Endodontia Em Dentes Deciduos

111.908 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Educação
3 comentários
80 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
111.908
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
451
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
416
Comentários
3
Gostaram
80
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Endodontia Em Dentes Deciduos

  1. 1. Tratamento endodôntico em dentes Decíduos
  2. 2. A manutenção dos dentes decíduos é a base fundamental para uma oclusão mais adequada na dentição permanente.
  3. 3. Indicações de terapia pulpar •Evitar deficiência mastigatória •Ausência de sucessor permanente •Evitar problemas fonéticos e psicológicos •Manter crescimento ósseo
  4. 4. Maior atenção em pacientes: •Alterações sistêmicas que necessitem de antibioticoterapia •Distúrbios sanguíneos •Portadores de Diabetes
  5. 5. Exame Clínico e Diagnóstico •Saber identificar a gravidade da saúde da polpa. •Conhecer as peculiaridades deste tipo de lesão em dentes decíduos: As vezes paciente tem fístula e não sabe ou não sente dor. Testes de frio ou calor não são muito usados pois a resposta nem sempre é elucidativa, assim como o teste a percussão.
  6. 6. Sensitiva Nutrição Defesa Formação Reparadora FUNÇÕES DA POLPA
  7. 7. Dentes menores e menos mineralizados Camada de esmalte com espessura constante Câmara pulpar maior e cornos pulpares acentuados Raízes delgadas ASPECTOS ANATÔMICOS DOS DENTES DECÍDUOS
  8. 8. Saúde geral do paciente Condição da dentição Tipos de restauração Cooperação que pode ser esperada Custo beneficio PONTOS QUE DEVEM SER OBSERVADOS
  9. 9. Terapia pulpar indireta Técnica: Consiste em previnir uma exposição acidental ou • Anestesia mecânica da polpa durante um • Isolamento Absoluto ato operatório da remoção da carie. • Remoção tec cariado Indicação: • Colocação de CaOH2 Dentes jovens • Observar 40/60 dias Lesão profunda Contra-indicação: exposição pulpar dor espontânea mobilidade rarefação óssea
  10. 10. Terapia pulpar Direta Técnica: Consiste na aplicação de um agente sedativo na zona • Anestesia exposta de uma polpa vital • Isolamento Absoluto para alcançar a cura e preservar a vitalidade. • Remoção tec cariado • Lavar com soro fis. • Colocação de CaOH2 • Restauração • Observar
  11. 11. Técnica de remoção da polpa coronária seguida do uso de medicamentos que procuram manter a polpa radicular em condições de saúde, permitindo que o ciclo biológico de reabsorção radicular se processe naturalmente PULPOTOMIAS
  12. 12. Materiais empregados Hidroxido de Cálcio Formocresol Pasta Guedes-Pinto Otosporim Tricresol
  13. 13. Pulpotomia • Indicações:  Dentes que apresentam exposição pulpar por cárie Em caso de pulpite em dentes com rizogêne inconpleta Dentes com amplas destruição coronária que não haja necessidade pino intracanal. Ausência de lesão apical / Fístula Exposição pulpar acidental
  14. 14. Pulpotomia • Contra-indicações quanto ao dente Dentes com dores espontânea que não cessa com analgésico. Impossibilidade de isolamento absoluto. Dente com mobilidade, fístulas e reabsorção radicular de mais de 2/3 das raízes. Quando o dente não tem possibilidade de restauração Percussão vertical positiva
  15. 15. Pulpotomia • Contra-indicações em relação ao paciente Estado de saúde debilitado do paciente
  16. 16. Pulpotomia • Vantagem: Conservação da polpa radicular com vitalidade Não traumatiza o periapice Economia de tempo (sessão única) Em casos de insucessos ainda podemos realizar a pulpectomia
  17. 17. Pulpotomia •Técnica: •Radiografia •Anestesia •Isolamento absoluto • remoção de lesão cariosa com colher de dentina • remoção da polpa coronária com cureta • hemostasia • secagem com algodão estéril • aplica-se bolinha de algodão com formocresol diluido 1/5 + 8 - 10 minutos • molhar bolinha com formocresol com soro antes de remove-la • Selamento da câmara e obturação temporária
  18. 18. Pulpotomia •Técnica: •Finalização: •OZE + CIV •CaOH2 PA + Glicerina + Cimento CAOH + CIV •GUEDES-PINTO + CIV ou OZE •MTA + CIV
  19. 19. Pulpectomia Indicações: Dentes que devem permanecer por mais de 6 meses na boca Casos de pulpites intensas Dentes sem/com vitalidade Dentes com hemorragias intensas
  20. 20. Pulpectomia Contra-indicações: Reabsorção radicular superior a 1/3 Grande destruição impedindo restauração ou isolamento Lesão de furca Lesão periapical extensa Abcesso Volumosos Pouca saúde do paciente
  21. 21. Pulpectomia •Tecnica intervensionalista e não intervencionalista •TI – para fazer a odontometria tomamos como referencia o germe do permanente dando margem de 2 a 3 mm de segurança. •Quanto a necro/bio em media 3 sessões •Irrigação (com fistula) água de Cal , (sem fistula) irrigar com dakim. •Pasta Obtudadora : OZE(3) + iodoforme(1) + eugenol(1 gota) ou Guedes-Pinto
  22. 22. Pulpectomia •Técnica •Anestesia • isolamento absoluto •Remoção câmera •biomecânica dos canais • curativo de demora •Obturação do canal

×