SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Riscos e Segurança do Trabalho
Prof:Jorge Luiz
Camila Freire
Emanuel Monteiro
Jaqueline Mendonça
Vanessa Miranda
O que é um produto perigoso?
 De acordo com a Resolução ANTT nº 420/04, produto perigoso são substâncias
ou artigos encontrados na natureza ou produzidos por qualquer processo que,
por suas características físico-químicas, representem risco para a saúde das
pessoas, para a segurança pública ou para o meio ambiente.
 Um produto ou artigo é considerado perigoso para o transporte, quando o
mesmo se enquadrar numa das 9(nove) classes de produtos perigosos
estabelecidas na Resolução da ANTT nº 420/04.
 O transporte de produtos perigosos possui regulamentação estabelecida em
legislação e critérios técnicos obedecendo às diretrizes da ONU (Organização
das Nações Unidas).
FISPQ – Ficha de Informação de
Segurança de Produtos Químicos
 A FISPQ fornece informações sobre vários aspectos dos produtos químicos
(substâncias e misturas) quanto à proteção, à segurança, à saúde e ao meio
ambiente; transmitindo desta maneira, conhecimentos sobre produtos
químicos, recomendações sobre medidas de proteção e ações em situação de
emergência.
 Identificação do produto e da empresa;
 Composição química, propriedades físico-químicas;
 Identificação de Perigos;
 Medidas de Primeiros Socorros;
 Medidas de combate a incêndio;
 Medidas de Controle de Vazamento e Derramamento;
 Manuseio e Armazenamento;
 Controle de Exposição e Proteção Individual;
 Informações Toxicológicas e informações ecológicas entre outras informações;
Modelo de FISPQ
Ficha de Emergência utilizada em
Modal rodoviário
Materiais Radioativos
Classe 7 – Materiais Radioativos
Para efeito de classificação e transporte dos materiais radioativos,
incluíndo aqueles considerados como rejeito radioativo, consultar a Comissão
Nacional de Energia Nuclear–CNEN. -NE-5.01 e normas complementares a
esta) estabelecem requisitos de radioproteção e segurança, a fim de que seja
garantido um nível adequado de controle da eventual exposição de pessoas,
bens e meio ambiente à radiação ionizante.
• A radioatividade é uma energia invisível, é capaz de penetrar em vários tipos de
materiais e até mesmo o corpo humano, ocasionando doenças muito graves e
podendo levar à morte.
• As consequências nocivas dependem da dose, do tempo de exposição e do
tipo de radiação.Ex: Alfa, beta, gama e raios x.
Armazenamento e Transporte de
Materiais Radioativos
 Não se deve aproximar de materiais radioativos que não estejam devidamente
blindados.Os materiais radioativos são muito bem acondicionados em embalagens
normalmente blindadas, que possuem paredes ou coberturas de materiais que
absorvem radiação ou atenuam ou impedem sua passagem. Acidentes com esses
materiais podem contaminar objetos de todo tipo, além do meio ambiente,
ocasionando consequências desastrosas.
Observações
 Minimizar o tempo de manuseio e operar tão rápido quanto praticável para reduzir a
exposição à fonte de radiação;
 Enclausuramento do processo e utilizado de EPI adequado para o risco da atividade;
 Armazenamento em local isolado da circulação de pessoas;
 Seguir as normas vigentes quanto à monitoração e exposição à radiação.
 O manuseio de rotina destes materiais pode requerer o uso de dosímetros
individuais;
Materiais Radioativos
Transporte de Materiais
Radioativos
Materiais Corrosivos
Classe 8 – Substâncias Corrosivas
Estas substâncias apresentam uma alta taxa de corrosão aos materiais, inclusive o aço, e,
evidentemente, tais materiais são capazes de provocar danos também aos tecidos humanos e
quando o efeito corrosivo atinge tecidos vivos, é em geral designado por queimadura quimica
.As substâncias corrosivas colocam sérios riscos para a saúde das pessoas, incluindo danos nos
olhos, pele e outros tecidos, podendo a inalação ou a ingestão afectar o trato respiratório ou o
trato gastrointestinal. As queimaduras químicas são frequentemente fatais.
Basicamente, existem dois grupos principais de substâncias químicas que apresentam essas
propriedades, ou seja, as substâncias ácidas, também denominadas ácidos e as
substâncias alcalinas, também denominadas bases:
• ácidos: são substâncias químicas que, em contato com a água, liberam íons H+,
provocando alterações de pH, na faixa de 0 (zero) a 7 (sete);
• bases: são substâncias químicas que, em contato com a água, liberam íons OH-,provocando
alterações de pH, na faixa de 7 (sete) a 14 (catorze).
Como exemplo de substâncias desta classe de risco, pode-se citar o ácido clorídrico, o
ácido nítrico, o ácido sulfúrico, o hidróxido de sódio e o hidróxido de potássio, entre
outros. Muitas das substâncias pertencentes a esta classe de risco reagem com a maioria dos
metais, gerando hidrogênio, o qual é um gás inflamável, acarretando, assim, um risco
adicional.
Certas substâncias também apresentam, como risco subsidiário, um alto poder
oxidante,enquanto que outras podem reagir vigorosamente com a água ou com outros
materiais,como por exemplo, os compostos orgânicos. O contato dessas substâncias com a
pele e com os olhos pode causar severas queimaduras, motivo pelo qual, sempre deverão ser
utilizados equipamentos de proteção individual compatíveis com o produto envolvido.
Durante as operações envolvendo substâncias corrosivas, o monitoramento ambiental pode
ser realizado, de acordo com as substâncias envolvidas, por meio de diversos parâmetros,
dentre os quais vale destacar, as medições de pH e da condutividade. Nas ocorrências,
envolvendo substâncias ácidas ou alcalinas que atinjam corpos d'água, uma maior ou menor
variação do pH natural da água poderá ocorrer, dependendo de diversos fatores, como por
exemplo: a concentração e a quantidade da substância vazada e as características do corpo
d'água atingido, entre outras. Um dos métodos, que pode ser aplicado em campo para a
redução dos riscos, é a neutralização da substância química derramada. Esta técnica consiste
na adição de uma outra substância química, de modo a levar o pH da água próximo ao natural.
No caso dos ácidos, as substâncias comumente utilizadas para a neutralização são
barrilha e cal hidratada, ambas com características alcalinas. A utilização da cal virgem
não é recomendada, apesar da mesma ser alcalina, uma vez que a sua reação com ácidos é
extremamente vigorosa.
Antes que a neutralização seja efetuada, deverá ser recolhida a maior quantidade possível
do produto químico derramado, de modo a se evitar o excessivo consumo da substância
neutralizante e, consequentemente, a geração de grande quantidade de resíduos. Os resíduos
provenientes da operação de neutralização deverão ser totalmente recolhidos, removidos e
dispostos, de forma e em locais adequados.
Como dito anteriormente, a neutralização é apenas uma das técnicas que podem ser
utilizadas para a redução dos riscos nas ocorrências envolvendo substâncias corrosivas.
Outras técnicas, tais como absorção, remoção e diluição, deverão, também, ser consideradas,
de acordo com o cenário apresentado. Desta forma, a seleção do método mais adequado a ser
utilizado na operação deve sempre levar em consideração os aspectos de segurança e de
proteção ambiental. No caso de se optar pela neutralização da substância, deve-se considerar
que a operação consiste, basicamente, no lançamento de outra substância química no
ambiente já contaminado, e que, portanto, também poderão ocorrer outras reações químicas,
paralelas àquela necessária para a neutralização.
Outro aspecto a ser ponderado, é a característica do corpo d'água, o que, às vezes, direciona
os trabalhos de campo para o monitoramento do mesmo, de forma a se aguardar uma diluição
natural do produto. Esses casos, normalmente, ocorrem em águas correntes, onde o controle
da situação é mais difícil, devido à mobilidade da substância no meio.
Se, durante a neutralização, ocorrer um descontrole, poder-se-á ter uma inversão brusca na
escala do pH, o que ocasionará efeitos muito mais danosos aos ecossistemas que resistiram à
primeira variação do pH. De modo geral, nos corpos d'água onde exista a presença de vida, não
é aconselhável o lançamento de substâncias químicas sem o acompanhamento de especialistas.
Durante as reações de neutralização, quanto mais concentrada estiver a substância
derramada, maior será a liberação de energia, em forma de calor, além da possibilidade de
ocorrência de respingos, motivo pelo qual, cabe reforçar, a necessidade de os técnicos
envolvidos nas ações utilizarem roupas de proteção química adequadas, durante a realização
destas atividades.
Pictograma padronizado (símbolo de risco C – o símbolo de ácido activo ) utilizado na União Europeia
para assinalar produtos corrosivos ou cáusticos
Classificação: Estes produtos químicos causam destruição de tecidos vivos e/ou materiais inertes.
Precaução: Não inalar e evitar o contato com a pele, olhos e roupas.
Pictograma utilizado nos Estados Unidos da América e noutros países para assinalar veículos e
contentores transportando produtos corrosivos (DOT Corrosive Label).
•Ácido Clorídrico (HCl)
O HCl impuro é comercializado com o nome de ácido muriático e é um reagente muito usado
na indústria e no laboratório. É utilizado principalmente na limpeza de pisos ou de superfíceis
metálicas antes da soldagem(decapagem).
O HCl encontra-se presente no estômago, no suco gástrico, conferindo a ele um pH adequado
para a acção das enzimas digestivas gástricas.
•Ácido Fluorídrico (HF)
O HF tem a propriedade de corroer o vidro; por isso, é usado para fazer gravações em vidros e
cristais.
Ácidos mais conhecidos
•Ácido Sulfúrico (H2SO4)
É o ácido mais importante na indústria e no laboratório.É utilizado nas baterias de
automóvel, é consumido em enormes quantidades em inúmeros processos industriais, como
processos da indústria petroquímica, na fabricação de corantes, tintas, explosivos e papel.
É tambem usado na indústria de fertilizantes agrícolas, permitindo a fabricação de produtos
como os fosfatos e o sulfato de amónio.
O ácido sulfúrico concentrado é um dos desidratantes mais enérgicos. Assim, ele carboniza
os hidratos de carbono como os açúcares, amido e celulose; a carbonização é devido à
desidratação desses materiais; O ácido sulfúrico "destrói" o papel, o tecido de algodão, a
madeira, o açúcar e outros materiais devido à sua enérgica ação desidratante.; O ácido
sulfúrico concentrado tem ação corrosiva sobre os tecidos dos organismos vivos também
devido à sua ação desidratante. Produz sérias queimaduras na pele. Por isso, é necessário
extremo cuidado ao manusear esse ácido; As chuvas ácidas em ambiente poluídos com
dióxido de enxofre contêm H2SO4 e causam grande impacto ambiental.
•Ácido Nítrico (HNO3)
Depois do ácido sulfúrico, é o ácido mais fabricado e mais consumido na indústria.É usado na
fabricação de explosivos como o trinitrotolueno (TNT) e a nitroglicerina (dinamite); é muito
útil para a indústria de fertilizantes agrícolas, permitindo a obtenção do salitre. O ácido
nítrico concentrado é um líquido muito volátil; seus vapores são muito tóxicos. É um ácido
muito corrosivo e, assim como o ácido sulfúrico, é necessário muito cuidado para manuseá-
lo.
•Ácido Cianídrico (HCN)
Ácido utilizado em indústrias diversas, como nas de plásticos, acrílicos e corantes, entre outras.
Mas ele tem também um destino sinistro: nos Estados Unidos, foi usado nas "câmaras de gás"
para executar pessoas condenadas à morte.
•Ácido fosfórico (H3PO4)
Os seus sais (fosfatos) têm grande aplicação como fertilizantes na agricultura; É usado como
aditivo em alguns refrigerantes.
• Ácido carbónico (H2CO3)
É o ácido das águas minerais gaseificadas e dos refrigerantes. Forma-se na reacção do dióxido
de carbono com a água:
CO2 + H2O -> H2CO3
Principais Bases
As bases, segundo o conceito de Arrhenius, são aquelas substâncias que, em solução aquosa,
sofrem dissociação, liberando como único ânion a hidroxila (OH-).
No nosso cotidiano, existem várias bases com importantes aplicações. A seguir veremos as
principais delas:
•Hidróxido de sódio (NaOH):
Essa base é conhecida comercialmente como soda cáustica, pois pode corroer e destruir os
tecidos vivos, causando queimaduras graves na pele. Por isso, é muito utilizada em limpezas
pesadas e em produtos para desentupir pias e ralos, mas seu uso deve ser feito com luvas
apropriadas.
É sólida à temperatura ambiente, branca, cristalina, de ponto de fusão 318 ºC, bastante
solúvel em água e é uma substância deliquescente, o que significa que ela é higroscópica,
pois absorve água do meio ambiente e com o tempo pode se tornar um líquido incolor.
Ela reage lentamente com o vidro, sendo guardada em frascos de plástico. Sua principal
aplicação é na produção de sabões – conseguida a partir de sua reação com gorduras e óleos,
como o sebo animal.
O hidróxido de sódio também é usado pela indústria petroquímica em uma das etapas da
fabricação de papel, celulose, tecidos, corantes e produtos de uso doméstico.
• Hidróxido de cálcio (Ca(OH)2):
Sólido branco, pouco solúvel em água, também chamado de cal hidratada, cal extinta ou
cal apagada, porque sua preparação se dá pela hidratação do óxido de cálcio (CaO), que é
conhecido como cal virgem ou cal viva.
Quando essa substância é misturada com água, ela é chamada de leite de cal ou água de
cal.
A cal é aplicada principalmente em construções, na preparação de argamassa para assentar
tijolos, para recobrir paredes e na pintura de paredes (caiação). Outros usos são em
inseticidas, fungicidas e no tratamento de águas e esgotos.
• Hidróxido de magnésio (Mg(OH)2):
O hidróxido de magnésio também é um sólido branco, pouco solúvel em água. A sua
principal aplicação se dá na forma de leite de magnésia, que é usado como laxante e
antiácido e é conseguido misturando-se o hidróxido de cálcio em água numa proporção de
7% em massa.
•Hidróxido de amônio (NH4OH):
É obtido ao se borbulhar amônia (NH3) em água, conforme a reação abaixo:
NH3 + H2O ↔ NH4
+
(aq) + OH-
(aq)
Assim, não existe uma substância hidróxido de amônio, mas sim soluções aquosas de amônia
interagindo com a água, originando os íons amônio (NH4
+ ) e hidróxido (OH-).
O hidróxido de amônio é conhecido comercialmente por amoníaco, sendo muito utilizado na
produção de ácido nítrico para a produção de fertilizantes e explosivos.
Ele também é usado em limpeza doméstica, na produção de compostos orgânicos e como gás de
refrigeração.
Corrosão
A corrosão consiste na deterioração dos materiais pela ação química ou
eletroquímica do meio, podendo estar ou não associado a esforços mecânicos.
A corrosão pode incidir sobre diversos tipos de materiais, sejam metálicos como os
aços ou as ligas de cobre, por exemplo, ou não metálicos, como plásticos,
cerâmicas ou concreto.
A ênfase aqui descrita será sobre a corrosão dos materiais metálicos. Esta corrosão
é denominada corrosão metálica.
CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE CORROSÃO
Dependendo do tipo de ação do meio corrosivo sobre o material, os processos corrosivos
podem ser classificados em dois grandes grupos, abrangendo todos os casos deterioração por
corrosão:
-Corrosão Eletroquímica
-Corrosão Química.
•Os processos de corrosão eletroquímica são mais freqüentes na natureza e se caracterizam
basicamente por:
-Necessariamente na presença de água no estado líquido;
-Temperaturas abaixo do ponto de orvalho da água, sendo a grande maioria na
temperatura ambiente;
-Formação de uma pilha ou célula de corrosão, com a circulação de elétrons na
superfície metálica.
• Os processos de corrosão química são, por vezes, denominados corrosão ou oxidação em
altas temperaturas.
Estes processos são menos freqüentes na natureza, envolvendo operações onde as
temperaturas são elevadas.
- ausência da água líquida;
-temperaturas, em geral, elevadas, sempre acima do ponto de orvalho da água;
-interação direta entre o metal e o meio corrosivo.
Impactos ambientais em casos de
acidente
Os produtos corrosivos causam severos impactos aos corpos
d’água,razão pela qual, sempre que é possível, é recomendável que seja
realizada a contenção do produto.Caso um corpo d’água seja atingido
por substâncias corrosivas, poderá ocorrer a mortandade de peixes bem
como a paralisação do uso por indústrias,população ribeirinha e
estações de captação de água para cosumo público.
Substâncias Perigosas
Diversas
Classe 9 - Substâncias Perigosas
Diversas
 Esta classe engloba os produtos que apresentam riscos não abrangidos
pelas demais classes de risco.Nessa classe encontram-se os produtos que
oferecem elevados riscos de contaminação ambiental.Ex. de produtos desta
classe são: óleos combustíveis, poliestireno granulado, dióxido de carbono
sólido (gelo seco), amianto azul, baterias de lítio e etc.
 2.9.1.2 Microorganismo e organismo geneticamente modificados são
aqueles cujo material genético tenha sido deliberadamente modificado por
meio de engenharia genética de uma forma que não ocorra naturalmente.
 2.9.2 Alocação na classe 9
 2.9.2.1 Inclui-se à classe 9, entre outros:
 a) Substâncias que apresentam risco para o meio ambiente;
 b) Substâncias a temperaturas elevadas, transportadas ou oferecidas para
transporte, em estado líquido a temperaturas iguais ou superiores a 100ºC,
devem ser alocadas no nº ONU 3257; ou em estado sólido a temperaturas
iguais ou superiores a 240ºC, devem ser alocadas no nºONU3258;
Classe 9 - Substâncias Perigosas
Diversas
 c) Microorganismos ou organismos geneticamente modificados que não se
enquadrem na definição de substâncias infectantes, mas que sejam capazes
de provocar alterações que normalmente não seriam resultantes de
reprodução natural em animais, plantas ou substâncias microbiológicas
devem ser alocados no nº ONU 3245;
 Microorganismos ou organismos geneticamente modificados não estão
sujeitos a este Regulamento, se o uso dos mesmos forem autorizados pelas
autoridades competentes Governamentais dos países de origem, trânsito e
destino;
 2.9.2.2 Substâncias que apresentem risco para o meio ambiente, em estado
sólido ou líquido, transportadas sob os nºs ONU 3077 e 3082
respectivamente, são aquelas consideradas poluentes aquáticos conforme
os critérios de ecotoxidade.
 2.9.3 É de responsabilidade do fabricante e, ou do expedidor, orientado
pelo fabricante, a classificação dos produtos como pertencentes à Classe 9,
desde que não se enquadrem em qualquer outra classe de risco.
Exemplos de Produtos da Classe 9
PAE – Plano de Atendimento
Emergencial
• O Plano de Atendimento Emergencial tem como objetivo,
estabelecer medidas de prevenção para possíveis acidentes e
incidentes que o empreendimento esteja sujeito. Define os
procedimentos necessários para a atuação em caso de urgência ou
emergência através do treinamento de seus empregados envolvidos
que fazem parte da Brigada de Emergência.
• O procedimento para atendimento às emergências é definido
conforme as características do empreendimento. Nesta etapa são
levantadas várias informações do empreendimento a fim de
informar para toda a população fixa os recursos disponíveis e
procedimentos para combater e evacuar a área que se encontra em
emergência.
PAE – Plano de Atendimento
Emergencial
Objetivo
• Proporcionar aos colaboradores preparação para uma resposta rápida,
eficiente e segura em situações de emergência.As prioridades que são
seguidas em uma emergência são:
• Salvaguardar a vida das pessoas;
• O cumprimento das leis e normas vigentes;
• A segurança e o bem estar da população e dos colaboradores;
• Proteger o meio ambiente;
• A continuidade das operações e a manutenção das instalações;
• A reputação e a imagem da empresa e de seus acionistas;
Considerações Finais
Tomando por base um PGR, podem ser definidos os meios necessários para a
efetivação de uma Gestão Ambiental voltada aos acidentes ambientais com produtos
perigosos.Importante frisar que um amplo levantamento dos recursos humanos e
materiais disponíveis nos municípios localizado ao longo das rodovias,serve de base para
a efetivação de medidas conjuntas e parcerias voltadas a procedimentos específicos.
As ações conjuntas e cooperativas devem estar alicerçadas em compromissos
firmados entre o DER/SP e as instituições públicas e privadas da região, de forma
as competências, responsabilidades e formas de atuação de cada uma das partes
envolvidas estejam previamente definidas.
Um sistema eficiente de comunicações e informações sobre produtos químicos permite o
repasse de informações precisas,assim como a rápida mobilização de recursos para as ações
de resposta.
Considerações Finais
 A visão estratégica do gerenciamento de riscos objetiva prevenir e evitar que o
desconhecimento, despreparo, improvisação e falta de capacidade técnica para
atuar contribuam para o agravamento dos impactos ambientais, sociais e
econômicos gerados por acidentes dessa natureza.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADORobson Peixoto
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Gil Mendes
 
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11GAC CURSOS ONLINE
 
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência AmbientalCheck List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência AmbientalIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910Alexandre Rosa Oliveira
 
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...MAURICIO WILLIAM
 
Produtos Químicos
Produtos QuímicosProdutos Químicos
Produtos QuímicosHacker32
 
treinamento_prod_quimicos 02.ppt
treinamento_prod_quimicos 02.ppttreinamento_prod_quimicos 02.ppt
treinamento_prod_quimicos 02.pptclaudia886909
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Ane Costa
 
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos PerigososManual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos Perigososautonomo
 
19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigososHomero Alves de Lima
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docInaraSantos12
 
Apresentação Produtos Perigosos completa.ppt
Apresentação Produtos Perigosos completa.pptApresentação Produtos Perigosos completa.ppt
Apresentação Produtos Perigosos completa.pptCristian Briet
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo Iemanueltstegeon
 

Mais procurados (20)

Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
 
Nr 34
Nr 34Nr 34
Nr 34
 
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11
Curso Operador de Ponte Rolante e Talhas - Reciclagem - NR-11
 
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência AmbientalCheck List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
 
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910
Segurananomanuseiodeprodutosquimicos 170218130910
 
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
 
Prova de brigada de incêndio
Prova de brigada de incêndio   Prova de brigada de incêndio
Prova de brigada de incêndio
 
Produtos Químicos
Produtos QuímicosProdutos Químicos
Produtos Químicos
 
treinamento_prod_quimicos 02.ppt
treinamento_prod_quimicos 02.ppttreinamento_prod_quimicos 02.ppt
treinamento_prod_quimicos 02.ppt
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas
 
Avaliação nr33
Avaliação nr33Avaliação nr33
Avaliação nr33
 
Manual de produtos perigosos
Manual de produtos perigososManual de produtos perigosos
Manual de produtos perigosos
 
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos PerigososManual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
 
19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos
 
Modelo do meu trabalho
Modelo do meu trabalhoModelo do meu trabalho
Modelo do meu trabalho
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
 
Apresentação Produtos Perigosos completa.ppt
Apresentação Produtos Perigosos completa.pptApresentação Produtos Perigosos completa.ppt
Apresentação Produtos Perigosos completa.ppt
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 

Destaque

01 fispq - acido cloridrico
01   fispq - acido cloridrico01   fispq - acido cloridrico
01 fispq - acido cloridricoJanaína Pereira
 
Fispq p4576 g.pdf monóxido de carbono (co)
Fispq p4576 g.pdf  monóxido de carbono (co)Fispq p4576 g.pdf  monóxido de carbono (co)
Fispq p4576 g.pdf monóxido de carbono (co)edsonbasto
 
Fispq gesso revestimento ingenor
Fispq   gesso revestimento ingenorFispq   gesso revestimento ingenor
Fispq gesso revestimento ingenoringenor
 
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigosos
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigososManual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigosos
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigososFrancisco Pontes
 
Ficha de informacao de seguranca de produto quimico
Ficha de informacao de seguranca de produto quimicoFicha de informacao de seguranca de produto quimico
Ficha de informacao de seguranca de produto quimicoRaylson Rabelo
 
Aula 04 armazenagem de produtos perigosos
Aula 04   armazenagem de produtos perigososAula 04   armazenagem de produtos perigosos
Aula 04 armazenagem de produtos perigososAdilson Paradella
 
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa friaNRFACIL www.nrfacil.com.br
 

Destaque (13)

Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
FISPQ Acetileno
FISPQ AcetilenoFISPQ Acetileno
FISPQ Acetileno
 
Contrato internacional ( Gestão Portuária )
Contrato internacional   ( Gestão Portuária )Contrato internacional   ( Gestão Portuária )
Contrato internacional ( Gestão Portuária )
 
01 fispq - acido cloridrico
01   fispq - acido cloridrico01   fispq - acido cloridrico
01 fispq - acido cloridrico
 
256
256256
256
 
Fispq p4576 g.pdf monóxido de carbono (co)
Fispq p4576 g.pdf  monóxido de carbono (co)Fispq p4576 g.pdf  monóxido de carbono (co)
Fispq p4576 g.pdf monóxido de carbono (co)
 
Fispq gesso revestimento ingenor
Fispq   gesso revestimento ingenorFispq   gesso revestimento ingenor
Fispq gesso revestimento ingenor
 
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigosos
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigososManual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigosos
Manual de procedimentos transporte rodoviário d eprodutos perigosos
 
Auto Diagnostico de Seguranca
Auto Diagnostico de SegurancaAuto Diagnostico de Seguranca
Auto Diagnostico de Seguranca
 
Ficha de informacao de seguranca de produto quimico
Ficha de informacao de seguranca de produto quimicoFicha de informacao de seguranca de produto quimico
Ficha de informacao de seguranca de produto quimico
 
Segurança quimica em laboratórios
Segurança quimica em laboratóriosSegurança quimica em laboratórios
Segurança quimica em laboratórios
 
Aula 04 armazenagem de produtos perigosos
Aula 04   armazenagem de produtos perigososAula 04   armazenagem de produtos perigosos
Aula 04 armazenagem de produtos perigosos
 
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
 

Semelhante a Riscos de materiais perigosos

Acidentes com agentes químicos
Acidentes com agentes químicosAcidentes com agentes químicos
Acidentes com agentes químicosPedro B. Sousa
 
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdf
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdfsegurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdf
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdfCarlaPatriciaSampaio
 
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptx
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptxsegurança no manuseio de produtos quimicos.pptx
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptxIsaiasSantos85
 
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdf
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdfSegurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdf
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdfrille17
 
Prod. quimicos
Prod. quimicosProd. quimicos
Prod. quimicosHacker32
 
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosAula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosIFMT - Pontes e Lacerda
 
aula de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias
 aula  de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias aula  de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias
aula de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultoriaslabonderomeu
 
Noções gerais de segurança num laboratório
Noções gerais de segurança num laboratórioNoções gerais de segurança num laboratório
Noções gerais de segurança num laboratóriocmdantasba
 
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.ppt
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.pptTREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.ppt
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.pptPauloDeSousa22
 
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.ppt
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.pptApresentação de Manuseio de Produtos Químicos.ppt
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.pptAmauri Colombo
 
treinamento_prod_quimicos (1).ppt
treinamento_prod_quimicos (1).ppttreinamento_prod_quimicos (1).ppt
treinamento_prod_quimicos (1).pptsesmtkapazi
 
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.pptManuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.ppthenriquemagalhaes11
 
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.pptManuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.pptcfrseg
 
manuseio de produtos quimicos ssmt editv
manuseio de produtos quimicos ssmt editvmanuseio de produtos quimicos ssmt editv
manuseio de produtos quimicos ssmt editvKarinaSouza616883
 
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptManuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptVilsonBernardoStollm
 
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.pptSidnildoCastro1
 
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.pptjoseleandrocustodio
 

Semelhante a Riscos de materiais perigosos (20)

Acidentes com agentes químicos
Acidentes com agentes químicosAcidentes com agentes químicos
Acidentes com agentes químicos
 
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdf
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdfsegurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdf
segurananomanuseiodeprodutosquimicos-170218130910.pdf
 
1
11
1
 
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptx
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptxsegurança no manuseio de produtos quimicos.pptx
segurança no manuseio de produtos quimicos.pptx
 
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdf
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdfSegurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdf
Segurança no Manuseio de Produtos Quimicos_230427_150246.pdf
 
treinamento-produtos-quimicos.pdf
treinamento-produtos-quimicos.pdftreinamento-produtos-quimicos.pdf
treinamento-produtos-quimicos.pdf
 
Prod. quimicos
Prod. quimicosProd. quimicos
Prod. quimicos
 
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosAula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
 
aula de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias
 aula  de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias aula  de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias
aula de Produtos perigosos/labonde e romeu treinamentos e consultorias
 
Noções gerais de segurança num laboratório
Noções gerais de segurança num laboratórioNoções gerais de segurança num laboratório
Noções gerais de segurança num laboratório
 
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.ppt
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.pptTREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.ppt
TREINAMENTO MANUSEIO de Químicos.ppt
 
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.ppt
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.pptApresentação de Manuseio de Produtos Químicos.ppt
Apresentação de Manuseio de Produtos Químicos.ppt
 
treinamento_prod_quimicos (1).ppt
treinamento_prod_quimicos (1).ppttreinamento_prod_quimicos (1).ppt
treinamento_prod_quimicos (1).ppt
 
treinamento_prod_quimicos.ppt
treinamento_prod_quimicos.ppttreinamento_prod_quimicos.ppt
treinamento_prod_quimicos.ppt
 
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.pptManuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
 
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.pptManuseio de Produtos Quimicos.ppt
Manuseio de Produtos Quimicos.ppt
 
manuseio de produtos quimicos ssmt editv
manuseio de produtos quimicos ssmt editvmanuseio de produtos quimicos ssmt editv
manuseio de produtos quimicos ssmt editv
 
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.pptManuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
Manuseio-de-Produtos-Quimicos_94d7ebdc92b14a72ad18614532e446ab.ppt
 
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
 
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
16092340-TREINAMENTO-PRODUTOS-QUIMICOS.ppt
 

Mais de Universidade Federal da Bahia

decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfUniversidade Federal da Bahia
 
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaNbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaUniversidade Federal da Bahia
 
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)Universidade Federal da Bahia
 
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Universidade Federal da Bahia
 
Nbr 15514 2007 área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...
Nbr 15514 2007   área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...Nbr 15514 2007   área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...
Nbr 15514 2007 área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...Universidade Federal da Bahia
 

Mais de Universidade Federal da Bahia (18)

decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
 
Estudo de caso Implantação de Sassmaq
Estudo de caso Implantação de SassmaqEstudo de caso Implantação de Sassmaq
Estudo de caso Implantação de Sassmaq
 
Abiquim - Manual Sassmaq
Abiquim - Manual SassmaqAbiquim - Manual Sassmaq
Abiquim - Manual Sassmaq
 
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
Recursos Hidricos ( Pós Graduação)
 
Tributação ambiental (icms -tese )
Tributação ambiental  (icms -tese )Tributação ambiental  (icms -tese )
Tributação ambiental (icms -tese )
 
Pte permissão para trabalhos especiais
Pte  permissão para  trabalhos especiaisPte  permissão para  trabalhos especiais
Pte permissão para trabalhos especiais
 
Manual credito rural completo-2013-2014
Manual credito rural completo-2013-2014Manual credito rural completo-2013-2014
Manual credito rural completo-2013-2014
 
Cartilha de regularizacao fundiaria
Cartilha de regularizacao fundiariaCartilha de regularizacao fundiaria
Cartilha de regularizacao fundiaria
 
Plano de-emergencia-corporativo
Plano de-emergencia-corporativo Plano de-emergencia-corporativo
Plano de-emergencia-corporativo
 
Nbr 13441 rochas e solos
Nbr 13441   rochas e solosNbr 13441   rochas e solos
Nbr 13441 rochas e solos
 
Nbr 13133 execução topgrafica
Nbr 13133 execução topgraficaNbr 13133 execução topgrafica
Nbr 13133 execução topgrafica
 
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquiteturaNbr 06492 representação de projetos de arquitetura
Nbr 06492 representação de projetos de arquitetura
 
09 estudo da nr-5-comentários
09 estudo da nr-5-comentários09 estudo da nr-5-comentários
09 estudo da nr-5-comentários
 
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)
Avaliação economica de recursos e danos ambientais ( variavel ecologica)
 
Higiene ocupacional norma
Higiene ocupacional normaHigiene ocupacional norma
Higiene ocupacional norma
 
Abnt nbr 12807 - residuos de servicos de saude
Abnt   nbr 12807 - residuos de servicos de saudeAbnt   nbr 12807 - residuos de servicos de saude
Abnt nbr 12807 - residuos de servicos de saude
 
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...Nbr 8419 nb 843   apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
Nbr 8419 nb 843 apresentacao de projetos de aterros sanitarios de residuos ...
 
Nbr 15514 2007 área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...
Nbr 15514 2007   área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...Nbr 15514 2007   área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...
Nbr 15514 2007 área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás l...
 

Riscos de materiais perigosos

  • 1. Riscos e Segurança do Trabalho Prof:Jorge Luiz Camila Freire Emanuel Monteiro Jaqueline Mendonça Vanessa Miranda
  • 2. O que é um produto perigoso?  De acordo com a Resolução ANTT nº 420/04, produto perigoso são substâncias ou artigos encontrados na natureza ou produzidos por qualquer processo que, por suas características físico-químicas, representem risco para a saúde das pessoas, para a segurança pública ou para o meio ambiente.  Um produto ou artigo é considerado perigoso para o transporte, quando o mesmo se enquadrar numa das 9(nove) classes de produtos perigosos estabelecidas na Resolução da ANTT nº 420/04.  O transporte de produtos perigosos possui regulamentação estabelecida em legislação e critérios técnicos obedecendo às diretrizes da ONU (Organização das Nações Unidas).
  • 3. FISPQ – Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos  A FISPQ fornece informações sobre vários aspectos dos produtos químicos (substâncias e misturas) quanto à proteção, à segurança, à saúde e ao meio ambiente; transmitindo desta maneira, conhecimentos sobre produtos químicos, recomendações sobre medidas de proteção e ações em situação de emergência.  Identificação do produto e da empresa;  Composição química, propriedades físico-químicas;  Identificação de Perigos;  Medidas de Primeiros Socorros;  Medidas de combate a incêndio;  Medidas de Controle de Vazamento e Derramamento;  Manuseio e Armazenamento;  Controle de Exposição e Proteção Individual;  Informações Toxicológicas e informações ecológicas entre outras informações;
  • 5. Ficha de Emergência utilizada em Modal rodoviário
  • 7. Classe 7 – Materiais Radioativos Para efeito de classificação e transporte dos materiais radioativos, incluíndo aqueles considerados como rejeito radioativo, consultar a Comissão Nacional de Energia Nuclear–CNEN. -NE-5.01 e normas complementares a esta) estabelecem requisitos de radioproteção e segurança, a fim de que seja garantido um nível adequado de controle da eventual exposição de pessoas, bens e meio ambiente à radiação ionizante. • A radioatividade é uma energia invisível, é capaz de penetrar em vários tipos de materiais e até mesmo o corpo humano, ocasionando doenças muito graves e podendo levar à morte. • As consequências nocivas dependem da dose, do tempo de exposição e do tipo de radiação.Ex: Alfa, beta, gama e raios x.
  • 8. Armazenamento e Transporte de Materiais Radioativos  Não se deve aproximar de materiais radioativos que não estejam devidamente blindados.Os materiais radioativos são muito bem acondicionados em embalagens normalmente blindadas, que possuem paredes ou coberturas de materiais que absorvem radiação ou atenuam ou impedem sua passagem. Acidentes com esses materiais podem contaminar objetos de todo tipo, além do meio ambiente, ocasionando consequências desastrosas. Observações  Minimizar o tempo de manuseio e operar tão rápido quanto praticável para reduzir a exposição à fonte de radiação;  Enclausuramento do processo e utilizado de EPI adequado para o risco da atividade;  Armazenamento em local isolado da circulação de pessoas;  Seguir as normas vigentes quanto à monitoração e exposição à radiação.  O manuseio de rotina destes materiais pode requerer o uso de dosímetros individuais;
  • 12. Classe 8 – Substâncias Corrosivas Estas substâncias apresentam uma alta taxa de corrosão aos materiais, inclusive o aço, e, evidentemente, tais materiais são capazes de provocar danos também aos tecidos humanos e quando o efeito corrosivo atinge tecidos vivos, é em geral designado por queimadura quimica .As substâncias corrosivas colocam sérios riscos para a saúde das pessoas, incluindo danos nos olhos, pele e outros tecidos, podendo a inalação ou a ingestão afectar o trato respiratório ou o trato gastrointestinal. As queimaduras químicas são frequentemente fatais. Basicamente, existem dois grupos principais de substâncias químicas que apresentam essas propriedades, ou seja, as substâncias ácidas, também denominadas ácidos e as substâncias alcalinas, também denominadas bases: • ácidos: são substâncias químicas que, em contato com a água, liberam íons H+, provocando alterações de pH, na faixa de 0 (zero) a 7 (sete); • bases: são substâncias químicas que, em contato com a água, liberam íons OH-,provocando alterações de pH, na faixa de 7 (sete) a 14 (catorze). Como exemplo de substâncias desta classe de risco, pode-se citar o ácido clorídrico, o ácido nítrico, o ácido sulfúrico, o hidróxido de sódio e o hidróxido de potássio, entre outros. Muitas das substâncias pertencentes a esta classe de risco reagem com a maioria dos metais, gerando hidrogênio, o qual é um gás inflamável, acarretando, assim, um risco adicional.
  • 13. Certas substâncias também apresentam, como risco subsidiário, um alto poder oxidante,enquanto que outras podem reagir vigorosamente com a água ou com outros materiais,como por exemplo, os compostos orgânicos. O contato dessas substâncias com a pele e com os olhos pode causar severas queimaduras, motivo pelo qual, sempre deverão ser utilizados equipamentos de proteção individual compatíveis com o produto envolvido. Durante as operações envolvendo substâncias corrosivas, o monitoramento ambiental pode ser realizado, de acordo com as substâncias envolvidas, por meio de diversos parâmetros, dentre os quais vale destacar, as medições de pH e da condutividade. Nas ocorrências, envolvendo substâncias ácidas ou alcalinas que atinjam corpos d'água, uma maior ou menor variação do pH natural da água poderá ocorrer, dependendo de diversos fatores, como por exemplo: a concentração e a quantidade da substância vazada e as características do corpo d'água atingido, entre outras. Um dos métodos, que pode ser aplicado em campo para a redução dos riscos, é a neutralização da substância química derramada. Esta técnica consiste na adição de uma outra substância química, de modo a levar o pH da água próximo ao natural. No caso dos ácidos, as substâncias comumente utilizadas para a neutralização são barrilha e cal hidratada, ambas com características alcalinas. A utilização da cal virgem não é recomendada, apesar da mesma ser alcalina, uma vez que a sua reação com ácidos é extremamente vigorosa. Antes que a neutralização seja efetuada, deverá ser recolhida a maior quantidade possível do produto químico derramado, de modo a se evitar o excessivo consumo da substância neutralizante e, consequentemente, a geração de grande quantidade de resíduos. Os resíduos provenientes da operação de neutralização deverão ser totalmente recolhidos, removidos e dispostos, de forma e em locais adequados.
  • 14. Como dito anteriormente, a neutralização é apenas uma das técnicas que podem ser utilizadas para a redução dos riscos nas ocorrências envolvendo substâncias corrosivas. Outras técnicas, tais como absorção, remoção e diluição, deverão, também, ser consideradas, de acordo com o cenário apresentado. Desta forma, a seleção do método mais adequado a ser utilizado na operação deve sempre levar em consideração os aspectos de segurança e de proteção ambiental. No caso de se optar pela neutralização da substância, deve-se considerar que a operação consiste, basicamente, no lançamento de outra substância química no ambiente já contaminado, e que, portanto, também poderão ocorrer outras reações químicas, paralelas àquela necessária para a neutralização. Outro aspecto a ser ponderado, é a característica do corpo d'água, o que, às vezes, direciona os trabalhos de campo para o monitoramento do mesmo, de forma a se aguardar uma diluição natural do produto. Esses casos, normalmente, ocorrem em águas correntes, onde o controle da situação é mais difícil, devido à mobilidade da substância no meio. Se, durante a neutralização, ocorrer um descontrole, poder-se-á ter uma inversão brusca na escala do pH, o que ocasionará efeitos muito mais danosos aos ecossistemas que resistiram à primeira variação do pH. De modo geral, nos corpos d'água onde exista a presença de vida, não é aconselhável o lançamento de substâncias químicas sem o acompanhamento de especialistas. Durante as reações de neutralização, quanto mais concentrada estiver a substância derramada, maior será a liberação de energia, em forma de calor, além da possibilidade de ocorrência de respingos, motivo pelo qual, cabe reforçar, a necessidade de os técnicos envolvidos nas ações utilizarem roupas de proteção química adequadas, durante a realização destas atividades.
  • 15. Pictograma padronizado (símbolo de risco C – o símbolo de ácido activo ) utilizado na União Europeia para assinalar produtos corrosivos ou cáusticos Classificação: Estes produtos químicos causam destruição de tecidos vivos e/ou materiais inertes. Precaução: Não inalar e evitar o contato com a pele, olhos e roupas. Pictograma utilizado nos Estados Unidos da América e noutros países para assinalar veículos e contentores transportando produtos corrosivos (DOT Corrosive Label). •Ácido Clorídrico (HCl) O HCl impuro é comercializado com o nome de ácido muriático e é um reagente muito usado na indústria e no laboratório. É utilizado principalmente na limpeza de pisos ou de superfíceis metálicas antes da soldagem(decapagem). O HCl encontra-se presente no estômago, no suco gástrico, conferindo a ele um pH adequado para a acção das enzimas digestivas gástricas. •Ácido Fluorídrico (HF) O HF tem a propriedade de corroer o vidro; por isso, é usado para fazer gravações em vidros e cristais. Ácidos mais conhecidos
  • 16. •Ácido Sulfúrico (H2SO4) É o ácido mais importante na indústria e no laboratório.É utilizado nas baterias de automóvel, é consumido em enormes quantidades em inúmeros processos industriais, como processos da indústria petroquímica, na fabricação de corantes, tintas, explosivos e papel. É tambem usado na indústria de fertilizantes agrícolas, permitindo a fabricação de produtos como os fosfatos e o sulfato de amónio. O ácido sulfúrico concentrado é um dos desidratantes mais enérgicos. Assim, ele carboniza os hidratos de carbono como os açúcares, amido e celulose; a carbonização é devido à desidratação desses materiais; O ácido sulfúrico "destrói" o papel, o tecido de algodão, a madeira, o açúcar e outros materiais devido à sua enérgica ação desidratante.; O ácido sulfúrico concentrado tem ação corrosiva sobre os tecidos dos organismos vivos também devido à sua ação desidratante. Produz sérias queimaduras na pele. Por isso, é necessário extremo cuidado ao manusear esse ácido; As chuvas ácidas em ambiente poluídos com dióxido de enxofre contêm H2SO4 e causam grande impacto ambiental. •Ácido Nítrico (HNO3) Depois do ácido sulfúrico, é o ácido mais fabricado e mais consumido na indústria.É usado na fabricação de explosivos como o trinitrotolueno (TNT) e a nitroglicerina (dinamite); é muito útil para a indústria de fertilizantes agrícolas, permitindo a obtenção do salitre. O ácido nítrico concentrado é um líquido muito volátil; seus vapores são muito tóxicos. É um ácido muito corrosivo e, assim como o ácido sulfúrico, é necessário muito cuidado para manuseá- lo.
  • 17. •Ácido Cianídrico (HCN) Ácido utilizado em indústrias diversas, como nas de plásticos, acrílicos e corantes, entre outras. Mas ele tem também um destino sinistro: nos Estados Unidos, foi usado nas "câmaras de gás" para executar pessoas condenadas à morte. •Ácido fosfórico (H3PO4) Os seus sais (fosfatos) têm grande aplicação como fertilizantes na agricultura; É usado como aditivo em alguns refrigerantes. • Ácido carbónico (H2CO3) É o ácido das águas minerais gaseificadas e dos refrigerantes. Forma-se na reacção do dióxido de carbono com a água: CO2 + H2O -> H2CO3 Principais Bases As bases, segundo o conceito de Arrhenius, são aquelas substâncias que, em solução aquosa, sofrem dissociação, liberando como único ânion a hidroxila (OH-). No nosso cotidiano, existem várias bases com importantes aplicações. A seguir veremos as principais delas: •Hidróxido de sódio (NaOH): Essa base é conhecida comercialmente como soda cáustica, pois pode corroer e destruir os tecidos vivos, causando queimaduras graves na pele. Por isso, é muito utilizada em limpezas pesadas e em produtos para desentupir pias e ralos, mas seu uso deve ser feito com luvas apropriadas.
  • 18. É sólida à temperatura ambiente, branca, cristalina, de ponto de fusão 318 ºC, bastante solúvel em água e é uma substância deliquescente, o que significa que ela é higroscópica, pois absorve água do meio ambiente e com o tempo pode se tornar um líquido incolor. Ela reage lentamente com o vidro, sendo guardada em frascos de plástico. Sua principal aplicação é na produção de sabões – conseguida a partir de sua reação com gorduras e óleos, como o sebo animal. O hidróxido de sódio também é usado pela indústria petroquímica em uma das etapas da fabricação de papel, celulose, tecidos, corantes e produtos de uso doméstico. • Hidróxido de cálcio (Ca(OH)2): Sólido branco, pouco solúvel em água, também chamado de cal hidratada, cal extinta ou cal apagada, porque sua preparação se dá pela hidratação do óxido de cálcio (CaO), que é conhecido como cal virgem ou cal viva. Quando essa substância é misturada com água, ela é chamada de leite de cal ou água de cal. A cal é aplicada principalmente em construções, na preparação de argamassa para assentar tijolos, para recobrir paredes e na pintura de paredes (caiação). Outros usos são em inseticidas, fungicidas e no tratamento de águas e esgotos. • Hidróxido de magnésio (Mg(OH)2): O hidróxido de magnésio também é um sólido branco, pouco solúvel em água. A sua principal aplicação se dá na forma de leite de magnésia, que é usado como laxante e antiácido e é conseguido misturando-se o hidróxido de cálcio em água numa proporção de 7% em massa.
  • 19. •Hidróxido de amônio (NH4OH): É obtido ao se borbulhar amônia (NH3) em água, conforme a reação abaixo: NH3 + H2O ↔ NH4 + (aq) + OH- (aq) Assim, não existe uma substância hidróxido de amônio, mas sim soluções aquosas de amônia interagindo com a água, originando os íons amônio (NH4 + ) e hidróxido (OH-). O hidróxido de amônio é conhecido comercialmente por amoníaco, sendo muito utilizado na produção de ácido nítrico para a produção de fertilizantes e explosivos. Ele também é usado em limpeza doméstica, na produção de compostos orgânicos e como gás de refrigeração. Corrosão A corrosão consiste na deterioração dos materiais pela ação química ou eletroquímica do meio, podendo estar ou não associado a esforços mecânicos. A corrosão pode incidir sobre diversos tipos de materiais, sejam metálicos como os aços ou as ligas de cobre, por exemplo, ou não metálicos, como plásticos, cerâmicas ou concreto. A ênfase aqui descrita será sobre a corrosão dos materiais metálicos. Esta corrosão é denominada corrosão metálica.
  • 20. CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE CORROSÃO Dependendo do tipo de ação do meio corrosivo sobre o material, os processos corrosivos podem ser classificados em dois grandes grupos, abrangendo todos os casos deterioração por corrosão: -Corrosão Eletroquímica -Corrosão Química. •Os processos de corrosão eletroquímica são mais freqüentes na natureza e se caracterizam basicamente por: -Necessariamente na presença de água no estado líquido; -Temperaturas abaixo do ponto de orvalho da água, sendo a grande maioria na temperatura ambiente; -Formação de uma pilha ou célula de corrosão, com a circulação de elétrons na superfície metálica. • Os processos de corrosão química são, por vezes, denominados corrosão ou oxidação em altas temperaturas. Estes processos são menos freqüentes na natureza, envolvendo operações onde as temperaturas são elevadas. - ausência da água líquida; -temperaturas, em geral, elevadas, sempre acima do ponto de orvalho da água; -interação direta entre o metal e o meio corrosivo.
  • 21. Impactos ambientais em casos de acidente Os produtos corrosivos causam severos impactos aos corpos d’água,razão pela qual, sempre que é possível, é recomendável que seja realizada a contenção do produto.Caso um corpo d’água seja atingido por substâncias corrosivas, poderá ocorrer a mortandade de peixes bem como a paralisação do uso por indústrias,população ribeirinha e estações de captação de água para cosumo público.
  • 23. Classe 9 - Substâncias Perigosas Diversas  Esta classe engloba os produtos que apresentam riscos não abrangidos pelas demais classes de risco.Nessa classe encontram-se os produtos que oferecem elevados riscos de contaminação ambiental.Ex. de produtos desta classe são: óleos combustíveis, poliestireno granulado, dióxido de carbono sólido (gelo seco), amianto azul, baterias de lítio e etc.  2.9.1.2 Microorganismo e organismo geneticamente modificados são aqueles cujo material genético tenha sido deliberadamente modificado por meio de engenharia genética de uma forma que não ocorra naturalmente.  2.9.2 Alocação na classe 9  2.9.2.1 Inclui-se à classe 9, entre outros:  a) Substâncias que apresentam risco para o meio ambiente;  b) Substâncias a temperaturas elevadas, transportadas ou oferecidas para transporte, em estado líquido a temperaturas iguais ou superiores a 100ºC, devem ser alocadas no nº ONU 3257; ou em estado sólido a temperaturas iguais ou superiores a 240ºC, devem ser alocadas no nºONU3258;
  • 24. Classe 9 - Substâncias Perigosas Diversas  c) Microorganismos ou organismos geneticamente modificados que não se enquadrem na definição de substâncias infectantes, mas que sejam capazes de provocar alterações que normalmente não seriam resultantes de reprodução natural em animais, plantas ou substâncias microbiológicas devem ser alocados no nº ONU 3245;  Microorganismos ou organismos geneticamente modificados não estão sujeitos a este Regulamento, se o uso dos mesmos forem autorizados pelas autoridades competentes Governamentais dos países de origem, trânsito e destino;  2.9.2.2 Substâncias que apresentem risco para o meio ambiente, em estado sólido ou líquido, transportadas sob os nºs ONU 3077 e 3082 respectivamente, são aquelas consideradas poluentes aquáticos conforme os critérios de ecotoxidade.  2.9.3 É de responsabilidade do fabricante e, ou do expedidor, orientado pelo fabricante, a classificação dos produtos como pertencentes à Classe 9, desde que não se enquadrem em qualquer outra classe de risco.
  • 25. Exemplos de Produtos da Classe 9
  • 26. PAE – Plano de Atendimento Emergencial • O Plano de Atendimento Emergencial tem como objetivo, estabelecer medidas de prevenção para possíveis acidentes e incidentes que o empreendimento esteja sujeito. Define os procedimentos necessários para a atuação em caso de urgência ou emergência através do treinamento de seus empregados envolvidos que fazem parte da Brigada de Emergência. • O procedimento para atendimento às emergências é definido conforme as características do empreendimento. Nesta etapa são levantadas várias informações do empreendimento a fim de informar para toda a população fixa os recursos disponíveis e procedimentos para combater e evacuar a área que se encontra em emergência.
  • 27. PAE – Plano de Atendimento Emergencial Objetivo • Proporcionar aos colaboradores preparação para uma resposta rápida, eficiente e segura em situações de emergência.As prioridades que são seguidas em uma emergência são: • Salvaguardar a vida das pessoas; • O cumprimento das leis e normas vigentes; • A segurança e o bem estar da população e dos colaboradores; • Proteger o meio ambiente; • A continuidade das operações e a manutenção das instalações; • A reputação e a imagem da empresa e de seus acionistas;
  • 28. Considerações Finais Tomando por base um PGR, podem ser definidos os meios necessários para a efetivação de uma Gestão Ambiental voltada aos acidentes ambientais com produtos perigosos.Importante frisar que um amplo levantamento dos recursos humanos e materiais disponíveis nos municípios localizado ao longo das rodovias,serve de base para a efetivação de medidas conjuntas e parcerias voltadas a procedimentos específicos. As ações conjuntas e cooperativas devem estar alicerçadas em compromissos firmados entre o DER/SP e as instituições públicas e privadas da região, de forma as competências, responsabilidades e formas de atuação de cada uma das partes envolvidas estejam previamente definidas. Um sistema eficiente de comunicações e informações sobre produtos químicos permite o repasse de informações precisas,assim como a rápida mobilização de recursos para as ações de resposta.
  • 29. Considerações Finais  A visão estratégica do gerenciamento de riscos objetiva prevenir e evitar que o desconhecimento, despreparo, improvisação e falta de capacidade técnica para atuar contribuam para o agravamento dos impactos ambientais, sociais e econômicos gerados por acidentes dessa natureza.