CLASSIFICAÇÃO DECIMAL
UNIVERSAL
História e fundamentos
UFSCar
Disciplina: Representação Temática 2
Raquel J. P. L. de Sousa
HISTÓRICO
 Paul Otlet e Henry La Fontaine (século
XIX).
 Lista abrangente de todas as
publicações, desde a invenção da
p...
HISTÓRICO
 Características básicas da CDD:
◦ Linguagem universal dos algarismos
arábicos.
◦ Representação da estrutura hi...
HISTÓRICO
 Institut International de Bibliographie
(Instituto de Bruxelas).
 Década de 20: dificuldades financeiras.
 1...
Bruxelas (1868-1944).
Advogado,
empresário e ativista
da paz.
Paul Otlet
Bruxelas (1854-1943).
Jurista e político belg
a.
Henry La Fontaine
Paul Otlet e Henry
La fontaine em
frente ao Palais
Mondial, Jubileu
(Bruxelas).
Equipe de
bibliotecários.
HISTÓRICO
 Primeira edição completa: de 1905 a
1907.
◦ Manuel du Répertoire Bibliographique
Universal.
◦ 33.000 subdivisõ...
HISTÓRICO
 Edição-padrão Internacional, conhecida
como MRF – Master Reference File
(Arquivo-mestre de Referência).
 Base...
NATUREZA DA
CLASSIFICAÇÃO
 Cobertura da totalidade do
conhecimento humano.
 Classificação geral:
◦ Incorpora todos os ca...
CARACTERÍSTICAS
PRINCIPAIS
CDU
FUNDAMENTOS
 A CDU é baseada em classes: conjunto
cujos membros mantêm semelhanças.
 Classe simples: subdivisão direta.
...
CARACTERÍSTICAS
ESTRUTURAIS
 Decimalidade.
 Universalidade.
 Hierarquia.
 Síntese.
 Junção dos Sistemas enumerativos ...
DECIMALIDADE
 Conhecimento dividido em dez
grandes classes.
 Cada classe é subdivisível em outras.
 Notação se amplia d...
DECIMALIDADE
 O ponto facilita a leitura.
 Divide-se por pontos a cada três
números (regra geral).
 Tamanho geralmente ...
DECIMALIDADE
6 Ciências aplicadas.
62 Engenharia.
622 Mineração.
622.2 Operações de mineração.
622.23 Escavações de minas....
UNIVERSALIDADE
 Pretensão e capacidade de
representar a totalidade do
conhecimento.
 Previsão de espaço para acomodar
no...
ESTRUTURA HIERÁQUICA
 Relações genéricas.
373 Tipos de escolas que
ministram educação geral.
373.3 Escola primária. Nível...
ESTRUTURA HIERÁQUICA
 Relações partitivas.
(1-928) Regiões físicas da América do
Sul. América do Sul como
região física.
...
SÍNTESE
 Classes compostas e complexas
podem ser formadas por mecanismos
de notação.
 Permite a combinação, sem depender...
FLEXIBILIDADE
 Permite mudar a ordem de citação.
622+669 Mineração e metalurgia
669+622 Metalurgia e mineração
58(035) Bo...
ANALÍTICO-SINTÉTICO
 Análise: subdivisão em elementos
simples.
 Síntese: combinação de elementos.
 União de uma parte d...
FACETAS
“A CDU não é totalmente facetada, mas
os princípios da análise facetada são
inerentes à sua estrutura [...]”
(McIL...
ASPECTOS
 Exemplo:
 Carvão
◦ 552.574: aspecto petrológico.
◦ 553.94: aspecto da geologia econômica.
◦ 622.23: aspecto da...
NÚMERO DE
CLASSIFICAÇÃO
 Parte notacional da entrada de
classe/conceito.
 Determina o local da classe dentro do
esquema....
APLICAÇÃO
TABELAS
TABELAS
 Tabelas principais ou sistemáticas:
conhecimento arranjado em dez
classes.
◦ Números simples (3, 5, 7) indicam m...
TABELA SISTEMÁTICA
0 Generalidades: o Conhecimento, a Cultura, a
Ciência, o Saber, a Escrita, etc.
1 Filosofia. Psicologia...
SÍMBOLOS
+ adição
/ barra inclinada
: dois pontos
:: dois pontos duplos
[] colchetes
= igual
(0...) parênteses zero
(1/9) ...
TABELAS AUXILIARES
COMUNS
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1a
Seção I: adição, coordenação +
 Liga dois ou mais números.
 Indica assunto composto para o q...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1a
Seção 2: extensão consecutiva /
 Liga o primeiro e todos os demais
números até o último, em u...
OBSERVAÇÃO
 Se o número depois da barra tem
mais de 3 dígitos e repete o mesmo
grupo de números do precedente,
pode-se om...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1b
Seção 1: relação simples :
 Liga dois ou mais números, indicando
relação mútua.
 Relações A:...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1b
Seção 2: subagrupamento [ ]
 Necessário quando um assunto
indicado por dois ou mais números
l...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1b
Seção 3: ordenação ::
 Indica que o conceito após :: tem uma
relação subordinada ao conceito
...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1c
Auxiliares comuns de língua =
 Indica língua ou forma linguística do
documento.
784.64=111 Ca...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1c
 Documentos multilíngues: =00 ou pelos
auxiliares das línguas.
53(035)=00 Manuais multilíngue...
AUXILIAR DE LÍNGUA
 Entra com 811 para compor línguas
como objeto de estudo, seguida de .,
mas sem =.
811.131.1 Estudo da...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1d
• Auxiliares comuns de forma: (0...)
• Indicam a forma documentária.
58(035) Manuais de botâni...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1e
• Auxiliares comuns de lugar: (1/9)
• Indicam o âmbito geográfico,
localização ou outro aspect...
AUX. COMUNS DE LUGAR
 Não constitui mais a base para formar
a história e a geografia dos lugares.
 História: acrescenta-...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1f
• Auxiliares comuns de grupos étnicos
e nacionalidade: (=...)
• Indicam os aspectos étnicos ou...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1g
• Auxiliares comuns de tempo: “...”
• Indicam data, ponto no tempo ou período.
• Abrange tempo...
AUXILIARES COMUNS
TEMPO
 Período anterior à era cristã:
precedido pelo sinal -.
94“-0033”(37) História de Roma no ano
33 ...
AUXILIARES COMUNS
TEMPO
 Séculos
“19” Século XX
“07” Século VIII
“04/14” do século V ao século XV
“14+16” Século XV e séc...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1h
• Notação de fontes que não
pertencem à CDU: *
• Introduz número não autorizado pela
CDU.
• In...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1h
• Especificação alfabética direta: A/Z
• Introduz nomes, abreviaturas e
acrônimos.
• Adiciona-...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1i
• Auxiliares comuns de ponto de vista:
.00
• Indica pontos de vista mais gerais que os
assunto...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1k
• Auxiliar comum de material: -03
• Indicam os materiais de que são feitos
ou de que são const...
AUXILIARES COMUNS
TABELA 1k
• Auxiliar comum de pessoas e
características pessoais: -05
• Indicam as pessoas e suas
caract...
OBSERVAÇÃO
 Número com menos de três dígitos,
acrescido de Subdivisões Auxiliares com .00
ou com .0:
 Não há alteração, ...
TABELAS AUXILIARES
ESPECIAIS
TABELAS AUXILIARES
ESPECIAIS
 Também chamadas de analíticas.
 Aparecem em algumas partes dos
números principais, na tabe...
TABELAS AUXILIARES
ESPECIAIS
 São limitadas em seu alcance.
 Cada série é empregada para indicar
conceitos que se repete...
AUXILIARES ESPECIAIS -1/-
9
 Indicam detalhes tais como elementos,
técnicas, componentes, propriedades,
estado e gênero d...
OBSERVAÇÃO
 -03 e -05 não pertencem às subdivisões
Auxiliares Especiais, mas às Comuns.
 -03: auxiliar comum de material...
AUXILIARES ESPECIAIS
.01/.09
 Indicam detalhes semelhantes aos
dos Auxiliares Comuns -1/-9.
 Ocorrem com muito maior fre...
AUXILIARES ESPECIAIS
.01/.09
37.01 Fundamentos da
educação
379.8.092 Influência do lazer
sobre o indivíduo
53.02 Leis dos ...
AUXILIARES ESPECIAIS
'1/'9
 Processo de síntese de duas ou mais
subdivisões diretas de um número
principal, em que o . (p...
AUXILIARES ESPECIAIS
'1/'9
 Outro exemplo:
669.35 Ligas de cobre
669.5 Zinco
669.6 Estanho
669.35’5’6 Ligas de cobre,
zin...
AUXILIARES ESPECIAIS
'1/'9
 O apóstrofo também introduz tabela independente de
subdivisões auxiliares especiais.
 Exempl...
AUXILIARES ESPECIAIS
...2/...9
 As mais recentes dentre as
Subdivisões Auxiliares Especiais.
 Pouco conhecidas e pouco
e...
AUXILIARES ESPECIAIS
...2/...9
661.862 Compostos de alumínio
661.8...27 Sais com óxido
correspondente como
resíduo ácido
A...
ORDENS DE CITAÇÃO E
DE ARQUIVAMENTO
ORDEM DE CITAÇÃO
 Sequência horizontal (ou interna):
◦ Ordem em que os elementos são combinados
para formar um número com...
N NS
+
/
:
::
[...]
Número simples
Adição
Extensão consecutiva
Relação simples
Ordenação
Subagrupamento
A .
.01/.09
.1/.9
...
ORDEM DE
ARQUIVAMENTO
 Ordem vertical / Sequência vertical:
◦ Ordem utilizada para arquivar os documentos
nas estantes e ...
ORDEM DE
ARQUIVAMENTO
 Aos números simples da Tabela Principal
precedem os compostos por meio dos
sinais + (mais) e / (ba...
ORDEM DE
ARQUIVAMENTO
 Auxiliares comuns vêm em primeiro lugar
(são gerais por definição).
 Uma notação mais curta vem a...
Ordem de Arquivamento
+ coordenação
/ extensão consecutiva
número simples
: relação
:: dois pontos
duplos
[...] subagrupam...
EXEMPLO
331+336
331/332
331
331:504(091)
331:504(81)
331[66:69].41
331=112.6
331(083.94)
331(811.5)
331(=56)
331CUT
331-02...
OUTROS RECURSOS
INTERCALAÇÃO
 Recurso que permite estabelecer critérios
diferenciados de ordenação de acordo com
a ênfase desejada.
 Per...
REMISSIVAS
 Encaminham e orientam o classificador
para a formação e a elaboração da
notação.
 Indicadas a partir do símb...
DIVISÃO PARALELA
 Dependendo do assunto, permite que
algumas notações funcionem como se
fossem um auxiliar especial.
 Ma...
DIVISÃO PARALELA
 Número-alvo: o que receberá a
divisão, será dividido.
 Número-fonte: o que servirá de base
(exemplo) p...
026.07 Tipos de bibliotecas
especializadas
026.07 ≅ 027
Se...
027 Bibliotecas gerais
027.1 Particulares
027.2 Caráter cult...
ÍNDICE ALFABÉTICO
ÍNDICE
 Dá acesso às classes existentes nas
tabelas.
 Não substitui as tabelas.
 Não deve ser utilizado para classifica...
ÍNDICE
 Números e símbolos que constituem
entradas são representados pelas
palavras que os representam.
 Inclui todas as...
ÍNDICE
A
Abacate 634.653
Abacaxi 582.564; 634.774
Abade 262.15
Abadia, arquitetura 726.71
Abakan =512.153
Abalo sísmico 55...
REFERÊNCIAS
McILWAINE, I. C. Guia para utilização da CDU: um
guia introdutório para o uso e aplicação da
Classificação Dec...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Classificação Decimal Universal (aula completa)

2.132 visualizações

Publicada em

Classificação Decimal Universal (aula completa sem exercícios)

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.132
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
259
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Classificação Decimal Universal (aula completa)

  1. 1. CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL História e fundamentos UFSCar Disciplina: Representação Temática 2 Raquel J. P. L. de Sousa
  2. 2. HISTÓRICO  Paul Otlet e Henry La Fontaine (século XIX).  Lista abrangente de todas as publicações, desde a invenção da prensa.  Répertoire Bibliographique Universal.  Lista em cartões, organizados sistematicamente.  Decidiram adaptar a CDD, expandindo- a.
  3. 3. HISTÓRICO  Características básicas da CDD: ◦ Linguagem universal dos algarismos arábicos. ◦ Representação da estrutura hierárquica.  Incorporou-se outra característica: ◦ Conceito de relação, com representação através da síntese.  Formação de notações compostas: novos assuntos não existentes no sistema.
  4. 4. HISTÓRICO  Institut International de Bibliographie (Instituto de Bruxelas).  Década de 20: dificuldades financeiras.  1931: transferência para Haia (Holanda do Sul).  1937: Fédération International de Documentation (FID).  1991: direitos cedidos a várias organizações, em um consórcio conhecido como UDC Consortium.
  5. 5. Bruxelas (1868-1944). Advogado, empresário e ativista da paz. Paul Otlet
  6. 6. Bruxelas (1854-1943). Jurista e político belg a. Henry La Fontaine
  7. 7. Paul Otlet e Henry La fontaine em frente ao Palais Mondial, Jubileu (Bruxelas).
  8. 8. Equipe de bibliotecários.
  9. 9. HISTÓRICO  Primeira edição completa: de 1905 a 1907. ◦ Manuel du Répertoire Bibliographique Universal. ◦ 33.000 subdivisões em índice alfabético e 38.000 entradas.  Segunda edição:1927-1933.  70.000 entradas.  Base para edições e traduções posteriores.
  10. 10. HISTÓRICO  Edição-padrão Internacional, conhecida como MRF – Master Reference File (Arquivo-mestre de Referência).  Base para as edições médias a partir de 1993.  O MRF é mantido na sede da UDC Consortium (Biblioteca Real em Haia).  68.000 classes.  Atualizado uma vez por ano (dezembro / janeiro).  Extensões e correções para a CDU.
  11. 11. NATUREZA DA CLASSIFICAÇÃO  Cobertura da totalidade do conhecimento humano.  Classificação geral: ◦ Incorpora todos os campos do conhecimento. ◦ Aplica-se em coleções que cobrem todo o conhecimento.  Universalidade: utilização em todo o mundo.  Aplicação prática em diversos países.
  12. 12. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS CDU
  13. 13. FUNDAMENTOS  A CDU é baseada em classes: conjunto cujos membros mantêm semelhanças.  Classe simples: subdivisão direta. ◦ Ex. : Botânica, em que cada uma das plantas seria uma classe.  Classe composta: interseção de dois ou mais conceitos. ◦ Ex.: Fisiologia Botânica, Ecologia Botânica.  Um fenômeno pode ocorrer em mais de uma classe. ◦ Ex.: Ovos (ornitologia, acasalamento, culinária).
  14. 14. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS  Decimalidade.  Universalidade.  Hierarquia.  Síntese.  Junção dos Sistemas enumerativos do passado, aos poli-ierárquicos e multifacetados.  Precedeu, mas também foi influenciada pelas ideias de Ranganathan/Classification Research Group.
  15. 15. DECIMALIDADE  Conhecimento dividido em dez grandes classes.  Cada classe é subdivisível em outras.  Notação se amplia de acordo com o sistema decimal.  Cada dígito é uma fração decimal.  5 será seguido por 50 até 59.  59 será seguido po 590 até 599.  Entre 591 e 592 há subdivisões até 591.9.
  16. 16. DECIMALIDADE  O ponto facilita a leitura.  Divide-se por pontos a cada três números (regra geral).  Tamanho geralmente reflete o nível hierárquico.  Conceitos de nível equivalente, em geral, têm notação de mesmo tamanho.
  17. 17. DECIMALIDADE 6 Ciências aplicadas. 62 Engenharia. 622 Mineração. 622.2 Operações de mineração. 622.23 Escavações de minas. 622.233 Perfuração para explosão. 622.233. 4 Perfuradores de martelo.
  18. 18. UNIVERSALIDADE  Pretensão e capacidade de representar a totalidade do conhecimento.  Previsão de espaço para acomodar novos conhecimento, isoladamente ou em suas relações.  Usa símbolos (numéricos e não numéricos) de conhecimento e emprego unívocos em todo o planeta.
  19. 19. ESTRUTURA HIERÁQUICA  Relações genéricas. 373 Tipos de escolas que ministram educação geral. 373.3 Escola primária. Nível elementar. 373.5 Escola secundária. 373.54 Escolas que levam ao preenchimento dos requisitos para ingresso numa Divisãoem cadeia Renque s
  20. 20. ESTRUTURA HIERÁQUICA  Relações partitivas. (1-928) Regiões físicas da América do Sul. América do Sul como região física. (1-928.1) Andes setentrionais. (1-928.2) (1-928. 3) Andes centrais. Andes subtropicais. (1-928.4) Andes da Patagônia.
  21. 21. SÍNTESE  Classes compostas e complexas podem ser formadas por mecanismos de notação.  Permite a combinação, sem depender dos geradores da classificação.  Componentes principais: ◦ Termo: descrição da classe em linguagem natural. ◦ Notação: símbolo (‘número’) de classe.
  22. 22. FLEXIBILIDADE  Permite mudar a ordem de citação. 622+669 Mineração e metalurgia 669+622 Metalurgia e mineração 58(035) Botânica (manuais) (035)58 Manuais de botânica  Grande especificidade.  Adaptação a necessidades individuais.
  23. 23. ANALÍTICO-SINTÉTICO  Análise: subdivisão em elementos simples.  Síntese: combinação de elementos.  União de uma parte da classificação com qualquer outra: classificação analítico-sintética.  Classificação facetada: ◦ Exige a representação de conceitos por termos simples. ◦ Não permite a listagem de combinações na própria tabela.
  24. 24. FACETAS “A CDU não é totalmente facetada, mas os princípios da análise facetada são inerentes à sua estrutura [...]” (McILWAINE, 1998, p. 18). “A CDU [...] é uma classificação por aspectos, na qual um fenômeno é classificado segundo o contexto ou disciplina em que é considerado. Por isso seus vários aspectos encontram-se em
  25. 25. ASPECTOS  Exemplo:  Carvão ◦ 552.574: aspecto petrológico. ◦ 553.94: aspecto da geologia econômica. ◦ 622.23: aspecto da mineração. ◦ 622.411.52: forma de pó. ◦ 631.878: aspecto combustível. ◦ Etc.
  26. 26. NÚMERO DE CLASSIFICAÇÃO  Parte notacional da entrada de classe/conceito.  Determina o local da classe dentro do esquema.  Pode ser: ◦ Algarismo arábico único (nível mais alto). ◦ Sequência de algarismos. ◦ Algarismos e sinais próprios: notação mista.
  27. 27. APLICAÇÃO TABELAS
  28. 28. TABELAS  Tabelas principais ou sistemáticas: conhecimento arranjado em dez classes. ◦ Números simples (3, 5, 7) indicam maior extensão e são superordenados. ◦ Números de mesma extensão (33, 55 ou 111, 333) são coordenados.  Tabelas auxiliares: completa as tabelas principais, com o uso de sinais auxiliares.  Índice.
  29. 29. TABELA SISTEMÁTICA 0 Generalidades: o Conhecimento, a Cultura, a Ciência, o Saber, a Escrita, etc. 1 Filosofia. Psicologia. 2 Religião. Teologia. 3 Ciências Sociais. 4 (Vaga). 5 Ciências matemáticas, físicas e naturais. Ecologia. 6 Ciências aplicadas. Tecnologia. 7 Artes. Divertimentos. Lazer. Esportes. 8 Línguas. Linguística. Filologia. Literatura. 9 Geografia. Biografia. História e ciências auxiliares.
  30. 30. SÍMBOLOS + adição / barra inclinada : dois pontos :: dois pontos duplos [] colchetes = igual (0...) parênteses zero (1/9) parênteses um barra nove (=...) parênteses igual "..." aspas * asterisco A/Z a barra z (ou extensão alfabética) .00 ponto zero zero -03 e -05 hífen zero três e hífen zero cinco -1/-9 hífen um a hífen nove .0 ponto zero ' apóstrofo ...1/...9 reticências um barra reticências nove
  31. 31. TABELAS AUXILIARES COMUNS
  32. 32. AUXILIARES COMUNS TABELA 1a Seção I: adição, coordenação +  Liga dois ou mais números.  Indica assunto composto para o qual não existe número simples.  Não exige relação mútua entre os assuntos. 53+913 Física e Geografia 622+669 Mineração e metalurgia
  33. 33. AUXILIARES COMUNS TABELA 1a Seção 2: extensão consecutiva /  Liga o primeiro e todos os demais números até o último, em uma série.  Forma conceito mais abrangente. 592/599 Zoologia sistemática 546.32/.35 Metais alcalinos de potássio a rubídio
  34. 34. OBSERVAÇÃO  Se o número depois da barra tem mais de 3 dígitos e repete o mesmo grupo de números do precedente, pode-se omitir os dígitos comuns.  Deve-se manter o ponto, para indicar a subdivisão. 546.32 a 546.35= 546.32/.35
  35. 35. AUXILIARES COMUNS TABELA 1b Seção 1: relação simples :  Liga dois ou mais números, indicando relação mútua.  Relações A:B ou B:A têm o mesmo valor.  Restringe os assuntos. 17:7 Ética em relação à arte
  36. 36. AUXILIARES COMUNS TABELA 1b Seção 2: subagrupamento [ ]  Necessário quando um assunto indicado por dois ou mais números ligados por símbolos (+, /, :) se relaciona a um outro número através de :. 783:[283/289] Música de igreja protestante
  37. 37. AUXILIARES COMUNS TABELA 1b Seção 3: ordenação ::  Indica que o conceito após :: tem uma relação subordinada ao conceito anterior.  Irreversível: fixa a ordem dos assuntos. 77.044::355 Fotografia de guerra 025.45CDU::027.021 A CDU e seu uso nas Bibliotecas
  38. 38. AUXILIARES COMUNS TABELA 1c Auxiliares comuns de língua =  Indica língua ou forma linguística do documento. 784.64=111 Canções infantis em inglês
  39. 39. AUXILIARES COMUNS TABELA 1c  Documentos multilíngues: =00 ou pelos auxiliares das línguas. 53(035)=00 Manuais multilíngues de física 53(035)=111=112.2=133.1 Manuais de física em IN, GER, FR  Os documentos traduzidos trazem o símbolo =03 (traduzido do) 002=40 A documentação em língua francesa 002=03.40 A documentação traduzida do francês
  40. 40. AUXILIAR DE LÍNGUA  Entra com 811 para compor línguas como objeto de estudo, seguida de ., mas sem =. 811.131.1 Estudo da língua italiana 811.161.1 Estudo da língua russa  Entra com 821 para compor literatura específica , seguida de ., mas sem =. 821.131.1 Literatura italiana
  41. 41. AUXILIARES COMUNS TABELA 1d • Auxiliares comuns de forma: (0...) • Indicam a forma documentária. 58(035) Manuais de botânica 54(038) Dicionários química (038) 54 Dicionário química
  42. 42. AUXILIARES COMUNS TABELA 1e • Auxiliares comuns de lugar: (1/9) • Indicam o âmbito geográfico, localização ou outro aspecto espacial de um assunto indicado por um número principal. 339.5(73:81) Comércio entre EUA e Brasil 338.47(81) Economia dos transportes
  43. 43. AUX. COMUNS DE LUGAR  Não constitui mais a base para formar a história e a geografia dos lugares.  História: acrescenta-se o local a 94. 94(44) História da França 94(160.27) História dos polos  Geografia: acrescenta-se o local a 913. 913(44) Geografia da França 913(160.27) Geografia dos polos
  44. 44. AUXILIARES COMUNS TABELA 1f • Auxiliares comuns de grupos étnicos e nacionalidade: (=...) • Indicam os aspectos étnicos ou a nacionalidade de um assunto representado por um número principal. 159.0(=581) Psicologia do povo chinês 39(=97) Folclore ameríndio do norte
  45. 45. AUXILIARES COMUNS TABELA 1g • Auxiliares comuns de tempo: “...” • Indicam data, ponto no tempo ou período. • Abrange tempos cronológico e fenomenológico. • Não indica data de publicação do documento. 34“198” O direito na década de 80 do séc. XX
  46. 46. AUXILIARES COMUNS TEMPO  Período anterior à era cristã: precedido pelo sinal -. 94“-0033”(37) História de Roma no ano 33 a.C.  Datas são indicadas pela ordem: ano, mês, dia, hora, minuto e segundo. “2008.12.31.23.50.05” 23:50:05 de 31/12/2008
  47. 47. AUXILIARES COMUNS TEMPO  Séculos “19” Século XX “07” Século VIII “04/14” do século V ao século XV “14+16” Século XV e século XVII
  48. 48. AUXILIARES COMUNS TABELA 1h • Notação de fontes que não pertencem à CDU: * • Introduz número não autorizado pela CDU. • Introduz palavra, símbolo ou número de uma fonte diferente. 546.42.027*90Estrôncio 90 (nº da massa atômica) Obs.: aconselhável explicar a fonte em
  49. 49. AUXILIARES COMUNS TABELA 1h • Especificação alfabética direta: A/Z • Introduz nomes, abreviaturas e acrônimos. • Adiciona-se diretamente. 025.45CDU Class. Decimal Universal 929NAPOLEÃO I Biografia de Napoleão I
  50. 50. AUXILIARES COMUNS TABELA 1i • Auxiliares comuns de ponto de vista: .00 • Indica pontos de vista mais gerais que os assuntos podem ser considerados. 681.32.002.6 Computadores como produto 681.32.004 Computadores como agentes
  51. 51. AUXILIARES COMUNS TABELA 1k • Auxiliar comum de material: -03 • Indicam os materiais de que são feitos ou de que são constituídos os objetos ou produtos. 732.2-034.3 Medalhas de cobre 732.2-034.22 Medalhas de prata 732.2-034.3’22 Medalhas de cobre e prata
  52. 52. AUXILIARES COMUNS TABELA 1k • Auxiliar comum de pessoas e características pessoais: -05 • Indicam as pessoas e suas características. 294.3 Budismo 294.3-05 Budistas
  53. 53. OBSERVAÇÃO  Número com menos de três dígitos, acrescido de Subdivisões Auxiliares com .00 ou com .0:  Não há alteração, basta justapor a Subdivisão Auxiliar ao número principal. 7 Arte 001.5 Ponto de Vista da pesquisa 7.001.5 Pesquisa sobre Arte 72 Arquitetura .01 Estética. Teoria 72.01 Estética em Arquitetura. Teoria da Arquitetura
  54. 54. TABELAS AUXILIARES ESPECIAIS
  55. 55. TABELAS AUXILIARES ESPECIAIS  Também chamadas de analíticas.  Aparecem em algumas partes dos números principais, na tabela sistemática.  Só podem ser utilizadas quando ocorrer nota específica de inclusão.  Podem ser utilizadas isoladamente ou combinadas com outros auxiliares. -1/-9 hífen .0 ponto zero ´ apóstrofo ...2/...9 algarismos
  56. 56. TABELAS AUXILIARES ESPECIAIS  São limitadas em seu alcance.  Cada série é empregada para indicar conceitos que se repetem na parte das tabelas principais.  As notações das tabelas auxiliares especiais podem ser utilizadas com diferentes sentidos.  Entretanto, sempre indicam o mesmo conceito quando se repetem dentro do mesmo número principal onde se acham relacionadas.
  57. 57. AUXILIARES ESPECIAIS -1/- 9  Indicam detalhes tais como elementos, técnicas, componentes, propriedades, estado e gênero dos assuntos representados pelos números principais, etc. 62-1 Características gerais das máquinas 62-2 Partes e componentes gerais das máquinas 62-8 Máquinas segundo a força
  58. 58. OBSERVAÇÃO  -03 e -05 não pertencem às subdivisões Auxiliares Especiais, mas às Comuns.  -03: auxiliar comum de material.  -05: auxiliar comum de pessoas e características pessoais.  Entretanto, nas classes 616, 617 e 618 ocorrem Auxiliares Especiais com -0 e com -00. 616-00 Processos mórbidos 616-001 Traumas. Lesões. Ferimentos 616-005 Distúrbios circulatórios localizados 616-005.6 Trombose. Coágulos sanguíneos
  59. 59. AUXILIARES ESPECIAIS .01/.09  Indicam detalhes semelhantes aos dos Auxiliares Comuns -1/-9.  Ocorrem com muito maior frequência.  Apresentam maior riqueza de subdivisões: teoria, estudos, processos, atividades, características, fontes de estudo, tendências, atitudes, políticas, condições, estruturas, influências, fundamentos, leis, propriedades, nomenclatura, constituição química, estilos, escolas, técnicas, etc.
  60. 60. AUXILIARES ESPECIAIS .01/.09 37.01 Fundamentos da educação 379.8.092 Influência do lazer sobre o indivíduo 53.02 Leis dos fenômenos físicos 54.03 Propriedades químicas
  61. 61. AUXILIARES ESPECIAIS '1/'9  Processo de síntese de duas ou mais subdivisões diretas de um número principal, em que o . (ponto), da segunda subdivisão em diante, é substituído pelo apóstrofo, eliminando-se o radical comum. 329.12 Partido Liberal 329.21 Partido Monarquista A síntese dos dois resulta em: 329.12'21 Partido Liberal-Monarquista
  62. 62. AUXILIARES ESPECIAIS '1/'9  Outro exemplo: 669.35 Ligas de cobre 669.5 Zinco 669.6 Estanho 669.35’5’6 Ligas de cobre, zinco e estanho
  63. 63. AUXILIARES ESPECIAIS '1/'9  O apóstrofo também introduz tabela independente de subdivisões auxiliares especiais.  Exemplo: no 622, além das Subdivisões Auxiliares Especiais com -1/-9 e com .01/.09, possui também a série com ' (apóstrofo). 622-1 Características gerais das máquinas de mineração 622-2 Partes e componentes (dessas máquinas) 622-3 Válvulas, registros, etc. 622-5 Funcionamento e controle das máquinas 622'1 Estado do mineral, do minério ou da rocha 622'11 Jazidas no estado natural 622'12 Minério bruto 622'13 Minério esmagado, triturado
  64. 64. AUXILIARES ESPECIAIS ...2/...9  As mais recentes dentre as Subdivisões Auxiliares Especiais.  Pouco conhecidas e pouco empregadas.  Têm a função de fazer a síntese, mas acrescentado detalhes comuns ao número principal e a suas divisões diretas.  Trazem mini-tabelas a serem utilizadas.
  65. 65. AUXILIARES ESPECIAIS ...2/...9 661.862 Compostos de alumínio 661.8...27 Sais com óxido correspondente como resíduo ácido A síntese dos dois resulta em: 661.862.27 Aluminatos (sais correspondentes ao óxido Al2O3)
  66. 66. ORDENS DE CITAÇÃO E DE ARQUIVAMENTO
  67. 67. ORDEM DE CITAÇÃO  Sequência horizontal (ou interna): ◦ Ordem em que os elementos são combinados para formar um número composto resultando na constituição do número ou notação de classificação. ◦ Compõe as notações na hora da classificação. ◦ Baseia-se na progressão do particular para o geral. ◦ A ordem de citação é sugerida pela CDU, portanto, opcional. ◦ Cada sistema de classificação estabelece uma ordem padrão de prioridade.
  68. 68. N NS + / : :: [...] Número simples Adição Extensão consecutiva Relação simples Ordenação Subagrupamento A . .01/.09 .1/.9 -01/-09 -1/-9 -02, -03, -04 e -05 Analíticas de ponto Analíticas de traço TEM “...” Tempo RA (=...) Raça LU (1/9) Lugar FO (0...) Forma LIN = Língua Obs.: os sinais auxiliares alfabético, apóstrofo e asterisco não têm lugar fixo na ordem horizontal, porque sua utilização depende de cada notação. FONTE:Souza(2010,p.67)
  69. 69. ORDEM DE ARQUIVAMENTO  Ordem vertical / Sequência vertical: ◦ Ordem utilizada para arquivar os documentos nas estantes e as fichas nos catálogos. ◦ Baseia-se do geral para o específico. ◦ É compulsória, pela necessidade de padronização, o método de arranjo dos catálogos e das coleções em entre todas as bibliotecas e instituições. ◦ Princípio de inversão:  Forma invertida de representar os assuntos: detalhes assumem a posição de primeiro ponto de acesso às informações contidas nos documentos.
  70. 70. ORDEM DE ARQUIVAMENTO  Aos números simples da Tabela Principal precedem os compostos por meio dos sinais + (mais) e / (barra inclinada).  Aparece primeiro o número seguido por +, depois o número seguido por / e depois o número simples.  Cada um em seu nível indica um grau maior de abrangência e de generalidade do que o número simples.  A partir dos : (dois pontos) e dos :: (dois pontos duplos) começam os níveis de detalhamento do número simples.
  71. 71. ORDEM DE ARQUIVAMENTO  Auxiliares comuns vêm em primeiro lugar (são gerais por definição).  Uma notação mais curta vem antes de uma mais longa.  O subagrupamento [...] não afeta a ordem de arquivamento: ◦ Pode ser ignorado, exceto quando os números de classificação sejam idênticos aos incluídos entre colchetes. ◦ Nada antes de alguma coisa: notação sem colchetes é arquivada antes.
  72. 72. Ordem de Arquivamento + coordenação / extensão consecutiva número simples : relação :: dois pontos duplos [...] subagrupamento =... língua (0...) forma (1/9) lugar (=...) raça “...” tempo * asterisco A/Z subd. alfabéticas -02 propriedade -03 materiais -04 relações -05 pessoas -1/-9 analítica de traço .01/.09 analítica de ponto ´ apóstrofo
  73. 73. EXEMPLO 331+336 331/332 331 331:504(091) 331:504(81) 331[66:69].41 331=112.6 331(083.94) 331(811.5) 331(=56) 331CUT 331-026.654 331-032.42 331-043.5 331-051-055.2 331.01 331.021 331.1(811) 331.101 331.105.5
  74. 74. OUTROS RECURSOS
  75. 75. INTERCALAÇÃO  Recurso que permite estabelecer critérios diferenciados de ordenação de acordo com a ênfase desejada.  Permite que algumas subdivisões auxiliares independentes possam ser empregadas como prefixo ou infixo de uma notação. 622.341(81) Mineração de ferro no Brasil 622(81).341 Mineração, no Brasil, de ferro (81)622.341 Brasil. Mineração de Ferro
  76. 76. REMISSIVAS  Encaminham e orientam o classificador para a formação e a elaboração da notação.  Indicadas a partir do símbolo → que equivale à remissiva ver também. 237 Vida futura. O porvir. → 218 218 A vida futura. Imortalidade. Eternidade. Aniquilamento. → 237
  77. 77. DIVISÃO PARALELA  Dependendo do assunto, permite que algumas notações funcionem como se fossem um auxiliar especial.  Marcada pelo símbolo ≅: subdividir como.  Indicam que esse dispositivo apresenta uma subdivisão análoga ao que o segue.  Dará como resultado uma série exatamente análoga, com os mesmos conceitos expressos pela mesma
  78. 78. DIVISÃO PARALELA  Número-alvo: o que receberá a divisão, será dividido.  Número-fonte: o que servirá de base (exemplo) para a divisão.  “A regra geral é: o que se encontrar além do número-fonte citado é o que se acrescenta além do número-alvo citado, colocando-se um ponto, de 3 em 3 dígitos.” (SOUZA, 2010, p. 71). 026.07 ≅ 027 Número-alvo Número-fonte
  79. 79. 026.07 Tipos de bibliotecas especializadas 026.07 ≅ 027 Se... 027 Bibliotecas gerais 027.1 Particulares 027.2 Caráter cultural, academias, clubes,etc. 027.3 Bibliotecas públicas pagas 027.4 Bibliotecas públicas gratuitas 027.5 Bibliotecas governamentais 027.6 Para usuários especiais. Presídio, hospitais, etc. 027.7 Universitárias 027.8 Escolares ..., então, por analogia: 026.071 Biblioteca especializada particular 026.072 Biblioteca especializada de caráter cultural 026.073 Biblioteca especializada pública paga 026.074 Biblioteca especializada pública gratuita 026.075 Biblioteca especializada governamental 026.076 Biblioteca especializada em usuários especiais 026.077 Biblioteca especializada acadêmica 026.078 Biblioteca especializada escolar 026.079 Biblioteca especializada para leitura
  80. 80. ÍNDICE ALFABÉTICO
  81. 81. ÍNDICE  Dá acesso às classes existentes nas tabelas.  Não substitui as tabelas.  Não deve ser utilizado para classificar.  Permite acesso rápido às classes, através dos termos.  Apresenta-se em ordem alfabética, organizado pelo sistema palavra-por- palavra. ◦ Sinais de pontuação não são considerados.
  82. 82. ÍNDICE  Números e símbolos que constituem entradas são representados pelas palavras que os representam.  Inclui todas as divisões principais, auxiliares comuns e auxiliares especiais, sempre que a descrição e os exemplos proporcionarem ao menos um termo considerado útil para a busca.
  83. 83. ÍNDICE A Abacate 634.653 Abacaxi 582.564; 634.774 Abade 262.15 Abadia, arquitetura 726.71 Abakan =512.153 Abalo sísmico 550.348 Abalroamento no mar 344.68
  84. 84. REFERÊNCIAS McILWAINE, I. C. Guia para utilização da CDU: um guia introdutório para o uso e aplicação da Classificação Decimal Universal. Tradução de Gercina A. B. Lima. Brasília: MCT; CNPq; IBICT, 1998. SANTOS, M. N. Classificação Decimal Universal : a representação matemática e conceitual da informação. 19 f. 2002-2009. Versão 2009 para uso didático. SOUZA, S. CDU: como entender e utilizar a edição- padrão internacional em língua portuguesa. 2. ed. Brasília: Thesaurus, 2010. UDC CONSORTIUM. Classificação Decimal Universal: edição-pradrão internacional em língua portuguesa. Tradução do original inglês de Francisco F. L. de Albuquerque e Maria T. G. F. de

×