SlideShare uma empresa Scribd logo
4G e LTE
Long Term Evolution
Lucas Martins Sabadini
Mateus Boni Dias
Mateus Matias Criado
Otavio da Silva Cavalcante
Wander Pereira
ROTEIRO
Camada
Sistêmica
Camada
Física
Modulação Referências
2
CAMADA SISTÊMICA
C A M A D A S I S T Ê M I C A
Telefonia Celular 4G
• Long Term Evolution (LTE). A tecnologia da quarta geração de
telefonia celular;
• Tecnologia de transmissão de dados móveis criada com base no
GSM (Global System for Mobile) e WCDMA (Wide-Band Code-
Divison Multiple Access);
• Prioriza o tráfego de dados ao invés do de voz, proporcionando
uma rede mais rápida e estável.
4
• A principal diferença entre a rede 4G e as antigas conexões, é a
velocidade de conexão;
• De acordo com Sanches (2016), a rede 4G oferece em torno de 50 à
100 Mbps, enquanto a 3G chega no máximo de 4Mbps;
• Segundo Grasel (2016), além da tecnologia LTE ser mais rápida e
mais estruturada, pode atender cerca de 200 à 300 acessos
simultâneos a rede de trafego de dados.
C A M A D A S I S T Ê M I C A
Telefonia Celular 4G
5
• O núcleo das redes 4G é fundamentalmente baseado em TCP/IP;
• A latência (tempo de resposta) da rede chega no máximo em 30ms;
• Mantém a velocidade e latência quando utilizado em movimento
até 350km/h;
• Possibilita a transmissão e recepção ao mesmo tempo.
C A M A D A S I S T Ê M I C A
Telefonia Celular 4G
6
CAMADA FÍSICA
C A M A D A F Í S I C A
Notamos que existem 2 camadas na rede
4G, MAC (Medium Access Control –
Controle de Acesso ao Meio) e PHY
(Physical Layer – Camada Física), onde a
camada MAC possui três sub-camadas,
CS (Service-Specific Convergence
Sublayer – Sub-camada de Convergência
Específica), CPS (Common Part Sublayer –
Sub-camada de Convergência Comum) e
Sub-camada de Segurança (Security
Sublayer). Ambas sendo divididas em
Usuário, Controle e Gerência.
8
Figura 1: Pilha de protocolos do IEEE 802.16
Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialintlte/pagina_3.asp
C A M A D A F Í S I C A
• Subcamada de convergência: Transformação ou mapeamento de dados da rede
externa em SDU’s (Service Data Unit) MAC (Oferece suporte a ATM –
Asynchronous Transfer Mode e protocolos baseados em pacotes);
• Parte Comum da Subcamada MAC: Funcionalidade do núcleo MAC do sistema
de acesso, alocação de largura de banda, estabelecimento e manutenção de conexão;
• Subcamada de Privacidade: Troca de chaves seguras, criptografia e autenticação;
• Camada Física (PHY): Apresenta diversas especificações, onde cada uma delas é
apropriada a uma dada faixa de frequência.
9
• A camada física contém a região física que provê características mecânicas,
elétricas, funcionais e procedimentais para ativar, manter e desativar conexões
físicas para transmissão de bits entre entidades da camada de enlace. Utiliza
tecnologias OFDMA, SC-FDMA, MIMO e codificação TURBO.
• O processo de codificação e de transmissão é disponibilizado pela camada física
para a camada MAC na forma de serviços, através de blocos de transporte. A
cada intervalo de transmissão (Transmission Time Interval – TTI, sendo 1 TTI = 1
subframe = 1 ms), até dois blocos de transporte são codificados, modulados e
mapeados para os recursos de rádio do OFDMA.
10
C A M A D A F Í S I C A
MAC (Media Access Control)
• A camada L2/L3 é responsável pelo acesso e pelo controle dos recursos de rádio.
Utiliza tecnologias Enlace Adaptativo, Scheduling e HARQ.
• A camada de enlace tem como objetivo detectar e opcionalmente corrigir os erros
que porventura ocorram no nível físico durante a transmissão de bits. Sendo
responsável por implementar o método de acesso ao meio, delimitar a estrutura
de quadro de enlace e reconhecer os endereços físicos MAC.
11
C A M A D A F Í S I C A
Camada de Controle (L2/L3)
• Algorítmos de scheduling e de controle do enlace adaptativo operam em
conjunto nessa camada para otimizar a vazão total da célula e do enlace de
usuário.
• Em linhas gerais, a principal tarefa do scheduling no OFDMA é alocar pares de
blocos de recursos de rádio (1 ms e 12 subportadoras) inteligentemente para
diferentes usuários, de modo a alcançar a maior vazão possível na célula.
• O HARQ é uma combinação de correção de erros de canal (Forward Error
Correction – FEC) e solicitação automática de repetição (Automatic Repeat
Request – ARQ) baseada em código CRC de detecção de erros.
12
C A M A D A F Í S I C A
Camada de Controle (L2/L3)
C A M A D A F Í S I C A
MIMO (Multiple Inputs Multiple Outputs)
• Técnicas de múltiplas antenas são uma forma de se obter taxas de
transmissão elevadas;
• Mais facilmente empregadas em sistemas OFDMA e resultam em
ganho de desempenho obtendo vantagem da propagação múltiplos
percursos;
• Ambas as cadeias de transmissão e de recepção do OFDM podem
ser paralelizadas em mais de uma camada;
13
C A M A D A F Í S I C A
MIMO (Multiple Inputs Multiple Outputs)
• Formas de processamento suportadas pelo LTE classificadas em:
• Pré-codificação ou formatação de feixe: que envolve apenas
processamento espacial;
• Codificação por diversidade: que envolve codificação espaço-
frequência sobre um único fluxo de dados para aumentar a
robustez da transmissão;
• Multiplexação espacial: que envolve a transmissão simultânea
de fluxos distintos em antenas distintas, de forma a se
aumentar a vazão do sistema.
14
MODULAÇÃO
• Modulação é o processo que varia a altura (amplitude),
intensidade e frequência de uma onda eletromagnética.
• O Transmissor envia dados numa onda de tal forma que poderá
ser recuperada na outra parte através de um processo reverso
chamado Demodulação.
M O D U L A Ç Ã O
Definição
16
• O nosso idioma é uma forma de Modulação;
• Conforme nossas cordas vocais vibram, expulsam o ar da laringe,
o deslocamento do ar produz o som.
• Dependendo da intensidade dessas vibrações, sons distintos são
produzidos, dando origem as palavras.
• Ou seja, o ar sofre Modulação para originar novas palavras.
M O D U L A Ç Ã O
Analogia
17
Num sistema convencional de
transmissão, os dados são enviados
em sequência através de uma única
portadora, cujo espectro ocupa toda a
faixa de frequência disponível.
M O D U L A Ç Ã O
Sistema Convencional
Figura 2: Transmissão convencional
Fonte: Autores.
18
Adote:
1. Uma estrada qualquer seja o canal de transmissão.
2. A largura da estrada é o "tamanho" da frequência.
Imagine:
Que a estrada possua 10 metros de largura, e contém apenas uma faixa por onde passam os
carros. Essa seria uma modulação convencional.
Mas podemos subdividir essa estrada em 5 faixas de 2 metros cada.
Dessa forma podemos passar vários carros na mesma velocidade utilizando faixas distintas.
M O D U L A Ç Ã O
Sistema Convencional - Analogia
19
O OFDM, também conhecido como
Discrete Multitone Modulation
(DMT), é uma técnica de modulação
baseada na ideia de multiplexação por
divisão de frequência (FDM) onde
múltiplos sinais são enviados em
diferentes frequências.
M O D U L A Ç Ã O
OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais)
Figura 3: Modulação OFDM
Fonte: www.iss.rwth-aachen.de/Projekte/Theo/OFDM/OFDM_en.html
20
Na OFDM é feita transmissão paralela
de dados em diversas sub-portadoras,
com modulação QAM ou PSK e com
taxas de transmissão por
sub-portadora tão baixas quanto
maior for o número possível.
M O D U L A Ç Ã O
OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais)
Figura 4: Transmissão OFDM
Fonte: http://www.img.lx.it.pt/~fp/cav/ano2009_2010/Trabalhos_MEEC_2010/Artigo_MEEC_7/myweb3/ofdm.htm
21
O espaçamento entre sub-portadoras é
escolhido de forma que cada uma
esteja centrada nos zeros das restantes.
Dessa forma existe ortogonalidade (duas retas ou
planos que fazem um ângulo de 90º entre os sinais)
Embora exista sobreposição dos espectros
das sub-portadoras, é possível extrair cada um
deles através de tratamento do sinal.
M O D U L A Ç Ã O
OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais)
Figura 5: Espaçamento entre portadoras OFDM
Fonte: http://www.img.lx.it.pt/~fp/cav/ano2009_2010/Trabalhos_MEEC_2010/Artigo_MEEC_7/myweb3/ofdm.htm
22
A sobreposição espectral causada pelo
OFDM produz ainda uma significativa
economia de banda, se comparada com a
técnica FDM tradicional.
Calcula-se que a economia seja de
aproximadamente 50% de banda.
M O D U L A Ç Ã O
OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais)
Figura 6: Banda utilizada pelo OFDM (adaptado)
Fonte: http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf
Convencional
OFDM
23
Em relação ao domínio do tempo, a característica
de ortogonalidade entre subportas implica
que duas sub-portadoras quaisquer diferem
exatamente por um número inteiro de ciclos
durante um intervalo de símbolo OFDM,
uma vez que estas estarão separadas em
frequência por um valor múltiplo de 1/T
M O D U L A Ç Ã O
OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais)
Figura 7: Sub-portadoras no domínio do tempo
Fonte: http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf
24
• Para o LTE, o OFDM divide a banda de frequência da portadora em
pequenas subportadoras espaçadas de 15kHz, e modula cada uma
individualmente usando QPSK, 16QAM ou 64 QAM.
M O D U L A Ç Ã O
4 G
25
• A modulação QPSK é uma técnica de modulação derivada do PSK,
porém neste caso, são utilizados parâmetros de fase e quadratura
da onda portadora para modular o sinal de informação. Como
agora são utilizados dois parâmetros, existem mais tipos possíveis
de símbolos nesta constelação, o que permite que sejam
transmitidos mais bits por símbolo.
M O D U L A Ç Ã O
QPSK
26
Por exemplo, se quisermos transmitir 2 bits por
símbolo, ao invés de 1 bit por símbolo, neste
caso, como teremos 4 tipos de símbolos possíveis,
a portadora pode assumir 4 valores de fase
diferentes, cada um deles correspondendo a um
dibit, como por exemplo 45o, 135o, 225o e 315o.
A figura abaixo ilustra em um diagrama de fase e
quadratura (IQ) os 4 possíveis símbolos gerados
pela modulação QPSK usando 2 bits por símbolo. Figura 8: Modulação QPSK
Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialplcalt1/pagina_4.asp
M O D U L A Ç Ã O
QPSK
27
• Nesta forma de modulação, os símbolos são mapeados em um
diagrama de fase e quadratura, sendo que cada símbolo apresenta
uma distância específica da origem do diagrama que representa a
sua amplitude, diferentemente da modulação PSK, na qual todos os
símbolos estão à igual distância da origem. Isto significa que as
informações são inseridas nos parâmetros de amplitude e
quadratura da onda portadora.
M O D U L A Ç Ã O
QAM
28
No caso do 16 QAM, a constelação apresenta 16
símbolos, sendo 4 em cada quadrante do
diagrama, o que significa que cada símbolo
representa 4 bits. Podemos ter também, por
exemplo, o modo 64 QAM, cuja constelação
apresenta 64 símbolos, cada um deles
representando 6 bits.
Figura 9: Modulação QAM
Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialplcalt1/pagina_4.asp
M O D U L A Ç Ã O
QAM
29
• Pode-se notar que no modo 16QAM alcança-se uma taxa de transmissão
menor do que no modo 64 QAM, uma vez que cada símbolo transporta
um número menor de bits. No entanto, no modo 16 QAM, a distância
euclidiana entre os símbolos é maior do que no caso do modo 64QAM.
Isto permite que o modo 16QAM possibilite uma melhor qualidade de
serviço (QoS), pois a maior distância entre os símbolos dificulta erros de
interpretação no receptor quando este detecta um símbolo.
M O D U L A Ç Ã O
QAM
30
Há uma pequena diferença entre o OFDM e o
OFDMA, pois no primeiro caso a banda de
frequência é destinada a um único usuário
enquanto no segundo caso vários usuários
compartilham a banda ao mesmo tempo
conforme mostrado na figura. A divisão dos
canais em pequenos subcanais ajuda o OFDM a
combater o efeito de desvanecimento seletivo.
Figura 10: Diferença entre OFMD e OFDMA
Fonte: ANRITSU, 2010.
M O D U L A Ç Ã O
QAM
31
• Várias alternativas continuam a ser estudas pelos órgãos responsáveis
pela padronização do LTE para utilizar o melhor esquema de transmissão
para o uplink. Apesar de o OFDMA atender aos requisitos de downlink,
suas propriedades são menos favoráveis para o uplink, principalmente
devido ao desvanecimento do parâmetro chamado Peak to Average
Power Ratio (PAPR) no uplink.
M O D U L A Ç Ã O
SC-FDMA
32
• Assim, o esquema de transmissão para uplink LTE em FDD e TDD é o
modo baseado em SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple
Access) com prefixo cíclico. A utilização deste método tem como objetivos
melhorar o desempenho em comparação a sinais OFDMA e a redução de
custos nos projetos dos amplificadores utilizados pelo UE.
M O D U L A Ç Ã O
SC-FDMA
33
Inicialmente o fluxo de dados é convertido de
serial para paralelo. Cada bit é modulado e
transformado do domínio do tempo para o
domínio da frequência através da Transformada
Rápida de Fourier (FFT) e o resultado é
mapeado nas subportadoras disponíveis. Após
o sinal ser submetido a Transformada Inversa
de Fourier (IFFT) é adicionado o prefixo cíclico,
que é utilizado como um tempo de guarda entre
os símbolos. Ao final do processo o sinal é
convertido novamente de paralelo para serial.
M O D U L A Ç Ã O
SC-FDMA
34
Figura 11: Diagrama de bloco do DFT-s-OFDM
Fonte: Rohde & Schwarz, 2009.
• O DFT-s-OFDMA é a diferença fundamental entre a geração de sinal do
SC-FDMA e do OFDMA. Em um sinal SC-FDMA, cada subportadora
utilizada para transmissão contém informação de todos os símbolos
modulados transmitidos. Em contrapartida, cada subportadora com um
sinal OFDM carrega informações relacionadas a um símbolo específico.
M O D U L A Ç Ã O
SC-FDMA
35
REFERÊNCIAS
R E F E R Ê N C I A S
• CARDOSO, Fabbryccio A. C. M., et al. Tecnologias de camada física e MAC para redes LTE. Disponível em
<https://www.cpqd.com.br/cadernosdetecnologia/Vol7_N1_jul2010_jun2011/pdf/artigo1.pdf>. Acesso em: 09 nov. de
2016.
• COSTA, Luís Henrique Maciel Kosmalski; DUARTE, Otto Carlos Muniz Bandeira. Redes de Computadores II. Disponível
em: <http://www.gta.ufrj.br/grad/07_2/jefferson/Page4.html>. Acesso em: 31 de out. de 2016.
• GRASEL, Grasiel Felipe. O que é e como funciona a 4G?. Disponível em:
<https://www.oficinadanet.com.br/post/12569-o-que-e-e-como-funciona-4g>. Acesso em: 01 de nov. de 2016.
• PINTO, Ernesto Leite; ALBUQUERQUE, Claudio Penedo de. A técnica de Transmissão OFDM. Disponível em:
<http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf>. Acesso em: 01 de nov. de 2016.
• SANCHES, Cleiton Roberto. Conexão 4G: o que é e como funciona?. Disponível em:
<https://www.cissamagazine.com.br/blog/conexao-4g>. Acesso em: 31 de out. de 2016.
• TELECO. Redes LTE I: Implantações e Características Básicas. Disponível em:
<http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialredeslte/pagina_2.asp>. Acesso em: 09 nov. de 2016.
37
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
redesinforma
 
FDMA TDMA
FDMA TDMAFDMA TDMA
FDMA TDMA
jsilver29
 
Half duplex
Half duplexHalf duplex
Half duplex
redesinforma
 
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
ashishsoni1505
 
Wavelength division multiplexing (WDM)
Wavelength division multiplexing (WDM)Wavelength division multiplexing (WDM)
Wavelength division multiplexing (WDM)
ArfinShariar
 
Ofdma Basics
Ofdma BasicsOfdma Basics
Ofdma Basics
Deepak Sharma
 
SLIDE 4G
SLIDE 4GSLIDE 4G
3G Basic Overview
3G Basic Overview3G Basic Overview
3G Basic Overview
Tel sol
 
OFDM Basics
OFDM BasicsOFDM Basics
OFDM Basics
Alwin Poulose
 
Ofdm
OfdmOfdm
Fdma tdma-cdma-151223125532
Fdma tdma-cdma-151223125532Fdma tdma-cdma-151223125532
Fdma tdma-cdma-151223125532
kassayemamo
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Odair Fernandes
 
Optical cdma and tdma
Optical cdma and tdmaOptical cdma and tdma
Optical cdma and tdma
Kush Singla
 
Sonet Sdh Dwdm
Sonet Sdh DwdmSonet Sdh Dwdm
Sonet Sdh Dwdm
deven l
 
2.3 time division multiple access
2.3   time division multiple access2.3   time division multiple access
2.3 time division multiple access
JAIGANESH SEKAR
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Leinylson Fontinele
 
Modelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada FísicaModelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada Física
Walyson Vëras
 
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
Malaviya National Institute Of Technology Jaipur
 
Wavelength division multiplexing
Wavelength division multiplexingWavelength division multiplexing
Wavelength division multiplexing
Nalin Dubey
 
Optical networks
Optical networksOptical networks
Optical networks
kritika91jawa
 

Mais procurados (20)

Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
FDMA TDMA
FDMA TDMAFDMA TDMA
FDMA TDMA
 
Half duplex
Half duplexHalf duplex
Half duplex
 
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM)
 
Wavelength division multiplexing (WDM)
Wavelength division multiplexing (WDM)Wavelength division multiplexing (WDM)
Wavelength division multiplexing (WDM)
 
Ofdma Basics
Ofdma BasicsOfdma Basics
Ofdma Basics
 
SLIDE 4G
SLIDE 4GSLIDE 4G
SLIDE 4G
 
3G Basic Overview
3G Basic Overview3G Basic Overview
3G Basic Overview
 
OFDM Basics
OFDM BasicsOFDM Basics
OFDM Basics
 
Ofdm
OfdmOfdm
Ofdm
 
Fdma tdma-cdma-151223125532
Fdma tdma-cdma-151223125532Fdma tdma-cdma-151223125532
Fdma tdma-cdma-151223125532
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Optical cdma and tdma
Optical cdma and tdmaOptical cdma and tdma
Optical cdma and tdma
 
Sonet Sdh Dwdm
Sonet Sdh DwdmSonet Sdh Dwdm
Sonet Sdh Dwdm
 
2.3 time division multiple access
2.3   time division multiple access2.3   time division multiple access
2.3 time division multiple access
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
 
Modelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada FísicaModelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada Física
 
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
orthogonal frequency division multiplexing(OFDM)
 
Wavelength division multiplexing
Wavelength division multiplexingWavelength division multiplexing
Wavelength division multiplexing
 
Optical networks
Optical networksOptical networks
Optical networks
 

Destaque

Plano de negócio - FabPrint
Plano de negócio - FabPrintPlano de negócio - FabPrint
Plano de negócio - FabPrint
Lucas Sabadini
 
4G
4G4G
4G Technology
4G Technology4G Technology
4G Technology
Ishaq Ironight
 
EVERYTHING IN LTE
EVERYTHING IN LTEEVERYTHING IN LTE
EVERYTHING IN LTE
khalid abdeen
 
A páscoa. Dominique e Phoebe
A páscoa. Dominique e PhoebeA páscoa. Dominique e Phoebe
A páscoa. Dominique e Phoebe
Cristina Conchinha
 
Comunidades educativas em rede
Comunidades educativas em redeComunidades educativas em rede
Comunidades educativas em rede
Neuza Pedro
 
Aula 1 - Redes sem fios - Introdução
Aula 1 - Redes sem fios - IntroduçãoAula 1 - Redes sem fios - Introdução
Aula 1 - Redes sem fios - Introdução
Andre Peres
 
Comm-seminar
Comm-seminarComm-seminar
Comm-seminar
Ahmed Hilal
 
Habitats Digitais e Comunidades de Prática
Habitats Digitais e Comunidades de PráticaHabitats Digitais e Comunidades de Prática
Habitats Digitais e Comunidades de Prática
Universidade de Lisboa
 
Redesigning classrooms for the future
Redesigning classrooms for the futureRedesigning classrooms for the future
Redesigning classrooms for the future
Neuza Pedro
 
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global HarmonisationSimon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
techUK
 
Lego Mindstorms.
Lego Mindstorms. Lego Mindstorms.
Lego Mindstorms.
Cristina Conchinha
 
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
Lucas Sabadini
 
4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
 4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband 4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
Friendly Technologies
 
Redesigning Initial Teacher Education practices: Project FTE-LAB
Redesigning Initial Teacher Education practices:  Project FTE-LABRedesigning Initial Teacher Education practices:  Project FTE-LAB
Redesigning Initial Teacher Education practices: Project FTE-LAB
Universidade de Lisboa
 
Robótica Educacional
Robótica EducacionalRobótica Educacional
Robótica Educacional
Liber Robótica
 
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
Sitha Sok
 
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
Cristina Conchinha
 
Guia lego
Guia legoGuia lego
Guia lego
Gabriele Daniel
 
4G 5G technology
4G 5G technology 4G 5G technology
4G 5G technology
Adarsh Patel
 

Destaque (20)

Plano de negócio - FabPrint
Plano de negócio - FabPrintPlano de negócio - FabPrint
Plano de negócio - FabPrint
 
4G
4G4G
4G
 
4G Technology
4G Technology4G Technology
4G Technology
 
EVERYTHING IN LTE
EVERYTHING IN LTEEVERYTHING IN LTE
EVERYTHING IN LTE
 
A páscoa. Dominique e Phoebe
A páscoa. Dominique e PhoebeA páscoa. Dominique e Phoebe
A páscoa. Dominique e Phoebe
 
Comunidades educativas em rede
Comunidades educativas em redeComunidades educativas em rede
Comunidades educativas em rede
 
Aula 1 - Redes sem fios - Introdução
Aula 1 - Redes sem fios - IntroduçãoAula 1 - Redes sem fios - Introdução
Aula 1 - Redes sem fios - Introdução
 
Comm-seminar
Comm-seminarComm-seminar
Comm-seminar
 
Habitats Digitais e Comunidades de Prática
Habitats Digitais e Comunidades de PráticaHabitats Digitais e Comunidades de Prática
Habitats Digitais e Comunidades de Prática
 
Redesigning classrooms for the future
Redesigning classrooms for the futureRedesigning classrooms for the future
Redesigning classrooms for the future
 
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global HarmonisationSimon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
Simon Pike, Vodafone - Mobile Implementation Challenges and Global Harmonisation
 
Lego Mindstorms.
Lego Mindstorms. Lego Mindstorms.
Lego Mindstorms.
 
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
Giroscópio - Lego Mindstorms Ev3
 
4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
 4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband 4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
4G LTE Device Management for Accelerated Wireless Broadband
 
Redesigning Initial Teacher Education practices: Project FTE-LAB
Redesigning Initial Teacher Education practices:  Project FTE-LABRedesigning Initial Teacher Education practices:  Project FTE-LAB
Redesigning Initial Teacher Education practices: Project FTE-LAB
 
Robótica Educacional
Robótica EducacionalRobótica Educacional
Robótica Educacional
 
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
GSA-Evolution_to_LTE_report_October_2016
 
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
Programar, aprender e brincar com a robótica educativa em contexto inclusivo
 
Guia lego
Guia legoGuia lego
Guia lego
 
4G 5G technology
4G 5G technology 4G 5G technology
4G 5G technology
 

Semelhante a 4G e LTE (Long Term Evolution)

Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PONEvolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
Heitor Galvão
 
01 guia cd - mod1
01   guia cd - mod101   guia cd - mod1
01 guia cd - mod1
Andreia Gonçalves
 
Lista01
Lista01Lista01
Lista01
redesinforma
 
1108
11081108
1108
Pelo Siro
 
Redecelular
RedecelularRedecelular
Redecelular
Leonilton Meireles
 
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
LuizZeni
 
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
Fabricia Graça
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
redesinforma
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
Carlos Veiga
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Yohana Alves
 
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
Diogo Edler Menezes
 
Linhas de Comunicação
Linhas de ComunicaçãoLinhas de Comunicação
Linhas de Comunicação
Micaele Sales
 
folha N2.ppt
folha N2.pptfolha N2.ppt
folha N2.ppt
CarlosAlbertoCampos16
 
relay frame atm
relay frame atm relay frame atm
relay frame atm
yuri_moura
 
Trabalho frame relay
Trabalho frame relayTrabalho frame relay
Trabalho frame relay
Anderson Zardo
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
CDIM Daniel
 
CDMA
CDMACDMA
Tbr de redes
Tbr de redesTbr de redes
Tbr de redes
jettaboris
 
Modelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada FísicaModelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada Física
Ricardo Montania
 
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATVAula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
Leandro Sausen
 

Semelhante a 4G e LTE (Long Term Evolution) (20)

Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PONEvolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
Evolucões das técnicas de Acesso Multiplo para as redes Ópticas Passivas PON
 
01 guia cd - mod1
01   guia cd - mod101   guia cd - mod1
01 guia cd - mod1
 
Lista01
Lista01Lista01
Lista01
 
1108
11081108
1108
 
Redecelular
RedecelularRedecelular
Redecelular
 
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
 
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
Apresentação POS PUC_LTE 21_3_2010
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
 
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
Inmetro 2009 eng telecom cargo 29
 
Linhas de Comunicação
Linhas de ComunicaçãoLinhas de Comunicação
Linhas de Comunicação
 
folha N2.ppt
folha N2.pptfolha N2.ppt
folha N2.ppt
 
relay frame atm
relay frame atm relay frame atm
relay frame atm
 
Trabalho frame relay
Trabalho frame relayTrabalho frame relay
Trabalho frame relay
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
 
CDMA
CDMACDMA
CDMA
 
Tbr de redes
Tbr de redesTbr de redes
Tbr de redes
 
Modelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada FísicaModelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada Física
 
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATVAula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
Aula IV - Transmissão Digital: Tecnologia DWDM e CATV
 

Mais de Lucas Sabadini

Processamento de Imagens - Filtro Laplaciano
Processamento de Imagens - Filtro LaplacianoProcessamento de Imagens - Filtro Laplaciano
Processamento de Imagens - Filtro Laplaciano
Lucas Sabadini
 
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
Lucas Sabadini
 
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNAAlgorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
Lucas Sabadini
 
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo SilvaProjeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Lucas Sabadini
 
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo SilvaProjeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Lucas Sabadini
 
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
Lucas Sabadini
 
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
Lucas Sabadini
 
Organização de congresso dos estudantes de administração
Organização de congresso dos estudantes de administraçãoOrganização de congresso dos estudantes de administração
Organização de congresso dos estudantes de administração
Lucas Sabadini
 
Globalização - O mundo em nossas mãos
Globalização - O mundo em nossas mãosGlobalização - O mundo em nossas mãos
Globalização - O mundo em nossas mãos
Lucas Sabadini
 
Estoque mínimo
Estoque mínimoEstoque mínimo
Estoque mínimo
Lucas Sabadini
 
Adminstradores: Andrew Grove
Adminstradores: Andrew GroveAdminstradores: Andrew Grove
Adminstradores: Andrew Grove
Lucas Sabadini
 
Código de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidorCódigo de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidor
Lucas Sabadini
 
Sistemas Operacionais - Windows seven
Sistemas Operacionais - Windows sevenSistemas Operacionais - Windows seven
Sistemas Operacionais - Windows seven
Lucas Sabadini
 
Escolas literárias
Escolas literáriasEscolas literárias
Escolas literárias
Lucas Sabadini
 
Manifestações culturais: modernismo brasileiro
Manifestações culturais: modernismo brasileiroManifestações culturais: modernismo brasileiro
Manifestações culturais: modernismo brasileiro
Lucas Sabadini
 
Sistema de gestão acadêmico
Sistema de gestão acadêmicoSistema de gestão acadêmico
Sistema de gestão acadêmico
Lucas Sabadini
 
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nurAlgoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
Lucas Sabadini
 
Escalonadores e suas categorias
Escalonadores e suas categoriasEscalonadores e suas categorias
Escalonadores e suas categorias
Lucas Sabadini
 
Grandes Corporações da Tecnologia - Asus
Grandes Corporações da Tecnologia - AsusGrandes Corporações da Tecnologia - Asus
Grandes Corporações da Tecnologia - Asus
Lucas Sabadini
 
Sistemas operacionais populares no mercado
Sistemas operacionais populares no mercadoSistemas operacionais populares no mercado
Sistemas operacionais populares no mercado
Lucas Sabadini
 

Mais de Lucas Sabadini (20)

Processamento de Imagens - Filtro Laplaciano
Processamento de Imagens - Filtro LaplacianoProcessamento de Imagens - Filtro Laplaciano
Processamento de Imagens - Filtro Laplaciano
 
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
Sistema de Monitoramento da Utilização de Dispositivo de Segurança Veicular C...
 
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNAAlgorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
Algorítmo de Identificação de Imagens Através da Implementação de RNA
 
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo SilvaProjeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto consciência negra - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
 
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo SilvaProjeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
Projeto prevenção também se ensina - E.E. Prof. Carlos de Arnaldo Silva
 
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
Trabalho de Conclusão de Curso Técnico em Administração: Utilização da Tecnol...
 
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
Pré-banca TCC Técnico em Administração - Gestão Hospitalar com a Utilização d...
 
Organização de congresso dos estudantes de administração
Organização de congresso dos estudantes de administraçãoOrganização de congresso dos estudantes de administração
Organização de congresso dos estudantes de administração
 
Globalização - O mundo em nossas mãos
Globalização - O mundo em nossas mãosGlobalização - O mundo em nossas mãos
Globalização - O mundo em nossas mãos
 
Estoque mínimo
Estoque mínimoEstoque mínimo
Estoque mínimo
 
Adminstradores: Andrew Grove
Adminstradores: Andrew GroveAdminstradores: Andrew Grove
Adminstradores: Andrew Grove
 
Código de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidorCódigo de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidor
 
Sistemas Operacionais - Windows seven
Sistemas Operacionais - Windows sevenSistemas Operacionais - Windows seven
Sistemas Operacionais - Windows seven
 
Escolas literárias
Escolas literáriasEscolas literárias
Escolas literárias
 
Manifestações culturais: modernismo brasileiro
Manifestações culturais: modernismo brasileiroManifestações culturais: modernismo brasileiro
Manifestações culturais: modernismo brasileiro
 
Sistema de gestão acadêmico
Sistema de gestão acadêmicoSistema de gestão acadêmico
Sistema de gestão acadêmico
 
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nurAlgoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
Algoritmos de substituição de páginas: ótimo e nur
 
Escalonadores e suas categorias
Escalonadores e suas categoriasEscalonadores e suas categorias
Escalonadores e suas categorias
 
Grandes Corporações da Tecnologia - Asus
Grandes Corporações da Tecnologia - AsusGrandes Corporações da Tecnologia - Asus
Grandes Corporações da Tecnologia - Asus
 
Sistemas operacionais populares no mercado
Sistemas operacionais populares no mercadoSistemas operacionais populares no mercado
Sistemas operacionais populares no mercado
 

4G e LTE (Long Term Evolution)

  • 1. 4G e LTE Long Term Evolution Lucas Martins Sabadini Mateus Boni Dias Mateus Matias Criado Otavio da Silva Cavalcante Wander Pereira
  • 4. C A M A D A S I S T Ê M I C A Telefonia Celular 4G • Long Term Evolution (LTE). A tecnologia da quarta geração de telefonia celular; • Tecnologia de transmissão de dados móveis criada com base no GSM (Global System for Mobile) e WCDMA (Wide-Band Code- Divison Multiple Access); • Prioriza o tráfego de dados ao invés do de voz, proporcionando uma rede mais rápida e estável. 4
  • 5. • A principal diferença entre a rede 4G e as antigas conexões, é a velocidade de conexão; • De acordo com Sanches (2016), a rede 4G oferece em torno de 50 à 100 Mbps, enquanto a 3G chega no máximo de 4Mbps; • Segundo Grasel (2016), além da tecnologia LTE ser mais rápida e mais estruturada, pode atender cerca de 200 à 300 acessos simultâneos a rede de trafego de dados. C A M A D A S I S T Ê M I C A Telefonia Celular 4G 5
  • 6. • O núcleo das redes 4G é fundamentalmente baseado em TCP/IP; • A latência (tempo de resposta) da rede chega no máximo em 30ms; • Mantém a velocidade e latência quando utilizado em movimento até 350km/h; • Possibilita a transmissão e recepção ao mesmo tempo. C A M A D A S I S T Ê M I C A Telefonia Celular 4G 6
  • 8. C A M A D A F Í S I C A Notamos que existem 2 camadas na rede 4G, MAC (Medium Access Control – Controle de Acesso ao Meio) e PHY (Physical Layer – Camada Física), onde a camada MAC possui três sub-camadas, CS (Service-Specific Convergence Sublayer – Sub-camada de Convergência Específica), CPS (Common Part Sublayer – Sub-camada de Convergência Comum) e Sub-camada de Segurança (Security Sublayer). Ambas sendo divididas em Usuário, Controle e Gerência. 8 Figura 1: Pilha de protocolos do IEEE 802.16 Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialintlte/pagina_3.asp
  • 9. C A M A D A F Í S I C A • Subcamada de convergência: Transformação ou mapeamento de dados da rede externa em SDU’s (Service Data Unit) MAC (Oferece suporte a ATM – Asynchronous Transfer Mode e protocolos baseados em pacotes); • Parte Comum da Subcamada MAC: Funcionalidade do núcleo MAC do sistema de acesso, alocação de largura de banda, estabelecimento e manutenção de conexão; • Subcamada de Privacidade: Troca de chaves seguras, criptografia e autenticação; • Camada Física (PHY): Apresenta diversas especificações, onde cada uma delas é apropriada a uma dada faixa de frequência. 9
  • 10. • A camada física contém a região física que provê características mecânicas, elétricas, funcionais e procedimentais para ativar, manter e desativar conexões físicas para transmissão de bits entre entidades da camada de enlace. Utiliza tecnologias OFDMA, SC-FDMA, MIMO e codificação TURBO. • O processo de codificação e de transmissão é disponibilizado pela camada física para a camada MAC na forma de serviços, através de blocos de transporte. A cada intervalo de transmissão (Transmission Time Interval – TTI, sendo 1 TTI = 1 subframe = 1 ms), até dois blocos de transporte são codificados, modulados e mapeados para os recursos de rádio do OFDMA. 10 C A M A D A F Í S I C A MAC (Media Access Control)
  • 11. • A camada L2/L3 é responsável pelo acesso e pelo controle dos recursos de rádio. Utiliza tecnologias Enlace Adaptativo, Scheduling e HARQ. • A camada de enlace tem como objetivo detectar e opcionalmente corrigir os erros que porventura ocorram no nível físico durante a transmissão de bits. Sendo responsável por implementar o método de acesso ao meio, delimitar a estrutura de quadro de enlace e reconhecer os endereços físicos MAC. 11 C A M A D A F Í S I C A Camada de Controle (L2/L3)
  • 12. • Algorítmos de scheduling e de controle do enlace adaptativo operam em conjunto nessa camada para otimizar a vazão total da célula e do enlace de usuário. • Em linhas gerais, a principal tarefa do scheduling no OFDMA é alocar pares de blocos de recursos de rádio (1 ms e 12 subportadoras) inteligentemente para diferentes usuários, de modo a alcançar a maior vazão possível na célula. • O HARQ é uma combinação de correção de erros de canal (Forward Error Correction – FEC) e solicitação automática de repetição (Automatic Repeat Request – ARQ) baseada em código CRC de detecção de erros. 12 C A M A D A F Í S I C A Camada de Controle (L2/L3)
  • 13. C A M A D A F Í S I C A MIMO (Multiple Inputs Multiple Outputs) • Técnicas de múltiplas antenas são uma forma de se obter taxas de transmissão elevadas; • Mais facilmente empregadas em sistemas OFDMA e resultam em ganho de desempenho obtendo vantagem da propagação múltiplos percursos; • Ambas as cadeias de transmissão e de recepção do OFDM podem ser paralelizadas em mais de uma camada; 13
  • 14. C A M A D A F Í S I C A MIMO (Multiple Inputs Multiple Outputs) • Formas de processamento suportadas pelo LTE classificadas em: • Pré-codificação ou formatação de feixe: que envolve apenas processamento espacial; • Codificação por diversidade: que envolve codificação espaço- frequência sobre um único fluxo de dados para aumentar a robustez da transmissão; • Multiplexação espacial: que envolve a transmissão simultânea de fluxos distintos em antenas distintas, de forma a se aumentar a vazão do sistema. 14
  • 16. • Modulação é o processo que varia a altura (amplitude), intensidade e frequência de uma onda eletromagnética. • O Transmissor envia dados numa onda de tal forma que poderá ser recuperada na outra parte através de um processo reverso chamado Demodulação. M O D U L A Ç Ã O Definição 16
  • 17. • O nosso idioma é uma forma de Modulação; • Conforme nossas cordas vocais vibram, expulsam o ar da laringe, o deslocamento do ar produz o som. • Dependendo da intensidade dessas vibrações, sons distintos são produzidos, dando origem as palavras. • Ou seja, o ar sofre Modulação para originar novas palavras. M O D U L A Ç Ã O Analogia 17
  • 18. Num sistema convencional de transmissão, os dados são enviados em sequência através de uma única portadora, cujo espectro ocupa toda a faixa de frequência disponível. M O D U L A Ç Ã O Sistema Convencional Figura 2: Transmissão convencional Fonte: Autores. 18
  • 19. Adote: 1. Uma estrada qualquer seja o canal de transmissão. 2. A largura da estrada é o "tamanho" da frequência. Imagine: Que a estrada possua 10 metros de largura, e contém apenas uma faixa por onde passam os carros. Essa seria uma modulação convencional. Mas podemos subdividir essa estrada em 5 faixas de 2 metros cada. Dessa forma podemos passar vários carros na mesma velocidade utilizando faixas distintas. M O D U L A Ç Ã O Sistema Convencional - Analogia 19
  • 20. O OFDM, também conhecido como Discrete Multitone Modulation (DMT), é uma técnica de modulação baseada na ideia de multiplexação por divisão de frequência (FDM) onde múltiplos sinais são enviados em diferentes frequências. M O D U L A Ç Ã O OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais) Figura 3: Modulação OFDM Fonte: www.iss.rwth-aachen.de/Projekte/Theo/OFDM/OFDM_en.html 20
  • 21. Na OFDM é feita transmissão paralela de dados em diversas sub-portadoras, com modulação QAM ou PSK e com taxas de transmissão por sub-portadora tão baixas quanto maior for o número possível. M O D U L A Ç Ã O OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais) Figura 4: Transmissão OFDM Fonte: http://www.img.lx.it.pt/~fp/cav/ano2009_2010/Trabalhos_MEEC_2010/Artigo_MEEC_7/myweb3/ofdm.htm 21
  • 22. O espaçamento entre sub-portadoras é escolhido de forma que cada uma esteja centrada nos zeros das restantes. Dessa forma existe ortogonalidade (duas retas ou planos que fazem um ângulo de 90º entre os sinais) Embora exista sobreposição dos espectros das sub-portadoras, é possível extrair cada um deles através de tratamento do sinal. M O D U L A Ç Ã O OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais) Figura 5: Espaçamento entre portadoras OFDM Fonte: http://www.img.lx.it.pt/~fp/cav/ano2009_2010/Trabalhos_MEEC_2010/Artigo_MEEC_7/myweb3/ofdm.htm 22
  • 23. A sobreposição espectral causada pelo OFDM produz ainda uma significativa economia de banda, se comparada com a técnica FDM tradicional. Calcula-se que a economia seja de aproximadamente 50% de banda. M O D U L A Ç Ã O OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais) Figura 6: Banda utilizada pelo OFDM (adaptado) Fonte: http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf Convencional OFDM 23
  • 24. Em relação ao domínio do tempo, a característica de ortogonalidade entre subportas implica que duas sub-portadoras quaisquer diferem exatamente por um número inteiro de ciclos durante um intervalo de símbolo OFDM, uma vez que estas estarão separadas em frequência por um valor múltiplo de 1/T M O D U L A Ç Ã O OFDM (Multiplexação por Divisão de Frequências Ortogonais) Figura 7: Sub-portadoras no domínio do tempo Fonte: http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf 24
  • 25. • Para o LTE, o OFDM divide a banda de frequência da portadora em pequenas subportadoras espaçadas de 15kHz, e modula cada uma individualmente usando QPSK, 16QAM ou 64 QAM. M O D U L A Ç Ã O 4 G 25
  • 26. • A modulação QPSK é uma técnica de modulação derivada do PSK, porém neste caso, são utilizados parâmetros de fase e quadratura da onda portadora para modular o sinal de informação. Como agora são utilizados dois parâmetros, existem mais tipos possíveis de símbolos nesta constelação, o que permite que sejam transmitidos mais bits por símbolo. M O D U L A Ç Ã O QPSK 26
  • 27. Por exemplo, se quisermos transmitir 2 bits por símbolo, ao invés de 1 bit por símbolo, neste caso, como teremos 4 tipos de símbolos possíveis, a portadora pode assumir 4 valores de fase diferentes, cada um deles correspondendo a um dibit, como por exemplo 45o, 135o, 225o e 315o. A figura abaixo ilustra em um diagrama de fase e quadratura (IQ) os 4 possíveis símbolos gerados pela modulação QPSK usando 2 bits por símbolo. Figura 8: Modulação QPSK Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialplcalt1/pagina_4.asp M O D U L A Ç Ã O QPSK 27
  • 28. • Nesta forma de modulação, os símbolos são mapeados em um diagrama de fase e quadratura, sendo que cada símbolo apresenta uma distância específica da origem do diagrama que representa a sua amplitude, diferentemente da modulação PSK, na qual todos os símbolos estão à igual distância da origem. Isto significa que as informações são inseridas nos parâmetros de amplitude e quadratura da onda portadora. M O D U L A Ç Ã O QAM 28
  • 29. No caso do 16 QAM, a constelação apresenta 16 símbolos, sendo 4 em cada quadrante do diagrama, o que significa que cada símbolo representa 4 bits. Podemos ter também, por exemplo, o modo 64 QAM, cuja constelação apresenta 64 símbolos, cada um deles representando 6 bits. Figura 9: Modulação QAM Fonte: http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialplcalt1/pagina_4.asp M O D U L A Ç Ã O QAM 29
  • 30. • Pode-se notar que no modo 16QAM alcança-se uma taxa de transmissão menor do que no modo 64 QAM, uma vez que cada símbolo transporta um número menor de bits. No entanto, no modo 16 QAM, a distância euclidiana entre os símbolos é maior do que no caso do modo 64QAM. Isto permite que o modo 16QAM possibilite uma melhor qualidade de serviço (QoS), pois a maior distância entre os símbolos dificulta erros de interpretação no receptor quando este detecta um símbolo. M O D U L A Ç Ã O QAM 30
  • 31. Há uma pequena diferença entre o OFDM e o OFDMA, pois no primeiro caso a banda de frequência é destinada a um único usuário enquanto no segundo caso vários usuários compartilham a banda ao mesmo tempo conforme mostrado na figura. A divisão dos canais em pequenos subcanais ajuda o OFDM a combater o efeito de desvanecimento seletivo. Figura 10: Diferença entre OFMD e OFDMA Fonte: ANRITSU, 2010. M O D U L A Ç Ã O QAM 31
  • 32. • Várias alternativas continuam a ser estudas pelos órgãos responsáveis pela padronização do LTE para utilizar o melhor esquema de transmissão para o uplink. Apesar de o OFDMA atender aos requisitos de downlink, suas propriedades são menos favoráveis para o uplink, principalmente devido ao desvanecimento do parâmetro chamado Peak to Average Power Ratio (PAPR) no uplink. M O D U L A Ç Ã O SC-FDMA 32
  • 33. • Assim, o esquema de transmissão para uplink LTE em FDD e TDD é o modo baseado em SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) com prefixo cíclico. A utilização deste método tem como objetivos melhorar o desempenho em comparação a sinais OFDMA e a redução de custos nos projetos dos amplificadores utilizados pelo UE. M O D U L A Ç Ã O SC-FDMA 33
  • 34. Inicialmente o fluxo de dados é convertido de serial para paralelo. Cada bit é modulado e transformado do domínio do tempo para o domínio da frequência através da Transformada Rápida de Fourier (FFT) e o resultado é mapeado nas subportadoras disponíveis. Após o sinal ser submetido a Transformada Inversa de Fourier (IFFT) é adicionado o prefixo cíclico, que é utilizado como um tempo de guarda entre os símbolos. Ao final do processo o sinal é convertido novamente de paralelo para serial. M O D U L A Ç Ã O SC-FDMA 34 Figura 11: Diagrama de bloco do DFT-s-OFDM Fonte: Rohde & Schwarz, 2009.
  • 35. • O DFT-s-OFDMA é a diferença fundamental entre a geração de sinal do SC-FDMA e do OFDMA. Em um sinal SC-FDMA, cada subportadora utilizada para transmissão contém informação de todos os símbolos modulados transmitidos. Em contrapartida, cada subportadora com um sinal OFDM carrega informações relacionadas a um símbolo específico. M O D U L A Ç Ã O SC-FDMA 35
  • 37. R E F E R Ê N C I A S • CARDOSO, Fabbryccio A. C. M., et al. Tecnologias de camada física e MAC para redes LTE. Disponível em <https://www.cpqd.com.br/cadernosdetecnologia/Vol7_N1_jul2010_jun2011/pdf/artigo1.pdf>. Acesso em: 09 nov. de 2016. • COSTA, Luís Henrique Maciel Kosmalski; DUARTE, Otto Carlos Muniz Bandeira. Redes de Computadores II. Disponível em: <http://www.gta.ufrj.br/grad/07_2/jefferson/Page4.html>. Acesso em: 31 de out. de 2016. • GRASEL, Grasiel Felipe. O que é e como funciona a 4G?. Disponível em: <https://www.oficinadanet.com.br/post/12569-o-que-e-e-como-funciona-4g>. Acesso em: 01 de nov. de 2016. • PINTO, Ernesto Leite; ALBUQUERQUE, Claudio Penedo de. A técnica de Transmissão OFDM. Disponível em: <http://www.cricte2004.eletrica.ufpr.br/ufpr2/tccs/27.pdf>. Acesso em: 01 de nov. de 2016. • SANCHES, Cleiton Roberto. Conexão 4G: o que é e como funciona?. Disponível em: <https://www.cissamagazine.com.br/blog/conexao-4g>. Acesso em: 31 de out. de 2016. • TELECO. Redes LTE I: Implantações e Características Básicas. Disponível em: <http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialredeslte/pagina_2.asp>. Acesso em: 09 nov. de 2016. 37