SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
CIÊNCIA
i
uem freqüenta as praias
do rio Tietê no interior
de São Paulo deve pres-
tar atenção onde pisa.
Há três anos banhistas
e pescadores vêm divi-
dindo esse espaço de
lazer com arraias flu-
viais que, às vezes, cau-
sam dolorosos aciden-
tes. Com o corpo em
forma de disco, esse
peixe de até 30 quilos costuma se enter-
rar na lama nas regiões rasas do rio.
Quando um turista distraído pisa seu
corpo, leva uma ferroada. Não que a ar-
raia seja agressiva. Mas o pisão aciona
um mecanismo involuntário de defesa
do peixe, que agita seu longo rabo e aca-
ba enterrando o ferrão na perna ou no
pé do banhista - a morte em setembro
do zoólogo e apresentador de TV aus-
traliano Steve Irwin, vítima de uma fer-
roada no peito desferida por uma arraia
marinha, é um caso raro.
Com quase 10 centímetros de com-
primento, o ferrão da arraia fluvial é
uma estrutura óssea em forma de faca
serrilhada, recoberto por um tecido glan-
dular que se rompe na ferroada e libera
o veneno no organismo da vítima. O au-
mento desse tipo de acidente nos últi-
mos anos levou uma equipe de pesqui-
sadores paulistas a investigar as carac-
terísticas dos ferimentos e do próprio
veneno desse peixe, que até alguns anos
atrás não freqüentava o Tietê.
Análises coordenadas pela biomédica
Kátia Cristina Bárbaro, do Laboratório
de Imunopatologia do Instituto Butan-
tan, mostraram que o veneno da arraia
fluvial (Potamotrygon falkneri) é mais
tóxico que o de uma arraia marinha en-
contrada em todo o litoral brasileiro: a
Dasyatis guttata, mais conhecida como
arraia-bicuda ou arraia-prego. Para ava-
liar os efeitos de uma ferroada, a equipe
de Kátia aplicou doses iguais de veneno
de cada uma dessas espécies em grupos
diferentes de camundongos.
Um dia após injetar o veneno da ar-
raia fluvial em quatro camundongos, só
dois continuavam vivos. No segundo
dia, todos estavam mortos. Já os roedo-
res que haviam recebido o veneno da
arraia-bicuda sobreviveram. Os testes
mostraram ainda que os venenos de am-
bas as espécies provocam inchaço e dor
intensa. Só a penetração do ferrão, aliás,
já causa um ferimento profundo que ar-
de como fogo. Mas é o veneno que con-
tribui para que a dor, comparável à de
uma facada, estenda-se por até 24 inter-
mináveis horas.
Não bastassem esses efeitos nada
agradáveis, o veneno da arraia fluvial
também causa a morte do tecido (necro-
se) na região da ferroada, além de lesão
muscular. Em geral são necessários até
três meses para a cicatrização completa
do ferimento. Kátia também notou que
o veneno da Potamotrygon falkneri pa-
rece se espalhar mais facilmente no or-
ganismo. É que um de seus componen-
Veneno de ferrão
de arraia fluvial provoca
dor, inchaço e necrose
Como um punhal
IRACEMA CORSO
42 ■ OUTUBRO DE 2006 ■ PESQUISA FAPESP128
tes é a enzima chamada hialuronidase,
que ajuda a dispersão das toxinas. A hia-
luronidase dissolve um composto gela-
tinoso - o ácido hialurônico - que man-
tém unidas as células dos tecidos.
Estudando a morfologia do ferrão e
o tecido que o envolve, a equipe do Bu-
tantan, com o auxílio de pesquisadores
do Laboratório de Biologia Celular, cons-
tatou que a arraia de água doce também
pode liberar maior quantidade de vene-
no em uma ferroada porque seu ferrão é
todo recoberto por tecido glandular -
produtor de veneno. Já no ferrão da ar-
raia marinha o tecido glandular res-
tringe-se a apenas dois pontos.
Marcela da Silva Lira, bióloga do
grupo de Kátia, tenta atualmente pro-
duzir um soro capaz de combater a ati-
vidade do veneno da arraia de água do-
ce e reduzir seus efeitos. Embora ainda
não se tenha chegado ao antídoto, há
uma boa notícia. Nos testes feitos no
Butantan, o veneno da Potamotrygon e o
da Dasyatis estimularam o organismo
de coelhos a produzir anticorpos. "É um
sinal de que o soro pode neutralizar o
veneno das arraias", diz Kátia.
Origem remota - Apesar da diferença
aparente- a Dasyatisguttata tem o cor-
po em forma de triângulo e pode atin-
gir o triplo do tamanho da arraia de
água doce -, imagina-se que essas duas
espécies tiveram um ancestral comum
que viveu no mar e chegou ao continen-
te entre 20 milhões e 10 milhões de anos
O PROJETO
Estudos comparativos entre
glândulas secretoras
de venenos de arraias fluviais
(gênero Potamotrygon) e arraias
marinhas (gênero Dasyatis)
MODALIDADE
Linha Regular de Auxílio à Pesquisa
COORDENADORA
KáTIA BáRBARO - Instituto Butantan
INVESTIMENTO
R$ 37.750,00 (FAPESP)
atrás, quando o oceano Atlântico ocu-
pava parte das atuais regiões Sul e Cen-
tro-Oeste do país. Até pouco tempo
atrás, as quase 20 espécies de arraias flu-
viais existentes no Brasil eram encon-
tradas apenas nos rios Paraná, Paraguai,
Araguaia, Tocantins e na bacia amazô-
nica. Acredita-se que a construção de
barragens das hidrelétricas da bacia dos
rios Paraná e Tietê nas últimas três dé-
cadas tenha favorecido a migração das
arraias até pelo menos a região de Pre-
sidente Epitácio e Castilho, no interior
de São Paulo.
Foram os acidentes com a P. falkneri
no alto rio Paraná que chamaram a aten-
ção dos médicos João Luís Costa Car-
doso, do Hospital Vital Brazil, e Vidal
Haddad Júnior, da Faculdade de Medi-
cina da Universidade Estadual Paulista
(Unesp) em Botucatu, para a chegada
desse peixe ao interior de São Paulo.
Cardoso e Haddad decidiram procurar
Kátia após verificar que as pessoas fer-
roadas pela arraia fluvial desenvolviam
necrose semelhante à causada pelo vene-
no da aranha-marrom (Loxoscelessp), es-
tudada pela pesquisadora. Do primei-
ro contato para cá, Kátia tornou-se uma
das coordenadoras da rede que acom-
panha os acidentes com a arraia de água
doce no Paraná, no Mato Grosso do Sul
e em São Paulo e investiga o impacto
ambiental provocado por esse peixe.
Em colaboração com Patrícia Charvet-
Almeida, ela estuda também o veneno
de arraias do Pará.
Enquanto não se produz um antí-
doto para o veneno das arraias, os pes-
quisadores aprendem a amenizar a dor
das ferroadas com os ribeirinhos, que
costumam mergulhar a perna ou o bra-
ço ferido pelo ferrão em uma bacia com
água quente. A água quente diminui a
dor porque o veneno da arraia é sensível
ao calor, como Kátia comprovou em ex-
perimentos de laboratório. Essa estraté-
gia simples, porém, não impede a ne-
crose na região do ferimento - no caso
dos pescadores, geralmente a mão ou o
braço, atingidos quando tentam livrar
o peixe da rede ou do anzol. Incomoda-
dos pelos acidentes ou ainda pouco ha-
bituados ao peixe recém-chegado, os ri-
beirinhos e freqüentadores do Tietê não
apreciam a presença das arraias nem sua
carne, embora seja muito saborosa. •
ÂM"' í
v"
Arraia fluvial
(Potamotrygon sp):
ilustração do naturalista
britânico Alfred Wallace,
que percorreu o rio Negro
entre 1850 e 1852

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prova 7º ano 2º bimestre versão a
Prova 7º ano 2º bimestre versão aProva 7º ano 2º bimestre versão a
Prova 7º ano 2º bimestre versão alipe256
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.pptOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.pptAndré Girão
 
Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008adrianomedico
 
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadeTolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadehyguer
 
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James MartinsLista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James MartinsJames Martins
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesJames Martins
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016Ariovaldo Cunha
 
Biologia da vida real
Biologia da vida realBiologia da vida real
Biologia da vida realjc_online
 
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013Luciano Mendes
 
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoPreparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoElismmelo55
 
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoLepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoAndre Benedito
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
Atividade de ciências invertebrados
Atividade de ciências invertebradosAtividade de ciências invertebrados
Atividade de ciências invertebradosrabillamat1
 
Metodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoMetodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoEquipe_NGA
 
Biologia - Professor Tércio Câmara
Biologia  - Professor Tércio CâmaraBiologia  - Professor Tércio Câmara
Biologia - Professor Tércio CâmaraPré-Enem Seduc
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãProva 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãLeonardo Kaplan
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesDiogo Provete
 

Mais procurados (20)

Prova 7º ano 2º bimestre versão a
Prova 7º ano 2º bimestre versão aProva 7º ano 2º bimestre versão a
Prova 7º ano 2º bimestre versão a
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.pptOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt
 
Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008
 
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadeTolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
 
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James MartinsLista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016
 
Biologia da vida real
Biologia da vida realBiologia da vida real
Biologia da vida real
 
Nota de esclarecimento final
Nota de esclarecimento finalNota de esclarecimento final
Nota de esclarecimento final
 
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
 
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoPreparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
 
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoLepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
Atividade de ciências invertebrados
Atividade de ciências invertebradosAtividade de ciências invertebrados
Atividade de ciências invertebrados
 
02
0202
02
 
Metodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoMetodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. salto
 
Biologia - Professor Tércio Câmara
Biologia  - Professor Tércio CâmaraBiologia  - Professor Tércio Câmara
Biologia - Professor Tércio Câmara
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãProva 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
 
Projeto aquário
Projeto aquárioProjeto aquário
Projeto aquário
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling Vertebrates
 

Destaque

Necessidade de capital em debate no 4º encontro de resseguros
Necessidade de capital em debate no 4º encontro de ressegurosNecessidade de capital em debate no 4º encontro de resseguros
Necessidade de capital em debate no 4º encontro de ressegurosEditora Roncarati
 
Top infantojuvenil 01042013
Top infantojuvenil 01042013Top infantojuvenil 01042013
Top infantojuvenil 0104201392929
 
Resenha critica iead_timbado
Resenha critica iead_timbadoResenha critica iead_timbado
Resenha critica iead_timbadoRegiane Everson
 
Certificado do Curso de Especialista em Google Marketing
Certificado do Curso de Especialista em Google MarketingCertificado do Curso de Especialista em Google Marketing
Certificado do Curso de Especialista em Google MarketingThiago Mangueira
 
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015Elizabeth Batista
 
Insertar gráfico 1
Insertar gráfico 1Insertar gráfico 1
Insertar gráfico 1ramonlino
 
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDM
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDMMovimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDM
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDMCascais - Portugal
 
A percepção da paisagem
A percepção da paisagemA percepção da paisagem
A percepção da paisagemMatheus Acosta
 
Currículo_Amanda Herrera_jan15
Currículo_Amanda Herrera_jan15Currículo_Amanda Herrera_jan15
Currículo_Amanda Herrera_jan15Amanda Herrera
 
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano CLeituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano CJosé Lima
 
Boletim 428 - 26/04/15
Boletim 428 - 26/04/15Boletim 428 - 26/04/15
Boletim 428 - 26/04/15stanaami
 
Plastilina i
Plastilina iPlastilina i
Plastilina iDubardo
 
57208721 aula4-lancamento-vertical
57208721 aula4-lancamento-vertical57208721 aula4-lancamento-vertical
57208721 aula4-lancamento-verticalafpinto
 
Avaliação de-ciências-4º-ano1
Avaliação de-ciências-4º-ano1Avaliação de-ciências-4º-ano1
Avaliação de-ciências-4º-ano1alevilaca
 
08 al 13 de abril de 2013. b
08 al 13 de abril de 2013. b08 al 13 de abril de 2013. b
08 al 13 de abril de 2013. bcnjelsalvado
 

Destaque (20)

Necessidade de capital em debate no 4º encontro de resseguros
Necessidade de capital em debate no 4º encontro de ressegurosNecessidade de capital em debate no 4º encontro de resseguros
Necessidade de capital em debate no 4º encontro de resseguros
 
Top infantojuvenil 01042013
Top infantojuvenil 01042013Top infantojuvenil 01042013
Top infantojuvenil 01042013
 
Resenha critica iead_timbado
Resenha critica iead_timbadoResenha critica iead_timbado
Resenha critica iead_timbado
 
Reinaldo mayer mais
Reinaldo mayer maisReinaldo mayer mais
Reinaldo mayer mais
 
Certificado do Curso de Especialista em Google Marketing
Certificado do Curso de Especialista em Google MarketingCertificado do Curso de Especialista em Google Marketing
Certificado do Curso de Especialista em Google Marketing
 
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015
Bibliografia anotada ppel tematica_ii_elizabeth batista_19.04.2015
 
Insertar gráfico 1
Insertar gráfico 1Insertar gráfico 1
Insertar gráfico 1
 
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDM
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDMMovimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDM
Movimento SerCascais Apresenta Livro de Sugestões para o PDM
 
A percepção da paisagem
A percepção da paisagemA percepção da paisagem
A percepção da paisagem
 
Currículo_Amanda Herrera_jan15
Currículo_Amanda Herrera_jan15Currículo_Amanda Herrera_jan15
Currículo_Amanda Herrera_jan15
 
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano CLeituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 2° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
Herramientas Ágiles
Herramientas ÁgilesHerramientas Ágiles
Herramientas Ágiles
 
Boletim 428 - 26/04/15
Boletim 428 - 26/04/15Boletim 428 - 26/04/15
Boletim 428 - 26/04/15
 
Plastilina i
Plastilina iPlastilina i
Plastilina i
 
Autosport
AutosportAutosport
Autosport
 
doc20120729113742
doc20120729113742doc20120729113742
doc20120729113742
 
57208721 aula4-lancamento-vertical
57208721 aula4-lancamento-vertical57208721 aula4-lancamento-vertical
57208721 aula4-lancamento-vertical
 
Redacao 2
Redacao 2Redacao 2
Redacao 2
 
Avaliação de-ciências-4º-ano1
Avaliação de-ciências-4º-ano1Avaliação de-ciências-4º-ano1
Avaliação de-ciências-4º-ano1
 
08 al 13 de abril de 2013. b
08 al 13 de abril de 2013. b08 al 13 de abril de 2013. b
08 al 13 de abril de 2013. b
 

Semelhante a 15 corso, iracema 2006. como um punhal - pesquisa fapesp

139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores
139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores
139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acoresMarcelo Gil
 
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.Aquarium Group
 
Tartarugas de Galápagos
Tartarugas de GalápagosTartarugas de Galápagos
Tartarugas de GalápagosPrograma Animal
 
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149Rudney Weiber
 
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no Brasil
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no BrasilCaracterísticas Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no Brasil
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no BrasilLaís Santos
 
Tartarugas marinhas
Tartarugas marinhasTartarugas marinhas
Tartarugas marinhasLuis Torre
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOlisetemouta
 
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...Ana Laura Gomes
 
Hospital Veterinario em são paulo
Hospital Veterinario em são pauloHospital Veterinario em são paulo
Hospital Veterinario em são paulobrimuria4b
 
Cap. 01 o que a ecologia estuda
Cap. 01   o que a ecologia estudaCap. 01   o que a ecologia estuda
Cap. 01 o que a ecologia estudacarla_duarte
 

Semelhante a 15 corso, iracema 2006. como um punhal - pesquisa fapesp (20)

139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores
139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores
139077383 catalogo-ilustrado-dos-tubaroes-e-raias-dos-acores
 
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.
Manuel sobre Camarões e crustáceos ornamentais.
 
Tubarões zood com mapas
Tubarões zood com mapasTubarões zood com mapas
Tubarões zood com mapas
 
Tartarugas de Galápagos
Tartarugas de GalápagosTartarugas de Galápagos
Tartarugas de Galápagos
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Tubarao 2 C
Tubarao 2 CTubarao 2 C
Tubarao 2 C
 
Exercícios rec.com gabarito
Exercícios rec.com gabaritoExercícios rec.com gabarito
Exercícios rec.com gabarito
 
As Medusas
As MedusasAs Medusas
As Medusas
 
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149
Rb064 faria (betta splendns) pag 134 149
 
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no Brasil
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no BrasilCaracterísticas Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no Brasil
Características Gerais dos Cetartiodactyla e Diversidade de Cetáceos no Brasil
 
Tartarugas marinhas
Tartarugas marinhasTartarugas marinhas
Tartarugas marinhas
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Monstros abissais -3º B
Monstros abissais -3º BMonstros abissais -3º B
Monstros abissais -3º B
 
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...
Entendendo a biologia das pirambebas e bagres e a razão dos ataques desses pe...
 
Seres Vivos Em Perigo
Seres Vivos Em PerigoSeres Vivos Em Perigo
Seres Vivos Em Perigo
 
Seres Vivos Em Perigo
Seres Vivos Em PerigoSeres Vivos Em Perigo
Seres Vivos Em Perigo
 
Seres Vivos Ameaçados
Seres Vivos AmeaçadosSeres Vivos Ameaçados
Seres Vivos Ameaçados
 
Hospital Veterinario em são paulo
Hospital Veterinario em são pauloHospital Veterinario em são paulo
Hospital Veterinario em são paulo
 
Cap. 01 o que a ecologia estuda
Cap. 01   o que a ecologia estudaCap. 01   o que a ecologia estuda
Cap. 01 o que a ecologia estuda
 

Mais de pryloock

Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagempryloock
 
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinas
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinasSoliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinas
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinaspryloock
 
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...pryloock
 
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilian
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilianMagalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilian
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilianpryloock
 
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...pryloock
 
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...pryloock
 
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...pryloock
 
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...pryloock
 
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering the
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering theBarbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering the
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering thepryloock
 
16 garrone neto, domingos and uieda, virgínia sanches. activity and habita...
16  garrone neto, domingos  and  uieda, virgínia sanches. activity and habita...16  garrone neto, domingos  and  uieda, virgínia sanches. activity and habita...
16 garrone neto, domingos and uieda, virgínia sanches. activity and habita...pryloock
 
14 filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...
14  filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...14  filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...
14 filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...pryloock
 
13 arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...
13  arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...13  arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...
13 arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...pryloock
 
12 sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...
12  sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...12  sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...
12 sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...pryloock
 
10 the influence of environmental bacteria in freshwater stingray
10  the influence of environmental bacteria in freshwater stingray10  the influence of environmental bacteria in freshwater stingray
10 the influence of environmental bacteria in freshwater stingraypryloock
 
9 checklist of the freshwater fishes of south and central america
9  checklist  of  the  freshwater  fishes  of  south  and central  america9  checklist  of  the  freshwater  fishes  of  south  and central  america
9 checklist of the freshwater fishes of south and central americapryloock
 
9 animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...
9  animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...9  animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...
9 animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...pryloock
 
8 pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...
8  pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...8  pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...
8 pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...pryloock
 
7 haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic
7  haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic7  haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic
7 haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinicpryloock
 
6 magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater
6  magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater6  magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater
6 magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwaterpryloock
 
5 stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...
5  stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...5  stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...
5 stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...pryloock
 

Mais de pryloock (20)

Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinas
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinasSoliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinas
Soliani, 2008. peixes peçonhentos neutralização de toxinas
 
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...
Registro de ocorrência de duas espécies de potamotrigonídeos na região do alt...
 
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilian
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilianMagalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilian
Magalhães, et al. 2006. biological and biochemical properties of the brazilian
 
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...
Dellias et al. 2004 structural composition and differential anticoagulant act...
 
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...
Conceição et al, 2012. potamotrygon cf. henlei stingray mucus biochemical fea...
 
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...
Conceição et al, 2009. characterization of a new bioactive peptide from potam...
 
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...
Conceição et al, 2006. orpotrin a novel vasoconstrictor peptide from the veno...
 
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering the
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering theBarbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering the
Barbaro et al, 2007. comparative study on extracts from the tissue covering the
 
16 garrone neto, domingos and uieda, virgínia sanches. activity and habita...
16  garrone neto, domingos  and  uieda, virgínia sanches. activity and habita...16  garrone neto, domingos  and  uieda, virgínia sanches. activity and habita...
16 garrone neto, domingos and uieda, virgínia sanches. activity and habita...
 
14 filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...
14  filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...14  filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...
14 filogeografia e conservação de paratrygon aiereba dumeril (chondrichthyes...
 
13 arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...
13  arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...13  arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...
13 arraias em rios da região sudeste do brasil locais de ocorrência e impact...
 
12 sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...
12  sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...12  sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...
12 sá oliveira et al 2011 - acidentes por raias (potamotrygonidae) em quatro...
 
10 the influence of environmental bacteria in freshwater stingray
10  the influence of environmental bacteria in freshwater stingray10  the influence of environmental bacteria in freshwater stingray
10 the influence of environmental bacteria in freshwater stingray
 
9 checklist of the freshwater fishes of south and central america
9  checklist  of  the  freshwater  fishes  of  south  and central  america9  checklist  of  the  freshwater  fishes  of  south  and central  america
9 checklist of the freshwater fishes of south and central america
 
9 animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...
9  animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...9  animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...
9 animais peçonhentos no brasil - biologia, clínica e terapêutica dos aciden...
 
8 pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...
8  pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...8  pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...
8 pattern of stingray injuries reported to texas poison centers from 1998 to...
 
7 haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic
7  haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic7  haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic
7 haddad et al, 2004. freshwater stingrays study of epidemiologic, clinic
 
6 magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater
6  magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater6  magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater
6 magalhães et al 2008 a hyaluronidase from potamotrygon motoro (freshwater
 
5 stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...
5  stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...5  stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...
5 stingray envenomation- a retrospective review of clinical presentation and...
 

15 corso, iracema 2006. como um punhal - pesquisa fapesp

  • 1. CIÊNCIA i uem freqüenta as praias do rio Tietê no interior de São Paulo deve pres- tar atenção onde pisa. Há três anos banhistas e pescadores vêm divi- dindo esse espaço de lazer com arraias flu- viais que, às vezes, cau- sam dolorosos aciden- tes. Com o corpo em forma de disco, esse peixe de até 30 quilos costuma se enter- rar na lama nas regiões rasas do rio. Quando um turista distraído pisa seu corpo, leva uma ferroada. Não que a ar- raia seja agressiva. Mas o pisão aciona um mecanismo involuntário de defesa do peixe, que agita seu longo rabo e aca- ba enterrando o ferrão na perna ou no pé do banhista - a morte em setembro do zoólogo e apresentador de TV aus- traliano Steve Irwin, vítima de uma fer- roada no peito desferida por uma arraia marinha, é um caso raro. Com quase 10 centímetros de com- primento, o ferrão da arraia fluvial é uma estrutura óssea em forma de faca serrilhada, recoberto por um tecido glan- dular que se rompe na ferroada e libera o veneno no organismo da vítima. O au- mento desse tipo de acidente nos últi- mos anos levou uma equipe de pesqui- sadores paulistas a investigar as carac- terísticas dos ferimentos e do próprio veneno desse peixe, que até alguns anos atrás não freqüentava o Tietê. Análises coordenadas pela biomédica Kátia Cristina Bárbaro, do Laboratório de Imunopatologia do Instituto Butan- tan, mostraram que o veneno da arraia fluvial (Potamotrygon falkneri) é mais tóxico que o de uma arraia marinha en- contrada em todo o litoral brasileiro: a Dasyatis guttata, mais conhecida como arraia-bicuda ou arraia-prego. Para ava- liar os efeitos de uma ferroada, a equipe de Kátia aplicou doses iguais de veneno de cada uma dessas espécies em grupos diferentes de camundongos. Um dia após injetar o veneno da ar- raia fluvial em quatro camundongos, só dois continuavam vivos. No segundo dia, todos estavam mortos. Já os roedo- res que haviam recebido o veneno da arraia-bicuda sobreviveram. Os testes mostraram ainda que os venenos de am- bas as espécies provocam inchaço e dor intensa. Só a penetração do ferrão, aliás, já causa um ferimento profundo que ar- de como fogo. Mas é o veneno que con- tribui para que a dor, comparável à de uma facada, estenda-se por até 24 inter- mináveis horas. Não bastassem esses efeitos nada agradáveis, o veneno da arraia fluvial também causa a morte do tecido (necro- se) na região da ferroada, além de lesão muscular. Em geral são necessários até três meses para a cicatrização completa do ferimento. Kátia também notou que o veneno da Potamotrygon falkneri pa- rece se espalhar mais facilmente no or- ganismo. É que um de seus componen- Veneno de ferrão de arraia fluvial provoca dor, inchaço e necrose Como um punhal IRACEMA CORSO 42 ■ OUTUBRO DE 2006 ■ PESQUISA FAPESP128
  • 2. tes é a enzima chamada hialuronidase, que ajuda a dispersão das toxinas. A hia- luronidase dissolve um composto gela- tinoso - o ácido hialurônico - que man- tém unidas as células dos tecidos. Estudando a morfologia do ferrão e o tecido que o envolve, a equipe do Bu- tantan, com o auxílio de pesquisadores do Laboratório de Biologia Celular, cons- tatou que a arraia de água doce também pode liberar maior quantidade de vene- no em uma ferroada porque seu ferrão é todo recoberto por tecido glandular - produtor de veneno. Já no ferrão da ar- raia marinha o tecido glandular res- tringe-se a apenas dois pontos. Marcela da Silva Lira, bióloga do grupo de Kátia, tenta atualmente pro- duzir um soro capaz de combater a ati- vidade do veneno da arraia de água do- ce e reduzir seus efeitos. Embora ainda não se tenha chegado ao antídoto, há uma boa notícia. Nos testes feitos no Butantan, o veneno da Potamotrygon e o da Dasyatis estimularam o organismo de coelhos a produzir anticorpos. "É um sinal de que o soro pode neutralizar o veneno das arraias", diz Kátia. Origem remota - Apesar da diferença aparente- a Dasyatisguttata tem o cor- po em forma de triângulo e pode atin- gir o triplo do tamanho da arraia de água doce -, imagina-se que essas duas espécies tiveram um ancestral comum que viveu no mar e chegou ao continen- te entre 20 milhões e 10 milhões de anos O PROJETO Estudos comparativos entre glândulas secretoras de venenos de arraias fluviais (gênero Potamotrygon) e arraias marinhas (gênero Dasyatis) MODALIDADE Linha Regular de Auxílio à Pesquisa COORDENADORA KáTIA BáRBARO - Instituto Butantan INVESTIMENTO R$ 37.750,00 (FAPESP) atrás, quando o oceano Atlântico ocu- pava parte das atuais regiões Sul e Cen- tro-Oeste do país. Até pouco tempo atrás, as quase 20 espécies de arraias flu- viais existentes no Brasil eram encon- tradas apenas nos rios Paraná, Paraguai, Araguaia, Tocantins e na bacia amazô- nica. Acredita-se que a construção de barragens das hidrelétricas da bacia dos rios Paraná e Tietê nas últimas três dé- cadas tenha favorecido a migração das arraias até pelo menos a região de Pre- sidente Epitácio e Castilho, no interior de São Paulo. Foram os acidentes com a P. falkneri no alto rio Paraná que chamaram a aten- ção dos médicos João Luís Costa Car- doso, do Hospital Vital Brazil, e Vidal Haddad Júnior, da Faculdade de Medi- cina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu, para a chegada desse peixe ao interior de São Paulo. Cardoso e Haddad decidiram procurar Kátia após verificar que as pessoas fer- roadas pela arraia fluvial desenvolviam necrose semelhante à causada pelo vene- no da aranha-marrom (Loxoscelessp), es- tudada pela pesquisadora. Do primei- ro contato para cá, Kátia tornou-se uma das coordenadoras da rede que acom- panha os acidentes com a arraia de água doce no Paraná, no Mato Grosso do Sul e em São Paulo e investiga o impacto ambiental provocado por esse peixe. Em colaboração com Patrícia Charvet- Almeida, ela estuda também o veneno de arraias do Pará. Enquanto não se produz um antí- doto para o veneno das arraias, os pes- quisadores aprendem a amenizar a dor das ferroadas com os ribeirinhos, que costumam mergulhar a perna ou o bra- ço ferido pelo ferrão em uma bacia com água quente. A água quente diminui a dor porque o veneno da arraia é sensível ao calor, como Kátia comprovou em ex- perimentos de laboratório. Essa estraté- gia simples, porém, não impede a ne- crose na região do ferimento - no caso dos pescadores, geralmente a mão ou o braço, atingidos quando tentam livrar o peixe da rede ou do anzol. Incomoda- dos pelos acidentes ou ainda pouco ha- bituados ao peixe recém-chegado, os ri- beirinhos e freqüentadores do Tietê não apreciam a presença das arraias nem sua carne, embora seja muito saborosa. • ÂM"' í v" Arraia fluvial (Potamotrygon sp): ilustração do naturalista britânico Alfred Wallace, que percorreu o rio Negro entre 1850 e 1852