SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
II Parte do Módulo 6

            ANÁLISE e COMENTÁRIO CRÍTICO a RESPEITO das BEs


       Após a leitura atenta e exaustiva de quatro relatórios de avaliação externa sou
levada a concluir que a diversidade de situações e até de análises feitas pela inspecção
é diferente e bastante diversificada, mesmo sendo os mesmos os campos de análise e
tópicos descritores.
       As BEs são também pela leitura dos documentos muito diferentes,
encontrando-se também em patamares diferentes, 2º a avaliação. Ora se na escola, na
generalidade desses relatórios, o acompanhamento e a supervisão da prática lectiva
ainda não constituem dinâmicas consistentes, naturalmente que as BEs, que tentam
fazer o melhor estão ainda a sentir dificuldades.
       Os dirigentes dos Agrupamentos quer ao nível de topo, quer dos níveis
intermédios e as estruturas de apoio são fortemente motivadas, empenhadas e
activas, o que é reconhecido por toda a comunidade educativa. Neste contexto
recorre-se a formas inovadoras de formação de jovens que aderem aos projectos, com
vista à melhoria do desempenho dos docentes e das aprendizagens dos alunos, a BE
parece-me estar incluída nestas formas inovadoras referidas, sendo que na avaliação
feita tive muitas vezes que interferir, calhar erradamente, que é da BE que se trata.
       Um dos pontos focados e bastante comum é o da avaliação,               dos vários
sectores e o seu funcionamento na Escola. por isso, me parece quase imprescindível
esta formação na área por parte dos P.B., embora não possa deixar de referir o tempo
exíguo para cada uma das tarefas propostas, o que faz com que os comentários críticos
não assentem num processo de reflexão mais consistente, o que levaria a melhores
resultados. Teremos de entender este processo como um ponto de partida.
       Alguns   alunos,   referidos   e   ouvidos    pela   inspecção,   demonstraram
desconhecimento de algumas iniciativas apresentadas como emblemáticas, por
exemplo, na BE e Clubes de uma das escolas a Sá Couto . Aqui apraz-me dizer que em
comunidades escolares muito grandes, como é o caso de um agrupamento, é natural
que se se entrevistam meia dúzia de alunos cuja percepção do trabalho possa ser
deturpada se esses alunos estiverem desmotivados, pois, nós todos sabemos que a
motivação e capacidade de trabalho não é igual em todos os alunos.
       Os agrupamentos analisados, e penso que nos outros também será assim, o
ambiente social é heterogéneo, no entanto, nas expectativas dos pais o PNL e as BEs
são referidos como actividades, iniciativas e espaço que visam a melhoria das
aprendizagens nos domínios da Língua Portuguesa, e a BE já é encarada como local de
aprendizagem.
       Num dos agrupamentos refere-se por exemplo:” A BE/CRE da Escola sede do
agrupamento revela uma configuração recente do espaço e equipamentos. A
intervenção realizada facilita o acesso, melhorou a sua organização e permite o
acompanhamento dos alunos quando a frequentam”, não foi, porém, referido que os
recursos existentes em espaços como este não são devidamente aproveitados tendo
em conta a dispersão geográfica e a falta de transportes que permitam a deslocação
dos alunos. Parece-me dever ter sido referido no relatório.
       Claro que a realidade de outros espaços de BE/CRE não têm as características
da referida. Então aí, as dificuldades serão necessariamente maiores pois a juntar aos
transportes temos as dificuldades de recursos materiais e de espaço.
       Nestes agrupamentos o PNL, como projecto de âmbito nacional, valoriza o
espaço da BE/CRE que está na base destes projectos implementados.
       A auto-avaliação é em relação a vários sectores da escola feita de uma forma
incipiente, devendo entrar numa dinâmica em que a avaliação do agrupamento tenha
como objectivo melhorar o funcionamento de todos os sectores da escola e aqui entra
de uma forma importante a auto-avaliação da BE.
       Das várias avaliações externas surgiram pontos fortes e fracos, mas a
inexistência de um processo sistemático de auto-avaliação está presente nos relatórios
analisados.
       Os PE do Agrupamento, pela leitura realizada, parece-me que identificaram
com clareza os problemas prioritários e definem os objectivos e as estratégias para os
combater.
       Num dos relatórios avaliados diz-se “… que não existe uma estratégia global,
intencional e consequente para avaliar a qualidade do trabalho desenvolvido pelas
várias escolas do Agrupamento”. Aqui parece antever-se algum “divórcio”do trabalho
da BE/CRE com essas escolas. Será que é assim?
       As   actividades   da   BE   são   por    vezes   referidas   como   integrando
actividades/projectos locais e nacionais de grande visibilidade como o Entre-Palavras,
de forma a responsabilizar os alunos e servir para divulgar os seus pequenos/grandes
sucessos individuais ou colectivos. Neste aspecto penso exactamente o mesmo
fazendo uso da minha experiência como PB.
       Ora, parece-me ser de inferir da leitura dos relatórios, que esta tónica é posta
mais ou menos em evidência em todos os relatórios, o que me leva a concluir que a BE
está a caminhar bem, com vista ao sucesso dos alunos e do processo ensino-
aprendizagem.
       Num dos relatórios lidos refere-se claramente que são desenvolvidas acções
com o objectivo de facilitar a integração dos alunos do primeiro ciclo na escola sede,
por exemplo “… o projecto “O contador e encantador de histórias”desenvolvido pela
BE da Escola”. Este é um de muitos, pois, cada vez mais a BE é um pólo aglutinador de
gentes e saberes.
       A BE num dos relatórios surge referido da seguinte forma “ destaca-se ainda o
trabalho desenvolvido pela BE/CRE na dinamização de uma série de actividades que de
uma forma particular, contribuem para o aprofundamento da língua portuguesa, assim
como, a utilização das TIC em contexto educativo e lúdico, permitindo exercitar várias
competências e mobilizar aprendizagens múltiplas (por exemplo a dinamização de
blogs na internet). Neste ponto acho que os outros relatórios esquecem esta análise
concreta do projecto da BE.
       A BE é reconhecida, de uma forma mais ou menos evidente, como um espaço
bastante frequentado por alunos e docentes mas não é claramente referido em todos
os relatórios ou pelo menos da mesma forma. No relatório da Sá Couto, que conheço
bem, não me pareceu ter sido prioritária a avaliação do espaço e projecto da BE.
       Pela leitura dos relatórios sou ainda levada a concluir que o enfoque neste ou
naquele sector depende da pessoa que investiga e elabora o relatório, pois parece-me
difícil unicamente através de papéis cruzados e audiência de uma parte da
comunidade educativa saber o que se vive na realidade na comunidade escolar, que
fica dependente de quem expõe e ouve relatos e depois os transforma em relatórios.
Eu acho que a avaliação deve ser vivida no terreno e deve ser feita através da
observação directa, associando-a ao processo já utilizado.
        As BEs estão agora a começar a ser reconhecidas e a integrar-se cada vez mais
no todo que é a Escola. Em 2007/2008 verifiquei, por ex:, que na Escola Infante D.
Henrique, em Viseu, no relatório que li, que a BE é referida concretamente, o que não
aconteceu com a Escola Domingos Capela - Silvalde, e Escola Sá Couto se diz:” As duas
BEs escolares integradas na Rede Nacional de BEs, uma sede e outra no Jardim de
Infância e Escola do 1º ciclo de Junqueiros, são espaços agradáveis, funcionais e
suficientemente dotadas de recursos. As acções desenvolvidas têm contribuído para as
aprendizagens dos alunos e para a promoção do sucesso educativo, designadamente
através da dinamização de encontros abertos à comunidade e com a presença de
escritores convidados.
        No âmbito deste projecto são distribuídos baús de livros às outras unidades,
embora nem sempre de forma célere”.
        Ao comparar os três relatórios lidos e analisados, na medida do possível, devido
aos constrangimentos de tempo, pois sou daqueles que acham que “depressa e bem
não faz ninguém”, as BEs nestes relatórios são tratadas de forma diferenciada sendo
dada maior notoriedade a umas do que as outras. Em minha opinião, a BE é muito
importante por ser um pólo aglutinador de trabalho e ao mesmo tempo um centro de
recursos importante para o apoio a professores e alunos, no processo
ensino/aprendizagem.
        Através de relatórios deste tipo, sem vivências no terreno e interacção com os
participantes dos projectos, parece-me que a imagem que passa pode não ser a mais
visível e certa.
        No final ainda li por curiosidade outros relatórios entre eles o do Agrupamento
Vale d’Este - Viatodos – Barcelos, não vejo referências á BE nem á importância dela
para as Escolas do Agrupamento.
        O ponto 3 Organização e Gestão Escolar onde se avalia o desenvolvimento de
Actividades com vista ao sucesso dos alunos não é referida a BE/CRE.
        O Agrupamento não tem BE/CRE ou a equipa de avaliação não achou relevante
referi-la?
Esta análise crítica foi a possível pelos constrangimentos de tempo, mas
despertou em mim alguma curiosidade por explorar esta temática para o processo
agora iniciado de auto-avaliação das BEs.
       Os processos de avaliação externa versam os mesmos campos de análise e
utilizam os mesmos tópicos descritores, porém, em relação ás BEs, parece-me que os
relatórios não se debruçam muito claramente e a avaliação parece-me muito
superficial. Esperemos que a partir de agora as coisas se modifiquem e a BE/CRE passe
a ser valorizada como merece, mesmo em processos de avaliação.




            Relatórios de avaliação externa das Escolas analisados:

            1- Agrupamento de Escolas Vale D’Este Viatodos BARCELOS- 2008

            2- Agrupamento Vertical de Escolas Domingos Capela ESPINHO-2007

            3- Agrupamento de Escolas Infante D. Henrique Viseu- 2008

            4- Agrupamento de Escolas Sá Couto      ESPINNHO- 2007




                                                                      10 Nov.2009

                                                                      Cândida Ribeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
guest1d174ffe
 
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
guest1d174ffe
 
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7   tarefa 2 - rosa mariaSessão 7   tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
rosamfsilvabiblio
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
mariaemilianovais
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Gloria Lopes
 
Comentário Tabela Matriz
Comentário  Tabela  MatrizComentário  Tabela  Matriz
Comentário Tabela Matriz
anamariabpalma
 
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da BeTarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
becrepombais
 
ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1
bonifvieira
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Luisa Lamas
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
guest1d174ffe
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
mariaantoniadocarmo
 

Mais procurados (17)

Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliaçãoSessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de auto-avaliação
 
3º MóDulo 1ªParte
3º MóDulo 1ªParte3º MóDulo 1ªParte
3º MóDulo 1ªParte
 
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
Sessão 6 Comentário Crítico Nt. CríT.
 
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro CostaComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
 
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7   tarefa 2 - rosa mariaSessão 7   tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
 
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2Analise Critica Ao Modelo De Auto  SessãO2
Analise Critica Ao Modelo De Auto SessãO2
 
Comentário Tabela Matriz
Comentário  Tabela  MatrizComentário  Tabela  Matriz
Comentário Tabela Matriz
 
Comentário
ComentárioComentário
Comentário
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da BeTarefa 2   2ª Semana   AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
Tarefa 2 2ª Semana AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçAo Da Be
 
Reflexão+final
Reflexão+finalReflexão+final
Reflexão+final
 
ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1ReflexãO Tarefa SessãO1
ReflexãO Tarefa SessãO1
 
A BE no relatório de avaliação das escolas
A BE no relatório de avaliação das escolasA BE no relatório de avaliação das escolas
A BE no relatório de avaliação das escolas
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
Comentário Fundamentado à Análise Crítica do Modelo de Auto Avaliação - Maria...
 

Destaque

การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
การสร้างหัวข้อเว็บไซต์การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
Chuleegron Pintira
 
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLilianaHora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
candidaribeiro
 
3es3slideshow done
3es3slideshow done3es3slideshow done
3es3slideshow done
wadeg
 
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
Anna Perricci
 
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
Stefan Marr
 
Perolas Do Orkut
Perolas Do OrkutPerolas Do Orkut
Perolas Do Orkut
QSEJAETERNO
 
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหงขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
ฝันละลาย แต่ใจยังสู้
 

Destaque (20)

การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
การสร้างหัวข้อเว็บไซต์การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
การสร้างหัวข้อเว็บไซต์
 
eScanner
eScannereScanner
eScanner
 
Guerra del Golfo
Guerra del GolfoGuerra del Golfo
Guerra del Golfo
 
Bb8
Bb8Bb8
Bb8
 
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLilianaHora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
Hora Do Conto Anta 2 ProfªLiliana
 
3es3slideshow done
3es3slideshow done3es3slideshow done
3es3slideshow done
 
Flashcards w6(2)
Flashcards w6(2)Flashcards w6(2)
Flashcards w6(2)
 
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
ACRL/NY 2013 poster: Assessment of the Effectiveness of the Human Rights Web ...
 
н авиа
н авиан авиа
н авиа
 
Comunicado de las Farc
Comunicado de las FarcComunicado de las Farc
Comunicado de las Farc
 
Games as Metaphor Primers
Games as Metaphor PrimersGames as Metaphor Primers
Games as Metaphor Primers
 
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
Which Problems Does a Multi-Language Virtual Machine Need to Solve in the Mul...
 
World War 2
World War 2World War 2
World War 2
 
Profesiones
ProfesionesProfesiones
Profesiones
 
Hatchet
HatchetHatchet
Hatchet
 
La Vie Est Belle
La Vie Est BelleLa Vie Est Belle
La Vie Est Belle
 
Perolas Do Orkut
Perolas Do OrkutPerolas Do Orkut
Perolas Do Orkut
 
Tecnologia Para Campañas Digitales
Tecnologia Para Campañas DigitalesTecnologia Para Campañas Digitales
Tecnologia Para Campañas Digitales
 
Concepto De Web2 Ariel Padilla
Concepto De Web2 Ariel PadillaConcepto De Web2 Ariel Padilla
Concepto De Web2 Ariel Padilla
 
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหงขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
ขั้นตอนการสืบค้น Opac ของมหาวิทยาลัยรามคำแหง
 

Semelhante a 2ª Parte 6º Modulo

Sessao7tarefa2
Sessao7tarefa2Sessao7tarefa2
Sessao7tarefa2
Rui Jorge
 
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
lurdesilva
 
Sessão 6 Comentário Crítico
Sessão 6 Comentário CríticoSessão 6 Comentário Crítico
Sessão 6 Comentário Crítico
guest1d174ffe
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO ExternaAnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
anamariabpalma
 
Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6
isabelsousaalves
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 
Sintese6 Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
Sintese6  Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09Sintese6  Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
Sintese6 Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
Ana Cristina Matias
 
Comentario Relatorios
Comentario RelatoriosComentario Relatorios
Comentario Relatorios
FilipaNeves
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Teresa Gonçalves
 
Análise de relatórios
Análise de relatóriosAnálise de relatórios
Análise de relatórios
Bibliotecajac
 

Semelhante a 2ª Parte 6º Modulo (20)

Sessao7tarefa2
Sessao7tarefa2Sessao7tarefa2
Sessao7tarefa2
 
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
1ª Tarefa ComentáRio Zulmira Fernandes
 
Sessão 6 Comentário Crítico
Sessão 6 Comentário CríticoSessão 6 Comentário Crítico
Sessão 6 Comentário Crítico
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Comentario Crítico
Comentario CríticoComentario Crítico
Comentario Crítico
 
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO ExternaAnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
AnáLise CríTica As B Es E A AvaliaçãO Externa
 
Sessao7parte2
Sessao7parte2Sessao7parte2
Sessao7parte2
 
3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte
 
Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
Sintese6 Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
Sintese6  Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09Sintese6  Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
Sintese6 Metodologias Parte Iii Dre Alg Turma2 Dez09
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Comentario Relatorios
Comentario RelatoriosComentario Relatorios
Comentario Relatorios
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
 
Análise de relatórios
Análise de relatóriosAnálise de relatórios
Análise de relatórios
 
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro CostaComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa
 
Sessão nº2
Sessão nº2Sessão nº2
Sessão nº2
 
Sessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexaoSessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexao
 
Autoavaliaacao sessao 6
Autoavaliaacao sessao 6Autoavaliaacao sessao 6
Autoavaliaacao sessao 6
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
 

Mais de candidaribeiro (20)

25 abril
25 abril25 abril
25 abril
 
EB 1 de Esmojães – 3º ano
EB 1 de Esmojães – 3º anoEB 1 de Esmojães – 3º ano
EB 1 de Esmojães – 3º ano
 
Carnaval
 Carnaval Carnaval
Carnaval
 
PublicaçãO1
PublicaçãO1PublicaçãO1
PublicaçãO1
 
MóDulo 7
MóDulo 7MóDulo 7
MóDulo 7
 
MóDulo 7
MóDulo 7MóDulo 7
MóDulo 7
 
MóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 ParteMóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 Parte
 
MóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 ParteMóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 Parte
 
MóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 ParteMóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 Parte
 
MóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 ParteMóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 Parte
 
MóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 ParteMóDulo 7 2 Parte
MóDulo 7 2 Parte
 
MóDulo 7 1 Parte
MóDulo 7 1 ParteMóDulo 7 1 Parte
MóDulo 7 1 Parte
 
Módulo 7 1 Parte
Módulo 7 1 ParteMódulo 7 1 Parte
Módulo 7 1 Parte
 
MóDulo 6
MóDulo 6MóDulo 6
MóDulo 6
 
MóDulo 6
MóDulo 6MóDulo 6
MóDulo 6
 
MóDulo 6
MóDulo 6MóDulo 6
MóDulo 6
 
Pdf Online[1]
Pdf Online[1]Pdf Online[1]
Pdf Online[1]
 
AcçõEs Futuras D1
AcçõEs Futuras D1AcçõEs Futuras D1
AcçõEs Futuras D1
 
Tabela D1
Tabela D1Tabela D1
Tabela D1
 
Tabela D1
Tabela D1Tabela D1
Tabela D1
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (11)

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

2ª Parte 6º Modulo

  • 1. II Parte do Módulo 6 ANÁLISE e COMENTÁRIO CRÍTICO a RESPEITO das BEs Após a leitura atenta e exaustiva de quatro relatórios de avaliação externa sou levada a concluir que a diversidade de situações e até de análises feitas pela inspecção é diferente e bastante diversificada, mesmo sendo os mesmos os campos de análise e tópicos descritores. As BEs são também pela leitura dos documentos muito diferentes, encontrando-se também em patamares diferentes, 2º a avaliação. Ora se na escola, na generalidade desses relatórios, o acompanhamento e a supervisão da prática lectiva ainda não constituem dinâmicas consistentes, naturalmente que as BEs, que tentam fazer o melhor estão ainda a sentir dificuldades. Os dirigentes dos Agrupamentos quer ao nível de topo, quer dos níveis intermédios e as estruturas de apoio são fortemente motivadas, empenhadas e activas, o que é reconhecido por toda a comunidade educativa. Neste contexto recorre-se a formas inovadoras de formação de jovens que aderem aos projectos, com vista à melhoria do desempenho dos docentes e das aprendizagens dos alunos, a BE parece-me estar incluída nestas formas inovadoras referidas, sendo que na avaliação feita tive muitas vezes que interferir, calhar erradamente, que é da BE que se trata. Um dos pontos focados e bastante comum é o da avaliação, dos vários sectores e o seu funcionamento na Escola. por isso, me parece quase imprescindível esta formação na área por parte dos P.B., embora não possa deixar de referir o tempo exíguo para cada uma das tarefas propostas, o que faz com que os comentários críticos não assentem num processo de reflexão mais consistente, o que levaria a melhores resultados. Teremos de entender este processo como um ponto de partida. Alguns alunos, referidos e ouvidos pela inspecção, demonstraram desconhecimento de algumas iniciativas apresentadas como emblemáticas, por exemplo, na BE e Clubes de uma das escolas a Sá Couto . Aqui apraz-me dizer que em comunidades escolares muito grandes, como é o caso de um agrupamento, é natural
  • 2. que se se entrevistam meia dúzia de alunos cuja percepção do trabalho possa ser deturpada se esses alunos estiverem desmotivados, pois, nós todos sabemos que a motivação e capacidade de trabalho não é igual em todos os alunos. Os agrupamentos analisados, e penso que nos outros também será assim, o ambiente social é heterogéneo, no entanto, nas expectativas dos pais o PNL e as BEs são referidos como actividades, iniciativas e espaço que visam a melhoria das aprendizagens nos domínios da Língua Portuguesa, e a BE já é encarada como local de aprendizagem. Num dos agrupamentos refere-se por exemplo:” A BE/CRE da Escola sede do agrupamento revela uma configuração recente do espaço e equipamentos. A intervenção realizada facilita o acesso, melhorou a sua organização e permite o acompanhamento dos alunos quando a frequentam”, não foi, porém, referido que os recursos existentes em espaços como este não são devidamente aproveitados tendo em conta a dispersão geográfica e a falta de transportes que permitam a deslocação dos alunos. Parece-me dever ter sido referido no relatório. Claro que a realidade de outros espaços de BE/CRE não têm as características da referida. Então aí, as dificuldades serão necessariamente maiores pois a juntar aos transportes temos as dificuldades de recursos materiais e de espaço. Nestes agrupamentos o PNL, como projecto de âmbito nacional, valoriza o espaço da BE/CRE que está na base destes projectos implementados. A auto-avaliação é em relação a vários sectores da escola feita de uma forma incipiente, devendo entrar numa dinâmica em que a avaliação do agrupamento tenha como objectivo melhorar o funcionamento de todos os sectores da escola e aqui entra de uma forma importante a auto-avaliação da BE. Das várias avaliações externas surgiram pontos fortes e fracos, mas a inexistência de um processo sistemático de auto-avaliação está presente nos relatórios analisados. Os PE do Agrupamento, pela leitura realizada, parece-me que identificaram com clareza os problemas prioritários e definem os objectivos e as estratégias para os combater. Num dos relatórios avaliados diz-se “… que não existe uma estratégia global, intencional e consequente para avaliar a qualidade do trabalho desenvolvido pelas
  • 3. várias escolas do Agrupamento”. Aqui parece antever-se algum “divórcio”do trabalho da BE/CRE com essas escolas. Será que é assim? As actividades da BE são por vezes referidas como integrando actividades/projectos locais e nacionais de grande visibilidade como o Entre-Palavras, de forma a responsabilizar os alunos e servir para divulgar os seus pequenos/grandes sucessos individuais ou colectivos. Neste aspecto penso exactamente o mesmo fazendo uso da minha experiência como PB. Ora, parece-me ser de inferir da leitura dos relatórios, que esta tónica é posta mais ou menos em evidência em todos os relatórios, o que me leva a concluir que a BE está a caminhar bem, com vista ao sucesso dos alunos e do processo ensino- aprendizagem. Num dos relatórios lidos refere-se claramente que são desenvolvidas acções com o objectivo de facilitar a integração dos alunos do primeiro ciclo na escola sede, por exemplo “… o projecto “O contador e encantador de histórias”desenvolvido pela BE da Escola”. Este é um de muitos, pois, cada vez mais a BE é um pólo aglutinador de gentes e saberes. A BE num dos relatórios surge referido da seguinte forma “ destaca-se ainda o trabalho desenvolvido pela BE/CRE na dinamização de uma série de actividades que de uma forma particular, contribuem para o aprofundamento da língua portuguesa, assim como, a utilização das TIC em contexto educativo e lúdico, permitindo exercitar várias competências e mobilizar aprendizagens múltiplas (por exemplo a dinamização de blogs na internet). Neste ponto acho que os outros relatórios esquecem esta análise concreta do projecto da BE. A BE é reconhecida, de uma forma mais ou menos evidente, como um espaço bastante frequentado por alunos e docentes mas não é claramente referido em todos os relatórios ou pelo menos da mesma forma. No relatório da Sá Couto, que conheço bem, não me pareceu ter sido prioritária a avaliação do espaço e projecto da BE. Pela leitura dos relatórios sou ainda levada a concluir que o enfoque neste ou naquele sector depende da pessoa que investiga e elabora o relatório, pois parece-me difícil unicamente através de papéis cruzados e audiência de uma parte da comunidade educativa saber o que se vive na realidade na comunidade escolar, que fica dependente de quem expõe e ouve relatos e depois os transforma em relatórios.
  • 4. Eu acho que a avaliação deve ser vivida no terreno e deve ser feita através da observação directa, associando-a ao processo já utilizado. As BEs estão agora a começar a ser reconhecidas e a integrar-se cada vez mais no todo que é a Escola. Em 2007/2008 verifiquei, por ex:, que na Escola Infante D. Henrique, em Viseu, no relatório que li, que a BE é referida concretamente, o que não aconteceu com a Escola Domingos Capela - Silvalde, e Escola Sá Couto se diz:” As duas BEs escolares integradas na Rede Nacional de BEs, uma sede e outra no Jardim de Infância e Escola do 1º ciclo de Junqueiros, são espaços agradáveis, funcionais e suficientemente dotadas de recursos. As acções desenvolvidas têm contribuído para as aprendizagens dos alunos e para a promoção do sucesso educativo, designadamente através da dinamização de encontros abertos à comunidade e com a presença de escritores convidados. No âmbito deste projecto são distribuídos baús de livros às outras unidades, embora nem sempre de forma célere”. Ao comparar os três relatórios lidos e analisados, na medida do possível, devido aos constrangimentos de tempo, pois sou daqueles que acham que “depressa e bem não faz ninguém”, as BEs nestes relatórios são tratadas de forma diferenciada sendo dada maior notoriedade a umas do que as outras. Em minha opinião, a BE é muito importante por ser um pólo aglutinador de trabalho e ao mesmo tempo um centro de recursos importante para o apoio a professores e alunos, no processo ensino/aprendizagem. Através de relatórios deste tipo, sem vivências no terreno e interacção com os participantes dos projectos, parece-me que a imagem que passa pode não ser a mais visível e certa. No final ainda li por curiosidade outros relatórios entre eles o do Agrupamento Vale d’Este - Viatodos – Barcelos, não vejo referências á BE nem á importância dela para as Escolas do Agrupamento. O ponto 3 Organização e Gestão Escolar onde se avalia o desenvolvimento de Actividades com vista ao sucesso dos alunos não é referida a BE/CRE. O Agrupamento não tem BE/CRE ou a equipa de avaliação não achou relevante referi-la?
  • 5. Esta análise crítica foi a possível pelos constrangimentos de tempo, mas despertou em mim alguma curiosidade por explorar esta temática para o processo agora iniciado de auto-avaliação das BEs. Os processos de avaliação externa versam os mesmos campos de análise e utilizam os mesmos tópicos descritores, porém, em relação ás BEs, parece-me que os relatórios não se debruçam muito claramente e a avaliação parece-me muito superficial. Esperemos que a partir de agora as coisas se modifiquem e a BE/CRE passe a ser valorizada como merece, mesmo em processos de avaliação. Relatórios de avaliação externa das Escolas analisados: 1- Agrupamento de Escolas Vale D’Este Viatodos BARCELOS- 2008 2- Agrupamento Vertical de Escolas Domingos Capela ESPINHO-2007 3- Agrupamento de Escolas Infante D. Henrique Viseu- 2008 4- Agrupamento de Escolas Sá Couto ESPINNHO- 2007 10 Nov.2009 Cândida Ribeiro