SlideShare uma empresa Scribd logo
A cultura do palácio
Trabalho realizado por:
Nome: Sara Cristina leão Meireles
Turma: 2ºA nº 356
A vida intelectual, nos séculos XV e XVI, foi expressão das novas realidades econômicas,
sociais, políticas e religiosas com que o homem se defrontou e que imprimiram certas
características à Filosofia, à Ciência e às Artes, no período.
Um Erro Secular
A palavra “Renascimento”, usada comumente para designar o movimento intelectual
do início da Idade Moderna, não traduz, entretanto, o que acontecia realmente. De fato, o
homem dessa fase desenvolveu uma mentalidade individualista e crítica, voltada para os
interesses materiais e preocupada com a valorização da vida terrena, em oposição aos antigos
ideais medievais. Isto fez com que ele imprimisse uma caracterização humanista à cultura
intelectual, inspirada nos modelos greco-romanos (clássicos) – civilizações grega e romana
comumente conhecidas como civilizações “clássicas”, – para cuja imitação muito contribuiu a
fixação, na Península Itálica, de sábios bizantinos, que fugiam ao domínio turco. Nem de longe,
no entanto, se pode, hoje, aceitar a idéia de uma “ressurreição” da cultura intelectual, pois a
Idade Média foi um período de alta criatividade nesse setor, impregnada porém, da visão
espiritualista e mística com que o homem medieval encarava a realidade.
Características da Arte Renascentista
A arte renascentista caracterizou-se por vários fatores:
- a busca da inspiração nos ideais greco-romanos;
- o homem renascentista valorizava a natureza principalmente a humana;
- o gosto pelo luxo e comodidade;
- como fonte de inspiração, o retorno à natureza;
- grande liberdade criativa;
- o gosto pelos efeitos cênicos e teatrais;
- o dinamismo das figuras, a expressão naturalista;
Com relação à pintura, os maiores avanços técnicos foram obra de flamengos (pintores
de Flandres, condado submetido à suserania dos reis da França). Entre eles destacaram-se os
irmãos Jan e Hübert Van Eick, que inauguraram a pintura a óleo – dissolvendo as tintas em
óleo de linhaça – de execução rápida e fácil, além de oferecer ao artista maiores recursos.
Já a conquista do espaço tridimensionalista é obtida através de vários recursos.
Tomaso Masaccio (1401-1428) renega vigorosamente as tradições do Oriente para criar uma
pintura monumental de grandes espaços e massas e de feição naturalista e inspiração popular.
O espaço ganha as três dimensões, o “claro-escuro” sugere volumes e imprime
verossimilhança às paisagens e às figuras humanas.
No século XVI surge a figura mais potente de toda a escultura renascentista:
Michelangelo Buonarroti (1475-1564). Tornou-se famoso como pintor, mas seu campo
artístico preferido era a escultura. O propósito dominante de todo o seu trabalho foi expressar
o pensamento na pedra. Dedicou-se à busca de efeitos emocionalmente vigorosos para
exprimir de forma alegórica suas ideias filosóficas. Para isto, empenhou-se no estudo da figura
humana em todas as posições, atitudes e expressões. Suas esculturas revelam uma vitalidade
até então nunca alcançada por outros artistas.
A arquitetura caracterizou-se pela grandiosidade dos edifícios, que, no entanto,
apresentavam linhas simples e simétricas. A adaptação dos modelos clássicos fez-se notar pelo
uso do arco plano, das colunatas e das cúpulas. Como exemplo podemos citar a “Basílica de
São Pedro” em Roma, e o “Duomo” em Florença.
O RENASCIMENTONA PINTURA
O criador e precursor da arte renascentista foi Giotto (1266-1337). Ao contrário dos
quadros medievais, em que o homem era retratado como figura plana (homem como ser
imaterial), as figuras humanas de Giotto são bem marcadas em suas formas e representadas
de acordo com a realidade. Ao contrário dos quadros medievais, que tinham freqüentemente
um fundo dourado a simbolizar uma luz sobrenatural, o céu pintado por Giotto é de um azul
bem claro, visto ao fundo das brancas muralhas da cidade. Podemos citar entre os artistas do
período: Tomaso Masaccio (1401-1428); Sandro Botticelli (1444?-1510). Já no final do século
XV e começo do seguinte, a pintura renascentista italiana atingiu o seu máximo esplendor,
sobretudo a três gênios: “Leonardo Da Vinci, Rafael Sanzio e Michelangelo.
LEONARDO DA VINCI (1452-1519)
Não foi apenas um pintor famoso, mas também músico, escultor, arquiteto, filósofo, cientista,
engenheiro, anatomista e inventor. Essa não especialização do conhecimento fez dele o
protótipo do homem renascentista. Sua pintura, ao contrário da pintura idealista de Botticelli,
baseou-se na pesquisa científica da natureza. A natureza para Da Vinci, mantém seus segredos
profundamente ocultos, exigindo uma análise minuciosa. Esta pintura científica está bem
presente em suas obras “Última Ceia”, “A Virgem dos Rochedos”, “A Gioconda” e
“Anunciação”.
Análise de Obras
Obra: Última ceia
Data:1495-1497
Técnica:
Dimensões: 460 cm × 880 cm
O mosteiro de Santa Maria delleGrazie, em Milão, não é mais utilizado e a sala do
refeitório onde Leonardo pintou o painel foi transformado em museu. A encomenda original
foi feita por Ludovico, o Mouro. Ao contrário da técnica tradicional da pintura sobre argamassa
úmida, Leonardo utilizou têmpera a óleo. Com a umidade, a deterioração da pintura já havia
sido iniciada em 1510, ainda durante a vida do mestre. O restauro vem sendo realizado desde
1726.
Durante a guerra, o mosteiro foi bombardeado, e a parede com o mosaico sobreviveu
miraculosamente. Curioso que um artista livre-pensador, em cujos escritos não se encontra
uma linha acerca dos assuntos religiosos, tenha elaborado talvez o ícone mais difundido da fé
cristã e católica. A Última ceia talvez seja a imagem cristã mais difundida da história. Segundo
Leonardo, o objetivo era retratar a 'intenção da alma humana' através dos gestos e membros
dos personagens, isto é, mais do que expressar os estados emocionais, retratar a vida interior
de cada um dos apóstolos. Para conseguir este objetivo, consta que o artista percorria as ruas
da cidade, inclusive as prisões, em busca dos rostos cuja expressividade lhe parecia ser
adequada para cada um dos apóstolos.
Cristo posiciona-se ao centro da composição, e para ele convergem as linhas em
perspetiva da sala. Ele parece resignado, enquanto os apóstolos debatem-se, como se houvera
sido o momento exato em que ele revela que um deles o trairá. Dispostos em grupos de três,
cada um reage à afirmação segundo suas disposições. A figura de Judas sempre havia sido um
problema compositivo a todos os artistas que pintaram esta cena, pois era equivocado
representar o traidor do Salvador junto aos outros apóstolos. Ao mesmo tempo em que fazia
parte da ceia, devia ser excluído do convívio dos apóstolos. Outros artistas, como
AndreadelCastagno haviam resolvido o problema teológico com a separação espacial de Judas
do grupo, o único posicionado de costas para o observador. Isto o identificava ao mesmo
tempo em que o excluía dos outros. Na Última Ceia de Leonardo, Judas é misturado aos outros
apóstolos, e apenas seu perfil sinistro e rancoroso sugere ali estar sua pessoa.
Obra: Mona lisa
Data: 1503-1506
Técnica: Pintura a óleo sobre madeira de álamo
Dimensões:77 cm × 53 cm
Jovem esposa de um homem rico, Monna (madona,
senhora, em italiano) Lisa diAntonio Maria Gherardin, tinha cerca de
vinte e cinco anos quando Leonardo começou a pintar seu retrato.
Conta o pintor em suas anotações que mantinha a moça sempre de
bom humor durante as sessões de pintura 'cantando, tocando algum instrumento e contando
anedotas', para que ela não ganhasse uma expressão triste ou entediada.
Estranho que uma mulher tão rica se apresentasse de maneira tão simples, sem jóias
ou ostentação. Estranho também que seu marido não parece ter encomendado o quadro, nem
se sabe de nenhum outro cliente. Leonardo ficou com o quadro até o final da vida, quando o
levou para a França e vendeu-o para Francisco I por 4000 moedas de ouro. O fato de Leonardo
ter trabalhado com zelo neste quadro durante quatro anos, e de ter ficado com ele é incomum
para uma época em que estava se iniciando a liberdade do artista como livre-criador.
O fundo da pintura também revela algumas surpresas. A temática das montanhas
escarpadas era recorrente na obra de Leonardo. Alpinista amador, Leonardo tem vários
desenhos e esboços sobre o tema, além de tê-lo empregado como fundo em outras
composições, como a Virgem dos rochedos e a Virgem e o Menino com Santa Ana. Entretanto,
a paisagem que aparece à direita e à esquerda de Mona Lisa não parece coerente. O lado
esquerdo parece ser observado por alguém situado em uma posição mais baixa que o outro
lado, o qual parece ser visto por alguém mais alto. Isto é, nós vemos mais terra até a linha do
horizonte do lado direito do que do lado esquerdo.
Por outro lado, o único elemento a lembrar a presença humana na paisagem é um
pequeno detalhe colocado do lado direito, próximo ao ombro da figura: uma ponte
atravessando o rio. Além disso, dos dois lados da pintura ainda se vê vestígios de duas bases
do que parecem ter sido duas colunas que ladeavam a moça. Há um desenho de Rafael
baseado neste quadro em que aparecem nitidamente duas colunas laterais, que parecem ter
sido eliminadas posteriormente por Leonardo.
O sorriso, já muito comentado, é mais um aflorar da alma, um estado de espírito fugaz,
captado pelo mestre. Leonardo utiliza-se do sfumato em torno dos olhos e dos cantos da boca:
sutilmente torna difusos os contornos, alcançando a ambigüidade misteriosa de sentimentos
que vemos no belo rosto. Os olhos nos encaram, mas ao invés de qualquer tensão, parecem
compassivos. Uma névoa de melancolia cobre sua face assim como um diáfano véu cobre-lhe
os cabelos. Outro detalhe interessante é a ausência de sobrancelhas. Por que Mona Lisa não as
tem? Uma hipótese provável é a de que Leonardo teria pintado as sobrancelhas
posteriormente, e que uma malsucedida restauração as tenha removido inadvertidamente.
Obra: madona
Data: 1490-1491
Técnica: Têmpera sobre tela
Dimensões: 42 cm × 33 cm
O esquema compositivo mais comumente utilizado por
Leonardo é o esquema piramidal. As figuras são dispostas na
cena de maneira que o seu conjunto ocupe a maior área
próxima ao chão, e quanto mais se elevam na vertical, menor
área ocupam. Disso resulta uma estrutura em forma de
triângulo que tornou-se, mais tarde, quase um padrão na arte
de Rafael e outros pintores. Na ilustração, A Virgem com o Menino, pode-se perceber como as
figuras enquadram-se dentro do esquema piramidal, em que pese a extraordinária
naturalidade dos gestos e da expressão daspersonagens.
O sfumato é a passagem da luz para a sombra, realizada de maneira tão sutil que
quase não é percetível o limite entre uma e outra. Isto, consegue-se pelo hábil manejo do
pincel (ou outros instrumentos suavizadores, como os dedos ou o esfuminho), aplicando
suavemente a tinta, ora vindo da luminosidade em direção à sombra, ora vice-versa. O efeito é
o de uma sutil gradação. Com isto, eliminam-se os contornos nítidos, reduzindo a precisão dos
traços e ampliando a ambiguidade expressiva.
Uma consequência do emprego desta técnica é a possibilidade de não se trabalhar as
figuras a partir de suas linhas de contornos, mas sim desde suas superfícies, ou melhor, da
modulação suave da luz sobre os corpos. Artistas como Botticelli, por exemplo, fizeram da
linha seu mais forte recurso expressivo. Os contornos são agudos e as figuras se destacam
umas das outras pelos nítidos perfis. Em Leonardo, ao contrário, as figuras parecem avançar e
recuar desde as sombras. Ele concebe a figura não por seu perfil, mas, digamos assim, pela sua
superfície.
A perspetiva aérea é um modo de representar os efeitos das grandes distâncias na
perceção que temos das cores e dos contornos dos objetos. Sabe-se que, quanto mais distante
está um objeto ou uma cena de nós, menos nítidos vemos seus contornos. Também as cores
são afetadas por esta determinante. Dada a presença do oxigênio no ar que intermedia a
distância entre nós e as montanhas longínquas que Leonardo representou na Virgem e o
Menino quanto mais distantes estão as montanhas, mais azuladas nos parecerão. Esta é
também a razão de vermos o céu azul em dia de sol.
SANDRO BOTTICELLI - 1445
Alessandro di Mariano diVanniFilipipepi nasce em Florença. Depois de ter tido uma
breve passagem na arte da ourivesaria (1459/60), ingressa uma aprendizagem como pintor,
junto de FraFilippoLippi, em Prato. É em 1465 que o jovem pintor executa as suas primeiras
obras: a Adoração dos Magos e A Virgem e o Menino com um Anjo.
A partir de 1470, Botticelli fixa-se em Florença, montando na sua cidade natal, o seu
atelier.O ano de 1475 marca o início da longa relação entre Botticelli e a família Médicis.
Acreditou-se durante muito tempo que o quadro mitológico
A Primavera, teria sido realizado para Lourenço, o Magnífico. Mas é muito provável que este
quadro tenha sido pintado para Lorenzo diPierfrancesco, primo em segundo grau do
governador de Florença.
Análise de Obras
Obra: Primavera
Data:1482
Técnica: Têmpera sobre madeira
Dimensões: 203 cm × 314 cm
O quadro A Primavera, corresponde a uma pintura que representa e festeja a chegada
da primavera. A composição representa o império. Existem representadas neste de Vénus (no
centro da imagem), quadro, perto de quinhentas no qual penetram o amor e a espécies de
plantas, das quais, primavera com a sua abundância de cento e noventa são flores.
No meio do bosque das laranjeiras surge sobre um prado Vénus, a deusa do amor, por
cima da qual o seu filho Eros atira as suas flechas de amor, com os olhos vendados.
Disposição das imagens: Soberana do bosque, Vénus encontra-se um pouco atrás. A atitude e
o movimento das personagens demonstram uma harmoniosa unidade entre o homem e a
natureza. As laranjeiras crescem eretas, as personagens estão de pé numa atitude elegante.
Por cima de Vénus, as laranjeiras fecham-se em semicírculo, como uma auréola que circunda a
deusa, principal personagem do quadro. O lirismo também terá servido de inspiração a
Botticelli e assim, surge a divindade de Zéfiro, brisa que banha as planícies de orvalho, as cobre
de doces perfumes e veste a terra de inúmeras flores. Esta personagem está representada à
direita do quadro sob a forma de um ser alado, azul esverdeado.
Nesta composição as intenções do deus do vento não se circunscrevem a brindar a
natureza, mas revelam alguma agressividade que se apercebe pelo movimento das árvores e
folhagem. É que Zéfiro persegue uma ninfa com vestes transparentes e que olha para o deus
com horror. Da sua boca caem flores e misturam-se com as que decoram o vestido de uma
outra personagem que avança ao lado dela. Esta nova personagem tira do regaço uma mão
cheia de rosas que deita no jardim.
Esta personagem é proveniente um texto da Antiguidade atribuído a Ovídio. O poeta
descreve aí o princípio da Primavera como o momento em que a ninfa Clóris se transforma em
Flora, a deusa das flores “Eu era Clóris a quem hoje chamam Flora”.
É assim que a ninfa começa a sua narrativa, enquanto da boca lhe escapam algumas flores.
Zéfiro terá sido arrebatado pela paixão e tomado a ninfa à força para sua mulher. Mas depois
de se arrepender, transformou-a em deusa das flores, rainha da Primavera.
Do lado esquerdo, vemos as três Graças, dançando numa roda cheia de encanto. A seguir a
elas está Mercúrio, o mensageiro dos deuses, que fecha o quadro à esquerda. Reconhecemo-
lo pelas suas sandálias aladas e o caduceu que tem na mão direita. A presença do sabre que
Mercúrio transporta, demonstra a sua função de guardião do bosque.
Obra: Nascimento de Vénus
Data:1483
Técnica: Têmpera sobre madeira
Dimensões: 172,5 cm x 278,5 cm
Se em “A Primavera” a figura de Vênus surge recatada, quase como uma virgem
católica, na obra mais conhecida de Sandro Botticelli, “O Nascimento de Vênus”, a deusa do
amor é retratada nua, absoluta, sensual, totalmente profana, como o seu mito eterno.
Vênus nasceu da espuma do mar. Quando Saturno (Cronos) cortou os testículos do pai, Céu
(Urano), destronando-o, atirou-os ao mar. Dos testículos amputados de Urano, uma grande
espuma foi formada no mar, de onde nascia Vênus, ou Afrodite, a mais bela de todas as
deusas.
É este momento sublime, o nascimento da deusa do amor, que nos retrata a bela obra
de Botticelli. Ao nascer no meio do mar, Vênus é amparada por uma grande concha de
madrepérolas. Uma Vênus nua, de cabelos longos e dourados, é apresentada no centro da
obra, com todo o seu esplendor. Delicadamente, com uma das mãos cobre um dos seios, e
com a outra mão, conduz a longa cabeleira dourada a esconder-lhe o sexo divino. Vênus
aparece nua e a insinuar a nudez, sutilmente coberta, pronta para ser revelada.
Zéfiro surge à esquerda de Vênus, abraçado à sua eterna companheira, a ninfa das flores,
Clóris. Cabe ao vento do oeste soprar a bela deusa para a ilha de Chipre. Clóris sopra sobre a
deusa singela e belas violetas.
Á esquerda, já na ilha de Chipre, está uma das Horas, que prepara uma túnica imortal
para cobrir a deusa do amor.“O Nascimento de Vênus” é ao lado da estátua da Vênus de Milo,
a representação mais conhecida do mito de Vênus-Afrodite.
Tornou-se uma das obras mais difundidas nos tempos atuais, eternizando o seu
criador. É um dos ícones mais representativo do Renascimento.
RAFAEL SANZIO (1483-1520)
Para Rafael Sanzio, não há conflitos entre o paganismo antigo e o cristianismo embelecido
terrenalmente. Nesse pintor, encontramos um bom exemplo do humanismo evangélico. Seus
ideais são os da doçura e da piedade; a beleza e a verdade se igualam, sendo que a primeira é
vista como um fim em si mesmo. Suas principais obras são: “A Escola de Atenas” e “Madona
Sistina”.
Obra: "La bellagiardiniera - A Virgem e o Menino com São
João Batista",
Data:1507
Técnica: óleo sobre madeira
Dimensões: 122x80 cm
O título de "jardineira do Belle" é devido à beleza da
florida Virgem e do meio ambiente rural.
A Virgem representa a beleza feminina, com sua forma oval
tipicamente pura e simplicidade do estilo. As personagnes
são integradas na paisagem de modo ideal.
A Virgem está sentada em uma pedra, olhando para o garoto, que olha para trás,
enquanto diante dele é João, que parece confiar em sua equipe crucíferos. Os olhares que se
cruzam, silenciosas transmitem emoção.
Esta obra resume as várias influências que recebeu Rafael: Perugino, Leonardo e
Michelangelo. A Virgem e o Menino com São João da composição dinâmica e formar um
esquema de pirâmide que traz equilíbrio e serenidade para a cena. O grupo está em primeiro
plano de uma paisagem brilhante e aberto. No fundo, à direita, é o perfil de uma cidade com
edifícios góticos. Plantas e arbustos são representados com rigor científico. Entre eles estão
símbolo, roxo da humildade da Virgem, e columbines, símbolos da Paixão de Cristo. O novo
olhar da Virgem em direção a Jesus e Bush são inspirados Peruginesque frágil. Transparências
distante paisagem azul (desbotada) e modelagem macio das crianças, através do efeito de luz
e sombra (chiaroscuro) derivada de Leonardo da Vinci.
Esta é uma das representações da Virgem Maria feitas por Rafael enquanto em
Florença. Para fazê-lo, ele fez numerosos esboços e papelão.
MICHELANGELO (1475-1564)
Em Michelangelo podemos notar o conflito entre o paganismo e cristianismo, que aparece sob
forma trágica em sua obra. As obras principais como pintor foram os afrescos pintados no teto
da Capela Sistina, onde se destacam: “Deus separando a luz das trevas”, “A Criação de Adão”,
e “O Juízo Final”. São também notáveis na pintura italiana: FraLippo, FraAngelico, Ticiano,
Corregio, Veronese, Ghirlandaio e Tintoretto. Foi Tintoretto (1518-1549) quem introduziu um
novo estilo na pintura italiana: o Barroco.
Obra: capela sistina
Data:1508– 1512
Técnica: Gesso e ouro
Dimensões:4.050 cm x 1.400 cm
A pintura da Capela Sistina, que foi dividida em duas etapas, uma entre 1508 a 1513,
(pintura das cenas do antigo testamento no teto) e outra de 1535 a 1541, (pintura do Juízo
Finalna parede do altar), reúne um conjunto literário na forma de imagens cujos temas
expressam aleitura do pintor aos textos do Pentateuco (Gênese e Êxodo), aos Evangelhos e ao
Apocalipse deJoão. O cenário icônico da capela apresenta ordenadamente as narrativas
bíblicas da criação domundo, de Adão, e do juízo final. Podemos pensar a pintura de
Michelangelo como umatentativa de ordenar os “fatos” bíblicos em três planos distintos e de
forma linear.
A imagem a seguir apresenta as divisões temáticas escolhidas por Michelangelo para
seutrabalho na Capela Sistina. Nas reentrâncias retangulares, no centro do teto, se desenvolve
ostemas principais bíblicos já mencionados, e nas bordas, em reentrâncias quadradas e
tambémtriangulares emergem apóstolos e personagens como sibilas e a humanidade pagã do
mundoantigo. No plano central do teto seguem os seguintes temas: O profeta Jonas, a
separação da luze das trevas, a criação do sol e da lua, a criação de Adão, a criação de Eva, o
pecado Original, osacrifício de Noé, o dilúvio, Noé e a maldição de Cã. Uma curiosa mistura
que reúne profetas,figuras pagãs e sibilas formam as pinturas das laterais. No altar
Michelangelo finaliza com oJuízo final.
Um outro assunto bastante explorado pela Igreja é a expulsão de Adão e Eva do Éden
por terem cometido o “pecado original”. A partir daí a saga da chamada raça adâmica
estariapredestinada ao declínio e corrupção. Os descendentes de Adão são impelidos a
recompor os laçosperdidos e tentar uma nova aliança com Deus. Em geral, o clero se via como
o responsável pelaremissão, já que se consideram os reais herdeiro de Jesus e os Apóstolos.
Na imagem dedicadaao juízo final, Michelangelo demonstra conhecimento da literatura
homérica, dantesca e bíblica.
As imagem utilizadas na cena traduzem situações e personagens da tradição literária
com areferência sobre o inferno, cuja passagem dar-se-ia pelo barco de Caronte, das almas
emsuplício, lembrando cenas descritas por Dante Alighieri em sua A Divina Comédia, e,
finalmentedos temas do novo testamento sobre a descida de Jesus novamente à terra, agora,
como juiz econdutor, acompanhado de Maria.
Várias foram as tentativas de explicar as formas, os tons utilizados, enfim, todos os
aspectos que envolveram a pintura da Capela. No entanto, analisando partes do trabalho
deMichelangelo, podemos dizer que a pretensão do autor era a apreciação pública do
cenáriobíblico. O escultor e pintor viveu o momento da Contra-Reforma empreendida pela
IgrejaCatólica, momento em que o iconoclastismo protestante contrastava com a
linguagemimagéticadas capelas e catedrais. De acordo com Gilbert Durand, o clero católico
exagerou narepresentação espiritual das imagens e do culto aos santos.23 À época do
Renascimento osvitrais, os portais, as colunas das várias formas arquitetônicas eram talhadas,
pintadas eesculpidas com temas das passagens bíblicas. Essas criações, muitas vezes
encomendadas,serviam à leitura pública da imagem, numa época em que a população ainda
era analfabeta.
Semquerer restringir as obras renascentistas, os monumentos artísticos também
guardavam suafunção pedagógica. Eduardo França Paiva, por exemplo, afirmou que as
representaçõesicônicas, desde os primeiros tempos do Cristianismo foram instrumentos
pedagógicos poderosose eficazes”. Desse modo, o trabalho de Michelangelo, aqui
especificamente a pintura do tetoda Capela Sistina, não deixava de ser também um esforço
por expressar as angústias do homemmoderno em torno de sua religiosidade em mutação.
Resumo de imagens
Deus criando as estrelas e os
planetas
A criação de adão
O pecado original e a explosão no
Paraíso
A criação de Eva
O sacrifício de Noé
Dilúvio Universal
Os profetas encontram se nas áreas triangulares e laterais
Ezequiel
Daniel
Joel
Jeremias
Jonas
Enquadramento
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O estudo realizado através desta pesquisa faz refletir que no
período da renascença a mudança da posição ocupada pelo homem no
mundo. A Igreja sempre procurou dominar a sociedade, a riqueza e por
muito tempo vendeu indulgências e dominou reinos, desfrutou e
destorceu os fatos bíblicos para conquistar tudo o que queria inclusive
dominar o pensamento do homem, apropriando-se do seu conhecimento.
A evolução do saber influenciou os pensadores a refletir sobre a verdade e
abrir caminhos para o conhecimento, com issoarte evoluiu alcançando
quase a perfeição e conquistando o seu espaço.
Restou para igreja, que não podia perder seus fiéis, contratar e
aceitar os serviços destes artistas famosos, que não precisaram abrir mão
de suas pesquisas e conhecimentos científicos e se deleitaram realizando
obras belíssimas fazendo do templo da igreja um grande museu de arte
até hoje admirado e contemplado por fiéis, artistas e turistas.
Este trabalho foi elaborado com o apoio do Mestre Henrique Leal,
estudioso na área da História e Cultura das Artes, e com os seus respetivos
textos de autor.
Devido á complexidade das obras não foi possível realizar um
resumo mais curto, pois perdiam-se argumentos importantes das obras e
da corrente artística.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
Ana Barreiros
 
A Leiteira Vermeer
A Leiteira VermeerA Leiteira Vermeer
A Leiteira Vermeer
Ana Nunes
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
Catarina Francisco
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
angeldenis21
 
Pintura Barroca
Pintura BarrocaPintura Barroca
Pintura Barroca
dianacmendes7
 
Zurbaran
ZurbaranZurbaran
Zurbaran
hcaslides
 
Rembrandt
RembrandtRembrandt
Rembrandt
Paola Giovana
 
Van Dyck
Van DyckVan Dyck
Van Dyck
Joaquim Almeida
 
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
angeldenis21
 
Barroco slides
Barroco slidesBarroco slides
Barroco slides
Tathiana Dovera
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Mariana11856
 
Johannes vermeer
Johannes vermeerJohannes vermeer
Johannes vermeer
mariapaula37
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
Rosana Dalla Piazza
 
Barroco Europeu
Barroco EuropeuBarroco Europeu
Barroco Europeu
Lucas Rodrigues
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap
Pelo Siro
 
Herny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
Herny Duarte nº10 - A pintura do RenascimentoHerny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
Herny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
Biblioteca Casa
 
Bernini
BerniniBernini
Bernini
hcaslides
 
Barroco pintura
Barroco pinturaBarroco pintura
Barroco pintura
Gustavo Cuin
 

Mais procurados (19)

A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
A Leiteira Vermeer
A Leiteira VermeerA Leiteira Vermeer
A Leiteira Vermeer
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Pintura Barroca
Pintura BarrocaPintura Barroca
Pintura Barroca
 
Zurbaran
ZurbaranZurbaran
Zurbaran
 
Rembrandt
RembrandtRembrandt
Rembrandt
 
Van Dyck
Van DyckVan Dyck
Van Dyck
 
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
Tendências da pintura barroca apresentação julho 2009
 
Barroco slides
Barroco slidesBarroco slides
Barroco slides
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Johannes vermeer
Johannes vermeerJohannes vermeer
Johannes vermeer
 
As meninas velazquez
As meninas  velazquezAs meninas  velazquez
As meninas velazquez
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
 
Barroco Europeu
Barroco EuropeuBarroco Europeu
Barroco Europeu
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap
 
Herny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
Herny Duarte nº10 - A pintura do RenascimentoHerny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
Herny Duarte nº10 - A pintura do Renascimento
 
Bernini
BerniniBernini
Bernini
 
Barroco pintura
Barroco pinturaBarroco pintura
Barroco pintura
 

Destaque

Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)
Beatriz Mariano
 
A
AA
A Arte Maneirista (2)
A Arte Maneirista (2)A Arte Maneirista (2)
A Arte Maneirista (2)
Beatriz Mariano
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
Beatriz Mariano
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Carlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senado
Carlos Vieira
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
Carlos Vieira
 
Cultura do senado resumos
Cultura do senado   resumosCultura do senado   resumos
Cultura do senado resumos
Jorge Hohinho
 

Destaque (9)

Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)
 
A
AA
A
 
A Arte Maneirista (2)
A Arte Maneirista (2)A Arte Maneirista (2)
A Arte Maneirista (2)
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do Palácio
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senado
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
 
Cultura do senado resumos
Cultura do senado   resumosCultura do senado   resumos
Cultura do senado resumos
 

Semelhante a A cultura do palácio

RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Revista forma
Revista formaRevista forma
Revista forma
Aline Soares e Silva
 
Historia da arte - período Renascimento - resumo
Historia da arte - período Renascimento - resumoHistoria da arte - período Renascimento - resumo
Historia da arte - período Renascimento - resumo
Andrea Dressler
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Ellen_Assad
 
MONALISA ATIVIDADE.docx
MONALISA ATIVIDADE.docxMONALISA ATIVIDADE.docx
MONALISA ATIVIDADE.docx
GasparinaSouza1
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
Danilson Silva
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Lu Rebordosa
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Bruno Conti
 
Renascimento e humanismo
Renascimento e humanismoRenascimento e humanismo
Renascimento e humanismo
AEntrudeiranaEscola
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
Priscila Barbosa
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
marlete andrade
 
7º ano - Renascimento
7º ano - Renascimento7º ano - Renascimento
7º ano - Renascimento
Janaína Bindá
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Renascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptxRenascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptx
CarlosHenriqueAveiro1
 
Renascimento pintura
Renascimento   pinturaRenascimento   pintura
Renascimento pintura
Luis Henrique Gallina
 
6 renascimento 2020
6 renascimento 20206 renascimento 2020
6 renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
7 barroco 2020
7 barroco 20207 barroco 2020
7 barroco 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 

Semelhante a A cultura do palácio (20)

RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
 
Revista forma
Revista formaRevista forma
Revista forma
 
Historia da arte - período Renascimento - resumo
Historia da arte - período Renascimento - resumoHistoria da arte - período Renascimento - resumo
Historia da arte - período Renascimento - resumo
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MONALISA ATIVIDADE.docx
MONALISA ATIVIDADE.docxMONALISA ATIVIDADE.docx
MONALISA ATIVIDADE.docx
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Renascimento e humanismo
Renascimento e humanismoRenascimento e humanismo
Renascimento e humanismo
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila Arte 7 ano A e B 1ºB
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
 
7º ano - Renascimento
7º ano - Renascimento7º ano - Renascimento
7º ano - Renascimento
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
 
Renascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptxRenascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptx
 
Renascimento pintura
Renascimento   pinturaRenascimento   pintura
Renascimento pintura
 
6 renascimento 2020
6 renascimento 20206 renascimento 2020
6 renascimento 2020
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
7 barroco 2020
7 barroco 20207 barroco 2020
7 barroco 2020
 
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
 

A cultura do palácio

  • 1. A cultura do palácio Trabalho realizado por: Nome: Sara Cristina leão Meireles Turma: 2ºA nº 356
  • 2. A vida intelectual, nos séculos XV e XVI, foi expressão das novas realidades econômicas, sociais, políticas e religiosas com que o homem se defrontou e que imprimiram certas características à Filosofia, à Ciência e às Artes, no período. Um Erro Secular A palavra “Renascimento”, usada comumente para designar o movimento intelectual do início da Idade Moderna, não traduz, entretanto, o que acontecia realmente. De fato, o homem dessa fase desenvolveu uma mentalidade individualista e crítica, voltada para os interesses materiais e preocupada com a valorização da vida terrena, em oposição aos antigos ideais medievais. Isto fez com que ele imprimisse uma caracterização humanista à cultura intelectual, inspirada nos modelos greco-romanos (clássicos) – civilizações grega e romana comumente conhecidas como civilizações “clássicas”, – para cuja imitação muito contribuiu a fixação, na Península Itálica, de sábios bizantinos, que fugiam ao domínio turco. Nem de longe, no entanto, se pode, hoje, aceitar a idéia de uma “ressurreição” da cultura intelectual, pois a Idade Média foi um período de alta criatividade nesse setor, impregnada porém, da visão espiritualista e mística com que o homem medieval encarava a realidade. Características da Arte Renascentista A arte renascentista caracterizou-se por vários fatores: - a busca da inspiração nos ideais greco-romanos; - o homem renascentista valorizava a natureza principalmente a humana; - o gosto pelo luxo e comodidade; - como fonte de inspiração, o retorno à natureza; - grande liberdade criativa; - o gosto pelos efeitos cênicos e teatrais; - o dinamismo das figuras, a expressão naturalista; Com relação à pintura, os maiores avanços técnicos foram obra de flamengos (pintores de Flandres, condado submetido à suserania dos reis da França). Entre eles destacaram-se os irmãos Jan e Hübert Van Eick, que inauguraram a pintura a óleo – dissolvendo as tintas em óleo de linhaça – de execução rápida e fácil, além de oferecer ao artista maiores recursos. Já a conquista do espaço tridimensionalista é obtida através de vários recursos. Tomaso Masaccio (1401-1428) renega vigorosamente as tradições do Oriente para criar uma pintura monumental de grandes espaços e massas e de feição naturalista e inspiração popular. O espaço ganha as três dimensões, o “claro-escuro” sugere volumes e imprime verossimilhança às paisagens e às figuras humanas. No século XVI surge a figura mais potente de toda a escultura renascentista: Michelangelo Buonarroti (1475-1564). Tornou-se famoso como pintor, mas seu campo artístico preferido era a escultura. O propósito dominante de todo o seu trabalho foi expressar o pensamento na pedra. Dedicou-se à busca de efeitos emocionalmente vigorosos para
  • 3. exprimir de forma alegórica suas ideias filosóficas. Para isto, empenhou-se no estudo da figura humana em todas as posições, atitudes e expressões. Suas esculturas revelam uma vitalidade até então nunca alcançada por outros artistas. A arquitetura caracterizou-se pela grandiosidade dos edifícios, que, no entanto, apresentavam linhas simples e simétricas. A adaptação dos modelos clássicos fez-se notar pelo uso do arco plano, das colunatas e das cúpulas. Como exemplo podemos citar a “Basílica de São Pedro” em Roma, e o “Duomo” em Florença. O RENASCIMENTONA PINTURA O criador e precursor da arte renascentista foi Giotto (1266-1337). Ao contrário dos quadros medievais, em que o homem era retratado como figura plana (homem como ser imaterial), as figuras humanas de Giotto são bem marcadas em suas formas e representadas de acordo com a realidade. Ao contrário dos quadros medievais, que tinham freqüentemente um fundo dourado a simbolizar uma luz sobrenatural, o céu pintado por Giotto é de um azul bem claro, visto ao fundo das brancas muralhas da cidade. Podemos citar entre os artistas do período: Tomaso Masaccio (1401-1428); Sandro Botticelli (1444?-1510). Já no final do século XV e começo do seguinte, a pintura renascentista italiana atingiu o seu máximo esplendor, sobretudo a três gênios: “Leonardo Da Vinci, Rafael Sanzio e Michelangelo. LEONARDO DA VINCI (1452-1519) Não foi apenas um pintor famoso, mas também músico, escultor, arquiteto, filósofo, cientista, engenheiro, anatomista e inventor. Essa não especialização do conhecimento fez dele o protótipo do homem renascentista. Sua pintura, ao contrário da pintura idealista de Botticelli, baseou-se na pesquisa científica da natureza. A natureza para Da Vinci, mantém seus segredos profundamente ocultos, exigindo uma análise minuciosa. Esta pintura científica está bem presente em suas obras “Última Ceia”, “A Virgem dos Rochedos”, “A Gioconda” e “Anunciação”.
  • 4. Análise de Obras Obra: Última ceia Data:1495-1497 Técnica: Dimensões: 460 cm × 880 cm O mosteiro de Santa Maria delleGrazie, em Milão, não é mais utilizado e a sala do refeitório onde Leonardo pintou o painel foi transformado em museu. A encomenda original foi feita por Ludovico, o Mouro. Ao contrário da técnica tradicional da pintura sobre argamassa úmida, Leonardo utilizou têmpera a óleo. Com a umidade, a deterioração da pintura já havia sido iniciada em 1510, ainda durante a vida do mestre. O restauro vem sendo realizado desde 1726. Durante a guerra, o mosteiro foi bombardeado, e a parede com o mosaico sobreviveu miraculosamente. Curioso que um artista livre-pensador, em cujos escritos não se encontra uma linha acerca dos assuntos religiosos, tenha elaborado talvez o ícone mais difundido da fé cristã e católica. A Última ceia talvez seja a imagem cristã mais difundida da história. Segundo Leonardo, o objetivo era retratar a 'intenção da alma humana' através dos gestos e membros dos personagens, isto é, mais do que expressar os estados emocionais, retratar a vida interior de cada um dos apóstolos. Para conseguir este objetivo, consta que o artista percorria as ruas da cidade, inclusive as prisões, em busca dos rostos cuja expressividade lhe parecia ser adequada para cada um dos apóstolos. Cristo posiciona-se ao centro da composição, e para ele convergem as linhas em perspetiva da sala. Ele parece resignado, enquanto os apóstolos debatem-se, como se houvera sido o momento exato em que ele revela que um deles o trairá. Dispostos em grupos de três, cada um reage à afirmação segundo suas disposições. A figura de Judas sempre havia sido um problema compositivo a todos os artistas que pintaram esta cena, pois era equivocado representar o traidor do Salvador junto aos outros apóstolos. Ao mesmo tempo em que fazia parte da ceia, devia ser excluído do convívio dos apóstolos. Outros artistas, como AndreadelCastagno haviam resolvido o problema teológico com a separação espacial de Judas do grupo, o único posicionado de costas para o observador. Isto o identificava ao mesmo tempo em que o excluía dos outros. Na Última Ceia de Leonardo, Judas é misturado aos outros apóstolos, e apenas seu perfil sinistro e rancoroso sugere ali estar sua pessoa. Obra: Mona lisa Data: 1503-1506 Técnica: Pintura a óleo sobre madeira de álamo Dimensões:77 cm × 53 cm Jovem esposa de um homem rico, Monna (madona, senhora, em italiano) Lisa diAntonio Maria Gherardin, tinha cerca de vinte e cinco anos quando Leonardo começou a pintar seu retrato. Conta o pintor em suas anotações que mantinha a moça sempre de
  • 5. bom humor durante as sessões de pintura 'cantando, tocando algum instrumento e contando anedotas', para que ela não ganhasse uma expressão triste ou entediada. Estranho que uma mulher tão rica se apresentasse de maneira tão simples, sem jóias ou ostentação. Estranho também que seu marido não parece ter encomendado o quadro, nem se sabe de nenhum outro cliente. Leonardo ficou com o quadro até o final da vida, quando o levou para a França e vendeu-o para Francisco I por 4000 moedas de ouro. O fato de Leonardo ter trabalhado com zelo neste quadro durante quatro anos, e de ter ficado com ele é incomum para uma época em que estava se iniciando a liberdade do artista como livre-criador. O fundo da pintura também revela algumas surpresas. A temática das montanhas escarpadas era recorrente na obra de Leonardo. Alpinista amador, Leonardo tem vários desenhos e esboços sobre o tema, além de tê-lo empregado como fundo em outras composições, como a Virgem dos rochedos e a Virgem e o Menino com Santa Ana. Entretanto, a paisagem que aparece à direita e à esquerda de Mona Lisa não parece coerente. O lado esquerdo parece ser observado por alguém situado em uma posição mais baixa que o outro lado, o qual parece ser visto por alguém mais alto. Isto é, nós vemos mais terra até a linha do horizonte do lado direito do que do lado esquerdo. Por outro lado, o único elemento a lembrar a presença humana na paisagem é um pequeno detalhe colocado do lado direito, próximo ao ombro da figura: uma ponte atravessando o rio. Além disso, dos dois lados da pintura ainda se vê vestígios de duas bases do que parecem ter sido duas colunas que ladeavam a moça. Há um desenho de Rafael baseado neste quadro em que aparecem nitidamente duas colunas laterais, que parecem ter sido eliminadas posteriormente por Leonardo. O sorriso, já muito comentado, é mais um aflorar da alma, um estado de espírito fugaz, captado pelo mestre. Leonardo utiliza-se do sfumato em torno dos olhos e dos cantos da boca: sutilmente torna difusos os contornos, alcançando a ambigüidade misteriosa de sentimentos que vemos no belo rosto. Os olhos nos encaram, mas ao invés de qualquer tensão, parecem compassivos. Uma névoa de melancolia cobre sua face assim como um diáfano véu cobre-lhe os cabelos. Outro detalhe interessante é a ausência de sobrancelhas. Por que Mona Lisa não as tem? Uma hipótese provável é a de que Leonardo teria pintado as sobrancelhas posteriormente, e que uma malsucedida restauração as tenha removido inadvertidamente. Obra: madona Data: 1490-1491 Técnica: Têmpera sobre tela Dimensões: 42 cm × 33 cm O esquema compositivo mais comumente utilizado por Leonardo é o esquema piramidal. As figuras são dispostas na cena de maneira que o seu conjunto ocupe a maior área próxima ao chão, e quanto mais se elevam na vertical, menor área ocupam. Disso resulta uma estrutura em forma de triângulo que tornou-se, mais tarde, quase um padrão na arte de Rafael e outros pintores. Na ilustração, A Virgem com o Menino, pode-se perceber como as figuras enquadram-se dentro do esquema piramidal, em que pese a extraordinária naturalidade dos gestos e da expressão daspersonagens. O sfumato é a passagem da luz para a sombra, realizada de maneira tão sutil que quase não é percetível o limite entre uma e outra. Isto, consegue-se pelo hábil manejo do pincel (ou outros instrumentos suavizadores, como os dedos ou o esfuminho), aplicando
  • 6. suavemente a tinta, ora vindo da luminosidade em direção à sombra, ora vice-versa. O efeito é o de uma sutil gradação. Com isto, eliminam-se os contornos nítidos, reduzindo a precisão dos traços e ampliando a ambiguidade expressiva. Uma consequência do emprego desta técnica é a possibilidade de não se trabalhar as figuras a partir de suas linhas de contornos, mas sim desde suas superfícies, ou melhor, da modulação suave da luz sobre os corpos. Artistas como Botticelli, por exemplo, fizeram da linha seu mais forte recurso expressivo. Os contornos são agudos e as figuras se destacam umas das outras pelos nítidos perfis. Em Leonardo, ao contrário, as figuras parecem avançar e recuar desde as sombras. Ele concebe a figura não por seu perfil, mas, digamos assim, pela sua superfície. A perspetiva aérea é um modo de representar os efeitos das grandes distâncias na perceção que temos das cores e dos contornos dos objetos. Sabe-se que, quanto mais distante está um objeto ou uma cena de nós, menos nítidos vemos seus contornos. Também as cores são afetadas por esta determinante. Dada a presença do oxigênio no ar que intermedia a distância entre nós e as montanhas longínquas que Leonardo representou na Virgem e o Menino quanto mais distantes estão as montanhas, mais azuladas nos parecerão. Esta é também a razão de vermos o céu azul em dia de sol. SANDRO BOTTICELLI - 1445 Alessandro di Mariano diVanniFilipipepi nasce em Florença. Depois de ter tido uma breve passagem na arte da ourivesaria (1459/60), ingressa uma aprendizagem como pintor, junto de FraFilippoLippi, em Prato. É em 1465 que o jovem pintor executa as suas primeiras obras: a Adoração dos Magos e A Virgem e o Menino com um Anjo. A partir de 1470, Botticelli fixa-se em Florença, montando na sua cidade natal, o seu atelier.O ano de 1475 marca o início da longa relação entre Botticelli e a família Médicis. Acreditou-se durante muito tempo que o quadro mitológico A Primavera, teria sido realizado para Lourenço, o Magnífico. Mas é muito provável que este quadro tenha sido pintado para Lorenzo diPierfrancesco, primo em segundo grau do governador de Florença. Análise de Obras Obra: Primavera Data:1482 Técnica: Têmpera sobre madeira Dimensões: 203 cm × 314 cm
  • 7. O quadro A Primavera, corresponde a uma pintura que representa e festeja a chegada da primavera. A composição representa o império. Existem representadas neste de Vénus (no centro da imagem), quadro, perto de quinhentas no qual penetram o amor e a espécies de plantas, das quais, primavera com a sua abundância de cento e noventa são flores. No meio do bosque das laranjeiras surge sobre um prado Vénus, a deusa do amor, por cima da qual o seu filho Eros atira as suas flechas de amor, com os olhos vendados. Disposição das imagens: Soberana do bosque, Vénus encontra-se um pouco atrás. A atitude e o movimento das personagens demonstram uma harmoniosa unidade entre o homem e a natureza. As laranjeiras crescem eretas, as personagens estão de pé numa atitude elegante. Por cima de Vénus, as laranjeiras fecham-se em semicírculo, como uma auréola que circunda a deusa, principal personagem do quadro. O lirismo também terá servido de inspiração a Botticelli e assim, surge a divindade de Zéfiro, brisa que banha as planícies de orvalho, as cobre de doces perfumes e veste a terra de inúmeras flores. Esta personagem está representada à direita do quadro sob a forma de um ser alado, azul esverdeado. Nesta composição as intenções do deus do vento não se circunscrevem a brindar a natureza, mas revelam alguma agressividade que se apercebe pelo movimento das árvores e folhagem. É que Zéfiro persegue uma ninfa com vestes transparentes e que olha para o deus com horror. Da sua boca caem flores e misturam-se com as que decoram o vestido de uma outra personagem que avança ao lado dela. Esta nova personagem tira do regaço uma mão cheia de rosas que deita no jardim. Esta personagem é proveniente um texto da Antiguidade atribuído a Ovídio. O poeta descreve aí o princípio da Primavera como o momento em que a ninfa Clóris se transforma em Flora, a deusa das flores “Eu era Clóris a quem hoje chamam Flora”. É assim que a ninfa começa a sua narrativa, enquanto da boca lhe escapam algumas flores. Zéfiro terá sido arrebatado pela paixão e tomado a ninfa à força para sua mulher. Mas depois de se arrepender, transformou-a em deusa das flores, rainha da Primavera. Do lado esquerdo, vemos as três Graças, dançando numa roda cheia de encanto. A seguir a elas está Mercúrio, o mensageiro dos deuses, que fecha o quadro à esquerda. Reconhecemo- lo pelas suas sandálias aladas e o caduceu que tem na mão direita. A presença do sabre que Mercúrio transporta, demonstra a sua função de guardião do bosque. Obra: Nascimento de Vénus Data:1483 Técnica: Têmpera sobre madeira Dimensões: 172,5 cm x 278,5 cm Se em “A Primavera” a figura de Vênus surge recatada, quase como uma virgem católica, na obra mais conhecida de Sandro Botticelli, “O Nascimento de Vênus”, a deusa do amor é retratada nua, absoluta, sensual, totalmente profana, como o seu mito eterno. Vênus nasceu da espuma do mar. Quando Saturno (Cronos) cortou os testículos do pai, Céu (Urano), destronando-o, atirou-os ao mar. Dos testículos amputados de Urano, uma grande espuma foi formada no mar, de onde nascia Vênus, ou Afrodite, a mais bela de todas as deusas.
  • 8. É este momento sublime, o nascimento da deusa do amor, que nos retrata a bela obra de Botticelli. Ao nascer no meio do mar, Vênus é amparada por uma grande concha de madrepérolas. Uma Vênus nua, de cabelos longos e dourados, é apresentada no centro da obra, com todo o seu esplendor. Delicadamente, com uma das mãos cobre um dos seios, e com a outra mão, conduz a longa cabeleira dourada a esconder-lhe o sexo divino. Vênus aparece nua e a insinuar a nudez, sutilmente coberta, pronta para ser revelada. Zéfiro surge à esquerda de Vênus, abraçado à sua eterna companheira, a ninfa das flores, Clóris. Cabe ao vento do oeste soprar a bela deusa para a ilha de Chipre. Clóris sopra sobre a deusa singela e belas violetas. Á esquerda, já na ilha de Chipre, está uma das Horas, que prepara uma túnica imortal para cobrir a deusa do amor.“O Nascimento de Vênus” é ao lado da estátua da Vênus de Milo, a representação mais conhecida do mito de Vênus-Afrodite. Tornou-se uma das obras mais difundidas nos tempos atuais, eternizando o seu criador. É um dos ícones mais representativo do Renascimento. RAFAEL SANZIO (1483-1520) Para Rafael Sanzio, não há conflitos entre o paganismo antigo e o cristianismo embelecido terrenalmente. Nesse pintor, encontramos um bom exemplo do humanismo evangélico. Seus ideais são os da doçura e da piedade; a beleza e a verdade se igualam, sendo que a primeira é vista como um fim em si mesmo. Suas principais obras são: “A Escola de Atenas” e “Madona Sistina”. Obra: "La bellagiardiniera - A Virgem e o Menino com São João Batista", Data:1507 Técnica: óleo sobre madeira Dimensões: 122x80 cm O título de "jardineira do Belle" é devido à beleza da florida Virgem e do meio ambiente rural. A Virgem representa a beleza feminina, com sua forma oval tipicamente pura e simplicidade do estilo. As personagnes são integradas na paisagem de modo ideal. A Virgem está sentada em uma pedra, olhando para o garoto, que olha para trás, enquanto diante dele é João, que parece confiar em sua equipe crucíferos. Os olhares que se cruzam, silenciosas transmitem emoção.
  • 9. Esta obra resume as várias influências que recebeu Rafael: Perugino, Leonardo e Michelangelo. A Virgem e o Menino com São João da composição dinâmica e formar um esquema de pirâmide que traz equilíbrio e serenidade para a cena. O grupo está em primeiro plano de uma paisagem brilhante e aberto. No fundo, à direita, é o perfil de uma cidade com edifícios góticos. Plantas e arbustos são representados com rigor científico. Entre eles estão símbolo, roxo da humildade da Virgem, e columbines, símbolos da Paixão de Cristo. O novo olhar da Virgem em direção a Jesus e Bush são inspirados Peruginesque frágil. Transparências distante paisagem azul (desbotada) e modelagem macio das crianças, através do efeito de luz e sombra (chiaroscuro) derivada de Leonardo da Vinci. Esta é uma das representações da Virgem Maria feitas por Rafael enquanto em Florença. Para fazê-lo, ele fez numerosos esboços e papelão. MICHELANGELO (1475-1564) Em Michelangelo podemos notar o conflito entre o paganismo e cristianismo, que aparece sob forma trágica em sua obra. As obras principais como pintor foram os afrescos pintados no teto da Capela Sistina, onde se destacam: “Deus separando a luz das trevas”, “A Criação de Adão”, e “O Juízo Final”. São também notáveis na pintura italiana: FraLippo, FraAngelico, Ticiano, Corregio, Veronese, Ghirlandaio e Tintoretto. Foi Tintoretto (1518-1549) quem introduziu um novo estilo na pintura italiana: o Barroco. Obra: capela sistina Data:1508– 1512 Técnica: Gesso e ouro Dimensões:4.050 cm x 1.400 cm A pintura da Capela Sistina, que foi dividida em duas etapas, uma entre 1508 a 1513, (pintura das cenas do antigo testamento no teto) e outra de 1535 a 1541, (pintura do Juízo Finalna parede do altar), reúne um conjunto literário na forma de imagens cujos temas expressam aleitura do pintor aos textos do Pentateuco (Gênese e Êxodo), aos Evangelhos e ao Apocalipse deJoão. O cenário icônico da capela apresenta ordenadamente as narrativas bíblicas da criação domundo, de Adão, e do juízo final. Podemos pensar a pintura de Michelangelo como umatentativa de ordenar os “fatos” bíblicos em três planos distintos e de forma linear. A imagem a seguir apresenta as divisões temáticas escolhidas por Michelangelo para seutrabalho na Capela Sistina. Nas reentrâncias retangulares, no centro do teto, se desenvolve ostemas principais bíblicos já mencionados, e nas bordas, em reentrâncias quadradas e tambémtriangulares emergem apóstolos e personagens como sibilas e a humanidade pagã do mundoantigo. No plano central do teto seguem os seguintes temas: O profeta Jonas, a separação da luze das trevas, a criação do sol e da lua, a criação de Adão, a criação de Eva, o
  • 10. pecado Original, osacrifício de Noé, o dilúvio, Noé e a maldição de Cã. Uma curiosa mistura que reúne profetas,figuras pagãs e sibilas formam as pinturas das laterais. No altar Michelangelo finaliza com oJuízo final. Um outro assunto bastante explorado pela Igreja é a expulsão de Adão e Eva do Éden por terem cometido o “pecado original”. A partir daí a saga da chamada raça adâmica estariapredestinada ao declínio e corrupção. Os descendentes de Adão são impelidos a recompor os laçosperdidos e tentar uma nova aliança com Deus. Em geral, o clero se via como o responsável pelaremissão, já que se consideram os reais herdeiro de Jesus e os Apóstolos. Na imagem dedicadaao juízo final, Michelangelo demonstra conhecimento da literatura homérica, dantesca e bíblica. As imagem utilizadas na cena traduzem situações e personagens da tradição literária com areferência sobre o inferno, cuja passagem dar-se-ia pelo barco de Caronte, das almas emsuplício, lembrando cenas descritas por Dante Alighieri em sua A Divina Comédia, e, finalmentedos temas do novo testamento sobre a descida de Jesus novamente à terra, agora, como juiz econdutor, acompanhado de Maria. Várias foram as tentativas de explicar as formas, os tons utilizados, enfim, todos os aspectos que envolveram a pintura da Capela. No entanto, analisando partes do trabalho deMichelangelo, podemos dizer que a pretensão do autor era a apreciação pública do cenáriobíblico. O escultor e pintor viveu o momento da Contra-Reforma empreendida pela IgrejaCatólica, momento em que o iconoclastismo protestante contrastava com a linguagemimagéticadas capelas e catedrais. De acordo com Gilbert Durand, o clero católico exagerou narepresentação espiritual das imagens e do culto aos santos.23 À época do Renascimento osvitrais, os portais, as colunas das várias formas arquitetônicas eram talhadas, pintadas eesculpidas com temas das passagens bíblicas. Essas criações, muitas vezes encomendadas,serviam à leitura pública da imagem, numa época em que a população ainda era analfabeta. Semquerer restringir as obras renascentistas, os monumentos artísticos também guardavam suafunção pedagógica. Eduardo França Paiva, por exemplo, afirmou que as representaçõesicônicas, desde os primeiros tempos do Cristianismo foram instrumentos pedagógicos poderosose eficazes”. Desse modo, o trabalho de Michelangelo, aqui especificamente a pintura do tetoda Capela Sistina, não deixava de ser também um esforço por expressar as angústias do homemmoderno em torno de sua religiosidade em mutação. Resumo de imagens Deus criando as estrelas e os planetas A criação de adão
  • 11. O pecado original e a explosão no Paraíso A criação de Eva O sacrifício de Noé Dilúvio Universal Os profetas encontram se nas áreas triangulares e laterais Ezequiel
  • 14. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo realizado através desta pesquisa faz refletir que no período da renascença a mudança da posição ocupada pelo homem no mundo. A Igreja sempre procurou dominar a sociedade, a riqueza e por muito tempo vendeu indulgências e dominou reinos, desfrutou e destorceu os fatos bíblicos para conquistar tudo o que queria inclusive dominar o pensamento do homem, apropriando-se do seu conhecimento. A evolução do saber influenciou os pensadores a refletir sobre a verdade e abrir caminhos para o conhecimento, com issoarte evoluiu alcançando quase a perfeição e conquistando o seu espaço. Restou para igreja, que não podia perder seus fiéis, contratar e aceitar os serviços destes artistas famosos, que não precisaram abrir mão de suas pesquisas e conhecimentos científicos e se deleitaram realizando obras belíssimas fazendo do templo da igreja um grande museu de arte até hoje admirado e contemplado por fiéis, artistas e turistas. Este trabalho foi elaborado com o apoio do Mestre Henrique Leal, estudioso na área da História e Cultura das Artes, e com os seus respetivos textos de autor. Devido á complexidade das obras não foi possível realizar um resumo mais curto, pois perdiam-se argumentos importantes das obras e da corrente artística.