SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
PRINCÍPIOS BÁSICOS DE
FÍSICA DA RNM
Catarina Borges – A3
Fevereiro/2014
INTRODUÇÃO
 Primeiramente é preciso relembrar algumas
coisas...
 Os átomos são compostos pelo núcleo, pelos prótons,
com carga positiva, e nêutrons, sem carga, e os
elétrons, com carga negativa, que ficam orbitando o
núcleo.
 NúmeroAtômico – soma dos prótons;
 Número de Massa – prótons + nêutrons;
 Átomo estável – número elétrons = prótons;
 Átomo instável – número elétrons ≠ prótons;
Íons.
INTRODUÇÃO
 A imagem por RM é o resultado da interação
de um forte campo magnético (produzido
pelo equipamento) com os prótons de H do
tecido > criando uma condição para enviar
pulso de radiofrequência e após coletar a RF
modificada por bobina/antena > o sinal é
processado > imagem.
INTRODUÇÃO
 RM – átomos devem ter:
 Corrente elétrica
 Número ímpar de prótons
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
 Cada átomo possui movimentos
característicos, sendo que os elétrons giram
no seus próprios eixos e ao redor do núcleo,
além do núcleo girar constantemente ao
redor do seu próprio eixo, sendo que este
último é o conhecido spin.
INTRODUÇÃO
 O próton tem uma carga positiva, portanto
como o próton possui o movimento de spin a
carga elétrica roda também, e uma carga
elétrica em movimento é uma corrente
elétrica, e a uma corrente elétrica induz a
formação de um campo magnético, como se
fosse um pequeno imã, com pólo positivo e
pólo negativo.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
 Os prótons normalmente, sem efeito de um
campo magnético externo, estão alinhados de
forma aleatória.
 Ou seja, na temperatura corporal normal e sob a ação
do fraco campo magnético daTerra os momentos
magnéticos se distribuem de forma randômica,
fazendo com que a magnetização do tecido seja
NULA.
 Entretanto, se são expostos a um campo
magnético externo, no caso da RM o B0, estes
tendem a se alinhar com este campo, como se
fossem imãs de bússola. Mas nem todos os
prótons se alinham da mesma forma,
acompanhando o sentido do campo magnético.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
 Entretanto, os vetores podem se alinhar de duas formas: no
sentido paralelo ou no sentido antiparalelo.
 Estes alinhamentos estão em níveis diferentes de energia.
Para que um próton se alinhe no sentido antiparalelo, ele
precisa ter uma energia térmica maior que o restante dos
prótons, a fim de vencer o campo magnético.
 Entretanto, sempre haverá uma quantidade pouco maior
de prótons alinhados no sentido paralelo, de mais baixa
energia. Estes prótons alinhados podem ser representados
por vetores, que representam uma força e uma direção, e
deste modo a soma dos vetores alinhados de forma
paralela formam um vetor de magnetização efetivo.
INTRODUÇÃO
 Paralelo e antiparalelo:
 Alta energia térmica – vence B0 – antiparalelo (spin-down);
 Baixa energia térmica – à favor de B0 – paralelo (spin-up).
 Sempre há maioria paralela – produção de um vetor de
magnetização efetivo (VME);
INTRODUÇÃO
 O campo magnético induz a formação de um
movimento oscilatório dos prótons ao redor do
eixo do campo magnético, é o chamado
movimento de precessão, como se fosse um
pião.
 A RM é um fenômeno em que partículas contendo
momento magnético exibem movimento de
precessão quando estão sob a ação de um forte campo
magnético.
 Este movimento possui uma forma de trajetória
circular, a trajetória de precessão, e a velocidade
com que movimento nesta trajetória é a
velocidade ou frequência de precessão.
INTRODUÇÃO
 Campo – induz oscilação adicional dos núcleos ao redor
do eixo B0 – precessão;
 Forma uma trajetória circular – trajetória de precessão;
 Velocidade de precessão – megahertz (MHz);
INTRODUÇÃO
 Equação de Larmor:
 Dita a frequência de precessão:
 Razão giromagnética é constante para 1T (H = 42,57 MHz/T);
 Denominada então frequência de Larmor.
INTRODUÇÃO
 Ressonância
 Transferência de energia.
 Para empurrar a criança, é preciso estar em
ressonância com o movimento pendular do
balanço!
INTRODUÇÃO
 Ressonância
 Objeto é exposto a uma perturbação oscilatória com frequência
próxima à sua natural;
 Ganha energia externa – entra em ressonância;
 Pulso de RF deve ser igual à de Larmor – excitação.
INTRODUÇÃO
 Pulso de RF – pulso de onda eletromagnética que irá
perturbar os prótons – para tanto esta pulso deve ter uma
frequência igual à frequência de precessão para poder
trocar energia de forma correta.
 A frequência portanto deve ser igual àquela dada pela
equação de Larmor.
 Quando isto ocorre, há a possibilidade dos prótons
pegarem energia, originando o fenômeno chamado de
ressonância. Este é o mesmo princípio aplicado em
diapasões para afinar cordas, quando há vibração em certa
frequência.
 Ao ganhar mais energia, o prótons mudam seu
alinhamento, indo para uma área com maior energia, neste
caso antiparalelo.
MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO
 Quando o próton realizar
o movimento de
precessão surgirá um
vetor em torno do eixo Z.
 O eixo Z longitudinal
representa a direção de
aplicação do campo
magnético principal (B0).
 O plano XY é chamado
transversal.
MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO
 Vetor de magnetização efetivo (VME): os vetores dos
prótons estão em precessão, alguns alinhados na forma
paralela e outros alinhados na forma antiparalela.
 Deste modo, em um certo momento, quando há um vetor
apontando para uma direção, há um outro de mesma
intensidade mas com direção oposta, que terminam por se
cancelar.
 Como há sempre mais prótons alinhados no sentido
paralelo, sobrará prótons nesta direção.
 Entretanto, ao dividir os vetores nos eixos Z eY, pode haver
cancelamento do componenteY*, sobrando somente o Z, o
vetor de magnetização longitudinal. Age como se o
paciente fosse um imã, com o pólo superior e inferior.
* Apesar de todos os momentos magnéticos
precessarem em torno de B0 com uma
frequência w , não existe coerência de fase
entre eles, portanto não existirá componente
de magnetização no plano transversal.
MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO
 Mesmo com o cancelamento mútuo, ainda
sobram 4 spins > componente de
magnetização resultante M0 irá surgir
alinhando-se ao eixo longitudinal.
 Direita: spins alinhados
paralelamente e
antiparalelamente ao
campo magnético
externo aplicado (eixo z ),
realizando movimento de
precessão. Esquerda:
Vetor magnetização
resultante (M0) de um
elemento de volume do
tecido.
MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO
 Quando uma bobina é colocada de forma perpendicular ao
plano transversal, nenhum sinal é detectado.
 Para que uma corrente elétrica seja induzida é então
necessário que o vetor de magnetização esteja no plano
transversal e que possua coerência de fase.
 Ou seja, enquanto o vetor M0 estiver alinhado ao eixo Z
(eixo de B0) a magnetização tissular não poderá ser
medida.
 Como desviar?
 Através de um pulso de radiação eletromagnética oscilando na
frequência de Larmor de H.
 Ao receber um pulso de RF, oVME se desloca um certo ângulo, o
chamado flip angle; quando recebe um FA de 90º, ele desloca
para o eixo transverso.
 O pulso de 90º é o pulso de excitação.
MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO
 O pulso é um segundo campo magnético de
curta duração (B1).
 Deve ser perpendicular ao B0 e deve estar em
fase com a frequencia de precessão.
 Pulsos de 180º também podem ser usados
(pulsos de inversão).
 A emissão deste pulso é feita pela bobina de
corpo e a detecção pela bobina local (por ex.
crânio).
Pulsos de RF e sua nomenclatura. O pulso de 90º é chamado de pulso de excitação, o de 180º
de pulso de inversão e o pulso a pode assumir qualquer valor.
INTRODUÇÃO
VME se afasta do eixo longitudinal – depende
do ângulo de inclinação (flip angle);
FA de 90º - passa para o eixo transversal.
INTRODUÇÃO
 Após a aplicação de um pulso de RF, os
prótons começam a se movimentar em fase,
ou seja, eles estão no mesmo ponto na
trajetória; todos começam a apontar na
mesma direção, sendo que alguns estão em
paralelo e outros em antiparalelo; desta
forma os seus vetores agora vão somar na
direção transversa, formando a chamada
magnetização transversal > teremos o
máximo de sinal induzido nesta bobina.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
 Com os prótons em fase, oVME mantém a
velocidade de precessão; isto induz a
formação de uma corrente elétrica, o que irá
induzir a formação de um campo magnético;
este campo magnético está em movimento,
o que por sua vez irá induzir a formação de
uma corrente elétrica na bobina, o que irá
portanto formar o sinal da ressonância
magnética.
INTRODUÇÃO
 Declínio de Indução Livre (free induction decay):
 Desliga-se o pulso de RF – oVME volta a sofrer ação de B0 – realinhamento com
este;
 Perda de energia – relaxamento;
 Retorno da magnetização longitudinal – recuperaçãoT1;
 Perda da magnetização transversal – declínio T2.
PROCESSOS DE RELAXAÇÃO
 A Relaxação ocorre pela troca de energia
entre os spins e entre os spins e a rede >
fazendo com que o vetor M volte para o seu
estado de equilíbrio (paralelo a B0).
RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL –
T1
 O relaxamento longitudinal também, chamado de recuperação
T1.
 Está relacionado com o tempo de retorno da magnetização para
o eixo longitudinal.
 Os prótons perdem energia para o ambiente.
 Os prótons que estavam no alinhamento antiparalelo, devem
perder energia para voltar ao paralelo, portanto eles devem
perder para algum lugar.
 Colocando o relaxamento transversal em uma curva, é
demonstrada que há um aumento com o tempo, e esta é a
chamada curvaT1, que descreve o tempo que oVME deve voltar
para o seu valor original no eixo longitudinal, que ocorre de
forma exponencial.
 O tempoT1 será o tempo necessário para a magnetização
longitudinal recuperar 63% do seu valor inicial.
É o tempo (depois
do pulso de 90º)
necessário para
que os spins
transfiram o
excesso de
energia voltando
ao estado de
menor energia.
Retorno da magnetização longitudinal.
RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL
(T1)
 Longitudinal (T1) relaxation.Application of a 90° RF pulse causes
longitudinal magnetization to become zero. Over time, the longitudinal
magnetization will grow back in a direction parallel to the main magnetic
field.
RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL
(T1)
Definition ofT1.T1 is a characteristic of tissue and is defined as the time
that it takes the longitudinal magnetization to grow back to 63% of its
final value.
* Definição de T1. T1 é uma característicade tecido
e é definido como o tempo que leva a magnetização
longitudinal para voltar a crescer a 63% do seu valor
final.
T2
 Como o campo não é sempre homogêneo, quando o pulso de RF
é desligado, os prótons começam a sair de fase, começam a ter
frequências de precessão diferentes.
 Enquanto os prótons vão saindo de fase, a magnetização
transversal vai reduzindo, pela redução da somatória de vetores.
Esta redução pode ser colocada em uma curva descendente, que
demonstra o tempo necessário para esta magnetização reduzir.
Este tempo é definido como tempoT2 (ou sejaT2 faz referência à
redução da magnetização no plano transversal).
 Também é conhecido como relaxamento spin-spin, porque há
troca de energia entre os prótons, o que auxilia na
heterogeneidade, auxiliando na perda de fase e reduzindo a
magnetização transversal.
 Portanto, o tempoT2 demonstra o tempo que leva para que haja
63% de redução da magnetização longitudinal.
 Ou MELHOR:O tempo necessário para a magnetização no plano
transversal (Mxy) atinja 37% do seu valor inicial.
 DeclínioT2 – troca de energia entre núcleos
vizinhos – relaxamento spin-spin;
 Redução da magnetização transversal – tempoT2 =
63% foi perdida.
Definition ofT2.T2 is a characteristic of tissue
and is defined as the time that it takes the
transverse magnetization to decrease to 37%
of its starting value.
T1 e T2
 Diferentes tecidos têm diferentes valores de
T1 eT2. Essas diferenças poderão ser usadas
para gerar contraste entre os tecidos >
vantagem da RM.
T1 e T2
 Contraste ponderadoT1:
Tecidos diferentes têm
diferentes taxas de
relaxamentoT1. Se uma
imagem é obtida em um
momento em que as
curvas de relaxamento
são amplamente
separadas, o contraste
emT1 será maximizada.
T1 E T2
 Contraste ponderadoT2:
Diferentes tecidos têm
diferentes taxas de
relaxamentoT2. Se uma
imagem é obtida em um
momento em que as
curvas de relaxamento
são amplamente
separadas, contrasteT2
será maximizada.
T1 E T2
 O tempoT1 depende da composição do tecido e do tecido adjacente; o
tempoT1 se relaciona com a troca de energia com o retículo, ou os
tecidos adjacentes; a troca de energia pode ocorrer de forma muito
eficiente quando os átomos do tecido apresentam precessão na mesma
velocidade que a frequência de Larmor;
 Se for água, por elas se moverem muito rápido, o envio de energia fica
prejudicado, portanto a recuperação da magnetização longitudinal é
mais lenta, demora mais tempo para recuperar os valores originais da
magnetização. Isto demonstra que a água possui um tempoT1 longo.
 Entretanto, se o retículo é composto por grandes moléculas que flutuam
e possuem átomos com frequência de precessão semelhante à de
Larmor, a troca é muito mais efetiva, mais rápida, portanto o tempoT2
será curto. A gordura temT1 curto porque a extremidade carboxila dos
ácidos graxos precessa perto da de Larmor, garantindo uma
transferência rápida.
T1:
gordura recupera mais rápido a magnetização longitudinal –T1 curto -
hipersinal;
Água com alta mobilidade molecular –T1 longo – hipossinal.
*Gordura
T1 E T2
 O tempoT2 depende de 2 fatores: heterogeneidades do
campo magnético externo e dos campos magnéticos locais
dos tecidos.
 As moléculas de água se movem muito rapidamente, deste
os seus campos magnéticos acabam por mediar um ao
outro, evitando grandes diferenças no campo magnético
final; isto faz com que os prótons continuem em fase por
mais tempo, portanto leva um tempo maior para que haja
perda da fase, portanto oT2 será longo.
 Entretanto, aqueles tecidos que apresentam grandes
moléculas, há variações maiores no campo magnético
local. As moléculas não se movem tão rapidamente, então
fica difícil fazer uma média do campo. Isto faz com que os
prótons saiam de fase mais rapidamente, portanto o tempo
T2 será curto.
T2:
água com menor heterogeneidade – demora mais para sair de fase –T2 longo;
Gordura com maior heterogeneidade – sai mais rápido de fase –T2 curto.
ECO DE SPINS
 Hahn em 1950 descreveu que ao excitarmos os
prótons com um pulso de RF e após um tempo t
enviarmos um 2º pulso irá surgir além do sinal
inicial, um 2 sinal que é o ECO do 1º (surge após
um tempo 2t).
 É um processo natural e ocorre devido
refasagem dos momentos magnéticos pelo 2º
pulso.
 É possível controlar o momento que o eco surge
(mas a de e refasagem dependem do tipo de
tecido).
SPIN ECO
 É uma sequência caracterizada pela
aplicação de um pulso de 90º seguindo de um
pulso de 180º o que resultará no surgimento
de um sinal de eco após um tempo 2t.
 O tempo entre a aplicação do pulso de 90º e o
surgimento do eco é chamado deTE e
determina “o quanto de relaxação no plano
longitudinal estará presente no eco”.
SPIN ECO
 TE – tempo de eco – tempo da aplicação do pulso ao eco do sinal;
 Determina o grau de relaxamento T2.
SPIN ECO
 O tempo/intervalo entre os pulsos de 90º é o
TR > “ o quanto de magnetização longitudinal
se recuperou entre sucessivos pulsos de 90º”.
 TR – tempo de repetição – tempo entre as sequências de pulsos de
RF;
 Determina o grau de relaxamento T1;
SPIN ECO
Apenas lembrando como diferenciarT1
deT2 e DP, os líquidos apresentam
sinal alto (branco) nas imagens
ponderadas emT2 e sinal baixo (preto)
nas imagens ponderadas emT1 e DP,
lembrando que a SC apresenta
hipersinal emT2 e DP e hipossinal em
T1, e o contrário acontece com a SB,
que apresenta hipersinal emT1 e
hipossinal emT2 e DP.
CONTRASTE - Gadolínio
 Os agentes paramagnéticos apresentam campos
magnéticos locais que causam encurtamento
dos tempos de relaxamento dos tecidos
adjacentes.
 Ela é uma terra rara e é tóxico em seu estado
livre, portanto deve ser ligado a um quelante, o
(DPTA), o que resolve o problema de toxicidade.
 O Gd, encurta os tempos de relaxamento,
portanto desloca para a esquerda as curvas.
 EmT1 , para um mesmoTR, um tecido
apresentará mais sinal, e emT2, para um mesmo
TE, menor sinal.
Observando os dois tecidos, o B não capta o contraste , e o A sim, e antes eles não
apresentavam uma diferença muito grande de sinal, mas após o contraste passaram a
apresentar uma maior diferença, há um contraste maior.
O mesmo ocorre na curvaT2, com a diferença de sinal muito pequena, mas após o contraste a
curva A desloca para esquerda, apresentando menos sinal do que a B;
Mas como é mais fácil observar o ganho de sinal, o contraste é observado apenas nas imagens
emT1.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
 Foi preciso desenvolver um método de
codificação espacial para o sinal através do uso
de gradientes de campo magnético lineares >
obtendo uma série de projeções da distribuição
de sinal > sendo possível reconstruir uma
imagem.
 Mas porque várias projeções?
 Se o pulso de RF sobre um dado tecido (ex. cérebro)
estiver na mesma frequencia de precessão dos íons de H
irá excitar o tecido como um todo e o sinal voltará todo,
sem saber de qual parte do tecido ele vem.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
 Como o objetivo é a formação de uma
imagem 2D, é preciso selecionar um corte do
tecido onde dentro dele haja uma matriz de
pontos organizados em linhas e colunas.
 Para cada elemento da matriz (pixel) deve ser
obtido o valor de intensidade de sinal.
 O gradiente permite ir mudando a
intensidade do campo magnético
linearmente em uma dada direção.
Resultado: Cada parte do tecido terá uma frequencia de precessão diferente.
A fase dos spins também é alterada.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
 Para codificar o sinal da RM são necessárias 3
etapas:
 Seleção de corte;
 Codificação de fase;
 Codificação de frequência.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
 Se o gradiente de corte for selecionado no
eixo Z > cada ponto ao longo do sentido da
mesa terá uma frequência diferente.
 Sabendo disso eu posso enviar um pulso de
RF com frequencia de precessão igual ao da
região que quero excitar > assim dividimos o
paciente em cortes axiais.
 Os outros 2 gradientes (fase e frequência)
serão acionados nos eixos que sobraram.
FORMAÇÃO DA IMAGEM
 Quando o de fase é acionado, alteramos a
fase dos spins de forma proporcional à sua
localização. Assim um dos eixos fica mapeado
com a fase.
 No momento da LEITURA do sinal o
gradiente de frequência é acionado na
direção restante, assim o segundo eixo de
corte ficará mapeado em frequência.
Todos estes gradientes permitem que localizemos um ponto específico e peguemos um sinal
específico deste ponto.
* Localização das imagens;
* Determinam frequência de
precessão específica para cada
ponto.
Espessura do corte –
variação da frequência
de ressonância e
angulação do campo
gradiente - espessura
de corte
Localização espacial no eixo longo
(codificação de frequência)
* Frequências diferentes nas linhas.
Localização espacial no eixo curto
(codificação de fase).
Aplicamos um gradiente no eixo
curto, mudando as velocidades de
precessão ao longo da coluna;
quando este gradiente é desligado,
os prótons voltam a apresentar a
mesma velocidade de precessão,
mas apresentam spins em posição
diferente, em fase diferente.
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância MagnéticaArtefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
 
Bases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância MagnéticaBases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância Magnética
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICARESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RMPRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância MagnéticaArtefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
 
Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
 
PRINCÍPIO FÍSICO DE RM
PRINCÍPIO FÍSICO DE RMPRINCÍPIO FÍSICO DE RM
PRINCÍPIO FÍSICO DE RM
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
 
Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM
 
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
 
Apostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magneticaApostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magnetica
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
 

Semelhante a Princípios básicos de física da RM

Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismo
Mario Trigo
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptx
LuizCsar13
 
Indução eletromagnética
Indução eletromagnéticaIndução eletromagnética
Indução eletromagnética
fisicaatual
 

Semelhante a Princípios básicos de física da RM (20)

Eletromag aula 2 2010
Eletromag aula 2 2010Eletromag aula 2 2010
Eletromag aula 2 2010
 
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismo
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptx
 
Indução eletromagnética
Indução eletromagnéticaIndução eletromagnética
Indução eletromagnética
 
Capítulo 28 - Campos Magnéticos (1).pdf
Capítulo 28 - Campos Magnéticos (1).pdfCapítulo 28 - Campos Magnéticos (1).pdf
Capítulo 28 - Campos Magnéticos (1).pdf
 
2º magnetismo
2º magnetismo2º magnetismo
2º magnetismo
 
Aula 1 princípios fundamentais ca
Aula 1   princípios fundamentais caAula 1   princípios fundamentais ca
Aula 1 princípios fundamentais ca
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Aula_13_Indução_Eletromagnética(Eletromag).pptx
Aula_13_Indução_Eletromagnética(Eletromag).pptxAula_13_Indução_Eletromagnética(Eletromag).pptx
Aula_13_Indução_Eletromagnética(Eletromag).pptx
 
Franciane[1]
Franciane[1]Franciane[1]
Franciane[1]
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
 
Princípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnéticaPrincípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnética
 
4 fenomenos ondulatorios
4 fenomenos ondulatorios4 fenomenos ondulatorios
4 fenomenos ondulatorios
 
Fenomenos Ondulatorios
Fenomenos OndulatoriosFenomenos Ondulatorios
Fenomenos Ondulatorios
 
Campo magnetico_rbd
Campo magnetico_rbdCampo magnetico_rbd
Campo magnetico_rbd
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
 

Último

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (10)

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Princípios básicos de física da RM

  • 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FÍSICA DA RNM Catarina Borges – A3 Fevereiro/2014
  • 2. INTRODUÇÃO  Primeiramente é preciso relembrar algumas coisas...  Os átomos são compostos pelo núcleo, pelos prótons, com carga positiva, e nêutrons, sem carga, e os elétrons, com carga negativa, que ficam orbitando o núcleo.  NúmeroAtômico – soma dos prótons;  Número de Massa – prótons + nêutrons;  Átomo estável – número elétrons = prótons;  Átomo instável – número elétrons ≠ prótons; Íons.
  • 3. INTRODUÇÃO  A imagem por RM é o resultado da interação de um forte campo magnético (produzido pelo equipamento) com os prótons de H do tecido > criando uma condição para enviar pulso de radiofrequência e após coletar a RF modificada por bobina/antena > o sinal é processado > imagem.
  • 4. INTRODUÇÃO  RM – átomos devem ter:  Corrente elétrica  Número ímpar de prótons
  • 6. INTRODUÇÃO  Cada átomo possui movimentos característicos, sendo que os elétrons giram no seus próprios eixos e ao redor do núcleo, além do núcleo girar constantemente ao redor do seu próprio eixo, sendo que este último é o conhecido spin.
  • 7. INTRODUÇÃO  O próton tem uma carga positiva, portanto como o próton possui o movimento de spin a carga elétrica roda também, e uma carga elétrica em movimento é uma corrente elétrica, e a uma corrente elétrica induz a formação de um campo magnético, como se fosse um pequeno imã, com pólo positivo e pólo negativo.
  • 9. INTRODUÇÃO  Os prótons normalmente, sem efeito de um campo magnético externo, estão alinhados de forma aleatória.  Ou seja, na temperatura corporal normal e sob a ação do fraco campo magnético daTerra os momentos magnéticos se distribuem de forma randômica, fazendo com que a magnetização do tecido seja NULA.  Entretanto, se são expostos a um campo magnético externo, no caso da RM o B0, estes tendem a se alinhar com este campo, como se fossem imãs de bússola. Mas nem todos os prótons se alinham da mesma forma, acompanhando o sentido do campo magnético.
  • 11. INTRODUÇÃO  Entretanto, os vetores podem se alinhar de duas formas: no sentido paralelo ou no sentido antiparalelo.  Estes alinhamentos estão em níveis diferentes de energia. Para que um próton se alinhe no sentido antiparalelo, ele precisa ter uma energia térmica maior que o restante dos prótons, a fim de vencer o campo magnético.  Entretanto, sempre haverá uma quantidade pouco maior de prótons alinhados no sentido paralelo, de mais baixa energia. Estes prótons alinhados podem ser representados por vetores, que representam uma força e uma direção, e deste modo a soma dos vetores alinhados de forma paralela formam um vetor de magnetização efetivo.
  • 12. INTRODUÇÃO  Paralelo e antiparalelo:  Alta energia térmica – vence B0 – antiparalelo (spin-down);  Baixa energia térmica – à favor de B0 – paralelo (spin-up).  Sempre há maioria paralela – produção de um vetor de magnetização efetivo (VME);
  • 13. INTRODUÇÃO  O campo magnético induz a formação de um movimento oscilatório dos prótons ao redor do eixo do campo magnético, é o chamado movimento de precessão, como se fosse um pião.  A RM é um fenômeno em que partículas contendo momento magnético exibem movimento de precessão quando estão sob a ação de um forte campo magnético.  Este movimento possui uma forma de trajetória circular, a trajetória de precessão, e a velocidade com que movimento nesta trajetória é a velocidade ou frequência de precessão.
  • 14. INTRODUÇÃO  Campo – induz oscilação adicional dos núcleos ao redor do eixo B0 – precessão;  Forma uma trajetória circular – trajetória de precessão;  Velocidade de precessão – megahertz (MHz);
  • 15. INTRODUÇÃO  Equação de Larmor:  Dita a frequência de precessão:  Razão giromagnética é constante para 1T (H = 42,57 MHz/T);  Denominada então frequência de Larmor.
  • 16. INTRODUÇÃO  Ressonância  Transferência de energia.  Para empurrar a criança, é preciso estar em ressonância com o movimento pendular do balanço!
  • 17. INTRODUÇÃO  Ressonância  Objeto é exposto a uma perturbação oscilatória com frequência próxima à sua natural;  Ganha energia externa – entra em ressonância;  Pulso de RF deve ser igual à de Larmor – excitação.
  • 18. INTRODUÇÃO  Pulso de RF – pulso de onda eletromagnética que irá perturbar os prótons – para tanto esta pulso deve ter uma frequência igual à frequência de precessão para poder trocar energia de forma correta.  A frequência portanto deve ser igual àquela dada pela equação de Larmor.  Quando isto ocorre, há a possibilidade dos prótons pegarem energia, originando o fenômeno chamado de ressonância. Este é o mesmo princípio aplicado em diapasões para afinar cordas, quando há vibração em certa frequência.  Ao ganhar mais energia, o prótons mudam seu alinhamento, indo para uma área com maior energia, neste caso antiparalelo.
  • 19. MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO  Quando o próton realizar o movimento de precessão surgirá um vetor em torno do eixo Z.  O eixo Z longitudinal representa a direção de aplicação do campo magnético principal (B0).  O plano XY é chamado transversal.
  • 20. MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO  Vetor de magnetização efetivo (VME): os vetores dos prótons estão em precessão, alguns alinhados na forma paralela e outros alinhados na forma antiparalela.  Deste modo, em um certo momento, quando há um vetor apontando para uma direção, há um outro de mesma intensidade mas com direção oposta, que terminam por se cancelar.  Como há sempre mais prótons alinhados no sentido paralelo, sobrará prótons nesta direção.  Entretanto, ao dividir os vetores nos eixos Z eY, pode haver cancelamento do componenteY*, sobrando somente o Z, o vetor de magnetização longitudinal. Age como se o paciente fosse um imã, com o pólo superior e inferior. * Apesar de todos os momentos magnéticos precessarem em torno de B0 com uma frequência w , não existe coerência de fase entre eles, portanto não existirá componente de magnetização no plano transversal.
  • 21. MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO  Mesmo com o cancelamento mútuo, ainda sobram 4 spins > componente de magnetização resultante M0 irá surgir alinhando-se ao eixo longitudinal.  Direita: spins alinhados paralelamente e antiparalelamente ao campo magnético externo aplicado (eixo z ), realizando movimento de precessão. Esquerda: Vetor magnetização resultante (M0) de um elemento de volume do tecido.
  • 22. MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO  Quando uma bobina é colocada de forma perpendicular ao plano transversal, nenhum sinal é detectado.  Para que uma corrente elétrica seja induzida é então necessário que o vetor de magnetização esteja no plano transversal e que possua coerência de fase.  Ou seja, enquanto o vetor M0 estiver alinhado ao eixo Z (eixo de B0) a magnetização tissular não poderá ser medida.  Como desviar?  Através de um pulso de radiação eletromagnética oscilando na frequência de Larmor de H.  Ao receber um pulso de RF, oVME se desloca um certo ângulo, o chamado flip angle; quando recebe um FA de 90º, ele desloca para o eixo transverso.  O pulso de 90º é o pulso de excitação.
  • 23. MAGNETIZAÇÃO DO TECIDO  O pulso é um segundo campo magnético de curta duração (B1).  Deve ser perpendicular ao B0 e deve estar em fase com a frequencia de precessão.  Pulsos de 180º também podem ser usados (pulsos de inversão).  A emissão deste pulso é feita pela bobina de corpo e a detecção pela bobina local (por ex. crânio).
  • 24. Pulsos de RF e sua nomenclatura. O pulso de 90º é chamado de pulso de excitação, o de 180º de pulso de inversão e o pulso a pode assumir qualquer valor.
  • 25. INTRODUÇÃO VME se afasta do eixo longitudinal – depende do ângulo de inclinação (flip angle); FA de 90º - passa para o eixo transversal.
  • 26. INTRODUÇÃO  Após a aplicação de um pulso de RF, os prótons começam a se movimentar em fase, ou seja, eles estão no mesmo ponto na trajetória; todos começam a apontar na mesma direção, sendo que alguns estão em paralelo e outros em antiparalelo; desta forma os seus vetores agora vão somar na direção transversa, formando a chamada magnetização transversal > teremos o máximo de sinal induzido nesta bobina.
  • 28. INTRODUÇÃO  Com os prótons em fase, oVME mantém a velocidade de precessão; isto induz a formação de uma corrente elétrica, o que irá induzir a formação de um campo magnético; este campo magnético está em movimento, o que por sua vez irá induzir a formação de uma corrente elétrica na bobina, o que irá portanto formar o sinal da ressonância magnética.
  • 29.
  • 30. INTRODUÇÃO  Declínio de Indução Livre (free induction decay):  Desliga-se o pulso de RF – oVME volta a sofrer ação de B0 – realinhamento com este;  Perda de energia – relaxamento;  Retorno da magnetização longitudinal – recuperaçãoT1;  Perda da magnetização transversal – declínio T2.
  • 31.
  • 32.
  • 33. PROCESSOS DE RELAXAÇÃO  A Relaxação ocorre pela troca de energia entre os spins e entre os spins e a rede > fazendo com que o vetor M volte para o seu estado de equilíbrio (paralelo a B0).
  • 34. RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL – T1  O relaxamento longitudinal também, chamado de recuperação T1.  Está relacionado com o tempo de retorno da magnetização para o eixo longitudinal.  Os prótons perdem energia para o ambiente.  Os prótons que estavam no alinhamento antiparalelo, devem perder energia para voltar ao paralelo, portanto eles devem perder para algum lugar.  Colocando o relaxamento transversal em uma curva, é demonstrada que há um aumento com o tempo, e esta é a chamada curvaT1, que descreve o tempo que oVME deve voltar para o seu valor original no eixo longitudinal, que ocorre de forma exponencial.  O tempoT1 será o tempo necessário para a magnetização longitudinal recuperar 63% do seu valor inicial.
  • 35. É o tempo (depois do pulso de 90º) necessário para que os spins transfiram o excesso de energia voltando ao estado de menor energia.
  • 36. Retorno da magnetização longitudinal.
  • 37. RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL (T1)  Longitudinal (T1) relaxation.Application of a 90° RF pulse causes longitudinal magnetization to become zero. Over time, the longitudinal magnetization will grow back in a direction parallel to the main magnetic field.
  • 38. RECUPERAÇÃO LONGITUDINAL (T1) Definition ofT1.T1 is a characteristic of tissue and is defined as the time that it takes the longitudinal magnetization to grow back to 63% of its final value. * Definição de T1. T1 é uma característicade tecido e é definido como o tempo que leva a magnetização longitudinal para voltar a crescer a 63% do seu valor final.
  • 39. T2  Como o campo não é sempre homogêneo, quando o pulso de RF é desligado, os prótons começam a sair de fase, começam a ter frequências de precessão diferentes.  Enquanto os prótons vão saindo de fase, a magnetização transversal vai reduzindo, pela redução da somatória de vetores. Esta redução pode ser colocada em uma curva descendente, que demonstra o tempo necessário para esta magnetização reduzir. Este tempo é definido como tempoT2 (ou sejaT2 faz referência à redução da magnetização no plano transversal).  Também é conhecido como relaxamento spin-spin, porque há troca de energia entre os prótons, o que auxilia na heterogeneidade, auxiliando na perda de fase e reduzindo a magnetização transversal.  Portanto, o tempoT2 demonstra o tempo que leva para que haja 63% de redução da magnetização longitudinal.  Ou MELHOR:O tempo necessário para a magnetização no plano transversal (Mxy) atinja 37% do seu valor inicial.
  • 40.  DeclínioT2 – troca de energia entre núcleos vizinhos – relaxamento spin-spin;  Redução da magnetização transversal – tempoT2 = 63% foi perdida.
  • 41. Definition ofT2.T2 is a characteristic of tissue and is defined as the time that it takes the transverse magnetization to decrease to 37% of its starting value.
  • 42. T1 e T2  Diferentes tecidos têm diferentes valores de T1 eT2. Essas diferenças poderão ser usadas para gerar contraste entre os tecidos > vantagem da RM.
  • 43. T1 e T2  Contraste ponderadoT1: Tecidos diferentes têm diferentes taxas de relaxamentoT1. Se uma imagem é obtida em um momento em que as curvas de relaxamento são amplamente separadas, o contraste emT1 será maximizada.
  • 44. T1 E T2  Contraste ponderadoT2: Diferentes tecidos têm diferentes taxas de relaxamentoT2. Se uma imagem é obtida em um momento em que as curvas de relaxamento são amplamente separadas, contrasteT2 será maximizada.
  • 45. T1 E T2  O tempoT1 depende da composição do tecido e do tecido adjacente; o tempoT1 se relaciona com a troca de energia com o retículo, ou os tecidos adjacentes; a troca de energia pode ocorrer de forma muito eficiente quando os átomos do tecido apresentam precessão na mesma velocidade que a frequência de Larmor;  Se for água, por elas se moverem muito rápido, o envio de energia fica prejudicado, portanto a recuperação da magnetização longitudinal é mais lenta, demora mais tempo para recuperar os valores originais da magnetização. Isto demonstra que a água possui um tempoT1 longo.  Entretanto, se o retículo é composto por grandes moléculas que flutuam e possuem átomos com frequência de precessão semelhante à de Larmor, a troca é muito mais efetiva, mais rápida, portanto o tempoT2 será curto. A gordura temT1 curto porque a extremidade carboxila dos ácidos graxos precessa perto da de Larmor, garantindo uma transferência rápida.
  • 46. T1: gordura recupera mais rápido a magnetização longitudinal –T1 curto - hipersinal; Água com alta mobilidade molecular –T1 longo – hipossinal.
  • 48. T1 E T2  O tempoT2 depende de 2 fatores: heterogeneidades do campo magnético externo e dos campos magnéticos locais dos tecidos.  As moléculas de água se movem muito rapidamente, deste os seus campos magnéticos acabam por mediar um ao outro, evitando grandes diferenças no campo magnético final; isto faz com que os prótons continuem em fase por mais tempo, portanto leva um tempo maior para que haja perda da fase, portanto oT2 será longo.  Entretanto, aqueles tecidos que apresentam grandes moléculas, há variações maiores no campo magnético local. As moléculas não se movem tão rapidamente, então fica difícil fazer uma média do campo. Isto faz com que os prótons saiam de fase mais rapidamente, portanto o tempo T2 será curto.
  • 49. T2: água com menor heterogeneidade – demora mais para sair de fase –T2 longo; Gordura com maior heterogeneidade – sai mais rápido de fase –T2 curto.
  • 50. ECO DE SPINS  Hahn em 1950 descreveu que ao excitarmos os prótons com um pulso de RF e após um tempo t enviarmos um 2º pulso irá surgir além do sinal inicial, um 2 sinal que é o ECO do 1º (surge após um tempo 2t).  É um processo natural e ocorre devido refasagem dos momentos magnéticos pelo 2º pulso.  É possível controlar o momento que o eco surge (mas a de e refasagem dependem do tipo de tecido).
  • 51. SPIN ECO  É uma sequência caracterizada pela aplicação de um pulso de 90º seguindo de um pulso de 180º o que resultará no surgimento de um sinal de eco após um tempo 2t.  O tempo entre a aplicação do pulso de 90º e o surgimento do eco é chamado deTE e determina “o quanto de relaxação no plano longitudinal estará presente no eco”.
  • 52. SPIN ECO  TE – tempo de eco – tempo da aplicação do pulso ao eco do sinal;  Determina o grau de relaxamento T2.
  • 53. SPIN ECO  O tempo/intervalo entre os pulsos de 90º é o TR > “ o quanto de magnetização longitudinal se recuperou entre sucessivos pulsos de 90º”.
  • 54.  TR – tempo de repetição – tempo entre as sequências de pulsos de RF;  Determina o grau de relaxamento T1; SPIN ECO
  • 55. Apenas lembrando como diferenciarT1 deT2 e DP, os líquidos apresentam sinal alto (branco) nas imagens ponderadas emT2 e sinal baixo (preto) nas imagens ponderadas emT1 e DP, lembrando que a SC apresenta hipersinal emT2 e DP e hipossinal em T1, e o contrário acontece com a SB, que apresenta hipersinal emT1 e hipossinal emT2 e DP.
  • 56.
  • 57. CONTRASTE - Gadolínio  Os agentes paramagnéticos apresentam campos magnéticos locais que causam encurtamento dos tempos de relaxamento dos tecidos adjacentes.  Ela é uma terra rara e é tóxico em seu estado livre, portanto deve ser ligado a um quelante, o (DPTA), o que resolve o problema de toxicidade.  O Gd, encurta os tempos de relaxamento, portanto desloca para a esquerda as curvas.  EmT1 , para um mesmoTR, um tecido apresentará mais sinal, e emT2, para um mesmo TE, menor sinal.
  • 58.
  • 59. Observando os dois tecidos, o B não capta o contraste , e o A sim, e antes eles não apresentavam uma diferença muito grande de sinal, mas após o contraste passaram a apresentar uma maior diferença, há um contraste maior. O mesmo ocorre na curvaT2, com a diferença de sinal muito pequena, mas após o contraste a curva A desloca para esquerda, apresentando menos sinal do que a B; Mas como é mais fácil observar o ganho de sinal, o contraste é observado apenas nas imagens emT1.
  • 60. FORMAÇÃO DA IMAGEM  Foi preciso desenvolver um método de codificação espacial para o sinal através do uso de gradientes de campo magnético lineares > obtendo uma série de projeções da distribuição de sinal > sendo possível reconstruir uma imagem.  Mas porque várias projeções?  Se o pulso de RF sobre um dado tecido (ex. cérebro) estiver na mesma frequencia de precessão dos íons de H irá excitar o tecido como um todo e o sinal voltará todo, sem saber de qual parte do tecido ele vem.
  • 61.
  • 62. FORMAÇÃO DA IMAGEM  Como o objetivo é a formação de uma imagem 2D, é preciso selecionar um corte do tecido onde dentro dele haja uma matriz de pontos organizados em linhas e colunas.  Para cada elemento da matriz (pixel) deve ser obtido o valor de intensidade de sinal.  O gradiente permite ir mudando a intensidade do campo magnético linearmente em uma dada direção.
  • 63. Resultado: Cada parte do tecido terá uma frequencia de precessão diferente. A fase dos spins também é alterada.
  • 64. FORMAÇÃO DA IMAGEM  Para codificar o sinal da RM são necessárias 3 etapas:  Seleção de corte;  Codificação de fase;  Codificação de frequência.
  • 65. FORMAÇÃO DA IMAGEM  Se o gradiente de corte for selecionado no eixo Z > cada ponto ao longo do sentido da mesa terá uma frequência diferente.  Sabendo disso eu posso enviar um pulso de RF com frequencia de precessão igual ao da região que quero excitar > assim dividimos o paciente em cortes axiais.  Os outros 2 gradientes (fase e frequência) serão acionados nos eixos que sobraram.
  • 66. FORMAÇÃO DA IMAGEM  Quando o de fase é acionado, alteramos a fase dos spins de forma proporcional à sua localização. Assim um dos eixos fica mapeado com a fase.  No momento da LEITURA do sinal o gradiente de frequência é acionado na direção restante, assim o segundo eixo de corte ficará mapeado em frequência.
  • 67. Todos estes gradientes permitem que localizemos um ponto específico e peguemos um sinal específico deste ponto.
  • 68. * Localização das imagens; * Determinam frequência de precessão específica para cada ponto. Espessura do corte – variação da frequência de ressonância e angulação do campo gradiente - espessura de corte
  • 69. Localização espacial no eixo longo (codificação de frequência) * Frequências diferentes nas linhas. Localização espacial no eixo curto (codificação de fase). Aplicamos um gradiente no eixo curto, mudando as velocidades de precessão ao longo da coluna; quando este gradiente é desligado, os prótons voltam a apresentar a mesma velocidade de precessão, mas apresentam spins em posição diferente, em fase diferente.
  • 70.