SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Parte II - A variável Ecológica no
    Ambiente dos Negócios


                       Evanessa Lima
“Nós chegamos tardiamente à tremenda tarefa de
limpar nosso meio ambiente. Nós deveríamos ter
agido com um fervor semelhante, há pelo menos uma
década.”

                             Gerald R. Ford (1913 )
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

      A variável ecológica no ambiente dos negócios
De forma geral, os países começam a entender que as medidas de
proteção ambiental não foram inventadas para impedir o
desenvolvimento econômico.
 Muitos países têm inserido, em seus estudos de desenvolvimento,
modelos de avaliação de impacto e custo/benefícios ambientais na
análise dos projetos econômicos, que têm resultado em novas
diretrizes, regulamentações e leis na formulação de suas políticas e
na execução de seus projetos de governo.
Tal iniciativa acarreta nova visão na gestão dos recursos naturais a
qual possibilita, ao mesmo tempo, eficácia e eficiência na atividade
econômica e mantém a diversidade e a estabilidade do meio
ambiente.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                     A mola propulsora

O conceito de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, que atende às
necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as
futuras gerações atenderem às suas, é a nova palavra de ordem
desde que a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente da
Organização das Nações Unidas (ONU) publicou seu relatório, em
abril de 1987, sob a denominação de “Nosso futuro comum”, que
teve sua inspiração na 1ª Conferência das Nações Unidas sobre o
Meio Ambiente realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia, onde
o Brasil rejeitou firmemente o propósito de adoção de padrões
internacionais para proteção ambiental.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                     A mola propulsora

O relatório produzido pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente
e Desenvolvimento da Organização das Nações Unidas (ONU) não é
uma previsão de decadência, pobreza e dificuldades ambientais
cada vez maiores num mundo cada vez mais carente de recursos.
Deve ser entendido como a possibilidade do surgimento de uma
NOVA ERA DE CRESCIMENTO ECONÔMICO, que se apoie em
políticas que mantenham e expandam a base dos recursos
naturais.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                A situação na América Latina

A publicação deste documento com o aval da Organização das
Nações Unidas (ONU) teve grande mérito de fazer com que todas
as nações, desenvolvidas e subdesenvolvidas, passassem a encarar
o problema ecológico, ainda que de forma assistemática, como um
problema de capital importância tanto em nível interno, quanto em
nível externo.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                A situação na América Latina

Na América Latina, as prioridades dizem respeito às políticas de
desenvolvimento e à luta contra o subdesenvolvimento e suas
manifestações.
Tudo o que se relaciona com os recursos naturais e a qualidade do
meio ambiente é considerado como mero dado, epifenômeno da
realidade socioeconômica.
 Esse erro de enfoque tem agravado os problemas ambientais no
Novo Mundo e comprometido seriamente o próprio processo de
desenvolvimento econômico e social.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                A situação na América Latina

Os problemas no Novo Mundo são essencialmente diferentes
daqueles que afligem os países da Europa e do mundo
desenvolvido em geral.
Nossos problemas estão basicamente ligados à pobreza, à
marginalidade, ao subdesenvolvimento, à corrupção, embora
outros possam aparecer como de maior importância,
especialmente por sua sofisticação ou pelo espaço que ocupam nos
meios de comunicação.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

               A situação na América Latina

Entre os problemas ambientais mais comuns definidos
universalmente, o da poluição em sua expressão mais tradicional
ligada à industrialização, à mecanização da agricultura e ao
crescimento urbano – não é precisamente o mais dramático nos
países da América Latina, apesar de haver adquirido dimensões
apreciáveis, principalmente em países que mais avançaram no
processo de industrialização, como o Brasil ou a Argentina.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                A situação na América Latina

Diante desse quadro as possibilidades de ação dos países latino-
americanos devem-se voltar para três aspectos.

- Recuperação do meio ambiente degradado;
- Avaliação da degradação futura do meio ambiente, e
- Potencialização de recursos ambientais.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais
              A situação na América Latina
Tendo em vista os níveis pela degradação ambiental, é tarefa
prioritária a recuperação desses meios danificados, antes que se
transformem em processos irreversíveis. Entre esses, cabe
destacar:
- a degradação do solos em virtude de processos de erosão e
desertificação;
- a derrubada da floresta com todas as suas consequências;
- a poluição das águas continentais (rios, lagos, lençóis
subterrâneos);
- a poluição do solo como resultado do inadequado manejo dos
resíduos e do uso indiscriminado de fertilizantes, pesticidas e
herbicidas, e
- outras formas de poluição (atmosférica, marinha, sonora, nuclear,
etc).
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

                A situação na América Latina

O segundo nível das preocupações não diz respeito ao dano
passado, mas à PRESERVAÇÃO de degradações futuras do meio
ambiente.
Trata-se sobretudo, de realizar todo o campo das avaliações do
impacto ambiental das ações humanas presentes nos projetos de
desenvolvimento nacionais, regionais e locais, a fim de conservar
os recursos ambientais existentes, por mais baixo que sejam.
O terceiro nível das preocupações deve ser constituído pela
UTILIZAÇÃO POSITIVA do meio ambiente no processo de
desenvolvimento. Trata-se da valorização de recursos que nunca
foram     incorporados    à    atividade    econômica,     aqueles
tradicionalmente considerados inúteis.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

          Evolução da política ambiental no Brasil

No Brasil, a gestão do meio ambiente caracteriza-se pela
desarticulação dos diferentes organismos envolvidos, pela falta de
coordenação e pela escassez de recursos financeiros e humanos
para gerenciamento das questões relativas ao meio ambiente.
 Essa situação é o resultado de diferentes estratégias adotadas em
relação à questão ambiental no contexto do desenvolvimento
econômico do Brasil, como enfatiza Monteiro (1981) ao afirmar
que a economia brasileira, desde os tempos coloniais, caracterizou-
se historicamente por ciclos que enfatizam a exploração de
determinados recursos naturais.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

          Evolução da política ambiental no Brasil

AS ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO ADOTADAS desde os anos
50 também assumem essas mesmas características, ao privilegiar o
crescimento econômico de curto prazo, mediante a modernização
maciça e acelerada dos meios de produção.
  A industrialização, a implantação de grandes projetos de
infraestrutura e a exploração de recursos minerais e agropecuários
para fins de exportação fazem parte da estratégias que têm
produzido importantes impactos negativos no meio ambiente.
Isso tudo, aliado ao acelerado processo de urbanização que
ocorreu nas grandes cidades, causou profunda degradação do
ambiente urbano.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

          Evolução da política ambiental no Brasil
Especificamente em relação à poluição industrial, Monosowski
afirma que, inspirada pela 1ª Conferência das Nações Unidas sobre
o meio ambiente, a CRIAÇÃO da Secretaria Especial de Meio
Ambiente inaugurou nova fase em nosso país, onde manifesta uma
vontade política no tratamento explícito da problemática
ambiental enquanto suporte à vida e não apenas fonte de recursos.
o modelo de desenvolvimento adotado no Brasil baseado em um
INDUSTRIALIZAÇÃO RÁPIDA E CONCENTRADA, criou suas primeiras
deseconomias de escala. Estas se manifestaram pelo agravamento
de certos problemas urbanos, em especial o crescimento da
poluição industrial, a falta de saneamento e os problemas de
abastecimento de água que afetam as populações das principais
cidades do país.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

          Evolução da política ambiental no Brasil

Em consequência, esse período conhece também uma
sensibilização e uma organização do movimento social sobre as
questões ambientais, em razão da degradação das condições de
vida do meio urbano.
Privilegiaram-se, assim, um problemas (a poluição industrial), um
agente (a indústria) e uma responsabilidade de controle (Estado),
que afeta áreas limitadas, em especial as regiões metropolitanas.
Essa escolha está, sem dúvidas, ligada à existência de uma
concentração populacional importante, afetada pelo problemas e
dispondo de meios de pressão política.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Como consequência, começou a ocorrer uma mudança no
ambiente dos negócios em que as organizações atuam, através de
regulamentações e discriminações que limitam sua possibilidade
de atuação e localização e que começaram a provocar
modificações em sua própria organização produtiva.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Diante dos PROTESTOS CRESCENTES DA POPULAÇÃO contra os
riscos de desastres ecológicos ou da deterioração da qualidade de
vida, os governos locais e nacionais são pressionados a implantar
normas cada vez mais severas de proteção e conservação.
As portas do mercado e do lucro se abrem cada vez mais para as
empresas que não poluem, poluem menos ou deixam de poluir – e
não para as empresas que desprezam as questões ambientais na
tentativa de maximizar seu lucros e socializar o prejuízo.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Tradicionalmente, as exigências referentes à proteção ambiental
eram consideradas um freio ao crescimento da produção, um
obstáculo jurídico legal e demandante de grandes investimentos de
difícil recuperação e, portanto, fator de aumento dos custos de
produção.
 Começa a ficar patente que a despreocupação com os aspectos
ambientais pode traduzir-se no oposto: em aumento de custos, em
redução de lucros, perda de posição no mercado e, até, em
privação da liberdade ou cessação de atividades.
Meio ambiente e sua proteção estão se tornando oportunidades
para abrir mercados e prevenir contra restrições futuras quanto ao
acesso a mercados internacionais.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

As primeiras indústrias surgiram em uma época em que os
problemas ambientais eram de pequena expressão, em virtude das
reduzidas escala de produção e das populações comparativamente
menores e pouco concentradas.
As exigências ambientais eram poucas e a fumaça das chaminés era
um símbolo de progresso, apregoada orgulhosamente na
propaganda de diversas indústrias.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

O agravamento dos problemas ambientais alterou profundamente
este quadro, gerando um nível crescente de exigências.
A nova consciência ambiental, surgida no bojo das transformações
culturais que correram nas décadas de 60 e 70, ganhou dimensão e
situou a proteção do meio ambiente como um dos princípios mais
fundamentais do homem moderno.
Na nova cultura, a fumaça passou a ser vista como anomalia e não
mais como uma vantagem.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Assim as respostas da indústria ao novo desafio ocorrem em três
fases, muitas vezes superpostas, dependendo do grau de
conscientização da questão ambiental dentro da empresa:
-Controle ambiental nas saídas;

- Integração do controle ambiental nas práticas e processos

industriais; e
-Integração do controle ambiental na gestão administrativa.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

A primeira fase constitui-se na instalação de equipamentos de
controle da poluição nas saídas, como chaminés e redes de
esgotos, mantendo a estrutura produtiva existente.
A despeito de seu alto custo e da elevada eficiência dos
equipamentos instalados, esta solução nem sempre se mostra
eficaz, tendo seus benefícios sido frequentemente questionados
pelo público e pela própria indústria.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Essa insatisfação conduziu a uma segunda geração de respostas,
em que o controle ambiental é integrado nas práticas e processos
produtivos, deixando de ser uma atividade de controle da poluição
e passando a ser uma função da produção.
 O princípio básico passa ser o da PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO,
envolvendo a seleção das matérias primas, o desenvolvimento de
novos processos e produtos, o reaproveitamento da energia, a
reciclagem de resíduos e a integração com o meio ambiente.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Mas, as preocupações com o meio ambiente não pararam de
crescer e acabaram atingindo o próprio mercado, redesenhando-o
com o estabelecimento de um verdadeiro MERCADO VERDE, que
torna os consumidores tão temíveis quanto os órgãos de meio
ambiente.
Surgido inicialmente nos países desenvolvidos, este mercado tem
origem em consumidores satisfeitos em suas necessidades
quantitativas, e que passam a preocupar-se com o conteúdo dos
produtos e a forma como são feitos, rejeitando os que lhes
pareçam mais agressivos ao meio ambiente – nem sempre com
fundamentação e muitas vezes na esteira de campanhas
idealizadas por empresas e setores concorrentes.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial

Com isso, a proteção ao meio ambiente deixa de ser uma exigência
punida com multas e sanções e inscreve-se em um quadro de
AMEAÇAS E OPORTUNIDADES, em que as consequências passam a
poder significar posições na concorrência e a própria permanência
ou saída do mercado.
Neste quadro, afirma-se o conceito de excelência ambiental, que
avalia a indústria não só por seu desempenho produtivo e
econômico, mas também por sua performance em relação ao meio
ambiente.
Repercussões no ambiente industrial
Esta evolução levou algumas organizações a integrar o controle
ambiental em sua gestão administrativa, projetando-o nas mais
altas esferas de decisão. Atender ao presente e gerar respostas
setoriais e estanques passou a não ser suficiente; olhar o futuro,
horizontalizar a análise e planejar corporativamente passou a ser o
caminho natural.
A proteção ambiental deslocou-se uma vez mais, deixando de ser
uma função exclusiva de produção para torna-se também uma
função da administração.
Contemplada na estrutura organizacional, interferindo no
planejamento estratégico, passou a ser uma atividade importante
na organização da empresa, seja no desenvolvimento das
atividades de rotina, seja na discussão dos cenários alternativos e a
consequente análise de sua evolução, gerando políticas, metas e
planos de ação.
Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais

           Repercussões no ambiente industrial
Assim a preocupação com o meio ambiente torna-se, enfim, um
valor da empresa, explicitado publicamente como um dos objetivos
principais a ser perseguido pelas organizações.
Objetivo

Entender a mudança no ambiente de negócios com a
  inclusão da variável ecológica seu contexto global.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relação Homem-Natureza
Relação Homem-NaturezaRelação Homem-Natureza
Relação Homem-NaturezaProfCidadania1
 
O meio ambiente slides
O meio ambiente slidesO meio ambiente slides
O meio ambiente slidesSoleducador1
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicosCarolina Suisso
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Daniele Lino
 
Administração de empresas estrutura organizacional.
Administração de empresas estrutura organizacional.Administração de empresas estrutura organizacional.
Administração de empresas estrutura organizacional.Sergio Grunbaum
 
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01milkinha
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Danielguest8af68839
 
Aquisição da Linguagem
Aquisição da LinguagemAquisição da Linguagem
Aquisição da LinguagemEdson Sousa Jr.
 
bioestatística - 1 parte
bioestatística - 1 partebioestatística - 1 parte
bioestatística - 1 parteRobson Odé
 
PPT - As Preposições
PPT - As PreposiçõesPPT - As Preposições
PPT - As PreposiçõesMi Lemos
 
Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Bruno Marsilli
 
Aula 3 planos ambientais e inventários
Aula 3   planos ambientais e inventáriosAula 3   planos ambientais e inventários
Aula 3 planos ambientais e inventáriosGiovanna Ortiz
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...CBH Rio das Velhas
 
O Setor Público
O Setor PúblicoO Setor Público
O Setor PúblicoYuri Silver
 
Conscientização ambiental
Conscientização ambientalConscientização ambiental
Conscientização ambientalzilda.2007
 

Mais procurados (20)

Relação Homem-Natureza
Relação Homem-NaturezaRelação Homem-Natureza
Relação Homem-Natureza
 
O meio ambiente slides
O meio ambiente slidesO meio ambiente slides
O meio ambiente slides
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
 
Terceiro setor cláudio
Terceiro setor   cláudioTerceiro setor   cláudio
Terceiro setor cláudio
 
Administração de empresas estrutura organizacional.
Administração de empresas estrutura organizacional.Administração de empresas estrutura organizacional.
Administração de empresas estrutura organizacional.
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
 
Aquisição da Linguagem
Aquisição da LinguagemAquisição da Linguagem
Aquisição da Linguagem
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
bioestatística - 1 parte
bioestatística - 1 partebioestatística - 1 parte
bioestatística - 1 parte
 
PPT - As Preposições
PPT - As PreposiçõesPPT - As Preposições
PPT - As Preposições
 
Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)
 
Aula 3 planos ambientais e inventários
Aula 3   planos ambientais e inventáriosAula 3   planos ambientais e inventários
Aula 3 planos ambientais e inventários
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Vitor Carvalho Queiroz /...
 
O Setor Público
O Setor PúblicoO Setor Público
O Setor Público
 
Conscientização ambiental
Conscientização ambientalConscientização ambiental
Conscientização ambiental
 

Destaque

Avaliacao Economica Desafios Gestao Sus
Avaliacao Economica Desafios Gestao SusAvaliacao Economica Desafios Gestao Sus
Avaliacao Economica Desafios Gestao SusMarcelo Polacow Bisson
 
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, população
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, populaçãoAula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, população
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, populaçãoGerson Coppes
 
A economia em saúde - Eficiência no Gasto Público
A economia em saúde - Eficiência no Gasto PúblicoA economia em saúde - Eficiência no Gasto Público
A economia em saúde - Eficiência no Gasto PúblicoCONGESP
 
Economia de saúde
Economia de saúdeEconomia de saúde
Economia de saúdenilsonpazjr
 
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...Fernando Biscaia Fraga
 
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaIACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaFernando Barroso
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentarCris Godoy
 
Ambiente Organizacoes
Ambiente OrganizacoesAmbiente Organizacoes
Ambiente OrganizacoesUnipinhal
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosMarcel Gois
 
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
Geografia -  Continente Europeu: População e EconomiaGeografia -  Continente Europeu: População e Economia
Geografia - Continente Europeu: População e EconomiaAndré Luiz Marques
 

Destaque (11)

Avaliacao Economica Desafios Gestao Sus
Avaliacao Economica Desafios Gestao SusAvaliacao Economica Desafios Gestao Sus
Avaliacao Economica Desafios Gestao Sus
 
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, população
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, populaçãoAula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, população
Aula 8 - Conferências do meio ambiente, capitalismo, população
 
A economia em saúde - Eficiência no Gasto Público
A economia em saúde - Eficiência no Gasto PúblicoA economia em saúde - Eficiência no Gasto Público
A economia em saúde - Eficiência no Gasto Público
 
Economia de saúde
Economia de saúdeEconomia de saúde
Economia de saúde
 
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...
O que sabemos sobre a equidade na prestação ou no financiamento de cuidados d...
 
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaIACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
 
Origens da economia e gestão da saúde
Origens da economia e gestão da saúdeOrigens da economia e gestão da saúde
Origens da economia e gestão da saúde
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentar
 
Ambiente Organizacoes
Ambiente OrganizacoesAmbiente Organizacoes
Ambiente Organizacoes
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviços
 
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
Geografia -  Continente Europeu: População e EconomiaGeografia -  Continente Europeu: População e Economia
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
 

Semelhante a Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)

Brasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescerBrasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescerCIRINEU COSTA
 
J. c. f. lima resumo exp
J. c. f. lima   resumo expJ. c. f. lima   resumo exp
J. c. f. lima resumo expafermartins
 
O ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidadeO ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidadeAdilson P Motta Motta
 
Microeconomia e sustentabilidade
Microeconomia e sustentabilidadeMicroeconomia e sustentabilidade
Microeconomia e sustentabilidadeDaiane Lins
 
Síntese 2
Síntese 2Síntese 2
Síntese 2IJMW12G
 
A importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresasA importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresasAdriane Martins da Silva
 
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.pptSUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.pptandreferreira289855
 
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.pptSUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.pptisabellevims
 
Consciência Ecológica
Consciência Ecológica Consciência Ecológica
Consciência Ecológica Hellen Freitas
 
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentávelGestão ambiental e desenvolvimento sustentável
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentávelMayjö .
 
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.ppt
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.pptSUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.ppt
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.pptRafael Parish
 
Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00forumsustentar
 

Semelhante a Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica) (20)

Brasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescerBrasil o que fazer para crescer
Brasil o que fazer para crescer
 
J. c. f. lima resumo exp
J. c. f. lima   resumo expJ. c. f. lima   resumo exp
J. c. f. lima resumo exp
 
A Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXIA Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXI
 
34 119-3-pb
34 119-3-pb34 119-3-pb
34 119-3-pb
 
O ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidadeO ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidade
 
Microeconomia e sustentabilidade
Microeconomia e sustentabilidadeMicroeconomia e sustentabilidade
Microeconomia e sustentabilidade
 
Síntese 2
Síntese 2Síntese 2
Síntese 2
 
A importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresasA importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresas
 
Iso 14000 resumo
Iso 14000   resumoIso 14000   resumo
Iso 14000 resumo
 
Residuos solidos 1
Residuos solidos 1Residuos solidos 1
Residuos solidos 1
 
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.pptSUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-..............01.ppt
 
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.pptSUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.ppt
SUSTENTABILIDADE-EMPRESARIAL-01.ppt
 
Meioambi
MeioambiMeioambi
Meioambi
 
Consciência Ecológica
Consciência Ecológica Consciência Ecológica
Consciência Ecológica
 
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentávelGestão ambiental e desenvolvimento sustentável
Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável
 
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.ppt
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.pptSUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.ppt
SUSTENTABILIDADE e PLANEJAMENTO EMPRESARIAL.ppt
 
Gestão ambiental: uma questão estratégica
Gestão ambiental: uma questão estratégicaGestão ambiental: uma questão estratégica
Gestão ambiental: uma questão estratégica
 
Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00
 
Gestão ambiental uma questão estratégica
Gestão ambiental   uma questão estratégicaGestão ambiental   uma questão estratégica
Gestão ambiental uma questão estratégica
 
A sustentabilidade no Século XXI
A sustentabilidade no Século XXIA sustentabilidade no Século XXI
A sustentabilidade no Século XXI
 

Mais de Universidade Federal da Bahia

decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfUniversidade Federal da Bahia
 
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaNbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaUniversidade Federal da Bahia
 
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Universidade Federal da Bahia
 

Mais de Universidade Federal da Bahia (20)

decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
 
Auto Diagnostico de Seguranca
Auto Diagnostico de SegurancaAuto Diagnostico de Seguranca
Auto Diagnostico de Seguranca
 
Estudo de caso Implantação de Sassmaq
Estudo de caso Implantação de SassmaqEstudo de caso Implantação de Sassmaq
Estudo de caso Implantação de Sassmaq
 
Abiquim - Manual Sassmaq
Abiquim - Manual SassmaqAbiquim - Manual Sassmaq
Abiquim - Manual Sassmaq
 
Contrato internacional ( Gestão Portuária )
Contrato internacional   ( Gestão Portuária )Contrato internacional   ( Gestão Portuária )
Contrato internacional ( Gestão Portuária )
 
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
 
Tributação ambiental (icms -tese )
Tributação ambiental  (icms -tese )Tributação ambiental  (icms -tese )
Tributação ambiental (icms -tese )
 
Produtos perigosos
Produtos perigososProdutos perigosos
Produtos perigosos
 
Segurança quimica em laboratórios
Segurança quimica em laboratóriosSegurança quimica em laboratórios
Segurança quimica em laboratórios
 
Pte permissão para trabalhos especiais
Pte  permissão para  trabalhos especiaisPte  permissão para  trabalhos especiais
Pte permissão para trabalhos especiais
 
Manual credito rural completo-2013-2014
Manual credito rural completo-2013-2014Manual credito rural completo-2013-2014
Manual credito rural completo-2013-2014
 
Cartilha de regularizacao fundiaria
Cartilha de regularizacao fundiariaCartilha de regularizacao fundiaria
Cartilha de regularizacao fundiaria
 
Plano de-emergencia-corporativo
Plano de-emergencia-corporativo Plano de-emergencia-corporativo
Plano de-emergencia-corporativo
 
Nbr 13441 rochas e solos
Nbr 13441   rochas e solosNbr 13441   rochas e solos
Nbr 13441 rochas e solos
 
Nbr 13133 execução topgrafica
Nbr 13133 execução topgraficaNbr 13133 execução topgrafica
Nbr 13133 execução topgrafica
 
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaNbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
 
09 estudo da nr-5-comentários
09 estudo da nr-5-comentários09 estudo da nr-5-comentários
09 estudo da nr-5-comentários
 
Higiene ocupacional norma
Higiene ocupacional normaHigiene ocupacional norma
Higiene ocupacional norma
 
Abnt nbr 12807 - residuos de servicos de saude
Abnt   nbr 12807 - residuos de servicos de saudeAbnt   nbr 12807 - residuos de servicos de saude
Abnt nbr 12807 - residuos de servicos de saude
 
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
 

Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)

  • 1. Parte II - A variável Ecológica no Ambiente dos Negócios Evanessa Lima
  • 2. “Nós chegamos tardiamente à tremenda tarefa de limpar nosso meio ambiente. Nós deveríamos ter agido com um fervor semelhante, há pelo menos uma década.” Gerald R. Ford (1913 )
  • 3. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A variável ecológica no ambiente dos negócios De forma geral, os países começam a entender que as medidas de proteção ambiental não foram inventadas para impedir o desenvolvimento econômico. Muitos países têm inserido, em seus estudos de desenvolvimento, modelos de avaliação de impacto e custo/benefícios ambientais na análise dos projetos econômicos, que têm resultado em novas diretrizes, regulamentações e leis na formulação de suas políticas e na execução de seus projetos de governo. Tal iniciativa acarreta nova visão na gestão dos recursos naturais a qual possibilita, ao mesmo tempo, eficácia e eficiência na atividade econômica e mantém a diversidade e a estabilidade do meio ambiente.
  • 4. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A mola propulsora O conceito de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações atenderem às suas, é a nova palavra de ordem desde que a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente da Organização das Nações Unidas (ONU) publicou seu relatório, em abril de 1987, sob a denominação de “Nosso futuro comum”, que teve sua inspiração na 1ª Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia, onde o Brasil rejeitou firmemente o propósito de adoção de padrões internacionais para proteção ambiental.
  • 5. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A mola propulsora O relatório produzido pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da Organização das Nações Unidas (ONU) não é uma previsão de decadência, pobreza e dificuldades ambientais cada vez maiores num mundo cada vez mais carente de recursos. Deve ser entendido como a possibilidade do surgimento de uma NOVA ERA DE CRESCIMENTO ECONÔMICO, que se apoie em políticas que mantenham e expandam a base dos recursos naturais.
  • 6. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina A publicação deste documento com o aval da Organização das Nações Unidas (ONU) teve grande mérito de fazer com que todas as nações, desenvolvidas e subdesenvolvidas, passassem a encarar o problema ecológico, ainda que de forma assistemática, como um problema de capital importância tanto em nível interno, quanto em nível externo.
  • 7. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina Na América Latina, as prioridades dizem respeito às políticas de desenvolvimento e à luta contra o subdesenvolvimento e suas manifestações. Tudo o que se relaciona com os recursos naturais e a qualidade do meio ambiente é considerado como mero dado, epifenômeno da realidade socioeconômica. Esse erro de enfoque tem agravado os problemas ambientais no Novo Mundo e comprometido seriamente o próprio processo de desenvolvimento econômico e social.
  • 8. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina Os problemas no Novo Mundo são essencialmente diferentes daqueles que afligem os países da Europa e do mundo desenvolvido em geral. Nossos problemas estão basicamente ligados à pobreza, à marginalidade, ao subdesenvolvimento, à corrupção, embora outros possam aparecer como de maior importância, especialmente por sua sofisticação ou pelo espaço que ocupam nos meios de comunicação.
  • 9. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina Entre os problemas ambientais mais comuns definidos universalmente, o da poluição em sua expressão mais tradicional ligada à industrialização, à mecanização da agricultura e ao crescimento urbano – não é precisamente o mais dramático nos países da América Latina, apesar de haver adquirido dimensões apreciáveis, principalmente em países que mais avançaram no processo de industrialização, como o Brasil ou a Argentina.
  • 10. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina Diante desse quadro as possibilidades de ação dos países latino- americanos devem-se voltar para três aspectos. - Recuperação do meio ambiente degradado; - Avaliação da degradação futura do meio ambiente, e - Potencialização de recursos ambientais.
  • 11. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina Tendo em vista os níveis pela degradação ambiental, é tarefa prioritária a recuperação desses meios danificados, antes que se transformem em processos irreversíveis. Entre esses, cabe destacar: - a degradação do solos em virtude de processos de erosão e desertificação; - a derrubada da floresta com todas as suas consequências; - a poluição das águas continentais (rios, lagos, lençóis subterrâneos); - a poluição do solo como resultado do inadequado manejo dos resíduos e do uso indiscriminado de fertilizantes, pesticidas e herbicidas, e - outras formas de poluição (atmosférica, marinha, sonora, nuclear, etc).
  • 12. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais A situação na América Latina O segundo nível das preocupações não diz respeito ao dano passado, mas à PRESERVAÇÃO de degradações futuras do meio ambiente. Trata-se sobretudo, de realizar todo o campo das avaliações do impacto ambiental das ações humanas presentes nos projetos de desenvolvimento nacionais, regionais e locais, a fim de conservar os recursos ambientais existentes, por mais baixo que sejam. O terceiro nível das preocupações deve ser constituído pela UTILIZAÇÃO POSITIVA do meio ambiente no processo de desenvolvimento. Trata-se da valorização de recursos que nunca foram incorporados à atividade econômica, aqueles tradicionalmente considerados inúteis.
  • 13. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Evolução da política ambiental no Brasil No Brasil, a gestão do meio ambiente caracteriza-se pela desarticulação dos diferentes organismos envolvidos, pela falta de coordenação e pela escassez de recursos financeiros e humanos para gerenciamento das questões relativas ao meio ambiente. Essa situação é o resultado de diferentes estratégias adotadas em relação à questão ambiental no contexto do desenvolvimento econômico do Brasil, como enfatiza Monteiro (1981) ao afirmar que a economia brasileira, desde os tempos coloniais, caracterizou- se historicamente por ciclos que enfatizam a exploração de determinados recursos naturais.
  • 14. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Evolução da política ambiental no Brasil AS ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO ADOTADAS desde os anos 50 também assumem essas mesmas características, ao privilegiar o crescimento econômico de curto prazo, mediante a modernização maciça e acelerada dos meios de produção. A industrialização, a implantação de grandes projetos de infraestrutura e a exploração de recursos minerais e agropecuários para fins de exportação fazem parte da estratégias que têm produzido importantes impactos negativos no meio ambiente. Isso tudo, aliado ao acelerado processo de urbanização que ocorreu nas grandes cidades, causou profunda degradação do ambiente urbano.
  • 15. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Evolução da política ambiental no Brasil Especificamente em relação à poluição industrial, Monosowski afirma que, inspirada pela 1ª Conferência das Nações Unidas sobre o meio ambiente, a CRIAÇÃO da Secretaria Especial de Meio Ambiente inaugurou nova fase em nosso país, onde manifesta uma vontade política no tratamento explícito da problemática ambiental enquanto suporte à vida e não apenas fonte de recursos. o modelo de desenvolvimento adotado no Brasil baseado em um INDUSTRIALIZAÇÃO RÁPIDA E CONCENTRADA, criou suas primeiras deseconomias de escala. Estas se manifestaram pelo agravamento de certos problemas urbanos, em especial o crescimento da poluição industrial, a falta de saneamento e os problemas de abastecimento de água que afetam as populações das principais cidades do país.
  • 16. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Evolução da política ambiental no Brasil Em consequência, esse período conhece também uma sensibilização e uma organização do movimento social sobre as questões ambientais, em razão da degradação das condições de vida do meio urbano. Privilegiaram-se, assim, um problemas (a poluição industrial), um agente (a indústria) e uma responsabilidade de controle (Estado), que afeta áreas limitadas, em especial as regiões metropolitanas. Essa escolha está, sem dúvidas, ligada à existência de uma concentração populacional importante, afetada pelo problemas e dispondo de meios de pressão política.
  • 17. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Como consequência, começou a ocorrer uma mudança no ambiente dos negócios em que as organizações atuam, através de regulamentações e discriminações que limitam sua possibilidade de atuação e localização e que começaram a provocar modificações em sua própria organização produtiva.
  • 18. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Diante dos PROTESTOS CRESCENTES DA POPULAÇÃO contra os riscos de desastres ecológicos ou da deterioração da qualidade de vida, os governos locais e nacionais são pressionados a implantar normas cada vez mais severas de proteção e conservação. As portas do mercado e do lucro se abrem cada vez mais para as empresas que não poluem, poluem menos ou deixam de poluir – e não para as empresas que desprezam as questões ambientais na tentativa de maximizar seu lucros e socializar o prejuízo.
  • 19. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Tradicionalmente, as exigências referentes à proteção ambiental eram consideradas um freio ao crescimento da produção, um obstáculo jurídico legal e demandante de grandes investimentos de difícil recuperação e, portanto, fator de aumento dos custos de produção. Começa a ficar patente que a despreocupação com os aspectos ambientais pode traduzir-se no oposto: em aumento de custos, em redução de lucros, perda de posição no mercado e, até, em privação da liberdade ou cessação de atividades. Meio ambiente e sua proteção estão se tornando oportunidades para abrir mercados e prevenir contra restrições futuras quanto ao acesso a mercados internacionais.
  • 20. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial As primeiras indústrias surgiram em uma época em que os problemas ambientais eram de pequena expressão, em virtude das reduzidas escala de produção e das populações comparativamente menores e pouco concentradas. As exigências ambientais eram poucas e a fumaça das chaminés era um símbolo de progresso, apregoada orgulhosamente na propaganda de diversas indústrias.
  • 21. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial O agravamento dos problemas ambientais alterou profundamente este quadro, gerando um nível crescente de exigências. A nova consciência ambiental, surgida no bojo das transformações culturais que correram nas décadas de 60 e 70, ganhou dimensão e situou a proteção do meio ambiente como um dos princípios mais fundamentais do homem moderno. Na nova cultura, a fumaça passou a ser vista como anomalia e não mais como uma vantagem.
  • 22. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Assim as respostas da indústria ao novo desafio ocorrem em três fases, muitas vezes superpostas, dependendo do grau de conscientização da questão ambiental dentro da empresa: -Controle ambiental nas saídas; - Integração do controle ambiental nas práticas e processos industriais; e -Integração do controle ambiental na gestão administrativa.
  • 23. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial A primeira fase constitui-se na instalação de equipamentos de controle da poluição nas saídas, como chaminés e redes de esgotos, mantendo a estrutura produtiva existente. A despeito de seu alto custo e da elevada eficiência dos equipamentos instalados, esta solução nem sempre se mostra eficaz, tendo seus benefícios sido frequentemente questionados pelo público e pela própria indústria.
  • 24. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Essa insatisfação conduziu a uma segunda geração de respostas, em que o controle ambiental é integrado nas práticas e processos produtivos, deixando de ser uma atividade de controle da poluição e passando a ser uma função da produção. O princípio básico passa ser o da PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO, envolvendo a seleção das matérias primas, o desenvolvimento de novos processos e produtos, o reaproveitamento da energia, a reciclagem de resíduos e a integração com o meio ambiente.
  • 25. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Mas, as preocupações com o meio ambiente não pararam de crescer e acabaram atingindo o próprio mercado, redesenhando-o com o estabelecimento de um verdadeiro MERCADO VERDE, que torna os consumidores tão temíveis quanto os órgãos de meio ambiente. Surgido inicialmente nos países desenvolvidos, este mercado tem origem em consumidores satisfeitos em suas necessidades quantitativas, e que passam a preocupar-se com o conteúdo dos produtos e a forma como são feitos, rejeitando os que lhes pareçam mais agressivos ao meio ambiente – nem sempre com fundamentação e muitas vezes na esteira de campanhas idealizadas por empresas e setores concorrentes.
  • 26. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Com isso, a proteção ao meio ambiente deixa de ser uma exigência punida com multas e sanções e inscreve-se em um quadro de AMEAÇAS E OPORTUNIDADES, em que as consequências passam a poder significar posições na concorrência e a própria permanência ou saída do mercado. Neste quadro, afirma-se o conceito de excelência ambiental, que avalia a indústria não só por seu desempenho produtivo e econômico, mas também por sua performance em relação ao meio ambiente.
  • 27. Repercussões no ambiente industrial Esta evolução levou algumas organizações a integrar o controle ambiental em sua gestão administrativa, projetando-o nas mais altas esferas de decisão. Atender ao presente e gerar respostas setoriais e estanques passou a não ser suficiente; olhar o futuro, horizontalizar a análise e planejar corporativamente passou a ser o caminho natural. A proteção ambiental deslocou-se uma vez mais, deixando de ser uma função exclusiva de produção para torna-se também uma função da administração. Contemplada na estrutura organizacional, interferindo no planejamento estratégico, passou a ser uma atividade importante na organização da empresa, seja no desenvolvimento das atividades de rotina, seja na discussão dos cenários alternativos e a consequente análise de sua evolução, gerando políticas, metas e planos de ação.
  • 28. Avaliação Econômica de Recursos e Danos Ambientais Repercussões no ambiente industrial Assim a preocupação com o meio ambiente torna-se, enfim, um valor da empresa, explicitado publicamente como um dos objetivos principais a ser perseguido pelas organizações.
  • 29. Objetivo Entender a mudança no ambiente de negócios com a inclusão da variável ecológica seu contexto global.