SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
A ressonância magnética nuclear é um fenómeno físico que foi inicialmente descrito por Isidor Rabi e lhe
valeu o Prémio Nobel da Física em 1944. As três palavras que descrevem o fenómeno permitem compreender
o seu funcionamento:
É nuclear e magnética porque os núcleos de grande parte dos átomos se comportam como pequenos
ímans. O núcleo do átomo que existe em maior quantidade no corpo humano (hidrogénio), composto apenas
por um protão, tem spin (tal como os eletrões). O spin é um momento angular, ou seja, o núcleo, que tem carga
elétrica, comporta-se como um pequeno loop de corrente, e assim gera um campo magnético. A direção deste
campo magnético precessa com uma determinada frequência, como um pião quando está a abrandar. Em
situações normais estes ímans estão orientados aleatoriamente e assim os seus campos magnéticos tendem a
anular-se.
Quando os átomos de um dado material (como o corpo humano) sentem a ação do campo oscilante, parte
dos núcleos que tenham essa frequência natural absorvem energia – tomando assim o sentido do campo
constante – e os seus movimentos de precessão entram em fase. Ao retirar o campo magnético oscilante, os
núcleos reemitem essa energia, criando um sinal eletromagnético que pode ser medido pelos detetores.
Apesar do princípio físico descrito ser conhecido há mais de meio século e a primeira imagem em 1D ter
sido obtida em 1952, só em 1977 é que a primeira ressonância magnética de corpo inteiro foi feita, publicada
no inicio de 1980.
A aplicabilidade dos princípios descritos para a obtenção de informação anatómica enfrentou vários
desafios técnicos. Em primeiro lugar, a seleção da zona a estimular implica a criação de um gradiente de campo²
numa das direções, de forma a seleccionar um intervalo para a frequência natural, e assim se delimitar um
corte. Contudo, permanecem duas direções por definir, pelo que se realiza um gradiente em fase e outro em
frequência em direções perpendiculares de modo a que se possa determinar posteriormente a localização do
Quando os núcleos estão sob a ação de um campo magnético constante, estes
pequenos ímans alinham-se com a direção do campo externo. Aplicando também um
segundo campo, menor e a oscilar com a frequência natural dos núcleos¹, coloca-se o
sistema em ressonância.
surgem como os principais fatores contra a sua aplicação. No entanto, a não utilização de radiação ionizante
é a maior vantagem, e em mais de 30 anos não existe qualquer registo de efeitos biológicos adversos. É claro
que, como durante todo o exame o paciente está sujeito a um campo magnético intenso, não poderá ter
piercings paramagnéticos nem tatuagens com determinadas tintas. Do mesmo modo, alguns implantes, como
pacemakers, poderão impedir a realização do exame.
Os avanços mais recentes nesta técnica têm fomentado o
desenvolvimento da ressonância magnética funcional. Esta
modalidade implica a obtenção de imagens associadas ao
metabolismo local. Usando como marcador a hemoglobina com
oxigénio, é possível observar o local do cérebro mais irrigado, ou
seja, o mais activo. Esta técnica tem sido utilizada para avaliar a
resposta do cérebro a vários estímulos em doentes com Doença
de Parkinson ou Alzheimer.
O desenvolvimento mais recente nesta área corresponde à
obtenção de medidas de difusão, que permitem conhecer as
características de mobilidade das moléculas. Esta modalidade tem
aplicações na tractografia, que estuda as vias nervosas presentes
no cérebro.
Imagem de ressonância magnética funcional com zonas
de activação.
Fonte: http://projectodeimagiologia.blogspot.pt
Imagem de tractografia.
Fonte: http://csci.ucsd.edu/
1 – Frequência de Larmor, que depende do núcleo atómico e do campo magnético constante aplicado.
Por outro lado, cada sistema em oscilação tem uma determinada frequência
natural. Se ele é forçado a oscilar por um estímulo externo periódico (com uma
dada frequência de oscilação), a resposta será mais acentuada quanto mais
próximas estiverem as duas frequências. Este é o fenómeno de ressonância.
Por exemplo, quando se empurra alguém num baloiço, se a frequência do
forçamento – correspondente à altura em que se empurra o baloiço – for
diferente da natural – associada ao tempo em que o baloiço atinge o ponto
mais alto – então o movimento será muito irregular e as oscilações pequenas.
Contudo, se as duas frequências estiverem alinhadas – o forçamento é feito
exatamente quando o baloiço atinge o ponto mais alto – consegue-se atingir
oscilações muito maiores.
Primeira imagem de ressonância
magnética nuclear do tórax obtida em
1977. Fonte: http://www.fonar.com
sinal recebido/emitido. Estes desenvolvimentos foram premiados em
2003, com a atribuição do prémio Nobel da medicina ao químico Paul
Lauterbur e ao físico Peter Mansfield pelo seu crucial contributo para o
desenvolvimento da técnica médica.
A distinção entre tecidos é conseguida pois a intensidade do sinal
depende da densidade dos átomos de hidrogénio na zona em análise,
o tipo de tecido e a sequência de radiofrequência utilizada (não se
usa uma só frequência, mas sim uma série delas, de modo a conseguir
observar determinadas estruturas em detrimento de outras).
Os custos elevados associados à manutenção do equipamento,
bem como a possibilidade de claustrofobia por parte do doente,
Movimento de precessão
A capacidade de obter informação sobre as funções
cerebrais, por exemplo, é muito importante como método de
investigação, mas a técnica é também alvo de muita investigação
científica, pelo que se pode esperar uma expansão das suas áreas de
aplicação nos próximos anos.
Apesar da técnica de ressonância magnética ter
a sua origem num princípio descoberto há várias
décadas, as suas potencialidades superaram muito a
aplicação inicial.
Ressonância Magnética Nuclear
A.G.
2 – Um gradiente de campo corresponde a uma reta, de modo a que a cada valor do campo se faça corresponder uma distância numa
dada direção.
Aparelhos e
Aplicações
Edição 0 | Aparelhos e Aplicações - Ressonância Magnética Nuclear Ressonância Magnética Nuclear - Aparelhos e Aplicações | Edição 0
12 13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética Funcional
Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética FuncionalComo Funciona A Ressonância Nuclear Magnética Funcional
Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética FuncionalAlex Eduardo Ribeiro
 
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética Nuclear
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética NuclearBreve Introdução Sobre Ressonância Magnética Nuclear
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética NuclearAlex Eduardo Ribeiro
 
As ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaAs ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaMiguel De Lima
 
Princípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância MagnéticaPrincípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introduçãocelais0814
 
Laser de argônio – aplicações
Laser de argônio – aplicaçõesLaser de argônio – aplicações
Laser de argônio – aplicaçõesPablo Vasconcelos
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesFernando Belome Feltrin
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticolaismoraes93
 
Princípios básicos de física da RM
Princípios básicos de física da RMPrincípios básicos de física da RM
Princípios básicos de física da RMCatarina Borges
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentoswelberrj
 

Mais procurados (20)

PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RMPRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
 
Aula de rm prof. luis aguiar
Aula de rm   prof. luis aguiarAula de rm   prof. luis aguiar
Aula de rm prof. luis aguiar
 
Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética Funcional
Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética FuncionalComo Funciona A Ressonância Nuclear Magnética Funcional
Como Funciona A Ressonância Nuclear Magnética Funcional
 
Resumão rm2
Resumão rm2Resumão rm2
Resumão rm2
 
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética Nuclear
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética NuclearBreve Introdução Sobre Ressonância Magnética Nuclear
Breve Introdução Sobre Ressonância Magnética Nuclear
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
 
As ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaAs ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografia
 
Artigo técnico - Eduardo Chiaradia Gonzalo
Artigo técnico - Eduardo Chiaradia GonzaloArtigo técnico - Eduardo Chiaradia Gonzalo
Artigo técnico - Eduardo Chiaradia Gonzalo
 
Princípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância MagnéticaPrincípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância Magnética
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Laser de argônio – aplicações
Laser de argônio – aplicaçõesLaser de argônio – aplicações
Laser de argônio – aplicações
 
Questões comentadas - Técnico em Radiologia EMSERH
Questões comentadas - Técnico em Radiologia EMSERHQuestões comentadas - Técnico em Radiologia EMSERH
Questões comentadas - Técnico em Radiologia EMSERH
 
Segurança em RM
Segurança em RMSegurança em RM
Segurança em RM
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
 
espetroscopia do infravermelho
espetroscopia do infravermelhoespetroscopia do infravermelho
espetroscopia do infravermelho
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
Princípios básicos de física da RM
Princípios básicos de física da RMPrincípios básicos de física da RM
Princípios básicos de física da RM
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
 
Cobaltoterapia apresentacao
Cobaltoterapia apresentacaoCobaltoterapia apresentacao
Cobaltoterapia apresentacao
 

Destaque (13)

Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM - JPR 2015
 
Administração Radiologica
Administração RadiologicaAdministração Radiologica
Administração Radiologica
 
RM COLUNA VERTEBRAL
RM COLUNA VERTEBRALRM COLUNA VERTEBRAL
RM COLUNA VERTEBRAL
 
Gestão Clínica Radiológica
Gestão Clínica RadiológicaGestão Clínica Radiológica
Gestão Clínica Radiológica
 
RM JOELHO
RM JOELHORM JOELHO
RM JOELHO
 
Tecido ósseo
Tecido ósseo Tecido ósseo
Tecido ósseo
 
Imagenes en la esclerosis multiple. Simposio centroamerican de EM
Imagenes en la esclerosis multiple. Simposio centroamerican de EM Imagenes en la esclerosis multiple. Simposio centroamerican de EM
Imagenes en la esclerosis multiple. Simposio centroamerican de EM
 
Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Aula 2 sequencias de pulsos
Aula 2 sequencias de pulsosAula 2 sequencias de pulsos
Aula 2 sequencias de pulsos
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 

Semelhante a Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0

Semelhante a Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0 (17)

Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
 
Ebook med nuclear
Ebook med nuclearEbook med nuclear
Ebook med nuclear
 
Trabalho de Radiologia
 Trabalho de Radiologia  Trabalho de Radiologia
Trabalho de Radiologia
 
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magneticaPrincipios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
 
Apostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magneticaApostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magnetica
 
IRMN_manuscrito.pdf
IRMN_manuscrito.pdfIRMN_manuscrito.pdf
IRMN_manuscrito.pdf
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
A física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raiosA física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raios
 
Artigo11 rm
Artigo11 rmArtigo11 rm
Artigo11 rm
 
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptxRessonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
 
01 apostila eb109 2012
01   apostila eb109 201201   apostila eb109 2012
01 apostila eb109 2012
 
Monog. proteção radiologica em pediartia
Monog. proteção radiologica em pediartiaMonog. proteção radiologica em pediartia
Monog. proteção radiologica em pediartia
 
ressonancia 2.ppt
ressonancia 2.pptressonancia 2.ppt
ressonancia 2.ppt
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
 
Ondas electromagneticas
Ondas electromagneticasOndas electromagneticas
Ondas electromagneticas
 
Ondas electromagneticas
Ondas electromagneticasOndas electromagneticas
Ondas electromagneticas
 

Mais de HorizonFCUL

Oportunidades - Horizon FCUL 0
Oportunidades - Horizon FCUL 0Oportunidades - Horizon FCUL 0
Oportunidades - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Jogos científicos - Horizon FCUL 0
Jogos científicos - Horizon FCUL 0Jogos científicos - Horizon FCUL 0
Jogos científicos - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Curiosidades Físicas
Curiosidades FísicasCuriosidades Físicas
Curiosidades FísicasHorizonFCUL
 
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0HorizonFCUL
 
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Workshop EBB FCUL
Workshop EBB FCUL Workshop EBB FCUL
Workshop EBB FCUL HorizonFCUL
 
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
Entrevista ao presidente do Departamento de Física
Entrevista ao presidente do Departamento de FísicaEntrevista ao presidente do Departamento de Física
Entrevista ao presidente do Departamento de FísicaHorizonFCUL
 
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0cerebro de einstein - Horizon FCUL 0
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0HorizonFCUL
 
ficha técnica e índice - Horizon 0
ficha técnica e índice - Horizon 0ficha técnica e índice - Horizon 0
ficha técnica e índice - Horizon 0HorizonFCUL
 
capa e contracapa Horizon 0
capa e contracapa Horizon 0capa e contracapa Horizon 0
capa e contracapa Horizon 0HorizonFCUL
 
Horizon Magazine 0
Horizon Magazine 0Horizon Magazine 0
Horizon Magazine 0HorizonFCUL
 

Mais de HorizonFCUL (19)

Oportunidades - Horizon FCUL 0
Oportunidades - Horizon FCUL 0Oportunidades - Horizon FCUL 0
Oportunidades - Horizon FCUL 0
 
Jogos científicos - Horizon FCUL 0
Jogos científicos - Horizon FCUL 0Jogos científicos - Horizon FCUL 0
Jogos científicos - Horizon FCUL 0
 
Curiosidades Físicas
Curiosidades FísicasCuriosidades Físicas
Curiosidades Físicas
 
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0
Deus não joga aos dados - Horizon FCUL 0
 
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0
Determinação do zero absoluto - Horizon FCUL 0
 
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0
Impacto da física na economia europeia - Horizon FCUL 0
 
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0
Teoria da relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL edição 0
 
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0
Einstein e o mercado financeiro - Horizon FCUL 0
 
Workshop EBB FCUL
Workshop EBB FCUL Workshop EBB FCUL
Workshop EBB FCUL
 
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0
Afinal, o que é o bosão de Higgs - Horizon FCUL 0
 
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0
Planck e matéria escura - Horizon FCUL 0
 
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Biografia de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
 
Entrevista ao presidente do Departamento de Física
Entrevista ao presidente do Departamento de FísicaEntrevista ao presidente do Departamento de Física
Entrevista ao presidente do Departamento de Física
 
dia aberto FCUL
dia aberto FCULdia aberto FCUL
dia aberto FCUL
 
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
Teoria da Relatividade de Albert Einstein - Horizon FCUL 0
 
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0cerebro de einstein - Horizon FCUL 0
cerebro de einstein - Horizon FCUL 0
 
ficha técnica e índice - Horizon 0
ficha técnica e índice - Horizon 0ficha técnica e índice - Horizon 0
ficha técnica e índice - Horizon 0
 
capa e contracapa Horizon 0
capa e contracapa Horizon 0capa e contracapa Horizon 0
capa e contracapa Horizon 0
 
Horizon Magazine 0
Horizon Magazine 0Horizon Magazine 0
Horizon Magazine 0
 

Último

ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 

Último (8)

ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 

Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0

  • 1. A ressonância magnética nuclear é um fenómeno físico que foi inicialmente descrito por Isidor Rabi e lhe valeu o Prémio Nobel da Física em 1944. As três palavras que descrevem o fenómeno permitem compreender o seu funcionamento: É nuclear e magnética porque os núcleos de grande parte dos átomos se comportam como pequenos ímans. O núcleo do átomo que existe em maior quantidade no corpo humano (hidrogénio), composto apenas por um protão, tem spin (tal como os eletrões). O spin é um momento angular, ou seja, o núcleo, que tem carga elétrica, comporta-se como um pequeno loop de corrente, e assim gera um campo magnético. A direção deste campo magnético precessa com uma determinada frequência, como um pião quando está a abrandar. Em situações normais estes ímans estão orientados aleatoriamente e assim os seus campos magnéticos tendem a anular-se. Quando os átomos de um dado material (como o corpo humano) sentem a ação do campo oscilante, parte dos núcleos que tenham essa frequência natural absorvem energia – tomando assim o sentido do campo constante – e os seus movimentos de precessão entram em fase. Ao retirar o campo magnético oscilante, os núcleos reemitem essa energia, criando um sinal eletromagnético que pode ser medido pelos detetores. Apesar do princípio físico descrito ser conhecido há mais de meio século e a primeira imagem em 1D ter sido obtida em 1952, só em 1977 é que a primeira ressonância magnética de corpo inteiro foi feita, publicada no inicio de 1980. A aplicabilidade dos princípios descritos para a obtenção de informação anatómica enfrentou vários desafios técnicos. Em primeiro lugar, a seleção da zona a estimular implica a criação de um gradiente de campo² numa das direções, de forma a seleccionar um intervalo para a frequência natural, e assim se delimitar um corte. Contudo, permanecem duas direções por definir, pelo que se realiza um gradiente em fase e outro em frequência em direções perpendiculares de modo a que se possa determinar posteriormente a localização do Quando os núcleos estão sob a ação de um campo magnético constante, estes pequenos ímans alinham-se com a direção do campo externo. Aplicando também um segundo campo, menor e a oscilar com a frequência natural dos núcleos¹, coloca-se o sistema em ressonância. surgem como os principais fatores contra a sua aplicação. No entanto, a não utilização de radiação ionizante é a maior vantagem, e em mais de 30 anos não existe qualquer registo de efeitos biológicos adversos. É claro que, como durante todo o exame o paciente está sujeito a um campo magnético intenso, não poderá ter piercings paramagnéticos nem tatuagens com determinadas tintas. Do mesmo modo, alguns implantes, como pacemakers, poderão impedir a realização do exame. Os avanços mais recentes nesta técnica têm fomentado o desenvolvimento da ressonância magnética funcional. Esta modalidade implica a obtenção de imagens associadas ao metabolismo local. Usando como marcador a hemoglobina com oxigénio, é possível observar o local do cérebro mais irrigado, ou seja, o mais activo. Esta técnica tem sido utilizada para avaliar a resposta do cérebro a vários estímulos em doentes com Doença de Parkinson ou Alzheimer. O desenvolvimento mais recente nesta área corresponde à obtenção de medidas de difusão, que permitem conhecer as características de mobilidade das moléculas. Esta modalidade tem aplicações na tractografia, que estuda as vias nervosas presentes no cérebro. Imagem de ressonância magnética funcional com zonas de activação. Fonte: http://projectodeimagiologia.blogspot.pt Imagem de tractografia. Fonte: http://csci.ucsd.edu/ 1 – Frequência de Larmor, que depende do núcleo atómico e do campo magnético constante aplicado. Por outro lado, cada sistema em oscilação tem uma determinada frequência natural. Se ele é forçado a oscilar por um estímulo externo periódico (com uma dada frequência de oscilação), a resposta será mais acentuada quanto mais próximas estiverem as duas frequências. Este é o fenómeno de ressonância. Por exemplo, quando se empurra alguém num baloiço, se a frequência do forçamento – correspondente à altura em que se empurra o baloiço – for diferente da natural – associada ao tempo em que o baloiço atinge o ponto mais alto – então o movimento será muito irregular e as oscilações pequenas. Contudo, se as duas frequências estiverem alinhadas – o forçamento é feito exatamente quando o baloiço atinge o ponto mais alto – consegue-se atingir oscilações muito maiores. Primeira imagem de ressonância magnética nuclear do tórax obtida em 1977. Fonte: http://www.fonar.com sinal recebido/emitido. Estes desenvolvimentos foram premiados em 2003, com a atribuição do prémio Nobel da medicina ao químico Paul Lauterbur e ao físico Peter Mansfield pelo seu crucial contributo para o desenvolvimento da técnica médica. A distinção entre tecidos é conseguida pois a intensidade do sinal depende da densidade dos átomos de hidrogénio na zona em análise, o tipo de tecido e a sequência de radiofrequência utilizada (não se usa uma só frequência, mas sim uma série delas, de modo a conseguir observar determinadas estruturas em detrimento de outras). Os custos elevados associados à manutenção do equipamento, bem como a possibilidade de claustrofobia por parte do doente, Movimento de precessão A capacidade de obter informação sobre as funções cerebrais, por exemplo, é muito importante como método de investigação, mas a técnica é também alvo de muita investigação científica, pelo que se pode esperar uma expansão das suas áreas de aplicação nos próximos anos. Apesar da técnica de ressonância magnética ter a sua origem num princípio descoberto há várias décadas, as suas potencialidades superaram muito a aplicação inicial. Ressonância Magnética Nuclear A.G. 2 – Um gradiente de campo corresponde a uma reta, de modo a que a cada valor do campo se faça corresponder uma distância numa dada direção. Aparelhos e Aplicações Edição 0 | Aparelhos e Aplicações - Ressonância Magnética Nuclear Ressonância Magnética Nuclear - Aparelhos e Aplicações | Edição 0 12 13