O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Aula helmintos

67.337 visualizações

Publicada em

Aula helmintos

  1. 1. IDENTIFICAÇÃO DE PARASITAS Profª Daiane Mastrocola
  2. 2. HELMINTOS INTESTINAIS
  3. 3. Enterobius vermicularis
  4. 4. Enterobius vermiculares Oxiuríase, Oxiurose, Enterobíase e Enterobiose Infecção comum entre crianças
  5. 5. Morfologia Ovo embrionado Macho 50 µm comp. por 5 mm 20 µm largura Fêmea 1 cm 5 a 16 mil ovos
  6. 6. Ovo
  7. 7. Larva de Enterobius vermicularesAletas ou asascefálicas Fêmea adulta: 13mm de comp.
  8. 8. Ciclo biológico
  9. 9. ISO-8859partner-pu Manifestações Clínicas  Assintomáticos: raros  Prurido anal  Náusea leve e vômito  Insônia e irritabilidade  Mucosa recoberta de muco e larvas  vaginite
  10. 10. Transmissão Heteroinfecção Indireta: ovos atingem o mesmo hospedeiro. Autoinfecção externa ou direta: ovos levados pela mão (cronicidade da doença) Autoinfecção interna: eclosão das larvas dentro do reto e migram para o ceco adultas. Retroinfecção: larvas eclodem na região perianal e penetram pelo ânus.
  11. 11. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Método da Fita Adesiva transparente ou método de Graham
  12. 12.  Exame de fezes – diagnóstico de apenas 5 a 10% Método Faust
  13. 13. Profilaxia Lavar roupas do hospedeiro separadamente e com água fervente; Tratamento de todas as pessoas ; Cortar unhas; Lavar as mão.
  14. 14. Trichuris trichiura
  15. 15.  Importância médica 1 bilhão de pessoas infectadas Prevalente em regiões úmidas e quentes Larva adulta: chicote Antiga: relatada em múmia Homem: principal hospedeiro Relatos: macacos, porcos
  16. 16.  TRICURÍASE Formas: ovos e larvas Forma infectante: ovos larvados (L2) ingeridos pelo homem. Sobrevivência da larva adulta no homem: 5 a 8 anos
  17. 17. Morfologia : OVOS Ovos: são mto resistentes três camadas lipídica externa quitinosa intermediária vitelínica interna. Forma elíptica, barril, com poros transparentes e salientes (50 – 55 µm de comp por 22 a 24 µm.
  18. 18. Ovo de Trichuris trichiura
  19. 19. LarvasTamanho: 3 a 5 cm
  20. 20. SINTOMAS Dependem da carga parasitária Fatores: idade, estado nutricional, disposição das larvas no intestino
  21. 21.  Infecções leves: assintomática ou discreta alteração intestinal Infecções moderadas: 1.000 a 9.999 ovos g/ fezes dores de cabeça, dor epigástrica e abdominal, vômito, náuseas e diarréia.
  22. 22. Distribuição dos parasitas no intestino
  23. 23. Infecções intensas: diarréia intermitente com muco e sangue, dor abdominal com tenesmo, anemia, desnutrição grave (peso e altura diminuído para a idade).
  24. 24. Prolapso retal Exteriorização do reto (infecções maciças) Esforço continuado na defecação associado a alterações nervosas locais
  25. 25. Ciclo biológico SOLO Homem Fezes Ovo não embrionado (Meio externo – TEMP.) (2 a 3 semanas – 25ºC) Ovo embrionado ou larvado (Forma infectante)
  26. 26.  HOMEM Ovos embrionados Ingestão Intestino delgado: eclosão Larva Intestino grosso (ceco): verme adulto oviposição cada fêmea elimina cerca de 7.000 ovos/dia NÃO FAZ CICLO PULMONAR Ciclo total: 60 dias
  27. 27. Imunidade Pouco se conhece Diminuição de intensidade de sintomas
  28. 28. Profilaxia Condições ambientais que favorecem o desenvolvimento do ovo; Inexistência de saneamento básico adequado; Tratamento dos doentes
  29. 29. Diagnóstico Diagnóstico clínico: não é específico
  30. 30. Diagnóstico laboratorial Método direto ou de concentração Kato-Katz (avaliação quantitativa e qualitativa)
  31. 31. Ascaris lumbricoides
  32. 32. Ascaridíase “Lombriga” Maior nematódeo que infecta o homem Homem: HD “oral-fecal” Considerada a parasitose mais prevalente no mundo (1,3 bilhão)
  33. 33. Morfologia - Larvas Macho: Mede cerca de 20 a 30 cm de comp; Apresenta extremidade posterior fortemente encurvada para a face ventral;
  34. 34.  • Fêmea: Mede cerca de 30 a 40 cm de comp. Apresenta extremidade posterior retilínea 200 mil ovos não embrionados
  35. 35. Ovos São brancos Cor castanha nas fezes Ovo fértil Ovo infértil (fêmeas não fecundadas)
  36. 36. OvosMembranaexternaalbuminosa Fértil 45-75μm x 35-50μm s/ camada mamilar
  37. 37. Ovos Sem membrana externa Albuminosa (casca + fina)Infértil88-94μm x 39-44μm
  38. 38. Ovo larvado
  39. 39. Ciclo biológico - solo HomemSOLO FEZES Ovos não embrionados (fertéis)DURAÇÃO 4 a 6SEMANAS (MEIO Ovo embrionado ( L1 não infectante -EXTERNO) rabdtóide) Ovo embrionado (L2 infectante) Ovo embrionado (L3 infectante)
  40. 40. HOMEM Longevidade das larvas adultas de 1 a 2 anos Ovos embrionados (L3) Ingestão Intestino delgado: eclosão larva (aeróbia L3) Vasos sanguíneos e linfáticos (L3) FígadoDURAÇÃODE 2 A 3 CoraçãoMESES Pulmão (8 dias após – L4) Traquéia e laringe (L5) Deglutição Estômago Intestino (jejuno e íleo): macho e fêmea ovos
  41. 41. SintomasAssintomática a infecção graveOs vermes adultos podem sair pelo nariz, boca ou ânus
  42. 42.  Fase de Migração: Síndrome de Loeffler ou Loss (tosse, febre, eosinofilia, pneumonia)
  43. 43.  Fase intestinal má digestão, dores abdominais, perda de peso, irritabilidade Obstrução intestinal: enovelamento de vermes adultos
  44. 44.  Os vermes adultos podem sair pelo nariz, boca ou ânus
  45. 45. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL•Exame parasitológico de fezes:Macroscópico: pesquisa de vermes adultosMicroscópico: pesquisa de ovos•Métodos:Direto (com lugol) :sensibilidade >90%Sedimentação: HoffmanKato-Katz (quantitativo: carga parasitária)
  46. 46. Ancylostomidae
  47. 47. Ancylostomidae Duas espécies diferentes: Ancylostoma duodenale Necator americanus Não é possível diferenciá-los pelo ovo. Prevalência das espécies varia de acordo com a região. DOENÇA: ancilostomose (amarelão)
  48. 48. Morfologia - Ovo 60 µm por 40 µm
  49. 49. Larvas Necator americanus Ancylostoma duodenale 2 placas cortantes no Necator peças bucais - 4 dentes no Ancylostoma
  50. 50. ESÔFAGO COM DUAS DILATAÇÕESLARVA RABDITÓIDE• larva de 1º estágio;• não infectante;• que se alimenta;• tem esôfago e bulbo refringente
  51. 51. ESÔFAGO RETILÍNEO LARVA FILARIÓIDE • larva de 3º estágio; • não se alimenta; • tem bainha • esôfago longo e estreito
  52. 52. Larva filarióideMachos: 8 a 11mmFêmeas: 10 a 18mm
  53. 53.  Larva do tipo filarióide (L3); Infectante; Cutícula externa; Não se alimenta; Movimentos serpentiniformes; Estimuladas por efeitos térmicos (pele) suco gástrico (oral); Penetração dura 30 min. (pele)
  54. 54. Ovo e Larva
  55. 55. Ciclo biológico
  56. 56. Larva filarióide L3 Larva rabditóide L2Estômago L4 Larva rabditóide L1 Estômago L4
  57. 57. Sintomas  Forma aguda: prurido na pele, eritema, erupção papulo- veniculosa;
  58. 58.   Manifestações respiratórias (ciclo pulmonar): tosse seca ou com expectoração, síndrome de Loeffler; Grande carga de parasitos: náuseas e vômitos, anorexia, mal estar, cólicas, diarréia, cansaço, perda de peso, anemia grave, dilatação cardíaca, insuficiência respiratória.
  59. 59.   Forma crônica: indivíduos bem nutridos: sem sintomas característicos. indivíduos subnutridos: anemia (palidez), cansaço, mucosas descoradas, fraqueza, tonturas, dores musculares, cefaléia, anorexia. OBS: PERDA SANGUÍNEA CRÔNICA COM ANEMIA FERROPRIVA SECUNDÁRIA
  60. 60. Forma infectante e Diagnóstico Forma infectante: L3 filarióide.   Pesquisa de ovos: Hoffmann Larvas: método de Rugai, devem ser diferenciadas de larvas rabditóides de filarióides de Strongyloides stercoralis.
  61. 61.  Pesquisa de sangue oculto nas fezes Hemograma (auxiliar) : avaliar anemia.
  62. 62. Testes imunológicos Imunofluorescência
  63. 63.  Hemaglutinação
  64. 64.  ELISA
  65. 65. Strongyloides stercoralis
  66. 66. Strongyloides stercoralis DOENÇA: estrongiloidíase Ocorre em regiões tropicais e subtropicais Elevada prevalência
  67. 67. Morfologia Fêmea partenogenética Capaz de reprodução unissexual Não é necessário a fertilização
  68. 68.  Fêmea de vida livre ou estercoral Aspecto fusiforme; Medem de 0,8 a 1,2 mm de comp. por 0,05 a 0,07; 30 a 40 ovos por dia Macho de vida livre Aspecto fusiforme; Medem 0,7mm por 0,04mm
  69. 69. Ovos São eliptícos; Parede fina; Idênticos aos dos ancilostomídeos; Medem 0,5mm por 0,03mm; Exepcionalmente podem ser observados nas fezes de indivíduos com diarréia grave ou após utilização de laxantes.
  70. 70. Sintomas Assintomáticos: portadores de pequeno número de parasitos, mas isso não indica ausência de patogenicidade. Formas graves às vezes fatais: carga parasitária, subalimentação com carência de proteínas, imunidade, intervenções cirúrgicas.
  71. 71.  Lesões cutâneas: edema local, prurido e urticária (ação mecânica - penetração cutânea) Lesões pulmonares (S. de Löeffler): tosse, expectoração, edema pulmonar, insuficiência respiratória, mal estar. Lesões intestinais (ação mecânica, ação irritativa, inflamação catarral (criptas dos intestinos) e pontos hemorrágicos).  
  72. 72.  Intestinos: desconforto abdominal, diarréia, perda do apetite, úlcera com dor ritmada, náuseas e vômitos, má absorção, (hemograma - leucocitose, eosinofilia) Sintomas gerais: desidratação, emagrecimento, anemia, astemia, irritabilidade, depressão.  
  73. 73.  Disseminada: rins (larvas na urina acompanhada de hematúria e proteinúria), fígados (larvas nos espaços porta), vesícula biliar, coração (larvas no líq. Pericárdico), cérebro, pancrêas, tireóide, etc.
  74. 74. Transmissão Hetero ou primoinfecção Larvas filarióides infectantes (L3): pele ou mucosas Autoinfecção externa ou exógena Larvas rabditóides da região perianal completam ciclo direto tornando se infectantes: indivíduos que dependem de fraldas Autoinfecção externa ou endógena Larvas rabditóides ainda na luz intestinal tornam-se infectantes (L3) penetrando na mucosa intestinal: responsável pela cronificação da doença
  75. 75. Ciclo de vida
  76. 76. 24 a 72h 18 a 24h
  77. 77. Diagnóstico Método de Rugai (pesquisa de larvas nas fezes); Pesquisa de LARVAS em secreções ou líquidos orgânicos.  
  78. 78. Métodos auxiliares ou indiretos: Hemograma Diagnóstico por imagem
  79. 79. Testes imunológicos Boa sensibilidade e especificidade Suspeita da doença não determinada por outros métodos ELISA e imunofluorescência indireta Desvantagens: Custo Reações cruzadas com a filariose Não diferenciam infecção anterior de recente
  80. 80. Diferenciação das larvas
  81. 81. (Pequeno) (Grande)
  82. 82. Profilaxia Hábitos de higiene; Lavagem adequada dos alimentos; Utilização de calçados; Educação sanitária; Saneamento básico
  83. 83. Tratamento Tiabendazol Forma líquida p/ crianças: 30mg/kg/dia Comprimido: 50mg/kg/dia Duas tomadas por dois ou três dias Albendazol Líquido ou Comprimido: 800mg/kg/dia durante 3 dias consecutivos.

×