SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula de Filosofia. 1° ano do ensino médio. Professor esp. Ricardo Franco

      A consciência mítica
      1 – O que é mito?
      Mito, em grego, significa “palavra”, o que se diz palavra. O mito, em muitas culturas, é
de tradição oral e é usado para explicar a origem de algo. Por exemplo, na mitologia grega, o
mito de Pandora. Nesse mito, Zeus enviou um presente aos humanos com a intenção de puni-los
por terem recebido o fogo do titã Prometeu. Pandora levava consigo uma caixa e a abriu por
curiosidade, escapando assim todos os males que afligem a humanidade, porém conseguiu
fechá-la, permanecendo a esperança.
      Como processo de compreensão da realidade, o mito não é lenda, pura fantasia, mas
verdade. Segundo o historiador Mircea Eliade, uma das características do mito é fixar os
modelos exemplares de todos os ritos, desse modo os deuses são imitados nos rituais. Na nossa
sociedade temos muitos ritos de passagem: nascimento, da infância para a idade adulta, do
casamento e da morte.
      2- A civilização grega e seus deuses
      A civilização grega teve início por volta do século XX a.C., nessa época a Grécia se
chamava Hélade e era constituída por regiões autônomas que mantiveram a língua e a cultura
como elementos comuns. A religião dos gregos era politeísta. Os deuses, habitantes do monte
Olímpo, eram imortais, embora tivessem comportamento semelhante aos humanos, sendo bons
ou agindo por vingança.
     Entre as obrigações havia oferendas, preces, sacrifícios e peregrinações a santuários, tais
como Delfos, onde está localizado o tempo do deus Apolo e o oráculo.

      a) Homero

       Os mitos surgiram quando ainda não havia escrita e eram transmitidos de forma oral por
poetas, os rapsodos. Homero, um desses poetas, escreveu as epopeias Ilíada e Odisseia. Na vida
dos gregos, as epopeias tem função pedagógica e transmitiam, no período micênico, por
exemplo, os valores culturais mediante o relato dos deuses antepassados.
      Nesse papel pedagógico estava o herói, que vivia na dependência dos deuses, o herói
passava valores como beleza, bondade, força, inteligência, isto é, virtudes. Alguns heróis:
Aquiles, Heitor, Odisseu etc.

      b) Hesíodo

          Hesíodo era poeta do período arcaico século VIII e VII a.C. Ele escreveu Teogonia a
qual relata as origens do mundo e dos deuses, em que as forças da natureza se transformam em
divindades. Por isso a Teogonia é também uma cosmologia, isto é, narra como todas as coisas
surgiram do Caos para compor a ordem do Cosmo.
         Por exemplo, do Caos surgiu Gaia ou Geia (a Terra elemento primordial) que sozinha
deu origem a Urano (o Céu). Em seguida, uniu-se a Urano, gerando os deuses e as divindades
femininas. Um de seus filhos é Cronos (Tempo), que toma o poder do pai e é destronado pelo
filho Zeus. Os deuses gregos permaneceram por muito tempo na cultura ocidental da
Antiguidade e foram assimilados pelos romanos, com outros nomes. Por exemplo, Cronos é
Saturno, Zeus é Jupter, Atena é Minerva, Afrodite é Vênus a assim por diante. Conheça os
principais deuses gregos :

     Zeus - deus de todos os deuses, senhor do Céu.
     Afrodite - deusa do amor, sexo e beleza.
     Poseidon - deus dos mares
Hades - deus das almas dos mortos, dos cemitérios e do subterrâneo.
     Hera - deusa dos casamentos e da maternidade.
     Apolo - deus da luz e das obras de artes.
     Ártemis - deusa da caça e da vida selvagem.
     Ares - divindade da guerra.
     Atena - deusa da sabedoria e da serenidade. Protetora da cidade de Atenas.
     Cronos - deus da agricultura que também simbolizava o tempo.
     Hermes - mensageiro dos deuses, representava o comércio e as
     comunicações.
     Hefesto - divindade do fogo e do trabalho.

         3- O permanecer mítico
          O mito ainda permanece entre o viver humano, ajudando na compreensão do ser, isto
é, tudo o que pensamos e queremos ser começa na imaginação. Vamos lembrar das histórias em
quadrinhos de super-heróis, que atualmente a indústria cinematográfica expõe em filmes, tudo
baseado no maniqueísmo, isto é, a luta entre o bem e o mal. Nos contos de fada também temos
mitos universais da luta contra o bem e o mal: o lobo e a bruxa contrapõem-se a figuras frágeis
como Branca de Neve, Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, João e Maria, quando vence o mal
apaziguam os medos infantis.
          Personalidades como artista, políticos e esportistas, os quais são transformados pela
mídia em figuras exemplares, exaltando fascínio, como sucesso, poder, liderança, atração
sexual, alguns exemplos: Madonna, Che Guevara, Ayrton Senna.
          Enfim, o mito não se reduz a simples lendas, mas faz parte da vida humana desde seus
primórdios e ainda persiste em nosso cotidiano como uma experiência possível do existir
humano, expressos por meio de crenças, temores e desejos que nos mobilizam. Mas, hoje os
mitos não exercem as mesmas forças que antigamente, pois temos o exercício da razão que nos
possibilita aceitá-los ou negá-los.
                                Refletindo sobre o que aprendemos

      1- Como você explicaria o mito. Relate o que entendeu do mito de Pandora.
      2- Em nossa cultura há rituais, conte algum que você tenha participado.

      3- Quem foi Homero e Hesíodo? Quais obras escreveram?

      4- Explique a história do surgimento do mundo segundo a mitologia grega.

      5- Em que sentido o mito permanece entre nós? Como a indústria cultural os insere em
         nossa sociedade?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Janimara
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
Juliana Corvino de Araújo
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Alexandre Misturini
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Sócrates
SócratesSócrates
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
Douglas Barraqui
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
Fabiana Tonsis
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
Jailson Lima
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Leandro Nazareth Souto
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 

Destaque

A consciência mítica
A consciência míticaA consciência mítica
A consciência mítica
Marcelo Carvalho
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-DInformações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
Carol Daemon
 
A liberdade (2° ano)
A liberdade (2° ano)A liberdade (2° ano)
A liberdade (2° ano)
Ricardo Franco
 
Capítulos1e2
Capítulos1e2Capítulos1e2
Capítulos1e2
Ricardo Franco
 
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestreBeatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
Ricardo Franco
 
Revisão para prova de história 1º ano
Revisão para prova de história 1º anoRevisão para prova de história 1º ano
Revisão para prova de história 1º ano
eunamahcado
 
Cap9 a razão inata ou adquirida
Cap9 a razão inata ou adquiridaCap9 a razão inata ou adquirida
Cap9 a razão inata ou adquiridaRicardo Franco
 
Atividades 2 semestre
Atividades 2 semestreAtividades 2 semestre
Atividades 2 semestre
Iza Pache
 
Plano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofiaPlano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofia
greghouse48
 
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educaçãoMarcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
Marcos Bornelli
 
Capitulo 2 A Consciência Mítica
Capitulo 2 A Consciência MíticaCapitulo 2 A Consciência Mítica
Capitulo 2 A Consciência MíticaJOAO AURELIANO
 
Trabalho de filosofia !
Trabalho de filosofia !Trabalho de filosofia !
Trabalho de filosofia !
Ricardo Franco
 
Introdução à ética (2° ano)
Introdução à ética (2° ano)Introdução à ética (2° ano)
Introdução à ética (2° ano)
Ricardo Franco
 
Plano anual 1ºano 2011
Plano anual 1ºano 2011Plano anual 1ºano 2011
Plano anual 1ºano 2011
Marcelo Pires
 
Modelo capa trabalhos escolares
Modelo capa trabalhos escolaresModelo capa trabalhos escolares
Modelo capa trabalhos escolares
Ricardo Franco
 
Planos prática de ensino de filosofia 2012 manhã
Planos prática de ensino de filosofia 2012  manhãPlanos prática de ensino de filosofia 2012  manhã
Planos prática de ensino de filosofia 2012 manhã
LuizfmRamos
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
Mary Alvarenga
 
56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica
Flavio Jose Fereira José
 
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Mary Alvarenga
 

Destaque (20)

A consciência mítica
A consciência míticaA consciência mítica
A consciência mítica
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-DInformações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
Informações técnicas do fabricante do herbicida 2,4-D
 
A liberdade (2° ano)
A liberdade (2° ano)A liberdade (2° ano)
A liberdade (2° ano)
 
Capítulos1e2
Capítulos1e2Capítulos1e2
Capítulos1e2
 
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestreBeatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
Beatriz cardozo (trabalho filosofia) 3 bimestre
 
Revisão para prova de história 1º ano
Revisão para prova de história 1º anoRevisão para prova de história 1º ano
Revisão para prova de história 1º ano
 
Cap9 a razão inata ou adquirida
Cap9 a razão inata ou adquiridaCap9 a razão inata ou adquirida
Cap9 a razão inata ou adquirida
 
Atividades 2 semestre
Atividades 2 semestreAtividades 2 semestre
Atividades 2 semestre
 
Plano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofiaPlano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofia
 
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educaçãoMarcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
Marcos Bornelli - Planejamento para o uso de TICs na educação
 
Capitulo 2 A Consciência Mítica
Capitulo 2 A Consciência MíticaCapitulo 2 A Consciência Mítica
Capitulo 2 A Consciência Mítica
 
Trabalho de filosofia !
Trabalho de filosofia !Trabalho de filosofia !
Trabalho de filosofia !
 
Introdução à ética (2° ano)
Introdução à ética (2° ano)Introdução à ética (2° ano)
Introdução à ética (2° ano)
 
Plano anual 1ºano 2011
Plano anual 1ºano 2011Plano anual 1ºano 2011
Plano anual 1ºano 2011
 
Modelo capa trabalhos escolares
Modelo capa trabalhos escolaresModelo capa trabalhos escolares
Modelo capa trabalhos escolares
 
Planos prática de ensino de filosofia 2012 manhã
Planos prática de ensino de filosofia 2012  manhãPlanos prática de ensino de filosofia 2012  manhã
Planos prática de ensino de filosofia 2012 manhã
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
 
56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica
 
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
 

Semelhante a A consciência mítica (aula 1ano)

Apostila de filosofia
Apostila de filosofiaApostila de filosofia
Apostila de filosofia
Sandra Covre
 
Mitos
Mitos   Mitos
Aula 04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
Aula  04 mito e filosofia 20130329114826 (1)Aula  04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
Aula 04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
samuel2312
 
Os mitos
Os mitosOs mitos
Aula sobre mito
Aula sobre mitoAula sobre mito
Aula sobre mito
ssuserbd8a70
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
MelissaLavor
 
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia greco-romana
Mitologia greco-romanaMitologia greco-romana
Mitologia greco-romana
Sônia Marques
 
Mitos
MitosMitos
Mito pdf
Mito pdfMito pdf
Mitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferençasMitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferenças
Bruno Carrasco
 
Mitos
MitosMitos
Características da cultura grega
Características da cultura gregaCaracterísticas da cultura grega
Características da cultura grega
KAOSBRASILLIS
 
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIAROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
Marco Antonio Romboli
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
WelisClemente1
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
LucianaSilva494
 
Slidesmitologiagrega
SlidesmitologiagregaSlidesmitologiagrega
Slidesmitologiagrega
Brian Kibuuka
 
Os mitos
Os mitos Os mitos
Os mitos
CnunesP
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
Márcia Quirino
 

Semelhante a A consciência mítica (aula 1ano) (20)

Apostila de filosofia
Apostila de filosofiaApostila de filosofia
Apostila de filosofia
 
Mitos
Mitos   Mitos
Mitos
 
Aula 04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
Aula  04 mito e filosofia 20130329114826 (1)Aula  04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
Aula 04 mito e filosofia 20130329114826 (1)
 
Os mitos
Os mitosOs mitos
Os mitos
 
Aula sobre mito
Aula sobre mitoAula sobre mito
Aula sobre mito
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
 
Mitologia greco-romana
Mitologia greco-romanaMitologia greco-romana
Mitologia greco-romana
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Mito pdf
Mito pdfMito pdf
Mito pdf
 
Mitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferençasMitologia e Filosofia - diferenças
Mitologia e Filosofia - diferenças
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Características da cultura grega
Características da cultura gregaCaracterísticas da cultura grega
Características da cultura grega
 
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIAROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
 
Slidesmitologiagrega
SlidesmitologiagregaSlidesmitologiagrega
Slidesmitologiagrega
 
Os mitos
Os mitos Os mitos
Os mitos
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
 

Último

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 

Último (20)

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 

A consciência mítica (aula 1ano)

  • 1. Aula de Filosofia. 1° ano do ensino médio. Professor esp. Ricardo Franco A consciência mítica 1 – O que é mito? Mito, em grego, significa “palavra”, o que se diz palavra. O mito, em muitas culturas, é de tradição oral e é usado para explicar a origem de algo. Por exemplo, na mitologia grega, o mito de Pandora. Nesse mito, Zeus enviou um presente aos humanos com a intenção de puni-los por terem recebido o fogo do titã Prometeu. Pandora levava consigo uma caixa e a abriu por curiosidade, escapando assim todos os males que afligem a humanidade, porém conseguiu fechá-la, permanecendo a esperança. Como processo de compreensão da realidade, o mito não é lenda, pura fantasia, mas verdade. Segundo o historiador Mircea Eliade, uma das características do mito é fixar os modelos exemplares de todos os ritos, desse modo os deuses são imitados nos rituais. Na nossa sociedade temos muitos ritos de passagem: nascimento, da infância para a idade adulta, do casamento e da morte. 2- A civilização grega e seus deuses A civilização grega teve início por volta do século XX a.C., nessa época a Grécia se chamava Hélade e era constituída por regiões autônomas que mantiveram a língua e a cultura como elementos comuns. A religião dos gregos era politeísta. Os deuses, habitantes do monte Olímpo, eram imortais, embora tivessem comportamento semelhante aos humanos, sendo bons ou agindo por vingança. Entre as obrigações havia oferendas, preces, sacrifícios e peregrinações a santuários, tais como Delfos, onde está localizado o tempo do deus Apolo e o oráculo. a) Homero Os mitos surgiram quando ainda não havia escrita e eram transmitidos de forma oral por poetas, os rapsodos. Homero, um desses poetas, escreveu as epopeias Ilíada e Odisseia. Na vida dos gregos, as epopeias tem função pedagógica e transmitiam, no período micênico, por exemplo, os valores culturais mediante o relato dos deuses antepassados. Nesse papel pedagógico estava o herói, que vivia na dependência dos deuses, o herói passava valores como beleza, bondade, força, inteligência, isto é, virtudes. Alguns heróis: Aquiles, Heitor, Odisseu etc. b) Hesíodo Hesíodo era poeta do período arcaico século VIII e VII a.C. Ele escreveu Teogonia a qual relata as origens do mundo e dos deuses, em que as forças da natureza se transformam em divindades. Por isso a Teogonia é também uma cosmologia, isto é, narra como todas as coisas surgiram do Caos para compor a ordem do Cosmo. Por exemplo, do Caos surgiu Gaia ou Geia (a Terra elemento primordial) que sozinha deu origem a Urano (o Céu). Em seguida, uniu-se a Urano, gerando os deuses e as divindades femininas. Um de seus filhos é Cronos (Tempo), que toma o poder do pai e é destronado pelo filho Zeus. Os deuses gregos permaneceram por muito tempo na cultura ocidental da Antiguidade e foram assimilados pelos romanos, com outros nomes. Por exemplo, Cronos é Saturno, Zeus é Jupter, Atena é Minerva, Afrodite é Vênus a assim por diante. Conheça os principais deuses gregos : Zeus - deus de todos os deuses, senhor do Céu. Afrodite - deusa do amor, sexo e beleza. Poseidon - deus dos mares
  • 2. Hades - deus das almas dos mortos, dos cemitérios e do subterrâneo. Hera - deusa dos casamentos e da maternidade. Apolo - deus da luz e das obras de artes. Ártemis - deusa da caça e da vida selvagem. Ares - divindade da guerra. Atena - deusa da sabedoria e da serenidade. Protetora da cidade de Atenas. Cronos - deus da agricultura que também simbolizava o tempo. Hermes - mensageiro dos deuses, representava o comércio e as comunicações. Hefesto - divindade do fogo e do trabalho. 3- O permanecer mítico O mito ainda permanece entre o viver humano, ajudando na compreensão do ser, isto é, tudo o que pensamos e queremos ser começa na imaginação. Vamos lembrar das histórias em quadrinhos de super-heróis, que atualmente a indústria cinematográfica expõe em filmes, tudo baseado no maniqueísmo, isto é, a luta entre o bem e o mal. Nos contos de fada também temos mitos universais da luta contra o bem e o mal: o lobo e a bruxa contrapõem-se a figuras frágeis como Branca de Neve, Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, João e Maria, quando vence o mal apaziguam os medos infantis. Personalidades como artista, políticos e esportistas, os quais são transformados pela mídia em figuras exemplares, exaltando fascínio, como sucesso, poder, liderança, atração sexual, alguns exemplos: Madonna, Che Guevara, Ayrton Senna. Enfim, o mito não se reduz a simples lendas, mas faz parte da vida humana desde seus primórdios e ainda persiste em nosso cotidiano como uma experiência possível do existir humano, expressos por meio de crenças, temores e desejos que nos mobilizam. Mas, hoje os mitos não exercem as mesmas forças que antigamente, pois temos o exercício da razão que nos possibilita aceitá-los ou negá-los. Refletindo sobre o que aprendemos 1- Como você explicaria o mito. Relate o que entendeu do mito de Pandora. 2- Em nossa cultura há rituais, conte algum que você tenha participado. 3- Quem foi Homero e Hesíodo? Quais obras escreveram? 4- Explique a história do surgimento do mundo segundo a mitologia grega. 5- Em que sentido o mito permanece entre nós? Como a indústria cultural os insere em nossa sociedade?