SlideShare uma empresa Scribd logo
MODERNISMO em PORTUGAL 
O núcleo do grupo modernista português nasceu em Lisboa, em 1913, com Fernando 
Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, poetas que haviam colaborado na Águia, (revista que era porta-voz 
do Saudosismo), mas que acabam por fazer uma ruptura com esse movimento literário das 
décadas anteriores. Estes dois poetas, juntamente com Almada Negreiros (todos eles nascidos no 
fim do século XIX), foram, de facto, os grandes empreendedores em Portugal da corrente 
modernista, marcada por uma grande consonância com a arte e a literatura mais avançadas da 
Europa. Podemos, contudo, descobrir já alguns ressaibos da estética modernista em Antero de 
Quental, Cesário Verde, Eugénio de Castro e Camilo Pessanha. 
As novas ideias modernistas aparecem pela primeira vez em 1913 na colectânea de 12 
poemas de Sá-Carneiro (com o título DISPERSÃO), de imediato aplaudidas por Fernando 
Pessoa. Logo a seguir, o próprio Pessoa dava início a uma corrente literária efémera, com a 
publicação da poesia PAÚIS na revista Renascença, em Fev. de 1914. (Esta experiência literária 
veio a chamar-se Paulismo, nome inspirado na referida poesia). Neste mesmo ano de 1914 
(durante o qual Pessoa criou os seus principais heterónimos, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e 
Ricardo Reis) o grupo modernista lança em Portugal um projecto que Luís de Montalvor tinha 
trazido do Brasil: a publicação da revista luso-brasileira ORPHEU, de que só se publicaram dois 
números, em 1915. Orpheu não era, todavia, uma revista esteticamente homogénea, já que nas 
suas páginas se reflectiam vários outros movimentos, incluindo o do Simbolismo, cuja estética já 
se anunciara entre nós com Cesário Verde, o poeta que estudámos no 11º Ano. De facto, o 
movimento Orpheu, associado à revista com o mesmo nome, albergou diversas tendências com 
predominância daquelas que expressavam as várias vertentes modernistas: o Decadentismo, o 
Paulismo, o Interseccionismo, o Sensacionismo e o Futurismo. 
O suicídio de Sá Carneiro, em Abril de 1916, veio privar o grupo modernista de um dos 
seus mais relevantes mentores, mas a geração modernista continuou a exprimir as sua novas 
ideias em escritos particulares ou noutras revistas entretanto aparecidas: EXÍLIO (1916), 
CENTAURO (1916), PORTUGAL FUTURISTA (1917). 
Uma década mais tarde, apareceu a revista PRESENÇA (1927) porta-voz do Presencismo, 
uma nova sensibilidade literária que divulgou e valorizou criticamente as obras do grupo do 
Orpheu. Embora com esse distanciamento crítico, os presencistas (de que Vitorino Nemésio e 
Miguel Torga chegaram a fazer parte e que tiveram em José Régio o mais lídimo representante) 
herdam vários aspectos do espírito do Orpheu, sendo, por isso, considerados os representantes de 
uma segunda geração de modernistas. 
No seu conjunto, a estética modernista portuguesa caracteriza-se: 
· pela tendência para a dispersão ou multiplicidade da personalidade; 
· por um misto de irracionalismo (abandono ao inconsciente, ao 
primitivismo e à infantilidade) e de intelectualismo; 
· pela tendência para «a expressão paradoxal das emoções e dos 
sentimentos». 
· Visão da infância como paraíso perdido; 
· Euforia do moderno (que rapidamente conduz ao tédio existencial); 
· Esforço nunca conseguido de autoconhecimento.
O problema da unidade do eu e da busca de uma personalidade radical é equacionada de 
uma maneira inteiramente nova: O Modernismo incita à plenitude individual mas vive a 
contradição do mundo visto como coisa absurda e sem suporte. 
Contexto do aparecimento do Modernismo 
A gestação das ideias do Modernismo afirmava-se já nas tendências literárias «anti-românticas 
» que marcaram a Europa, na transição do século XIX para o século XX: 
· O Decadentismo exprimia o cansaço, o tédio e a busca de novas sensações. 
· O Parnasianismo (que influenciou Cesário Verde) constituía uma reacção contra o 
Romantismo, defendendo a objectividade temática contra o sentimentalismo e os 
excessos da imaginação romântica. 
· O Simbolismo (muito presente numa primeira fase de Pessoa) passou a valorizar as 
sonoridades da palavra e a distanciar-se da concepção de literatura como um simples 
veículo de comunicação de ideias, para pôr em relevo a poesia como uma construção 
artística de linguagem. 
Estas tendências finisseculares emergiram de um clima de grande insatisfação que se 
respirava na cultura europeia. De facto, a passagem do século XIX para o XX foi marcado pela 
crise do capitalismo e pela agitação social em busca da democracia. É verdade que nessa época a 
crença no progresso proporcionado pela revolução científica, técnica e industrial fez desencadear 
uma grande euforia diante das novas possibilidades do homem, como se pode detectar nos textos 
literários futuristas. Mas, por outro lado, nesse mesmo período histórico aumentou a descrença 
nos sistemas políticos, sociais e filosóficos. Este quadro tornou-se ainda mais pessimista com a 
grande incerteza criada pela 1ª Grande Guerra, que veio pôr em causa a confiança no futuro, 
levando muitos literatos a valorizar a filosofia da fruição do presente, como se pode detectar em 
poemas do heterónimo Ricardo Reis. 
Em Portugal vivia-se nessa mesma época o grande abalo provocado pelo Ultimato inglês, 
que constituiu uma grande humilhação para a consciência nacional. As correntes estéticas 
influenciadas por este clima de desencanto tornaram-se permeáveis aos movimentos que 
defendiam o revigoramento da cultura nacional, facto que levou vários escritores a aderirem ao 
Saudosismo, de Teixeira de Pascoais. 
Fernando Pessoa foi um dos que perfilhou os ideias saudosistas, mas rapidamente evolui 
para o Modernismo, sob a influência das novas correntes estéticas europeias, denominadas 
Vanguardas Europeias, que apregoavam a liberdade criadora. O aparecimento da revista Orpheu 
(1915) corporizou esta vontade de ruptura com o passado, apresentando o Modernismo como a 
expressão da inquietude daquela época e como uma provocação contra o gosto estabelecido. 
As marcas do Modernismo: 
«A liberdade criadora; o sentido aristocrático da arte, contra a vulgaridade; a perfeição formal; o 
cosmopolitismo; a correspondência entre as várias artes - literatura, pintura, escultura, música; o gosto pelo 
exótico, pelo clássico e pelo pitoresco; o impressionismo descritivo; a renovação vocabular e dos recursos 
expressivos; a simplificação da sintaxe; o aproveitamento das imagens visuais e dos vocábulos musicais; a 
versificação irregular e o verso livre; a liberdade estrófica». 
Tendo como característica comum a vontade de romper com o passado «cada uma das correntes de 
vanguarda assumiu um carácter específico, exprimindo a subjectividade e o irracionalismo humano, na 
ânsia de encontrar novas formas de expressão capazes de traduzir uma nova realidade para a sua 
contemporaneidade». 
2
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
Carlos Pinheiro
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
Daniel BoSs
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
turmaweb2010
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Andriane Cursino
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
Laboratório de Informática
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
Caroline Canales
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
Pedro Guilherme
 
Almada Negreiros
Almada NegreirosAlmada Negreiros
Almada Negreiros
Gabyvb
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
João Ribeiro
 
Geração ‘Orpheu’
Geração  ‘Orpheu’Geração  ‘Orpheu’
Geração ‘Orpheu’
Maria Pereira
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
Marcio Duarte
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
Raphael Lanzillotte
 
Amor de salvação
Amor de salvaçãoAmor de salvação
Amor de salvação
Analú Lúcia
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Beatriz Cruz
 
Modernismo em Portugal: a primeira geração
Modernismo em Portugal: a primeira geraçãoModernismo em Portugal: a primeira geração
Modernismo em Portugal: a primeira geração
Jailson Lima
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
home
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Andréia Peixoto
 
07 arte portuguesa
07 arte portuguesa07 arte portuguesa
07 arte portuguesa
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Almada Negreiros
Almada NegreirosAlmada Negreiros
Almada Negreiros
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Geração ‘Orpheu’
Geração  ‘Orpheu’Geração  ‘Orpheu’
Geração ‘Orpheu’
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Amor de salvação
Amor de salvaçãoAmor de salvação
Amor de salvação
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo em Portugal: a primeira geração
Modernismo em Portugal: a primeira geraçãoModernismo em Portugal: a primeira geração
Modernismo em Portugal: a primeira geração
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
07 arte portuguesa
07 arte portuguesa07 arte portuguesa
07 arte portuguesa
 

Destaque

Porque e por que
Porque e por quePorque e por que
Porque e por que
quintaldasletras
 
Expressões latinas
Expressões latinasExpressões latinas
Expressões latinas
quintaldasletras
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
quintaldasletras
 
Quadro sobre modalidade
Quadro sobre modalidadeQuadro sobre modalidade
Quadro sobre modalidade
quintaldasletras
 
Texto pub..
Texto pub..Texto pub..
Texto pub..
quintaldasletras
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
quintaldasletras
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
quintaldasletras
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
quintaldasletras
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
quintaldasletras
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
quintaldasletras
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
quintaldasletras
 
Quantificadores
QuantificadoresQuantificadores
Quantificadores
quintaldasletras
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
quintaldasletras
 
Apresentação de 2013
Apresentação de 2013Apresentação de 2013
Apresentação de 2013
carloscc1200
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexical
quintaldasletras
 
Não se diz...diz-se
Não se diz...diz-seNão se diz...diz-se
Não se diz...diz-se
quintaldasletras
 
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
Trabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºanoTrabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºano
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
quintaldasletras
 
Cesário verde síntese
Cesário verde   sínteseCesário verde   síntese
Cesário verde síntese
quintaldasletras
 
Processos formação palavras
Processos formação palavrasProcessos formação palavras
Processos formação palavras
quintaldasletras
 

Destaque (20)

Porque e por que
Porque e por quePorque e por que
Porque e por que
 
Expressões latinas
Expressões latinasExpressões latinas
Expressões latinas
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
 
Quadro sobre modalidade
Quadro sobre modalidadeQuadro sobre modalidade
Quadro sobre modalidade
 
Texto pub..
Texto pub..Texto pub..
Texto pub..
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
 
Quantificadores
QuantificadoresQuantificadores
Quantificadores
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
 
Apresentação de 2013
Apresentação de 2013Apresentação de 2013
Apresentação de 2013
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexical
 
Não se diz...diz-se
Não se diz...diz-seNão se diz...diz-se
Não se diz...diz-se
 
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
Trabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºanoTrabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºano
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
 
Cesário verde síntese
Cesário verde   sínteseCesário verde   síntese
Cesário verde síntese
 
Processos formação palavras
Processos formação palavrasProcessos formação palavras
Processos formação palavras
 

Semelhante a Modernismo em portugal

12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
RosenildaAparecidaLa
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
complementoindirecto
 
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
Carla Ribeiro
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Adventus Net
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
adylanayara
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
MrPitobaldo
 
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XXCorrentes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
saraquel98
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas EuropeiasMovimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Douglas Capizani Campos
 
Revista Orpheu
Revista OrpheuRevista Orpheu
Revista Orpheu
complementoindirecto
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.pptFernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
ssuser87ae72
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
whybells
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Literatura brasileira iv
Literatura brasileira ivLiteratura brasileira iv
Literatura brasileira iv
Roncalli Gomes
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
Carlos Elson Cunha
 

Semelhante a Modernismo em portugal (20)

12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
 
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XXCorrentes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas EuropeiasMovimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
 
Revista Orpheu
Revista OrpheuRevista Orpheu
Revista Orpheu
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.pptFernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
Fernando Pessoa Contextualização histórico-literária.ppt
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Literatura brasileira iv
Literatura brasileira ivLiteratura brasileira iv
Literatura brasileira iv
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
Um olhar sobre_a_revista_de_antropofagia__1928-1929_[1]
 

Mais de quintaldasletras

Trabalho sobre o barroco tg
Trabalho sobre o barroco    tgTrabalho sobre o barroco    tg
Trabalho sobre o barroco tg
quintaldasletras
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
quintaldasletras
 
Cartoons para análise
Cartoons para análiseCartoons para análise
Cartoons para análise
quintaldasletras
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
quintaldasletras
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do convento
quintaldasletras
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
quintaldasletras
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
quintaldasletras
 
Https
HttpsHttps
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
quintaldasletras
 
Camões lírico teoria
Camões lírico teoriaCamões lírico teoria
Camões lírico teoria
quintaldasletras
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
quintaldasletras
 
29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente
quintaldasletras
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
quintaldasletras
 
Carta formal
Carta formalCarta formal
Carta formal
quintaldasletras
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
quintaldasletras
 
Subclasses dos verbos
Subclasses dos verbosSubclasses dos verbos
Subclasses dos verbos
quintaldasletras
 
Flexão verbal
Flexão verbalFlexão verbal
Flexão verbal
quintaldasletras
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
Ficha informativa e de trabalho modificadores
Ficha informativa e de trabalho modificadores Ficha informativa e de trabalho modificadores
Ficha informativa e de trabalho modificadores
quintaldasletras
 

Mais de quintaldasletras (19)

Trabalho sobre o barroco tg
Trabalho sobre o barroco    tgTrabalho sobre o barroco    tg
Trabalho sobre o barroco tg
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
 
Cartoons para análise
Cartoons para análiseCartoons para análise
Cartoons para análise
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do convento
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
 
Https
HttpsHttps
Https
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
Camões lírico teoria
Camões lírico teoriaCamões lírico teoria
Camões lírico teoria
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
 
29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
Carta formal
Carta formalCarta formal
Carta formal
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
 
Subclasses dos verbos
Subclasses dos verbosSubclasses dos verbos
Subclasses dos verbos
 
Flexão verbal
Flexão verbalFlexão verbal
Flexão verbal
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Ficha informativa e de trabalho modificadores
Ficha informativa e de trabalho modificadores Ficha informativa e de trabalho modificadores
Ficha informativa e de trabalho modificadores
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 

Modernismo em portugal

  • 1. MODERNISMO em PORTUGAL O núcleo do grupo modernista português nasceu em Lisboa, em 1913, com Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, poetas que haviam colaborado na Águia, (revista que era porta-voz do Saudosismo), mas que acabam por fazer uma ruptura com esse movimento literário das décadas anteriores. Estes dois poetas, juntamente com Almada Negreiros (todos eles nascidos no fim do século XIX), foram, de facto, os grandes empreendedores em Portugal da corrente modernista, marcada por uma grande consonância com a arte e a literatura mais avançadas da Europa. Podemos, contudo, descobrir já alguns ressaibos da estética modernista em Antero de Quental, Cesário Verde, Eugénio de Castro e Camilo Pessanha. As novas ideias modernistas aparecem pela primeira vez em 1913 na colectânea de 12 poemas de Sá-Carneiro (com o título DISPERSÃO), de imediato aplaudidas por Fernando Pessoa. Logo a seguir, o próprio Pessoa dava início a uma corrente literária efémera, com a publicação da poesia PAÚIS na revista Renascença, em Fev. de 1914. (Esta experiência literária veio a chamar-se Paulismo, nome inspirado na referida poesia). Neste mesmo ano de 1914 (durante o qual Pessoa criou os seus principais heterónimos, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis) o grupo modernista lança em Portugal um projecto que Luís de Montalvor tinha trazido do Brasil: a publicação da revista luso-brasileira ORPHEU, de que só se publicaram dois números, em 1915. Orpheu não era, todavia, uma revista esteticamente homogénea, já que nas suas páginas se reflectiam vários outros movimentos, incluindo o do Simbolismo, cuja estética já se anunciara entre nós com Cesário Verde, o poeta que estudámos no 11º Ano. De facto, o movimento Orpheu, associado à revista com o mesmo nome, albergou diversas tendências com predominância daquelas que expressavam as várias vertentes modernistas: o Decadentismo, o Paulismo, o Interseccionismo, o Sensacionismo e o Futurismo. O suicídio de Sá Carneiro, em Abril de 1916, veio privar o grupo modernista de um dos seus mais relevantes mentores, mas a geração modernista continuou a exprimir as sua novas ideias em escritos particulares ou noutras revistas entretanto aparecidas: EXÍLIO (1916), CENTAURO (1916), PORTUGAL FUTURISTA (1917). Uma década mais tarde, apareceu a revista PRESENÇA (1927) porta-voz do Presencismo, uma nova sensibilidade literária que divulgou e valorizou criticamente as obras do grupo do Orpheu. Embora com esse distanciamento crítico, os presencistas (de que Vitorino Nemésio e Miguel Torga chegaram a fazer parte e que tiveram em José Régio o mais lídimo representante) herdam vários aspectos do espírito do Orpheu, sendo, por isso, considerados os representantes de uma segunda geração de modernistas. No seu conjunto, a estética modernista portuguesa caracteriza-se: · pela tendência para a dispersão ou multiplicidade da personalidade; · por um misto de irracionalismo (abandono ao inconsciente, ao primitivismo e à infantilidade) e de intelectualismo; · pela tendência para «a expressão paradoxal das emoções e dos sentimentos». · Visão da infância como paraíso perdido; · Euforia do moderno (que rapidamente conduz ao tédio existencial); · Esforço nunca conseguido de autoconhecimento.
  • 2. O problema da unidade do eu e da busca de uma personalidade radical é equacionada de uma maneira inteiramente nova: O Modernismo incita à plenitude individual mas vive a contradição do mundo visto como coisa absurda e sem suporte. Contexto do aparecimento do Modernismo A gestação das ideias do Modernismo afirmava-se já nas tendências literárias «anti-românticas » que marcaram a Europa, na transição do século XIX para o século XX: · O Decadentismo exprimia o cansaço, o tédio e a busca de novas sensações. · O Parnasianismo (que influenciou Cesário Verde) constituía uma reacção contra o Romantismo, defendendo a objectividade temática contra o sentimentalismo e os excessos da imaginação romântica. · O Simbolismo (muito presente numa primeira fase de Pessoa) passou a valorizar as sonoridades da palavra e a distanciar-se da concepção de literatura como um simples veículo de comunicação de ideias, para pôr em relevo a poesia como uma construção artística de linguagem. Estas tendências finisseculares emergiram de um clima de grande insatisfação que se respirava na cultura europeia. De facto, a passagem do século XIX para o XX foi marcado pela crise do capitalismo e pela agitação social em busca da democracia. É verdade que nessa época a crença no progresso proporcionado pela revolução científica, técnica e industrial fez desencadear uma grande euforia diante das novas possibilidades do homem, como se pode detectar nos textos literários futuristas. Mas, por outro lado, nesse mesmo período histórico aumentou a descrença nos sistemas políticos, sociais e filosóficos. Este quadro tornou-se ainda mais pessimista com a grande incerteza criada pela 1ª Grande Guerra, que veio pôr em causa a confiança no futuro, levando muitos literatos a valorizar a filosofia da fruição do presente, como se pode detectar em poemas do heterónimo Ricardo Reis. Em Portugal vivia-se nessa mesma época o grande abalo provocado pelo Ultimato inglês, que constituiu uma grande humilhação para a consciência nacional. As correntes estéticas influenciadas por este clima de desencanto tornaram-se permeáveis aos movimentos que defendiam o revigoramento da cultura nacional, facto que levou vários escritores a aderirem ao Saudosismo, de Teixeira de Pascoais. Fernando Pessoa foi um dos que perfilhou os ideias saudosistas, mas rapidamente evolui para o Modernismo, sob a influência das novas correntes estéticas europeias, denominadas Vanguardas Europeias, que apregoavam a liberdade criadora. O aparecimento da revista Orpheu (1915) corporizou esta vontade de ruptura com o passado, apresentando o Modernismo como a expressão da inquietude daquela época e como uma provocação contra o gosto estabelecido. As marcas do Modernismo: «A liberdade criadora; o sentido aristocrático da arte, contra a vulgaridade; a perfeição formal; o cosmopolitismo; a correspondência entre as várias artes - literatura, pintura, escultura, música; o gosto pelo exótico, pelo clássico e pelo pitoresco; o impressionismo descritivo; a renovação vocabular e dos recursos expressivos; a simplificação da sintaxe; o aproveitamento das imagens visuais e dos vocábulos musicais; a versificação irregular e o verso livre; a liberdade estrófica». Tendo como característica comum a vontade de romper com o passado «cada uma das correntes de vanguarda assumiu um carácter específico, exprimindo a subjectividade e o irracionalismo humano, na ânsia de encontrar novas formas de expressão capazes de traduzir uma nova realidade para a sua contemporaneidade». 2
  • 3. 3