BIBLIOTECA ESCOLAR
 http://bibliotecaesmirandela.blogspot.pt/Venha conhecer-nos!
 As Bibliotecas Escolares devem construir recursosbásicos do processo educativo, sendo-lhesatribuído papel central em dom...
 Assim, cada BE/CRE deverá tornar-se um núcleo de vida daescola, atraente, acolhedor e estimulante, onde os alunos: Se s...
Possam estudar e encontrar com facilidade fontes documentais,se habituem a seleccionar e gerir informação para realizarem...
 Questiono agora: QUE BIBLIOTECA TEMOS? QUE IMPACTO TEM NAS APRENDIZAGENS DOS NOSSOS ALUNOS? SATISFAZ AS NECESSIDADES ...
MODELO DE AVALIAÇÃO DASBIBLIOTECAS ESCOLARESMELHORIA CONTÍNUA
MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES“Neste sentido, é importante que cada escola conheça o impacto que asactivida...
MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasNoção de ValorA BE deve produzir resultadosque contribuam de for...
MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasQualidade eeficácia da BEO modelo deve ser encaradocomo um proce...
MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasÁreasNuclearesO modelo identificará as áreasnucleares nas quais ...
MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasPontosFortes/PontosFracosAtravés da recolha dasevidências, o mod...
A .Apoio aoDesenvolvimentocurricularB. Leiturae LiteraciaC.Projectos, parceriase Actividades Livres ede Abertura àcomunida...
EM CADA DOMÍNIO ENCONTRAREMOS:• IndicadoresPermitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar umaapreciaç...
Perfil de desempenhoNível Descrição4A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido éde bastante qualidade e ...
M.A.B.E.MABE
A .Apoio aoDesenvolvimentocurricularB.Leitura eLiteraciaC.Projectos,parcerias eActividades Livrese de Abertura àcomunidade...
O Relatório final de Auto-Avaliação:Secção A: Avaliação exaustiva doDomínio escolhidoSecção B: Reflexão sobre o trabalho...
Perfil de desempenhoNível Descrição4A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de bastantequalidade e ...
Domínio A. Apoio ao desenvolvimentocurricularA.1. Articulação curricular da BE com asestruturas de coordenação educativa e...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas decoordenação educativa e supervisão pedagógica-A art...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas decoordenação educativa e supervisão pedagógica- A ai...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:-A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveispelas áreas curriculares não disciplinares (...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:-A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveispelas áreas curriculares não disciplinares (...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.3 Articulação da BE com os docentes responsáveispelos serviços de apoios especializados e ...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.3 Articulação da BE com os docentes responsáveispelos serviços de apoios especializados e ...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.4 Ligação da BE ao PTE e a outros programas eprojetos curriculares de ação, inovação pedag...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.4 Ligação da BE ao PTE e a outros programas eprojetos curriculares de ação, inovação pedag...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.5 Integração da BE no plano de ocupação dostempos escolares (OTE)- Trabalho colaborativo c...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.5 Integração da BE no plano de ocupação dostempos escolares (OTE)-- A quase inexistente co...
PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.6 Colaboração da BE com os docentes naconcretização das atividades curriculares desenvolvi...
PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.6 Colaboração da BE com os docentes naconcretização das atividades curriculares desenvolvi...
Domínio A. Apoio ao desenvolvimentocurricularA.2. Promoção das literacias dainformação, tecnológica e digital
- Uso autónomo da BE por parte dos alunos e professores.A.2.1 Organização de atividades de formação deutilizadoresPONTOS F...
A.2.1 Organização de atividades de formação deutilizadoresPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:------------------------------------...
A.2.2 Promoção do ensino em contexto decompetências de informação-Concretização do projeto LITEA.- Serviço prestado pela e...
A.2.2 Promoção do ensino em contexto decompetências de informaçãoPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:- Não existência de uniformid...
A.2.3 Promoção do ensino em contexto de competênciastecnológicas e digitais-O reforço dos equipamentos informáticos da BE ...
A.2.3 Promoção do ensino em contexto de competênciastecnológicas e digitaisPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:- Pouca formação da...
A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas,digitais e de informação dos alunos- Os alunos apresentam um bom domínio...
A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas,digitais e de informação dos alunosPONTOS FORTES IDENTIFICADOS:-Ainda se...
A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores eatitudes indispensáveis à formação da cidadania e àaprendizagem ao lon...
A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores eatitudes indispensáveis à formação da cidadania e àaprendizagem ao lon...
Ações para melhoria-Incentivar a formação dos docentes e da equipa da BE na área daliteracia da informação.-Aumentar o nív...
Aações para amelhoriaarticulaçãocurriculardomínio aavaliarapoio aocurrículoAplano de açãoBEarticulação BEdo agrupamentoe d...
PARECER DO CONSELHO PEDAGÓGICO:
AGRADECE A VOSSA SEMPREIMPRESCINDIVEL COLABORAÇÃO!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação em pedagógico

236 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
236
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação em pedagógico

  1. 1. BIBLIOTECA ESCOLAR
  2. 2.  http://bibliotecaesmirandela.blogspot.pt/Venha conhecer-nos!
  3. 3.  As Bibliotecas Escolares devem construir recursosbásicos do processo educativo, sendo-lhesatribuído papel central em domínios tãoimportantes como a aprendizagem da leitura, aliteracia, a criação e o desenvolvimento do prazerde ler e a aquisição de hábitos de leitura, ascompetências de informação e o aprofundamentoda cultura cívica, cientifica, tecnológica eartística.”Rede de Bibliotecas Escolares – Lisboa: ME., 2002
  4. 4.  Assim, cada BE/CRE deverá tornar-se um núcleo de vida daescola, atraente, acolhedor e estimulante, onde os alunos: Se sintam num ambiente que lhes pertence e se habituem aconsiderar o livro e a informação como necessidades do dia-a-dia e como inesgotáveis fontes de prazer e de desenvolvimentopessoal; Tenham acesso à informação e ao conhecimento, através degrande diversidade de livros, jornais, revistas, audiovisuais etecnologias de informação; Possam descobrir e alimentar o prazer de ler e de se informaremrecorrendo a fontes documentais disponíveis nos mais variadossuportes;
  5. 5. Possam estudar e encontrar com facilidade fontes documentais,se habituem a seleccionar e gerir informação para realizaremactividades curriculares (individualmente ou em grupo,autonomamente ou com apoio docente);Adquiram competências e autonomia no domínio da informaçãoescrita, digital e multimédia e produzam documentos emsuportes e linguagem diversificadas.
  6. 6.  Questiono agora: QUE BIBLIOTECA TEMOS? QUE IMPACTO TEM NAS APRENDIZAGENS DOS NOSSOS ALUNOS? SATISFAZ AS NECESSIDADES DOS NOSSOS ALUNOS? O QUE DEVEMOS MANTER? O QUE DEVEMOS ALTERAR? QUAIS SÃO AS METAS QUE QUEREMOS ATINGIR? ONDE QUEREMOS CHEGAR? …
  7. 7. MODELO DE AVALIAÇÃO DASBIBLIOTECAS ESCOLARESMELHORIA CONTÍNUA
  8. 8. MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES“Neste sentido, é importante que cada escola conheça o impacto que asactividades realizadas pela e com a BE vão tendo no processo de ensino e naaprendizagem, bem como o grau de eficiência e de eficácia dos serviçosprestados e de satisfação dos utilizadores da BE. Esta análise, sendo igualmenteum princípio de boa gestão e um instrumento indispensável num plano dedesenvolvimento, permite contribuir para afirmação e reconhecimento do papelda BE, permite determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidospara a BE estão ou não a ser alcançados,permite identificarpráticas que têm sucesso e que deverão continuar e permite identificar pontosfracos que importa melhorar.A auto-avaliação da biblioteca deve ainda ser incorporada no processo de auto-avaliação da própria escola, dada a sua relação estreita com sua missão eobjectivos.” MABE
  9. 9. MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasNoção de ValorA BE deve produzir resultadosque contribuam de formaefetiva para os objetivos daescola em que se insere.
  10. 10. MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasQualidade eeficácia da BEO modelo deve ser encaradocomo um processo pedagógicoe regulador , inerente à gestão eprocura de uma melhoriacontínua.
  11. 11. MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasÁreasNuclearesO modelo identificará as áreasnucleares nas quais se devedebruçar o trabalho das BE.
  12. 12. MODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES –mais valiasPontosFortes/PontosFracosAtravés da recolha dasevidências, o modeloidentificará pontos fortes efracos, ajudando a traçar ocaminho a seguir.
  13. 13. A .Apoio aoDesenvolvimentocurricularB. Leiturae LiteraciaC.Projectos, parceriase Actividades Livres ede Abertura àcomunidadeD.Gestão da BibliotecaEscolarA.1. Articulaçãocurricular da BE com asEstruturas Pedagógicas eos docentesC.1. Apoio aActividades Livres,Extra-Curriculares e deEnriquecimentoCurricularD.1. Articulação da BEcom aEscola/Agrupamento.Acesso e Serviçosprestados pela BEA.2 . Desenvolvimento daLiteracia da InformaçãoC. 2. Projectos eparceriasD.2. Condições humanase materiais para aprestação de serviçosD.3. Gestão da colecção
  14. 14. EM CADA DOMÍNIO ENCONTRAREMOS:• IndicadoresPermitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar umaapreciação sobre a qualidade da BE• Factores críticos de sucessoExemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam orespectivo indicador . Constituem um guia orientador para a recolha deevidências.• Recolha de evidênciasPossíveis instrumentos para recolha de elementos que irão suportar aavaliação.• Acções para a melhoriaSugestões de acções a implementar visando melhorar o desempenho daBE em campos específicos.
  15. 15. Perfil de desempenhoNível Descrição4A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido éde bastante qualidade e com impacto bastante positivo3A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio masainda é possível melhorar alguns aspectos2A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendonecessário melhorar o desempenho para que o seu impactoseja mais efectivo1A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, oseu impacto é bastante reduzido sendo necessário intervir comurgênciaMODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
  16. 16. M.A.B.E.MABE
  17. 17. A .Apoio aoDesenvolvimentocurricularB.Leitura eLiteraciaC.Projectos,parcerias eActividades Livrese de Abertura àcomunidadeD.Gestão daBiblioteca EscolarA.1. Articulaçãocurricular da BE com asEstruturas Pedagógicase os docentesC.1. Apoio aActividades Livres,Extra-Curricularese deEnriquecimentoCurricularD.1. Articulação daBE com aEscola/Agrupamento.Acesso e Serviçosprestados pela BEA.2 . Desenvolvimentoda Literacia daInformaçãoC. 2. Projectos eparceriasD.2. Condiçõeshumanas e materiaispara a prestação deserviçosD.3. Gestão dacolecção1º2º3º3,2333
  18. 18. O Relatório final de Auto-Avaliação:Secção A: Avaliação exaustiva doDomínio escolhidoSecção B: Reflexão sobre o trabalhoefectuado nos domínios quenão estão em avaliação Secção C: Resultados da avaliaçãoem cada domínio
  19. 19. Perfil de desempenhoNível Descrição4A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de bastantequalidade e com impacto bastante positivo3A BE desenvolve um trabalho dequalidade neste domínio mas ainda épossível melhorar alguns aspectos2A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhoraro desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo1A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto ébastante reduzido sendo necessário intervir com urgênciaMODELO DE AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
  20. 20. Domínio A. Apoio ao desenvolvimentocurricularA.1. Articulação curricular da BE com asestruturas de coordenação educativa esupervisão pedagógica e os docentes
  21. 21. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas decoordenação educativa e supervisão pedagógica-A articulação que se tem conseguido progressivamente.-Utilização crescente da BE e dos seus recursos por parte dosdocentes.- Alargamento do “Livros com Pernas” ao jardim de Carvalhais e àsescolas/jardins do meio rural.
  22. 22. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas decoordenação educativa e supervisão pedagógica- A ainda reduzida utilização dos recursos da BE por parte dosprofessores do pré-escolar e 1º ciclo.
  23. 23. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:-A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveispelas áreas curriculares não disciplinares (ACND).-Grande utilização do espaço da BE e dos seus recursos por partedos professores das ACND.-Trabalho desenvolvido ao nível do PNL.
  24. 24. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:-A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveispelas áreas curriculares não disciplinares (ACND).- O trabalho de articulação com os professores de ACND éainda pouco consistente e não generalizado
  25. 25. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.3 Articulação da BE com os docentes responsáveispelos serviços de apoios especializados e educativos(SAE)-Forte articulação da BE com a equipa do Ensino Especial.- Clima de confiança e autonomia criado com os alunos do EnsinoEspecial
  26. 26. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.3 Articulação da BE com os docentes responsáveispelos serviços de apoios especializados e educativos(SAE)- Pouca articulação da BE com os professores do ApoioEducativo.
  27. 27. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.4 Ligação da BE ao PTE e a outros programas eprojetos curriculares de ação, inovação pedagógica eformação.-Reforço dos equipamentos informáticos de forma a possibilitar ummelhor trabalho com os grupos-turma-Bom estado das redes, equipamentos e software existentes na BE- Articulação da BE com os vários projetos do Agrupamento
  28. 28. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.4 Ligação da BE ao PTE e a outros programas eprojetos curriculares de ação, inovação pedagógica eformação.- A utilização incorreta dos meios informáticos disponíveis
  29. 29. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.5 Integração da BE no plano de ocupação dostempos escolares (OTE)- Trabalho colaborativo com o Clube da Europa no âmbito da OPTE.- Trabalho colaborativo com o Clube da Europa no âmbito da OPTE.
  30. 30. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.5 Integração da BE no plano de ocupação dostempos escolares (OTE)-- A quase inexistente colaboração entre a BE e os docentes para aprodução de materiais e sugestões de atividades e recursos quesirvam a OPTE.
  31. 31. PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:A.1.6 Colaboração da BE com os docentes naconcretização das atividades curriculares desenvolvidasno espaço da BE ou tendo por base os seus recursos.- A já razoável articulação conseguida entre os Departamentos e aBE.- Taxa de utilização dos recursos da BE em sala de aula.- Taxa de utilização dos espaços da BE.
  32. 32. PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:A.1.6 Colaboração da BE com os docentes naconcretização das atividades curriculares desenvolvidasno espaço da BE ou tendo por base os seus recursos.- A baixa utilização dos recursos da BE por parte dos alunos eprofessores do primeiro ciclo e pré-escolar por se encontraremdistantes e dispersos geograficamente.
  33. 33. Domínio A. Apoio ao desenvolvimentocurricularA.2. Promoção das literacias dainformação, tecnológica e digital
  34. 34. - Uso autónomo da BE por parte dos alunos e professores.A.2.1 Organização de atividades de formação deutilizadoresPONTOS FORTES IDENTIFICADOS:
  35. 35. A.2.1 Organização de atividades de formação deutilizadoresPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:------------------------------------------
  36. 36. A.2.2 Promoção do ensino em contexto decompetências de informação-Concretização do projeto LITEA.- Serviço prestado pela equipa da BE ao nível do apoio à pesquisade informação e realização de trabalhos escolares.PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:
  37. 37. A.2.2 Promoção do ensino em contexto decompetências de informaçãoPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:- Não existência de uniformidade nas orientações dadas aosalunos acerca da pesquisa de informação e realização detrabalhos escolares.
  38. 38. A.2.3 Promoção do ensino em contexto de competênciastecnológicas e digitais-O reforço dos equipamentos informáticos da BE fez com queaumentasse a sua utilização por parte dos alunos e dos professores,permitindo ainda o trabalho na BE com grupos-turma.- Apoio dado pela equipa da BE.PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:
  39. 39. A.2.3 Promoção do ensino em contexto de competênciastecnológicas e digitaisPONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:- Pouca formação da equipa da BE na área das TIC, dificultando aimplementação de um plano de desenvolvimento das literacias deinformação, tecnológica e digital, a todas as turmas da escola.
  40. 40. A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas,digitais e de informação dos alunos- Os alunos apresentam um bom domínio das competênciastecnológicas e digitais.PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:
  41. 41. A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas,digitais e de informação dos alunosPONTOS FORTES IDENTIFICADOS:-Ainda se verifica uma forte tendências para uma incorreta utilizaçãodas TIC por parte dos alunos.- Os alunos ainda manifestam muitas dificuldades ao nível dapesquisa e tratamento da informação.
  42. 42. A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores eatitudes indispensáveis à formação da cidadania e àaprendizagem ao longo da vida.- Os alunos revelam valores de cooperação, autonomia eresponsabilidade na utilização da BE.- Os alunos gostam do espaço da BE.PONTOS FORTES IDENTIFICADOS:
  43. 43. A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores eatitudes indispensáveis à formação da cidadania e àaprendizagem ao longo da vida.PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS:- Por vezes, em horas de maior afluência, torna-se difícil controlaros diferentes espaços e atividades a decorrer em simultâneo.
  44. 44. Ações para melhoria-Incentivar a formação dos docentes e da equipa da BE na área daliteracia da informação.-Aumentar o nível de incorporação das TIC nos serviços informativose educativos oferecidos pela BE.-Implementar um programa de literacia de informação em turmas de5º (LITEA)-Produzir e divulgar guiões de pesquisa e outros materiais de apoioao trabalho de exploração dos recursos de informação pelos alunos.-…
  45. 45. Aações para amelhoriaarticulaçãocurriculardomínio aavaliarapoio aocurrículoAplano de açãoBEarticulação BEdo agrupamentoe do concelho
  46. 46. PARECER DO CONSELHO PEDAGÓGICO:
  47. 47. AGRADECE A VOSSA SEMPREIMPRESCINDIVEL COLABORAÇÃO!

×