SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS
           FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS




                 BRUNA APARECIDA MAIA
               FERNANDO HENRIQUE SOARES
              JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES




  CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO
BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS-
                          SP




                   FERNANDÓPOLIS
                        2012
BRUNA APARECIDA MAIA
               FERNANDO HENRIQUE SOARES
              JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES




  CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO
BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS-
                            SP




                    Trabalho de conclusão de curso apresentado à
                    Banca Examinadora do Curso de Graduação em
                    Farmácia      da    Fundação       Educacional  de
                    Fernandópolis como exigência parcial para obtenção
                    do título de bacharel em farmácia.


                    Orientador: Prof. Esp. Vanessa Maira Rizzato
                    Silveira




         FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS
                   FERNANDÓPOLIS – SP
                           2012
BRUNA APARECIDA MAIA
                       FERNANDO HENRIQUE SOARES
                      JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES




   CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO
BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS-
                                         SP



                                 Trabalho de conclusão de curso aprovado como
                                 requisito parcial para obtenção do título de bacharel
                                 em farmácia.

                                 Aprovado em: 28 de novembro de 2012.




       Banca examinadora                       Assinatura               Conceito
Prof. Esp. Vanessa M. Rizzato
Prof. Esp. Rosana Kagesawa Motta
Prof. Msc. Luciana E. Simonato




                  Prof. Esp. Vanessa Maira Rizzato Silveira
                       Presidente da Banca Examinadora
Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, pois
sem ele, nada seria possível, e nossos sonhos não
seriam concretizados.
A nossa orientadora que com muita dedicação nos
orientou, aos nossos pais, que sempre nos deram
apoio, e estiveram presentes acreditando em nosso
potencial, nos incentivando na busca de novas
realizações e descobertas.
AGRADECIMENTOS




      Agradecemos a Deus primeiramente por nos proporcionar chegar até aqui,
aos nossos pais, nossa orientadora que com muito empenho nos orientou neste
trabalho, ao coordenador do curso Prof. Msc. Reges Barreto que diretamente ou
indiretamente esteve conosco até aqui.
A realização de um sonho depende de dedicação.
Há muita gente que espera que o sonho se realize
por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão
não tira ninguém de onde está. Em verdade a ilusão
é combustível dos perdedores, pois... quem quer
fazer alguma coisa, encontra um meio.
“Quem não quer fazer nada, encontra uma
desculpa.”

                               Roberto Shinyashiki
RESUMO




O conhecimento das propriedades da Farmácia Magistral no Brasil tem sido
divulgado a algum tempo e comparado com a indústria farmacêutica. Os quesitos
mais focados é o custo-benefício, uma vez comparado com a indústria tem
demonstrado ser mais vantajoso. Dentro deste contexto, abordamos a possível
combinação dos fármacos ideais para a necessidade do paciente, além do contato
próximo para por em prática a atenção farmacêutica. A partir destes princípios é
avaliado também o nível de informação que a população tem quando se fala em
farmácia magistral e produtos manipulados. Este trabalho teve como objetivo
também levantar dados que demonstre a confiança que as pessoas depositam no
profissional atuante da área magistral, avaliando os fatores mais relevantes para a
escolha do produto manipulado ou industrializado, e sobre tudo se as pessoas
possuem informação suficiente para o medicamento ser administrado corretamente,
como falado na RDC 67/07 a dispensação sem prescrição seguida de danos ao
paciente é punida pela legislação vigente.


Palavras-chave: farmácia magistral, aceitabilidade, confiabilidade, qualidade.
ABSTRACT




The knowledge of the properties of Magistral Pharmacy in Brazil has been released
for some time and compared with the pharmaceutical industry. The questions
focused more is cost-effective, since compared with Industry has proven to be most
advantageous. Within this context, can approach the ideal combination of drugs to
the need patient, in addition to close contact in practice for the attention
pharmaceutical. From these principles is also rated the level of information that
people have when it comes to teaching pharmacy and products handled. This study
also aimed to raise data demonstrating the confidence that people have in area
masterful acting professional, assessing the factors most relevant to the choice of
manipulated or processed product, and especially if people have enough information
to medication be administered correctly, as spoken in the RDC 67/07 to dispensing
without prescription followed by damage to the patient is punished by legislation.


Keywords: teaching pharmacy, acceptability, reliability, quality.
LISTA DE FIGURAS OU GRÁFICOS




 Figura 1 -   Conhecimento a cerca de produtos manipulados                      24


 Figura 2 -   Motivo pelo qual as pessoas compram produto manipulado            25


 Figura 3 -   Índice de conhecimento a cerca de automedicação                   26


 Figura 4 -   Índice de automedicação com repetição de fórmula já usada         27


 Figura 5 -   Índice de confiança das pessoas entrevistadas em relação a
              produto manipulado                                                28


 Figura 6 -   Índice de conhecimento das pessoas sobre o termo cosmecêutico     30


Figura 7 -    Índice de pessoas que já compraram cosmecêuticos em farmácia de
              manipulação                                                       31
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS


ANFARMAG – Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais.


CFF – Conselho Federal de Farmácia
SUMÁRIO




INTRODUÇÃO ..........................................................................................................12
1 DESENVOLVIMENTO.............................................................................................14
1.1 Mercado farmacêutico no Brasil...........................................................................14
1.2 Indústria farmacêutica..........................................................................................15
1.3 Farmácia de manipulação....................................................................................16
1.4 Motivação para prescrição magistral....................................................................17
1.5 Controle de qualidade..........................................................................................18
1.6 Custo, qualidade e segurança de medicamentos manipulados...........................19
2    OBJETIVOS.........................................................................................................22
2.1 Objetivo Geral .....................................................................................................22
2.2 Objetivos específicos...........................................................................................22
3    LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO...................................................................23
4    RESULTADOS E DISCUSSÃO...........................................................................24
CONCLUSÃO.............................................................................................................33
REFERÊNCIAS..........................................................................................................34
12




                                 INTRODUÇÃO


       Desde os primórdios, a manipulação vem se tornando de suma importância
no âmbito farmacêutico. De acordo com a Lei nº 5991/73, o conceito de farmácia é:
Estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de
drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, compreendendo o de
dispensação e o atendimento privativo de unidade hospitalar ou de qualquer outro
equivalente de assistência médica (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004).
       A partir do século XVII já existia a necessidade da cura através de
formulações medicamentosas, exemplo disso foi que começaram a surgir os
primeiros boticários com o passar do tempo o farmacêutico vem ganhando seu
espaço e se associando a tudo isso, principalmente com a chegada da indústria
farmacêutica onde se teve necessidade de ir mais além do que as próprias boticas
produziam. Percebeu-se que a indústria era um modo de agilizar e aprimorar tudo
que até então já teria sido inventado. Várias formulações passaram a ser
oficializadas e conhecidas mundialmente através da indústria, com isso as
preparações magistrais perderam espaço (JUNIOR ANTUNES, 2002).
       A partir destes parâmetros com o passar dos anos a farmácia magistral junto
com o farmacêutico, conseguiu retomar seu espaço mostrando que o custo beneficio
poderia ser muito melhor e com isso ganhando a confiança das pessoas.          As
formulações magistrais, possuem grande espaço dentro dos receituários médicos
por personalizar fármacos com mais de uma substância, tornando a terapêutica
muitas vezes mais eficaz (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004).
       A farmácia magistral tem por opção ao consumidor o acesso a
medicamentos e cosméticos com um custo mais acessível, que tem como base na
qualidade, e confiança no setor de manipulação que, a cada dia, ganha mais
créditos em benéficio das vantagens essenciais aos produtos manipulados. A
grande parte aceita o medicamento manipulado, o que evidência a importância das
farmácias magistrais, para que a população tenha o acesso a produtos de custo
baixo com boa qualidade. Pode-se afirmar que para a maioria dos consumidores, o
preço vem sendo o principal motivo para a compra de determinado produto.
Tratamento por meio do medicamento manipulado, tem a vantagem de receber um
medicamento adequado para sua necessidade, seja ele de saúde ou de estética. Na
manipulação também temos a possibilidade de combinar diferentes substâncias em
13




uma única formulação, tornando possível, por exemplo, elaborar medicamentos e
cosméticos que não são mais produzidos pela Indústria Farmacêutica ou retirar de
sua composição substâncias que são contra indicados para pacientes alérgicos,
como conservantes, corantes, aromatizantes e essências (FERREIRA, 2002).
       Diante de fatores sociais e econômicos do âmbito farmacêutico, se encontra
grande crescimento do setor magistral, há um aumento de profissionais se
especializando, com isso implementação de novas tecnologias, criação de
distribuidoras que passaram com o tempo fornecendo matérias primas em grande
escala, possibilitando profissionais médicos fornecerem receituários com fármacos
combinados, facilitando o acesso em questão de custo beneficio e facilitando até
mesmo a terapêutica, onde podemos através da combinação, inovar medicamentos
inexistentes no mercado farmacêutico (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004).
       Diante dessa perspectiva, o que nos motivou a pesquisar e estudar sobre o
tema foi a falta de conhecimento e informação de boa parte da população.
14




      1.DESENVOLVIMENTO TEÓRICO


         1.1 MERCADO FARMACÊUTICO NO BRASIL


       Nos dias de hoje o ramo farmacêutico vem se destacando por sua economia
que gira em torno de 14 bilhões de dólares por ano. Destes, em torno de 80% são
produzidos pela indústria multinacional (SANTOS, 2000).
       De acordo com a ANFARMAG (2003) a farmácia magistral representou
cerca de 8% de todo o mercado farmacêutico, isso crescendo em torno de 3% por
ano, sendo assim a principal responsável por um giro de em média 1,3 bilhões de
reais por ano (LEAL; SILVA; SANTANA, 2007).
       A concorrência entre indústria e manipulação podemos dizer que seja um
pouco tanto complexa, devido a disputa de preços e outros motivos como a
qualidade. A indústria tem por defesa o pensamento de mostrar aos médicos a
qualidade dos produtos manipulados, argumentando sempre que a farmácia de
manipulação não tem a qualidade suficiente para a tal produção (OLIVEIRA;
OLIVEIRA, 2006).
       Contudo, a farmácia magistral se defende com a tese de que a cultura
magistral no Brasil já está instalada e a população em si confia nos produtos (LEAL;
SILVA; SANTANA, 2007).
15




1.2    INDÚSTRIA FARMACÊUTICA


       O mercado da indústria farmacêutica no Brasil no ano de 2005 teve lucro de
aproximadamente 7,7 bilhões de dólares, com isso colocou-a no ranking dos 10
maiores mercados do mundo. No Brasil estão atuando cerca de 370 empresas que
são responsáveis por mais ou menos 120 mil pessoas indiretamente. Apesar de
todos estes dados, a indústria farmacêutica dos anos recentes pra cá não pode
comemorar muito, pois de sua 7ª posição, a mesma caiu para 10ª posição a partir de
2005, ressaltando que desde meados da década de 90 a indústria enfrenta quedas e
mais quedas na venda e no controle de preços estabelecidos nos anos 2000 que
tem reduzido a margem de lucros (HERNANDEZ;OLIVEIRA JR., 2006).
       A indústria farmacêutica é complexa com vínculos no setores industriais,
tecnológica, científica, e de saúde; onde é de extrema cobrança potencializar o
crescimento nas pesquisas, no controle da qualidade dos produtos, no adquirir das
matérias primas de boa procedência, cuidados no armazenamento ordenada nos
devidos lugares. Para que a indústria farmacêutica alcance com êxito conta-se com
mão de obra treinada e qualificada, bom equipamentos de alta tecnologia,
investimentos e divulgação (BONFIM, 1997).
       O setor farmacêutico está comparado como uma indústria que estimula o
máximo do consumismo. No setor de produção de medicamentos, podemos
comparar a produção de medicamentos com o número de casos de doenças, que é
menor. Subentendemos que o médico pode estar prescrevendo mais, e com isso
gerando lucros para a indústria. Contudo interessaria a indústria a venda de seus
produtos mesmo consciente que muitos medicamentos tomados indevidamente
desencadeariam diversas reações indesejadas, entretanto o intuito da indústria
podemos dizer que é estimular o consumidor, realçar a influência no exercício do
médico de prescrever. Pode-se dizer que a indústria farmacêutica investe no
médico, uma vez que o poder financeiro, gera para o médico várias possibilidades, e
variedade de estímulo de tal interesse, para que ele prescreva os medicamento de
tal indústria. Aquele marketing que diz que a saúde, a segurança e o bem estar do
consumidor é em primeiro lugar, na verdade tem a finalidade de possibilitar a venda
de medicamento (MIGUELOTE, 2008).
16




1.3    FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO


       A farmácia de manipulação é o local onde é produzido os medicamentos,
isso sendo um a um, por farmacêuticos responsáveis ou auxiliares seguido de uma
prescrição médica. Depois que surgiu a indústria farmacêutica, podemos dizer que a
manipulação perdeu forças no mercado, isto é, sua frequência de dispensação caiu
em comparação dos tempos que não havia a indústria. Esta diminuição da
frequência de dispensação podemos dizer que foi gradual, nas décadas de 30, 40 e
50. Depois de 1960 se tornaram praticamente extintas do mercado, dando
oportunidade somente para a atuação da indústria farmacêutica, entretanto nos anos
80 a farmácia magistral consegue retomar seu espaço, conquistando-o e ficando até
os dias de hoje (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004).
       De acordo com a comissão de fiscalização do Conselho Federal de
Farmácia (CFF), existem mais de 79 mil estabelecimentos de farmácias no Brasil,
sendo drogarias e magistrais, e em torno de 114 mil farmacêuticos registrados no
CFF, com isso podemos entender que o crescimento do mercado farmacêutico tem
sido grande e a cada ano aumenta (BRASIL, 2007).


                    “ ... o processo de manipulação compreende a preparação, mistura,
                    processamento, embalagem ou rotulagem de fármaco ou dispositivo, como
                    resultado de uma prescrição de profissional habilitado ou pedido baseado
                    na   relação   prescritor/paciente/farmacêutico,   no   decorrer      da   pratica
                    profissional. Caracteriza pelo preparo de fórmulas a serem dispensadas na
                    própria   farmácia,   para   um   usuário   identificável   e   não    terceiros.”
                    (ANFARMAG, 2006).


       É interessante frisar que o papel do farmacêutico dentro de uma farmácia
magistral é de suma importância, pois a responsabilidade é do próprio quando há
liberação de fórmulas aprovadas, por diversas vezes essa responsabilidade fica na
mão de técnicos e o farmacêutico apenas assina a fórmula colocando em risco não
só seu diploma, mas a vida do paciente que vai fazer uso do determinado produto.
Todos estes cuidados são baseados na RDC 67/07, tudo por um produto final
adequado e de boa qualidade (ANFARMAG, 2006).
17




1.4      MOTIVAÇÃO PARA PRESCRIÇÃO MAGISTRAL


         A prescrição em si é feita pelo médico, onde o mesmo se baseia em vários
fatores para se chegar a melhor terapêutica e o fármaco que melhor se encaixa a
necessidade do paciente. No contato com o paciente um dos fatores primordiais a
serem observados e com cautela é os fatores externos ao mesmo, e as próprias
características (CASTRO; PEPE, 2000).
          Por diversas vezes o prescritor opita pela farmácia magistral pela possível
combinação de fármacos, isso é, uma possível melhor adequação a terapêutica,
eficácia em todos os sentidos. Além do preço, acessibilidade, confiabilidade,
marketing, adesão do próprio paciente ao produto, entre outros (BERGAMINI, 1997).
          Na maioria das vezes o prescritor não exita em dizer que a fonte de
informação cientifica é o que coloca sua decisão em prática. O prescritor além de
apenas prescrever é responsável pela qualidade de vida do paciente que estará
administrando determinado fármaco, para isso o mesmo deve conhecer e ter
embasamento no que está prescrevendo, os efeitos indesejados que podem
acometer o paciente são muitos, então a cautela ao prescrever é necessária
(CASTRO; PEPE, 2000).
         O papel do prescritor podemos definir como o diagnóstico a necessidade
terapêutica, associando ao paciente qual o melhor medicamento levando em
consideração sempre o custo-benefício (NISHIOKA; RUMEL; SANTOS, 2006).
         É interessante frisar que o papel do prescritor vai muito mais além que
apenas escrever em uma folha o medicamento que o mesmo imagina ser bom, a
construção deste arsenal terapêutico deve-se considerar muitos motivos, entre eles
a necessidade do paciente, a biodisponibilidade do fármaco e sobretudo o custo-
benefício e a segurança, que sempre deve ser embasado nas necessidades do
paciente, colocando em prática isso tudo no dia a dia o prescritor se preocupa mais
com a efetividade do medicamento, fato preocupante uma vez que a efetividade é
sim um dos fatores primordiais, porém como citado acima a segurança e o chamado
custo-benefício deve vir junto com a efetividade (NISHIOKA, RUMEL, SANTOS,
2006).
18




      1.5 CONTROLE DE QUALIDADE




       No que se refere ao controle de qualidade para medicamentos industriais e
manipulados, autores como Nishoka, Rumel e Santos (2006) dizem que os
medicamentos manipulados não garantem os mesmos padrões de qualidades em
relação aos industrializados, porém à controvérsias e a ANFARMAG afirma que por
mais que haja dificuldades na preparação de medicamentos em menor quantidade
isso não exclui o controle de qualidade, pois as evoluções tecnológicas permitem
atualmente, maior controle na produção dos medicamentos (ANFARMAG, 2006).
       A importância do controle de qualidade dentro da farmácia magistral na
produção de medicamentos é essencial. Temos como objetivo verificar, afirmar a
conformidade das matérias primas e embalagens, tudo para garantir a eficácia do
produto final. Podemos dizer que se houver falhas dentro dos processos há desvio
de qualidade, que pode ser caracterizado como o não atendimento dos parâmetros
de qualidade estabelecidos. Garantia de qualidade também é um item de suma
importância dentro do contexto magistral, é necessário garantir que tal produto
chegará a mão do consumidor com as devidas características, de forma coerente
com as especificações documentadas dentro da empresa (BRASIL, 2007).
19




1.6    CUSTO,      QUALIDADE       E    SEGURANÇA         DE     MEDICAMENTOS
      MANIPULADOS


       Podemos definir o tema preços X qualidade relatando alguns tópicos
fundamentais. Dentre eles a formulação de produtos ativos não reconhecidos pela
indústria farmacêutica; avaliação quanto aceitação na mudança da concentração do
ativo na formulação farmacêutica, adequando o medicamento à utilização por idosos
e crianças; garantia deste medicamento, no intuito de subestimar a possibilidade de
ocorrer a auto medicação; personificação do medicamento; exercer as funções
inerentes da atenção farmacêutica na farmácia magistral, priorizando no tratamento
do paciente (TOKARSKI, 2002).
        A atenção farmacêutica pode-se dizer que é voltada em resultados de
melhores condições de vida aos pacientes, tendo um maior apoio e aceitação da
profissão farmacêutica na realização de seus serviços prestados promovendo assim
seu papel na sociedade e na indústria, dando o respectivo respeito aos oficiais de
farmácia assumirem o seu papel (HEPLER, 1990; ANTUNES JÚNIOR 2002).
       Antigamente em Portugal o farmacêutico exercia seu papel fundamental
como proprietário e farmacêutico responsável do estabelecimento comercial, Dessa
forma ele relacionava diretamente em programas de auto medicação, estava ligado
na educação para a saúde pública e no interesse por cursos de reciclagem onde
pudesse favorece uma vida melhor para        o paciente e a sociedade em geral
(PETIROWICZ, 2003).
       Governantes tem investido em cursos de reciclagem com a finalidade de
melhores profissionais da área farmacêutica e qualificação em programas voltados
atenção farmacêutica, grupos de pacientes hipertensos, diabéticos, asmáticos e
programas de saúde da família recebe maior atenção (FUNCHAL, 2003; CELEDÓN,
2003; ALMEIDA, 2003; SANTI, 2003).
       A diferença de preço dissemelhante de medicamentos de uma farmácia para
outra, que tem sido o foco das discussões de forma as vezes até incoerente, pois
milhares de brasileiros não tem acesso a estes medicamentos (TOKARSKI, 2002).
20




          O    farmacêutico    terá     uma   importância    fundamental    na   terapia
medicamentosa por parte dos pacientes em tratamento, a farmácia magistral é uma
forma     barata   e   confiável   ao   paciente   em   resgatar   seus    medicamentos
(PETROWICZ, 2003).
          Brito (2003), relata que a grande diferença de valores está deixando a
desejar a credibilidade das farmácias magistrais, frente a diversos públicos.
          Em 2002 a ANFARMARG realizou uma pesquisa onde foi apresentado que
48,5% das farmácias do país tem seus preços elaborados. Sebrae em 2001
apresentou que um dos fatores que levam ao encerramento de atividades das
pequenas e médias empresas é uma política de preços inadequada (BRITO, 2003).
          Assim sendo , para a venda do produto é preciso se considerar três tipos de
custos:
          1. Matéria prima (ativo, excipiente, embalagem);
          2. Manipulação (salário, equipamentos, energia);
          3. Comercialização (impostos, comissões, prazos para clientes).
          Vários fatores é preciso ser previsto (BRITO, 2003).
          A política de preços é fundamental, com isso é preciso, no entanto investir
com treinamentos aos funcionários para que possa ter excelência de qualidade, o
paciente sempre busca por preços acessíveis e pelo bom atendimento. Sendo neste
caso os preços que determinam qual será o lucro, sendo necessário cortar custos e
despesas. Em contrapartida, podemos dizer que sempre que se aumenta o custo,
aumenta-se o preço, não havendo consideração quanto a reação do mercado.
Assim sendo, avaliar preços praticados no mercado pode ser mais uma ferramenta e
não uma política de preços. E isto acaba por ser um benefício tanto para a farmácia
como para o paciente (CAMPOI, 2003).
          Foi destaque no Boletim Oficial da ANFARMAG, o tema: “Preços: Quem
ganha com a diferença?” é feita a seguinte colocação: “O farmacêutico faz qualquer
negócio? Diante dessas colocações podemos dizer que a concorrência com o preço
não eleva a imagem de ninguém, o melhor é concorrer com a qualidade e o
desenvolvimento de práticas saudáveis ao setor. Nesta observação vale ressaltar
que o setor magistral depende das decisões de cada farmacêutico. Que cada um
tome decisões corretas para que o setor tenha longevidade (NOGUEIRA, 2003).
21




       Não cabe somente ao farmacêutico estar à frente de todas as decisões
financeiras ou contábeis do mercado. Com surgimento de inúmeras farmácias isso
dificulta muito com que os valores sanitários e sociais da farmácia fossem colocados
pela busca descontrolada do lucro (SANTOS, 2002).
        O farmacêutico, é visto como o ponto principal neste contexto enquanto
responsável técnico pelas farmácias, principalmente as farmácias magistrais onde o
preço do produto tem que ser totalmente formado, não sendo, portanto, o maior
responsável pela política de preços de medicamento manipulados.
       De acordo com a RDC nº 67/2007 é facultado ao farmacêutico o direito de
realizar a manipulação do medicamento ou não. É obrigatório a análise da
prescrição antes de qualquer manipulação, salienta área magistral não existe base
para realizar com segurança medicamentos principalmente com tantas substâncias
associadas, assim cabe avaliar e estudar a estabilidade dos fármacos.
       De acordo com a literatura, modificações físico-químicas devido a interações
entre fármacos pode ser verificadas por modificações nas características do
medicamento como por exemplo, a modificação na consistência, na cor ou odor da
preparação. No entanto, se não percebida pelo paciente, uma vez existindo, podem
chagar a causar diminuição na biodisponibilidade dos mesmos, comprometendo
inclusive seu efeito terapêutico. O paciente é o monitor nas investigações de
apreciações dos medicamentos tem que estar atento a tudo para que possa ter uma
boa administração de medicamentos que esta recebendo. Desta forma, preço,
segurança e qualidade de medicamento manipulado devem estar sempre
associados na qualidade do mesmo, desta forma, os procedimentos operacionais,
seja na prática do preço justo, na qualidade do medicamento, bem como na
segurança do paciente e da Farmácia. Do contrário,o setor magistral entrará em total
descrédito (ANSEL, 2000).
22




2. OBJETIVOS


2.1 OBJETIVO GERAL


      O objetivo do trabalho foi avaliar o índice de conhecimento e confiabilidade
da população do bairro CDHU Albino Mininel de Fernandópolis - SP sobre
medicamento manipulado.


2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS


  a) Conhecer quais os fatores relevantes para escolha de um medicamento
     manipulado ou industrializado;
  b) Se possuem informações sobre administração correta de um medicamento.
23




3. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO


      Foi realizado um levantamento bibliográfico através de sites de pesquisa
como scielo, pubmed, google academico, revistas, periódicos e livros, no período de
13 de agosto de 2012 á 26 de agosto de 2012.
24




4. RESULTADO E DISCUSSÃO



       Na figura 1 temos o conhecimento a cerca de farmácias de manipulação.




Figura 1. Conhecimento a cerca de farmácias de manipulação.
Fonte: Elaboração própria.



         Diante dos dados obtidos podemos observar que 90% das pessoas
entrevistadas conhecem alguma farmácia magistral. Hoje no município de
Fernandópolis contamos com 12 farmácias magistrais, Um dos fatores mais
relevantes para as pessoas conhecerem farmácias magistrais provavelmente é a
divulgação que se dá no “boca-a-boca” entre a população.
         Em contrapartida, o setor de manipulação afirma, segundo Leal, Silva e
Santana (2007), ser consenso entre os farmacêuticos que já esta criada uma cultura
magistral no mercado farmacêutico e entre a população brasileira, que tem como
base a confiabilidade no setor.
25




         Na figura 2 temos o motivo pelo qual a pessoa entrevistada compra produto
manipulado.




Figura 2. Motivo pelo qual a pessoa compra produtos manipulados.
Fonte: Elaboração própria.


         Outro fato interessante é que 89% das respostas afirmam que o maior
motivo que os levam a comprar produtos manipulados é o preço, o que pode ser um
perigo em virtude do controle de qualidade, uma vez que deve ser bem feito, pois
sem um controle de qualidade bem executado a terapêutica não é eficaz, podendo
desencadear efeitos indesejáveis. O preço muitas vezes não garante qualidade, o
que vai nos garantir que um produto de fato é bom são fatores desde a forma de
manipular até o controle de qualidade realizado na matéria-prima antes da sua
utilização na manipulação.
         Segundo Nishioka, Rumel e Santos (2006), para o consumidor, o preço e a
principal razão pela compra de um ou outro medicamento.
26




         A partir da figura 3 podemos ter por base a porcentagem de pessoas que
confiam em medicamento manipulado.




Figura 3. Índice de confiança das pessoas entrevistadas em relação a produto manipulado.
Fonte: Elaboração própria.


         Como podemos observar no gráfico acima, somente 10% dos entrevistados
optaram ao medicamento industrializado, e 90% das pessoas confiam em produto
manipulado, depositando assim total confiança na manipulação. Fatores relevantes
que as pessoas colocaram, foi o custo e a confiança farmacêutica. Diante de dados
o custo de fato é o principal fato que fazem as pessoas comprarem produtos
manipulados, pois a farmácia de manipulação é uma forma econômica e confiável
do paciente adquirir seu medicamento, e também a forma com que o farmacêutico
aborda o paciente na dispensação, colocando em prática a atenção farmacêutica
(LEAL; SILVA; SANTANA, 2007).
27




         Na figura 4 podemos observar o índice de conhecimento a cerca de
automedicação.



                Quando se toma um medicamento
               manipulado, se as dores ou sintomas
                começarem se agravar você pode
               aumentar a dose recomendada pelo
                            médico ?



                                                                   Sim 12%
                                                                   Não 88%




Figura 4. Índice de conhecimento a cerca de automedicação.
Fonte: Elaboração própria.



         Diante da pesquisa podemos observar que 88% das pessoas entrevistadas
não aumentaria a dose se os sintomas se agravarem. Observamos que a população
em si tem consciência que uma posologia ou dose errada pode desencadear
situações drásticas.
         Na maioria das vezes a automedicação pode incluir, além da administração
pessoal de fármacos, a medicação de uma pessoa para outra, não formalmente
habilitada (amigos, familiares, etc.), com intensão de aconselhar, pelo fato de ter
visto melhoras significativas ou mesmo porque conseguiu curar-se com o
medicamento que está a indicar. É evidente que o mesmo sintoma pode ser comum
a várias situações de doença ou mal estar, mas é importante frisar que o problema
que a pessoa pode ter, não pode ser o que o conselheiro teve.
28




         A partir da figura 5 podemos observar o índice de automedicação com
repetição de fórmulas já usada em outras ocasiões.



          Se os sintomas aparecerem novamente
           depois de algum tempo e você como
           paciente achar conveniente repetir a
             fórmula proposta pelo médico no
              tratamento anterior, você pode?


                                                                        Sim 60%
                                                                        Não 40%




 Figura 5. Índice de automedicação com repetição de fórmula já usada.
 Fonte: Elaboração própria.


         Diante desta perspectiva, 60% das pessoas entrevistadas tem em mente
que podem repetir o tratamento sem antes procurar um médico para saber qual o
real motivo que os sintomas reapareceram, ou até mesmo saber se de fato são os
mesmos sintomas, uma vez que algumas doenças podem ser mascaradas.
         Segundo Vasconcellos (2011), se o remédio não tem propósito no
organismo, ele vai identificar aquela substância como algo estranho, o que pode não
fazer efeito algum, como poderá trazer prejuízos para a saúde.

         Contudo, podemos entender que os fármacos independente da forma com
que é administrado pode ocasionar dois problemas, podendo ser reação alérgica ou
efeito tóxico. Reação alérgica depende exclusivamente do organismo do paciente
em relação ao medicamento, e o efeito tóxico dependerá da dosagem do próprio
medicamento (VASCONCELLOS, 2011).
29




       Apesar das pessoas terem consciência da automedicação prefere-se
automedicar do que procurar novamente um médico particular ou posto de saúde,
talvez devido a demora nos atendimentos públicos e custo elevado das consultas
particulares, isso leva á automedicação. Com isso podemos entender que a
automedicação por diversas vezes mascara sintomatologias ou diagnostico de
doenças. Sendo assim, podemos frisar que o problema não é só em uma região, se
trata de fatores a nível de Brasil. A automedicação pode ser considerada uma forma
de não adesão às orientações médicas, perigo isso para a população. O
medicamento é destinado a prevenir ou tratar doenças, por este motivo se tornar
muitas vezes perigoso para o consumidor, em virtude à sua nocividade, ou utilização
de maneira errada (SANTOS, 2006).
       De acordo com a RDC 67 de 8 de outubro de 2007 da ANVISA, fica claro no
art. 4° que se houver erros de desvio de qualidade e causar danos ao consumidor a
farmácia será punida, de acordo com a legislação sanitária vigente.
30




        Na figura 6 podemos observar o índice de pessoas que não tem
conhecimento a cerca do termo cosmecêutico.




              Você sabe o que é um cosmecêutico?




                                                                            Sim 1%
                                                                            Não 99%




 Figura 6. Índice de conhecimento das pessoas sobre o termo cosmecêutico.
 Fonte: Elaboração própria.


        O gráfico acima enfatiza o nível de conhecimento da população em relação
ao termo cosmecêutico, como mostrado, 99% das pessoas não tem conhecimento
do que se trata. Diante deste resultado, houve a necessidade de abordar este
assunto com a população em geral, esclarecendo o que de fato significa
cosmecêutico.
        Segundo Monteiro (2008) os cosmecêuticos são definidos pelos produtores
de cosméticos como produtos que agem na derme (camada profunda da pele), esse
termo cosmecêutico é muito útil no sentido de alterar funções da pele, causando
benefícios.
31




         Na figura 7 podemos observar o índice de pessoas que já compraram algum
cosmecêutico em farmácias de manipulação, uma vez que as mesmas já foram
esclarecidas através da pergunta da figura anterior quanto ao termo cosmecêutico.




Figura 7. Índice de pessoas que já compraram cosmecêutico em farmácias de manipulação.
Fonte: Elaboração própria.


       A partir da figura 7, as pessoas entrevistadas já entenderam o real significado
do termo cosmecêutico, e com isso foi constatado nesta figura 3 que 87% das
pessoas nem se quer ouviram falar sobre cosmecêutico em farmácias magistrais. A
maior parte dos cosméticos muitas vezes são desconhecidos pela população, talvez
em virtude da indústria possuir uma estratégia de marketing muito grande e a
farmácia magistral muitas vezes não estabelecer parâmetros de divulgação
necessário para que tal informação chegue até a população.
       Um dos fatores são os dermatologistas que estão habituados a prescrever
apenas receitas de cosméticos industrializados, deixando de lado as fórmulas
manipuladas que costumava receitar. Talvez o motivo seja a grande ampliação na
variedade de cosméticos inovadores, estimulados pelo desenvolvimento da
cosmetologia industrial (CASTRO; PEPE, 2000).
32




        Amato Neto (2000) relata que a confiança tida como um fator chave para a
formação e consolidação das farmácias. No caso deste atributo estaria relacionada a
confiança entre médico-paciente-medicamento para garantia o efeito terapêutico.
        Para prescrição de medicamentos tanto manipulado como industrializado a
confiança terapêutica é essencial.
33




                                  CONCLUSÃO
      Foi notável que a população do bairro CDHU Albino Mininel possui
conhecimento acerca de produtos manipulados, embora existam dúvidas a respeito
de quais produtos possam ser manipulados. Infelizmente, o fator de maior
importância na escolha de um produto manipulado ainda é o preço do mesmo, fato
este que pode ser perigoso, devendo sempre levar em consideração a qualidade do
mesmo, a automedicação também é uma prática existente na farmácia magistral,
comprometendo e levando o paciente a sérios riscos.
      Existe a necessidade de uma rápida e eficaz informação a população sobre a
farmácia magistral, esclarecendo duvidas e fazendo valer as legislações vigentes.
34




                                 REFERÊNCIAS


ALMEIDA, J.V. et col. Como Viabilizar a Prática da Atenção Farmacêutica ao
Diabético. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 72, p. 48-53, 2003.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtivas regionais. São Paulo: Atlas.
2000.

ANFARMAG, Boletim Oficial. v. 14, n. 61, 2003.

ANSEL, Howard C.; POPOVICH, Nicholas G.; ALLEN, Loyd V.. Farmacotécnica:
formas farmacêuticas & sistemas de liberação de fármacos. 6.ed. São Paulo:
Premier, 2000. p. 126-127; 132-141.

ANFARMAG. Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais. Medicamentos
magistral. Revista ANFARMAG, São Paulo, v. 12, n. 61, p. 28-33, jun./jul. 2006.

BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC n° 67,
de 8 de outubro de 2007. Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de
Medicamentos para Uso Humano e farmácias. Diário oficial da união, Brasília, DF, 9
de outubro de 2007.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 1997.

BONFIM. José Rubem Alcântara. Os dedados da política brasileira de
medicamentos. In: BONFIM, José Rubem Alcântara; MERCICCI, Vera Lucia.
(Orgs.). A construção da política de medicamentos. São Paulo: End.
HUCITEC/SOBRAVIME, 1997.p.21-48.

BRITO, D. Custos X preço de venda. Anfarmag, v. 9, n. 45, p.44-47, 2003.

CAMPOI, J.C.S. Gestão e Administração Financeira, Contábil e Formação de Preços
em Farmácias com Manipulação. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 74, p.46-50,
2003.

CASTRO, Cláudia G. S. de Osório; PEPE, Vera Lúcia Edais. A interação entre
prescritores, dispensadores e pacientes: informações compartilhadas como possível
benefício terapêutico. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n.3,
jul./set. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-
311X2000000300029&script=sci_abstract&tlng=pt
Acesso em 2 out. 2012.

CELEDÓN, C., et col. Importância da Atenção Farmacêutica a Pacientes Asmáticos.
Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 73, p. 30-37, 2003.

FERREIRA, Anderson de Oliveira. guia prático da Farmácia Magistral.
2.ed. Juiz de Fora, 2002.
35




FUNCHAL, D. O papel do Farmacêutico na Atenção Farmacêutica ao Paciente
Hipertenso. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 74, p. 28-36, 2003.

HERNANDEZ, José Mauro da Costa; OLIVEIRA JR; Euripedes Fernandes de. A
troca de medicamentos no ponto de venda e o Mercado de medicamentos
genéricos. Revista de Negócios, Blumenau, V. 11, n. 3, p. 41-60, Jul./Set. 2006.

HEPLER, C.D.; Strand, L.S. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical
care. American Journal of Hospital Pharmacy, Bethesda, v. 47, p.533-545, 1990.

JUNIOR, Daniel Antunes. Farmácia de Manipulação – noções básicas/ Curso
Revisado e atualizado. São Paulo: Tecnopress, 2002.

LEAL, L. B.; SILVA, M. C. T.; SANTANA, D. P. Preços X qualidade e segurança de
medicamentos em farmácias magistrais. Infarma, Brasília, v. 19, n. 1-2, p. 28-31,
2007.

MIGUELOTE, Vera Regina da Silva. A industria do conhecimento, o médico e a
indústria farmacêutica: uma co-produtos de técnicos e técnicas de poder. 2008.
Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade do Estado do Rio de
Janeiro. Rio de Janeiro 2008. Disponível em:
http://bases.bireme.br/cgi-
bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p
&nextAction=lnk&exprSearch=488494&indexSearch=ID
Acesso em: 5 setembro. 2012.

MONTEIRO, E. de O.; BAUMANN, L. S. F. A ciência do cosmecêutico: Cosmético ou
droga?/ The cosmeceutical Science: cosmetic or drug?. Revista Bras. Med. 65(n
esp): 22-25, ago. 2008.


NISHIOKA, Sérgio de Andrade; RUMEL, Davi; SANTOS, Adélia Aparecida Marçal
dos. Intercambialidade de medicamentos: abordagem clínica e o ponto de vista do
consumidor. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 5, out. 2006.
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n5/24.pdf
Acesso em: 13 out.2012.

NOGUEIRA, O..M. Preço não é tudo! Mas pode acabar significando nada. Anfarmag,
v.9, n. 44, p.40-43, 2003.

OLIVEIRA, Josmária Lino Ribeiro de; OLIVEIRA, Sidney Lino de. Conflitos dos
canais de marketing de uma indústria farmacêutica. 2006. Disponivel em:
http://www.convibra.com.br/2006/artigos/104_pdf.pdf. Acesso em 11 out. 2012.

PIOTROWICZ, M.R.B.; Petrowick, P.R. Atendimento Remoto farmacêutico: análise
dos serviços de tele-entrega de medicamentos por estabelecimentos farmacêuticos
de Porto Alegre. Infarma, São Paulo, v.15, n.9/10, p.72-77, 2003.

SANTI, V. Implantação da Atenção Farmacêutica no PSF. Pharmacia Brasileira,
Brasília, v. 3, n. 39, p. 50-51, 2003.
36




SANTOS, B. Este consumo que nos consome – Olhares sobre a sociedade de
consumo atual. Porto, Campo das letras. 2006.

SANTOS, Jaldo de Souza. Atenção farmacêutica no Brasil. Pharmácia Brasileira,
Brasília, v. 3, n. 19, p. 27-29, mar./abr. 2000.

SANTOS, J.S. Ser ou não ser proprietário de farmácia. Pharmacia Brasileira,
Brasília, v. 3, n. 32, p. 5-9, 2002.

SZATKOWSKI, Liane Teresinha Dezaneth; OLIVEIRA, Cibeli Lunardeli. O uso de
medicamentos manipulados no município de Toledo. Infarma, Brasilia, v. 16, n. 1-2,
p. 77-78, jan./fev. 2004.

TOKARSKI, E. Farmácia Magistral. Tanta Credibilidade, Tanto crescimento. Qual o
segredo? Pharmacia Brasileira, Brasília, v. 3, n. 32, p. 5-9, 2002.

VASCONCELLOS, Hélio Lopes. Automedicação mascara doenças e pode matar.
Mar.11
Disponível em: http://www.reporterdiario.com.br/Noticia/277392/automedicacao-
mascara-doencas-e-pode-matar
Acesso em: 14 nov. 2012.
37




                                       Apêndice




Questionário:

   1. Você conhece alguma farmácia de manipulação?
( ) Sim
( ) Não


   2. Por qual motivo você compra produto manipulado?
( ) Por ser mais barato
( ) Por eu conhecer o dono da farmácia
( ) Não compro em farmácias de manipulação


   3. Você sabe o que é um cosmecêutico?
( ) Sim
( ) Não

   4. Você já comprou algum cosmecêutico em farmácias de manipulação?
( ) Sim
( ) Não, eu não sabia que existia cosmecêutico em farmácias de manipulação


   5. Na sua opinião, medicamento manipulado é confiável?
( ) Sim
( ) Não


   6. Quando se toma um medicamento manipulado, se as dores os sintomas
      começarem se agravar você pode aumentar a dose recomendada pelo
      médico?
( ) Sim
( ) Não


   7. Se os sintomas aparecerem novamente depois de algum tempo e você como
      paciente achar conveniente repetir a fórmula proposta pelo médico no
      tratamento anterior, você pode?
( ) Sim
( ) Não

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalarCartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalar
oncaponca12
 
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
Aislan Bartholomeu
 
Farmacia hospitalar
Farmacia hospitalarFarmacia hospitalar
Farmacia hospitalar
jaquelinemalta
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Giovanni Oliveira
 
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdfGrau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
Giovanni Oliveira
 
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 AbrilMaginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
MAGINEWSsuaparceiram
 
Perfil do Novo Farmacêutico
Perfil do Novo Farmacêutico Perfil do Novo Farmacêutico
Perfil do Novo Farmacêutico
farmwaine
 
115447089 professor-cesar-venancio
115447089 professor-cesar-venancio115447089 professor-cesar-venancio
115447089 professor-cesar-venancio
Cesar Augusto Venancio Silva
 
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para FarmacêuticosPrincípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
farmwaine
 
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
Giovanni Oliveira
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Giovanni Oliveira
 
O papel do farmacêutico na saúde mental
O papel do farmacêutico na saúde mentalO papel do farmacêutico na saúde mental
O papel do farmacêutico na saúde mental
petsmufrn
 

Mais procurados (12)

Cartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalarCartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalar
 
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
Cartilhafarmaciahospitalar 2013 web410-04-13
 
Farmacia hospitalar
Farmacia hospitalarFarmacia hospitalar
Farmacia hospitalar
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
 
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdfGrau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
Grau de aceitação dos medicamentos genéricos por idosos.pdf
 
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 AbrilMaginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
Maginews - Sua parceira mensal no setor magistral - Edição 8 Abril
 
Perfil do Novo Farmacêutico
Perfil do Novo Farmacêutico Perfil do Novo Farmacêutico
Perfil do Novo Farmacêutico
 
115447089 professor-cesar-venancio
115447089 professor-cesar-venancio115447089 professor-cesar-venancio
115447089 professor-cesar-venancio
 
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para FarmacêuticosPrincípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
 
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
Estudo sobre automedicação no uso de analgésicos na cidade de aparecida do ta...
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
 
O papel do farmacêutico na saúde mental
O papel do farmacêutico na saúde mentalO papel do farmacêutico na saúde mental
O papel do farmacêutico na saúde mental
 

Destaque

Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Nemésio Carlos Silva
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Adriana Quevedo
 
Aula métodos de identificação
Aula  métodos de identificaçãoAula  métodos de identificação
Aula métodos de identificação
Ana Flávia Oliveira
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
kaiorochars
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
drjeffersontst
 
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
nucleosul2svma
 
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
Universidad de Buenos Aires
 
Maria Faro - ComparacióN Participativa
Maria Faro - ComparacióN ParticipativaMaria Faro - ComparacióN Participativa
Maria Faro - ComparacióN Participativa
Universidad de Buenos Aires
 
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
Pery Salgado
 
Informatica Aplicada
Informatica AplicadaInformatica Aplicada
Informatica Aplicada
wilmarsuaza
 
Prueba Del Zimbra
Prueba Del ZimbraPrueba Del Zimbra
Prueba Del Zimbra
Protrabaj
 
Vida Sana y Salud
Vida Sana y SaludVida Sana y Salud
Vida Sana y Salud
sanforero
 
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
nucleosul2svma
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Folhetim do Estudante Núm. XIII
Folhetim do Estudante Núm. XIIIFolhetim do Estudante Núm. XIII
Folhetim do Estudante Núm. XIII
Valter Gomes
 
Iso
IsoIso
APRESENTAÇÃO MOBIDOMO
APRESENTAÇÃO MOBIDOMOAPRESENTAÇÃO MOBIDOMO
APRESENTAÇÃO MOBIDOMO
MOBIDOMO CONSULTORIA E TREINAMENTO
 
Anna catharina emmerich vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
Anna catharina emmerich   vida paixão e glorificação do cordeiro de deusAnna catharina emmerich   vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
Anna catharina emmerich vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
Efraim Mesquita
 
Flavia Talledo
Flavia TalledoFlavia Talledo

Destaque (20)

Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
 
Aula métodos de identificação
Aula  métodos de identificaçãoAula  métodos de identificação
Aula métodos de identificação
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
 
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
 
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
María Faro - ComparacióN Participativa Part 2
 
Maria Faro - ComparacióN Participativa
Maria Faro - ComparacióN ParticipativaMaria Faro - ComparacióN Participativa
Maria Faro - ComparacióN Participativa
 
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
JORNAL DO MUNICÍPIO - junho 2014
 
Informatica Aplicada
Informatica AplicadaInformatica Aplicada
Informatica Aplicada
 
Prueba Del Zimbra
Prueba Del ZimbraPrueba Del Zimbra
Prueba Del Zimbra
 
Vida Sana y Salud
Vida Sana y SaludVida Sana y Salud
Vida Sana y Salud
 
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
Processo administrativo fiscalização_ambiental_sisti_2012
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
 
Folhetim do Estudante Núm. XIII
Folhetim do Estudante Núm. XIIIFolhetim do Estudante Núm. XIII
Folhetim do Estudante Núm. XIII
 
Iso
IsoIso
Iso
 
APRESENTAÇÃO MOBIDOMO
APRESENTAÇÃO MOBIDOMOAPRESENTAÇÃO MOBIDOMO
APRESENTAÇÃO MOBIDOMO
 
Anna catharina emmerich vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
Anna catharina emmerich   vida paixão e glorificação do cordeiro de deusAnna catharina emmerich   vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
Anna catharina emmerich vida paixão e glorificação do cordeiro de deus
 
Flavia Talledo
Flavia TalledoFlavia Talledo
Flavia Talledo
 

Semelhante a Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na cidade de fernandópolis

Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
TCC_FARMACIA_FEF
 
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
TCC_FARMACIA_FEF
 
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
TCC_FARMACIA_FEF
 
Monografia medicamento genérico
Monografia   medicamento genéricoMonografia   medicamento genérico
Monografia medicamento genérico
TCC_FARMACIA_FEF
 
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Giovanni Oliveira
 
A importância dos medicamentos genéricos
A importância dos medicamentos genéricosA importância dos medicamentos genéricos
A importância dos medicamentos genéricos
TCC_FARMACIA_FEF
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Giovanni Oliveira
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
TCC_FARMACIA_FEF
 
Farmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdfFarmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Farmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdfFarmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdf
Giovanni Oliveira
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdfTcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolisUso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Giovanni Oliveira
 
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolisUso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
TCC_FARMACIA_FEF
 
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntíficoFitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
TCC_FARMACIA_FEF
 
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntíficoFitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Giovanni Oliveira
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
TCC_FARMACIA_FEF
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
TCC_FARMACIA_FEF
 

Semelhante a Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na cidade de fernandópolis (20)

Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
 
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
 
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na Assistência farmacêutica   a importância do farmacêutico na
Assistência farmacêutica a importância do farmacêutico na
 
Monografia medicamento genérico
Monografia   medicamento genéricoMonografia   medicamento genérico
Monografia medicamento genérico
 
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
 
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
 
A importância dos medicamentos genéricos
A importância dos medicamentos genéricosA importância dos medicamentos genéricos
A importância dos medicamentos genéricos
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
 
Farmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdfFarmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdf
 
Farmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdfFarmácia popular do brasil.pdf
Farmácia popular do brasil.pdf
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
 
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdfTcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
Tcc aceitação de medicamentos genéricos pdf
 
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolisUso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
 
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolisUso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
 
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntíficoFitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
 
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntíficoFitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
Fitoterapia um confronto entre conhecimento popular e ciêntífico
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
 

Mais de TCC_FARMACIA_FEF

Tuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográficaTuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográfica
TCC_FARMACIA_FEF
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
TCC_FARMACIA_FEF
 
Tcc anemia falciforme
Tcc anemia falciformeTcc anemia falciforme
Tcc anemia falciforme
TCC_FARMACIA_FEF
 
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Processo de reversão sexual mtf
Processo de reversão sexual mtfProcesso de reversão sexual mtf
Processo de reversão sexual mtf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Prescrição e dispensação de antimicrobianos
Prescrição e dispensação de antimicrobianosPrescrição e dispensação de antimicrobianos
Prescrição e dispensação de antimicrobianos
TCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oestePerfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
TCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimer
TCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
TCC_FARMACIA_FEF
 
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literaturaO uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
TCC_FARMACIA_FEF
 
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Levantamento da incidência das doenças negligenciadas
Levantamento da incidência das doenças negligenciadasLevantamento da incidência das doenças negligenciadas
Levantamento da incidência das doenças negligenciadas
TCC_FARMACIA_FEF
 
Leucemia mielóide crônica
Leucemia mielóide crônicaLeucemia mielóide crônica
Leucemia mielóide crônica
TCC_FARMACIA_FEF
 
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosa
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosaHanseníase efetividade da terapia medicamentosa
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosa
TCC_FARMACIA_FEF
 
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mamaFarmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
TCC_FARMACIA_FEF
 
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Aspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantilAspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantil
TCC_FARMACIA_FEF
 
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressaoAspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
TCC_FARMACIA_FEF
 
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
TCC_FARMACIA_FEF
 

Mais de TCC_FARMACIA_FEF (20)

Tuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográficaTuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográfica
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
 
Tcc anemia falciforme
Tcc anemia falciformeTcc anemia falciforme
Tcc anemia falciforme
 
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
 
Processo de reversão sexual mtf
Processo de reversão sexual mtfProcesso de reversão sexual mtf
Processo de reversão sexual mtf
 
Prescrição e dispensação de antimicrobianos
Prescrição e dispensação de antimicrobianosPrescrição e dispensação de antimicrobianos
Prescrição e dispensação de antimicrobianos
 
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
Perfil medicamentoso de pacientes hipertensos e diabéticos na cidade de popul...
 
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oestePerfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
Perfil medicamentoso da asma na rede pública de palmeira d’oeste
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimer
 
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
Perfil das usuárias de contraceptivos orais na ubs do município de são joão d...
 
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literaturaO uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
O uso de benzodiazepínicos por idosos revisão da literatura
 
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
Levantamento epidemiológico da hepatite b no período de 2000 a 2011 no estado...
 
Levantamento da incidência das doenças negligenciadas
Levantamento da incidência das doenças negligenciadasLevantamento da incidência das doenças negligenciadas
Levantamento da incidência das doenças negligenciadas
 
Leucemia mielóide crônica
Leucemia mielóide crônicaLeucemia mielóide crônica
Leucemia mielóide crônica
 
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosa
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosaHanseníase efetividade da terapia medicamentosa
Hanseníase efetividade da terapia medicamentosa
 
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mamaFarmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
Farmacologia e farmacovigilância relacionadas ao câncer da mama
 
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelh...
 
Aspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantilAspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantil
 
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressaoAspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
Aspectos farmacogeneticos relacionados a depressao
 
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
Análises das infecções do trato urinário e do perfil de sensibilidade e resis...
 

Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na cidade de fernandópolis

  • 1. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS BRUNA APARECIDA MAIA FERNANDO HENRIQUE SOARES JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS- SP FERNANDÓPOLIS 2012
  • 2. BRUNA APARECIDA MAIA FERNANDO HENRIQUE SOARES JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS- SP Trabalho de conclusão de curso apresentado à Banca Examinadora do Curso de Graduação em Farmácia da Fundação Educacional de Fernandópolis como exigência parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Orientador: Prof. Esp. Vanessa Maira Rizzato Silveira FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FERNANDÓPOLIS – SP 2012
  • 3. BRUNA APARECIDA MAIA FERNANDO HENRIQUE SOARES JOÃO VITOR PEREIRA RODRIGUES CONHECIMENTO ACERCA DE PRODUTOS MANIPULADOS NO BAIRRO CDHU ALBINO MININEL NA CIDADE DE FERNANDÓPOLIS- SP Trabalho de conclusão de curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Aprovado em: 28 de novembro de 2012. Banca examinadora Assinatura Conceito Prof. Esp. Vanessa M. Rizzato Prof. Esp. Rosana Kagesawa Motta Prof. Msc. Luciana E. Simonato Prof. Esp. Vanessa Maira Rizzato Silveira Presidente da Banca Examinadora
  • 4. Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, pois sem ele, nada seria possível, e nossos sonhos não seriam concretizados. A nossa orientadora que com muita dedicação nos orientou, aos nossos pais, que sempre nos deram apoio, e estiveram presentes acreditando em nosso potencial, nos incentivando na busca de novas realizações e descobertas.
  • 5. AGRADECIMENTOS Agradecemos a Deus primeiramente por nos proporcionar chegar até aqui, aos nossos pais, nossa orientadora que com muito empenho nos orientou neste trabalho, ao coordenador do curso Prof. Msc. Reges Barreto que diretamente ou indiretamente esteve conosco até aqui.
  • 6. A realização de um sonho depende de dedicação. Há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está. Em verdade a ilusão é combustível dos perdedores, pois... quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio. “Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa.” Roberto Shinyashiki
  • 7. RESUMO O conhecimento das propriedades da Farmácia Magistral no Brasil tem sido divulgado a algum tempo e comparado com a indústria farmacêutica. Os quesitos mais focados é o custo-benefício, uma vez comparado com a indústria tem demonstrado ser mais vantajoso. Dentro deste contexto, abordamos a possível combinação dos fármacos ideais para a necessidade do paciente, além do contato próximo para por em prática a atenção farmacêutica. A partir destes princípios é avaliado também o nível de informação que a população tem quando se fala em farmácia magistral e produtos manipulados. Este trabalho teve como objetivo também levantar dados que demonstre a confiança que as pessoas depositam no profissional atuante da área magistral, avaliando os fatores mais relevantes para a escolha do produto manipulado ou industrializado, e sobre tudo se as pessoas possuem informação suficiente para o medicamento ser administrado corretamente, como falado na RDC 67/07 a dispensação sem prescrição seguida de danos ao paciente é punida pela legislação vigente. Palavras-chave: farmácia magistral, aceitabilidade, confiabilidade, qualidade.
  • 8. ABSTRACT The knowledge of the properties of Magistral Pharmacy in Brazil has been released for some time and compared with the pharmaceutical industry. The questions focused more is cost-effective, since compared with Industry has proven to be most advantageous. Within this context, can approach the ideal combination of drugs to the need patient, in addition to close contact in practice for the attention pharmaceutical. From these principles is also rated the level of information that people have when it comes to teaching pharmacy and products handled. This study also aimed to raise data demonstrating the confidence that people have in area masterful acting professional, assessing the factors most relevant to the choice of manipulated or processed product, and especially if people have enough information to medication be administered correctly, as spoken in the RDC 67/07 to dispensing without prescription followed by damage to the patient is punished by legislation. Keywords: teaching pharmacy, acceptability, reliability, quality.
  • 9. LISTA DE FIGURAS OU GRÁFICOS Figura 1 - Conhecimento a cerca de produtos manipulados 24 Figura 2 - Motivo pelo qual as pessoas compram produto manipulado 25 Figura 3 - Índice de conhecimento a cerca de automedicação 26 Figura 4 - Índice de automedicação com repetição de fórmula já usada 27 Figura 5 - Índice de confiança das pessoas entrevistadas em relação a produto manipulado 28 Figura 6 - Índice de conhecimento das pessoas sobre o termo cosmecêutico 30 Figura 7 - Índice de pessoas que já compraram cosmecêuticos em farmácia de manipulação 31
  • 10. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANFARMAG – Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais. CFF – Conselho Federal de Farmácia
  • 11. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..........................................................................................................12 1 DESENVOLVIMENTO.............................................................................................14 1.1 Mercado farmacêutico no Brasil...........................................................................14 1.2 Indústria farmacêutica..........................................................................................15 1.3 Farmácia de manipulação....................................................................................16 1.4 Motivação para prescrição magistral....................................................................17 1.5 Controle de qualidade..........................................................................................18 1.6 Custo, qualidade e segurança de medicamentos manipulados...........................19 2 OBJETIVOS.........................................................................................................22 2.1 Objetivo Geral .....................................................................................................22 2.2 Objetivos específicos...........................................................................................22 3 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO...................................................................23 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO...........................................................................24 CONCLUSÃO.............................................................................................................33 REFERÊNCIAS..........................................................................................................34
  • 12. 12 INTRODUÇÃO Desde os primórdios, a manipulação vem se tornando de suma importância no âmbito farmacêutico. De acordo com a Lei nº 5991/73, o conceito de farmácia é: Estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, compreendendo o de dispensação e o atendimento privativo de unidade hospitalar ou de qualquer outro equivalente de assistência médica (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004). A partir do século XVII já existia a necessidade da cura através de formulações medicamentosas, exemplo disso foi que começaram a surgir os primeiros boticários com o passar do tempo o farmacêutico vem ganhando seu espaço e se associando a tudo isso, principalmente com a chegada da indústria farmacêutica onde se teve necessidade de ir mais além do que as próprias boticas produziam. Percebeu-se que a indústria era um modo de agilizar e aprimorar tudo que até então já teria sido inventado. Várias formulações passaram a ser oficializadas e conhecidas mundialmente através da indústria, com isso as preparações magistrais perderam espaço (JUNIOR ANTUNES, 2002). A partir destes parâmetros com o passar dos anos a farmácia magistral junto com o farmacêutico, conseguiu retomar seu espaço mostrando que o custo beneficio poderia ser muito melhor e com isso ganhando a confiança das pessoas. As formulações magistrais, possuem grande espaço dentro dos receituários médicos por personalizar fármacos com mais de uma substância, tornando a terapêutica muitas vezes mais eficaz (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004). A farmácia magistral tem por opção ao consumidor o acesso a medicamentos e cosméticos com um custo mais acessível, que tem como base na qualidade, e confiança no setor de manipulação que, a cada dia, ganha mais créditos em benéficio das vantagens essenciais aos produtos manipulados. A grande parte aceita o medicamento manipulado, o que evidência a importância das farmácias magistrais, para que a população tenha o acesso a produtos de custo baixo com boa qualidade. Pode-se afirmar que para a maioria dos consumidores, o preço vem sendo o principal motivo para a compra de determinado produto. Tratamento por meio do medicamento manipulado, tem a vantagem de receber um medicamento adequado para sua necessidade, seja ele de saúde ou de estética. Na manipulação também temos a possibilidade de combinar diferentes substâncias em
  • 13. 13 uma única formulação, tornando possível, por exemplo, elaborar medicamentos e cosméticos que não são mais produzidos pela Indústria Farmacêutica ou retirar de sua composição substâncias que são contra indicados para pacientes alérgicos, como conservantes, corantes, aromatizantes e essências (FERREIRA, 2002). Diante de fatores sociais e econômicos do âmbito farmacêutico, se encontra grande crescimento do setor magistral, há um aumento de profissionais se especializando, com isso implementação de novas tecnologias, criação de distribuidoras que passaram com o tempo fornecendo matérias primas em grande escala, possibilitando profissionais médicos fornecerem receituários com fármacos combinados, facilitando o acesso em questão de custo beneficio e facilitando até mesmo a terapêutica, onde podemos através da combinação, inovar medicamentos inexistentes no mercado farmacêutico (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004). Diante dessa perspectiva, o que nos motivou a pesquisar e estudar sobre o tema foi a falta de conhecimento e informação de boa parte da população.
  • 14. 14 1.DESENVOLVIMENTO TEÓRICO 1.1 MERCADO FARMACÊUTICO NO BRASIL Nos dias de hoje o ramo farmacêutico vem se destacando por sua economia que gira em torno de 14 bilhões de dólares por ano. Destes, em torno de 80% são produzidos pela indústria multinacional (SANTOS, 2000). De acordo com a ANFARMAG (2003) a farmácia magistral representou cerca de 8% de todo o mercado farmacêutico, isso crescendo em torno de 3% por ano, sendo assim a principal responsável por um giro de em média 1,3 bilhões de reais por ano (LEAL; SILVA; SANTANA, 2007). A concorrência entre indústria e manipulação podemos dizer que seja um pouco tanto complexa, devido a disputa de preços e outros motivos como a qualidade. A indústria tem por defesa o pensamento de mostrar aos médicos a qualidade dos produtos manipulados, argumentando sempre que a farmácia de manipulação não tem a qualidade suficiente para a tal produção (OLIVEIRA; OLIVEIRA, 2006). Contudo, a farmácia magistral se defende com a tese de que a cultura magistral no Brasil já está instalada e a população em si confia nos produtos (LEAL; SILVA; SANTANA, 2007).
  • 15. 15 1.2 INDÚSTRIA FARMACÊUTICA O mercado da indústria farmacêutica no Brasil no ano de 2005 teve lucro de aproximadamente 7,7 bilhões de dólares, com isso colocou-a no ranking dos 10 maiores mercados do mundo. No Brasil estão atuando cerca de 370 empresas que são responsáveis por mais ou menos 120 mil pessoas indiretamente. Apesar de todos estes dados, a indústria farmacêutica dos anos recentes pra cá não pode comemorar muito, pois de sua 7ª posição, a mesma caiu para 10ª posição a partir de 2005, ressaltando que desde meados da década de 90 a indústria enfrenta quedas e mais quedas na venda e no controle de preços estabelecidos nos anos 2000 que tem reduzido a margem de lucros (HERNANDEZ;OLIVEIRA JR., 2006). A indústria farmacêutica é complexa com vínculos no setores industriais, tecnológica, científica, e de saúde; onde é de extrema cobrança potencializar o crescimento nas pesquisas, no controle da qualidade dos produtos, no adquirir das matérias primas de boa procedência, cuidados no armazenamento ordenada nos devidos lugares. Para que a indústria farmacêutica alcance com êxito conta-se com mão de obra treinada e qualificada, bom equipamentos de alta tecnologia, investimentos e divulgação (BONFIM, 1997). O setor farmacêutico está comparado como uma indústria que estimula o máximo do consumismo. No setor de produção de medicamentos, podemos comparar a produção de medicamentos com o número de casos de doenças, que é menor. Subentendemos que o médico pode estar prescrevendo mais, e com isso gerando lucros para a indústria. Contudo interessaria a indústria a venda de seus produtos mesmo consciente que muitos medicamentos tomados indevidamente desencadeariam diversas reações indesejadas, entretanto o intuito da indústria podemos dizer que é estimular o consumidor, realçar a influência no exercício do médico de prescrever. Pode-se dizer que a indústria farmacêutica investe no médico, uma vez que o poder financeiro, gera para o médico várias possibilidades, e variedade de estímulo de tal interesse, para que ele prescreva os medicamento de tal indústria. Aquele marketing que diz que a saúde, a segurança e o bem estar do consumidor é em primeiro lugar, na verdade tem a finalidade de possibilitar a venda de medicamento (MIGUELOTE, 2008).
  • 16. 16 1.3 FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO A farmácia de manipulação é o local onde é produzido os medicamentos, isso sendo um a um, por farmacêuticos responsáveis ou auxiliares seguido de uma prescrição médica. Depois que surgiu a indústria farmacêutica, podemos dizer que a manipulação perdeu forças no mercado, isto é, sua frequência de dispensação caiu em comparação dos tempos que não havia a indústria. Esta diminuição da frequência de dispensação podemos dizer que foi gradual, nas décadas de 30, 40 e 50. Depois de 1960 se tornaram praticamente extintas do mercado, dando oportunidade somente para a atuação da indústria farmacêutica, entretanto nos anos 80 a farmácia magistral consegue retomar seu espaço, conquistando-o e ficando até os dias de hoje (SZATKOWSKI; OLIVEIRA, 2004). De acordo com a comissão de fiscalização do Conselho Federal de Farmácia (CFF), existem mais de 79 mil estabelecimentos de farmácias no Brasil, sendo drogarias e magistrais, e em torno de 114 mil farmacêuticos registrados no CFF, com isso podemos entender que o crescimento do mercado farmacêutico tem sido grande e a cada ano aumenta (BRASIL, 2007). “ ... o processo de manipulação compreende a preparação, mistura, processamento, embalagem ou rotulagem de fármaco ou dispositivo, como resultado de uma prescrição de profissional habilitado ou pedido baseado na relação prescritor/paciente/farmacêutico, no decorrer da pratica profissional. Caracteriza pelo preparo de fórmulas a serem dispensadas na própria farmácia, para um usuário identificável e não terceiros.” (ANFARMAG, 2006). É interessante frisar que o papel do farmacêutico dentro de uma farmácia magistral é de suma importância, pois a responsabilidade é do próprio quando há liberação de fórmulas aprovadas, por diversas vezes essa responsabilidade fica na mão de técnicos e o farmacêutico apenas assina a fórmula colocando em risco não só seu diploma, mas a vida do paciente que vai fazer uso do determinado produto. Todos estes cuidados são baseados na RDC 67/07, tudo por um produto final adequado e de boa qualidade (ANFARMAG, 2006).
  • 17. 17 1.4 MOTIVAÇÃO PARA PRESCRIÇÃO MAGISTRAL A prescrição em si é feita pelo médico, onde o mesmo se baseia em vários fatores para se chegar a melhor terapêutica e o fármaco que melhor se encaixa a necessidade do paciente. No contato com o paciente um dos fatores primordiais a serem observados e com cautela é os fatores externos ao mesmo, e as próprias características (CASTRO; PEPE, 2000). Por diversas vezes o prescritor opita pela farmácia magistral pela possível combinação de fármacos, isso é, uma possível melhor adequação a terapêutica, eficácia em todos os sentidos. Além do preço, acessibilidade, confiabilidade, marketing, adesão do próprio paciente ao produto, entre outros (BERGAMINI, 1997). Na maioria das vezes o prescritor não exita em dizer que a fonte de informação cientifica é o que coloca sua decisão em prática. O prescritor além de apenas prescrever é responsável pela qualidade de vida do paciente que estará administrando determinado fármaco, para isso o mesmo deve conhecer e ter embasamento no que está prescrevendo, os efeitos indesejados que podem acometer o paciente são muitos, então a cautela ao prescrever é necessária (CASTRO; PEPE, 2000). O papel do prescritor podemos definir como o diagnóstico a necessidade terapêutica, associando ao paciente qual o melhor medicamento levando em consideração sempre o custo-benefício (NISHIOKA; RUMEL; SANTOS, 2006). É interessante frisar que o papel do prescritor vai muito mais além que apenas escrever em uma folha o medicamento que o mesmo imagina ser bom, a construção deste arsenal terapêutico deve-se considerar muitos motivos, entre eles a necessidade do paciente, a biodisponibilidade do fármaco e sobretudo o custo- benefício e a segurança, que sempre deve ser embasado nas necessidades do paciente, colocando em prática isso tudo no dia a dia o prescritor se preocupa mais com a efetividade do medicamento, fato preocupante uma vez que a efetividade é sim um dos fatores primordiais, porém como citado acima a segurança e o chamado custo-benefício deve vir junto com a efetividade (NISHIOKA, RUMEL, SANTOS, 2006).
  • 18. 18 1.5 CONTROLE DE QUALIDADE No que se refere ao controle de qualidade para medicamentos industriais e manipulados, autores como Nishoka, Rumel e Santos (2006) dizem que os medicamentos manipulados não garantem os mesmos padrões de qualidades em relação aos industrializados, porém à controvérsias e a ANFARMAG afirma que por mais que haja dificuldades na preparação de medicamentos em menor quantidade isso não exclui o controle de qualidade, pois as evoluções tecnológicas permitem atualmente, maior controle na produção dos medicamentos (ANFARMAG, 2006). A importância do controle de qualidade dentro da farmácia magistral na produção de medicamentos é essencial. Temos como objetivo verificar, afirmar a conformidade das matérias primas e embalagens, tudo para garantir a eficácia do produto final. Podemos dizer que se houver falhas dentro dos processos há desvio de qualidade, que pode ser caracterizado como o não atendimento dos parâmetros de qualidade estabelecidos. Garantia de qualidade também é um item de suma importância dentro do contexto magistral, é necessário garantir que tal produto chegará a mão do consumidor com as devidas características, de forma coerente com as especificações documentadas dentro da empresa (BRASIL, 2007).
  • 19. 19 1.6 CUSTO, QUALIDADE E SEGURANÇA DE MEDICAMENTOS MANIPULADOS Podemos definir o tema preços X qualidade relatando alguns tópicos fundamentais. Dentre eles a formulação de produtos ativos não reconhecidos pela indústria farmacêutica; avaliação quanto aceitação na mudança da concentração do ativo na formulação farmacêutica, adequando o medicamento à utilização por idosos e crianças; garantia deste medicamento, no intuito de subestimar a possibilidade de ocorrer a auto medicação; personificação do medicamento; exercer as funções inerentes da atenção farmacêutica na farmácia magistral, priorizando no tratamento do paciente (TOKARSKI, 2002). A atenção farmacêutica pode-se dizer que é voltada em resultados de melhores condições de vida aos pacientes, tendo um maior apoio e aceitação da profissão farmacêutica na realização de seus serviços prestados promovendo assim seu papel na sociedade e na indústria, dando o respectivo respeito aos oficiais de farmácia assumirem o seu papel (HEPLER, 1990; ANTUNES JÚNIOR 2002). Antigamente em Portugal o farmacêutico exercia seu papel fundamental como proprietário e farmacêutico responsável do estabelecimento comercial, Dessa forma ele relacionava diretamente em programas de auto medicação, estava ligado na educação para a saúde pública e no interesse por cursos de reciclagem onde pudesse favorece uma vida melhor para o paciente e a sociedade em geral (PETIROWICZ, 2003). Governantes tem investido em cursos de reciclagem com a finalidade de melhores profissionais da área farmacêutica e qualificação em programas voltados atenção farmacêutica, grupos de pacientes hipertensos, diabéticos, asmáticos e programas de saúde da família recebe maior atenção (FUNCHAL, 2003; CELEDÓN, 2003; ALMEIDA, 2003; SANTI, 2003). A diferença de preço dissemelhante de medicamentos de uma farmácia para outra, que tem sido o foco das discussões de forma as vezes até incoerente, pois milhares de brasileiros não tem acesso a estes medicamentos (TOKARSKI, 2002).
  • 20. 20 O farmacêutico terá uma importância fundamental na terapia medicamentosa por parte dos pacientes em tratamento, a farmácia magistral é uma forma barata e confiável ao paciente em resgatar seus medicamentos (PETROWICZ, 2003). Brito (2003), relata que a grande diferença de valores está deixando a desejar a credibilidade das farmácias magistrais, frente a diversos públicos. Em 2002 a ANFARMARG realizou uma pesquisa onde foi apresentado que 48,5% das farmácias do país tem seus preços elaborados. Sebrae em 2001 apresentou que um dos fatores que levam ao encerramento de atividades das pequenas e médias empresas é uma política de preços inadequada (BRITO, 2003). Assim sendo , para a venda do produto é preciso se considerar três tipos de custos: 1. Matéria prima (ativo, excipiente, embalagem); 2. Manipulação (salário, equipamentos, energia); 3. Comercialização (impostos, comissões, prazos para clientes). Vários fatores é preciso ser previsto (BRITO, 2003). A política de preços é fundamental, com isso é preciso, no entanto investir com treinamentos aos funcionários para que possa ter excelência de qualidade, o paciente sempre busca por preços acessíveis e pelo bom atendimento. Sendo neste caso os preços que determinam qual será o lucro, sendo necessário cortar custos e despesas. Em contrapartida, podemos dizer que sempre que se aumenta o custo, aumenta-se o preço, não havendo consideração quanto a reação do mercado. Assim sendo, avaliar preços praticados no mercado pode ser mais uma ferramenta e não uma política de preços. E isto acaba por ser um benefício tanto para a farmácia como para o paciente (CAMPOI, 2003). Foi destaque no Boletim Oficial da ANFARMAG, o tema: “Preços: Quem ganha com a diferença?” é feita a seguinte colocação: “O farmacêutico faz qualquer negócio? Diante dessas colocações podemos dizer que a concorrência com o preço não eleva a imagem de ninguém, o melhor é concorrer com a qualidade e o desenvolvimento de práticas saudáveis ao setor. Nesta observação vale ressaltar que o setor magistral depende das decisões de cada farmacêutico. Que cada um tome decisões corretas para que o setor tenha longevidade (NOGUEIRA, 2003).
  • 21. 21 Não cabe somente ao farmacêutico estar à frente de todas as decisões financeiras ou contábeis do mercado. Com surgimento de inúmeras farmácias isso dificulta muito com que os valores sanitários e sociais da farmácia fossem colocados pela busca descontrolada do lucro (SANTOS, 2002). O farmacêutico, é visto como o ponto principal neste contexto enquanto responsável técnico pelas farmácias, principalmente as farmácias magistrais onde o preço do produto tem que ser totalmente formado, não sendo, portanto, o maior responsável pela política de preços de medicamento manipulados. De acordo com a RDC nº 67/2007 é facultado ao farmacêutico o direito de realizar a manipulação do medicamento ou não. É obrigatório a análise da prescrição antes de qualquer manipulação, salienta área magistral não existe base para realizar com segurança medicamentos principalmente com tantas substâncias associadas, assim cabe avaliar e estudar a estabilidade dos fármacos. De acordo com a literatura, modificações físico-químicas devido a interações entre fármacos pode ser verificadas por modificações nas características do medicamento como por exemplo, a modificação na consistência, na cor ou odor da preparação. No entanto, se não percebida pelo paciente, uma vez existindo, podem chagar a causar diminuição na biodisponibilidade dos mesmos, comprometendo inclusive seu efeito terapêutico. O paciente é o monitor nas investigações de apreciações dos medicamentos tem que estar atento a tudo para que possa ter uma boa administração de medicamentos que esta recebendo. Desta forma, preço, segurança e qualidade de medicamento manipulado devem estar sempre associados na qualidade do mesmo, desta forma, os procedimentos operacionais, seja na prática do preço justo, na qualidade do medicamento, bem como na segurança do paciente e da Farmácia. Do contrário,o setor magistral entrará em total descrédito (ANSEL, 2000).
  • 22. 22 2. OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL O objetivo do trabalho foi avaliar o índice de conhecimento e confiabilidade da população do bairro CDHU Albino Mininel de Fernandópolis - SP sobre medicamento manipulado. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Conhecer quais os fatores relevantes para escolha de um medicamento manipulado ou industrializado; b) Se possuem informações sobre administração correta de um medicamento.
  • 23. 23 3. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Foi realizado um levantamento bibliográfico através de sites de pesquisa como scielo, pubmed, google academico, revistas, periódicos e livros, no período de 13 de agosto de 2012 á 26 de agosto de 2012.
  • 24. 24 4. RESULTADO E DISCUSSÃO Na figura 1 temos o conhecimento a cerca de farmácias de manipulação. Figura 1. Conhecimento a cerca de farmácias de manipulação. Fonte: Elaboração própria. Diante dos dados obtidos podemos observar que 90% das pessoas entrevistadas conhecem alguma farmácia magistral. Hoje no município de Fernandópolis contamos com 12 farmácias magistrais, Um dos fatores mais relevantes para as pessoas conhecerem farmácias magistrais provavelmente é a divulgação que se dá no “boca-a-boca” entre a população. Em contrapartida, o setor de manipulação afirma, segundo Leal, Silva e Santana (2007), ser consenso entre os farmacêuticos que já esta criada uma cultura magistral no mercado farmacêutico e entre a população brasileira, que tem como base a confiabilidade no setor.
  • 25. 25 Na figura 2 temos o motivo pelo qual a pessoa entrevistada compra produto manipulado. Figura 2. Motivo pelo qual a pessoa compra produtos manipulados. Fonte: Elaboração própria. Outro fato interessante é que 89% das respostas afirmam que o maior motivo que os levam a comprar produtos manipulados é o preço, o que pode ser um perigo em virtude do controle de qualidade, uma vez que deve ser bem feito, pois sem um controle de qualidade bem executado a terapêutica não é eficaz, podendo desencadear efeitos indesejáveis. O preço muitas vezes não garante qualidade, o que vai nos garantir que um produto de fato é bom são fatores desde a forma de manipular até o controle de qualidade realizado na matéria-prima antes da sua utilização na manipulação. Segundo Nishioka, Rumel e Santos (2006), para o consumidor, o preço e a principal razão pela compra de um ou outro medicamento.
  • 26. 26 A partir da figura 3 podemos ter por base a porcentagem de pessoas que confiam em medicamento manipulado. Figura 3. Índice de confiança das pessoas entrevistadas em relação a produto manipulado. Fonte: Elaboração própria. Como podemos observar no gráfico acima, somente 10% dos entrevistados optaram ao medicamento industrializado, e 90% das pessoas confiam em produto manipulado, depositando assim total confiança na manipulação. Fatores relevantes que as pessoas colocaram, foi o custo e a confiança farmacêutica. Diante de dados o custo de fato é o principal fato que fazem as pessoas comprarem produtos manipulados, pois a farmácia de manipulação é uma forma econômica e confiável do paciente adquirir seu medicamento, e também a forma com que o farmacêutico aborda o paciente na dispensação, colocando em prática a atenção farmacêutica (LEAL; SILVA; SANTANA, 2007).
  • 27. 27 Na figura 4 podemos observar o índice de conhecimento a cerca de automedicação. Quando se toma um medicamento manipulado, se as dores ou sintomas começarem se agravar você pode aumentar a dose recomendada pelo médico ? Sim 12% Não 88% Figura 4. Índice de conhecimento a cerca de automedicação. Fonte: Elaboração própria. Diante da pesquisa podemos observar que 88% das pessoas entrevistadas não aumentaria a dose se os sintomas se agravarem. Observamos que a população em si tem consciência que uma posologia ou dose errada pode desencadear situações drásticas. Na maioria das vezes a automedicação pode incluir, além da administração pessoal de fármacos, a medicação de uma pessoa para outra, não formalmente habilitada (amigos, familiares, etc.), com intensão de aconselhar, pelo fato de ter visto melhoras significativas ou mesmo porque conseguiu curar-se com o medicamento que está a indicar. É evidente que o mesmo sintoma pode ser comum a várias situações de doença ou mal estar, mas é importante frisar que o problema que a pessoa pode ter, não pode ser o que o conselheiro teve.
  • 28. 28 A partir da figura 5 podemos observar o índice de automedicação com repetição de fórmulas já usada em outras ocasiões. Se os sintomas aparecerem novamente depois de algum tempo e você como paciente achar conveniente repetir a fórmula proposta pelo médico no tratamento anterior, você pode? Sim 60% Não 40% Figura 5. Índice de automedicação com repetição de fórmula já usada. Fonte: Elaboração própria. Diante desta perspectiva, 60% das pessoas entrevistadas tem em mente que podem repetir o tratamento sem antes procurar um médico para saber qual o real motivo que os sintomas reapareceram, ou até mesmo saber se de fato são os mesmos sintomas, uma vez que algumas doenças podem ser mascaradas. Segundo Vasconcellos (2011), se o remédio não tem propósito no organismo, ele vai identificar aquela substância como algo estranho, o que pode não fazer efeito algum, como poderá trazer prejuízos para a saúde. Contudo, podemos entender que os fármacos independente da forma com que é administrado pode ocasionar dois problemas, podendo ser reação alérgica ou efeito tóxico. Reação alérgica depende exclusivamente do organismo do paciente em relação ao medicamento, e o efeito tóxico dependerá da dosagem do próprio medicamento (VASCONCELLOS, 2011).
  • 29. 29 Apesar das pessoas terem consciência da automedicação prefere-se automedicar do que procurar novamente um médico particular ou posto de saúde, talvez devido a demora nos atendimentos públicos e custo elevado das consultas particulares, isso leva á automedicação. Com isso podemos entender que a automedicação por diversas vezes mascara sintomatologias ou diagnostico de doenças. Sendo assim, podemos frisar que o problema não é só em uma região, se trata de fatores a nível de Brasil. A automedicação pode ser considerada uma forma de não adesão às orientações médicas, perigo isso para a população. O medicamento é destinado a prevenir ou tratar doenças, por este motivo se tornar muitas vezes perigoso para o consumidor, em virtude à sua nocividade, ou utilização de maneira errada (SANTOS, 2006). De acordo com a RDC 67 de 8 de outubro de 2007 da ANVISA, fica claro no art. 4° que se houver erros de desvio de qualidade e causar danos ao consumidor a farmácia será punida, de acordo com a legislação sanitária vigente.
  • 30. 30 Na figura 6 podemos observar o índice de pessoas que não tem conhecimento a cerca do termo cosmecêutico. Você sabe o que é um cosmecêutico? Sim 1% Não 99% Figura 6. Índice de conhecimento das pessoas sobre o termo cosmecêutico. Fonte: Elaboração própria. O gráfico acima enfatiza o nível de conhecimento da população em relação ao termo cosmecêutico, como mostrado, 99% das pessoas não tem conhecimento do que se trata. Diante deste resultado, houve a necessidade de abordar este assunto com a população em geral, esclarecendo o que de fato significa cosmecêutico. Segundo Monteiro (2008) os cosmecêuticos são definidos pelos produtores de cosméticos como produtos que agem na derme (camada profunda da pele), esse termo cosmecêutico é muito útil no sentido de alterar funções da pele, causando benefícios.
  • 31. 31 Na figura 7 podemos observar o índice de pessoas que já compraram algum cosmecêutico em farmácias de manipulação, uma vez que as mesmas já foram esclarecidas através da pergunta da figura anterior quanto ao termo cosmecêutico. Figura 7. Índice de pessoas que já compraram cosmecêutico em farmácias de manipulação. Fonte: Elaboração própria. A partir da figura 7, as pessoas entrevistadas já entenderam o real significado do termo cosmecêutico, e com isso foi constatado nesta figura 3 que 87% das pessoas nem se quer ouviram falar sobre cosmecêutico em farmácias magistrais. A maior parte dos cosméticos muitas vezes são desconhecidos pela população, talvez em virtude da indústria possuir uma estratégia de marketing muito grande e a farmácia magistral muitas vezes não estabelecer parâmetros de divulgação necessário para que tal informação chegue até a população. Um dos fatores são os dermatologistas que estão habituados a prescrever apenas receitas de cosméticos industrializados, deixando de lado as fórmulas manipuladas que costumava receitar. Talvez o motivo seja a grande ampliação na variedade de cosméticos inovadores, estimulados pelo desenvolvimento da cosmetologia industrial (CASTRO; PEPE, 2000).
  • 32. 32 Amato Neto (2000) relata que a confiança tida como um fator chave para a formação e consolidação das farmácias. No caso deste atributo estaria relacionada a confiança entre médico-paciente-medicamento para garantia o efeito terapêutico. Para prescrição de medicamentos tanto manipulado como industrializado a confiança terapêutica é essencial.
  • 33. 33 CONCLUSÃO Foi notável que a população do bairro CDHU Albino Mininel possui conhecimento acerca de produtos manipulados, embora existam dúvidas a respeito de quais produtos possam ser manipulados. Infelizmente, o fator de maior importância na escolha de um produto manipulado ainda é o preço do mesmo, fato este que pode ser perigoso, devendo sempre levar em consideração a qualidade do mesmo, a automedicação também é uma prática existente na farmácia magistral, comprometendo e levando o paciente a sérios riscos. Existe a necessidade de uma rápida e eficaz informação a população sobre a farmácia magistral, esclarecendo duvidas e fazendo valer as legislações vigentes.
  • 34. 34 REFERÊNCIAS ALMEIDA, J.V. et col. Como Viabilizar a Prática da Atenção Farmacêutica ao Diabético. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 72, p. 48-53, 2003. AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtivas regionais. São Paulo: Atlas. 2000. ANFARMAG, Boletim Oficial. v. 14, n. 61, 2003. ANSEL, Howard C.; POPOVICH, Nicholas G.; ALLEN, Loyd V.. Farmacotécnica: formas farmacêuticas & sistemas de liberação de fármacos. 6.ed. São Paulo: Premier, 2000. p. 126-127; 132-141. ANFARMAG. Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais. Medicamentos magistral. Revista ANFARMAG, São Paulo, v. 12, n. 61, p. 28-33, jun./jul. 2006. BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC n° 67, de 8 de outubro de 2007. Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de Medicamentos para Uso Humano e farmácias. Diário oficial da união, Brasília, DF, 9 de outubro de 2007. BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997. BONFIM. José Rubem Alcântara. Os dedados da política brasileira de medicamentos. In: BONFIM, José Rubem Alcântara; MERCICCI, Vera Lucia. (Orgs.). A construção da política de medicamentos. São Paulo: End. HUCITEC/SOBRAVIME, 1997.p.21-48. BRITO, D. Custos X preço de venda. Anfarmag, v. 9, n. 45, p.44-47, 2003. CAMPOI, J.C.S. Gestão e Administração Financeira, Contábil e Formação de Preços em Farmácias com Manipulação. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 74, p.46-50, 2003. CASTRO, Cláudia G. S. de Osório; PEPE, Vera Lúcia Edais. A interação entre prescritores, dispensadores e pacientes: informações compartilhadas como possível benefício terapêutico. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n.3, jul./set. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 311X2000000300029&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em 2 out. 2012. CELEDÓN, C., et col. Importância da Atenção Farmacêutica a Pacientes Asmáticos. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 73, p. 30-37, 2003. FERREIRA, Anderson de Oliveira. guia prático da Farmácia Magistral. 2.ed. Juiz de Fora, 2002.
  • 35. 35 FUNCHAL, D. O papel do Farmacêutico na Atenção Farmacêutica ao Paciente Hipertenso. Revista Racine, São Paulo, v. 13, n. 74, p. 28-36, 2003. HERNANDEZ, José Mauro da Costa; OLIVEIRA JR; Euripedes Fernandes de. A troca de medicamentos no ponto de venda e o Mercado de medicamentos genéricos. Revista de Negócios, Blumenau, V. 11, n. 3, p. 41-60, Jul./Set. 2006. HEPLER, C.D.; Strand, L.S. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. American Journal of Hospital Pharmacy, Bethesda, v. 47, p.533-545, 1990. JUNIOR, Daniel Antunes. Farmácia de Manipulação – noções básicas/ Curso Revisado e atualizado. São Paulo: Tecnopress, 2002. LEAL, L. B.; SILVA, M. C. T.; SANTANA, D. P. Preços X qualidade e segurança de medicamentos em farmácias magistrais. Infarma, Brasília, v. 19, n. 1-2, p. 28-31, 2007. MIGUELOTE, Vera Regina da Silva. A industria do conhecimento, o médico e a indústria farmacêutica: uma co-produtos de técnicos e técnicas de poder. 2008. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro 2008. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi- bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p &nextAction=lnk&exprSearch=488494&indexSearch=ID Acesso em: 5 setembro. 2012. MONTEIRO, E. de O.; BAUMANN, L. S. F. A ciência do cosmecêutico: Cosmético ou droga?/ The cosmeceutical Science: cosmetic or drug?. Revista Bras. Med. 65(n esp): 22-25, ago. 2008. NISHIOKA, Sérgio de Andrade; RUMEL, Davi; SANTOS, Adélia Aparecida Marçal dos. Intercambialidade de medicamentos: abordagem clínica e o ponto de vista do consumidor. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 5, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n5/24.pdf Acesso em: 13 out.2012. NOGUEIRA, O..M. Preço não é tudo! Mas pode acabar significando nada. Anfarmag, v.9, n. 44, p.40-43, 2003. OLIVEIRA, Josmária Lino Ribeiro de; OLIVEIRA, Sidney Lino de. Conflitos dos canais de marketing de uma indústria farmacêutica. 2006. Disponivel em: http://www.convibra.com.br/2006/artigos/104_pdf.pdf. Acesso em 11 out. 2012. PIOTROWICZ, M.R.B.; Petrowick, P.R. Atendimento Remoto farmacêutico: análise dos serviços de tele-entrega de medicamentos por estabelecimentos farmacêuticos de Porto Alegre. Infarma, São Paulo, v.15, n.9/10, p.72-77, 2003. SANTI, V. Implantação da Atenção Farmacêutica no PSF. Pharmacia Brasileira, Brasília, v. 3, n. 39, p. 50-51, 2003.
  • 36. 36 SANTOS, B. Este consumo que nos consome – Olhares sobre a sociedade de consumo atual. Porto, Campo das letras. 2006. SANTOS, Jaldo de Souza. Atenção farmacêutica no Brasil. Pharmácia Brasileira, Brasília, v. 3, n. 19, p. 27-29, mar./abr. 2000. SANTOS, J.S. Ser ou não ser proprietário de farmácia. Pharmacia Brasileira, Brasília, v. 3, n. 32, p. 5-9, 2002. SZATKOWSKI, Liane Teresinha Dezaneth; OLIVEIRA, Cibeli Lunardeli. O uso de medicamentos manipulados no município de Toledo. Infarma, Brasilia, v. 16, n. 1-2, p. 77-78, jan./fev. 2004. TOKARSKI, E. Farmácia Magistral. Tanta Credibilidade, Tanto crescimento. Qual o segredo? Pharmacia Brasileira, Brasília, v. 3, n. 32, p. 5-9, 2002. VASCONCELLOS, Hélio Lopes. Automedicação mascara doenças e pode matar. Mar.11 Disponível em: http://www.reporterdiario.com.br/Noticia/277392/automedicacao- mascara-doencas-e-pode-matar Acesso em: 14 nov. 2012.
  • 37. 37 Apêndice Questionário: 1. Você conhece alguma farmácia de manipulação? ( ) Sim ( ) Não 2. Por qual motivo você compra produto manipulado? ( ) Por ser mais barato ( ) Por eu conhecer o dono da farmácia ( ) Não compro em farmácias de manipulação 3. Você sabe o que é um cosmecêutico? ( ) Sim ( ) Não 4. Você já comprou algum cosmecêutico em farmácias de manipulação? ( ) Sim ( ) Não, eu não sabia que existia cosmecêutico em farmácias de manipulação 5. Na sua opinião, medicamento manipulado é confiável? ( ) Sim ( ) Não 6. Quando se toma um medicamento manipulado, se as dores os sintomas começarem se agravar você pode aumentar a dose recomendada pelo médico? ( ) Sim ( ) Não 7. Se os sintomas aparecerem novamente depois de algum tempo e você como paciente achar conveniente repetir a fórmula proposta pelo médico no tratamento anterior, você pode? ( ) Sim ( ) Não