slot vertical e horizontal-Mondelli

24.365 visualizações

Publicada em

Dentística

2 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.365
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
265
Comentários
2
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

slot vertical e horizontal-Mondelli

  1. 1. Disciplina: Pré clínico II com ênfase em DentísticaAlunas: Oyara Mello Laiana AndradeProfessor: Sérgio Henrique Dias “PREPARO CAVITÁRIO CLASSE II PARA “SLOT” VERTICAL E PARA “SLOT” HORIZONTAL”
  2. 2. “Slot” VerticalCavidade Classe II,Mesial, em PrimeiroMolar Superior Direito, semEnvolvimento do Sulco Oclusal.
  3. 3. Materiais e Instrumentos Necessários• Toalha plástica para bancada;• Lápis bem apontado;• Pinça cilíndrica;• Sonda exploradora n 5;• Espelho clínico plano;• Contra-ângulo convencional;• Escova para limpeza de brocas;• Porta-matriz circular da Ivory com matriz de aço de 5 mm;• Cunhas de madeira pré-fabricadas;• Mandril para disco de lixa,usado em peça de mão,disco de lixa de granulação grossa;• Broca para alta velocidade,cone invertido longo de extremo plano e arestas arredondadas n 245(0,81 mm de diâmetro);• Brocas cilíndricas picotadas n 556 e lisa n 56(4 mm de comprimento e 0,6 mm de diâmetro) para rotação convencional;• Broca tronco-cônica picotada n 699,para rotação convencional;• Machado para esmalte n 14-15(10-6-14);• Recortador de margem gengival n 29(10-80-7-14);• Colher de dentina n 11 ½.
  4. 4. Técnica de Preparo “O preparo cavitário pode ser realizado envolvendo a área atingida pela cárie,tendo como acesso o rompimento da crista marginal”• Conservador;• Simples;• Auto-retentivo.
  5. 5. Forma de Contorno• Delimitação da forma de contorno oclusal;• Penetração inicial com a broca ligeiramente inclinada para vestibular;
  6. 6. • Canal de penetração e esboço das paredes da caixa proximal;• Perfuração do esmalte abaixo do ponto de contato;
  7. 7. • Rompimento com colher de dentina da porção proximal adelgaçada;• Proteção do dente vizinho com auxílio de matriz e cunha de madeira;
  8. 8. •Extensão de conveniência das paredes vestibular,lingual egengival(determinação das paredes vestibular e lingual convergentes paraoclusal);•Regularização das paredes vestibular e lingual com o machado paraesmalte.
  9. 9. Formas de resistência e retenção• Auto-retentividade no sentido gengivo-oclusal e preservação do remanescente da crista marginal: acabamento inicial com broca 56;• Retenções adicionais da caixa proximal,nas paredes vestibular e lingual(broca n 699),estendendo-se até próximo do ângulo cavo superficial oclusal (estabilidade da restauração no sentido proximal).
  10. 10. Forma de conveniência• Expulsividade dada à parede axial;• Facilita o acabamento da cavidade e a condensação do material restaurador na região gengival;• Preparo da caixa proximal estabelecido por meio do acesso oclusal(crista marginal).Acabamento da cavidade• Acabamento inicial – broca cilíndrica lisa n 56;
  11. 11. • Eliminação das irregularidades das paredes vestibular e lingual com auxílio de um machado para esmalte - movimentos ocluso gengivais;• Acabamento da parede gengival com os recortadores de margem gengival,com movimentos vestíbulo linguais ou com o próprio machado;
  12. 12. • Planificação do esmalte do terço gengival das paredes vestibular e lingual – eliminação da definição dos ângulos diedros gengivo-vestibular e gengivo-lingual(arredondamento)*,estes devem permanecer no nível do cavo-superficial;* Quando o preparo for realizado com broca n 245,necessitará apenas um refinamento do cavo-superficial e dos ângulos diedros,pois esta broca já estabelece ângulos arredondados.
  13. 13. Instrumentos cortantes rotatórios e manuais empregados na cavidade
  14. 14. Características da cavidade• Paredes vestibular e lingual convergentes para oclusal;• Paredes vestibular e lingual formando ângulo de 90 com a superfície externa do dente;• Parede axial plana vestíbulo-lingualmente e ligeiramente expulsiva no sentido gengivo-oclusal;• Parede gengival plana e perpendicular ao eixo longitudinal do dente e formando em “dentina” ângulos agudos com as paredes vestibular e lingual;• Ângulo cavo-superficial definido e sem bisel;• Retenções adicionais em forma de canaleta estendendo-se até perto do ângulo cavo-superficial oclusal.
  15. 15. “Slot” HorizontalPreparo classe II em Segundo Pré- molarInferior Esquerdo com Acesso Vestibular.
  16. 16. Materiais e Instrumentos Necessários• Toalha plástica para bancada;• Lápis bem apontado;• Pinça clínica;• Sonda exploradora n 5;• Espelho clínico plano;• Contra-ângulo convencional;• Escova para limpeza de broca;• Porta matriz circular n 5 da Ivory com matriz de aço 5 mm;• Cunha de madeira pré-fabricada;• Mandril para disco de lixa,usado para peça de mão;• Disco de lixa de granulação grossa;• Broca para alta velocidade,cone invertido de extremo plano e arestas arredondadas n 245;• Brocas esféricas n ¼ ou n ½ e n 2,para rotação convencional;• Enxada dupla monoangulada n s. 8-9(10-4-14 e 10-4-8);• Recortador de margem gengival n 28(10-95-7-14);• Formador de ângulo n s. 18-19(9-80-4-8).
  17. 17. Técnica de Preparo “O acesso para o preparo de uma cavidade estritamente proximal pode ser conseguido por vestibular ou lingual,preservando a superfície oclusal e a crista marginal.”• Lesão cariosa em estágio inicial-acesso favorável por vestibular ou lingual;• Menor tempo para realização;• Não está sujeita aos esforços diretos;• Preserva a resistência do dente-crista marginal.
  18. 18. Forma de Contorno• Delimita-se com lápis a forma de contorno da porção vestibular;• Recomenda-se a colocação de uma matriz de aço estabilizada com porta–matriz ou uma cunha de madeira-proteção do dente vizinho;
  19. 19. • Penetração inicial com broca n 245,opcionalmente com broca 2, posicionada na região central delimitada - corte da “estrutura dentária” sem risco de deslizamento sobre a superfície do dente;• Extensão em direção à face lingual e determinação da parede axial com broca 245 e opcionalmente com broca 2;
  20. 20. • Extensão da cavidade para oclusal e gengival com a porção lateral da broca 245;• Paredes gengival e oclusal paralelas entre si e formam ângulos diedros do 1 grupo arredondados.Parede axial deve seguir a configuração correspondente da face mesial;
  21. 21. • Determinação da parede vestibular com a broca n 245,opcionalmente com broca esférica n 2.Forma de Resistência• Preservação da crista marginal mesial;
  22. 22. Forma de Conveniência• Acesso por vestibular – acesso direto à lesão cariosa e preservação da crista marginal mesial.Acabamento da Cavidade• Instrumental de corte manual – enxada monoangulada ,recortador de margem gengival n 28 e formador de ângulo;
  23. 23. • Acabamento final da parede axial com enxada monoangulada;• Acabamento das paredes gengival,oclusal e lingual com recortador de margem gengival;
  24. 24. • Acabamento da parede vestibular com enxada monoangulada.Formas de Retenção• Determinadas nos ângulos diedros gengivo e ocluso-axiais, a custas das paredes gengival e oclusal.São determinadas com formadores de ângulos ou com broca esférica n ¼ ou ½ ;
  25. 25. Instrumentos de corte rotatórios e manuais empregados no preparo
  26. 26. Características da Cavidade• Paredes circundantes formando ângulos retos com a superfície externa do dente;• Parede axial paralela à superfície mesial;• Ângulos internos arredondados;• Retenções adicionais nas paredes gengival e oclusal;• Ângulo cavo-superficial nítido e sem bisel.
  27. 27. Referência Bibliográfica• Dentística – Procedimentos Pré-clínicos- Mondelli et. al (1998).

×