Romantismo

301 visualizações

Publicada em

Primeira geração da poesia romantica e contexto sociocultural

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo

  1. 1. ROMANTISMO CONTEXTO HISTÓRICO E RELAÇÕES COM O ILUMINISMO
  2. 2.  O iluminismo foi o celeiro de ideias que influenciou o romantismo, com suas propostas de governo democrático eleito pelo povo, igualdade, justiça, direitos humanos e liberdade;  No jogo discursivo, a leitura deixou de ser um privilégio das classes abastadas;
  3. 3.  Há um aprofundamento em um dos ideais do racionalismo Iluminista:  Todos devem ter contato com a cultura para tornarem-se sujeitos livres e sensíveis, convictos de suas posições políticas e participantes ativos de seus meios sociais.
  4. 4. O Romantismo divide-se em: 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração
  5. 5. Contexto Histórico Brasileiro  O Romantismo ocorre no Brasil nos 50 anos que antecedem a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1880) e O Mulato (1881);  Tem início em 1836 com a publicação do livro “Suspiros poéticos e Saudades” de Gonçalves de Magalhães;
  6. 6. 1ª Geração Romântica  Ocorre em uma fase posterior à Independência do país (1822), ou seja, trata-se de uma fase de afirmação da Nacionalidade brasileira;  Esta, portanto, é a época em que há a Construção de uma Identidade Nacional para o país;  Esse processo fez com que os autores da época buscassem símbolos que representassem a brasilidade e que fosse independente das influências do colonizador (Portugal);
  7. 7.  Essa “perseguição ao passado histórico” vai levar ao encontro do índio como símbolo pátrio anterior aos períodos pré-colonial e colonial;  Além desse, a natureza brasileira vai tomar formas grandiloquentes e será exaltada de forma a assimilar o país a um lugar exótico, uma espécie de paraíso perdido;
  8. 8.  O indianismo (que trata das exaltação do elemento indígena como símbolo pátrio) assimilará características muito próprias dos cavaleiros medievais ao índio brasileiro, por serem estes seres dotados de honra e coragem, contribuindo assim para a afirmação das origens nobres do povo brasileiro;  Ele se apoia na teoria do bom selvagem elaborada pelo filósofo iluminista Jean-Jacques Rousseau, que afirma que “o homem no seu estado natural é bom, a sociedade que o corrompe”. Portanto, o selvagem brasileiro será um ser inocente, puro e incorruptível;
  9. 9.  A construção de “nação desenvolvida”, porém, ocorrerá de maneira utópica, visto que o Brasil do século XIX era constituído basicamente de três classes sociais: os grandes proprietários de terras, homens livres e escravos, sendo grande parte da população analfabeta (somente cerca de 20% eram alfabetizados);
  10. 10.  Grande parte dos intelectuais escreverá para um público pertencente a aristocracia, estudantes e mulheres que tinham como passatempo a leitura;  Ainda, vale ressaltar que os valores dos quais os indígenas foram dotados não correspondiam à sua realidade, mas era necessário que ocorresse sua caracterização dessa maneira para ressaltar um símbolo pátrio digno de elevar a literatura brasileira ao patamar e qualidade das europeias, que poderiam ser comparadas sem desdém.
  11. 11. Principais autores e obras  Dois nomes de grande destaque dessa geração foram Gonçalves de Magalhães e Gonçalves Dias. Esse último, porém, recebeu mais destaque devido à forma com que abordou aspectos relativos ao indianismo, amor e patriotismo;  A maior importância de Gonçalves de Magalhães foi introduzir o movimento no país. Porém, em sua obra Suspiros Poéticos e Saudades, o que mais ficou marcado com traços românticos foi o prefácio da obra, pois o autor não conseguiu “sentir o espirito romântico” em seus textos, o que acontece de forma mais evidentes em Dias;
  12. 12.  Gonçalves Dias abordará temáticas relacionadas à lírica amorosa , como no poema Se se morre de amor, ao indianismo, como em I- Juca Pirama e Canção do Tamoio e Religiosa, como em Te deum;
  13. 13. Canção do Exílio Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar –sozinho, à noite– Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que disfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras,
  14. 14.  Esse poema foi escrito enquanto Gonçalves estava em Coimbra devido aos seus estudos. Trata-se, portanto, de um exílio voluntário;  O Brasil da Canção do Exílio é a pátria do eu lírico, o modo particular como ele a sente, em seus nostálgico exílio.  Utilizando expressões como lá e cá, ele faz antíteses entre a pátria e o exílio;
  15. 15.  Apresenta-se de modo subjetivo, visto que o exilio é relatado do ponto de vista do autor, de acordo com os seus sentimentos em relação à pátria;  Ao utilizar-se da natureza para descrever o país, o eu lírico o faz de maneira grandiloquente, exaltando seus elementos naturais para demonstrar que o Brasil é um país de natureza exuberante, acolhedor e agradável;

×