Sistema imunológico 2o a

2.460 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.460
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
131
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
203
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema imunológico 2o a

  1. 1. SISTEMA IMUNOLÓGICO .
  2. 2. Sistema imunológico. Para nos defender de contamos com um incansável trabalho de um sofisticadíssimo sistema de defesa, que envolve : células, tecidos, produtos químicos e cuja finalidade é identificar e destruir tudo aquilo que é estranho ao organismo.
  3. 3. Mecanismos de defesa inespecíficos o Pele o Membranas mucosas o Saliva o Suor o Lágrimas o Muco das vias respiratórias o Ácido clorídrico
  4. 4. Barreira física. O primeiro obstáculo a ser vencido pelos microorganismos invasores é uma barreira física, representada pela pele
  5. 5. Barreira química. Contra os inimigos que conseguem vencer a barreira física, o organismo tem armas mais enérgicas: as barreiras químicas, por exemplo. Constantemente estamos liberando, na saliva, na lágrima, no suor e em outras secreções do corpo, substâncias químicas que destroem microorganismos.
  6. 6. Quando as barreiras falham. -quando se cortamos ,sentimos dor Esse alarme atrai para o local danificado um grupo especial de células do sangue, os glóbulos brancos ou leucócitos. Os muitos tipos de leucócitos desempenham várias funções, todas associadas ao sistema imunológico. Para facilitar nossa descrição, vamos dividir os leucócitos em apenas dois grupos: os fagócitos (ou células fagocitárias) e os linfócitos.
  7. 7. Tipos de leucócitos
  8. 8. Funções do leucócitos os leucócitos são acionados e desempenham as seguintes tarefas: o Fagocitose o Digestão das partículas fagocitadas. o Diapedese. o Movimento amebóide o Quimiotaxia
  9. 9. Inflamação Inicia-se com a liberação de histamina – basófilos e mastócitos. - Promovem a vasodilatação e o aumento da permeabilidade do capilar. - Propicia um aumento de fluxo sangüíneo no local – deixando-a avermelhada. - O aumento da temperatura no local contribui para evitar a entrada de microrganismos sensíveis ao calor. - A permeabilidade propicia a saída dos neutrófilos e macrófagos pelos capilares e também a saída do plasma – inchaço ou edema.
  10. 10. RESPOSTA DOS MACRÓFAGOS E DOSNEUTRÓFILOS À INFLAMAÇÃO 1ªlinha – macrófagos que já estão nos tecidos. Células de kupfer – fígado Células reticulares – nódulos linfáticos, baço e medula óssea. Macrófagos alveolares Teciduais ou histiócitos – pele
  11. 11.  2ªlinha – Formada pela chegada dos neutrófilos - kamikases - Esse aumento no sangue é resultado – Fator indutor de leucocitose – liberado pelos tecidos inflamados. -É lançado no sangue e este o transporta – medula óssea ⇒liberação de neutrófilos no sangue circulante.
  12. 12. NEUTRÓFILOS são encontrados em maior número no sangue; chegam em primeiro lugar no local infectado, porque são atraídos pelas substâncias lançadas pelos invasores ou pela dor; realizam a diapedese e a fagocitose velozmente; eles resolvem a maior parte das infecções de curta duração; são chamados de células camicases.
  13. 13.  3ªlinha – Representada pelo aumento lento, mas prolongado do número de macrófagos. Isso resulta: Da multiplicação dos macrófagos já existentes no tecido; · Pela migração de grande número de monócitos para área inflamada. · No período de 8 a 12 horas, atingem os tecidos, aumentam de tamanho e são chamados – macrófagos.
  14. 14. MACRÓFAGOS São acionados quando os neutrófilos não conseguem dar conta da invasão; Fazem fagocitose mais lentamente, porém vivem mais; Os fragmentos dos invasores ficam expostos do lado de fora da membrana dele e são chamados por isso de apresentadores de antígenos; Eles levam os restos mortais dos invasores para os linfócitos e assim desencadeiam o seu funcionamento.
  15. 15. EOSINÓFILOS Defendem o corpo contra vermes e agem também nas alergias; Fagocitam o complexo antígeno-anticorpo.
  16. 16. BASÓFILOS Na presença dos invasores liberam substâncias, que provocam uma inflamação favorecendo o isolamento da região atingida.
  17. 17. FEBRE É resultado de um mecanismo de resposta á presença de microrganismos patogenicos no organismo. - os “invasores” liberam certas substancias que são reconhecidas pelos macrofagos . Esses desencadeiam uma reação que , entre outros efeitos , estimula o hipotálamo a elevar a temperatura corporal.
  18. 18. -A febre moderada aparentemente contribui para a destruição dos patógenos .- Entretanto febres muito altas ( 40°C por exemplo) pode levar a desnaturação de algumas proteínas.
  19. 19. O QUE É PUS? Onde macrófagos e neutrófilos estão fagocitando partículas estranhas são verdadeiros campos de batalha. Neles se ‘ engalfinham “leucócitos vivos com agentes invasores também vivíssimos. No final de uma batalha”, jazem “sobre o campo de guerra microscópico muitos” cadáveres “de invasores destruídos, juntamente com fragmentos de glóbulos brancos mortos durante a luta em defesa de nossa saúde e bem-estar”. O pus, líquido viscoso e branco-amarelado que encontramos, por exemplo, em espinhas e furúnculos, é constituído por esses restos
  20. 20. Sistema imunitário A terceira linha de defesa do corpo humano é formada pelo sistema imunitário. Ele se diferencia dos mecanismos inespecíficos de defesa por dois fatores básicos: especificidade e memória.
  21. 21. ESPECIFICIDADE A especificidade refere-se à capacidade do sistema imunitário de reconhecer e eliminar certos microrganismos ou substâncias estranhas ao corpo. O elemento estranho capaz de estimular uma resposta imune é denominado antígeno e geralmente é uma proteína ou um polissacarídeo. O sistema imunitário responde ao antígeno produzindo uma proteína chamada anticorpo, que é especifica para aquele antígeno.
  22. 22. Antígenos podem estar presentes nosenvoltórios de vírus, bactérias, fungos, protistase vermes parasitas, e também na superfície demateriais estranhos ao corpo humano, compólen e tecidos transplantados.
  23. 23.  Os anticorpos, proteínas denominadas genericamente de imunoglobulinas (Ig), são produzidos pelos linfócitos B. Um anticorpo reconhece apenas o antígeno que induziu sua formação, sendo, portanto altamente específico.
  24. 24. MEMÓRIA A memória refere-se à capacidade que o sistema imunitário tem de reconhecer novamente um mesmo antígeno e reagir contra ele, produzindo rapidamente mais anticorpos específicos. Existem dois tipos de resposta imune: a humoral e a celular.
  25. 25. Imunidade humoral A imunidade humoral (humor = fluido corporal) está relacionada aos anticorpos presentes no sangue e na linfa. Ao nascer, uma criança já recebeu de sua mãe, através de placenta, anticorpos prontos, obtendo ainda outros durante a amamentação. Ao longo da vida, diversos anticorpos são formados, e desse processo participam os linfócitos B.
  26. 26.  resposta humoral desencadeada contra um antígeno não é eficaz contra outro. Os anticorpos que atacam o vírus da rubéola não atacam o vírus do sarampo; os anticorpos que protegem o organismo contra a catapora não o protegem contra a caxumba. Um fato bastante conhecido ocorre quando adquirimos certas infecções (como a rubéola). Depois da cura, dificilmente voltamos a contraí-las. Dizemos que essas doenças “deixam imunidade”. Os mecanismos fundamentais da aquisição dessa imunidade estão na figura abaixo.
  27. 27. Os anticorpos são bastante ativos contra patógenos extracelulares, como a maioria das bactérias. Por serem parasitas intracelulares, os vírus oferecem maior dificuldade para ser destruídos, e a ação dos anticorpos é menos eficaz. Para destruir vírus, as células de defesa atacam e destroem as células que eles estão parasitando ou atacam os vírus no momento em que eles deixam as células parasitadas.
  28. 28. Imunidade celular A imunidade celular é mediada pelos linfócitos T. Esses linfócitos são produzidos ma medula óssea vermelha, mas amadurecem no timo. Eles não produzem anticorpos nem fazem fagocitose. Tipos de linfócitos T: - linfócitos T auxiliares ou CD4 ou T4; - linfócitos T citotóxicos ou CD8 ou linfócitos assassinos ou matadores; - linfócitos T supressor
  29. 29. Modo de ação dos principaiscomponentes do sistemaimunitário O esquema a seguir resume o que foi explicado.
  30. 30. QUANDO PARAR? Após uma semana de combate á infecção, o sistema imunológico encontra-se em plena atividade. Pelo menos três tipos diferentes de “soldados” foram convocados para a “guerra”: os fagócitos, os anticorpos e os linfócitos T citotóxicos. Na maioria dos casos, isso é suficiente para que, em duas ou três semanas, todos os invasores tenham sido eliminados.
  31. 31. O responsável por isso é o linfócito T supressor. Ao contrário dos outros linfócitos, ele só aparece no sangue quando os antígenos deixam de estar presentes na circulação. Passa, então, a emitir um sinal químico que inibe a atividade e a reprodução dos outros linfócitos. Com isso a produção de anticorpos diminui rapidamente, até parar por completo.
  32. 32. IMUNIZAÇÕESImunizar significa tornar protegido. A imunização podeacontecer de diversas formas, como veremos a seguir:
  33. 33. Imunização passiva Quando uma pessoa se torna protegida recebendo anticorpos contra uma doença, essa imunização é passiva, pois seu organismo não produziu anticorpos, mas os recebeu prontos. A ação desses anticorpos é imediata, iniciando- se assim que eles entram no organismo receptor. Entretanto, os anticorpos recebidos desaparecem depois de algumas semanas ou meses.
  34. 34. imunização passiva natural: passagem de anticorpos por via placentária; como a passagem pelo leite materno ;imunização passiva artificial:O emprego das imunoglobulinas homólogas ou heterólogas
  35. 35. Imunização passiva natural.Imunização passiva artificial.
  36. 36. imunização é ativa ação ativa Quando o organismo de uma pessoa ou de um animal é estimulado a produzir anticorpos, a imunização é ativa. Na primeira exposição a um antígeno, níveis elevados de anticorpos demoram em ser alcançados, mas a imunidade resultante pode ser permanente, porque surgem células de memória.
  37. 37. imunização ativa natural: devido aos anticorpos e as células de memória , no primeiro contato com o vírus causador,deverá desencadear contra ele uma rápida e intensa produção de anticorpos.Essa pessoa estará permanente mente imunizada. Exemplo:sarampo, catapora.imunização ativa artificial : vacinas.
  38. 38. Imunização ativa naturalImunização ativa artificial

×