SlideShare uma empresa Scribd logo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo 
Texto elaborado pela Equipe Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura 
1. Considerações gerais a respeito da produção de laranja 
A citricultura brasileira está altamente concentrada na produção de laranjas doces, com 
cerca de 90% do total da produção nacional de citros, conforme Figura 1. 
Página 1 de 22 
Laranja 
90,3% 
Lima Ácida e Limão 
5,1% 
Tangerina 
4,6% 
Figura 1. Distribuição da produção brasileira de frutas cítricas. 2011. 
Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. 
Neste contexto a região Sudeste destaca-se como a de maior importância do País (Figura 2). 
9,8% 
1,4% 
81,8% 
0,7% 
6,3% 
Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 
Figura 2. Produção brasileira de laranjas doces segundo as diversas regiões geográficas. 
2011. 
Fonte: Adaptado de IBGE, 2013.
O Estado de São Paulo, por sua vez, detém quase 80% da produção nacional de laranjas 
(Tabela 1). 
Tabela 1. Produção brasileira de laranja. 2011. 
Área Colhida Produção 
Página 2 de 22 
Estados 
(ha) Volume (t) % 
São Paulo 563.952 15.293.506 77,2 
Bahia 63.303 1.030.763 5,2 
Minas Gerais 32.964 824.041 4,2 
Sergipe 56.542 822.468 4,2 
Paraná 27.143 784.543 4,0 
Rio Grande do Sul 27.654 391.692 2,0 
Pará 12.056 201.458 1,0 
Goiás 6.613 121.866 0,6 
Santa Catarina 5.273 81.228 0,4 
Rio de Janeiro 4.454 65.032 0,3 
Alagoas 4.310 49.219 0,2 
Amazonas 2.658 41.917 0,2 
Espírito Santo 1.595 17.563 0,1 
Ceará 1.850 15.963 0,1 
Mato Grosso do Sul 519 11.012 0,1 
Amapá 1.090 10.775 0,1 
Paraíba 990 7.379 0,0 
Maranhão 1.084 6.713 0,0 
Rondônia 490 5.643 0,0 
Distrito Federal 221 5.304 0,0 
Acre 331 4.778 0,0 
Piauí 419 4.077 0,0 
Pernambuco 808 4.057 0,0 
Mato Grosso 393 3.376 0,0 
Rio Grande do Norte 200 2.423 0,0 
Roraima 222 2.153 0,0 
Tocantins 158 2.115 0,0 
BRASIL 817.292 19.811.064 100,0 
Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. 
No Estado de São Paulo (Figura 3), as principais variedades de laranja doce são: Pera (29,0%), 
Valência (28,5%), Hamlin (12,7%) e Natal (10,9%) (CDA, 2012).
Figura 3. Composição de cultivares copa de laranja no parque citrícola do Estado de São 
Página 3 de 22 
Paulo. 
Fonte: Adaptado de CDA, 2012. 
Essas variedades têm como principal destino a indústria de sucos, à exceção da Pera, em 
relação à qual pequena parte do volume de frutos produzido é absorvida pelo mercado 
interno de frutas frescas. Este mercado compreende 14% do total de laranja produzida pelo 
cinturão citrícola do Estado de São Paulo, sendo, portanto, os 86% restantes direcionados à 
indústria. Conforme dados de comercialização de frutos pela Companhia de Entrepostos e 
Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (CEAGESP), tem-se que a Pera é a principal 
variedade de laranja para consumo de mesa, representando cerca de 80% do total de fruta 
comercializada nessa central de abastecimento (Tabela 2). 
Tabela 2. Comercialização de laranjas pela CEAGESP em 2011. 
Variedade (t) (%) 
Pera 256.940 79,6 
Lima 43.681 13,5 
Baia 14.662 4,5 
Seleta 5.714 1,8 
Valência 1.870 0,6 
Total 322.866 100,0 
Fonte: Lopes, A. P. (comunicação pessoal). Seção de Economia e 
Desenvolvimento (SEDES), CEAGESP, 2012. 
A análise desse conjunto de informações mostra claramente uma alta concentração da 
citricultura paulista na indústria de sucos, que, em última análise, é quem dita os preços da
fruta. Atualmente o parque citrícola paulista tem cerca de 36% sob o domínio direto 
(pomares próprios) das indústrias de suco, o que reforça a participação destas na 
composição do preço final da fruta. Vale ressaltar que o que se assiste atualmente é uma 
crescente concentração da produção paulista de laranjas nas mãos da indústria, haja vista 
que esta, em 2002, produzia 10 milhões de caixas de laranja, passando a 130 milhões em 
2012, com tendência de aumento (O Diário on line, 2012). 
Diversos fatores têm determinado uma baixa absorção, pela indústria de suco, da laranja 
produzida por citricultores independentes, levando a um desestímulo destes em relação à 
sua permanência na cultura dos citros, atualmente a 5ª em valor da produção agrícola 
nacional, atrás somente da soja, cana-de-açúcar, milho e café (IBGE, 2013). Esses fatores 
compreendem: 
1) Oferta de sucos, néctares e refrescos de diversas frutas no mercado internacional, 
concorrendo com o suco de laranja (NEVES; TROMBIN, 2013). 
2) Queda das exportações brasileiras de suco (Figura 4), como reflexo da crise econômica, 
principalmente na Europa, nosso maior comprador. 
Exportações Brasileiras de FCOJ equivalente*, em toneladas 
Página 4 de 22 
1.600.000 
1.400.000 
1.200.000 
1.000.000 
800.000 
600.000 
400.000 
200.000 
0 
2007 2008 2009 2010 2011 2012 
Figura 4. Exportações brasileiras de FCOJ (suco de laranja concentrado e congelado) equivalente, 
em toneladas (2007-2012). 
Fonte: CITRUSBR, 2013. A partir de dados primários de AliceWeb, 2012. 
* As exportações de suco de laranja consideram: suco congelado e concentrado (FCOJ), suco não concentrado 
(NFC) e outros tipos de suco. Para expressar o volume total de suco exportado, englobando essas três 
categorias de suco, foi criado o conceito de FCOJ equivalente, que converte o volume do suco não concentrado 
em um valor equivalente ao concentrado. 
3) Aumento das últimas safras de laranja: 2011 e 2012. 
A Figura 5 indica que em 2011 houve um aumento da safra de laranja no Estado de São
Paulo, superando a produção média, em torno de 14,3 milhões de toneladas de frutas, que, 
em termos gerais, vinha se repetindo ao longo dos anos anteriores (2007-2010). Nota-se que 
o comportamento da citricultura paulista, por seu expressivo volume de produção, 
praticamente determina a tendência da citricultura brasileira (Figura 5). Reportando-se à 
safra 2012, esta também foi estimada acima do normal, da ordem de 364 milhões de caixas 
de 40,8 kg (IEA, 2013). 
Página 5 de 22 
19.811.064 
18.503.139 
17.618.450 
18.684.985 18.538.084 
15.293.506 
14.537.610 13.642.165 14.269.383 14.904.621 
30.000.000 
20.000.000 
10.000.000 
0 
2007 2008 2009 2010 2011 
Brasil São Paulo 
Figura 5. Desempenho da cultura da laranja no Brasil e São Paulo no período 2007-2011. 
Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. 
4) Altos estoques de sucos armazenados pela indústria. 
Os fatores anteriormente tratados levaram à formação de elevados estoques de suco, a 
ponto do Conselho Monetário Nacional (CMN) aplicar, a partir de 2011, a Linha Especial de 
Crédito (LEC) a esses estoques, de modo a mantê-los parcialmente indisponíveis à 
exportação, no intuito de impedir o aviltamento do preço pago pelos importadores. Em 
outras palavras, a LEC destina recursos para indústrias e cooperativas estocarem suco de 
laranja, de forma a manter elevada a cotação do produto no mercado internacional. 
Segundo Christian Lohbauer, presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos 
Cítricos (CitrusBR), “A LEC é uma forma de garantir renda aos produtores, pois muitos deles 
corriam o risco de quebrar. Em contrapartida, a indústria brasileira de suco de laranja se 
comprometeu a comprar pelo menos 40 milhões de caixas do produto”. Nesse cenário o que 
se vê é que a indústria tem priorizado o processamento de sua própria fruta. 
Diante do exposto, tem-se que o quadro atual da citricultura paulista é extremamente 
crítico. Dentre os citricultores os mais prejudicados são os pequenos e médios, que se 
encontram em geral descapitalizados, situação esta agravada pelo não escoamento esperado 
das safras produzidas nos últimos dois anos e pela baixa produtividade de seus pomares, 
reflexo inequívoco da não adoção de tecnologias modernas, em oposição ao que se verifica 
junto aos maiores produtores, mais capitalizados, dentre os quais se incluem os empresários
da indústria. Esse desestímulo contribui fortemente para a progressão de fatores de risco 
comprometedores da sustentabilidade do parque citrícola paulista, a exemplo do 
huanglongbing (HLB, ex-greening), que é o mais grave, seguido de outros também 
importantes como o cancro cítrico, clorose variegada dos citros (CVC) e pinta preta. 
Dentro de uma estratégia voltada à proteção da citricultura paulista, é indiscutível a 
necessidade de estabelecer mecanismos que favoreçam a boa relação entre a indústria e 
citricultores. É fundamental, também, a abertura de outras vias de escoamento da produção, 
destacando-se, aqui, o mercado de frutas frescas. O cultivo de variedades mais adequadas a 
essa finalidade, portanto, é fundamental. O exemplo da Espanha mostra-nos claramente a 
importância do mercado de frutas in natura. Esse país mediterrâneo, com uma área plantada 
de cerca de 1/3 daquela ocupada pela citricultura nacional (FAO, 2013a), aufere divisas da 
ordem de US$ 3 bilhões com a exportação de laranjas (US$ 1,2 bilhão) e tangerinas (US$ 1,7 
bilhão) (FAO, 2013b), quantitativo este superior aos US$ 2,3 bilhões obtidos anualmente 
pelo Brasil com a exportação de suco (BRASIL, 2012). 
Página 6 de 22
2. Principais variedades de laranjeira doce 
a) Características da fruta 
Valores médios de uma série de atributos de qualidade de frutos das principais variedades 
utilizadas pela indústria encontram-se na Tabela 3. 
Tabela 3. Características médias obtidas para o processamento de laranja doce na região 
Norte do Estado de São Paulo e valores médios de referência. 
Variáveis Hamlin Pera Natal Valência 
Época de colheita* Julho/Agosto Julho/Dezembro Agosto/Janeiro Agosto/Janeiro 
Tamanho médio do fruto 
303 277 262 247 
(n°/cx - 40,8 kg) * 
Página 7 de 22 
Sabor do suco ("score", 36- 
40) ** 
33 / 32,4 36,9 /36,8 37 / 36,9 37 / 36,9 
Cor do suco ("score, 36-40) 34,8* / 32,8** 37,3* / 36,94** 37,1* / 37,3** 37,1* / 37,3** 
Sólidos Solúveis Totais - SST 
10,70 - 11,67 11,14 - 12,14 10,56 - 11,83 10,56 - 11,83 
(°Brix) * 
Acidez* 0,71 - 0,75 0,58 - 0,86 0,76 - 1,06 0,76 - 1,06 
"Ratio" (SST/Acidez)* 14,22 - 16,22 12,94 - 20,75 9,90 - 19,20 9,90 - 19,20 
% Suco* 51,7 - 51,8 56,7 -59,2 52,6 - 56,8 52,6 - 56,8 
Índice Tecnológico - IT (kg 
2,25 - 2,46 2,68 - 2,85 2,42 - 2,73 2,42 - 2,73 
SST/ cx) * 
Vitamina C (mg/100ml) ** 322 256 239 239 
Polpa (mL/100mL - % v./v.) 
8 -12 
*** 
Óleo no Suco (mL/100 mL - % 
v./v.) *** 
0,008 - 0,010 
Prolina mg/L** 586 1.197 1.641 1.641 
* Segundo Nonino (1995) para frutas da região Norte do Estado de São Paulo. 
** Segundo Di Giorgi et al. (1990) e Di Giorgi et al. (1993). 
*** Segundo Kimball (1991), valores em uso comercial para suco de laranja em geral. 
Fonte: Boletim Citrícola, n° 8, 1999. UNESP/FUNEP/EECCB. 
b) Período de Safra 
O período de safra da laranja no Estado de São Paulo concentra-se de julho a dezembro. As 
Tabelas 4 e 5 resumem a concentração do período de colheita das principais variedades 
plantadas no Estado de São Paulo.
Tabela 4. Épocas de colheita de frutos das principais variedades de laranja no Estado de São 
Página 8 de 22 
Pauloa. 
Variedade Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. 
Pera 
Hamlin 
Natal 
Valência 
aHachurado escuro representa épocas principais de colheita; hachurado claro, épocas de colheitas 
menores. As informações referem-se a pomares não irrigados e situados nas condições médias de 
clima do planalto paulista. 
Fonte: Adaptado de Pio et al., 2005. 
Tabela 5. Estimativas do percentual de colheita da safra de laranja (safra 2011/12) no Estado 
de São Paulo. Última estimativa1, novembro de 2011. 
Intervalo de confiança 
Variável Estimativa 
Inferior Superior 
Coeficiente de 
variação 
Maio 2011 1,5% 1,1 1,8 23,3 
Junho 2011 6,1% 5,1 7,0 15,5 
Julho 2011 10,3% 9,4 11,1 8,6 
Agosto 2011 17,9% 14,8 21,0 17,1 
Setembro 2011 17,6% 15,4 19,8 12,4 
Outubro 2011 17,1% 15,6 18,7 9,0 
Novembro 2011 14,7% 13,4 15,9 8,6 
Dezembro 2011 9,6% 8,5 10,7 11,4 
Janeiro 2012 4,0% 3,6 4,3 9,3 
Fevereiro 2012 1,3% 1,1 1,4 13,1 
1 Inclui produção de pomares não expressivos economicamente e perdas relativas ao processo 
produtivo e a colheita. 
Fonte: CONAB/CATI/IEA, 2011. 
c) Localização geográfica de plantações 
Os principais municípios produtores de laranja no Estado de São Paulo e suas respectivas 
distribuições de variedades encontram-se na Tabela 6.
Tabela 6. Distribuição das quatro principais variedades de laranja plantadas no Estado de 
São Paulo nos dez maiores municípios produtores do Cinturão Citrícola Paulista. 
Municípios Variedades Talhões Nº de Plantas* % no Município 
Hamlin 135 314.501 5,49 
Natal 230 701.316 12,25 
Pera 485 1.845.922 32,25 
Página 9 de 22 
Casa Branca 
Valência 629 1.697.433 29,65 
Hamlin 877 1.267.929 21,36 
Natal 235 380.783 6,42 
Pera 550 899.678 15,16 
Itápolis 
Valência 1.755 2.548.729 42,94 
Hamlin 77 274.723 10,38 
Natal 204 799.763 30,22 
Pera 244 815.552 30,81 
Itapetininga 
Valência 164 612.559 23,14 
Hamlin 186 857.154 12,59 
Natal 137 620.619 9,12 
Pera 460 1.750.056 25,71 
Mogi Guaçu 
Valência 530 2.184.799 32,09 
Hamlin 121 568.229 12,22 
Natal 123 521.361 11,22 
Pera 200 1.295.225 27,86 
Boa Esperança do Sul 
Valência 323 1.672.450 35,98 
Hamlin 112 543.865 9,96 
Natal 149 531.555 9,73 
Pera 231 1.217.789 22,3 
Brotas 
Valência 453 2.364.385 43,29 
Hamlin 317 669.698 18,16 
Natal 220 482.694 13,09 
Pera 469 1.127.221 30,56 
Bebedouro 
Valência 287 824.595 22,36 
Hamlin 105 624.233 9,66 
Natal 169 845.670 13,09 
Pera 421 1.950.743 30,19 
Botucatu 
Valência 322 1.657.315 25,65 
Hamlin 111 1.017.217 27,03 
Natal 60 414.012 11 
Pera 93 794.361 21,11 
Colômbia 
Valência 178 1.191.477 31,66 
* Número de plantas de cada variedade (Hamlin, Natal, Pera e Valência) apontado em levantamento realizado 
pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA). Ano Base 2012. 
Fonte: Extraído de Dados da Citricultura Paulista. (CDA). Ano Base 2012.
d) Área plantada, volume de produção e produtividade 
As informações acerca da área plantada, volume de produção e produtividade de laranja 
estão descritas na Tabela 7, estimadas sob a coordenação da CONAB/CATI/IEA para o Estado 
de São Paulo. 
Tabela 7. Estimativas da safra de laranja (safra 2011/2012 no Estado de São Paulo. 
Novembro de 2011. Data da publicação: dezembro de 2011. 
Página 10 de 22 
Intervalo de confiança 
Variável Unidade Estimativa 
Inferior Superior 
Coeficiente 
de variação 
Safra 2011/2012 
Área com laranja 
Pomares em formação Hectare 44.127 36.448 51.805 17,4 
Pomares em produção Hectare 525.514 505.018 546.009 3,9 
Número de plantas 
Pomares em formação Número 22.347.121 18.212.904 26.481.339 18,5 
Pomares em produção Número 202.368.901 194.881.252 209.856.550 3,7 
Produção esperada 
Safra 2011/2012 
Produção comercial cx. 40,8kg 375.743.282 361.465.037 390.021.527 3,8 
Produção esperada para 
cx. 40,8kg 334.411.521 316.353.299 352.469.743 5,4 
indústria 
Produção esperada para 
mesa 
cx. 40,8kg 41.331.761 33.313.399 49.350.123 19,4 
Produção não comercial e 
perdas1 
cx. 40,8kg 9.126.626 7.611.606 10.641.646 16,6 
Produtividade média cx.40,8kg/ha 715,0 687,0 743,0 3,9 
*Inclui produção de pomares não expressivos economicamente e perdas relativas ao processo 
produtivo e à colheita. 
Fonte: CONAB/CATI/IEA, 2011. 
e) Relação entre o tamanho da propriedade e a produtividade 
A estratificação da produção de laranja em função de tamanho de propriedade e classe de 
produtividade constam, respectivamente, nas Tabelas 8 e 9. Observa-se, claramente, que 
quanto maior o tamanho da área plantada, maior é a produtividade.
Tabela 8. Tamanho da propriedade de produtores de citros do Estado de São Paulo no ano 
Página 11 de 22 
de 2012. 
Número de 
plantas 
Quantidade de 
propriedades 
Frequência 
relativa (%) 
Quantidade de 
plantas 
Frequência 
relativa (%) 
Menor de 200 1.009 5,71 37.550 0,02 
201 - 1.000 2.962 16,76 1.904.595 0,84 
1.001 - 5.000 8.026 45,41 20.366.908 8,97 
5.001 - 10.000 2.475 14,00 17.478.345 7,70 
10.001 - 15.000 937 5,30 11.584.160 5,10 
15.001 - 20.000 479 2,71 8.310.994 3,66 
20.001 - 25.000 316 1,79 7.060.070 3,11 
25.001 - 30.000 203 1,15 5.541.976 2,44 
30.001 - 40.000 288 1,63 10.000.985 4,40 
40.001 - 50.000 183 1,04 8.192.472 3,61 
50.001 - 60.000 146 0,83 7.982.306 3,52 
60.001 - 80.000 186 1,05 12.757.447 5,62 
80.001 - 100.000 106 0,60 9.462.729 4,17 
100.001 - 200.000 193 1,09 27.071.858 11,92 
200.001 - 300.000 63 0,36 15.449.744 6,80 
300.001 - 500.000 55 0,31 20.861.410 9,19 
500.001 - 1.000.000 38 0,21 25.114.165 11,06 
Acima de 1.000.000 10 0,06 17.906.084 7,89 
Total 17.675 100,00 227.083.798 100,00 
Fonte: Adaptado de Dados da Citricultura do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Defesa 
Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA). Base: 1° Semestre de 2012. 
Tabela 9. Estratificação da produção de laranja por faixa de produtividade na safra 
2009/2010*. 
Faixa de produtividade em 
caixas / ha 
% dos 
Hectares 
% das 
Caixas 
Volume de caixas produzidas 
por faixa de produtividade 
Produtividade 
(cx./ha) 
Acima de 1.400 2% 5% 16 milhões 1.655 
Entre 1.100 e 1.399 7% 13% 41 milhões 1.209 
Entre 800 e 1.099 19% 29% 92 milhões 933 
Entre 500 e 799 28% 30% 95 milhões 639 
Entre 200 e 499 36% 21% 67 milhões 345 
Abaixo de 200 8% 2% 6 milhões 138 
Total 100% 100% 317,4 milhões 607 
Total acima de 500 56% 77% 244,4 milhões 909 
Total abaixo de 499 44% 23% 73 milhões 280 
*Elaborado por Markestrat a partir de CitrusBR, considerando dados dos associados. 
Fonte: Neves et al., 2010.
Página 12 de 22 
f) Mudas e tecnologias utilizadas 
A muda de citros é composta pela combinação de uma variedade porta-enxerto com uma 
variedade copa, sendo exigidos critérios específicos em relação à formação dos porta-enxertos 
e da muda propriamente dita. 
A legislação atual no Estado de São Paulo exige proteção do viveiro com tela antiafídicos 
para produção de porta-enxertos, mudas de citros e mudas certificadas. É exigido material 
vegetal (sementes e borbulhas) oriundo de plantas matrizes e borbulheiras registradas. As 
informações pertinentes à produção e comercialização de mudas cítricas no Estado de São 
Paulo estão detalhadamente dispostas nos instrumentos legais a seguir citados: 
· Portaria CDA 5, de 03 de fevereiro de 2005. 
· Instrução Normativa 10, de 18 de março de 2005. 
· Resolução SAA 10, de 29 de março de 2006. 
g) Técnicas de produção e aspectos relacionados ao clima, solo, irrigação, adubação, 
manejo, entre outros 
Altas produtividades e boa qualidade dos frutos de laranja dependem de práticas culturais, 
que devem ser realizadas periodicamente no pomar com a finalidade de mantê-lo em 
condições adequadas. Alguns aspectos referentes à cultura e às variedades devem ser 
considerados na tomada de decisão de quais práticas agrícolas devem ser realizadas. Para a 
escolha de tais práticas, deve-se ter como referência os resultados de trabalhos de pesquisa 
que comprovem sua eficiência. Algumas informações pertinentes à produção de laranja são 
apresentadas a seguir. 
Clima e solo - De acordo com zoneamento climático para a cultura dos citros sob a 
coordenação do Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas do Estado de São 
Paulo (CIIAGRO), as faixas no mapa exposto na Figura 6, hachuradas nas cores verde (faixa 
que abrange a parte Centro-sul e Oeste do Planalto Paulista e o Vale do Paraíba) e amarelo 
(faixa que compreende praticamente toda a metade norte do Planalto Paulista), apresentam 
condições térmicas e hídricas satisfatórias para a citricultura em geral. Nas demais faixas, as 
restrições se agravam, pelo efeito de altas temperaturas, áreas montanhosas frias ou alta 
umidade relativa combinado com temperaturas altas, tornando-as marginais ou inaptas para 
a cultura do citros.
Figura 6. Mapa de zoneamento da aptidão climática para a citricultura do Estado de São 
Página 13 de 22 
Paulo. 
Fonte: CIIAGRO, 2013. 
Adubação - A adubação pode ser orgânica, mineral ou organo-mineral, aplicada com base 
nas análises de solo e na produtividade esperada, devendo ser parcelada de acordo as fases 
fenológicas da planta e idade do pomar. Normalmente, a adubação é dividida em adubação 
de plantio, de formação e de produção. 
Tratos culturais - Na condução do pomar, são realizadas podas escalonadas de três tipos: 
poda de formação, de limpeza e de rejuvenescimento. É importante observar que plantas 
cítricas bem conformadas e que se originaram a partir de mudas adequadamente 
produzidas, em geral dispensam as podas como prática de rotina. Para o manejo de plantas 
infestantes, pode ser utilizada uma cobertura vegetal no solo, que além de reduzir o uso de 
herbicidas, preserva as condições biológicas do solo, aumenta seu nível de umidade e 
controla a erosão. O recomendado é que o solo seja trabalhado o mínimo possível e que a 
presença das plantas infestantes no pomar seja tolerada até certo nível, a partir do qual é 
realizada uma limpeza de forma manual, mecânica ou química, nunca deixando o solo 
desprotegido. 
Controle de pragas e doenças - As principais doenças dos citros são o huanglongbing (HLB, 
ex-greening), clorose variegada dos citros (CVC), cancro cítrico e pinta preta. As demais 
pragas e doenças, como morte súbita do citros (MSC), leprose, podridão floral, declínio, 
gomose, ácaro da falsa ferrugem, larva minadora dos citros, bicho furão, verrugose,
melanose, tristeza (CTV), entre outras, são relativamente bem controladas pelos 
citricultores. 
Colheita - Ao contrário dos frutos climatéricos, a laranja deve ser colhida quando estiver 
com a maturação fisiológica completamente desenvolvida. A maturação caracteriza-se pelo 
aumento gradual de suco, decréscimo no teor de acidez, aumento de sólidos solúveis e 
desenvolvimento da cor, aroma e sabor. Tanto os frutos para consumo in natura, quanto 
aqueles destinados à indústria de suco, devem ser colhidos com o máximo cuidado, pois 
frutos batidos podem sofrer transformações físico-químicas, que acarretam redução no 
período de armazenamento e na qualidade do suco. Na colheita, geralmente são usados 
‘sacos de colheita’ apropriados, dos quais os frutos passam para as caixas que serão 
transportadas para o armazém de acondicionamento ou descarregados a granel. 
Página 14 de 22 
h) Estimativas de custos de produção 
A Tabela 10 apresenta a estimativa oficial do custo de produção de laranja em Bebedouro- 
SP, realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) para a safra de 2011. 
Observa-se que o custo total para se produzir uma caixa de laranja (cx 40,8 kg) foi estimado 
em R$ 13,90, o que corresponde a um custo total de R$ 9.964,60 por hectare, considerando 
um pomar com um estande de 400 pés/hectare e uma produtividade média de 1,79 
caixas/planta. 
O custo variável foi estimado em R$ 9,41/caixa de frutos produzida, o que equivale R$ 
6.740,84/hectare, representando uma participação de 67,5% no custo total de produção. A 
estimativa das despesas com custeio da lavoura compreende 77,8% do custo variável e 
52,7% do custo total de produção. 
Os custos da pós-colheita, baseados praticamente no transporte das frutas até a indústria, 
foram estimados em R$ 1,18/caixa, os quais, somados aos custos da assistência técnica, 
chegam a um montante em torno de R$ 117,26/hectare, representando aproximadamente 
10% do custo total de produção. 
O custo fixo, que inclui depreciações de benfeitorias, o pomar em si, máquinas e 
implementos, encargos trabalhistas e seguros, foi estimado em R$ 2,30/caixa, o que equivale 
a 16,5% do custo total de produção. 
O custo operacional foi estimado em R$ 8.388,16/hectare, correspondendo a um custo de 
R$ 11,71/caixa (cx 40,8 kg). 
O custo de oportunidade, ou seja, a remuneração esperada do capital fixo, incluindo o 
pomar e o valor da terra, foi estimado em R$ 2,19/caixa, ou R$ 1.576,00/hectare, 
correspondendo a 15,8% do custo total de produção.
Tabela 10. Custo de produção estimado para um pomar de laranja em Bebedouro - SP. Safra 
Página 15 de 22 
2011a. 
Discriminação (R$/ha) P/Caixa Participação(%) 
I - Despesas de custeio da lavoura 
1 - Operação com avião 0,00 0,00 0,00 
2 - Operação com máquinas 660,80 0,92 6,63 
3 - Aluguel de máquinas 0,00 0,00 0,00 
4 - Irrigação 22,80 0,03 0,23 
4 - Mão de obra temporária 1.320,00 1,84 13,25 
5 - Mão de obra fixa 543,20 0,76 5,45 
6 - Mudas 35,00 0,05 0,35 
7 - Fertilizantes 942,84 1,32 9,46 
8 - Defensivos 1.166,08 1,63 11,70 
9 - Outros (desp.adm./marcação de terraços e 
ruas/impostos e taxas) 
560,04 0,78 5,62 
Total das Despesas de Custeio da Lavoura (A) 5.250,76 7,33 52,69 
II - Despesas pós-colheita 
1 - Transporte externo 846,00 1,18 8,49 
2 - Recepção, limpeza, secagem e 
armazenagem 30-d 
0,00 0,00 0,00 
3 - PROAGRO 0,00 0,00 0,00 
4 - Assistência Técnica 117,26 0,16 1,18 
Total das Despesas Pós-Colheita (B) 963,26 1,34 9,67 
III - Despesas financeiras 
1 - Juros 526,82 0,74 5,29 
Total das Despesas Financeiras (C) 526,82 0,74 5,29 
CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) 6.740,84 9,41 67,65 
IV - Depreciações 
1 - Depreciação de benfeitorias/instalações 11,51 0,02 0,12 
2 - Depreciação de implementos 23,63 0,03 0,24 
3 - Depreciação de máquinas 35,58 0,05 0,36 
4 - Depreciação do pomar 1.238,36 1,73 12,43 
Total de Depreciações (E) 1.309,08 1,83 13,14 
V - Outros custos fixos 
1 - Manutenção periódica de máquinas 14,25 0,02 0,14 
2 - Encargos Sociais 320,49 0,45 3,22 
3 - Seguro do capital fixo 3,50 0,00 0,04 
Total de Outros Custos Fixos (F) 338,24 0,47 3,39 
Custo Fixo (E+F = G) 1.647,32 2,30 16,53 
CUSTO OPERACIONAL (D+G = H) 8.388,16 11,71 84,18 
VI - Renda de fatores 
1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 38,24 0,05 0,38 
2 - Remuneração esperada sobre o pomar 38,20 0,05 0,38 
3 - Terra 1.500,00 2,09 15,05 
Total de Renda de Fatores (I) 1.576,44 2,19 15,82 
CUSTO TOTAL (H+I = J) 9.964,60 13,90 100,00 
Fonte: CONAB/DIGEM/SUINF/GECUP. Ano Safra 2011. 
aCusto estimado com os seguintes parâmetros: população de 400 plantas/hectare; fase produtiva 
relativa ao 5° ano de produção; produtividade média de 1,79 caixa/planta; preços tomados em 
fevereiro de 2011; Local: Bebedouro, SP. 
Fonte: CONAB/DIGEM/SUINF/GECUP. Ano Safra 2011.
i) Fatores que influenciam a maior ou menor produção 
São vários os fatores que podem influenciar a maior ou menor produção de laranja. Estes 
fatores podem ser divididos em fatores climáticos, fitossanitários, econômicos, tecnológicos 
e infraestrutura logística. 
As condições climáticas, como a ocorrência de precipitação bem distribuída nas fases de 
florescimento até a colheita, são fundamentais para a obtenção de uma boa safra de laranja. 
A temperatura é outro fator que condiciona o cultivo. A ausência de geadas ou temperaturas 
muito baixas (abaixo de 15°C) são condições determinantes para o cultivo de laranja. 
A incidência de pragas e doenças nos pomares é outro fator decisivo para a produção. A 
ocorrência de doenças devastadoras como o HLB, CVC, cancro cítrico, pinta preta, entre 
outras, pode inviabilizar a produção de laranja. A ausência de monitoramento e controle, a 
depender do nível de incidência e severidade (nível de dano), pode levar a perdas totais da 
produção. 
Fatores econômicos, como os custos de produção e a regulação dos preços pagos pela caixa 
de laranja, são determinantes na tomada de decisão do citricultor em investir na lavoura, a 
exemplo do aumento ou redução da área plantada, maior ou menor intensidade de controle 
fitossanitário dos pomares, grau de adoção de tecnologias, entre outros aspectos. O 
comportamento do mercado, seja relativo à indústria processadora, seja ao relacionado à 
fruta fresca, este último em menor intensidade, pode influenciar a cadeia produtiva e, 
consequentemente, concorrer para o aumento ou redução da produção. 
A infraestrutura que permita o escoamento e absorção da produção, como, por exemplo, as 
unidades processadoras que transformam a laranja em suco concentrado, produto 
largamente aceito pelo mercado externo, é outro fator que concorre para o aumento da 
produção. 
O grau tecnológico utilizado pelos citricultores, como a renovação de pomares, plantios 
adensados, manejo correto da adubação, monitoramento de doenças, utilização de 
irrigação, uso de combinações copa/porta-enxerto adequadas, entre outras práticas 
culturais, favorecem o aumento da produtividade e, consequentemente, o aumento da 
produção. 
j) Ocorrência de pragas e existências de cinturões sanitários 
As pragas relacionadas no item g ocorrem no Estado de São Paulo afetando todas as 
variedades de laranja. Ainda nesse Estado, estabelece-se que: 
1) Materiais de propagação provenientes de municípios onde ocorre a morte súbita dos 
citros (MSC) não podem ser enviados às demais regiões do Estado (Portaria CDA 9, de 
26 de abril de 2002). 
2) Legislação estadual determina a erradicação de plantas portadoras de cancro cítrico 
(Portaria CDA 16, de 02 de junho de 2001). 
Página 16 de 22
3) Legislação federal determina a erradicação de plantas portadoras de huanglongbing 
(HLB) (Instrução Normativa MAPA - 53, de 16 de outubro de 2008). 
Página 17 de 22 
Huanglongbing (HLB, ex-greening) 
De acordo com levantamento amostral realizado em 2012, sob a coordenação do Fundo de 
Defesa da Citricultura (Fundecitrus), que compreendeu 3.371 talhões, com a inspeção de 
10% das árvores de cada talhão, constatou-se que 64,1% dos talhões tinham, ao menos, uma 
planta com HLB, o que significa uma expansão de 20% da doença nos pomares em relação 
ao ano de 2011. A Figura 7 resume a evolução percentual da incidência do HLB em talhões 
das regiões produtoras de citros do Estado de São Paulo. 
Figura 7. Evolução da incidência de HLB (huanglongbing, ex-greening) em talhões de 
pomares de citros nas regiões citrícolas do Estado de São Paulo. Dados não 
disponíveis para as regiões paulistas no ano de 2012. 
Fonte: Fundecitrus 2013. 
Analisando o levantamento com foco na incidência de árvores doentes, os dados do 
levantamento amostral realizado em 2012 apontam que o parque citrícola paulista 
apresenta 6,91% das árvores com HLB. O número representa um aumento de 82,8% em 
relação a 2011, quando 3,78% das plantas estavam com os sintomas da doença (Figura 8).
Figura 8. Porcentagem de plantas contaminadas com HLB (huanglongbing, ex-greening) nas 
regiões produtoras de citros do Estado de São Paulo. 
Página 18 de 22 
Fonte: Fundecitrus, 2013. 
Clorose variegada dos citros (CVC) 
Levantamento realizado pelo Fundecitrus em 2011 apontou que 40,3% das plantas 
amostradas estavam com sintomas da CVC. Em 2010, a incidência de CVC era de 35,5%. 
A região Norte continua sendo a mais afetada, com 59,7% de árvores doentes; seguida pelas 
regiões Noroeste (52,5%), Central (42,37%), Sul (30,49%) e Oeste (1,06%). O aumento da 
doença comprova que muitos citricultores deixaram de adotar medidas de prevenção, como 
o monitoramento e controle das cigarrinhas, inspeções dos pomares e podas de ramos 
sintomáticos ou eliminação de plantas doentes (Figura 9).
Figura 9. Incidência de plantas com sintomas de clorose variegada dos citros (CVC) nas 
regiões citrícolas do Estado de São Paulo, apontada por levantamento amostral 
realizado pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). 
Página 19 de 22 
Fonte: Fundecitrus, 2013. 
Cancro cítrico 
A incidência e distribuição do cancro cítrico no parque citrícola paulista são monitoradas 
pelo Fundecitrus desde o ano de 1999, através de levantamento amostral. Observa-se 
(Figura 10) que a região Noroeste é a que apresenta o maior índice de incidência da doença, 
seguida da região Oeste. 
Analisando a incidência consolidada no Estado de São Paulo, observa-se que a doença vem 
apresentando um aumento considerável no número de talhões contaminados. No ano de 
2009, a incidência era de 0,14% dos talhões e, em 2012, este índice atingiu 1,39% dos 
talhões existentes, o que corresponde a uma variação de 40,4% em relação a 2011, que 
apontou uma incidência de aproximadamente 1,0% dos talhões contaminados com cancro 
cítrico (Figura 10).
Figura 10. Incidência de talhões contaminados com cancro cítrico nas regiões citrícolas do 
Estado de São Paulo, apontada por levantamento amostral realizado pelo Fundo 
de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). 
Página 20 de 22 
Fonte: Fundecitrus, 2013. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
ALICEWEB - SISTEMA DE ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR. Secretaria de 
Comércio Exterior. Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX). Ministério do 
Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Aliceweb2: exportação 1997-2012. 
Disponível em: <http://aliceweb2.mdic.gov.br/index/home>. Acesso em: 24 jan. 2013. 
BRASIL. Instrução Normativa MAPA 53, de 16 de outubro de 2008. Aprova os critérios e 
procedimentos para a realização, por parte dos órgãos estaduais de defesa sanitária vegetal 
- OEDSVS das instâncias intermediárias integrantes do sistema unificado de atenção à 
sanidade agropecuária, dos levantamentos de ocorrência da praga denominada 
huanglongbing (HLB) - greening, que tem como agente etiológico a bactéria candidatus 
liberibacter sp., em plantas hospedeiras constantes da lista oficial de pragas quarentenárias 
presentes, visando à delimitação da extensão das áreas afetadas e à adoção de medidas de 
prevenção e erradicação. 
CDA – COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dados da 
Citricultura do Estado de São Paulo Por variedade (Total por Escritório de Defesa 
Agropecuária - EDA e Município) Base: 1º Semestre 2012. 2012. Disponível em:
<http://www.defesaagropecuaria.sp.gov.br/www/gdsv/dadosCitriculturaPaulistaArquivos/P 
orVariedade-TotalMunicipio.pdf> Acesso em: 29 jan. 2013. 
CIIAGRO - CENTRO INTEGRADO DE INFORMAÇÕES AGROMETEOROLÓGICAS. Zoneamento 
Macro - Aptidão Climática para a Citricultura. 2013. Disponível em: 
<http://www.ciiagro.sp.gov.br/znmt_macro_12.html> Acesso em: 01 fev. 2013. 
CITRUSBR. Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos. Exportações de suco de 
laranja em FCOJ Equivalente, 2012. Disponível em: 
<http://www.citrusbr.com/exportadores-citricos/comercio/exportacoes-totais-de-suco-de-laranja- 
fcoj-equivalente-249531-1.asp>. Acesso em: 24 jan. 2013. 
CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da Safra 
Brasileira. Laranja Safra 2011/2012. Terceiro Levantamento – SP. Estimativa da Safra no 
Triângulo Mineiro – MG. Dezembro/2011. Disponível em: 
<http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/12_05_17_17_48_56_boletim_lara 
nja_dez_2011.pdf > Acesso em: 30 jan. 2013. 
CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Custos de Produção - Culturas 
Permanentes. 2011. Disponível em 
<http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1282&t=2&Pagina_objcmsconteudos=2#A_ob 
jcmsconteudos> Acesso em: 24 jan. 2013. 
DONADIO, L. C, STUCHI, E. S. POZZAN, M. SEMPIONATO, O. R. Novas variedades e clones de 
laranja para a indústria. Boletim Citrícola, n° 8, 1999. Jaboticabal. UNESP/FUNEP/EECCB. 
42p. 
FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 2013a. 
Production (2011). Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/567/default.aspx#ancor>. 
Acesso em: 28 jan. 2013a. 
FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 2013b. Trade 
(2010). Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/535/default.aspx#ancor>. Acesso em: 28 
jan. 2013b. 
FUNDECITRUS – FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA. Levantamento Amostral. Disponível 
em: <http://www.fundecitrus.com.br/Pagina/Levantamento-amostral,106> Acesso em: 30 
jan. 2013. 
IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS. Sistema de Recuperação 
Automática – SIDRA. Disponível em: 
<http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1613&z=t&o=11>. Acesso em: 24 
jan. 2013. 
IEA - INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Análises e Indicadores do Agronegócio. Previsões 
e estimativas das safras agrícolas do estado de São Paulo, ano agrícola 2012/13, intenção de 
plantio, e levantamento final, ano agrícola 2011/12, setembro de 2012, v. 7, n. 11, Nov., 
Página 21 de 22
2012. Disponível em: <ftp://ftp.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-62-2012.pdf>. Acesso em: 30 jan. 
2013. 
LOPES, A. P. Assunto do Email [Estatísticas de Comercialização de Frutas Tropicais]. 
Mensagem recebida por <cicero@cnpmf.embrapa.br> em 28 ago. 2012. 
O DIARIO ONLINE. Indústria tem produção agrícola própria de 130 milhões de caixas de 
laranja e “esmaga” pequeno citricultor. Disponível em: 
<http://www.odiarioonline.com.br/noticia/7809//noticia/7809/INDUSTRIA-TEM-PRODUCAO- 
AGRICOLA-PROPRIA-DE-130-MILHOES-DE-CAIXAS-DE-LARANJA-E-ESMAGA-PEQUENO- 
CITRICULTOR> Acesso em: 01 fev. 2013. 
PIO, R. M.; FIGUEIREDO, J. O.; STUCHI, E. S.; CARDOSO, S. A. B. Variedades copas. In: 
MATTOS JUNIOR, D.; DE NEGRI, J. D.; PIO, R. M.; POMPEU JUNIOR, J. (eds). Citros. Campinas: 
Instituto Argonômico e Fundag. 2005. 929 p. 
NEVES, M. F. ; TROMBIN, V. G. ; MILAN, P. ; LOPES, F. F. ; PEREIRA, F. C. ; KALAKI, R. B. O 
Retrato da Citricultura Brasileira. 1. ed. Ribeirão Preto: , 2010. v. 1. 137p. 
NEVES, M. F.; TROMBIN, V. G. A Demanda mundial de sucos de frutas e o impacto na laranja 
brasileira. Coopercitrus: Revista agropecuária, v. 279, Jan., 2013, Disponível em: 
<http://www.revistacoopercitrus.com.br/?pag=materia&codigo=5745>. Acesso em: 24 jan. 
2013. 
SÃO PAULO. Instrução Normativa 10, de 18 de março de 2005. SECRETARIA DE DEFESA 
AGROPECUÁRIA. Dar continuidade aos trabalhos de levantamento da ocorrência do 
Greening (HLB), visando delimitar a extensão das áreas afetadas e adotar medidas de 
prevenção e erradicação. 
SÃO PAULO. Portaria CDA 16, de 02 de junho de 2001. A propriedade ou imóvel no qual 
fique comprovada a ocorrência da doença Cancro Cítrico fica interditada de acordo com as 
disposições da Portaria MA 291, de 23/07/97. 
SÃO PAULO. Portaria CDA 9, de 26 de abril de 2002. Disciplina o trânsito, a produção e a 
comercialização de material cítrico no Estado de São Paulo e dá outras providências. 
SÃO PAULO. Portaria CDA 5, de 3 de fevereiro de 2005. Estabelece normas de medidas de 
defesa sanitária vegetal e certificação de conformidade fitossanitária de mudas cítricas no 
Estado de São Paulo. Ratificada pela Resolução SAA - 10 DE 29.03.2006. 
SÃO PAULO. Resolução SAA 10, de 29 de março de 2006. Ratifica os termos da Portaria CDA- 
5, de 03 de fevereiro de 2005, a Instrução Normativa nº 16, de 18/03/2003 e Instrução 
Normativa nº 10, de 18 de março de 2005 que restringem a produção de mudas a “céu 
aberto”. 
Página 22 de 22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4. biofertilizante
4. biofertilizante4. biofertilizante
4. biofertilizante
Alexandre Panerai
 
Melhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrusMelhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrus
Luciano Marques
 
Colheita e Comercialização do Girassol
Colheita e Comercialização do GirassolColheita e Comercialização do Girassol
Colheita e Comercialização do Girassol
Geagra UFG
 
Manejo da resistência à inseticidas
Manejo da resistência à inseticidasManejo da resistência à inseticidas
Manejo da resistência à inseticidas
IRAC-BR
 
Panicum forragicultura
Panicum forragiculturaPanicum forragicultura
Panicum forragicultura
Bel Cardoso
 
Doenças soja
Doenças soja Doenças soja
Doenças soja
André Sá
 
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Revista Cafeicultura
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Credencio Maunze
 
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheioExtensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Evangela Gielow
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Oxya Agro e Biociências
 
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª SafraEscolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Geagra UFG
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
Agricultura Sao Paulo
 
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura BrasileiraEnfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Oxya Agro e Biociências
 
Estratégia de Governança Digital
Estratégia de Governança DigitalEstratégia de Governança Digital
Estratégia de Governança Digital
Colaborativismo
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
Luis Deleprane
 
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Rural Pecuária
 
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

4. biofertilizante
4. biofertilizante4. biofertilizante
4. biofertilizante
 
Melhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrusMelhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrus
 
Colheita e Comercialização do Girassol
Colheita e Comercialização do GirassolColheita e Comercialização do Girassol
Colheita e Comercialização do Girassol
 
Manejo da resistência à inseticidas
Manejo da resistência à inseticidasManejo da resistência à inseticidas
Manejo da resistência à inseticidas
 
Panicum forragicultura
Panicum forragiculturaPanicum forragicultura
Panicum forragicultura
 
Doenças soja
Doenças soja Doenças soja
Doenças soja
 
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
 
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheioExtensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheio
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
 
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª SafraEscolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
 
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura BrasileiraEnfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
 
Estratégia de Governança Digital
Estratégia de Governança DigitalEstratégia de Governança Digital
Estratégia de Governança Digital
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
 
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
 
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 

Semelhante a Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo

Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
 
Relatório Coronavírus - 25 de junho
Relatório Coronavírus - 25 de junhoRelatório Coronavírus - 25 de junho
Relatório Coronavírus - 25 de junho
José Florentino
 
Seminário do Café do CCCMG
Seminário do Café do CCCMGSeminário do Café do CCCMG
Seminário do Café do CCCMG
Luiz Valeriano
 
Clipping cnc 17062015 versão de impressão
Clipping cnc 17062015   versão de impressãoClipping cnc 17062015   versão de impressão
Clipping cnc 17062015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
Cássio Gonçalves
 
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estadoapresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
GilsonRibeiroNachtig
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
gpcoutinho
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
gpcoutinho
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
gpcoutinho
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
gpcoutinho
 
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Rural Pecuária
 
Análise de café verde descascado
Análise de café verde descascadoAnálise de café verde descascado
Análise de café verde descascado
Gilson Marcomini
 
Cadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliçasCadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliças
Prefeitura Municipal de Ubá
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Luiz Valeriano
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
Killer Max
 
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Rural Pecuária
 
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
Revista Cafeicultura
 
Produção Agrícola Municipal 2012
Produção Agrícola Municipal 2012Produção Agrícola Municipal 2012
Produção Agrícola Municipal 2012
Portal Canal Rural
 
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
João Siqueira da Mata
 
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇADINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
Gecca
 

Semelhante a Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo (20)

Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
 
Relatório Coronavírus - 25 de junho
Relatório Coronavírus - 25 de junhoRelatório Coronavírus - 25 de junho
Relatório Coronavírus - 25 de junho
 
Seminário do Café do CCCMG
Seminário do Café do CCCMGSeminário do Café do CCCMG
Seminário do Café do CCCMG
 
Clipping cnc 17062015 versão de impressão
Clipping cnc 17062015   versão de impressãoClipping cnc 17062015   versão de impressão
Clipping cnc 17062015 versão de impressão
 
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
Participação das principais frutas brasileiras no comércio internacional 1997...
 
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estadoapresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
apresentaÇÃO FRUTAS DO PARANÁ, dados do estado
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
 
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportaçãoModelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
Modelos de produção e comércio de abacaxi para o mercado interno e de exportação
 
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
 
Análise de café verde descascado
Análise de café verde descascadoAnálise de café verde descascado
Análise de café verde descascado
 
Cadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliçasCadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliças
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
 
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
Café arábica e robusta uma análise da produção, consumo e dos blends nos dive...
 
Produção Agrícola Municipal 2012
Produção Agrícola Municipal 2012Produção Agrícola Municipal 2012
Produção Agrícola Municipal 2012
 
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
Caracterização dos produtores e do sistema de produção de uvas na regional de...
 
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇADINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
DINÂMICAS E PERSPECTIVAS DO MERCADO DA CACHAÇA
 

Mais de Luciano Marques

Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Luciano Marques
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
Luciano Marques
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Luciano Marques
 
Greening do Citros
Greening do CitrosGreening do Citros
Greening do Citros
Luciano Marques
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
Luciano Marques
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
Luciano Marques
 
seja doutor do seu citros
seja doutor do seu citrosseja doutor do seu citros
seja doutor do seu citros
Luciano Marques
 
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucarFisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Luciano Marques
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
Luciano Marques
 

Mais de Luciano Marques (9)

Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
Greening do Citros
Greening do CitrosGreening do Citros
Greening do Citros
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
seja doutor do seu citros
seja doutor do seu citrosseja doutor do seu citros
seja doutor do seu citros
 
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucarFisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo

  • 1. Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo Texto elaborado pela Equipe Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura 1. Considerações gerais a respeito da produção de laranja A citricultura brasileira está altamente concentrada na produção de laranjas doces, com cerca de 90% do total da produção nacional de citros, conforme Figura 1. Página 1 de 22 Laranja 90,3% Lima Ácida e Limão 5,1% Tangerina 4,6% Figura 1. Distribuição da produção brasileira de frutas cítricas. 2011. Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. Neste contexto a região Sudeste destaca-se como a de maior importância do País (Figura 2). 9,8% 1,4% 81,8% 0,7% 6,3% Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Figura 2. Produção brasileira de laranjas doces segundo as diversas regiões geográficas. 2011. Fonte: Adaptado de IBGE, 2013.
  • 2. O Estado de São Paulo, por sua vez, detém quase 80% da produção nacional de laranjas (Tabela 1). Tabela 1. Produção brasileira de laranja. 2011. Área Colhida Produção Página 2 de 22 Estados (ha) Volume (t) % São Paulo 563.952 15.293.506 77,2 Bahia 63.303 1.030.763 5,2 Minas Gerais 32.964 824.041 4,2 Sergipe 56.542 822.468 4,2 Paraná 27.143 784.543 4,0 Rio Grande do Sul 27.654 391.692 2,0 Pará 12.056 201.458 1,0 Goiás 6.613 121.866 0,6 Santa Catarina 5.273 81.228 0,4 Rio de Janeiro 4.454 65.032 0,3 Alagoas 4.310 49.219 0,2 Amazonas 2.658 41.917 0,2 Espírito Santo 1.595 17.563 0,1 Ceará 1.850 15.963 0,1 Mato Grosso do Sul 519 11.012 0,1 Amapá 1.090 10.775 0,1 Paraíba 990 7.379 0,0 Maranhão 1.084 6.713 0,0 Rondônia 490 5.643 0,0 Distrito Federal 221 5.304 0,0 Acre 331 4.778 0,0 Piauí 419 4.077 0,0 Pernambuco 808 4.057 0,0 Mato Grosso 393 3.376 0,0 Rio Grande do Norte 200 2.423 0,0 Roraima 222 2.153 0,0 Tocantins 158 2.115 0,0 BRASIL 817.292 19.811.064 100,0 Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. No Estado de São Paulo (Figura 3), as principais variedades de laranja doce são: Pera (29,0%), Valência (28,5%), Hamlin (12,7%) e Natal (10,9%) (CDA, 2012).
  • 3. Figura 3. Composição de cultivares copa de laranja no parque citrícola do Estado de São Página 3 de 22 Paulo. Fonte: Adaptado de CDA, 2012. Essas variedades têm como principal destino a indústria de sucos, à exceção da Pera, em relação à qual pequena parte do volume de frutos produzido é absorvida pelo mercado interno de frutas frescas. Este mercado compreende 14% do total de laranja produzida pelo cinturão citrícola do Estado de São Paulo, sendo, portanto, os 86% restantes direcionados à indústria. Conforme dados de comercialização de frutos pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (CEAGESP), tem-se que a Pera é a principal variedade de laranja para consumo de mesa, representando cerca de 80% do total de fruta comercializada nessa central de abastecimento (Tabela 2). Tabela 2. Comercialização de laranjas pela CEAGESP em 2011. Variedade (t) (%) Pera 256.940 79,6 Lima 43.681 13,5 Baia 14.662 4,5 Seleta 5.714 1,8 Valência 1.870 0,6 Total 322.866 100,0 Fonte: Lopes, A. P. (comunicação pessoal). Seção de Economia e Desenvolvimento (SEDES), CEAGESP, 2012. A análise desse conjunto de informações mostra claramente uma alta concentração da citricultura paulista na indústria de sucos, que, em última análise, é quem dita os preços da
  • 4. fruta. Atualmente o parque citrícola paulista tem cerca de 36% sob o domínio direto (pomares próprios) das indústrias de suco, o que reforça a participação destas na composição do preço final da fruta. Vale ressaltar que o que se assiste atualmente é uma crescente concentração da produção paulista de laranjas nas mãos da indústria, haja vista que esta, em 2002, produzia 10 milhões de caixas de laranja, passando a 130 milhões em 2012, com tendência de aumento (O Diário on line, 2012). Diversos fatores têm determinado uma baixa absorção, pela indústria de suco, da laranja produzida por citricultores independentes, levando a um desestímulo destes em relação à sua permanência na cultura dos citros, atualmente a 5ª em valor da produção agrícola nacional, atrás somente da soja, cana-de-açúcar, milho e café (IBGE, 2013). Esses fatores compreendem: 1) Oferta de sucos, néctares e refrescos de diversas frutas no mercado internacional, concorrendo com o suco de laranja (NEVES; TROMBIN, 2013). 2) Queda das exportações brasileiras de suco (Figura 4), como reflexo da crise econômica, principalmente na Europa, nosso maior comprador. Exportações Brasileiras de FCOJ equivalente*, em toneladas Página 4 de 22 1.600.000 1.400.000 1.200.000 1.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Figura 4. Exportações brasileiras de FCOJ (suco de laranja concentrado e congelado) equivalente, em toneladas (2007-2012). Fonte: CITRUSBR, 2013. A partir de dados primários de AliceWeb, 2012. * As exportações de suco de laranja consideram: suco congelado e concentrado (FCOJ), suco não concentrado (NFC) e outros tipos de suco. Para expressar o volume total de suco exportado, englobando essas três categorias de suco, foi criado o conceito de FCOJ equivalente, que converte o volume do suco não concentrado em um valor equivalente ao concentrado. 3) Aumento das últimas safras de laranja: 2011 e 2012. A Figura 5 indica que em 2011 houve um aumento da safra de laranja no Estado de São
  • 5. Paulo, superando a produção média, em torno de 14,3 milhões de toneladas de frutas, que, em termos gerais, vinha se repetindo ao longo dos anos anteriores (2007-2010). Nota-se que o comportamento da citricultura paulista, por seu expressivo volume de produção, praticamente determina a tendência da citricultura brasileira (Figura 5). Reportando-se à safra 2012, esta também foi estimada acima do normal, da ordem de 364 milhões de caixas de 40,8 kg (IEA, 2013). Página 5 de 22 19.811.064 18.503.139 17.618.450 18.684.985 18.538.084 15.293.506 14.537.610 13.642.165 14.269.383 14.904.621 30.000.000 20.000.000 10.000.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Brasil São Paulo Figura 5. Desempenho da cultura da laranja no Brasil e São Paulo no período 2007-2011. Fonte: Adaptado de IBGE, 2013. 4) Altos estoques de sucos armazenados pela indústria. Os fatores anteriormente tratados levaram à formação de elevados estoques de suco, a ponto do Conselho Monetário Nacional (CMN) aplicar, a partir de 2011, a Linha Especial de Crédito (LEC) a esses estoques, de modo a mantê-los parcialmente indisponíveis à exportação, no intuito de impedir o aviltamento do preço pago pelos importadores. Em outras palavras, a LEC destina recursos para indústrias e cooperativas estocarem suco de laranja, de forma a manter elevada a cotação do produto no mercado internacional. Segundo Christian Lohbauer, presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), “A LEC é uma forma de garantir renda aos produtores, pois muitos deles corriam o risco de quebrar. Em contrapartida, a indústria brasileira de suco de laranja se comprometeu a comprar pelo menos 40 milhões de caixas do produto”. Nesse cenário o que se vê é que a indústria tem priorizado o processamento de sua própria fruta. Diante do exposto, tem-se que o quadro atual da citricultura paulista é extremamente crítico. Dentre os citricultores os mais prejudicados são os pequenos e médios, que se encontram em geral descapitalizados, situação esta agravada pelo não escoamento esperado das safras produzidas nos últimos dois anos e pela baixa produtividade de seus pomares, reflexo inequívoco da não adoção de tecnologias modernas, em oposição ao que se verifica junto aos maiores produtores, mais capitalizados, dentre os quais se incluem os empresários
  • 6. da indústria. Esse desestímulo contribui fortemente para a progressão de fatores de risco comprometedores da sustentabilidade do parque citrícola paulista, a exemplo do huanglongbing (HLB, ex-greening), que é o mais grave, seguido de outros também importantes como o cancro cítrico, clorose variegada dos citros (CVC) e pinta preta. Dentro de uma estratégia voltada à proteção da citricultura paulista, é indiscutível a necessidade de estabelecer mecanismos que favoreçam a boa relação entre a indústria e citricultores. É fundamental, também, a abertura de outras vias de escoamento da produção, destacando-se, aqui, o mercado de frutas frescas. O cultivo de variedades mais adequadas a essa finalidade, portanto, é fundamental. O exemplo da Espanha mostra-nos claramente a importância do mercado de frutas in natura. Esse país mediterrâneo, com uma área plantada de cerca de 1/3 daquela ocupada pela citricultura nacional (FAO, 2013a), aufere divisas da ordem de US$ 3 bilhões com a exportação de laranjas (US$ 1,2 bilhão) e tangerinas (US$ 1,7 bilhão) (FAO, 2013b), quantitativo este superior aos US$ 2,3 bilhões obtidos anualmente pelo Brasil com a exportação de suco (BRASIL, 2012). Página 6 de 22
  • 7. 2. Principais variedades de laranjeira doce a) Características da fruta Valores médios de uma série de atributos de qualidade de frutos das principais variedades utilizadas pela indústria encontram-se na Tabela 3. Tabela 3. Características médias obtidas para o processamento de laranja doce na região Norte do Estado de São Paulo e valores médios de referência. Variáveis Hamlin Pera Natal Valência Época de colheita* Julho/Agosto Julho/Dezembro Agosto/Janeiro Agosto/Janeiro Tamanho médio do fruto 303 277 262 247 (n°/cx - 40,8 kg) * Página 7 de 22 Sabor do suco ("score", 36- 40) ** 33 / 32,4 36,9 /36,8 37 / 36,9 37 / 36,9 Cor do suco ("score, 36-40) 34,8* / 32,8** 37,3* / 36,94** 37,1* / 37,3** 37,1* / 37,3** Sólidos Solúveis Totais - SST 10,70 - 11,67 11,14 - 12,14 10,56 - 11,83 10,56 - 11,83 (°Brix) * Acidez* 0,71 - 0,75 0,58 - 0,86 0,76 - 1,06 0,76 - 1,06 "Ratio" (SST/Acidez)* 14,22 - 16,22 12,94 - 20,75 9,90 - 19,20 9,90 - 19,20 % Suco* 51,7 - 51,8 56,7 -59,2 52,6 - 56,8 52,6 - 56,8 Índice Tecnológico - IT (kg 2,25 - 2,46 2,68 - 2,85 2,42 - 2,73 2,42 - 2,73 SST/ cx) * Vitamina C (mg/100ml) ** 322 256 239 239 Polpa (mL/100mL - % v./v.) 8 -12 *** Óleo no Suco (mL/100 mL - % v./v.) *** 0,008 - 0,010 Prolina mg/L** 586 1.197 1.641 1.641 * Segundo Nonino (1995) para frutas da região Norte do Estado de São Paulo. ** Segundo Di Giorgi et al. (1990) e Di Giorgi et al. (1993). *** Segundo Kimball (1991), valores em uso comercial para suco de laranja em geral. Fonte: Boletim Citrícola, n° 8, 1999. UNESP/FUNEP/EECCB. b) Período de Safra O período de safra da laranja no Estado de São Paulo concentra-se de julho a dezembro. As Tabelas 4 e 5 resumem a concentração do período de colheita das principais variedades plantadas no Estado de São Paulo.
  • 8. Tabela 4. Épocas de colheita de frutos das principais variedades de laranja no Estado de São Página 8 de 22 Pauloa. Variedade Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Pera Hamlin Natal Valência aHachurado escuro representa épocas principais de colheita; hachurado claro, épocas de colheitas menores. As informações referem-se a pomares não irrigados e situados nas condições médias de clima do planalto paulista. Fonte: Adaptado de Pio et al., 2005. Tabela 5. Estimativas do percentual de colheita da safra de laranja (safra 2011/12) no Estado de São Paulo. Última estimativa1, novembro de 2011. Intervalo de confiança Variável Estimativa Inferior Superior Coeficiente de variação Maio 2011 1,5% 1,1 1,8 23,3 Junho 2011 6,1% 5,1 7,0 15,5 Julho 2011 10,3% 9,4 11,1 8,6 Agosto 2011 17,9% 14,8 21,0 17,1 Setembro 2011 17,6% 15,4 19,8 12,4 Outubro 2011 17,1% 15,6 18,7 9,0 Novembro 2011 14,7% 13,4 15,9 8,6 Dezembro 2011 9,6% 8,5 10,7 11,4 Janeiro 2012 4,0% 3,6 4,3 9,3 Fevereiro 2012 1,3% 1,1 1,4 13,1 1 Inclui produção de pomares não expressivos economicamente e perdas relativas ao processo produtivo e a colheita. Fonte: CONAB/CATI/IEA, 2011. c) Localização geográfica de plantações Os principais municípios produtores de laranja no Estado de São Paulo e suas respectivas distribuições de variedades encontram-se na Tabela 6.
  • 9. Tabela 6. Distribuição das quatro principais variedades de laranja plantadas no Estado de São Paulo nos dez maiores municípios produtores do Cinturão Citrícola Paulista. Municípios Variedades Talhões Nº de Plantas* % no Município Hamlin 135 314.501 5,49 Natal 230 701.316 12,25 Pera 485 1.845.922 32,25 Página 9 de 22 Casa Branca Valência 629 1.697.433 29,65 Hamlin 877 1.267.929 21,36 Natal 235 380.783 6,42 Pera 550 899.678 15,16 Itápolis Valência 1.755 2.548.729 42,94 Hamlin 77 274.723 10,38 Natal 204 799.763 30,22 Pera 244 815.552 30,81 Itapetininga Valência 164 612.559 23,14 Hamlin 186 857.154 12,59 Natal 137 620.619 9,12 Pera 460 1.750.056 25,71 Mogi Guaçu Valência 530 2.184.799 32,09 Hamlin 121 568.229 12,22 Natal 123 521.361 11,22 Pera 200 1.295.225 27,86 Boa Esperança do Sul Valência 323 1.672.450 35,98 Hamlin 112 543.865 9,96 Natal 149 531.555 9,73 Pera 231 1.217.789 22,3 Brotas Valência 453 2.364.385 43,29 Hamlin 317 669.698 18,16 Natal 220 482.694 13,09 Pera 469 1.127.221 30,56 Bebedouro Valência 287 824.595 22,36 Hamlin 105 624.233 9,66 Natal 169 845.670 13,09 Pera 421 1.950.743 30,19 Botucatu Valência 322 1.657.315 25,65 Hamlin 111 1.017.217 27,03 Natal 60 414.012 11 Pera 93 794.361 21,11 Colômbia Valência 178 1.191.477 31,66 * Número de plantas de cada variedade (Hamlin, Natal, Pera e Valência) apontado em levantamento realizado pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA). Ano Base 2012. Fonte: Extraído de Dados da Citricultura Paulista. (CDA). Ano Base 2012.
  • 10. d) Área plantada, volume de produção e produtividade As informações acerca da área plantada, volume de produção e produtividade de laranja estão descritas na Tabela 7, estimadas sob a coordenação da CONAB/CATI/IEA para o Estado de São Paulo. Tabela 7. Estimativas da safra de laranja (safra 2011/2012 no Estado de São Paulo. Novembro de 2011. Data da publicação: dezembro de 2011. Página 10 de 22 Intervalo de confiança Variável Unidade Estimativa Inferior Superior Coeficiente de variação Safra 2011/2012 Área com laranja Pomares em formação Hectare 44.127 36.448 51.805 17,4 Pomares em produção Hectare 525.514 505.018 546.009 3,9 Número de plantas Pomares em formação Número 22.347.121 18.212.904 26.481.339 18,5 Pomares em produção Número 202.368.901 194.881.252 209.856.550 3,7 Produção esperada Safra 2011/2012 Produção comercial cx. 40,8kg 375.743.282 361.465.037 390.021.527 3,8 Produção esperada para cx. 40,8kg 334.411.521 316.353.299 352.469.743 5,4 indústria Produção esperada para mesa cx. 40,8kg 41.331.761 33.313.399 49.350.123 19,4 Produção não comercial e perdas1 cx. 40,8kg 9.126.626 7.611.606 10.641.646 16,6 Produtividade média cx.40,8kg/ha 715,0 687,0 743,0 3,9 *Inclui produção de pomares não expressivos economicamente e perdas relativas ao processo produtivo e à colheita. Fonte: CONAB/CATI/IEA, 2011. e) Relação entre o tamanho da propriedade e a produtividade A estratificação da produção de laranja em função de tamanho de propriedade e classe de produtividade constam, respectivamente, nas Tabelas 8 e 9. Observa-se, claramente, que quanto maior o tamanho da área plantada, maior é a produtividade.
  • 11. Tabela 8. Tamanho da propriedade de produtores de citros do Estado de São Paulo no ano Página 11 de 22 de 2012. Número de plantas Quantidade de propriedades Frequência relativa (%) Quantidade de plantas Frequência relativa (%) Menor de 200 1.009 5,71 37.550 0,02 201 - 1.000 2.962 16,76 1.904.595 0,84 1.001 - 5.000 8.026 45,41 20.366.908 8,97 5.001 - 10.000 2.475 14,00 17.478.345 7,70 10.001 - 15.000 937 5,30 11.584.160 5,10 15.001 - 20.000 479 2,71 8.310.994 3,66 20.001 - 25.000 316 1,79 7.060.070 3,11 25.001 - 30.000 203 1,15 5.541.976 2,44 30.001 - 40.000 288 1,63 10.000.985 4,40 40.001 - 50.000 183 1,04 8.192.472 3,61 50.001 - 60.000 146 0,83 7.982.306 3,52 60.001 - 80.000 186 1,05 12.757.447 5,62 80.001 - 100.000 106 0,60 9.462.729 4,17 100.001 - 200.000 193 1,09 27.071.858 11,92 200.001 - 300.000 63 0,36 15.449.744 6,80 300.001 - 500.000 55 0,31 20.861.410 9,19 500.001 - 1.000.000 38 0,21 25.114.165 11,06 Acima de 1.000.000 10 0,06 17.906.084 7,89 Total 17.675 100,00 227.083.798 100,00 Fonte: Adaptado de Dados da Citricultura do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA). Base: 1° Semestre de 2012. Tabela 9. Estratificação da produção de laranja por faixa de produtividade na safra 2009/2010*. Faixa de produtividade em caixas / ha % dos Hectares % das Caixas Volume de caixas produzidas por faixa de produtividade Produtividade (cx./ha) Acima de 1.400 2% 5% 16 milhões 1.655 Entre 1.100 e 1.399 7% 13% 41 milhões 1.209 Entre 800 e 1.099 19% 29% 92 milhões 933 Entre 500 e 799 28% 30% 95 milhões 639 Entre 200 e 499 36% 21% 67 milhões 345 Abaixo de 200 8% 2% 6 milhões 138 Total 100% 100% 317,4 milhões 607 Total acima de 500 56% 77% 244,4 milhões 909 Total abaixo de 499 44% 23% 73 milhões 280 *Elaborado por Markestrat a partir de CitrusBR, considerando dados dos associados. Fonte: Neves et al., 2010.
  • 12. Página 12 de 22 f) Mudas e tecnologias utilizadas A muda de citros é composta pela combinação de uma variedade porta-enxerto com uma variedade copa, sendo exigidos critérios específicos em relação à formação dos porta-enxertos e da muda propriamente dita. A legislação atual no Estado de São Paulo exige proteção do viveiro com tela antiafídicos para produção de porta-enxertos, mudas de citros e mudas certificadas. É exigido material vegetal (sementes e borbulhas) oriundo de plantas matrizes e borbulheiras registradas. As informações pertinentes à produção e comercialização de mudas cítricas no Estado de São Paulo estão detalhadamente dispostas nos instrumentos legais a seguir citados: · Portaria CDA 5, de 03 de fevereiro de 2005. · Instrução Normativa 10, de 18 de março de 2005. · Resolução SAA 10, de 29 de março de 2006. g) Técnicas de produção e aspectos relacionados ao clima, solo, irrigação, adubação, manejo, entre outros Altas produtividades e boa qualidade dos frutos de laranja dependem de práticas culturais, que devem ser realizadas periodicamente no pomar com a finalidade de mantê-lo em condições adequadas. Alguns aspectos referentes à cultura e às variedades devem ser considerados na tomada de decisão de quais práticas agrícolas devem ser realizadas. Para a escolha de tais práticas, deve-se ter como referência os resultados de trabalhos de pesquisa que comprovem sua eficiência. Algumas informações pertinentes à produção de laranja são apresentadas a seguir. Clima e solo - De acordo com zoneamento climático para a cultura dos citros sob a coordenação do Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas do Estado de São Paulo (CIIAGRO), as faixas no mapa exposto na Figura 6, hachuradas nas cores verde (faixa que abrange a parte Centro-sul e Oeste do Planalto Paulista e o Vale do Paraíba) e amarelo (faixa que compreende praticamente toda a metade norte do Planalto Paulista), apresentam condições térmicas e hídricas satisfatórias para a citricultura em geral. Nas demais faixas, as restrições se agravam, pelo efeito de altas temperaturas, áreas montanhosas frias ou alta umidade relativa combinado com temperaturas altas, tornando-as marginais ou inaptas para a cultura do citros.
  • 13. Figura 6. Mapa de zoneamento da aptidão climática para a citricultura do Estado de São Página 13 de 22 Paulo. Fonte: CIIAGRO, 2013. Adubação - A adubação pode ser orgânica, mineral ou organo-mineral, aplicada com base nas análises de solo e na produtividade esperada, devendo ser parcelada de acordo as fases fenológicas da planta e idade do pomar. Normalmente, a adubação é dividida em adubação de plantio, de formação e de produção. Tratos culturais - Na condução do pomar, são realizadas podas escalonadas de três tipos: poda de formação, de limpeza e de rejuvenescimento. É importante observar que plantas cítricas bem conformadas e que se originaram a partir de mudas adequadamente produzidas, em geral dispensam as podas como prática de rotina. Para o manejo de plantas infestantes, pode ser utilizada uma cobertura vegetal no solo, que além de reduzir o uso de herbicidas, preserva as condições biológicas do solo, aumenta seu nível de umidade e controla a erosão. O recomendado é que o solo seja trabalhado o mínimo possível e que a presença das plantas infestantes no pomar seja tolerada até certo nível, a partir do qual é realizada uma limpeza de forma manual, mecânica ou química, nunca deixando o solo desprotegido. Controle de pragas e doenças - As principais doenças dos citros são o huanglongbing (HLB, ex-greening), clorose variegada dos citros (CVC), cancro cítrico e pinta preta. As demais pragas e doenças, como morte súbita do citros (MSC), leprose, podridão floral, declínio, gomose, ácaro da falsa ferrugem, larva minadora dos citros, bicho furão, verrugose,
  • 14. melanose, tristeza (CTV), entre outras, são relativamente bem controladas pelos citricultores. Colheita - Ao contrário dos frutos climatéricos, a laranja deve ser colhida quando estiver com a maturação fisiológica completamente desenvolvida. A maturação caracteriza-se pelo aumento gradual de suco, decréscimo no teor de acidez, aumento de sólidos solúveis e desenvolvimento da cor, aroma e sabor. Tanto os frutos para consumo in natura, quanto aqueles destinados à indústria de suco, devem ser colhidos com o máximo cuidado, pois frutos batidos podem sofrer transformações físico-químicas, que acarretam redução no período de armazenamento e na qualidade do suco. Na colheita, geralmente são usados ‘sacos de colheita’ apropriados, dos quais os frutos passam para as caixas que serão transportadas para o armazém de acondicionamento ou descarregados a granel. Página 14 de 22 h) Estimativas de custos de produção A Tabela 10 apresenta a estimativa oficial do custo de produção de laranja em Bebedouro- SP, realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) para a safra de 2011. Observa-se que o custo total para se produzir uma caixa de laranja (cx 40,8 kg) foi estimado em R$ 13,90, o que corresponde a um custo total de R$ 9.964,60 por hectare, considerando um pomar com um estande de 400 pés/hectare e uma produtividade média de 1,79 caixas/planta. O custo variável foi estimado em R$ 9,41/caixa de frutos produzida, o que equivale R$ 6.740,84/hectare, representando uma participação de 67,5% no custo total de produção. A estimativa das despesas com custeio da lavoura compreende 77,8% do custo variável e 52,7% do custo total de produção. Os custos da pós-colheita, baseados praticamente no transporte das frutas até a indústria, foram estimados em R$ 1,18/caixa, os quais, somados aos custos da assistência técnica, chegam a um montante em torno de R$ 117,26/hectare, representando aproximadamente 10% do custo total de produção. O custo fixo, que inclui depreciações de benfeitorias, o pomar em si, máquinas e implementos, encargos trabalhistas e seguros, foi estimado em R$ 2,30/caixa, o que equivale a 16,5% do custo total de produção. O custo operacional foi estimado em R$ 8.388,16/hectare, correspondendo a um custo de R$ 11,71/caixa (cx 40,8 kg). O custo de oportunidade, ou seja, a remuneração esperada do capital fixo, incluindo o pomar e o valor da terra, foi estimado em R$ 2,19/caixa, ou R$ 1.576,00/hectare, correspondendo a 15,8% do custo total de produção.
  • 15. Tabela 10. Custo de produção estimado para um pomar de laranja em Bebedouro - SP. Safra Página 15 de 22 2011a. Discriminação (R$/ha) P/Caixa Participação(%) I - Despesas de custeio da lavoura 1 - Operação com avião 0,00 0,00 0,00 2 - Operação com máquinas 660,80 0,92 6,63 3 - Aluguel de máquinas 0,00 0,00 0,00 4 - Irrigação 22,80 0,03 0,23 4 - Mão de obra temporária 1.320,00 1,84 13,25 5 - Mão de obra fixa 543,20 0,76 5,45 6 - Mudas 35,00 0,05 0,35 7 - Fertilizantes 942,84 1,32 9,46 8 - Defensivos 1.166,08 1,63 11,70 9 - Outros (desp.adm./marcação de terraços e ruas/impostos e taxas) 560,04 0,78 5,62 Total das Despesas de Custeio da Lavoura (A) 5.250,76 7,33 52,69 II - Despesas pós-colheita 1 - Transporte externo 846,00 1,18 8,49 2 - Recepção, limpeza, secagem e armazenagem 30-d 0,00 0,00 0,00 3 - PROAGRO 0,00 0,00 0,00 4 - Assistência Técnica 117,26 0,16 1,18 Total das Despesas Pós-Colheita (B) 963,26 1,34 9,67 III - Despesas financeiras 1 - Juros 526,82 0,74 5,29 Total das Despesas Financeiras (C) 526,82 0,74 5,29 CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) 6.740,84 9,41 67,65 IV - Depreciações 1 - Depreciação de benfeitorias/instalações 11,51 0,02 0,12 2 - Depreciação de implementos 23,63 0,03 0,24 3 - Depreciação de máquinas 35,58 0,05 0,36 4 - Depreciação do pomar 1.238,36 1,73 12,43 Total de Depreciações (E) 1.309,08 1,83 13,14 V - Outros custos fixos 1 - Manutenção periódica de máquinas 14,25 0,02 0,14 2 - Encargos Sociais 320,49 0,45 3,22 3 - Seguro do capital fixo 3,50 0,00 0,04 Total de Outros Custos Fixos (F) 338,24 0,47 3,39 Custo Fixo (E+F = G) 1.647,32 2,30 16,53 CUSTO OPERACIONAL (D+G = H) 8.388,16 11,71 84,18 VI - Renda de fatores 1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 38,24 0,05 0,38 2 - Remuneração esperada sobre o pomar 38,20 0,05 0,38 3 - Terra 1.500,00 2,09 15,05 Total de Renda de Fatores (I) 1.576,44 2,19 15,82 CUSTO TOTAL (H+I = J) 9.964,60 13,90 100,00 Fonte: CONAB/DIGEM/SUINF/GECUP. Ano Safra 2011. aCusto estimado com os seguintes parâmetros: população de 400 plantas/hectare; fase produtiva relativa ao 5° ano de produção; produtividade média de 1,79 caixa/planta; preços tomados em fevereiro de 2011; Local: Bebedouro, SP. Fonte: CONAB/DIGEM/SUINF/GECUP. Ano Safra 2011.
  • 16. i) Fatores que influenciam a maior ou menor produção São vários os fatores que podem influenciar a maior ou menor produção de laranja. Estes fatores podem ser divididos em fatores climáticos, fitossanitários, econômicos, tecnológicos e infraestrutura logística. As condições climáticas, como a ocorrência de precipitação bem distribuída nas fases de florescimento até a colheita, são fundamentais para a obtenção de uma boa safra de laranja. A temperatura é outro fator que condiciona o cultivo. A ausência de geadas ou temperaturas muito baixas (abaixo de 15°C) são condições determinantes para o cultivo de laranja. A incidência de pragas e doenças nos pomares é outro fator decisivo para a produção. A ocorrência de doenças devastadoras como o HLB, CVC, cancro cítrico, pinta preta, entre outras, pode inviabilizar a produção de laranja. A ausência de monitoramento e controle, a depender do nível de incidência e severidade (nível de dano), pode levar a perdas totais da produção. Fatores econômicos, como os custos de produção e a regulação dos preços pagos pela caixa de laranja, são determinantes na tomada de decisão do citricultor em investir na lavoura, a exemplo do aumento ou redução da área plantada, maior ou menor intensidade de controle fitossanitário dos pomares, grau de adoção de tecnologias, entre outros aspectos. O comportamento do mercado, seja relativo à indústria processadora, seja ao relacionado à fruta fresca, este último em menor intensidade, pode influenciar a cadeia produtiva e, consequentemente, concorrer para o aumento ou redução da produção. A infraestrutura que permita o escoamento e absorção da produção, como, por exemplo, as unidades processadoras que transformam a laranja em suco concentrado, produto largamente aceito pelo mercado externo, é outro fator que concorre para o aumento da produção. O grau tecnológico utilizado pelos citricultores, como a renovação de pomares, plantios adensados, manejo correto da adubação, monitoramento de doenças, utilização de irrigação, uso de combinações copa/porta-enxerto adequadas, entre outras práticas culturais, favorecem o aumento da produtividade e, consequentemente, o aumento da produção. j) Ocorrência de pragas e existências de cinturões sanitários As pragas relacionadas no item g ocorrem no Estado de São Paulo afetando todas as variedades de laranja. Ainda nesse Estado, estabelece-se que: 1) Materiais de propagação provenientes de municípios onde ocorre a morte súbita dos citros (MSC) não podem ser enviados às demais regiões do Estado (Portaria CDA 9, de 26 de abril de 2002). 2) Legislação estadual determina a erradicação de plantas portadoras de cancro cítrico (Portaria CDA 16, de 02 de junho de 2001). Página 16 de 22
  • 17. 3) Legislação federal determina a erradicação de plantas portadoras de huanglongbing (HLB) (Instrução Normativa MAPA - 53, de 16 de outubro de 2008). Página 17 de 22 Huanglongbing (HLB, ex-greening) De acordo com levantamento amostral realizado em 2012, sob a coordenação do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), que compreendeu 3.371 talhões, com a inspeção de 10% das árvores de cada talhão, constatou-se que 64,1% dos talhões tinham, ao menos, uma planta com HLB, o que significa uma expansão de 20% da doença nos pomares em relação ao ano de 2011. A Figura 7 resume a evolução percentual da incidência do HLB em talhões das regiões produtoras de citros do Estado de São Paulo. Figura 7. Evolução da incidência de HLB (huanglongbing, ex-greening) em talhões de pomares de citros nas regiões citrícolas do Estado de São Paulo. Dados não disponíveis para as regiões paulistas no ano de 2012. Fonte: Fundecitrus 2013. Analisando o levantamento com foco na incidência de árvores doentes, os dados do levantamento amostral realizado em 2012 apontam que o parque citrícola paulista apresenta 6,91% das árvores com HLB. O número representa um aumento de 82,8% em relação a 2011, quando 3,78% das plantas estavam com os sintomas da doença (Figura 8).
  • 18. Figura 8. Porcentagem de plantas contaminadas com HLB (huanglongbing, ex-greening) nas regiões produtoras de citros do Estado de São Paulo. Página 18 de 22 Fonte: Fundecitrus, 2013. Clorose variegada dos citros (CVC) Levantamento realizado pelo Fundecitrus em 2011 apontou que 40,3% das plantas amostradas estavam com sintomas da CVC. Em 2010, a incidência de CVC era de 35,5%. A região Norte continua sendo a mais afetada, com 59,7% de árvores doentes; seguida pelas regiões Noroeste (52,5%), Central (42,37%), Sul (30,49%) e Oeste (1,06%). O aumento da doença comprova que muitos citricultores deixaram de adotar medidas de prevenção, como o monitoramento e controle das cigarrinhas, inspeções dos pomares e podas de ramos sintomáticos ou eliminação de plantas doentes (Figura 9).
  • 19. Figura 9. Incidência de plantas com sintomas de clorose variegada dos citros (CVC) nas regiões citrícolas do Estado de São Paulo, apontada por levantamento amostral realizado pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). Página 19 de 22 Fonte: Fundecitrus, 2013. Cancro cítrico A incidência e distribuição do cancro cítrico no parque citrícola paulista são monitoradas pelo Fundecitrus desde o ano de 1999, através de levantamento amostral. Observa-se (Figura 10) que a região Noroeste é a que apresenta o maior índice de incidência da doença, seguida da região Oeste. Analisando a incidência consolidada no Estado de São Paulo, observa-se que a doença vem apresentando um aumento considerável no número de talhões contaminados. No ano de 2009, a incidência era de 0,14% dos talhões e, em 2012, este índice atingiu 1,39% dos talhões existentes, o que corresponde a uma variação de 40,4% em relação a 2011, que apontou uma incidência de aproximadamente 1,0% dos talhões contaminados com cancro cítrico (Figura 10).
  • 20. Figura 10. Incidência de talhões contaminados com cancro cítrico nas regiões citrícolas do Estado de São Paulo, apontada por levantamento amostral realizado pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). Página 20 de 22 Fonte: Fundecitrus, 2013. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALICEWEB - SISTEMA DE ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR. Secretaria de Comércio Exterior. Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX). Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Aliceweb2: exportação 1997-2012. Disponível em: <http://aliceweb2.mdic.gov.br/index/home>. Acesso em: 24 jan. 2013. BRASIL. Instrução Normativa MAPA 53, de 16 de outubro de 2008. Aprova os critérios e procedimentos para a realização, por parte dos órgãos estaduais de defesa sanitária vegetal - OEDSVS das instâncias intermediárias integrantes do sistema unificado de atenção à sanidade agropecuária, dos levantamentos de ocorrência da praga denominada huanglongbing (HLB) - greening, que tem como agente etiológico a bactéria candidatus liberibacter sp., em plantas hospedeiras constantes da lista oficial de pragas quarentenárias presentes, visando à delimitação da extensão das áreas afetadas e à adoção de medidas de prevenção e erradicação. CDA – COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dados da Citricultura do Estado de São Paulo Por variedade (Total por Escritório de Defesa Agropecuária - EDA e Município) Base: 1º Semestre 2012. 2012. Disponível em:
  • 21. <http://www.defesaagropecuaria.sp.gov.br/www/gdsv/dadosCitriculturaPaulistaArquivos/P orVariedade-TotalMunicipio.pdf> Acesso em: 29 jan. 2013. CIIAGRO - CENTRO INTEGRADO DE INFORMAÇÕES AGROMETEOROLÓGICAS. Zoneamento Macro - Aptidão Climática para a Citricultura. 2013. Disponível em: <http://www.ciiagro.sp.gov.br/znmt_macro_12.html> Acesso em: 01 fev. 2013. CITRUSBR. Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos. Exportações de suco de laranja em FCOJ Equivalente, 2012. Disponível em: <http://www.citrusbr.com/exportadores-citricos/comercio/exportacoes-totais-de-suco-de-laranja- fcoj-equivalente-249531-1.asp>. Acesso em: 24 jan. 2013. CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da Safra Brasileira. Laranja Safra 2011/2012. Terceiro Levantamento – SP. Estimativa da Safra no Triângulo Mineiro – MG. Dezembro/2011. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/12_05_17_17_48_56_boletim_lara nja_dez_2011.pdf > Acesso em: 30 jan. 2013. CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Custos de Produção - Culturas Permanentes. 2011. Disponível em <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1282&t=2&Pagina_objcmsconteudos=2#A_ob jcmsconteudos> Acesso em: 24 jan. 2013. DONADIO, L. C, STUCHI, E. S. POZZAN, M. SEMPIONATO, O. R. Novas variedades e clones de laranja para a indústria. Boletim Citrícola, n° 8, 1999. Jaboticabal. UNESP/FUNEP/EECCB. 42p. FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 2013a. Production (2011). Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/567/default.aspx#ancor>. Acesso em: 28 jan. 2013a. FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 2013b. Trade (2010). Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/535/default.aspx#ancor>. Acesso em: 28 jan. 2013b. FUNDECITRUS – FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA. Levantamento Amostral. Disponível em: <http://www.fundecitrus.com.br/Pagina/Levantamento-amostral,106> Acesso em: 30 jan. 2013. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS. Sistema de Recuperação Automática – SIDRA. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1613&z=t&o=11>. Acesso em: 24 jan. 2013. IEA - INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Análises e Indicadores do Agronegócio. Previsões e estimativas das safras agrícolas do estado de São Paulo, ano agrícola 2012/13, intenção de plantio, e levantamento final, ano agrícola 2011/12, setembro de 2012, v. 7, n. 11, Nov., Página 21 de 22
  • 22. 2012. Disponível em: <ftp://ftp.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-62-2012.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2013. LOPES, A. P. Assunto do Email [Estatísticas de Comercialização de Frutas Tropicais]. Mensagem recebida por <cicero@cnpmf.embrapa.br> em 28 ago. 2012. O DIARIO ONLINE. Indústria tem produção agrícola própria de 130 milhões de caixas de laranja e “esmaga” pequeno citricultor. Disponível em: <http://www.odiarioonline.com.br/noticia/7809//noticia/7809/INDUSTRIA-TEM-PRODUCAO- AGRICOLA-PROPRIA-DE-130-MILHOES-DE-CAIXAS-DE-LARANJA-E-ESMAGA-PEQUENO- CITRICULTOR> Acesso em: 01 fev. 2013. PIO, R. M.; FIGUEIREDO, J. O.; STUCHI, E. S.; CARDOSO, S. A. B. Variedades copas. In: MATTOS JUNIOR, D.; DE NEGRI, J. D.; PIO, R. M.; POMPEU JUNIOR, J. (eds). Citros. Campinas: Instituto Argonômico e Fundag. 2005. 929 p. NEVES, M. F. ; TROMBIN, V. G. ; MILAN, P. ; LOPES, F. F. ; PEREIRA, F. C. ; KALAKI, R. B. O Retrato da Citricultura Brasileira. 1. ed. Ribeirão Preto: , 2010. v. 1. 137p. NEVES, M. F.; TROMBIN, V. G. A Demanda mundial de sucos de frutas e o impacto na laranja brasileira. Coopercitrus: Revista agropecuária, v. 279, Jan., 2013, Disponível em: <http://www.revistacoopercitrus.com.br/?pag=materia&codigo=5745>. Acesso em: 24 jan. 2013. SÃO PAULO. Instrução Normativa 10, de 18 de março de 2005. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. Dar continuidade aos trabalhos de levantamento da ocorrência do Greening (HLB), visando delimitar a extensão das áreas afetadas e adotar medidas de prevenção e erradicação. SÃO PAULO. Portaria CDA 16, de 02 de junho de 2001. A propriedade ou imóvel no qual fique comprovada a ocorrência da doença Cancro Cítrico fica interditada de acordo com as disposições da Portaria MA 291, de 23/07/97. SÃO PAULO. Portaria CDA 9, de 26 de abril de 2002. Disciplina o trânsito, a produção e a comercialização de material cítrico no Estado de São Paulo e dá outras providências. SÃO PAULO. Portaria CDA 5, de 3 de fevereiro de 2005. Estabelece normas de medidas de defesa sanitária vegetal e certificação de conformidade fitossanitária de mudas cítricas no Estado de São Paulo. Ratificada pela Resolução SAA - 10 DE 29.03.2006. SÃO PAULO. Resolução SAA 10, de 29 de março de 2006. Ratifica os termos da Portaria CDA- 5, de 03 de fevereiro de 2005, a Instrução Normativa nº 16, de 18/03/2003 e Instrução Normativa nº 10, de 18 de março de 2005 que restringem a produção de mudas a “céu aberto”. Página 22 de 22