Definitivo missão

998 visualizações

Publicada em

formação missionária

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
998
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
83
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Definitivo missão

  1. 1. Lo que se dice de la Cristología Se aplica a la Eclesiología lO QUE SE DICE DE CRISTO SE APLICA A LA IGLESIA CRISTOLOGÍA e ECLESIOLOGÍA DE APARECIDA
  2. 2. América latina: Encontro de povos e culturas “ As sementes do Verbo”(P. 401) presentes nas culturas indígenas, facilitaram encontrar no Evangelho respostas a suas aspiracões. “Cristo era o Salvador que desejavam silenciosamente” (B XVI-SD 15).
  3. 3. A Igreja está chamada a repensar e vitalizar a novidade do Evangelho, a partir de um encontro pessoal e comunitário com Jesus cristo que suscite discípulos e misionários.(11)
  4. 4. Uma fé católica reduzida a bagagem, a elenco de normas e proibicões, a devocões fragmentadas, a uma participacião ocasional em alguns sacramentos, a repeticão de princípios NÃO SE SUSTENTA. “ A todos nos resta recomeçar a partir Cristo”. (NMI 28-29).
  5. 5. Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande ideia, mas por um encontro com acontecimento, com uma Pessoa , que da um novo horizonte e uma orientação decisiva!!. (12)
  6. 6. Na A.L e Caribe, quando muitos povos se preparam para celebrar o bicentenário de sua independência, o desafio é revitalizar nosso modo de ser católicos e nossas opções pessoaiss pelo Senhor, para que a fé se enraíze como encontro vivificante com Cristo . (13)
  7. 7. Aqui está o desafio que enfrentamos: mostrar a capacidade da Igreja, para promover e formar discípulos e misionários que respondam a vocação recebida e comuniquen em todos os lugares transbordando de gratidão e alegria o dom do encontro com Jesus Cristo. Não temos outra prioridade que não seja ser instrumentos do Espírito na Igreja. (14)
  8. 8. No encontro com Cristo , queremos expressar a alegría de ser discípulos e ser enviados com o TESOURO do EVANGELHO. Ser cristão não é uma carga, é UM DOM DO PAI EM JESUS CRISTO. (28)
  9. 9. A alegría do encontro com Jesus Cristo, Filho de Deus, encarnado e redentor, desejamos que chegue a todos os homens e mulheres a beira do caminho, pedindo esmola e compaixão (Lc. 10, 29-37; 18, 25-43). ( 29)
  10. 10. <ul><li>Esforços pastorais orientados ao encontro com Jesus Cristo seguem dando frutos: </li></ul><ul><li>Formação de catequistas; </li></ul><ul><li>Renovação Litúrgica; </li></ul><ul><li>Apreço aos sacerdotes, Testemunho de vida e trabalho; </li></ul><ul><li>Diaconato permanente em algumas Igrejas; </li></ul><ul><li>Esforço formativo em Seminários e Casas de formação; </li></ul><ul><li>Diversos métodos de nova evangelização; </li></ul>
  11. 11. A missão não se limita a um programa ou projeto, mas é compartilhar a experiência do acontecimento do encontro com Cristo, testemunhar e anunciar de persoa a persoa, de comunidade a comunidade, da Igreja a todos os confins do mundo (Hch. 1,8). (145)
  12. 12. Jesus Saiu ao encontro de situações muito diversas: homens e mulheres, pobres e ricos, judeus e extranjeiros, justos e pecadores… convidando a todos a seu seguimento. Por isto o discípulo missionário há de ser um homem ou uma mulher que visibilize o amor misericordioso do Pai entre pobres e pecadores. (147) (Está por construir esta cristología e esta eclesiología (Taller l..A Ap.)
  13. 13. Jesus elege aos 12 para viver em comunhão com Ele (Mc. 3,14) favorecer o encontro e avaliar a missião. Jesus lhes disse: “Venham vocês. Vamos a um lugar sossegado para descansar um pouco” (Mc. 6, 31-32). Em outras oportunidades, se encontrará a sós para explicar-lhes o mistério do Reino (Mc. 4, 11.33-34) e com o grupo d os 72 (Lc. 10, 17-20). (154)
  14. 14. A comunidade missionária diocesana, deve sair ao encontro de quem ainda não crê em Cristo. (168).
  15. 15. 3. Formação “ bíblico-doutrinal ”, ferramenta fundamental, única maneira de amadurecer sua experiência religiosa e de fé. 4. Compromisso missionário de toda a comunidade, que sai ao encontro dos aleijados , se interesa por eles, os convida a voltar para a Igreja. (226)
  16. 16. Uma autêntica proposta de encontro com Jesus Cristo , deve estabelecer-se sobre o fundamento da Trindade-Amor. O Pai nos atrai por meio da entrega Eucarística de seu Filho (Jo. 6,44) e no realismo da Encarnação, pela qual podemos: ouvir, ver, contemplar e apalpar com nossas mãos a Palavra de Vida. ( Jo. 1,1). (240 241 242)
  17. 17. O DISCÍPULO Não se começa a ser discípulo por uma decisão ética ou uma grande ideia, mas através de um encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá novo horizonte e orientação decisiva. Isto é o que os Evangelhos nos conservaram como início do cristianismo. O Que buscam? (Jo. 1,38)
  18. 18. Em nosso continente se levantam as perguntas: Mestre onde vives? (Jo. 1,38) “ Venham e vejam” (Jo 1,39) Onde encontramos um autêntico proceso de conversão, comunhão e solidaridade?. Quais os lugares, as pessoas, que nos põem em comunhão contigo?.
  19. 19. <ul><li>, “ A Igreja é nossa casa ”, Na Igreja católica temos tudo o que é bom, tudo o que é motivo de segurança e de consolo”. …( B. XVI) ( 246) </li></ul>Lugares de Encontro
  20. 20. 2 . “Ao iniciar a nova etapa que a Igreja missionária da A.L e Caribe, se dispõe a emprender o conhecimento profundo e vivencial da Palavra de Deus. Por isto é preciso educar o povo na leitura e meditação da Palavra …” (B XVI).
  21. 21. 3. “Lectio divina”: forma de aproximar-se da Sagrada. Escritura . Leitura orante que conduz ao encontro com Jesus Mestre . (249)
  22. 22. 4. O encontro com Jesus Cristo nos pobres, aflitos, enfermos, é uma dimensão constitutiva de nossa fé em Jesus Cristo. (257)
  23. 23. 5. A piedade popular, espaço de encontro com Jesus Cristo. B. XVI a apresentou: “ Aparece nela a alma Latino Americana, Precioso tesouro da Igreja na A.L Promovê-la e protegê-la. Reflete a sede de Deus, que só os pobres e simples podem conhecer”. (258)
  24. 24. A decisão de partir para o santuário, é confissão de fé, canto de esperança e a chegada: um canto de amor. (259 ) A Religiosidade popular , imprescindível ponto de partida, para conseguir que a fé do povo, amadureça e seja fecunda. (Dir. Piedade Popular. e Liturgia). (262)
  25. 25. A piedade popular, verdadeira experiência de amor teologal e sabedoria sobrenatural, é encontro pessoal com o Senhor . Integra o corpóreo, o simbólico e as necessidades concretas. É espiritualidade encarnada na cultura dos simples. (263 )
  26. 26. “ O papa (BXVI) vêio a Aparecida, com viva alegria, para dizer-lhes em primeiro lugar: permaneçam na escola de María, inspirem-se em seus ensinamentos. Procurem acolher e guardar dentro do coração as luzes que Ela, por mandato divino, lhes envia lá do alto” (Discurso-Reza do Rosário (12 de Maio 2007). (270) Maria, lugar do encontro com Jesus.
  27. 27. 6. A vida dos Santos, é lugar privilegiado de encontro com Jesus Cristo; Suas vidas inspiram o ser e ação da comunidade Cristã do continente. ( 273 )
  28. 28. O DISCIPULADO E O ENCONTRO COM JESUS. a Opção de Aparecida é o discipulado : “Venham e vejam” (Jo. 1, 39). O discípulo é alguém apaixonado pelo “encontro” com Cristo. 276-277
  29. 29. O encontro com Cristo no discipulado, é uma busca, que se inicia e propicia pelo “Kerigma” como condutor do processo. Só a partir do Kerigma se dá a posibilidade da inicição cristã verdadeira. O discipulado do encontro com Cristo, requer uma Catequese permanente. ( 278 )
  30. 30. Os Seminários e Casas de Formação da Vida Religiosa, são espaços privilegiados de discipulado e encontro com o Senhor . ( 327)
  31. 31. Processo de formação dos Discípulos Missionários: 1. O encontro com Jesus Cristo o KERIGMA, FIO CONDUTOR DO PROCESSO DA Iniciação cristã. 2. Conversão : resposta a escuta. 3. Discipulado: seguimento do Mestre 4. Catequese permanente e vida sacramental.
  32. 32. 5. A missião. O discípulo a medida que conhece e ama a seu Senhor, necessita compartilhar a alegría de ser enviado ao mundo a anunciar a J.C e a fazer realidade o amor, o serviço aos mais necessitados e não como etapa posterior à formação.
  33. 33. O itinerário formativo do cristão, na tradição mais antiga da Igreja teve carácter de experiência do encontro com Cristo , experiência que introduz na celebração dos sacramentos ( 290)
  34. 34. De nosso encontro com Cristo, brota tambem a solidaridade como atitude permanente de encontro, irmandade e serviço, defesa da vida e dos dereitos dos mais vulneráveis (394)
  35. 35. Na cidade, lugar de desejos, esperança e dores, em meio das sombras da violência, a pobreza e o individualismo, as cidades são lugares de liberdade e oportunidade, é possível ali experimentar o vínculo da fraternidade, a solidaridade e a universalidade , num caminhar ao encontro com o outro. Deus vive na cidade. (514)
  36. 36. “ Aos pobres sempre os tereis com vocês e podem socorrer-lhes quando quiserem” (Mc. 14, 7), pode entender-se deles, porque formam parte de cada família, povo e nação. Quase esquecidos, descuidados pela sociedade e os próprios familiares. (548)
  37. 37. <ul><li>Para converter-nos em uma Igreja cheia de ímpeto, temos que ser de novo evangelizados. </li></ul><ul><li>É necessário: </li></ul><ul><li>Cuidar da religiosidade popular, evangelizá-la pela vida sacramental. Fortalecer a fé, “recomeçar a partir de Cristo”. </li></ul><ul><li>Só graças ao ENCONTRO COM CRISTO, que transborda em gratidão e alegría, somos resgatados de nossa CONCIÊNCIA ILHADA e saímos a comunicar a VIDA . (549) </li></ul>
  38. 38. A PARÓQUIA Comunidade de comunidades-CEB (170 a 177; 178 a 180). Paróquias: células vivas da Igreja (SD 55) Todos responsáveis pela evangelização em cada ambiente.(87)
  39. 39. A PARÓQUIA Exige reformular estruturas . A fonte é o Discipulado Missionário. (172) e sua formação (174) A partir da Eucaristia, a Catequese, a vida sacramental e a Caridade (175)
  40. 40. As CEBs, escolas que formaram cristãos comprometidos, discípulos missionários, recorrem á experiência das primeiras comunidades Cristãs (Atos.2,42-47), ganham um maior conhecimento da Palavra de Deus e ao compromisso social (178). A PARÓQUIA
  41. 41. A PARÓQUIA Os Párocos , animadores de uma comunidade de Discípulos missionários , promotores da diversidade missionária (201-207) Na Paróquia, a família é a Primeira e mais básica comunidade eclesial. O discípulo missionário ea família, se projeta ao ambiente onde vive (204).
  42. 42. A PARÓQUIA A Paróquia chega não a sujeitos isolados, mas à vida de todas As famílias , para fortalecer sua dimensão missionária (204). A origem da Pastoral de Ap. está no Discipulado Missionário , ao qual são “chamados por seu nome”. Isto pede um crecimento contínuo.
  43. 43. A PARÓQUIA A Mensagem Final é rica em elementos formativos, para o Discipulado missionário. O Discipulado Missionário é fecundo na alegria do Encontro com Cristo e na Comunidade (4; 14; 30; 4a. Parte) O discipulado se dá em comunidade.
  44. 44. Missião Continental O despertar MISSIONÁRiO, em forma de uma Missão Continental, será portadora das riquezas de Aparecida. Buscará por a Igreja em estado permanente de missão. Levemos nossas naves “Mar adentro”, com o sopro potente do Espírito Santo , sem medo das tormentas, seguros de que a PROVIÊNCIA de Deus nos prepara grandes surpresas. (551)
  45. 45. Fim

×