SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Emergência de Novos Centros de Poder
Mundialização
das
economias
A globalização ou a mundialização é o fenómeno que tende a
aumentar a integração das economias e que afeta os mercados,
as operações financeiras e os processos produtivos. Os mercados
dos principais produtos estão quase todos mundializados, como
são exemplo o petróleo e energia, as indústrias aeronáutica,
informática, robótica, construção naval, telecomunicações,
armamento, produtos televisivos, entre outros.
Cada vez mais se fala num mercado mundial, caracterizado por
um enorme mobilização dos capitais. A globalização financeira é
o processo que conduz à integração de todos os controlos que
travam a livre circulação do capital entre os grandes países
industrializados. Só Nova Iorque, Londres e Tóquio controlam
mais de 80% das transações que se efetuam nos mercados
financeiros em todo o mundo.
Configuração
do Sistema
Económico
Mundial
Industrialização
Fluxos
comerciais
entre os
principais
atores
económicos
EUA centro de Poder Militar e Económico
O Ordenamento da Economia Internacional
A economia mundial era dominada pelos Estados Unidos, Japão e União Europeia.
De inspiração liberal, assentava nas vantagens comparativas dos bens e serviços, enquanto circulam
e são comercializados livremente, tendem a ser produtos em condições ótimas de eficácia e a
satisfazer ao menor custo as necessidades dos consumidores.
Compatível com uma conceção não intervencionista do papel do Estado, na sua forma extrema,
conduz à total liberdade de ação das empresas privadas e à liberdade de circulação dos bens e
serviços através das fronteiras sem qualquer tipo de entraves.
Estes princípios podem provocar excessos, com acordos abusivos ou posições dominantes,
falseando o mercado e daí a necessidade de regulamentar a concorrência.
Por outro lado, os Estados têm tendência a defender as suas economias da concorrência estrangeira
e intervêm na economia, embora cada vez o façam menos, em virtude dos acordos internacionais
de liberalização económica.
O Mundo atual organiza-se em torno de
grandes focos, constituídos pelos…
• EUA – Militar e Economia
• UE – Comércio
•Japão Industrialização Tecnológica
“Milagre” Chinês
A reforma e a abertura da economia chinesa,
iniciada por Deng Xiaoping no final da década de
1970, levaram a China, em apenas quatro
décadas, e partindo de um patamar muito baixo
de desenvolvimento, a tornar-se na segunda
maior economia mundial.
Este aparente sucesso, ou mesmo “milagre”
como muitos o classificam, foi alcançado através
de um modelo político e económico alternativo
que incorpora características de uma economia
capitalista, mas que, em última instância, está
sob o controlo de um Estado autoritário.
China, o coração da mundialização
• A adesão da China à Organização Mundial do
Comércio (OMC) em 2001 consolida a crescente abertura
do país de maior população do mundo. Tal fato foi
marcado por vários anos de difíceis negociações com os
principais parceiros internacionais, Estados Unidos e
União Européia, com os quais teve que concluir prévios
acordos sobre as modalidades concretas da mútua
abertura das economias. Foi celebrada, portanto, mesmo
que de maneira superficial, como uma forma de triunfo
final da economia de mercado. Após mais de vinte anos
de reformas liberais, acabou oficialmente o tradicional
isolamento do maior dos países que, até tempos
recentes, estava ainda bem fechado. A China será agora
mais um parceiro da ordem global, embora de peso e
natureza bem particulares. O acontecimento, com
certeza, é histórico, pois amplia ainda mais a
controvertida "globalização da economia" e dará à China
um papel de destaque no mundo do século XXI, maior do
que se tivesse ficado à margem da OMC.
https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292002000200005
Mas qual motivo das empresas multinacionais investirem no mercado
chinês, mesmo com tantas imposições do governo?
Vantagens que a economia chinesa oferece:
• mão de obra barata e
abundante
• baixos impostos
• abundância e fácil acesso
em matérias-primas
• amplo mercado
consumidor
• facilidade no escoamento e
exportação da produção
Made in
China
Atualmente, a crescente dependência
económica face à China leva muitas
democracias ocidentais a terem de encontrar
um equilíbrio complexo entre os seus
interesses económicos e a defesa dos seus
valores fundamentais.
De facto, a China tem a maior população do
mundo e uma economia com um enorme
potencial de crescimento, constituindo uma
grande oportunidade para consumidores,
investidores e empresas estrangeiras.
Integração Regional
A evolução tecnológica tem permitido a expansão das economias e por sua vez, das empresas, aumentando as trocas
internacionais e a mobilidade dos capitais.
O processo de globalização obrigou a uma maior organização por parte dos Estados, no sentido de liberalizar e
harmonizar as suas políticas económicas, para tornar os mercados competitivos. Para isso foram criados acordos de
integração regional, com ritmos e prazos pré‐definidos.
O objetivo destes acordos de integração regional, cujas formas mais importantes são as seguintes:
‐ Zonas de Comércio Livre: Têm por objetivo eliminar obstáculos às trocas comerciais de bens e serviços, mantendo cada
Estado autonomia em matéria de política pautal em relação a países terceiros;
‐ União Aduaneira: É uma zona de comércio livre com um novo elemento, que é a Pauta Aduaneira Comum aplicável a
todos os países terceiros;
‐ Mercado Comum: É uma forma de integração económica que se traduz numa união aduaneira, acrescida de livre
circulação dos fatores de produção;
‐ União Económica: Constitui o estádio mais avançado de integração económica, entrando em linha de conta com a livre
circulação dos fatores de produção e a harmonização das políticas económicas dos países membros.
Razões que originam a Integração
Regional
1 – Alargamento de mercados e obtenção de ganhos comerciais resultantes da
racionalização e da especialização das estruturas de produção;
2 – Aumento da coesão política: amortece as tensões políticas e forja uma
cooperação política através do elo comercial;
3 – Realização de outros objetivos de política comerciais e económicos:
igualizar as vantagens do jogo entre os principais parceiros comerciais,
diminuir a supremacia económica de um parceiro comercial grande e
poderoso, lançar a cooperação multilateral.
Exemplos de Integração Regional
É uma organização intergovernamental fundada a partir do
Tratado de Assunção de 1991. Estabelece uma integração,
inicialmente económica, configurada atualmente em uma
união aduaneira, na qual há livre-comércio intrazona e política
comercial comum entre os países-membros.
A Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) é uma
organização intergovernamental regional, fundada em 1976,
que compreende dez países do sudeste asiático, que promove
a cooperação intergovernamental e facilita a integração
económica, política, de segurança, militar, educacional e
sociocultural entre seus membros e outros países da Ásia.
Em 1992, os países participantes decidiram transformá-la em
zona de livre-comércio, a ser implantada gradativamente até
2008. Foi fundada originalmente pela Tailândia, Indonésia,
Malásia, Singapura e Filipinas.
Cooperação, associação, união entre países
Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (em inglês: North
American Free Trade Agreement, NAFTA) foi um tratado que
envolveu o Canadá, México e Estados Unidos, numa atmosfera
de livre comércio, com custo reduzido para troca de
mercadorias entre os três países. O NAFTA entrou em vigor em
1 de janeiro de 1994.
Em 1988, os Estados Unidos e o Canadá assinaram um Acordo
de Liberalização Económica, formalizando o relacionamento
comercial entre aqueles dois países. Em 1994, o bloco recebeu
a adesão dos mexicanos.
• A Associação Europeia de Comércio Livre (abreviado AECL, em inglês: European Free
Trade Association, abreviado EFTA) é um bloco económico europeu, de que Portugal fez
parte desde a fundação até à sua adesão à Comunidade Económica Europeia em 1986.
• A EFTA é uma organização europeia fundada a 4/01/1960 na cidade de Estocolmo,
Suécia, pelo Reino Unido, Portugal, Dinamarca, Noruega, Suíça, Áustria e Suécia. Em 1961,
a Finlândia torna-se membro associado e em 1986, membro de pleno direito. Em 1970 foi
admitida a Islândia e o Liechtenstein, em 1991. Na atualidade, a EFTA é apenas constituída
por quatro países: Suíça, Liechtenstein, Noruega e Islândia.
• Estes estados decidiram juntar-se para defender os seus interesses económicos através
da criação de uma área de comércio livre e o seu funcionamento alicerçou-se num
princípio simples: os produtos importados de estados-membros não estavam sujeitos ao
pagamento de impostos aduaneiros, o que naturalmente serviu para fomentar as trocas
internacionais no espaço desses países.
Cooperação, associação,
união entre países
**Reino Unido abandona a UE em 31/012020
G8 ou G7+1, ou G8-1
• O Grupo dos Sete (G7) é o grupo dos países mais industrializados
do mundo, composto por: Alemanha, Canadá, Estados Unidos,
França, Itália, Japão e Reino Unido, embora a União Europeia
também esteja representada.
• São as sete economias mais avançadas do mundo, de acordo com o
FMI, os quais representam mais de 64% da riqueza líquida global.
• A grande riqueza líquida nacional e índice de desenvolvimento
humano (IDH) extremamente elevado são algumas das principais
características dos membros deste grupo.
• Representam 46% do produto interno bruto (PIB) global e 32% da
paridade do poder de compra (PPC) global.
• Em março de 2014, a Rússia foi expulsa do grupo após ter anexado
a Crimeia ao seu território, e assim o grupo passou a ter sete
integrantes (G7) novamente.
G20
• É um grupo formado pelos ministros de finanças e chefes dos
bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União
Europeia.
• Foi criado em 1999, após as sucessivas crises financeiras da década
de 90.
• Visa favorecer a negociação internacional, integrando o princípio
de um diálogo ampliado, levando em conta o peso económico
crescente de alguns países, que, juntos, representam 90% do PIB
mundial, 80% do comércio mundial (incluindo o comércio intraUE)
e dois terços da população mundial.
• Estes números conferem-lhe significativa influência sobre a gestão
do sistema financeiro e da economia global.
• O G-20 estuda, analisa e promove a discussão entre os países mais
ricos e os emergentes sobre questões políticas relacionadas com a
promoção da estabilidade financeira internacional.
Próximos Onze
Conjunto de 11 países identificados pelo Banco de
Investimento Goldman Sachs como de grande
potencial para integrarem as maiores economias do
mundo junto com os BRICs.
• Os critérios foram fatores como:
• estabilidade macroeconómica,
• maturidade política,
• políticas de abertura de comércio e investimento
• qualidade de educação.
Assim, foram listados para o conjunto Bangladesh,
Coreia do Sul, Egito, Filipinas, Indonésia, Irão, México,
Nigéria, Paquistão, Turquia e Vietname.
NPI
PMA
OPEP
BRICS/ TICKS
Estado Islâmico:
Pós Guerra Fria
Novo Estado
Islâmico
• É um tipo de governo que se fundamenta na aplicação da lei
religiosa islâmica, ou "sharia". Desde o início do Islão que diversos
governos foram fundados como islâmicos. Entre os primeiros
Estados islâmicos, assinala-se aquele o próprio califado fundado
pelo profeta Maomé e os sucessivos governos sob domínio de um
califa (ou "sucessor" de Maomé).
• No entanto, desde o século XX que o termo "Estado islâmico"
apresenta uma conotação específica, e cujo conceito moderno tem
vindo a ser articulado e promovido por ideólogos como Abul Ala
Maududi, Israr Ahmed, Ruhollah Khomeini ou Sayyid Qutb. Tal
como a anterior noção de califado, o Estado islâmico moderno tem
por base a lei islâmica e é moldado de acordo com o governo de
Maomé. No entanto, ao contrário dos antigos califados, que eram
monarquias déspotas, um Estado islâmico moderno pode
incorporar instituições políticas modernas, como a realização de
eleições, parlamentos, poder judicial ou soberania popular.
• Atualmente, diversos países islâmicos incorporaram a lei islâmica
nos seus sistemas jurídicos, total ou parcialmente. Alguns Estados
muçulmanos declaram na constituição o Islamismo enquanto
religião de Estado, embora não apliquem a lei islâmica nos
tribunais. Os Estados islâmicos que não sejam monarquias são
geralmente referidos como repúblicas islâmicas.
• Não é obrigatório um Estado Islâmico unificar jurisprudências de
processos a revelia da religião dos litigiosos, ter pautas de direita e
defender um sectarismo religioso.
https://www.visionofhumanity.org/maps/#/
Filmes
Bordertown - Cidade
sob Ameaça
• Título original: Bordertown
• De: Gregory Nava
• Com: Jennifer Lopez, António Banderas, Kate del Castillo
• Género: Drama, Thriller
• Classificação: M/12
• Outros dados: EUA/GB, 2006, Cores, 100 min.
A investigação, baseada em factos verídicos, de uma jornalista norte-americana
na Cidade Juárez, na fronteira mexicana com os EUA, onde o caso de centenas
de mulheres assassinadas põe a região a ferro e fogo. Mas as pistas que a
repórter segue colocam-na no encalço de interesses americanos e mexicanos e
o trabalho assume contornos cada vez mais perigosos, colocando a sua vida em
risco.
"Cidade sob Ameaça" baseia-se no "feminicídio" - expressão nascida
exatamente após o caso de Juárez - de 370 mulheres durante uma década. No
mesmo período, entre 1993 e 2003, terão desaparecido cem mulheres, segundo
os dados oficiais da Amnistia Internacional. Apenas um homem foi condenado
por 16 casos. Os restantes casos, que continuam a surgir, permanecem por
resolver.
Argo
• Título original: Argo
• De: Ben Affleck
• Com: Ben Affleck, Bryan Cranston, John Goodman
• Género: suspense histórico
• Classificação: M/12
• Outros dados: EUA, 2012, Cores, 120 min.
Baseado numa história verídica, "Argo", narra a história da operação de risco
para resgatar seis Americanos na crise dos reféns no Irão - uma verdade
escondida do público durante décadas.
A 4 de Novembro de 1979, quando a revolução iraniana atinge o seu ponto de
ebulição, militantes invadem a Embaixada dos Estados Unidos da América no
Teerão e fazem reféns 52 Americanos. Mas, no meio do caos, seis Americanos
conseguem escapar e encontrar refúgio na casa do Embaixador Canadiano.
Sabendo que é só uma questão de tempo até os seis serem encontrados e
provavelmente mortos, um especialista da CIA chamado Tony Mendez surge
com um plano arriscado para fazê-los sair do país em segurança. Um plano tão
incrível, digno de um filme.
• https://www.institutocamoes.pt/images/stories/tecnicas_comunicaca
o_em_portugues/portugues%20nas%20relacoes%20internacionais/
Mundializacao%20das%20economias.pdf
• https://observador.pt/opiniao/a-ascensao-da-china-e-a-salvaguarda-
do-mundo-livre/
• https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/opep.htm
• https://exame.com/economia/o-nivel-de-desenvolvimento-de-todos-
os-paises-em-um-mapa/
Semiperiferias
PMA
A lista dos países menos desenvolvidos é revista de três em
três anos pelo Conselho Económico e Social das Nações
Unidas e com base em recomendações do Comité para as
Políticas de Desenvolvimento (CDP). O CDP estabelece três
critérios para que um país considerado como país menos
desenvolvido – rendimento baixo, debilidade do capital
humano e vulnerabilidade económica.
• O rendimento baixo é um critério baseado no
rendimento nacional bruto per capita no limiar de 905
dólares.
• A debilidade do capital humano é um parâmetro
baseado no índice composto que analisa indicadores de
nutrição, saúde, educação e literacia.
• A vulnerabilidade económica é calculada pelo índice de
vulnerabilidade económica que inclui indicadores como
as catástrofes naturais, colapsos comerciais, exposição
ao risco e tamanho da economia.
Na sua maioria fizeram parte dos antigos países do terceiro
Mundo
Riqueza &
Conflitos
PMA (2019)
• África (33 países)
• América (1 país)
• Ásia (9 países)
• Oceania (4 países)
Clube de Paris
• O Clube de Paris é uma instituição
informal constituída pelos 22 abaixo
citados cuja missão é ajudar
financeiramente países com dificuldades
económicas. O primeiro encontro
aconteceu em 1956, quando a Argentina
concordou em reunir-se com seus
credores na cidade de Paris. Atualmente
ocorrem cerca de 10 a 11 encontros por
ano dos membros do clube.
• Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP ou,
pelo seu nome em inglês, OPEC) é uma organização
intergovernamental de 13 nações, fundada em 15 de
setembro de 1960 em Bagadá pelos cinco membros
fundadores (Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela),
com sede desde 1965 em Viena, na Áustria. Em setembro de
2018, os então 14 países membros representavam 44% da
produção global de petróleo e 81,5% das reservas de
petróleo "comprovadas" do mundo, dando à OPEP uma
grande influência nos preços globais de petróleo,
previamente determinados pelos chamados agrupamento
"Sete Irmãs" de empresas multinacionais de petróleo.
• A formação da OPEP marcou um ponto decisivo para a
soberania nacional sobre os recursos naturais e as decisões
da organização passaram a desempenhar um papel de
destaque no mercado global de petróleo e nas relações
internacionais. O efeito pode ser particularmente forte
quando guerras ou distúrbios civis levam a interrupções
prolongadas no fornecimento. Na década de 1970, as
restrições na produção de petróleo levaram a um aumento
dramático nos preços e na receita e riqueza da OPEP, com
consequências duradouras e de longo alcance para a
economia global. Na década de 1980, a OPEP começou a
estabelecer metas de produção para seus países membros;
geralmente, quando as metas são reduzidas, os preços do
petróleo aumentam.
Fazendo uma breve retrospetiva macroeconómica
dos últimos 30 anos, que vão desde os choques
monetários dos anos 70 (com paridades fixas entre
moedas e o dólar e o regime de câmbios fixos), dos
choques petrolíferos (1973 – quadruplicação do
preço do petróleo; 1979 – multiplicação por 2,5
durante dois anos), às políticas de austeridade dos
anos 90, com um aumento da competição e do
endividamento, considerando‐se também as
alianças dos países desenvolvidos e a
competitividade dos países pobres, tiram‐se
algumas conclusões.
Choques
petrolíferos
A crise do petróleo foi desencadeada num
contexto de déficit de oferta, com o início do
processo de nacionalizações e de uma série de
conflitos envolvendo os produtores árabes da
OPEP, como a guerra dos Seis Dias (1967), a
guerra do Yom Kipur (1973), a revolução islâmica
no Irã (1979) e a guerra Irão-Iraque (a partir de
1980), além de uma excessiva especulação
financeira. Os preços do barril de petróleo
atingiram valores altíssimos, chegando a
aumentar até 400% em cinco meses (17 de
outubro de 1973 – 18 de março de 1974),o que
provocou prolongada recessão nos Estados
Unidos e na Europa e desestabilizou a economia
mundial.
• Primeiro choque
Em 1956 o presidente do Egito na época Gamal Nasser nacionalizou o Canal de Suez (Crise de
Suez), até então propriedade de uma empresa Anglo-Francesa, importante passagem para
exportação de produtos da região para países ocidentais. Interrupção do abastecimento, com
o bloqueio do Canal, levando a um aumento súbito do preço do petróleo.
• Segundo choque
Em 1973 em protesto pelo apoio prestado pelos Estados Unidos a Israel durante a Guerra do
Yom Kippur, tendo os países árabes organizados na OPEP aumentando o preço do petróleo em
mais de 400%. Em março de 1974, os preços nominais tinham subido de 3 para 12 dólares por
barril.
• Terceiro choque
Em 1979 durante a crise política no Irão e a consequente deposição de Xá Reza Pahlevi o que
desorganizou todo o setor de produção no Irão, fazendo com que os preços aumentassem.
Entre 1979 e 1981 o preço nominal do barril aumentou de 13 para 34 dólares. Na sequência
da Revolução iraniana, travou-se a Guerra Irão-Iraque (1980-1988), na qual foram mortos mais
de um milhão de soldados de ambos os países, tendo o preço disparado em face da súbita
diminuição da produção de dois dos principais produtores mundiais.
• Quarto choque
Foi com a Guerra do Golfo em 1991, depois do Iraque, governado por Saddam Hussein, ter
invadido o país vizinho Kuwait, um dos maiores produtores de petróleo do mundo. Com a
invasão das forças militares dos EUA(Estados Unidos da América) e dos países aliados, os
iraquianos foram expulsos do Kuwait. Contudo incendiaram alguns poços de petróleo do
emirado provocando uma crise económica e ecológica.
Lembra-se dos BRIC? Conheça
agora os TICK
• Taiwan, Índia, China e Coreia do Sul constituem o novo quarteto preferido dos investidores nos
mercados emergentes. Focados na tecnologia, o grupo veio substituir os BRIC.
• são a nova aposta de investimento nos mercados emergentes.
• O novo acrónimo reflete não apenas a entrada de novos países, mas também a preferência por
um novo sector. A tecnologia está a substituir os produtores de matérias-primas.
• Em 2015, o Goldman Sachs encerrou o fundo de investimento específico para o Brasil, Rússia,
Índia e China, dissolvendo-o no fundo dos mercados emergentes. Com esta decisão, o banco
sentenciou a morte dos BRIC, um acrónimo criado por Jim O’Neill, economista do banco, em
2001. Mas, o Goldman continuou a aconselhar a aposta nos emergentes, apenas recomendando a
exposição a um "universo mais diversificado".
• Os investidores estão a favorecer um novo conjunto de países emergentes. Economias como a de
Taiwan e da Coreia do Sul, muito centradas na tecnologia e serviços, substituem assim os
produtores de matérias-primas em recessão, devido ao colapso dos preços – a Rússia e o Brasil.
"Os BRIC já não são o motor do crescimento dos mercados emergentes que eram
antes. Há uma nova ordem", diz Steven Holden, fundador da gestora”
TICK
• Ticks é um acrônimo para
Taiwan, Índia, China e Coreia
do Sul (South Korea, em
inglês). Foi mencionada pela
primeira vez em janeiro de
2016 pelo Financial Times,
em substituição ao conceito
de BRIC.
Milagre
Japonês
Novos centros de poder
Novos centros de poder
Novos centros de poder
Novos centros de poder

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoLia Treacy
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano713773
 
Relações internacionais e Macroregiões europeias
Relações internacionais e Macroregiões europeiasRelações internacionais e Macroregiões europeias
Relações internacionais e Macroregiões europeiasIdalina Leite
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano713773
 
GlobalizaçãO
GlobalizaçãOGlobalizaçãO
GlobalizaçãORita
 
1 globalização
1 globalização1 globalização
1 globalizaçãomanuela3016
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentolidia76
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalizaçãoIlda Bicacro
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...713773
 
Cidades globais
Cidades globaisCidades globais
Cidades globaisnanasimao
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1cattonia
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoIlda Bicacro
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunistahome
 
Os problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoOs problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoCarlos Vieira
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Idalina Leite
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalistahome
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacionalCacilda Basto
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra friaVítor Santos
 

Mais procurados (20)

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Relações internacionais e Macroregiões europeias
Relações internacionais e Macroregiões europeiasRelações internacionais e Macroregiões europeias
Relações internacionais e Macroregiões europeias
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
GlobalizaçãO
GlobalizaçãOGlobalizaçãO
GlobalizaçãO
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
1 globalização
1 globalização1 globalização
1 globalização
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
Cidades globais
Cidades globaisCidades globais
Cidades globais
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
 
Os problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoOs problemas da globalização
Os problemas da globalização
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 

Semelhante a Novos centros de poder

Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014
Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014
Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014Moises Bagagi
 
Introdução a geopolitica
Introdução a geopoliticaIntrodução a geopolitica
Introdução a geopoliticaBruna Azevedo
 
bloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfbloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfCobyy
 
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptxBLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptxFernanda Castello
 
Revisão de geografia 2º ano
Revisão de geografia 2º anoRevisão de geografia 2º ano
Revisão de geografia 2º anoeunamahcado
 
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptx
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptxSEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptx
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptxNalva Novais
 
Aula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitárioAula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitárioCláudia Ximenes
 
Globalização, comercio mundial e blocos econômicos
Globalização, comercio mundial e blocos econômicosGlobalização, comercio mundial e blocos econômicos
Globalização, comercio mundial e blocos econômicosWander Junior
 
Blocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisBlocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisEder Liborio
 
Globalizacao da economia
Globalizacao da economiaGlobalizacao da economia
Globalizacao da economiaEstude Mais
 
Aula 6 comércio internacional e blocos economicos
Aula 6   comércio internacional e blocos economicosAula 6   comércio internacional e blocos economicos
Aula 6 comércio internacional e blocos economicosIsabela Espíndola
 
Globalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicosGlobalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicosLucas Lourenço
 
O Brasil a globalização e os blocos econômicos
O Brasil a globalização e os blocos econômicosO Brasil a globalização e os blocos econômicos
O Brasil a globalização e os blocos econômicosColégio Nova Geração COC
 
A distância não separa
A distância não separaA distância não separa
A distância não separaKelly_Liiz
 
Globalização e o comércio mundial
Globalização e o comércio mundialGlobalização e o comércio mundial
Globalização e o comércio mundialMatheuz Andre
 
02 globalizacao da_economia
02 globalizacao da_economia02 globalizacao da_economia
02 globalizacao da_economiaRachel V.
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicosarchy9
 

Semelhante a Novos centros de poder (20)

Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014
Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014
Economia Aplicada e Cenários Econômicos Globais_Simão Davi Silber_2014
 
Introdução a geopolitica
Introdução a geopoliticaIntrodução a geopolitica
Introdução a geopolitica
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
bloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfbloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdf
 
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptxBLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
 
O mundo multipolar
O mundo multipolarO mundo multipolar
O mundo multipolar
 
Revisão de geografia 2º ano
Revisão de geografia 2º anoRevisão de geografia 2º ano
Revisão de geografia 2º ano
 
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptx
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptxSEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptx
SEMANA 11 ATIVIDADE 01- GEOGRAFIA SEGUIMENTO II EJA MODULO II.pptx
 
Aula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitárioAula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitário
 
Globalização, comercio mundial e blocos econômicos
Globalização, comercio mundial e blocos econômicosGlobalização, comercio mundial e blocos econômicos
Globalização, comercio mundial e blocos econômicos
 
Blocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisBlocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos Regionais
 
Globalizacao da economia
Globalizacao da economiaGlobalizacao da economia
Globalizacao da economia
 
Aula 6 comércio internacional e blocos economicos
Aula 6   comércio internacional e blocos economicosAula 6   comércio internacional e blocos economicos
Aula 6 comércio internacional e blocos economicos
 
Globalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicosGlobalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicos
 
O Brasil a globalização e os blocos econômicos
O Brasil a globalização e os blocos econômicosO Brasil a globalização e os blocos econômicos
O Brasil a globalização e os blocos econômicos
 
A distância não separa
A distância não separaA distância não separa
A distância não separa
 
Globalização e o comércio mundial
Globalização e o comércio mundialGlobalização e o comércio mundial
Globalização e o comércio mundial
 
02 globalizacao da_economia
02 globalizacao da_economia02 globalizacao da_economia
02 globalizacao da_economia
 
Países do norte
Países do nortePaíses do norte
Países do norte
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalDouglasVasconcelosMa
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

Novos centros de poder

  • 1. Emergência de Novos Centros de Poder
  • 2. Mundialização das economias A globalização ou a mundialização é o fenómeno que tende a aumentar a integração das economias e que afeta os mercados, as operações financeiras e os processos produtivos. Os mercados dos principais produtos estão quase todos mundializados, como são exemplo o petróleo e energia, as indústrias aeronáutica, informática, robótica, construção naval, telecomunicações, armamento, produtos televisivos, entre outros. Cada vez mais se fala num mercado mundial, caracterizado por um enorme mobilização dos capitais. A globalização financeira é o processo que conduz à integração de todos os controlos que travam a livre circulação do capital entre os grandes países industrializados. Só Nova Iorque, Londres e Tóquio controlam mais de 80% das transações que se efetuam nos mercados financeiros em todo o mundo.
  • 5. EUA centro de Poder Militar e Económico
  • 6. O Ordenamento da Economia Internacional A economia mundial era dominada pelos Estados Unidos, Japão e União Europeia. De inspiração liberal, assentava nas vantagens comparativas dos bens e serviços, enquanto circulam e são comercializados livremente, tendem a ser produtos em condições ótimas de eficácia e a satisfazer ao menor custo as necessidades dos consumidores. Compatível com uma conceção não intervencionista do papel do Estado, na sua forma extrema, conduz à total liberdade de ação das empresas privadas e à liberdade de circulação dos bens e serviços através das fronteiras sem qualquer tipo de entraves. Estes princípios podem provocar excessos, com acordos abusivos ou posições dominantes, falseando o mercado e daí a necessidade de regulamentar a concorrência. Por outro lado, os Estados têm tendência a defender as suas economias da concorrência estrangeira e intervêm na economia, embora cada vez o façam menos, em virtude dos acordos internacionais de liberalização económica.
  • 7. O Mundo atual organiza-se em torno de grandes focos, constituídos pelos… • EUA – Militar e Economia • UE – Comércio •Japão Industrialização Tecnológica
  • 8. “Milagre” Chinês A reforma e a abertura da economia chinesa, iniciada por Deng Xiaoping no final da década de 1970, levaram a China, em apenas quatro décadas, e partindo de um patamar muito baixo de desenvolvimento, a tornar-se na segunda maior economia mundial. Este aparente sucesso, ou mesmo “milagre” como muitos o classificam, foi alcançado através de um modelo político e económico alternativo que incorpora características de uma economia capitalista, mas que, em última instância, está sob o controlo de um Estado autoritário.
  • 9. China, o coração da mundialização • A adesão da China à Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001 consolida a crescente abertura do país de maior população do mundo. Tal fato foi marcado por vários anos de difíceis negociações com os principais parceiros internacionais, Estados Unidos e União Européia, com os quais teve que concluir prévios acordos sobre as modalidades concretas da mútua abertura das economias. Foi celebrada, portanto, mesmo que de maneira superficial, como uma forma de triunfo final da economia de mercado. Após mais de vinte anos de reformas liberais, acabou oficialmente o tradicional isolamento do maior dos países que, até tempos recentes, estava ainda bem fechado. A China será agora mais um parceiro da ordem global, embora de peso e natureza bem particulares. O acontecimento, com certeza, é histórico, pois amplia ainda mais a controvertida "globalização da economia" e dará à China um papel de destaque no mundo do século XXI, maior do que se tivesse ficado à margem da OMC. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292002000200005
  • 10. Mas qual motivo das empresas multinacionais investirem no mercado chinês, mesmo com tantas imposições do governo? Vantagens que a economia chinesa oferece: • mão de obra barata e abundante • baixos impostos • abundância e fácil acesso em matérias-primas • amplo mercado consumidor • facilidade no escoamento e exportação da produção
  • 11. Made in China Atualmente, a crescente dependência económica face à China leva muitas democracias ocidentais a terem de encontrar um equilíbrio complexo entre os seus interesses económicos e a defesa dos seus valores fundamentais. De facto, a China tem a maior população do mundo e uma economia com um enorme potencial de crescimento, constituindo uma grande oportunidade para consumidores, investidores e empresas estrangeiras.
  • 12. Integração Regional A evolução tecnológica tem permitido a expansão das economias e por sua vez, das empresas, aumentando as trocas internacionais e a mobilidade dos capitais. O processo de globalização obrigou a uma maior organização por parte dos Estados, no sentido de liberalizar e harmonizar as suas políticas económicas, para tornar os mercados competitivos. Para isso foram criados acordos de integração regional, com ritmos e prazos pré‐definidos. O objetivo destes acordos de integração regional, cujas formas mais importantes são as seguintes: ‐ Zonas de Comércio Livre: Têm por objetivo eliminar obstáculos às trocas comerciais de bens e serviços, mantendo cada Estado autonomia em matéria de política pautal em relação a países terceiros; ‐ União Aduaneira: É uma zona de comércio livre com um novo elemento, que é a Pauta Aduaneira Comum aplicável a todos os países terceiros; ‐ Mercado Comum: É uma forma de integração económica que se traduz numa união aduaneira, acrescida de livre circulação dos fatores de produção; ‐ União Económica: Constitui o estádio mais avançado de integração económica, entrando em linha de conta com a livre circulação dos fatores de produção e a harmonização das políticas económicas dos países membros.
  • 13. Razões que originam a Integração Regional 1 – Alargamento de mercados e obtenção de ganhos comerciais resultantes da racionalização e da especialização das estruturas de produção; 2 – Aumento da coesão política: amortece as tensões políticas e forja uma cooperação política através do elo comercial; 3 – Realização de outros objetivos de política comerciais e económicos: igualizar as vantagens do jogo entre os principais parceiros comerciais, diminuir a supremacia económica de um parceiro comercial grande e poderoso, lançar a cooperação multilateral.
  • 14.
  • 15. Exemplos de Integração Regional É uma organização intergovernamental fundada a partir do Tratado de Assunção de 1991. Estabelece uma integração, inicialmente económica, configurada atualmente em uma união aduaneira, na qual há livre-comércio intrazona e política comercial comum entre os países-membros. A Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) é uma organização intergovernamental regional, fundada em 1976, que compreende dez países do sudeste asiático, que promove a cooperação intergovernamental e facilita a integração económica, política, de segurança, militar, educacional e sociocultural entre seus membros e outros países da Ásia. Em 1992, os países participantes decidiram transformá-la em zona de livre-comércio, a ser implantada gradativamente até 2008. Foi fundada originalmente pela Tailândia, Indonésia, Malásia, Singapura e Filipinas.
  • 16. Cooperação, associação, união entre países Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (em inglês: North American Free Trade Agreement, NAFTA) foi um tratado que envolveu o Canadá, México e Estados Unidos, numa atmosfera de livre comércio, com custo reduzido para troca de mercadorias entre os três países. O NAFTA entrou em vigor em 1 de janeiro de 1994. Em 1988, os Estados Unidos e o Canadá assinaram um Acordo de Liberalização Económica, formalizando o relacionamento comercial entre aqueles dois países. Em 1994, o bloco recebeu a adesão dos mexicanos.
  • 17. • A Associação Europeia de Comércio Livre (abreviado AECL, em inglês: European Free Trade Association, abreviado EFTA) é um bloco económico europeu, de que Portugal fez parte desde a fundação até à sua adesão à Comunidade Económica Europeia em 1986. • A EFTA é uma organização europeia fundada a 4/01/1960 na cidade de Estocolmo, Suécia, pelo Reino Unido, Portugal, Dinamarca, Noruega, Suíça, Áustria e Suécia. Em 1961, a Finlândia torna-se membro associado e em 1986, membro de pleno direito. Em 1970 foi admitida a Islândia e o Liechtenstein, em 1991. Na atualidade, a EFTA é apenas constituída por quatro países: Suíça, Liechtenstein, Noruega e Islândia. • Estes estados decidiram juntar-se para defender os seus interesses económicos através da criação de uma área de comércio livre e o seu funcionamento alicerçou-se num princípio simples: os produtos importados de estados-membros não estavam sujeitos ao pagamento de impostos aduaneiros, o que naturalmente serviu para fomentar as trocas internacionais no espaço desses países. Cooperação, associação, união entre países
  • 18. **Reino Unido abandona a UE em 31/012020
  • 19. G8 ou G7+1, ou G8-1 • O Grupo dos Sete (G7) é o grupo dos países mais industrializados do mundo, composto por: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, embora a União Europeia também esteja representada. • São as sete economias mais avançadas do mundo, de acordo com o FMI, os quais representam mais de 64% da riqueza líquida global. • A grande riqueza líquida nacional e índice de desenvolvimento humano (IDH) extremamente elevado são algumas das principais características dos membros deste grupo. • Representam 46% do produto interno bruto (PIB) global e 32% da paridade do poder de compra (PPC) global. • Em março de 2014, a Rússia foi expulsa do grupo após ter anexado a Crimeia ao seu território, e assim o grupo passou a ter sete integrantes (G7) novamente.
  • 20. G20 • É um grupo formado pelos ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia. • Foi criado em 1999, após as sucessivas crises financeiras da década de 90. • Visa favorecer a negociação internacional, integrando o princípio de um diálogo ampliado, levando em conta o peso económico crescente de alguns países, que, juntos, representam 90% do PIB mundial, 80% do comércio mundial (incluindo o comércio intraUE) e dois terços da população mundial. • Estes números conferem-lhe significativa influência sobre a gestão do sistema financeiro e da economia global. • O G-20 estuda, analisa e promove a discussão entre os países mais ricos e os emergentes sobre questões políticas relacionadas com a promoção da estabilidade financeira internacional.
  • 21. Próximos Onze Conjunto de 11 países identificados pelo Banco de Investimento Goldman Sachs como de grande potencial para integrarem as maiores economias do mundo junto com os BRICs. • Os critérios foram fatores como: • estabilidade macroeconómica, • maturidade política, • políticas de abertura de comércio e investimento • qualidade de educação. Assim, foram listados para o conjunto Bangladesh, Coreia do Sul, Egito, Filipinas, Indonésia, Irão, México, Nigéria, Paquistão, Turquia e Vietname.
  • 24. Novo Estado Islâmico • É um tipo de governo que se fundamenta na aplicação da lei religiosa islâmica, ou "sharia". Desde o início do Islão que diversos governos foram fundados como islâmicos. Entre os primeiros Estados islâmicos, assinala-se aquele o próprio califado fundado pelo profeta Maomé e os sucessivos governos sob domínio de um califa (ou "sucessor" de Maomé). • No entanto, desde o século XX que o termo "Estado islâmico" apresenta uma conotação específica, e cujo conceito moderno tem vindo a ser articulado e promovido por ideólogos como Abul Ala Maududi, Israr Ahmed, Ruhollah Khomeini ou Sayyid Qutb. Tal como a anterior noção de califado, o Estado islâmico moderno tem por base a lei islâmica e é moldado de acordo com o governo de Maomé. No entanto, ao contrário dos antigos califados, que eram monarquias déspotas, um Estado islâmico moderno pode incorporar instituições políticas modernas, como a realização de eleições, parlamentos, poder judicial ou soberania popular. • Atualmente, diversos países islâmicos incorporaram a lei islâmica nos seus sistemas jurídicos, total ou parcialmente. Alguns Estados muçulmanos declaram na constituição o Islamismo enquanto religião de Estado, embora não apliquem a lei islâmica nos tribunais. Os Estados islâmicos que não sejam monarquias são geralmente referidos como repúblicas islâmicas. • Não é obrigatório um Estado Islâmico unificar jurisprudências de processos a revelia da religião dos litigiosos, ter pautas de direita e defender um sectarismo religioso. https://www.visionofhumanity.org/maps/#/
  • 25. Filmes Bordertown - Cidade sob Ameaça • Título original: Bordertown • De: Gregory Nava • Com: Jennifer Lopez, António Banderas, Kate del Castillo • Género: Drama, Thriller • Classificação: M/12 • Outros dados: EUA/GB, 2006, Cores, 100 min. A investigação, baseada em factos verídicos, de uma jornalista norte-americana na Cidade Juárez, na fronteira mexicana com os EUA, onde o caso de centenas de mulheres assassinadas põe a região a ferro e fogo. Mas as pistas que a repórter segue colocam-na no encalço de interesses americanos e mexicanos e o trabalho assume contornos cada vez mais perigosos, colocando a sua vida em risco. "Cidade sob Ameaça" baseia-se no "feminicídio" - expressão nascida exatamente após o caso de Juárez - de 370 mulheres durante uma década. No mesmo período, entre 1993 e 2003, terão desaparecido cem mulheres, segundo os dados oficiais da Amnistia Internacional. Apenas um homem foi condenado por 16 casos. Os restantes casos, que continuam a surgir, permanecem por resolver. Argo • Título original: Argo • De: Ben Affleck • Com: Ben Affleck, Bryan Cranston, John Goodman • Género: suspense histórico • Classificação: M/12 • Outros dados: EUA, 2012, Cores, 120 min. Baseado numa história verídica, "Argo", narra a história da operação de risco para resgatar seis Americanos na crise dos reféns no Irão - uma verdade escondida do público durante décadas. A 4 de Novembro de 1979, quando a revolução iraniana atinge o seu ponto de ebulição, militantes invadem a Embaixada dos Estados Unidos da América no Teerão e fazem reféns 52 Americanos. Mas, no meio do caos, seis Americanos conseguem escapar e encontrar refúgio na casa do Embaixador Canadiano. Sabendo que é só uma questão de tempo até os seis serem encontrados e provavelmente mortos, um especialista da CIA chamado Tony Mendez surge com um plano arriscado para fazê-los sair do país em segurança. Um plano tão incrível, digno de um filme.
  • 28. PMA A lista dos países menos desenvolvidos é revista de três em três anos pelo Conselho Económico e Social das Nações Unidas e com base em recomendações do Comité para as Políticas de Desenvolvimento (CDP). O CDP estabelece três critérios para que um país considerado como país menos desenvolvido – rendimento baixo, debilidade do capital humano e vulnerabilidade económica. • O rendimento baixo é um critério baseado no rendimento nacional bruto per capita no limiar de 905 dólares. • A debilidade do capital humano é um parâmetro baseado no índice composto que analisa indicadores de nutrição, saúde, educação e literacia. • A vulnerabilidade económica é calculada pelo índice de vulnerabilidade económica que inclui indicadores como as catástrofes naturais, colapsos comerciais, exposição ao risco e tamanho da economia. Na sua maioria fizeram parte dos antigos países do terceiro Mundo
  • 30.
  • 31.
  • 32. PMA (2019) • África (33 países) • América (1 país) • Ásia (9 países) • Oceania (4 países)
  • 33. Clube de Paris • O Clube de Paris é uma instituição informal constituída pelos 22 abaixo citados cuja missão é ajudar financeiramente países com dificuldades económicas. O primeiro encontro aconteceu em 1956, quando a Argentina concordou em reunir-se com seus credores na cidade de Paris. Atualmente ocorrem cerca de 10 a 11 encontros por ano dos membros do clube.
  • 34. • Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP ou, pelo seu nome em inglês, OPEC) é uma organização intergovernamental de 13 nações, fundada em 15 de setembro de 1960 em Bagadá pelos cinco membros fundadores (Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela), com sede desde 1965 em Viena, na Áustria. Em setembro de 2018, os então 14 países membros representavam 44% da produção global de petróleo e 81,5% das reservas de petróleo "comprovadas" do mundo, dando à OPEP uma grande influência nos preços globais de petróleo, previamente determinados pelos chamados agrupamento "Sete Irmãs" de empresas multinacionais de petróleo. • A formação da OPEP marcou um ponto decisivo para a soberania nacional sobre os recursos naturais e as decisões da organização passaram a desempenhar um papel de destaque no mercado global de petróleo e nas relações internacionais. O efeito pode ser particularmente forte quando guerras ou distúrbios civis levam a interrupções prolongadas no fornecimento. Na década de 1970, as restrições na produção de petróleo levaram a um aumento dramático nos preços e na receita e riqueza da OPEP, com consequências duradouras e de longo alcance para a economia global. Na década de 1980, a OPEP começou a estabelecer metas de produção para seus países membros; geralmente, quando as metas são reduzidas, os preços do petróleo aumentam.
  • 35. Fazendo uma breve retrospetiva macroeconómica dos últimos 30 anos, que vão desde os choques monetários dos anos 70 (com paridades fixas entre moedas e o dólar e o regime de câmbios fixos), dos choques petrolíferos (1973 – quadruplicação do preço do petróleo; 1979 – multiplicação por 2,5 durante dois anos), às políticas de austeridade dos anos 90, com um aumento da competição e do endividamento, considerando‐se também as alianças dos países desenvolvidos e a competitividade dos países pobres, tiram‐se algumas conclusões.
  • 36. Choques petrolíferos A crise do petróleo foi desencadeada num contexto de déficit de oferta, com o início do processo de nacionalizações e de uma série de conflitos envolvendo os produtores árabes da OPEP, como a guerra dos Seis Dias (1967), a guerra do Yom Kipur (1973), a revolução islâmica no Irã (1979) e a guerra Irão-Iraque (a partir de 1980), além de uma excessiva especulação financeira. Os preços do barril de petróleo atingiram valores altíssimos, chegando a aumentar até 400% em cinco meses (17 de outubro de 1973 – 18 de março de 1974),o que provocou prolongada recessão nos Estados Unidos e na Europa e desestabilizou a economia mundial.
  • 37. • Primeiro choque Em 1956 o presidente do Egito na época Gamal Nasser nacionalizou o Canal de Suez (Crise de Suez), até então propriedade de uma empresa Anglo-Francesa, importante passagem para exportação de produtos da região para países ocidentais. Interrupção do abastecimento, com o bloqueio do Canal, levando a um aumento súbito do preço do petróleo. • Segundo choque Em 1973 em protesto pelo apoio prestado pelos Estados Unidos a Israel durante a Guerra do Yom Kippur, tendo os países árabes organizados na OPEP aumentando o preço do petróleo em mais de 400%. Em março de 1974, os preços nominais tinham subido de 3 para 12 dólares por barril. • Terceiro choque Em 1979 durante a crise política no Irão e a consequente deposição de Xá Reza Pahlevi o que desorganizou todo o setor de produção no Irão, fazendo com que os preços aumentassem. Entre 1979 e 1981 o preço nominal do barril aumentou de 13 para 34 dólares. Na sequência da Revolução iraniana, travou-se a Guerra Irão-Iraque (1980-1988), na qual foram mortos mais de um milhão de soldados de ambos os países, tendo o preço disparado em face da súbita diminuição da produção de dois dos principais produtores mundiais. • Quarto choque Foi com a Guerra do Golfo em 1991, depois do Iraque, governado por Saddam Hussein, ter invadido o país vizinho Kuwait, um dos maiores produtores de petróleo do mundo. Com a invasão das forças militares dos EUA(Estados Unidos da América) e dos países aliados, os iraquianos foram expulsos do Kuwait. Contudo incendiaram alguns poços de petróleo do emirado provocando uma crise económica e ecológica.
  • 38. Lembra-se dos BRIC? Conheça agora os TICK • Taiwan, Índia, China e Coreia do Sul constituem o novo quarteto preferido dos investidores nos mercados emergentes. Focados na tecnologia, o grupo veio substituir os BRIC. • são a nova aposta de investimento nos mercados emergentes. • O novo acrónimo reflete não apenas a entrada de novos países, mas também a preferência por um novo sector. A tecnologia está a substituir os produtores de matérias-primas. • Em 2015, o Goldman Sachs encerrou o fundo de investimento específico para o Brasil, Rússia, Índia e China, dissolvendo-o no fundo dos mercados emergentes. Com esta decisão, o banco sentenciou a morte dos BRIC, um acrónimo criado por Jim O’Neill, economista do banco, em 2001. Mas, o Goldman continuou a aconselhar a aposta nos emergentes, apenas recomendando a exposição a um "universo mais diversificado". • Os investidores estão a favorecer um novo conjunto de países emergentes. Economias como a de Taiwan e da Coreia do Sul, muito centradas na tecnologia e serviços, substituem assim os produtores de matérias-primas em recessão, devido ao colapso dos preços – a Rússia e o Brasil. "Os BRIC já não são o motor do crescimento dos mercados emergentes que eram antes. Há uma nova ordem", diz Steven Holden, fundador da gestora”
  • 39. TICK • Ticks é um acrônimo para Taiwan, Índia, China e Coreia do Sul (South Korea, em inglês). Foi mencionada pela primeira vez em janeiro de 2016 pelo Financial Times, em substituição ao conceito de BRIC.

Notas do Editor

  1. Foi o presidente francês Valéry Giscard d’Estaing que, em 1975, tomou a iniciativa de reunir os chefes de Estado ou de governo da Alemanha, dos Estados Unidos, do Japão, da Itália, do Reino Unido, em Rambouillet, na região de Paris. Foi inicialmente um G6. A ideia era que esses dirigentes se reunissem sem o acompanhamento de um exército de conselheiros, para discutir a respeito das questões mundiais (dominadas na época pela crise do petróleo) com toda a franqueza e sem protocolo, num ambiente descontraído.
  2. The Goldman Sachs Group, Inc. é um grupo financeiro multinacional, sediado no Financial District de Nova Iorque.
  3. https://www.visionofhumanity.org/maps/#/
  4. https://pt.wikipedia.org/wiki/Pa%C3%ADs_subdesenvolvido#%C3%81frica_(33_pa%C3%ADses)