O Segundo Mandamento
Escola Bíblica Dominical – OS DEZ MANDAMENTOS
Valores divinos para uma sociedade em constante mudança...
Introdução
O primeiro mandamento é “Não terás outros deuses diante de
mim” Êx 20.3.
João Calvino diz que “o fim deste mand...
O segundo mandamento encontra-se em Êx 20.4-6 que
diz “Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de
qualquer coisa no...
O Catecismo de Heidelberg nos responde o que Deus
nos exige no segundo mandamento: Diz que “não podemos,
de maneira alguma...
Concordando com João Calvino “a finalidade deste
mandamento é que Deus não quer que seu legítimo culto seja
profanado medi...
A ideia por trás deste segundo mandamento é que
tudo que o homem tenta fazer na tentativa de fazer uma
forma visível de De...
O ídolo, a imagem e a idolatria
O primeiro ponto que vamos considerar é o que é o
ídolo, em seguida veremos o que é a “ima...
Vejamos o que a Escritura nos ensina sobre os ídolos:
• Os deuses das nações são ídolos (1 Cr 16.26);
• Cada ídolo possui ...
Queremos ressaltar que “imagem de qualquer coisa no céu, na
terra, ou nas águas debaixo da terra” deve ser interpretada à ...
Ameaças e Promessas
No segundo mandamento Deus apresenta uma de suas
características, ele é o Deus zeloso (Êx 20.5; 34.14;...
Além de cumprir com a função de alertar sobre a justiça
de Deus e das consequências do pecado esta ameaça aponta
para uma ...
O Catecismo Maior de Westminster explica-nos esta
questão dizendo que estes pontos são as questões anexas do
segundo manda...
Deveres e proibições do segundo mandamento
Como temos visto todo mandamento possui deveres e proibições. Os
deveres exigid...
Vejamos os pecados proibidos de acordo com o segundo mandamento.
• Estabelecer (Nm15.39), aconselhar(Dt 13.6-8), mandar(Os...
O culto verdadeiro
Antes de continuarmos façamos uma observação: Este
mandamento não é contra as artes de escultura, pintu...
Deus se relaciona com sua criação, isto diz respeito à
sua imanência. E Deus não pertence à criação, ou seja, ele
transcen...
O problema quanto ao culto é que esta doutrina tem
sido negligencia por muitos anos, principalmente nas igrejas
pentecosta...
A arca da Aliança e a serpente de bronze
Teólogos católicos romanos e liberais defendem o uso de
imagens alegando que Deus...
Mariolatria
Os católicos praticam a adoração à Maria, dando um
maior destaque à mesma do que a Cristo. Já os evangélicos
a...
Imaculada Conceição de Maria: Este dogma
afirma que Maria nasceu sem pecado, ou seja, ela
não herdou a mancha do pecado or...
Perpétua virgindade de Maria: Os católicos afirmam que Maria, em toda sua
vida, nunca conheceu sexualmente o seu esposo Jo...
Assunção de Maria: Nenhum dos apóstolos citam essa
criação fraudulenta. Depois de At 1.14 há um profundo silêncio
nas Escr...
Práticas idólatras nas falsas igrejas evangélicas
Nosso maior problema neste estudo diz respeito à
idolatria existente em ...
Conclusão
A solução é bem simples:
arrependimento, confissão e
mudança radical. É necessário que
voltemos às Escrituras. C...
Igreja Evangélica Assembleia de Deus no RN
Natal, Setor 22 - Cong. Monte Sião
Rua Indomar s/n, Planalto
Escola Bíblica Dom...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O segundo mandamento

544 visualizações

Publicada em

O Segundo Mandamento
Apresentação de slides para Escola Bíblica Dominical
Lição 4: Não farás imagens de esculturas.
Professor Eduardo Braz

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
544
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O segundo mandamento

  1. 1. O Segundo Mandamento Escola Bíblica Dominical – OS DEZ MANDAMENTOS Valores divinos para uma sociedade em constante mudança Professor Eduardo Braz
  2. 2. Introdução O primeiro mandamento é “Não terás outros deuses diante de mim” Êx 20.3. João Calvino diz que “o fim deste mandamento é que Deus quer ser o único a ter a preeminência em seu povo e nele exercer seu direito em plena medida. Para que isso aconteça, ordena que estejam longe de nós a impiedade e toda e qualquer superstição, em virtude da qual ou se diminui ou se obscurece a glória de sua divindade. E, pela mesma razão, prescreve que o cultuemos e o adoremos com o verdadeiro zelo da piedade. E a própria simplicidade das palavras soa quase que isto, porquanto não podemos ter Deus sem que, ao mesmo tempo, abracemos as coisas que lhe são próprias. Portanto, o fato de proibir que tenhamos deuses estranhos, com isto significa que não devemos transferir para outrem o que lhe é exclusivo”.
  3. 3. O segundo mandamento encontra-se em Êx 20.4-6 que diz “Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não te prostrarás diante deles nem lhes prestarás culto, porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que castigo os filhos pelos pecados de seus pais até a terceira e quarta geração daqueles que me desprezam, mas trato com bondade até mil gerações aos que me amam e guardam os meus mandamentos”.
  4. 4. O Catecismo de Heidelberg nos responde o que Deus nos exige no segundo mandamento: Diz que “não podemos, de maneira alguma, representar Deus por imagem ou figura (Dt 4.15,16; Is 40.18,19,25; At 17.29; Rm 1.23-25). E o mais importante de tudo, devemos adorá-Lo somente da maneira que Ele ordenou em sua palavra (Dt 12.30-32; 1 Sm 15.23; Mt 15.9). O segundo mandamento declara a natureza e com que modalidade de culto Deus deve ser honrado. Muitos irmãos aceitam que este mandamento proibi o uso de imagens no culto a Deus, mas o mandamento não se restringe apenas a isto. Não podemos esquecer que também trata da modalidade de culto que Deus quer que prestemos.
  5. 5. Concordando com João Calvino “a finalidade deste mandamento é que Deus não quer que seu legítimo culto seja profanado mediante ritos supersticiosos. Por isso, em síntese, ele nos dissuade e afasta totalmente das observâncias materiais insignificantes que nossa mente bronca, (...) costuma inventar quando concebe a Deus. E daí nos instrui em relação a seu legítimo culto, isto é, ao culto espiritual e estabelecido por ele mesmo”. Encontramos dois elementos neste mandamento: o primeiro ponto é que este mandamento proibi, impõe limites, ou seja, determina e controla nossos pensamentos e sentidos em relação à Deus, no que diz respeito a como devemos adorá-lo. O segundo ponto é a clara proibição de que seja dado qualquer tipo de adoração sob o pretexto religioso.
  6. 6. A ideia por trás deste segundo mandamento é que tudo que o homem tenta fazer na tentativa de fazer uma forma visível de Deus, mesmo que seja apenas uma ilustração do pensamento, se opõe claramente à natureza de Deus e entra em conflito com sua Palavra, sendo assim, qualquer objetivo de culto não passa de um ídolo, e sua função nada mais é do que adulterar e corromper a verdadeira religião.
  7. 7. O ídolo, a imagem e a idolatria O primeiro ponto que vamos considerar é o que é o ídolo, em seguida veremos o que é a “imagem” e por fim entenderemos o que é a idolatria. O ídolo é: (1) uma figura ou escultura que simboliza uma divindade, um deus, na verdade um falso deus (Êx 20.4; Dt 5.8). Estes ídolos eles além de serem pintados, nas culturas antigas eram principalmente esculpidos em pedra (Lv 26.1), madeira (Is 45.20) e metal (Na 1.14). Os idólatras atribuem à estes ídolos poderes sobrenaturais. (2) O ídolo sendo um símbolo, representa a própria divindade em que o idólatra acredita, adora e atribui feitos.
  8. 8. Vejamos o que a Escritura nos ensina sobre os ídolos: • Os deuses das nações são ídolos (1 Cr 16.26); • Cada ídolo possui elementos de culto (Sl 106.38); • Os ídolos estão ligados a práticas místicas, religiosas contrárias à Palavra de Deus (Is 19,3); • Os idólatras atribuem aos ídolos feitos alcançados (Is 48.5); • O ídolo nasce no coração pecaminoso do homem caído (Ez 14.4); • O ídolo é uma criação humana (Is 2.8); • Deus pune, severamente, os que abandonam a fé nele para depositar nos ídolos (Os 4.17); • Paulo deixa bem claro o que é o ídolo, não o objeto em si, mas o que há por trás (1 Co 10.18-20); • A idolatria é obra da carne, é pecado (1 Co 6.9); • A uma promessa de Deus destruirá todos os ídolos (Is 2.18; Mq 1.7); • Deus ensina seu povo a fugir da idolatria, a abandonar os ídolos (1 Co 10.14; 1 Jo 5.21; At 15.20; At 21.25; 1 Ts 1.9).
  9. 9. Queremos ressaltar que “imagem de qualquer coisa no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra” deve ser interpretada à luz de Dt 4.12- 19. A ideia contida no texto refere-se à aparência externa, algo que foi visto. Sendo assim, este mandamento proíbe toda e qualquer adoração a Deus por intermédio de objetos. Agora que compreendemos o que é o ídolo e o significado da imagem, devemos dar o significado de idolatria. Idolatria vem do gr. eidolon, que significa ídolo, e latreia, que significa serviço sagrado, culto, adoração. O Catecismo de Heidelberg define idolatria como “inventar ou ter alguma coisa em que se deposite confiança, em lugar ou ao lado do único e verdadeiro Deus, que se revelou em sua Palavra (1 Cr 16.26; Is 44.16,17; Jo 5.23; Gl 4.8; Ef 2.12; Ef 5.5; Fp 3.19; 1Jo 2.23; 2Jo 9)”.
  10. 10. Ameaças e Promessas No segundo mandamento Deus apresenta uma de suas características, ele é o Deus zeloso (Êx 20.5; 34.14; Dt 4.24; 5.9; 6.15). Este zelo de Deus é a sua auto declaração sobre suas prerrogativas, sua santidade, sua soberania, sua justiça e etc. A ideia aqui é que Deus está declarando que devido seus atributos ele é justo ao punir todo e qualquer ato que contraria seu mandamento. Nisto Deus declara fortemente que é a ele que devemos nos apegar. Ser zeloso significa que Deus não precisa de um parceiro e que devido isto também não divide nem dá a sua glória a ninguém. Com esta ameaça Deus não está invalidando a responsabilidade pessoal, pois vai bem mais além. O que precisamos compreender é que as consequências do pecado muitas vezes alcançam outras pessoas, principalmente os familiares. Também deve-se ressaltar que não se trata de maldição hereditária, como defendem alguns hereges da teologia da batalha espiritual.
  11. 11. Além de cumprir com a função de alertar sobre a justiça de Deus e das consequências do pecado esta ameaça aponta para uma promessa que lhe é bastante superior. Enquanto na punição Deus fala sobre “terceira e quarta geração”, em sua promessa Deus fala de sua misericórdia a “mil gerações”. Já no segundo mandamento vemos a superioridade da graça, como Paulo descreve em Rm 5.20.
  12. 12. O Catecismo Maior de Westminster explica-nos esta questão dizendo que estes pontos são as questões anexas do segundo mandamento e servem para dar-lhe maior força. Explica o significado destas razões dizendo que elas “são, além da soberania de Deus sobre nós e o seu direito de propriedade em nós, o seu zelo fervoroso pelo seu culto e indignação vingadora contra todo o culto falso, considerando-o uma apostasia religiosa, tendo por inimigos os violadores desse mandamento e ameaçando puni-los até diversas gerações e tendo por amigos os que guardam os seus mandamentos, prometendo-lhes a misericórdia até muitas gerações (Êx 20.5-6; Sl 14.11; Ap 15.3-4; Êx 34.13-14; 1 Co 10-20-22; Os 2.2-4; Dt 5.29)”.
  13. 13. Deveres e proibições do segundo mandamento Como temos visto todo mandamento possui deveres e proibições. Os deveres exigidos no segundo mandamento são: • Nós devemos receber, crer (Jo 6.68-69), honrar (Jó 23.12), amar (Sl 119.97), obedecer (1 Jo 2.5), guardar (I Tim. 6:14,20), lutar (Jd 3) e observar, estudar (Mt 28.20; Ed 7.10) a Palavra de Deus. Guardando puros e inalterados, todo o culto e todas as ordenanças religiosas que Deus instituiu na sua Palavra, especialmente a oração e ações de graças em nome de Cristo (Fl 4.6; Ef 5.20); • Devemos praticar a leitura (Dt 17.18-19), a pregação (At 15.21; 2 Tm 4.2), e o ouvir a Palavra do Senhor (At 10.33); • Este mandamento também nos remonta às questões da administração e a recepção dos sacramentos, batismo e ceia do Senhor (Mt 28.19); • Trata do governo e a disciplina da igreja (Mt 16.18; 18.15-17); • Alicerça o ministério e a sua manutenção (1 Co 12.28; Ef 4.11-12; 1 Tm 5.17- 18); • Lembra-nos da importância do jejum religioso (Jl 2.12; 1 Co 755), do jurar em nome de Deus e o fazer os votos a Ele (Dt 6.13; Sl 76.11); • Por fim, trata da importância em desaprovar, detestar e opor-nos a todo o culto falso, removendo tal culto e todos os símbolos de idolatria (At 17.16-17; Sl 16.4; Dt 7.5; Is 30:22).
  14. 14. Vejamos os pecados proibidos de acordo com o segundo mandamento. • Estabelecer (Nm15.39), aconselhar(Dt 13.6-8), mandar(Os5. 11), usar e aprovar de qualquer maneira culto religioso não instituído pelo próprio Deus(Dt 12.30-32; 1 Rs 11.33; I Rs 12.33); • Fazer qualquer imagem de Deus, de todas ou qualquer das três pessoas, quer interiormente no espírito quer exteriormente em qualquer forma de imagem ou semelhança de criatura alguma (Dt 4.15-16; At 17.29; Rm 1.21-25); • Toda a adoração dela (Gl 4.8), ou de Deus nela ou por meio dela(Êx 32.5); • Fazer qualquer imagem de deuses imaginários(Êx 32.8) e todo o culto ou serviço a eles pertencente (I Rs 18. 26,28); • Todas as inovações supersticiosas (At 19.19), corrompendo o culto de Deus (Ml 1.7,8,14), acrescentando ou tirando dele (Dt 4.2), quer sejam inventados e adotados por nós (Sl 106.39) quer recebidas por tradição de outros (Mt 15.9), embora sob o título de antiguidade (1 Pe 1.18), de costume (Jr 44.17), de devoção (Is 65.3-5; Gl 1.13,14), de boa intenção ou por qualquer outro pretexto (1 Sm 13.12); a simonia (compra ou venda ilícita de coisas espirituais como indulgências e sacramentos; ou temporais ligadas às espirituais como os benefícios eclesiásticos) At 8.18,19,22), o sacrilégio (Rm 2.22); toda a negligência (Êx 4.24-26), o desprezo (Mt 22.5; Mt 1.7,8,12,13), o impedimento (Mt 23.13) e oposição ao culto e ordenanças que Deus instituiu (At 13. 45; 1 Ts 2.14-15).
  15. 15. O culto verdadeiro Antes de continuarmos façamos uma observação: Este mandamento não é contra as artes de escultura, pintura ou gravura; não impede a confecção de símbolos e logotipos, não exclui a linguagem simbólica, necessária por sua forte representatividade. O que Deus por ele proíbe é o uso de semelhantes dons artísticos na produção artesanal ou industrial de ídolos destinados à adoração. Neste mandamento aprendemos que não se pode nem deve fazer nenhuma imagem de Deus. As criaturas podem ser representadas, mas Deus nos proíbe fazer ou ter imagens delas para adorá-las ou para servir a Deus por meio delas (Êx 34.13,14,17; Dt 12.3,4; Dt 16.22; 2Rs 18.4 Is 40.25). Por isso, como diz o comentarista, Esequias Soares “a espiritualidade que tem Deus como alvo é incompatível com as imagens dos ídolos”.
  16. 16. Deus se relaciona com sua criação, isto diz respeito à sua imanência. E Deus não pertence à criação, ou seja, ele transcende a toda matéria e tudo que foi criado (Sl 139; Jo 17.5,24; Cl 1.17; 1 Tm 1.16; Rm 11.33-36).
  17. 17. O problema quanto ao culto é que esta doutrina tem sido negligencia por muitos anos, principalmente nas igrejas pentecostais e posteriores, como neopentecostais. A ideia de que o culto deve ser como ordenado por Deus não é recebida entre as igrejas que fazem parte destes movimentos. Se, por exemplo, pegarmos as instruções de Paulo aos Coríntios ficaremos diante de um quatro de intenso contraste com o que acontece na maioria das igrejas. Bem verdade que não apenas no meio pentecostal, visto que outras ramificações do evangelicalismo também apresentam sérios problemas quanto ao culto e suas formas (1 Co 11,12,14).
  18. 18. A arca da Aliança e a serpente de bronze Teólogos católicos romanos e liberais defendem o uso de imagens alegando que Deus mandou construir no propiciatório a figura de dois querubins e também mandou construir uma serpente de metal (Êx 25.10-22; 1 Rs 6.23-28; 7.23-26; Nm 21.8). Com isto, ensinam que há uma permissão do uso de imagens no culto à Deus e até mesmo o culto às próprias imagens. Explicando estes dois pontos, lembramos que em nenhum momento os hebreus cultuaram aos querubins, e também não prestaram culto à serpente que foi levantada no deserto. Quando o povo começou a prestar culto à serpente que foi construída no deserto, o rei Ezequias mandou destruí-la (2 Rs 18.4). A Escritura nos mostra que estes dois elementos eram figuras, ou seja, tipificavam a obra redentora de Cristo (Hb 9.5-9; Jo 3.14-15).
  19. 19. Mariolatria Os católicos praticam a adoração à Maria, dando um maior destaque à mesma do que a Cristo. Já os evangélicos a consideram como um exemplo de vida cristã e humildade. Paulo deixou a advertência: “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.” (Rm 1.25) Maria é criatura. Cristo é Criador. “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam povos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades: tudo foi criado para Ele e por Ele.” (Cl 1.16) A Mariolatria católica está sustentada em três pontos:
  20. 20. Imaculada Conceição de Maria: Este dogma afirma que Maria nasceu sem pecado, ou seja, ela não herdou a mancha do pecado original, e ainda se manteve sem pecado por toda a sua vida. Atribuem assim à Maria um atributo divino – a impecabilidade. Maria não poderia pecar e nunca pecou, segundo o catolicismo. Este dogma só foi aceito oficialmente em 8 de dezembro de 1854, pelo o papa Pio IX.
  21. 21. Perpétua virgindade de Maria: Os católicos afirmam que Maria, em toda sua vida, nunca conheceu sexualmente o seu esposo José. Fica evidenciado, nas Escrituras, que até o nascimento de Jesus, Maria foi virgem. Mas afirmar que ficou sempre assim é afirmar o que a Bíblia não afirma. Basta lermos Mt 1.24,25. Dois aspectos a serem considerados: 1º) O “… até…”; mostra que José conheceu sexualmente Maria depois do nascimento de Cristo; e 2º) Jesus é chamado de primogênito, ou seja, Jesus é chamado de o primeiro filho gerado por Maria, mostrando que Maria gerou outros filhos. Deus chama Jesus de unigênito (Jo 3:16), ou seja, o único filho gerado. Fica claro que Jesus é o único filho gerado por Deus e o primeiro filho entre os filhos de Maria. Em diversas passagens vemos que Jesus teve irmãos e irmãs (Mc 6.3; Mt 13.54-56). Paulo chegou a afirmar que os irmãos do Senhor eram casados (I Co 9.5). Por sua vez, os católicos creem que quando se fala em irmãos, na verdade, está se referindo aos primos de Cristo, e que estes são filhos de uma irmã de Maria. Os católicos identificam três dos irmãos de Jesus com três dos discípulos que tinham os mesmos nomes: Tiago, filho de Alfeu; Simão, o Zelote; e Judas, filho de Tiago (Lc 6.15 e 16). O que é um tremendo equívoco, porque as Escrituras sempre mostram diferenças entre os discípulos e os irmãos do Senhor (Jo 2.12, Mt 12.46 e 47 e At 1.14) e a mais clara diferença está em Jo 7.5. Isto é um cumprimento da profecia messiânica em Sl 69.8.
  22. 22. Assunção de Maria: Nenhum dos apóstolos citam essa criação fraudulenta. Depois de At 1.14 há um profundo silêncio nas Escrituras a respeito de Maria, não se fala na morte e muito menos na assunção de Maria. Este dogma que só foi elaborado em 1º de novembro de 1950 pelo mariólatra Papa Pio XII. As Escrituras deixam claro que a glorificação dos santos só acontecerá depois da volta de Cristo e não fala que Maria seria uma exceção (1 Co 15.20-23). Os católicos ainda creem que ao chegar aos céus Maria foi coroada “Rainha dos céus”. Este título nunca foi dado à Maria nas Escrituras. Pelo contrário, a Bíblia condena este título, que tinha sido dado a uma falsa deusa (Jr 7.18; 44.17-23). Observamos que esse título mariano foi tirado de uma prática pagã totalmente condenada pela Bíblia.
  23. 23. Práticas idólatras nas falsas igrejas evangélicas Nosso maior problema neste estudo diz respeito à idolatria existente em algumas igrejas que se dizem evangélica. O uso de “arca da aliança”, “lenço ungido”, “fotos de pregadores” e tudo mais não passam de idolatria. Não fica por isso, temos também a idolatria teológica, onde os homens se prendem mais às suas tradições do que a verdade do evangelho. A idolatria ministerial que diz “a minha igreja é a única certa”. A idolatria artística que usa termos distorcidos como “levita”. A idolatria da vaidade onde os homens se apresentam como “profetas”, “apóstolos” e etc. E entre tantas aberrações, no meio das falsas igrejas, principalmente do meio “pentecostal” e neopentecostal temos a idolatria ao deus “Mamom”.
  24. 24. Conclusão A solução é bem simples: arrependimento, confissão e mudança radical. É necessário que voltemos às Escrituras. Caso contrário, a eternidade mostrará o resultado final.
  25. 25. Igreja Evangélica Assembleia de Deus no RN Natal, Setor 22 - Cong. Monte Sião Rua Indomar s/n, Planalto Escola Bíblica Dominical 8hs 30min – Classes de Adultos e Infantis 10hs – Classes de Adolescentes, Jovens e Discipulados (84) 9834.6937 e 8780.5376 pauloeduardobg@gmail.com pauloeduardobg@outlook.com facebook.com/pauloeduardo.bgoncalves instagran: eduardo_brazz

×