Marqês de Pombal e as reformas pombalinas

12.111 visualizações

Publicada em

Slide sobre o Marques de Pombal e reformas pombalinas

  • Seja o primeiro a comentar

Marqês de Pombal e as reformas pombalinas

  1. 1. Marquês de Pombal e as Reformas Pombalinas
  2. 2. Marquês de Pombal Em 1750, D. José I (1714-1777) assumia o trono de Portugal como seu novo regente. E para o cargo de primeiro-ministro, ele escolhera, Sebastião José de Carvalho e Melo (1699-1782), conde de Oeiras, conhecido mais na história pelo seu titulo nobiliárquico de Marquês de Pombal. Pombal assumiu a frente do governo do Estado português e de suas colônias, durante 1750-1777, quando o rei D. José I morre, e assume sua filha D. Maria I, a qual destituiu Pombal de seu cargo.
  3. 3. Marquês de Pombal
  4. 4. Mudanças na Administração Portuguesa A partir de 1750, a política e a administração portuguesa conheceram grandes mudanças. Por vinte e sete anos, o poder foi exercido por Sebastião José de Carvalho e MeIo, o marquês de Pombal. Fortemente influenciado pelo Iluminismo, Pombal se insere no quadro do despotismo esclarecido, Daí, uma série de medidas e reformas que acabaram por torná-lo uma figura polêmica na História portuguesa.
  5. 5. Portugal e as Reformas Pombalinas Em 1750 ocorrera em 13 de janeiro, a assinatura do Tratado de Madrid, onde Portugal e Espanha revogavam os antigos limites determinados pelo Tratado de Tordesilhas (1494). Com este novo tratado, o Brasil perdia a colônia de Sacramento no Uruguai, mas ganhava o que equivale hoje aos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de uma parte do Mato Grosso, e da Amazônia, a qual se chamava de Estado do Grão-Pará e Maranhão na época.
  6. 6. As reformas de Pombal visavam modernizar a administração da Coroa Portuguesa.
  7. 7. As Reformas Pombalinas na Colônia A atuação de Pombal eivada das práticas e enunciados iluministas revestiu-se, de certa forma, de um caráter liberal, e isso, no caso específico do Reino, centro do império português. No que se refere à colônia, a política pombalina caracterizou-se pela excessiva centralização e pelo fiscalismo.
  8. 8. Os Conflitos com a Igreja A escalada de Pombal, marcada pelo anti- clericalismo, típico do Iluminismo, teve início com a expulsão dos jesuítas de Portugal e seus domínios, onde se inclui o Brasil, em 1759. Para justificar seu ato, o ministro acusou a ordem de participar de uma tentativa de regicídio (contra o rei D. José I) e de tentar fundar no Brasil um Império Teocrático. Em 1768, para garantir a volta dos capitais da burguesia de origem judaica, ordenou a destruição da lista de réus feita pelos padres inquisidores. Com a proibição dos autos-de- fé - a morte nas fogueiras em praça pública dos condenados à pena capital -, a Inquisição era praticamente desmantelada em Portugal.
  9. 9. Sociedade A respeito da sociedade, Pombal pôs fim ao preconceito contra os cristãos-velhos e cristão novos (isso não significa que não houvesse mais preconceito) em 25 de maio de 1773. A abolição da escravidão indígena já mencionada, por outro lado a principal tentativa que ele procurou exercer fora a criação de uma nobreza-burguesa. Por outro lado, ele também visava à criação de uma nobreza e burguesia culta, por isso de se incentivar os filhos dos nobres a estudarem filosofia, medicina, direito, engenharia, ciências, et c.
  10. 10. Fim do governo Mesmo pretendendo trazer diversas melhorias para a Coroa, Pombal não conseguiu manter-se no cargo após a morte de Dom José I, em 1777. Seus opositores o acusaram de autoritarismo e de trair os interesses do governo português. Com a saída de Pombal do governo, as transformações sugeridas pelo ministro esclarecido encerraram um período de mudanças que poderiam amenizar o atraso econômico dos portugueses.
  11. 11. A "Viradeira" • Com a morte de D. José I, em 1777, Portugal passou a ser governado por D. Maria I, sua filha.D. Maria procurou anular gradativamente a política de Pombal, que, demitido, passou a ser perseguido pela rainha e seus adeptos, até sua morte alguns anos depois. • A essa política de D. Maria I, dá-se o nome de "Vira-deira", sempre associada ao Brasil colonial pelo Alvará de Proibição de Indústrias e Manufaturas, de 1785, e pela extinção das companhias de comércio, evidenciando a retomada da dominação inglesa em Portugal. • Contudo, algumas medidas da administração pombalina na foram mantidas, como, por exemplo, a participação de membros da burguesia nos negócios do Estado e os estímulos à educação e à ciência, com a criação de vários órgãos e instituições voltados para a pesquisa científica.
  12. 12. D. Maria I
  13. 13. Fatos sobre Marquês de Pombal • NOTA 1: Pombal ficou conhecido por ter empregado alguns dos seus familiares e amigos em altos cargos públicos, como exemplo o cargo de governador do Estado de Grão-Pará e Maranhão ocupado de 1751-1759 pelo seu irmão Mendonça Furtado. • NOTA 2: Pombal fora membro da Ordem de Cristo e da Maçonaria.
  14. 14. Fatos sobre Marquês de Pombal • NOTA 3: No estado da Paraíba, Brasil, existe hoje uma município chamado de Pombal, nome que herdara após se tornar vila em 1766, em homenagem ao marquês. • NOTA 4: Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes) nasceu em 12 de novembro de 1746 na Fazenda do Pombal.

×