QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE
PRESERVAÇÃO DIGITAL
Miguel Ángel Márdero Arellano
miguel@ibict.br
QUEM PRODUZ OU TRABALHA COM
INFORMAÇÃO DIGITAL?
INTRODUÇÃO
A preservação digital deve ser uma
preocupação dos produtores e
detentores da informação e dos
responsáveis por grandes ac...
No novo modelo de comunicação
científica a preservação é
considerada mais um requisito
para o arquivamento em
repositórios...
As comunidades produtoras e
armazenadoras de documentos em
arquivos digitais, que devem
estabelecer e praticar habitualmen...
QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A
INFORMAÇÃO DIGITAL?
Bibliotecas / Unidades de Informação
Mantendo coleções para uso per...
QUEM JÁ FALOU SOBRE PRESERVAÇÃO
DIGITAL?
Arquivistas:
Baseados no princípio
arquivístico da “custódia
responsável”, essa c...
QUEM JÁ FALOU SOBRE PRESERVAÇÃO
DIGITAL?
Tanto a arquivologia quanto a ciência
da informação têm, nas práticas de
preserva...
O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE
PRESERVAÇÃO DIGITAL?
Tendo como foco a evolução
temática da preservação digital
como assunto d...
O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE
PRESERVAÇÃO DIGITAL?
1) Os autores produziram documentos sobre quatro subtemas:
Percepção, Ger...
O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE
PRESERVAÇÃO DIGITAL?
5) Foram identificados doze tipos de propostas no período
analisado. A ca...
O QUE SÃO CRITÉRIOS DE PRESERVAÇÃO
DIGITAL?
Conjunto de atividades que determinam a
manutenção de coleções digitais; elas
...
PROPOSIÇÕES SUGERIDAS
1. A preservação digital é um conjunto de
práticas dentro do gerenciamento da
informação.
2. A prese...
PROPOSIÇÕES SUGERIDAS
4. Os critérios de preservação digital podem auxiliar
as instituições de pesquisa a estabelecer prát...
QUESTÕES INICIAIS
POR QUE É IMPORTANTE
PRESERVAR
DOCUMENTOS DIGITAIS?
Porque sem a aplicação das técnicas
de preservação não existiria nenhuma
garantia de acesso, confiabilidade, e
integridade...
 O papel se desintegra, a informação gravada na
superfície metálica magnetizada pode se tornar
irrecuperável.
 Os efeito...
POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS
DOCUMENTOS DIGITAIS?
Cada vez mais, sistemas de
informação para armazenamento
e recupera...
CRONOLOGIA DAS MÍDIAS DE
ARMAZENAMENTO
Cartões
Perfuráveis
1970
Cassette
Início
1980s
Floppy
Disk 5’’
Final
1980s
Floppy
D...
COMO PRESERVAR A INFORMAÇÃO?
 Usando as ferramentas necessárias
para a proteção, cuidado e
manutenção dos acervos.
 Repa...
QUAIS LINHAS ESTRATÉGICAS SEGUIR?
 Aplicar normas que garantam os
meios de acesso.
 Reconhecer que não é prático, viável...
O QUE SIGNIFICAVA CONSERVAR A
INFORMAÇÃO?
Manter a possibilidade de acesso a
mídias e sistemas de arquivamento
tecnologica...
COMO AS BIBLIOTECAS TÊM PRESERVADO A
INFORMAÇÃO?
 Recursos eletrônicos
 Automação de bibliotecas
 Marcação e atualizaçã...
O QUE É UM DOCUMENTO DIGITAL?
Um objeto físico, como uma codificação
lógica, como objetos conceituais ou
possuidores de si...
O QUE É PRESERVAÇÃO DIGITAL?
“todas as ações requeridas para
manter o acesso a materiais digitais
além dos limites de falh...
QUE TIPO DE INFORMAÇÃO É
IMPORTANTE PRESERVAR?
 Pelo conteúdo: o que se supõe que as
gerações futuras considerarão import...
QUAIS SÃO OS PRINCÍPIOS DA
PRESERVAÇÃO DIGITAL?
 Longevidade
 Seleção
 Qualidade
 Integridade
 Acesso
QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DA PRESERVAÇÃO
DE INFORMAÇÃO EM FORMATO DIGITAL?
 Obsolescência da tecnologia
vida curta da mídia...
QUE MATERIAIS DIGITAIS A BIBLIOTECA
DEVE PRESERVAR?
 Acesso permanente a materiais digitais
adquiridos via:
Compra de ed...
POR QUE PRESERVAR COLEÇÕES DIGITAIS?
 Surgimento de novas coleções
 Crescimento das coleções
 Cumprimento da missão de
...
QUAIS INVESTIMENTOS NOVOS AS BIBLIOTECAS
NECESSITAM PARA PRESERVAR A INFORMAÇÃO
DIGITAL?
 Aplicação de soluções estratégi...
QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DESAFIOS?
 Manter atualizado o acesso a grandes
quantidades de documentos digitais
 Alcançar uma...
QUESTÕES INICIAIS
COMO PRESERVAR
DOCUMENTOS
DIGITAIS?
COMO PRESERVAR DOCUMENTOS DIGITAIS?
Aplicando estratégias específicas
para casos específicos
Soluções parciais
Soluções ...
Diferenças entre estratégias de preservação
(THIBODEU, 2002)
QUE SÃO ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO?
 Copias da seqüência de bits
 Rejuvenescimento
 Replicação
 Preservação da tecnolo...
QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO
DIGITAL DE CURTO PRAZO?
 Cópias da seqüência de bits
 Rejuvenescimento
 Replicação
...
QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE SEQÜÊNCIA
DE BITS?
Preservar a seqüência de dados binários
básica que representa a informação
...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
REJUVENECIMENTO?
Refreshing envolve mover
periodicamente um arquivo de uma
mídia física de a...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE REPLICAÇÃO?
• Uma forma de proteção contra a
perda via múltiplas cópias.
• As cópias de segu...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
TECNOLOGIA DE PRESERVAÇÃO?
Ater-se à preservação
computador, aos sistemas
operacionais, à ap...
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO
DIGITAL DE MEDIO E LONGO PRAZO?
 Migração
 Canonização
 Emulação
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
MIGRAÇÃO?
É muito mais complexa do que apenas
transferir o bitstream de uma mídia para
outra...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
MIGRAÇÃO?
A padronização do conteúdo digital para
um formato aberto, bem documentado ou
para...
PDF/A
Formato de depósito Formato de preservação
Migrar para
Não precisa
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
MIGRAÇÃO?
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
CANONIZAÇÃO?
 Determina a manutenção das
características essenciais de um
documento na conv...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
EMULAÇÃO?
Preservação do dado no seu formato
original, através de programas emuladores
que p...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
EMULAÇÃO?
Desenvolvimento de técnicas para
guarda dos metadados necessários
para encontrar, ...
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO
DIGITAL DE INVESTIMENTO?
 Restrição de formatos e
padronização
 Relevância dos pad...
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES?
• Uso de padrões para servir como modelo de
referência (a...
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES?
 Padrões abertos para desenvolver a
interoperabilidade e...
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
RELEVÂNCIA NOS PADRÕES?
 Relevância das funções do XML relacionadas com a
interoperabilid...
PRESERVAÇÃO DIGITAL E REGISTROS EM XML
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
METADADOS DE PRESERVAÇÃO?
 Aplicação de um sub-conjunto de
metadados para gerenciamento d...
PARA QUE SERVE O SUBCONJUNTO DE
METADADOS DE PRESERVAÇÃO?
 São metadados técnicos ou administrativos
gerados automaticame...
PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL
INFORMATION SYSTEM (OAIS)?
 Modelo para aplicar conceitos
necessários para a preservação
d...
PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL
INFORMATION SYSTEM (OAIS)?
• CDPP (Centre de Données de la Physique des Plasmas) ;
• DIAS (...
SHERPA Digital Preservation Project
PARA QUE SERVE O DICIONÁRIO
PREMIS?
 Para descrever os metadados de
preservação.
 Define o conjunto central de
metadados...
PARA QUE SERVEM OS LOCALIZADORES E
IDENTIFICADORES PERSISTENTES?
 Técnica de nomeação persistente dos
objetos digitais ou...
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
ENCAPSULAMENTO?
Os dados podem ser encapsulados
junto com a aplicação de software
utilizad...
superfície metadados
Metadados
(notas/marcação)
Explicação Documentação
Sistema operacional
Software
Documento Digital Emu...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE RE-
ENGENHARIA DE SOFTWARE?
 Usar estratégias para
transformar um software
apesar das mudan...
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE
COMPUTADORA VIRTUAL UNIVERSAL?
 Uma forma de emulação
 Requer o desenvolvimento de um
prog...
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE
PRESERVAÇÃO DIGITAL ALTERNATIVA?
 Cópias analógicas
 Arqueologia digital
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
ARQUEOLOGIA DIGITAL?
 Os dados digitais devem ser
preservados em uma mídia
estável.
 Inc...
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE
CÓPIA DE SEGURANÇA ANÁLOGICA?
Imprimir os documentos
digitais em papel ou fixá-los em
micr...
QUESTÕES INICIAIS
O QUE VOCÊ OU A SUA
INSTITUIÇÃO PODEM
FAZER?
O QUE VOCÊ OU SUA INSTITUIÇÃO PODEM
FAZER?
• Acompanhar o contexto tecnológico
internacional da preservação digital.
• Pro...
O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER?
 Adotar um Programa de Preservação
Digital:
 Aplicar um conjunto de estratégias
nos ...
O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER?
 Desenvolver projetos de preservação
digital.
 Estabelecer um sistema de
preservação...
QUAIS EXEMPLOS EXISTEM DE BOAS
PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL?
O QUE VOCÊ PODE FAZER?
 Acompanhar os avanços das
tecnologias de informação.
 Publicar em revistas que usam
alguma estra...
COMPROMISSO
(a) Criar critérios para retenção permanente
e temporária de documentos digitais.
(b) Implementar requisitos p...
CONCLUSÕES
 Uma solução prática de preservação
digital é aquela que melhor se aplica
ao tipo de material, situação e
inst...
CONCLUSÕES
QUAL É A SUA
CONCLUSÃO SOBRE
O TEMA DA
PRESERVAÇÃO
DIGITAL?
!MUCHAS GRACIAS!
OBRIGADO!
QUESTÕES PRÁTICAS DE
PRESERVAÇÃO DIGITAL
Miguel Ángel Márdero Arellano
miguel@ibict.br
Preservação Digital
Preservação Digital
Preservação Digital
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Preservação Digital

572 visualizações

Publicada em

Preservação Digital

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Atualmente mais de 90% da informação é criada em formato digital, ou nasceu digital.
  • Digital images should be preserved on Write Once Read Many (WORM) drives. As the name suggests this enables the files to be viewed frequently without being overwritten. CD-R and DVD-R are both recommended media for the preservation of digital images.
    CD-R is the most common medium and also considered the best as it has been around for longer. It can store 700Mb of information. DVD-R is slowly replacing CD-R. It can store 4.7GB. DAT and AIT are also possible storage media, however, they are normally best for regular backing-up on a server rather than long-term storage.
  • O problema da preservação digital pode ser definido em termos de capacidade do objeto preservado servir às utilizações que lhe são imputadas.
    Fragilidade intrínseca do armazenamento digital – degradação física do suporte.
    Rápida obsolescência da tecnologia digital: hardware, software e formatos;
    Dificuldade em garantir a integridade dos documentos – fácil acesso;
    Complexidade e custos da preservação digital;
    Dependência social da informação digital: dependência do documento digital como fonte de prova das funções e atividades de indivíduos, instituições e governos.
  • Não considera a obsolescencia da codificação e dos esquemas de formatação, ni garante a logevidade do hardware ou do software
  • RECOMMENDATIONS FOR ACTION
    There is a clear need for more work on this subject. Possible subjects for work include:
    1. Definition of needs in specific domains, such as large national or regional repositories in the long term;
    2. Development of reference sets of digitisation standards for specific domains (as opposed to further at generic standards);
    3. Development of standard sets of preservation metadata;
    4. Development of standards for long-term deposit and preservation;
    5. Research on the preservation of dynamic or complex datasets;
    6. Investigation of the limits of technology preservation for PCs and CD-ROM devices, and facilitation of such preservation in the medium term.
  • http://pandora.nla.gov.au/
    http://www.archive.org/
    INpe
    O URLib Service é um software criado para servir na montagem e manutenção de uma biblioteca digital com acervos distribuídos seguindo o paradigma de repositórios uniformes para uma biblioteca (Banon e Banon, 2005).
    National Digital Preservation Program
    Biblioteca digital do Portugal http://www.bn.pt
  • Preservation Repositories
    • Too complex for small institutions to manage
    • Will be done through partnering (small museum
    with University) or through consortia (museum
    association, state-wide organization, …)
    • Archive or museum will direct what is needed, but
    digital repository will carry out the actual work (as
    defined in SIP/DIP/AIP)
  • Preservação Digital

    1. 1. QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano miguel@ibict.br
    2. 2. QUEM PRODUZ OU TRABALHA COM INFORMAÇÃO DIGITAL? INTRODUÇÃO
    3. 3. A preservação digital deve ser uma preocupação dos produtores e detentores da informação e dos responsáveis por grandes acervos de documentos em arquivos digitais. A preservação digital deve ser uma preocupação dos editores científicos e dos centros de informação. A QUEM INTERESSA A PRESERVAÇÃO DIGITAL?
    4. 4. No novo modelo de comunicação científica a preservação é considerada mais um requisito para o arquivamento em repositórios digitais do que uma necessidade urgente na construção dos repositórios institucionais. (SUBER, 2003) VIII CINFORM - 16.6.2008 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA E PRESERVAÇÃO DIGITAL
    5. 5. As comunidades produtoras e armazenadoras de documentos em arquivos digitais, que devem estabelecer e praticar habitualmente uma política de preservação digital. QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL?
    6. 6. QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL? Bibliotecas / Unidades de Informação Mantendo coleções para uso permanente, protegendo-as de ameaças, ou salvando-as e reparando-as para compensar seus impactos. (Webb, 2000) Instituições Arquivísticas Adotando medidas preventivas e corretivas objetivando minimizar a ação do tempo sobre o suporte físico da informação, assegurando sua disponibilidade. (Sant’Anna, 2001)
    7. 7. QUEM JÁ FALOU SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? Arquivistas: Baseados no princípio arquivístico da “custódia responsável”, essa comunidade foi a primeira a apoiar o desenvolvimento dos repositórios digitais como sendo aqueles que reproduzem os espaços físicos dos arquivos tradicionais. Bibliotecários: Com a biblioteca digital foi apresentado um novo agrupamento da perspectiva que se tinha dos requisitos associados às atividades tradicionais de preservação.
    8. 8. QUEM JÁ FALOU SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? Tanto a arquivologia quanto a ciência da informação têm, nas práticas de preservação digital, um objeto de estudo que engloba todas as tarefas envolvidas no fluxo informacional. São áreas que estão propondo padrões, normas, políticas e procedimentos para o arquivamento digital.
    9. 9. O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? Tendo como foco a evolução temática da preservação digital como assunto de documentos publicados de 1996 a 2007, foram analisados 319 trabalhos apresentando os aspectos mais relevantes citados nessa produção, seus autores, tipo de autoria, tipo de documentos, origens e propostas:
    10. 10. O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? 1) Os autores produziram documentos sobre quatro subtemas: Percepção, Gerenciamento, Estratégias e Certificação. 2) Apenas seis países produzem documentos em todos subtemas relacionados à preservação digital, a saber: Estados Unidos, Inglaterra, Brasil, Austrália, Alemanha e Holanda. 3) 75,8% do total de publicações (i.e., 241 trabalhos) corresponderam à autoria única, contra 24,2% (i.e., 77 trabalhos) de trabalhos publicados por mais de um autor. 4) Aumento da contribuição dos subtemas Gerenciamento e Certificação nos anos de 2000 e 2003.
    11. 11. O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? 5) Foram identificados doze tipos de propostas no período analisado. A categoria “recomendação” foi o tipo mais sugerido pelos pesquisadores (55,3%). 6) Quatorze questões foram debatidas no contexto das propostas apresentada. Questões relacionadas às coleções e recursos digitais, bem como objetos e informação digital foram as mais presentes no contexto das propostas ao longo dos últimos 11 anos. 7) A tipologia de documento mais freqüentemente utilizada pelos autores foi artigo (62%) e, em segundo lugar, textos on-line. 8) As recomendações e descrições dos aspectos técnicos da preservação digital publicadas por autores em periódicos no exterior, estavam relacionados com iniciativas e projetos de instituições países desenvolvidos.
    12. 12. O QUE SÃO CRITÉRIOS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL? Conjunto de atividades que determinam a manutenção de coleções digitais; elas definem as funções dos repositórios, os processos e procedimentos, a comunidade alvo, a usabilidade da informação e a infra-estrutura técnica.
    13. 13. PROPOSIÇÕES SUGERIDAS 1. A preservação digital é um conjunto de práticas dentro do gerenciamento da informação. 2. A preservação digital deveria ser uma necessidade de todas as instituições de ensino e pesquisa. 3. Deve ser preservado aquilo que passou por uma política de seleção que contemple critérios de preservação digital fundamentados.
    14. 14. PROPOSIÇÕES SUGERIDAS 4. Os critérios de preservação digital podem auxiliar as instituições de pesquisa a estabelecer práticas de gerenciamento de arquivos digitais mais adequadas. 5. As Unidades de Pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia deveriam preservar adequadamente seus acervos de informação científica. 6. Um conjunto mínimo de critérios de preservação digital para as UPs do MCT no Brasil pode servir para outras instituições que lidam com informação técnica científica.
    15. 15. QUESTÕES INICIAIS POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR DOCUMENTOS DIGITAIS?
    16. 16. Porque sem a aplicação das técnicas de preservação não existiria nenhuma garantia de acesso, confiabilidade, e integridade dos documentos ao longo do tempo, e nenhum benefício para as futuras gerações. POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS?
    17. 17.  O papel se desintegra, a informação gravada na superfície metálica magnetizada pode se tornar irrecuperável.  Os efeitos da temperatura, umidade, nível de poluição do ar e das ameaças biológicas.  Os danos provocados pelo uso indevido ou regular.  As catástrofes naturais.  A obsolescência tecnológica. POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS?
    18. 18. POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS? Cada vez mais, sistemas de informação para armazenamento e recuperação de informação são requeridos para conseguir acompanhar o avanço na produção de conhecimento científico.
    19. 19. CRONOLOGIA DAS MÍDIAS DE ARMAZENAMENTO Cartões Perfuráveis 1970 Cassette Início 1980s Floppy Disk 5’’ Final 1980s Floppy Disk 3½’’ Início 1990s CD-ROM Final 1990s DVD Início 2000s Blu-ray; Hard drives Desde 2005
    20. 20. COMO PRESERVAR A INFORMAÇÃO?  Usando as ferramentas necessárias para a proteção, cuidado e manutenção dos acervos.  Reparando e restaurando registros protegidos aplicando-se medidas individuais e coletivas.
    21. 21. QUAIS LINHAS ESTRATÉGICAS SEGUIR?  Aplicar normas que garantam os meios de acesso.  Reconhecer que não é prático, viável e desejável preservar tudo, estabelecendo critérios de seleção.  Armazenar os recursos em mais do que um local seguro.
    22. 22. O QUE SIGNIFICAVA CONSERVAR A INFORMAÇÃO? Manter a possibilidade de acesso a mídias e sistemas de arquivamento tecnologicamente ultrapassados e em desuso. Atividade de manter os documentos indefinidamente no estado em que se encontram, aplicando-lhes elementos protetores para que não sejam afetados por circunstâncias externas. (VALLE, 1991)
    23. 23. COMO AS BIBLIOTECAS TÊM PRESERVADO A INFORMAÇÃO?  Recursos eletrônicos  Automação de bibliotecas  Marcação e atualização de registros de OPACs  Bases de dados locais em CDS/ISIS para Winisis, Web ISIS  Novas mídias: disquetes, CD ROM, livros e periódicos eletrônicos, DVD
    24. 24. O QUE É UM DOCUMENTO DIGITAL? Um objeto físico, como uma codificação lógica, como objetos conceituais ou possuidores de significado para os humanos e como um conjunto de elementos essenciais que devem ser preservados para oferecer aos futuros usuários a essência do objeto. (UNESCO, 2003)
    25. 25. O QUE É PRESERVAÇÃO DIGITAL? “todas as ações requeridas para manter o acesso a materiais digitais além dos limites de falha da mídia ou da mudança tecnológica” (Beagrie & Jones, 2002) Preservar documentos em formato digital, sejam eles criados eletronicamente ou cópias dos originais
    26. 26. QUE TIPO DE INFORMAÇÃO É IMPORTANTE PRESERVAR?  Pelo conteúdo: o que se supõe que as gerações futuras considerarão importante.  Pelo método: seletivo, exaustivo ou pelo tipo de depósito.  A ciência precisa da preservação dos resultados das pesquisas desenvolvidas em instrumentos confiáveis para que esses resultados possam ser utilizados futuramente por outros cientistas.
    27. 27. QUAIS SÃO OS PRINCÍPIOS DA PRESERVAÇÃO DIGITAL?  Longevidade  Seleção  Qualidade  Integridade  Acesso
    28. 28. QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DA PRESERVAÇÃO DE INFORMAÇÃO EM FORMATO DIGITAL?  Obsolescência da tecnologia vida curta da mídia de armazenamento e do hardware onde o software funciona  Destruição de materiais digitais  Riscos de perder dados  Informações on-line fora do ar
    29. 29. QUE MATERIAIS DIGITAIS A BIBLIOTECA DEVE PRESERVAR?  Acesso permanente a materiais digitais adquiridos via: Compra de editores e fornecedores Licenças Digitalização local  Critérios de seleção baseados em princípios que variam de país a país, mas incluem: importância e durabilidade.  Revisões da seleção com base em políticas, procedimentos e padrões definidos.
    30. 30. POR QUE PRESERVAR COLEÇÕES DIGITAIS?  Surgimento de novas coleções  Crescimento das coleções  Cumprimento da missão de custódia e guarda de acervos
    31. 31. QUAIS INVESTIMENTOS NOVOS AS BIBLIOTECAS NECESSITAM PARA PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL?  Aplicação de soluções estratégicas.  A demanda pela preservação digital vai gerar novos serviços para as bibliotecas.  As perspectivas do papel que os provedores de serviços comerciais para as bibliotecas na solução de problemas com a preservação estão mais claros hoje.
    32. 32. QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DESAFIOS?  Manter atualizado o acesso a grandes quantidades de documentos digitais  Alcançar uma melhor administração dos riscos  Construir parcerias  Chamar a atenção dos principais atores envolvidos com objetos digitais  Evitar redundância  Maximizar os esforços de preservação.
    33. 33. QUESTÕES INICIAIS COMO PRESERVAR DOCUMENTOS DIGITAIS?
    34. 34. COMO PRESERVAR DOCUMENTOS DIGITAIS? Aplicando estratégias específicas para casos específicos Soluções parciais Soluções potencialmente completas Soluções experimentais Confiança na tecnologia
    35. 35. Diferenças entre estratégias de preservação (THIBODEU, 2002)
    36. 36. QUE SÃO ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO?  Copias da seqüência de bits  Rejuvenescimento  Replicação  Preservação da tecnologia  Migração  Canonização  Emulação  Restrição de formatos e padronização  Relevância dos padrões  Metadados de preservação  Encapsulamento  Re-engenharia de software  Computador virtual universal  Cópias analógicas  Arqueologia digital
    37. 37. QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DE CURTO PRAZO?  Cópias da seqüência de bits  Rejuvenescimento  Replicação  Preservação da tecnologia
    38. 38. QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE SEQÜÊNCIA DE BITS? Preservar a seqüência de dados binários básica que representa a informação armazenada no sistema de informação digital. Garantir que o arquivo continue exatamente o mesmo com o passar do tempo – sem nenhuma modificação – enquanto a mídia física evolui ao seu redor. Armazenamento remoto anti-desastre.
    39. 39. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE REJUVENECIMENTO? Refreshing envolve mover periodicamente um arquivo de uma mídia física de armazenamento para outra para evitar a decadência física ou a obsolescência do meio. Devido principalmente ao fato dos instrumentos de armazenamento físico decaírem, e porque as mudanças tecnológicas fazem que uma mídia fique velha e inaccessível a novas máquinas, algumas formas de atualização serão sempre necessária.
    40. 40. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE REPLICAÇÃO? • Uma forma de proteção contra a perda via múltiplas cópias. • As cópias de segurança já são tradicionais, mas não protegem contra uma queda organizacional, e se não for exercitada regularmente pode não ser confiável.
    41. 41. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE TECNOLOGIA DE PRESERVAÇÃO? Ater-se à preservação computador, aos sistemas operacionais, à aplicação de software original e a um considerável investimento em equipamento e pessoal. Pressupõe as atividades de um museu para a recuperação do objeto digital no seu ambiente original.
    42. 42. O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DE MEDIO E LONGO PRAZO?  Migração  Canonização  Emulação
    43. 43. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO? É muito mais complexa do que apenas transferir o bitstream de uma mídia para outra. A estrutura interna e o conteúdo do material devem ser preservados e transferidos igualmente para que, dessa forma, o “novo” objeto seja uma representação fiel do original.
    44. 44. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO? A padronização do conteúdo digital para um formato aberto, bem documentado ou para um número pequeno de formatos é a abordagem de migração mais aceitável.
    45. 45. PDF/A Formato de depósito Formato de preservação Migrar para Não precisa O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO?
    46. 46. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE CANONIZAÇÃO?  Determina a manutenção das características essenciais de um documento na conversão de um formato para outro.  Criação de uma representação de um objeto digital que mantém todos seus atributos chave.  Ela pode ser usada na verificação algorítmica da perda ou não da essência do arquivo.
    47. 47. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE EMULAÇÃO? Preservação do dado no seu formato original, através de programas emuladores que poderiam imitar o comportamento de uma plataforma de hardware obsoleta, e emular o sistema operacional relevante. Uma técnica para garantir a longevidade do software.
    48. 48. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE EMULAÇÃO? Desenvolvimento de técnicas para guarda dos metadados necessários para encontrar, acessar e recriar documentos digitais. Desenvolvimento de técnicas de encapsulamento de documentos, seus metadados, software, e especificações de emulador de forma a assegurar sua coesão e prevenir sua corrupção.
    49. 49. O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DE INVESTIMENTO?  Restrição de formatos e padronização  Relevância dos padrões  Metadados de preservação  Encapsulamento  Re-engenharia de software  Computador virtual universal
    50. 50. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES? • Uso de padrões para servir como modelo de referência (arquitetura): funcionalidade, procedimentos e conceitos. • Padrões para preservar o formato do documento original. • Padrões de metadados para preservar o acesso ao conteúdo, descrevendo o contexto técnico, procedência e semântica, permitindo a interpretação futura do documento. • Padrões para interoperabilidade. (LORIST e MEER, 2001)
    51. 51. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES?  Padrões abertos para desenvolver a interoperabilidade e a base dos formatos de preservação.  Os padrões abertos podem também ser aplicados ao arquivamento de longo prazo; eles procuram a independência do sofwtare e do hardware: Geographic Informatio Systems (OpenGIS) Product Design ND Manufacturing (STEP) Open Office Documents (Open Office) Chemical Structures (Molfiles e SMILES)
    52. 52. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RELEVÂNCIA NOS PADRÕES?  Relevância das funções do XML relacionadas com a interoperabilidade e a representação dos metadados de preservação.  METS (Metadata Encoding and Transmission Standard) é um esquema XML para codificar objetos digitais; reúne os metadados descritivos, os arquivos digitais e os metadados administrativo usados para transferir, preservar ou mostrar tais objetos.  MODS (Metadata Object Description Schema) esquema para reunir metadados descritivos.  MIX (Metadata For Images in XML) baseado em NISO Z39.87 Technical Metadata for Digital Still Images – descreve que campos são necessários em uma base de dados para preservar imagens fixas. http://www.loc.gov/standards/mets/
    53. 53. PRESERVAÇÃO DIGITAL E REGISTROS EM XML
    54. 54. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE METADADOS DE PRESERVAÇÃO?  Aplicação de um sub-conjunto de metadados para gerenciamento de objetos digitais.  Permitem o acesso permanente ao conteúdo digital.  Compromisso no uso de ferramentas que expõem, validam e extraem metadados.
    55. 55. PARA QUE SERVE O SUBCONJUNTO DE METADADOS DE PRESERVAÇÃO?  São metadados técnicos ou administrativos gerados automaticamente pelo hardware e software usado no momento da captura do conteúdo  Eles registram aspectos legais, financeiros, tais como, direitos autorais, custos, autorizações, autenticação, etc. (National Library of New Zealand’s metadata standard framework)
    56. 56. PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM (OAIS)?  Modelo para aplicar conceitos necessários para a preservação digital.  Termos relacionados com metadados de preservação e com a descrição e representação do conteúdo.  Modelo de componentes necessários para a criação de um sistema que suporte a gama de serviços de preservação.
    57. 57. PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM (OAIS)? • CDPP (Centre de Données de la Physique des Plasmas) ; • DIAS (Digital Information Archival System); • DIOnAS (Data Ingest and Online Access Sub-System); • DiVA Project (Digitala Vetenskapliga Arkivet); • IMAGE project (Imager for Magnetopause-to-Aurora Global Exploration); • Iniciativa DSpace do MIT (Massachusetts Institute of Technology) • JSTOR (Journal Storage); • LOCKSS (Lots of Copies Keep Stuff Safe); • LOTAR (Long Term Archiving and Retrieval and Product Data within the Aerospace Industry). • MoReq (Model Requirements for the Management of Electronic Records) • Digital Archive (OCLC) • PANDORA (National Library of Australia)
    58. 58. SHERPA Digital Preservation Project
    59. 59. PARA QUE SERVE O DICIONÁRIO PREMIS?  Para descrever os metadados de preservação.  Define o conjunto central de metadados de preservação que devem ser implementados.  Identifica e avalia as estratégias para codificação, armazenamento e gerenciamento ou melhoria dos metadados de preservação nos sistemas de arquivamento digital.
    60. 60. PARA QUE SERVEM OS LOCALIZADORES E IDENTIFICADORES PERSISTENTES?  Técnica de nomeação persistente dos objetos digitais ou incorporação na arquitetura de um sistema de URN (Uniform Resource Name).  Handle System®,  DOI® (Digital Object Identifier) da CrossRef  PURL (Persistent Uniform Resource Locators) da OCLC  Archival Resource Key (ARK)  URN baseados no ISSN e no ISBN  Local Identifier Scheme da National Library of Australia  N2T (Name-to-Thing)  Serviço de Identificação Global do INPE Um sistema de identificação da propriedade intelectual no ambiente digital: identificador numérico, resolução, metadados e política.
    61. 61. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE ENCAPSULAMENTO? Os dados podem ser encapsulados junto com a aplicação de software utilizado na sua criação, assim como uma descrição do ambiente de software e hardware requerido para seu funcionamento, para facilitar seu uso no futuro. Possui aplicações úteis quando a aparência do recurso digital original é importante.
    62. 62. superfície metadados Metadados (notas/marcação) Explicação Documentação Sistema operacional Software Documento Digital Emulador Especificação Software Original Um documento digital encapsulado (ROTHENBERG, 1995)
    63. 63. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE RE- ENGENHARIA DE SOFTWARE?  Usar estratégias para transformar um software apesar das mudanças tecnológicas.  Ajustes no código fonte para uso em uma nova plataforma.  Recodificação do software em outra linguagem de programação.
    64. 64. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE COMPUTADORA VIRTUAL UNIVERSAL?  Uma forma de emulação  Requer o desenvolvimento de um programa de computação independente de hardware e software existentes, que possa simular a arquitetura básica de qualquer computador.  No futuro será necessária apenas uma camada de emulador entre o computador universal e o computador usado originalmente.
    65. 65. O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL ALTERNATIVA?  Cópias analógicas  Arqueologia digital
    66. 66. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE ARQUEOLOGIA DIGITAL?  Os dados digitais devem ser preservados em uma mídia estável.  Incluir cópias preservadas de uma aplicação de software original.  Usar em casos onde valiosos recursos digitais não podem ser convertidos para formatos independentes de software e hardware.
    67. 67. O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE CÓPIA DE SEGURANÇA ANÁLOGICA? Imprimir os documentos digitais em papel ou fixá-los em microfilme, sem necessidade de hardware ou software para recuperar os conteúdos.
    68. 68. QUESTÕES INICIAIS O QUE VOCÊ OU A SUA INSTITUIÇÃO PODEM FAZER?
    69. 69. O QUE VOCÊ OU SUA INSTITUIÇÃO PODEM FAZER? • Acompanhar o contexto tecnológico internacional da preservação digital. • Propor uma política de preservação digital para o gerenciamento dos registros digitais institucionais. • Implantar uma solução tecnológica e metodológica de preservação digital. • Testar a interoperabilidade da tecnologia implantada com outros sistemas de preservação digital existentes.
    70. 70. O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER?  Adotar um Programa de Preservação Digital:  Aplicar um conjunto de estratégias nos sistemas de informação existentes  Analisar os materiais  Monitorar a obsolescência  Gerenciar as estratégias Formar uma equipe de preservação digital Pesquisar permanentemente
    71. 71. O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER?  Desenvolver projetos de preservação digital.  Estabelecer um sistema de preservação digital.  Construir um Repositório digital confiável.  Obter um Identificador Persistente.  Participar de Projetos Colaborativos de Preservação Digital.  Seguir Critérios Institucionais Técnicos e Gerenciais de Preservação Digital.
    72. 72. QUAIS EXEMPLOS EXISTEM DE BOAS PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL?
    73. 73. O QUE VOCÊ PODE FAZER?  Acompanhar os avanços das tecnologias de informação.  Publicar em revistas que usam alguma estratégia de preservação digital.  Armazenar seus documentos em bibliotecas e repositórios digitais.  Fazer várias cópias dos originais.  Usar formatos padronizados.  Migrar seus arquivos de mídia todo ano.
    74. 74. COMPROMISSO (a) Criar critérios para retenção permanente e temporária de documentos digitais. (b) Implementar requisitos para garantir a acessibilidade e legibilidade dos conteúdos digitais. (c) Aplicar metodologias para controle das mudanças efetivadas nos documentos digitais. (d) Adotar mecanismos que facilitem a automatização dos processos de validação e conversão de formatos digitais.
    75. 75. CONCLUSÕES  Uma solução prática de preservação digital é aquela que melhor se aplica ao tipo de material, situação e instituição.  Reconhecimento da importância da preservação digital baseada no pressuposto de que é necessário desenvolver repositórios digitais confiáveis que assegurem não só as migrações mas também o contexto, estrutura e acessibilidade dos documentos digitais.
    76. 76. CONCLUSÕES QUAL É A SUA CONCLUSÃO SOBRE O TEMA DA PRESERVAÇÃO DIGITAL?
    77. 77. !MUCHAS GRACIAS! OBRIGADO!
    78. 78. QUESTÕES PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano miguel@ibict.br

    ×