SlideShare uma empresa Scribd logo
A Agenda 21 foi um dos principais resultados da conferência Eco-92 ou Rio-92,
ocorrida no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992. É um documento que estabeleceu a
importância de cada país a se comprometer a refletir, global e localmente, sobre a forma
pela qual governos, empresas, organizações não-governamentais e todos os setores da
sociedade poderiam cooperar no estudo de soluções para os problemas sócio-
ambientais. Cada país desenvolve a sua Agenda 21 e no Brasil as discussões são
coordenadas pela Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda
21 Nacional (CPDS). A Agenda 21 se constitui num poderoso instrumento de
reconversão da sociedade industrial rumo a um novo paradigma, que exige a
reinterpretação do conceito de progresso, contemplando maior harmonia e equilíbrio
holístico entre o todo e as partes, promovendo a qualidade, não apenas a quantidade do
crescimento.

Com a Agenda 21 criou-se um instrumento aprovado pela OMF, internacionalmente,
que tornou possível repensar o planejamento. Abriu-se o caminho capaz de ajudar a
construir politicamente as bases de um plano de ação e de um planejamento
participativo em âmbito global, nacional e local, de forma gradual e negociada, tendo
como meta um novo paradigma econômico e civilizatório.

As ações prioritárias da Agenda 21 brasileira são os programas de inclusão social (com
o acesso de toda a população à educação, saúde e distribuição de renda), a
sustentabilidade urbana e rural, a preservação dos recursos naturais e minerais e a ética
política para o planejamento rumo ao desenvolvimento sustentável. Mas o mais
importante ponto dessas ações prioritárias, segundo este estudo, é o planejamento de
sistemas de produção e consumo sustentáveis contra a cultura do desperdício. A Agenda
21 é um plano de ação para ser adotado global, nacional e localmente, por organizações
do sistema das Nações Unidas, governos e pela sociedade civil, em todas as áreas em
que a ação humana impacta o meio ambiente.

[editar] História
A adoção formal por parte da ONU do conceito de desenvolvimento sustentável parte
da criação em 1972 da Comissão Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento (WCED)
que em 1987 publicou um relatório intitulado "Nosso futuro comum", também
conhecido como o relatório Brundtland. Esse relatório indicou a pobreza nos países do
sul e o consumismo extremo dos países do norte como as causas fundamentais da
insustentabilidade do desenvolvimento e das crises ambientais. A comissão recomendou
a convocação de uma conferência sobre esses temas.

O desenvolvimento da Agenda 21 começou em 23 de dezembro de 1989 com a
aprovação em assembléia extraordinária das Nações Unidas uma conferência sobre o
meio ambiente e o desenvolvimento como fora recomendado pelo relatório Brundtland
e com a elaboração de esboços do programa, que, como todos os acordos dos estados-
membros da ONU, sofreram um complexo processo de revisão, consulta e negociação,
culminando com a segunda Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e
Desenvolvimento, mais conhecida como Rio-92 ou Eco-92, entre 3 e 14 de junho de
1992 no Rio de Janeiro, onde representantes de 179 governos aceitaram adotar o
programa.
A Agenda 21 teve um estreito acompanhamento a partir do qual foram feitos ajustes e
revisões. Primeiro, com a conferência Rio+5, entre os dias 23 e 27 de junho de 1997 na
sede da ONU, em Nova Iorque; posteriormente com a adoção de uma agenda
complementária denominada metas do desenvolvimento do milênio (Millenium
development goals), com ênfase particular nas políticas de globalização e na erradicação
da pobreza e da fome, adotadas por 199 países na 55ª Assembléia da ONU, que ocorreu
em Nova Iorque entre os dias 6 e 8 de setembro de 2000; e a mais recente, a Cúpula de
Johannesburgo, na cidade sul-africana entre 26 de agosto a 4 de setembro de 2002.

Este termo, contou com a assinatura de 179 países.

[editar] Estrutura e conteúdo
Os temas fundamentais da Agenda 21 estão tratados em 40 capítulos organizados em
um preâmbulo e quatro seções:

   1. Preámbulo
       Seção I. Dimensões sociais e econômicas
   2. Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos
       países em desenvolvimento das políticas internas conexas
   3. Luta contra a pobreza
   4. Evolução das modalidades de consumo
   5. Dinâmica demográfica e sustentabilidade
   6. Proteção e fomento da saúde humana
   7. Fomento do desenvolvimento sustentável dos recursos humanos
   8. Integração do meio ambiente e o desenvolvimento na tomada de decisões
       Seção II . Conservação e gestão dos recursos para o desenvolvimento
   9. Proteção da atmosfera
   10. Enfoque integrado do planejamento e da ordenação dos recursos das terras
   11. Luta contra o desmatamento
   12. Ordenação dos ecossistemas frágeis: luta contra a desertificação e a seca
   13. Ordenação dos ecossistemas frágeis: desenvolvimento sustentável das zonas
       montanhosas
   14. Fomento da agricultura e do desenvolvimento rural sustentável
   15. Conservação da diversidade biológica
   16. Gestão ecologicamente racional da biotecnologia
   17. Proteção dos oceanos e dos mares de todo tipo, incluídos os mares fechados e
       semi-fechados e as zonas costeiras, e o uso racional e o desenvolvimento de seus
       recursos vivos
   18. Proteção da qualidade dos recursos de água doce: aplicação de critérios
       integrados para o aproveitamento, ordenação e uso dos recursos de água doce
   19. Gestão ecologicamente racional dos produtos químicos tóxicos, incluída a
       prevenção do tráfico internacional ilícito de produtos tóxicos e perigosos
   20. Gestão ecologicamente racional dos rejeitos perigosos, incluída a prevenção do
       tráfico internacional ilícito de rejeitos perigosos
   21. Gestão ecologicamente racional dos rejeitos sólidos e questões relacionadas com
       as matérias fecais
   22. Gestão inócua e ecologicamente racional dos rejeitos radioativos
       Seção III. Fortalecimento do papel dos grupos principais
   23. Preâmbulo
24. Medidas mundiais em favor da mulher para atingir um desenvolvimento
    sustentável e equitativo
25. A infância e a juventude no desenvolvimento sustentável
26. Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas
    comunidades
27. Fortalecimento do papel das organizações não-governamentais associadas na
    busca de um desenvolvimento sustentável
28. Iniciativas das autoridades locais em apoio ao Programa 21
29. Fortalecimento do papel dos trabalhadores e seus sindicatos
30. Fortalecimento do papel do comércio e da indústria
31. A comunidade científica e tecnológica
32. Fortalecimento do papel dos agricultores
    Seção IV. Meios de execução
33. Recursos e mecanismos de financiamento
34. Transferência de tecnologia ecologicamente racional, cooperação e aumento da
    capacidade
35. A ciência para o desenvolvimento sustentável
36. Fomento da educação, a capacitação e a conscientização
37. Mecanismos nacionais e cooperação internacional para aumentar a capacidade
    nacional nos países em desenvolvimento
38. Acordos institucionais internacionais
39. Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais
40. Informação para a adoção de decisões
41. ligados a eco 92

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
pirscila
 
Agenda 21
Agenda 21 Agenda 21
Agenda 21
PCaffa
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
iracemap
 
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
Van Acosta
 
3 a agenda 21 local e a educação ambiental
3 a agenda 21 local e a educação ambiental3 a agenda 21 local e a educação ambiental
3 a agenda 21 local e a educação ambiental
Pelo Siro
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
InstitutoEquipav
 

Mais procurados (16)

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Eco Rio 92
Eco Rio 92Eco Rio 92
Eco Rio 92
 
Agenda 21
Agenda 21 Agenda 21
Agenda 21
 
Rio mais 10
Rio mais 10Rio mais 10
Rio mais 10
 
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui ParceirosRio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
 
Eco Rio 92
Eco Rio 92Eco Rio 92
Eco Rio 92
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
 
Cnumad 9º ano bim
Cnumad 9º ano  bimCnumad 9º ano  bim
Cnumad 9º ano bim
 
Principais conferencias e cimeiras Links completos no final
Principais conferencias e cimeiras Links completos no finalPrincipais conferencias e cimeiras Links completos no final
Principais conferencias e cimeiras Links completos no final
 
RIO 92
RIO 92RIO 92
RIO 92
 
Eco rio 92
Eco rio 92Eco rio 92
Eco rio 92
 
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
PPT DE FONTES DE INFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ..ECO92
 
3 a agenda 21 local e a educação ambiental
3 a agenda 21 local e a educação ambiental3 a agenda 21 local e a educação ambiental
3 a agenda 21 local e a educação ambiental
 
Eco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência MundialEco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência Mundial
 
Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 

Semelhante a A agenda 21

Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
iracemap
 
Microsoft power point desenvolvimento sustentável
Microsoft power point   desenvolvimento sustentávelMicrosoft power point   desenvolvimento sustentável
Microsoft power point desenvolvimento sustentável
guestc218995d
 
Desenvolvimento sustentável
Desenvolvimento sustentávelDesenvolvimento sustentável
Desenvolvimento sustentável
guestc218995d
 
Ecma apostila políticas públicas e demais novembro
Ecma apostila políticas públicas e demais novembroEcma apostila políticas públicas e demais novembro
Ecma apostila políticas públicas e demais novembro
Vanessa Melo
 

Semelhante a A agenda 21 (20)

Conferências sobre meio ambiente
Conferências sobre meio ambienteConferências sobre meio ambiente
Conferências sobre meio ambiente
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
 
Microsoft power point desenvolvimento sustentável
Microsoft power point   desenvolvimento sustentávelMicrosoft power point   desenvolvimento sustentável
Microsoft power point desenvolvimento sustentável
 
Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Agenda 21
Agenda 21Agenda 21
Agenda 21
 
Conferências ambientais
Conferências ambientaisConferências ambientais
Conferências ambientais
 
Introdução a Educação Ambiental.pdf
Introdução a Educação Ambiental.pdfIntrodução a Educação Ambiental.pdf
Introdução a Educação Ambiental.pdf
 
Material 8aeb3d9ccb
Material 8aeb3d9ccbMaterial 8aeb3d9ccb
Material 8aeb3d9ccb
 
Desenvolvimento sustentável
Desenvolvimento sustentávelDesenvolvimento sustentável
Desenvolvimento sustentável
 
Ecma apostila políticas públicas e demais novembro
Ecma apostila políticas públicas e demais novembroEcma apostila políticas públicas e demais novembro
Ecma apostila políticas públicas e demais novembro
 
Ucb ambiental rio+20
Ucb ambiental rio+20Ucb ambiental rio+20
Ucb ambiental rio+20
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
 
Doc
DocDoc
Doc
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
 
Int
IntInt
Int
 
Conservação e Desenvolvimento Sustentável
Conservação e Desenvolvimento SustentávelConservação e Desenvolvimento Sustentável
Conservação e Desenvolvimento Sustentável
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes

O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dados
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissional
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Celi Jandy Moraes Gomes
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes (20)

Como instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntuComo instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntu
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
 
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
 
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
 
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
 
Entrada e saida
Entrada e saidaEntrada e saida
Entrada e saida
 
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dados
 
Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003
 
Constituição do estado do pará
Constituição do estado do paráConstituição do estado do pará
Constituição do estado do pará
 
Formação social da mente
Formação social da menteFormação social da mente
Formação social da mente
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissional
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 

A agenda 21

  • 1. A Agenda 21 foi um dos principais resultados da conferência Eco-92 ou Rio-92, ocorrida no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992. É um documento que estabeleceu a importância de cada país a se comprometer a refletir, global e localmente, sobre a forma pela qual governos, empresas, organizações não-governamentais e todos os setores da sociedade poderiam cooperar no estudo de soluções para os problemas sócio- ambientais. Cada país desenvolve a sua Agenda 21 e no Brasil as discussões são coordenadas pela Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional (CPDS). A Agenda 21 se constitui num poderoso instrumento de reconversão da sociedade industrial rumo a um novo paradigma, que exige a reinterpretação do conceito de progresso, contemplando maior harmonia e equilíbrio holístico entre o todo e as partes, promovendo a qualidade, não apenas a quantidade do crescimento. Com a Agenda 21 criou-se um instrumento aprovado pela OMF, internacionalmente, que tornou possível repensar o planejamento. Abriu-se o caminho capaz de ajudar a construir politicamente as bases de um plano de ação e de um planejamento participativo em âmbito global, nacional e local, de forma gradual e negociada, tendo como meta um novo paradigma econômico e civilizatório. As ações prioritárias da Agenda 21 brasileira são os programas de inclusão social (com o acesso de toda a população à educação, saúde e distribuição de renda), a sustentabilidade urbana e rural, a preservação dos recursos naturais e minerais e a ética política para o planejamento rumo ao desenvolvimento sustentável. Mas o mais importante ponto dessas ações prioritárias, segundo este estudo, é o planejamento de sistemas de produção e consumo sustentáveis contra a cultura do desperdício. A Agenda 21 é um plano de ação para ser adotado global, nacional e localmente, por organizações do sistema das Nações Unidas, governos e pela sociedade civil, em todas as áreas em que a ação humana impacta o meio ambiente. [editar] História A adoção formal por parte da ONU do conceito de desenvolvimento sustentável parte da criação em 1972 da Comissão Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento (WCED) que em 1987 publicou um relatório intitulado "Nosso futuro comum", também conhecido como o relatório Brundtland. Esse relatório indicou a pobreza nos países do sul e o consumismo extremo dos países do norte como as causas fundamentais da insustentabilidade do desenvolvimento e das crises ambientais. A comissão recomendou a convocação de uma conferência sobre esses temas. O desenvolvimento da Agenda 21 começou em 23 de dezembro de 1989 com a aprovação em assembléia extraordinária das Nações Unidas uma conferência sobre o meio ambiente e o desenvolvimento como fora recomendado pelo relatório Brundtland e com a elaboração de esboços do programa, que, como todos os acordos dos estados- membros da ONU, sofreram um complexo processo de revisão, consulta e negociação, culminando com a segunda Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, mais conhecida como Rio-92 ou Eco-92, entre 3 e 14 de junho de 1992 no Rio de Janeiro, onde representantes de 179 governos aceitaram adotar o programa.
  • 2. A Agenda 21 teve um estreito acompanhamento a partir do qual foram feitos ajustes e revisões. Primeiro, com a conferência Rio+5, entre os dias 23 e 27 de junho de 1997 na sede da ONU, em Nova Iorque; posteriormente com a adoção de uma agenda complementária denominada metas do desenvolvimento do milênio (Millenium development goals), com ênfase particular nas políticas de globalização e na erradicação da pobreza e da fome, adotadas por 199 países na 55ª Assembléia da ONU, que ocorreu em Nova Iorque entre os dias 6 e 8 de setembro de 2000; e a mais recente, a Cúpula de Johannesburgo, na cidade sul-africana entre 26 de agosto a 4 de setembro de 2002. Este termo, contou com a assinatura de 179 países. [editar] Estrutura e conteúdo Os temas fundamentais da Agenda 21 estão tratados em 40 capítulos organizados em um preâmbulo e quatro seções: 1. Preámbulo Seção I. Dimensões sociais e econômicas 2. Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento das políticas internas conexas 3. Luta contra a pobreza 4. Evolução das modalidades de consumo 5. Dinâmica demográfica e sustentabilidade 6. Proteção e fomento da saúde humana 7. Fomento do desenvolvimento sustentável dos recursos humanos 8. Integração do meio ambiente e o desenvolvimento na tomada de decisões Seção II . Conservação e gestão dos recursos para o desenvolvimento 9. Proteção da atmosfera 10. Enfoque integrado do planejamento e da ordenação dos recursos das terras 11. Luta contra o desmatamento 12. Ordenação dos ecossistemas frágeis: luta contra a desertificação e a seca 13. Ordenação dos ecossistemas frágeis: desenvolvimento sustentável das zonas montanhosas 14. Fomento da agricultura e do desenvolvimento rural sustentável 15. Conservação da diversidade biológica 16. Gestão ecologicamente racional da biotecnologia 17. Proteção dos oceanos e dos mares de todo tipo, incluídos os mares fechados e semi-fechados e as zonas costeiras, e o uso racional e o desenvolvimento de seus recursos vivos 18. Proteção da qualidade dos recursos de água doce: aplicação de critérios integrados para o aproveitamento, ordenação e uso dos recursos de água doce 19. Gestão ecologicamente racional dos produtos químicos tóxicos, incluída a prevenção do tráfico internacional ilícito de produtos tóxicos e perigosos 20. Gestão ecologicamente racional dos rejeitos perigosos, incluída a prevenção do tráfico internacional ilícito de rejeitos perigosos 21. Gestão ecologicamente racional dos rejeitos sólidos e questões relacionadas com as matérias fecais 22. Gestão inócua e ecologicamente racional dos rejeitos radioativos Seção III. Fortalecimento do papel dos grupos principais 23. Preâmbulo
  • 3. 24. Medidas mundiais em favor da mulher para atingir um desenvolvimento sustentável e equitativo 25. A infância e a juventude no desenvolvimento sustentável 26. Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas comunidades 27. Fortalecimento do papel das organizações não-governamentais associadas na busca de um desenvolvimento sustentável 28. Iniciativas das autoridades locais em apoio ao Programa 21 29. Fortalecimento do papel dos trabalhadores e seus sindicatos 30. Fortalecimento do papel do comércio e da indústria 31. A comunidade científica e tecnológica 32. Fortalecimento do papel dos agricultores Seção IV. Meios de execução 33. Recursos e mecanismos de financiamento 34. Transferência de tecnologia ecologicamente racional, cooperação e aumento da capacidade 35. A ciência para o desenvolvimento sustentável 36. Fomento da educação, a capacitação e a conscientização 37. Mecanismos nacionais e cooperação internacional para aumentar a capacidade nacional nos países em desenvolvimento 38. Acordos institucionais internacionais 39. Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais 40. Informação para a adoção de decisões 41. ligados a eco 92