da independência do Brasil, organizou viagens de exploração em África, com o objetivo de dominar as terras compreendidas entre Angola e Moçambique, já que eram os únicos territórios que restavam. 24
  • 25. Em 1886, Portugal apresentou um mapa (mapa cor-de- rosa), onde constavam esses territórios a que julgava ter direitos. (Estes territórios incluíam as terras de Angola e Moçambique e também as terras entre estes dois futuros países, zonas muito ricas em vários minerais e outras matérias primas.) 25
  • 27. Ora em 1884 a 1885 tinha havido uma CONFERÊNCIA em BERLIM onde os países mais poderosos da EUROPA tinham feito a PARTILHA DOS TERRITÓRIOS de ÁFRICA.  Estes países decidiram que: quem tinha direito e podia ocupar os territórios africanos seriam os países que os ocupassem efetivamente;  Substituíram o direito de ocupação histórico (RECLAMADO por Portugal, desde os Descobrimentos).
  • 28. 28
  • 29. A INGLATERRA que nos finais do século XIX era já a maior potência da EUROPA estava também interessada em ocupar os mesmos territórios entre Angola e Moçambique 29
  • 30. LOGO: A Inglaterra opôs- se à ocupação por Portugal destes territórios e, em 1890, um enviou ultimato, exigindo que os portugueses os abandonassem , sob pena de declaração de guerra. O rei D. Carlos e o governo aceitaram a exigência britânica, deixando o país numa posição humilhante. 30
  • 31. Assim O ULTIMATO INGLÊS foi:  A ordem em que Inglaterra impõe a Portugal a retirada imediata dos territórios entre Angola e Moçambique;  Portugal, muito dependente economicamente de Inglaterra, devendo dinheiro a este e outros países, cedeu;  Não tendo um exército forte e bem armado capaz de fazer frente a uma potência como a Inglaterra, cedeu;
  • 32. E provocou ondas de descontentamento, protesto e revoltas nacionalistas na população portuguesa, agitadas pelo PARTIDO REPUBLICANO. 32
  • 33. Rei D. Carlos, o rei diplomata e o rei INCOMPREENDIDO.
  • 34. Não se esqueçam que: Portugal vai entrar na 1ª GUERRA MUNDIAL, apesar de não ter meios financeiros e económicos e estar a passar por uma grande crise política, exatamente para tentar proteger as colónias africanas que conseguiu na conferência de Berlim e que eram ambicionadas pela ALEMANHA , no caso de Angola e pela INGLATERRA no caso de Moçambique, pois já tinha ocupado os territórios entre eles.
  • 35. 35
  • 36. Preparando a Revolução Republicana 1- Em 31 de Janeiro de 1891 dá-se no Porto a primeira revolta armada contra a monarquia . 36
  • 37. 2 - No dia 1 de Fevereiro de 1908, em Lisboa, ocorre o regicídio: são mortos num atentado o rei D. Carlos I e o príncipe herdeiro, D. Luís Filipe. 37
  • 38. Assim, O REGICÍDIO em 1908 foi:  A família real é alvo de um ataque, a 1 de Fevereiro de 1908, quando regressava a Lisboa, vinda de Vila Viçosa, em que morrem o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe;  D. Manuel II, com 18 anos, sobe ao trono e demite João Franco, então 1º ministro;  de 1908 a 1910 a monarquia foi incapaz de resolver a grave crise do reino .
  • 39. REI D. CARLOS E RAINHA D. AMÉLIA
  • 40. D. MANUEL E D. AMÉLIA APÓS O REGICÍDIO
  • 41. 3 - Sobe ao trono D. Manuel II que viria a ser o último rei em Portugal. 41
  • 42. ACLAMAÇÃO DO ÚLTIMO REI DE PORTUGAL EM 1908 “Real! Real! Real! Pelo Muito Alto, Muito Poderoso e Fidelíssimo Rei de Portugal, o Senhor D. Manuel II.”
  • 43. E assim estão criadas as condições para ser PROCLAMADA A REPÚBLICA; 43
  • 44. Vamos rever, em resumo: A MONARQUIA EM CRISE CRISE CRISE ECONÓMICO POLÍTICO/SOCIAL FINANCEIRA  Grande descontentamento  Falências de empresas, popular resultante do fábricas e de bancos; Ultimato Inglês de  aumento da inflação; 1890;  aumento dos impostos;  o partido republicano, fundado  aumento do custo de em 1876, ganha cada vida; vez mais adeptos;  o Estado não cumpria  lutas sociais com as com o pagamento das classes baixas e suas dívidas; médias da população  a família real gastava por viverem em grandes dificuldades. mais do que recebia do estado.
  • 45. PROCLAMAÇÃO da REPÚBLICA PORTUGUESA 45
  • 46.  REVOLUCIONÁRIOS E CIVIS juntam-se NA ROTUNDA ( do marquês) – LISBOA – 4 de Outubro de 1910
  • 47. as tropas fieis à monarquia concentraram -se no Rossio;
  • 48. o Rossio e o Palácio das Necessidades são bombardeados, pelos navios da marinha a partir do Tejo.
  • 49. De 4 para 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, deu-se a revolução republicana.     49
  • 50. A revolta partiu de pequenos grupos de conspiradores a que a população aderiu. 50
  • 51. O exército monárquico não se conseguiu organizar e os revoltosos venceram. 51
  • 52. Na manhã de 5 de Outubro de 1910, dirigentes do Partido Republicano, na varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, proclamaram a implantação da República em Portugal. 52
  • 53. 5 DE OUTUBRO de 1910 PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
  • 54.  a família real foge para a Ericeira e daí para o exílio, em Inglaterra;
  • 55. PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA José Relvas proclama a república da varanda da Câmara Municipal de Lisboa;
  • 56. o resto do país aceitou e aderiu aos festejos.
  • 57.   Após a proclamação da República foi criado um governo provisório, presidido por Dr. Teófilo Braga. 57
  • 58. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia Primeiras medidas tomadas pelo governo provisório: - Adotou-se uma nova bandeira; - O hino nacional passou a ser A Portuguesa; - A moeda passou a ser o escudo em vez do real; - Estabeleceu-se a igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos.   58
  • 59. Medidas tomadas pelo governo provisório: O hino nacional passou a ser A Portuguesa;   59
  • 60. Medidas tomadas pelo governo provisório: - A moeda passou a ser o escudo em vez do real; - Estabeleceu- se a igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos.   60
  • 61. “A PORTUGUESA”  “A portuguesa” foi composta no rescaldo do Ultimato Inglês e foi tocada pela primeira vez em Lisboa.
  • 62. “A PORTUGUESA”  Tem letra de Henrique Lopes de Mendonça e música de Alfredo Keil.
  • 63. “A PORTUGUESA”  Foi adaptada e tornou-se o Hino Nacional, depois da implantação da República, em 1910.
  • 64. 64
  • 65. 65
  • 66.  O governo provisório organizou eleições para formar a   Assembleia Constituinte. A função desta Assembleia era a de fazer a nova constituição. A Constituição Republicana ficou conhecida como a Constituição de 1911 pois foi aprovada a 19 de Agosto desse ano. Manuel de Arriaga foi o 1º Presidente da República eleito pelo povo. 66
  • 67. Assim: DIRIGENTES DO PARTIDO REPUBLICANO  Os dirigentes do Partido Republicano formam um Governo Provisório, presidido por Teófilo Braga, que tem como missão preparar as eleições para a Assembleia Constituinte;  a Assembleia Constituinte elabora a Constituição de 1911 e elege Manuel de Arriaga como primeiro presidente da República Constitucional.
  • 68. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia Segundo a Constituição republicana de 1911: •Todos são iguais perante a lei; •A expressão do pensamento é livre; •Separação dos poderes: legislativo, executivo e judicial. Vejamos melhor, outra vez: 68
  • 69. A CONSTITUIÇÃO DE 1911 PODER LEGISLATIVO Congresso da República (eleito por sufrágio directo) 2 câmaras – a dos Deputados eleita por 4 anos e a do Senado por 6 anos PODER EXECUTIVO Presidente da República Governo (eleito por 4 anos pelo (nomeado e demitido pelo Congresso; tem funções Presidente da República; formado representativas) por um presidente e ministros) PODER JUDICIAL Tribunais
  • 70. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICO  Agricultura – maior mecanização e maior utilização de adubos; apesar disto a agricultura permanece atrasada porque nem todos tem dinheiro para comprar os meios para a modernização.
  • 71. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICO Indústria – desenvolvimento do sector têxtil, moagem, metalurgia, conservas, cortiça, química e cimentos, com aumento de trabalhadores mas que continuavam a trabalhar com piores condições e a ganhar muito mal. 71
  • 72. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICO Transportes – desenvolvimento da vias de comunicação, nomeadamente os caminhos-de- ferro e meios de comunicação como os automóveis, camionetas e camiões na continuação do que já vinha a ser feito desde o século XIX mas muito menos por falta de dinheiro. 72
  • 73.  A economia permanece atrasada. 73
  • 74. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA produções agrícolas comércio externo (em milhares de contos)
  • 75. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
  • 76. INFLAÇÃO inflação (latim inflatìo, -onis, inchação, tumor) Desequilíbrio económico caracterizado por uma alta geral dos preços e que provém do excesso do poder de compra da massa dos consumidores (particulares, empresas, Estado) em relação à quantidade de bens e de serviços postos à sua disposição. ≠ DEFLAÇÃO, DESINFLAÇÃO ou Carestia (falta de dinheiro ou produtos) resultante desse desequilíbrio, provoca sempre um Aumento excessivo.
  • 77. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
  • 80. 80
  • 81. 81
  • 82. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA AO NÍVEL DA INSTRUÇÃO E DA CULTURA  Instituiu-se a escolaridade obrigatória dos 7 aos 10 anos;  desenvolveu-se o ensino técnico;  criaram-se as universidades de Lisboa e Porto e reorganizou-se a de Coimbra;  abriram-se jardins-escola, museus e bibliotecas;  apesar destas medidas a taxa de analfabetismo pouco se alterou.
  • 83. Em 1911, 70% da população portuguesa era analfabeta. Portugal precisava de   trabalhadores mais instruídos e capazes de acompanhar a evolução das técnicas. 83
  • 84. 84
  • 85. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA ANALFABETISMO / ENSINO
  • 86. 86
  • 87. Os governos republicanos vão tomar medidas para melhorar a instrução dos portugueses:     • criaram o ensino infantil para crianças dos 4 aos 7 anos; • tornaram o ensino primário obrigatório e gratuito para as crianças entre os 7 e os 10 anos; • criaram novas escolas do ensino primário e técnico (escolas agrícolas, comerciais e industriais); 87
  • 88. Os governos republicanos vão tomar   medidas para melhorar a instrução dos portugueses:   • fundaram "escolas normais" destinadas a formar professores primários; • criaram Institutos Superiores de ensino técnico; • criaram as Universidades de Lisboa e Porto e reformaram a de Coimbra. 88
  • 89. Medidas para defender os trabalhadores:   • direito à greve;   • direito a 8 horas de trabalho diário e a um dia de descanso semanal; • criação de um seguro obrigatório para a doença, velhice e acidentes de trabalho. 89
  • 90. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL SOCIAL Instituiu-se o direito à greve em 1910; o trabalho infantil foi proibido; o horário de trabalho foi fixado, em 1919, em 8 horas por dia, seis dias por semana;
  • 91. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL SOCIAL  foi instituído o divórcio;  o casamento civil passou a ser o único válido;  criam-se instituições de proteção à infância e à velhice;  reconhece-se a igualdade dos direitos da mulher.
  • 93. Em 1914, os sindicatos uniram-se e surgiu a União   Operária Nacional, mais tarde (1919) Confederação Geral do Trabalho. A mobilização dos trabalhadores para as greves era grande; algumas estendiam-se a todo o país - greves gerais.   93
  • 94. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia A 1º Guerra Mundial     Entre 1914 e 1918 deu-se uma Grande Guerra na Europa. De um lado estava a Inglaterra e do outro a Alemanha. Lutavam entre si pelo domínio de territórios fora da Europa (nomeadamente em África). Em 1916 Portugal tornou-se aliado da Inglaterra, prendendo os barcos alemães que na altura se refugiavam no nosso país. A Alemanha declarou guerra a Portugal e as nossas tropas partiram para a França e para Angola e Moçambique, onde os alemães nos atacavam. 94
  • 95. Em 1918, a guerra terminou com a derrota da Alemanha e a morte de milhares de portugueses.     Consequências da Guerra -Os preços dos produtos subiram enquanto que os salários não acompanhavam essa subida; - A guerra aumentou as despesas do Estado e a divida externa, pedindo cada vez mais empréstimos ao estrangeiro. Portugal viu-se obrigado a aumentar os impostos; - Eram frequentes as greves, as revoltas, os assaltos aos armazéns de alimentos e os atentados à bomba. 95
  • 96.     96
  • 97. Instabilidade governativa   Os governos iam caindo uns atrás dos   outros, porque não apresentavam soluções para a crise e os deputados dos diferentes partidos políticos não se entendiam. Entre 1910 e 1926 Portugal teve 9 Presidentes da Republica e 45 Governos. Em 28 de Maio de 1926, uma acção militar chefiada pelo General Gomes da Costa pôs fim à 1ª República. 97
  • 98. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA INSTABILIDADE POLÍTICA (16 ANOS – 45 GOVERNOS)
  • 100. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim:  Instabilidade política (em 16 anos tivemos 45 governos e dois períodos de ditadura imposta por golpes militares: 1915 com Pimenta de Castro e em 1917 a 1918 com Sidónio Pais);
  • 101. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim:  insegurança pública e agitação social (atentados, agressões várias, ataques bombistas, assassinatos, greves);
  • 102. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim: • graves problemas financeiros, Portugal estava na quase bancarrota, agravados pela participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial.
  • 103. CONSEQUÊNCIAS da participação portuguesa na 1ª guerra mundial  Milhares de mortos portugueses participantes nos exércitos aliados;  decréscimo do número de nascimento de crianças pois houve um desequilíbrio entre o nº de mulheres e homens, ocasionado pela guerra;  diminuição da esperança média de vida (fraca alimentação, condições de vida, mutilados e feridos e doenças);  envelhecimento da população.  desemprego;  aumento da emigração;  aumento dos conflitos sociais
  • 104. CONSEQUÊNCIAS da participação portuguesa na 1ª guerra mundial  Empobrecimento geral devido aos gastos brutais no esforço de guerra para um país já pobre;  enriquecimento dos empresários de guerra e aumento de fraudes;  quebra geral das produções e perda de mercados;  subida dos preços – inflação;  desvalorização da moeda;  Aumento do já grande e crónico endividamento ao estrangeiro .
  • 105. Trincheiras da 1ª guerra mundial 105
  • 106. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICA  Católicos – descontentes com todas as medidas tomadas contra a Igreja Católica que incluíram o corte de relações com a Santa Sé.
  • 107. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICA Monárquicos – querem restaurar a monarquia e em 1919 chegam a instaurar a Monarquia do Norte durante quase um mês.
  • 108. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICA  Classes Médias (industriais, comerciantes, membros do exército e funcionários públicos) – descontentes com o agravamento das condições de vida e a insegurança que faz parte do dia a dia da república, fome, assaltos, roubos, pobreza, é o dia a dia.
  • 109. Tarefa para responder no caderno diário: 1. Diga algumas das razões para o descontentamento que existia em Portugal no final da monarquia? 2. Qual era o partido que estava a frente da implantação da República? 3. Em que ano, em que dia foi a implantação da 1ªRepública? 4. A implantação da República foi muito difícil? Porquê? 5. Diga 3 realizações no trabalho, na educação, na sociedade e na economia da 1ªrepublica.
  • 110. Golpe militar de 28 DE MAIO DE 1926 QUEDA DA 1ª REPÚBLICA
  • 111.  Em 1926 as instituições republicanas estavam completamente desprestigiadas; 111
  • 112. em 28 de Maio de 1926  deu-se o golpe militar comandado pelo general Gomes da Costa que teve o seu início em Braga e se estendeu a Lisboa onde se constitui uma junta revolucionária chefiada pelo comandante Mendes Cabeçadas; 112
  • 113.  o governo republicano foi derrubado; 113
  • 114.  instituiu-se uma ditadura militar até 1928. 114
  • 115. fez – se de imediato o estabelecimento da censura. 115
  • 116. Dissolveu-se do Parlamento da República, 116
  • 117. (extinguiu-se a Carbonária que era a principal organização revolucionária do Partido Republicano). 117
  • 118. O MARECHAL CARMONA  António Óscar de Fragoso Carmona foi eleito Presidente da República em 1928;  nesse mesmo ano chama para ministro das Finanças o Dr. António de Oliveira Salazar.
  • 119. 119
  • 120. 120
  • 121. 121
  • 122. 122

Notas do Editor

  1. Inserire una cartina del paese.
  2. Inserire una cartina del paese.
  3. Inserire una cartina del paese.
  4. Inserire una cartina del paese.
  5. Inserire una cartina del paese.
  6. Inserire una cartina del paese.
  7. Inserire una cartina del paese.
  8. Inserire una cartina del paese.
  9. Inserire una cartina del paese.
  10. Inserire una cartina del paese.
  11. Inserire una cartina del paese.
  12. Inserire una cartina del paese.
  13. Inserire una cartina del paese.
  14. Inserire una cartina del paese.
  15. Inserire una cartina del paese.
  16. Inserire una cartina del paese.
  17. Inserire una cartina del paese.
  18. Inserire una cartina del paese.
  19. Inserire una cartina del paese.
  20. Inserire una cartina del paese.
  21. Inserire una cartina del paese.
  22. Inserire una cartina del paese.
  23. Inserire una cartina del paese.
  24. Inserire una cartina del paese.
  25. Inserire una cartina del paese.