SlideShare uma empresa Scribd logo
Mª José Nogueira - 2009/2010  Objectivos 4
  Organização estrutural  e funcional do modelo O modelo está organizado  em  torno de quatro domínios e respectivos subdomínios que representam as áreas nucleares em que se deverá  processar o trabalho da/com a Biblioteca Escolar A – APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR: A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B – LEITURA E LITERACIAS C –PROJECTOS, PARCERIAS E ACTIVIDADES LIVRES E DE ABERTURA À COMUNIDADE: C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D – GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção/da informação Mª José Nogueira - 2009/2010
Organização  Organização estrutural  e funcional do modelo O modelo orienta o trabalho nas e das  Bibliotecas, pois apresenta as áreas nucleares de intervenção, dá exemplos e sugestões que permitem melhorar o trabalho.  Para cada domínio/subdomínio é apresentado um quadro com:  Mª José Nogueira - 2009/2010  Indicadores Factores Críticos de sucesso Evidências Acções para melhoria Apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio. Apresentam-se exemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o indicador apresentado. Dão-se exemplos para possíveis  instrumentos de recolha de evidências  para o indicador apresentado. Dão-se sugestões de acções a implementar caso seja necessário melhorar o desempenho da BE no indicador apresentado.
  Organização estrutural  e funcional do modelo O modelo também nos apresenta, para cada domínio e subdomínio, os perfis de desempenho que caracterizam o que se espera da Biblioteca, através de uma  listagem de descritores,  na área analisada. Os perfis de desempenho são organizados numa escala de 4 níveis que caracteriza o tipo de desempenho da biblioteca em relação a cada domínio :  Nível Descrição 4 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo 3 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. 2 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. 1 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência
Mª José Nogueira - 2009/2010  Objectivos 5
Aplicação do modelo nas escolas Divulgação do modelo na escola : Apresentação do processo ao conselho executivo Formação para a equipa Apresentação e discussão em Conselho Pedagógico Divulgação da calendarização sobre o processo e sobre o contributo de cada um 2. Implementação do processo: Identificação de um problema Recolha de evidências Interpretação da informação Realização das mudanças necessárias Recolha de novas evidências  3. Comunicação dos resultados Apresentação dos resultados à comunidade escolar Ligação à avaliação interna e externa da escola
Mª José Nogueira - 2009/2010  Objectivos 6
Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES A necessidade de adaptação a um modelo de auto-avaliação e respectiva terminologia que implica conceitos novos a vários níveis; A inexistência do “know-how” necessário à recolha/ leitura de evidências; Falta de sistematização e de experiência na recolha de evidências A falta de cooperação/ envolvimento por parte dos órgãos de gestão e diferentes estruturas educativas da Escola ; Modelo de auto-avaliação, enquanto instrumento de regulação e de melhoria, resulta num aumento do grau de satisfação do leque de competências dos utilizadores da BE; A auto-avaliação da BE, enquanto processo comprovativo do real impacto da BE ao nível das aprendizagens dos alunos, daí resultando uma maior afirmação e reconhecimento do valor da BE (interno e externo);
Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES A desvalorização da BE, enquanto instrumento de apoio à consecução dos objectivos da Escola e enquanto instrumento de suporte às actividades de ensino e aprendizagem. A auto-avaliação da BE, enquanto processo que contribua para uma maior responsabilização/ maior envolvimento dos órgão de gestão, órgãos de decisão pedagógica, outras estruturas educativas e Pais; A auto-avaliação da BE, enquanto processo que produz uma mudança de práticas de gestão que privilegiam a reflexão e a recolha de evidências qualitativas geradoras de mudança/ melhoria.
Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades Reflexão INDIVIDUAL:   Quais os constrangimentos  que receio encontrar quando aplicar este modelo na minha Biblioteca escolar? Quais são, na minha opinião, as potencialidades deste modelo?
Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES Há o risco de se confundir a  auto-avaliação da BE com a avaliação do coordenador e da sua equipa; Dificuldades na gestão do tempo; Falta de sistematização e de experiência na recolha de evidências Dificuldades em aceitar os resultados negativos; Receio da reacção da comunidade escolar. Promove uma cultura de avaliação; Potencia uma visão e um pensamento estratégico; Promove  o trabalho colaborativo dentro da escola/agrupamento ( o necessário envolvimento de todos); Ajuda a estabelecer prioridades ; Permite diagnosticar pontos fracos e pontos fortes.
Mª José Nogueira - 2009/2010  Objectivos 7
Mª José Nogueira - 2009/2010  Toda a comunidade escolar é envolvida no processo. “ The self evaluation of the school library is not solely the  responsability of library staff. The active envolvement of senior management is crucial in ensuring that the self-evaluation can be conducted effectivel and the findings fed into whole school planning.” (Sarah McNicol)
Mª José Nogueira - 2009/2010  Assim, a implementação do modelo com sucesso requer essencialmente: Um diálogo constante com os Órgãos de Gestão, com o objectivo de os sensibilizar para a necessidade e valor da implementação do processo de avaliação, bem como para a integração da auto-avaliação da BE na planificação geral das actividades da escola/ nos normativos que regulam essas actividades; um diálogo constante com os departamentos e professores para fomentar o aparecimento de uma cultura/ hábitos de colaboração, para que em conjunto equipa da BE  e docentes planeiem todo o processo de implementação de auto-avaliação da BE e o integrem com naturalidade nas suas práticas educativas.
Mª José Nogueira - 2009/2010  Envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores: Estar envolvido no processo desde o princípio; ser líder coadjuvante desse processo; Unir vontades e acções Direcção  Alunos  Professores  Recolha de evidências . Resposta a questionários . Outras solicitações por parte do coordenador da BE Participar activamente no processo . Resposta a questionários . Grelhas de observação . Sugestão de actividades
Mª José Nogueira - 2009/2010  Coordenador da BE  Forte liderança; Desenvolvimento do processo; Mobilização e motivação da  equipa e de toda a comunidade escolar; Promoção de uma cultura de  avaliação. Professores  questionários, entrevistas, grelhas de observação,…
Mª José Nogueira - 2009/2010  Alunos  questionários, entrevistas, grelhas de observação,... Encarregados  de Educação  questionários, entrevistas, grelhas de observação,… Conselho Pedagógico  análise do relatório; recomendações Direcção  acompanhar e coadjuvar todo o processo.
“  O modelo indica o  caminho , a  metodologia , a  operacionalização . A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a  liderança forte do professor coordenador , que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo .” PARA CONCLUIR:
“  O aluno actual deseja ser o “capitão” da sua própria aprendizagem. Mas isso implica a sua orientação nesta viagem da informação. O professor bibliotecário é o guia que tudo fará para que o aluno chegue a bom porto. Se tal acontecer, a biblioteca escolar provará, sem qualquer dúvida, ser a identidade fulcral da aprendizagem, em pleno séc. XXI e no futuro. ” In Newsletter nº 3, 2008 PARA CONCLUIR:
“  o que verdadeiramente interessa e justifica a acção e a existência da Biblioteca Escolar não são os processos (…) mas sim o resultado, o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores.” AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
Mª José Nogueira - 2009/2010  Referências bibliográficas: - Texto da sessão EISENBERG, Michael B., MILLER, Danielle H.  - School Library Journal, 9/1/2002   McNICOL, Sarah (2004)  Incorporating library provision in  school self-evaluation .  Educational Review, 56 (3), 287-296 TODD, Ross (2008)  The Evidence-Based Manifesto for School Librarians.   TODD, Ross - School Library Journal, 4/1/2008 Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares - Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (2008). IFLA/ UNESCO – Manifesto da Biblioteca Escolar, Lisboa, Ministério da Educação – Gabinete da RBE, 1999 VEIGA, Isabel – Lançar a rede de bibliotecas escolares: relatório síntese, 2ª ed., Lisboa, Min. Educação, 2001

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
mariaantoniadocarmo
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
MARIA NOGUE
 
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
franciscarolla
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
guest7716cf
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
guestf38751
 
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
Sessão 3 Powerpoint  1ªParteSessão 3 Powerpoint  1ªParte
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
guest1d174ffe
 
Modelo AA da BE
Modelo AA da BEModelo AA da BE
Modelo AA da BE
Sílvia Baltazar
 
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na EscolaApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
guest529a4c
 
Apresentação do modelo de AA da BE no CP
Apresentação do modelo de AA da BE no CPApresentação do modelo de AA da BE no CP
Apresentação do modelo de AA da BE no CP
ESCascais
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
lurdesilva
 
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho PedagógicoAuto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Soraya Oliveira
 
Bibliotecas e literacias
Bibliotecas e literaciasBibliotecas e literacias
Bibliotecas e literacias
rukka
 
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be 1
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   1Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   1
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be 1
anamariabpalma
 
Powerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop FormativoPowerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop Formativo
Lucas Fernando
 
Apresentação MABE
Apresentação MABEApresentação MABE
Apresentação MABE
guest1d174ffe
 
Apresentação MABE
Apresentação MABEApresentação MABE
Apresentação MABE
guest1d174ffe
 
Modelo Auto Avaliacao Be Bemag[1]
Modelo Auto Avaliacao Be   Bemag[1]Modelo Auto Avaliacao Be   Bemag[1]
Modelo Auto Avaliacao Be Bemag[1]
mjoaocaldeira
 

Mais procurados (17)

Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
 
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
O Modelo De Auto Avaliacao Da Biblioteca Escolar[1]
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
Sessão 3 Powerpoint  1ªParteSessão 3 Powerpoint  1ªParte
Sessão 3 Powerpoint 1ªParte
 
Modelo AA da BE
Modelo AA da BEModelo AA da BE
Modelo AA da BE
 
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na EscolaApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be Na Escola
 
Apresentação do modelo de AA da BE no CP
Apresentação do modelo de AA da BE no CPApresentação do modelo de AA da BE no CP
Apresentação do modelo de AA da BE no CP
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho PedagógicoAuto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
 
Bibliotecas e literacias
Bibliotecas e literaciasBibliotecas e literacias
Bibliotecas e literacias
 
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be 1
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   1Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   1
Powerpoint Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be 1
 
Powerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop FormativoPowerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop Formativo
 
Apresentação MABE
Apresentação MABEApresentação MABE
Apresentação MABE
 
Apresentação MABE
Apresentação MABEApresentação MABE
Apresentação MABE
 
Modelo Auto Avaliacao Be Bemag[1]
Modelo Auto Avaliacao Be   Bemag[1]Modelo Auto Avaliacao Be   Bemag[1]
Modelo Auto Avaliacao Be Bemag[1]
 

Semelhante a Workshop 2ª Parte

Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
NoemiaMaria
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Hélia Jacob
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
Margarida Mota
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
bibliotecaescolarsalazar
 
6º Tarefa 3
6º   Tarefa 36º   Tarefa 3
6º Tarefa 3
Ana Arminda Moreira
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
Anaigreja
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
beloule
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
Sílvia Bastos
 
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be ApresentaçãO
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   ApresentaçãOModelo De Auto AvaliaçãO Da Be   ApresentaçãO
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be ApresentaçãO
bibjcm
 
Workshop
WorkshopWorkshop
Workshop
sandrinhalopes
 
Maabe problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
Maabe   problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho finalMaabe   problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
Maabe problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
oliviaqueiroz4
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
rosarioduarte
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
rosarioduarte
 
Workshop Ppt
Workshop PptWorkshop Ppt
Workshop Ppt
Fernanda Gonçalves
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
Be Moinho Das Leituras
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
Fernanda Esberard
 
AnáLise CríTica
AnáLise CríTicaAnáLise CríTica
AnáLise CríTica
MLurdesAlmeida
 

Semelhante a Workshop 2ª Parte (20)

Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTica
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
 
6º Tarefa 3
6º   Tarefa 36º   Tarefa 3
6º Tarefa 3
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be ApresentaçãO
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be   ApresentaçãOModelo De Auto AvaliaçãO Da Be   ApresentaçãO
Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be ApresentaçãO
 
Workshop
WorkshopWorkshop
Workshop
 
Maabe problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
Maabe   problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho finalMaabe   problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
Maabe problemáticas e conceitos implicados - sessão 2 - trabalho final
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
 
Workshop Ppt
Workshop PptWorkshop Ppt
Workshop Ppt
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
Plano Do Workshop
Plano Do WorkshopPlano Do Workshop
Plano Do Workshop
 
AnáLise CríTica
AnáLise CríTicaAnáLise CríTica
AnáLise CríTica
 

Mais de MARIA NOGUE

Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
MARIA NOGUE
 
Trabalho colaborativoo marceneiro
Trabalho colaborativoo marceneiroTrabalho colaborativoo marceneiro
Trabalho colaborativoo marceneiro
MARIA NOGUE
 
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
MARIA NOGUE
 
O outono
O outonoO outono
O outono
MARIA NOGUE
 
Boletim cre 2009-alunoeb23
Boletim   cre 2009-alunoeb23Boletim   cre 2009-alunoeb23
Boletim cre 2009-alunoeb23
MARIA NOGUE
 
Um Livro, Um Amigo
Um Livro, Um AmigoUm Livro, Um Amigo
Um Livro, Um Amigo
MARIA NOGUE
 
Um Livro, Um Amigo
Um Livro, Um AmigoUm Livro, Um Amigo
Um Livro, Um Amigo
MARIA NOGUE
 
Falar Verdade A Mentir
Falar Verdade A MentirFalar Verdade A Mentir
Falar Verdade A Mentir
MARIA NOGUE
 
ApresentaçãO1 Solidariedade
ApresentaçãO1 SolidariedadeApresentaçãO1 Solidariedade
ApresentaçãO1 Solidariedade
MARIA NOGUE
 
ApresentaçãO1 Destinos Inacabados
ApresentaçãO1 Destinos InacabadosApresentaçãO1 Destinos Inacabados
ApresentaçãO1 Destinos Inacabados
MARIA NOGUE
 
DIREITOS HUMANOS III
DIREITOS HUMANOS IIIDIREITOS HUMANOS III
DIREITOS HUMANOS III
MARIA NOGUE
 
Direitos Humanos II
Direitos Humanos IIDireitos Humanos II
Direitos Humanos II
MARIA NOGUE
 
DIREITOS HUMANOS
DIREITOS HUMANOSDIREITOS HUMANOS
DIREITOS HUMANOS
MARIA NOGUE
 
Ainauditagagc
AinauditagagcAinauditagagc
Ainauditagagc
MARIA NOGUE
 
Ainauditagagc
AinauditagagcAinauditagagc
Ainauditagagc
MARIA NOGUE
 
Monumentos2
Monumentos2Monumentos2
Monumentos2
MARIA NOGUE
 
Monumentos1
Monumentos1Monumentos1
Monumentos1
MARIA NOGUE
 
ApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos TradicApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos Tradic
MARIA NOGUE
 
ApresentaçãO1b.D.
ApresentaçãO1b.D.ApresentaçãO1b.D.
ApresentaçãO1b.D.
MARIA NOGUE
 
Reportagem
ReportagemReportagem
Reportagem
MARIA NOGUE
 

Mais de MARIA NOGUE (20)

Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
Regras basicasdecomportamentoacumprirnas 110905163515-phpapp01
 
Trabalho colaborativoo marceneiro
Trabalho colaborativoo marceneiroTrabalho colaborativoo marceneiro
Trabalho colaborativoo marceneiro
 
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
Apresentação vis.g. bib. 5º ano2010
 
O outono
O outonoO outono
O outono
 
Boletim cre 2009-alunoeb23
Boletim   cre 2009-alunoeb23Boletim   cre 2009-alunoeb23
Boletim cre 2009-alunoeb23
 
Um Livro, Um Amigo
Um Livro, Um AmigoUm Livro, Um Amigo
Um Livro, Um Amigo
 
Um Livro, Um Amigo
Um Livro, Um AmigoUm Livro, Um Amigo
Um Livro, Um Amigo
 
Falar Verdade A Mentir
Falar Verdade A MentirFalar Verdade A Mentir
Falar Verdade A Mentir
 
ApresentaçãO1 Solidariedade
ApresentaçãO1 SolidariedadeApresentaçãO1 Solidariedade
ApresentaçãO1 Solidariedade
 
ApresentaçãO1 Destinos Inacabados
ApresentaçãO1 Destinos InacabadosApresentaçãO1 Destinos Inacabados
ApresentaçãO1 Destinos Inacabados
 
DIREITOS HUMANOS III
DIREITOS HUMANOS IIIDIREITOS HUMANOS III
DIREITOS HUMANOS III
 
Direitos Humanos II
Direitos Humanos IIDireitos Humanos II
Direitos Humanos II
 
DIREITOS HUMANOS
DIREITOS HUMANOSDIREITOS HUMANOS
DIREITOS HUMANOS
 
Ainauditagagc
AinauditagagcAinauditagagc
Ainauditagagc
 
Ainauditagagc
AinauditagagcAinauditagagc
Ainauditagagc
 
Monumentos2
Monumentos2Monumentos2
Monumentos2
 
Monumentos1
Monumentos1Monumentos1
Monumentos1
 
ApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos TradicApresentaçãOcontos Tradic
ApresentaçãOcontos Tradic
 
ApresentaçãO1b.D.
ApresentaçãO1b.D.ApresentaçãO1b.D.
ApresentaçãO1b.D.
 
Reportagem
ReportagemReportagem
Reportagem
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 

Workshop 2ª Parte

  • 1. Mª José Nogueira - 2009/2010 Objectivos 4
  • 2. Organização estrutural e funcional do modelo O modelo está organizado em torno de quatro domínios e respectivos subdomínios que representam as áreas nucleares em que se deverá processar o trabalho da/com a Biblioteca Escolar A – APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR: A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B – LEITURA E LITERACIAS C –PROJECTOS, PARCERIAS E ACTIVIDADES LIVRES E DE ABERTURA À COMUNIDADE: C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D – GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção/da informação Mª José Nogueira - 2009/2010
  • 3. Organização Organização estrutural e funcional do modelo O modelo orienta o trabalho nas e das Bibliotecas, pois apresenta as áreas nucleares de intervenção, dá exemplos e sugestões que permitem melhorar o trabalho. Para cada domínio/subdomínio é apresentado um quadro com: Mª José Nogueira - 2009/2010 Indicadores Factores Críticos de sucesso Evidências Acções para melhoria Apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio. Apresentam-se exemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o indicador apresentado. Dão-se exemplos para possíveis instrumentos de recolha de evidências para o indicador apresentado. Dão-se sugestões de acções a implementar caso seja necessário melhorar o desempenho da BE no indicador apresentado.
  • 4. Organização estrutural e funcional do modelo O modelo também nos apresenta, para cada domínio e subdomínio, os perfis de desempenho que caracterizam o que se espera da Biblioteca, através de uma listagem de descritores, na área analisada. Os perfis de desempenho são organizados numa escala de 4 níveis que caracteriza o tipo de desempenho da biblioteca em relação a cada domínio : Nível Descrição 4 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo 3 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. 2 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. 1 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência
  • 5. Mª José Nogueira - 2009/2010 Objectivos 5
  • 6. Aplicação do modelo nas escolas Divulgação do modelo na escola : Apresentação do processo ao conselho executivo Formação para a equipa Apresentação e discussão em Conselho Pedagógico Divulgação da calendarização sobre o processo e sobre o contributo de cada um 2. Implementação do processo: Identificação de um problema Recolha de evidências Interpretação da informação Realização das mudanças necessárias Recolha de novas evidências 3. Comunicação dos resultados Apresentação dos resultados à comunidade escolar Ligação à avaliação interna e externa da escola
  • 7. Mª José Nogueira - 2009/2010 Objectivos 6
  • 8. Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES A necessidade de adaptação a um modelo de auto-avaliação e respectiva terminologia que implica conceitos novos a vários níveis; A inexistência do “know-how” necessário à recolha/ leitura de evidências; Falta de sistematização e de experiência na recolha de evidências A falta de cooperação/ envolvimento por parte dos órgãos de gestão e diferentes estruturas educativas da Escola ; Modelo de auto-avaliação, enquanto instrumento de regulação e de melhoria, resulta num aumento do grau de satisfação do leque de competências dos utilizadores da BE; A auto-avaliação da BE, enquanto processo comprovativo do real impacto da BE ao nível das aprendizagens dos alunos, daí resultando uma maior afirmação e reconhecimento do valor da BE (interno e externo);
  • 9. Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES A desvalorização da BE, enquanto instrumento de apoio à consecução dos objectivos da Escola e enquanto instrumento de suporte às actividades de ensino e aprendizagem. A auto-avaliação da BE, enquanto processo que contribua para uma maior responsabilização/ maior envolvimento dos órgão de gestão, órgãos de decisão pedagógica, outras estruturas educativas e Pais; A auto-avaliação da BE, enquanto processo que produz uma mudança de práticas de gestão que privilegiam a reflexão e a recolha de evidências qualitativas geradoras de mudança/ melhoria.
  • 10. Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades Reflexão INDIVIDUAL: Quais os constrangimentos que receio encontrar quando aplicar este modelo na minha Biblioteca escolar? Quais são, na minha opinião, as potencialidades deste modelo?
  • 11. Modelo de auto-avaliação Constrangimentos/Potencialidades ALGUNS CONSTRANGIMENTOS ALGUMAS POTENCIALIDADES Há o risco de se confundir a auto-avaliação da BE com a avaliação do coordenador e da sua equipa; Dificuldades na gestão do tempo; Falta de sistematização e de experiência na recolha de evidências Dificuldades em aceitar os resultados negativos; Receio da reacção da comunidade escolar. Promove uma cultura de avaliação; Potencia uma visão e um pensamento estratégico; Promove o trabalho colaborativo dentro da escola/agrupamento ( o necessário envolvimento de todos); Ajuda a estabelecer prioridades ; Permite diagnosticar pontos fracos e pontos fortes.
  • 12. Mª José Nogueira - 2009/2010 Objectivos 7
  • 13. Mª José Nogueira - 2009/2010 Toda a comunidade escolar é envolvida no processo. “ The self evaluation of the school library is not solely the responsability of library staff. The active envolvement of senior management is crucial in ensuring that the self-evaluation can be conducted effectivel and the findings fed into whole school planning.” (Sarah McNicol)
  • 14. Mª José Nogueira - 2009/2010 Assim, a implementação do modelo com sucesso requer essencialmente: Um diálogo constante com os Órgãos de Gestão, com o objectivo de os sensibilizar para a necessidade e valor da implementação do processo de avaliação, bem como para a integração da auto-avaliação da BE na planificação geral das actividades da escola/ nos normativos que regulam essas actividades; um diálogo constante com os departamentos e professores para fomentar o aparecimento de uma cultura/ hábitos de colaboração, para que em conjunto equipa da BE e docentes planeiem todo o processo de implementação de auto-avaliação da BE e o integrem com naturalidade nas suas práticas educativas.
  • 15. Mª José Nogueira - 2009/2010 Envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores: Estar envolvido no processo desde o princípio; ser líder coadjuvante desse processo; Unir vontades e acções Direcção Alunos Professores Recolha de evidências . Resposta a questionários . Outras solicitações por parte do coordenador da BE Participar activamente no processo . Resposta a questionários . Grelhas de observação . Sugestão de actividades
  • 16. Mª José Nogueira - 2009/2010 Coordenador da BE Forte liderança; Desenvolvimento do processo; Mobilização e motivação da equipa e de toda a comunidade escolar; Promoção de uma cultura de avaliação. Professores questionários, entrevistas, grelhas de observação,…
  • 17. Mª José Nogueira - 2009/2010 Alunos questionários, entrevistas, grelhas de observação,... Encarregados de Educação questionários, entrevistas, grelhas de observação,… Conselho Pedagógico análise do relatório; recomendações Direcção acompanhar e coadjuvar todo o processo.
  • 18. “ O modelo indica o caminho , a metodologia , a operacionalização . A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador , que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo .” PARA CONCLUIR:
  • 19. “ O aluno actual deseja ser o “capitão” da sua própria aprendizagem. Mas isso implica a sua orientação nesta viagem da informação. O professor bibliotecário é o guia que tudo fará para que o aluno chegue a bom porto. Se tal acontecer, a biblioteca escolar provará, sem qualquer dúvida, ser a identidade fulcral da aprendizagem, em pleno séc. XXI e no futuro. ” In Newsletter nº 3, 2008 PARA CONCLUIR:
  • 20. “ o que verdadeiramente interessa e justifica a acção e a existência da Biblioteca Escolar não são os processos (…) mas sim o resultado, o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores.” AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
  • 21. Mª José Nogueira - 2009/2010 Referências bibliográficas: - Texto da sessão EISENBERG, Michael B., MILLER, Danielle H. - School Library Journal, 9/1/2002 McNICOL, Sarah (2004) Incorporating library provision in school self-evaluation . Educational Review, 56 (3), 287-296 TODD, Ross (2008) The Evidence-Based Manifesto for School Librarians. TODD, Ross - School Library Journal, 4/1/2008 Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares - Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (2008). IFLA/ UNESCO – Manifesto da Biblioteca Escolar, Lisboa, Ministério da Educação – Gabinete da RBE, 1999 VEIGA, Isabel – Lançar a rede de bibliotecas escolares: relatório síntese, 2ª ed., Lisboa, Min. Educação, 2001