Curso de cienciometria
Aula 1
L. Strehl
Osconceitosdasmetrias
eoscontextosda
comunicaçãocientífica
 As metrias da Ciência da Informação
 Avaliação da produção científica
 Produtividade e tipo de pesquisa
 Produtividad...
VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008
 É o estudo dos aspectos quantitativos da produção,
disseminação e uso da informação registrada. Desenvolve
padrões e mod...
 É o estudo dos aspectos quantitativos da ciência como
disciplina ou atividade econômica. A cienciometria é um
segmento d...
 É o estudo dos aspectos quantitativos da informação em
qualquer formato, e não apenas registros catalográficos ou
biblio...
 É o estudo dos aspectos quantitativos da
construção e do uso de recursos de
informação, estruturas e tecnologias
publica...
 É o estudo dos aspectos quantitativos da
construção e do uso de recursos de
informação, estruturas e tecnologias na
Inte...
 Metria em nível de artigo (Article Level
Metrics – Altmetrics): metrias não
tradicionais aplicadas a publicações
acadêmi...
Aspectos que
não incluem
documentos,
como dados
econométricos
Aspectos que não incluem
documentos, como chats
Adaptadao de...
Tipologia para definição e
classificação das Metrias
MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua...
Construção
ComunicaçãoUso
LE COADIC, Y.-F. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2004. p. 10
GLÄNZEL, W. Bibliometrics as a research field: A course on theory and application of bibliometric indicators. [s.l:
s.n.]....
 aspectos estatísticos da linguagem e freqüência de
citação de frases, tanto em textos (linguagem
natural), como em índic...
VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set.
2008
CAPES e
CNPq em
seus
c...
VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set.
2008
 Os indicadores bibliométricos
(cientométricos, webométricos, infométricos,
etc.) permitem a comparação entre um
conjunto...
Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias
sociales y humanidades: limit...
Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limit...
 Os valores atribuídos aos produtos da
atividade científica são relativos aos padrões
advindos das características dos di...
 Critérios para analisar
 O que é produzido?
 Quanto é produzido?
 Com que qualidade é produzido?
Pesquisa de problemas predominantemente nacionais e
regionais
X
Pesquisa de problemas internacionais
Pesquisa Básica
X
Pes...
“Em termos de comunicação científica, as duas
principais características do pesquisador são a
quantidade de informações qu...
Esta é fácil:
Determina-se quantas publicações foram
escritas por um cientista em um dado
momento!
Fácil... será?
A questã...
Fonte: Dados compilados do Censo 2010 do Diretório dos Grupos de Pesquisa.
http://dgp.cnpq.br/censos/sumula_estatistica/20...
Fonte: Dados compilados do Censo 2014 do Diretório dos Grupos de Pesquisa.
0 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000 120,000 1...
Fonte: Dados compilados do Censo 2010 do Diretório dos Grupos de Pesquisa.
http://dgp.cnpq.br/censos/sumula_estatistica/20...
Nordic Countries
BICSS Countries
Population Articles in 2012-Web of Science Citation/Article 2012-Scopus
Number of Nationa...
 Avaliação por pares
 Ex.: consultoria ad hoc
 Indicadores de impacto
(considerando, neste caso, citação=visibilidade =...
 A medida que a publicação contribui para o
avanço do conhecimento científico em certo
campo de pesquisa
 Preenche uma l...
 A qualidade de uma publicação está
diretamente relacionada com o rigor
aplicado na avaliação por pares
 Editores-chefe ...
J Bohannon Science 2013;342:60-65
J Bohannon Science 2013;342:60-65
LIST OF PUBLISHERS
Beall’s List:
http://scholarlyoa.com/publishers/
 Premissas:
 Todo resultado de pesquisa precisa
ser comunicado (=publicado)
 Todavia, “Publish or Perish” is not
enough...
http://www.wu.ece.ufl.edu/papers/publishOR
perish/publishORperish.htm
 No momento da
submissão do
artigos:
 Autores declaram
a responsabilidade
intelectual de cada
um dos autores
Nota de esclarecimento:
acesso aberto não é sinônimo de predatório
Tendência mundial:
Política de financiamento público da...
A conhecida metáfora do Iceberg para pensar essas três dimensões
da produção científica : qualidade, recuperação e visibil...
A importância das bases de dados
especializadas comerciais para a
visibilidade
Corrente
principal da
ciência
Grandes
edito...
A metáfora do Iceberg para ilustrar a
visibilidade da produção científica dos
países periféricos
Artigos em
periódicos
nac...
A temática ou a qualidade das
publicações definiam a
indexação/visibilidade?
Abordagem de problemas de caráter
predominant...
Motores de busca: visibilidade não
condicionada?
Populares e
democráticos: tudo
que está na Internet
Recuperação
Publicaçõ...
A importância dos motores de busca
• Já em 2005, 72% dos autores de trabalhos
científicos utilizavam o Google para realiza...
Diferentemente de tempos anteriores, na Era Google, pode-se dizer,
grosso modo: tudo é recuperável!
#iceberg2
Hoje
Recuperável, mas, não necessariamente, visível!
#iceberg3
Qualidade versus visibilidade
Qualidade versus visibilidade
Milhõooooooes de documentos:
Quantas páginas você percorre?
Acesso aberto como
ferramenta de visibilidade
Opções de acesso aberto
Taxa de Acesso
Aberto no
momento da
publicação
Política de auto-
arquivamento
Informações sobre política de auto-arquivamento
Os dois lados do acesso aberto:
quando você disponibiliza sua pesquisa em acesso
aberto
Os dois lados do acesso aberto:
Quando você busca um artigo
Evidências do acesso aberto sobre o
impacto do artigos
MIGUEL, S.; CHINCHILLA-RODRIGUEZ, Z.; DE MOYA-ANEGÓN, F. Open acces...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica

395 visualizações

Publicada em

Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da comunicação científica

  1. 1. Curso de cienciometria Aula 1 L. Strehl Osconceitosdasmetrias eoscontextosda comunicaçãocientífica
  2. 2.  As metrias da Ciência da Informação  Avaliação da produção científica  Produtividade e tipo de pesquisa  Produtividade e tipo de documentos  Qualidade e avaliação por pares  Recuperação, visibilidade e acesso aberto
  3. 3. VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008
  4. 4.  É o estudo dos aspectos quantitativos da produção, disseminação e uso da informação registrada. Desenvolve padrões e modelos matemáticos para medir esses processos, usando seus resultados para elaborar previsões e apoiar tomadas de decisão. TAGUE-SUTCLIFFE, J. An introduction to infometrics. Information Processing & Management, Oxford, v.28, n.1, p.1-3, 1992.
  5. 5.  É o estudo dos aspectos quantitativos da ciência como disciplina ou atividade econômica. A cienciometria é um segmento da sociologia da ciência, sendo aplicada no desenvolvimento de políticas científicas. Envolve estudos quantitativos das atividades científicas, incluindo a publicação e, portanto, sobrepondo-se à bibliometria. TAGUE-SUTCLIFFE, J. An introduction to infometrics. Information Processing & Management, Oxford, v.28, n.1, p.1-3, 1992.
  6. 6.  É o estudo dos aspectos quantitativos da informação em qualquer formato, e não apenas registros catalográficos ou bibliografias, referente a qualquer grupo social, e não apenas aos cientistas. A infometria pode incorporar, utilizar e ampliar os muitos estudos de avaliação da informação que estão fora dos limites tanto da bibliometria como da cienciometria. TAGUE-SUTCLIFFE, J. An introduction to infometrics. Information Processing & Management, Oxford, v.28, n.1, p.1-3, 1992.
  7. 7.  É o estudo dos aspectos quantitativos da construção e do uso de recursos de informação, estruturas e tecnologias publicadas na Web, orientando-se pelas abordagens bibliométricas e infométricas. BJÖRNEBORN, L. Small-world link structures across an academic web space: a library and information science approach. (2004). (Ph.D. thesis) - Department of Information Studies, Royal School of Library and Information Science, Denmark., 2004. Link
  8. 8.  É o estudo dos aspectos quantitativos da construção e do uso de recursos de informação, estruturas e tecnologias na Internet COMO UMTODO, orientando-se pelas abordagens bibliométricas e infométricas. BJÖRNEBORN, L. Small-world link structures across an academic web space: a library and information science approach. (2004). (Ph.D. thesis) - Department of Information Studies, Royal School of Library and Information Science, Denmark., 2004. Link
  9. 9.  Metria em nível de artigo (Article Level Metrics – Altmetrics): metrias não tradicionais aplicadas a publicações acadêmicas e científicas propostas como uma alternativa às metrias mais tradicionais baseadas em impacto. Wikipedia!
  10. 10. Aspectos que não incluem documentos, como dados econométricos Aspectos que não incluem documentos, como chats Adaptadao de: BJÖRNEBORN, L. Small-world link structures across an academic web space: a library and information science approach. (2004). (Ph.D. thesis) - Department of Information Studies, Royal School of Library and Information Science, Denmark., 2004. Link altmetrics
  11. 11. Tipologia para definição e classificação das Metrias MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, v.27, n.2, p.nd-nd. 1998. Link VANTI, N. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ci. Inf., v. 31, n. 2, p. 152-162, 2002.
  12. 12. Construção ComunicaçãoUso LE COADIC, Y.-F. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2004. p. 10
  13. 13. GLÄNZEL, W. Bibliometrics as a research field: A course on theory and application of bibliometric indicators. [s.l: s.n.]. Disponível em: <http://nsdl.niscair.res.in/jspui/bitstream/123456789/968/1/Bib_Module_KUL.pdf>. Acesso em: 17 set. 2015.
  14. 14.  aspectos estatísticos da linguagem e freqüência de citação de frases, tanto em textos (linguagem natural), como em índices impressos e em formato eletrônico;  características da relação autor-produtividade medidas por meio do número de artigos ou outros meios; grau de colaboração;  características das publicações, sobretudo a distribuição em revistas de artigos relativos a uma disciplina;  análise de citação: distribuição entre autores, artigos, instituições, revistas, países; uso em avaliação; mapa de disciplinas baseado na co-citação; TAGUE-SUTCLIFFE, J. An introduction to infometrics. Information Processing & Management, Oxford, v.28, n.1, p.1-3, 1992. MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, v.27, n.2, p.nd-nd. 1998. Link
  15. 15. VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008 CAPES e CNPq em seus comitês de avaliação de Área
  16. 16. VELHO, Léa. Estudos de cienciometria na América Latina. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008
  17. 17.  Os indicadores bibliométricos (cientométricos, webométricos, infométricos, etc.) permitem a comparação entre um conjunto de agentes científicos com a finalidade de detectar diferenças relevantes que sirvam para caracterizar o comportamento de cada um dos elos do sistema . MALTRÁS BARBA, Bruno. Los Indicadores Bibliométricos: fundamentos y aplicación al análisis de la
  18. 18. Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limitaciones y oportunidades. Apresentação realizada no "Seminário de Comunicação Científica, São Paulo, 13 de junho de 2008".
  19. 19. Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limitaciones y oportunidades. Apresentação realizada no "Seminário de Comunicação Científica, São Paulo, 13 de junho de 2008".
  20. 20.  Os valores atribuídos aos produtos da atividade científica são relativos aos padrões advindos das características dos diferentes campos científicos  Qualquer metodologia de avaliação debe considerar a natureza dos campos Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limitaciones y oportunidades. Apresentação realizada no "Seminário de Comunicação Científica, São Paulo, 13 de junho de 2008".
  21. 21.  Critérios para analisar  O que é produzido?  Quanto é produzido?  Com que qualidade é produzido?
  22. 22. Pesquisa de problemas predominantemente nacionais e regionais X Pesquisa de problemas internacionais Pesquisa Básica X Pesquisa Aplicada
  23. 23. “Em termos de comunicação científica, as duas principais características do pesquisador são a quantidade de informações que comunica e a sua qualidade.“ "Como se pode estudar isto?" Fonte: MEADOWS, A.J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999. p. 85 Quanto? Como?
  24. 24. Esta é fácil: Determina-se quantas publicações foram escritas por um cientista em um dado momento! Fácil... será? A questão deixa de ser trivial quando as diferenças entre as áreas do conhecimento são examinadas.
  25. 25. Fonte: Dados compilados do Censo 2010 do Diretório dos Grupos de Pesquisa. http://dgp.cnpq.br/censos/sumula_estatistica/2010/producao/producao.htm 0 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000120,000140,000 Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Exatas e da Terra Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias e Ciência da Computação Lingüística, Letras e Artes Produção de pesquisadores doutores segundo o tipo de produção e a grande área no quadriênio 2007-2010 Capítulos de livros Livros Trabalhos completos publicados em anais Artigos em periódicos internacionais Artigos em periódicos nacionais 2007- 2010
  26. 26. Fonte: Dados compilados do Censo 2014 do Diretório dos Grupos de Pesquisa. 0 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000 120,000 140,000 160,000 180,000 Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Exatas e da Terra Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias e Ciência da Computação Linguística, Artes e Letras Produção de pesquisadores doutores segundo o tipo de produção e a grande área no quadriênio 2010-2014 Capítulos de livros Livros Trabalhos completos publicados em anais Artigos em periódicos internacionais Artigos em periódicos nacionais 2010- 2014
  27. 27. Fonte: Dados compilados do Censo 2010 do Diretório dos Grupos de Pesquisa. http://dgp.cnpq.br/censos/sumula_estatistica/2010/producao/producao.htm 0 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000120,000140,000 Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Exatas e da Terra Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias e Ciência da Computação Lingüística, Letras e Artes Produção de pesquisadores doutores segundo o tipo de produção e a grande área no quadriênio 2007-2010 Capítulos de livros Livros Trabalhos completos publicados em anais Artigos em periódicos internacionais Artigos em periódicos nacionais Relacionamento entre tipo de pesquisa e tipo de produção
  28. 28. Nordic Countries BICSS Countries Population Articles in 2012-Web of Science Citation/Article 2012-Scopus Number of National Journals (WoS) Articles published in the WoS National Journals Nordic (Articles of the Country) Nordic Countries (Articles of Other Countries) BICSS Countries (Articles of the Country) BICSS Countries (Articles of Other Countries) Meneghini – Reunião SciELO
  29. 29.  Avaliação por pares  Ex.: consultoria ad hoc  Indicadores de impacto (considerando, neste caso, citação=visibilidade = qualidade?!)  Ex.: Fator de Impacto e Scimago Journal Ranking
  30. 30.  A medida que a publicação contribui para o avanço do conhecimento científico em certo campo de pesquisa  Preenche uma lacuna de conhecimento do campo  Descobre uma lacuna de conhecimento do campo
  31. 31.  A qualidade de uma publicação está diretamente relacionada com o rigor aplicado na avaliação por pares  Editores-chefe competentes e de prestígio  Revisores ad-hoc experientes nas temáticas tratadas pela publicação  Publicações notórias pelo rigor na avaliação, não apenas da originalidade da contribuição, como da qualidade do texto:
  32. 32. J Bohannon Science 2013;342:60-65
  33. 33. J Bohannon Science 2013;342:60-65 LIST OF PUBLISHERS Beall’s List: http://scholarlyoa.com/publishers/
  34. 34.  Premissas:  Todo resultado de pesquisa precisa ser comunicado (=publicado)  Todavia, “Publish or Perish” is not enough  A contribuição relevante não é apenas publicada, mas é lida e utilizada por outros cientistas, é, enfim, citada. http://blogs.bmj.com/bmj-journals-development-blog/category/authors/ http://howtopublishinjournals.com/
  35. 35. http://www.wu.ece.ufl.edu/papers/publishOR perish/publishORperish.htm
  36. 36.  No momento da submissão do artigos:  Autores declaram a responsabilidade intelectual de cada um dos autores
  37. 37. Nota de esclarecimento: acesso aberto não é sinônimo de predatório Tendência mundial: Política de financiamento público da pesquisa liderada por Estados Unidos e Inglaterra Exigência Financiamento público = publicação em acesso aberto
  38. 38. A conhecida metáfora do Iceberg para pensar essas três dimensões da produção científica : qualidade, recuperação e visibilidade. #iceberg1
  39. 39. A importância das bases de dados especializadas comerciais para a visibilidade Corrente principal da ciência Grandes editoras comerciais e importantes sociedades científicas Indexação Recuperação = Visibilidade Periódicos dos países periféricos ? Ontem
  40. 40. A metáfora do Iceberg para ilustrar a visibilidade da produção científica dos países periféricos Artigos em periódicos nacionais não indexados Artigos em periódicos indexados No Brasil, estima-se que 50% dos artigos sejam publicados em periódicos nacionais •Avaliação da produção científica e o projeto SciELO. Ciência da Informação, v.27, n.2, p.219-220. 1998. Ontem
  41. 41. A temática ou a qualidade das publicações definiam a indexação/visibilidade? Abordagem de problemas de caráter predominantemente nacional (Produção Endógena) X Tratamento de temáticas comuns aos interesses dos países desenvolvidos – mainstream (Produção Exógena) FORATTINI, O.P. A tríade da publicação científica. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 30, n. 1, 1996. Ontem
  42. 42. Motores de busca: visibilidade não condicionada? Populares e democráticos: tudo que está na Internet Recuperação Publicações dos países periféricos Hoje
  43. 43. A importância dos motores de busca • Já em 2005, 72% dos autores de trabalhos científicos utilizavam o Google para realização de pesquisas bibliográficas Swan, A. e S. Brown. Open access self-archiving: An author study. Citeseer, 2005. Hoje
  44. 44. Diferentemente de tempos anteriores, na Era Google, pode-se dizer, grosso modo: tudo é recuperável! #iceberg2 Hoje
  45. 45. Recuperável, mas, não necessariamente, visível! #iceberg3
  46. 46. Qualidade versus visibilidade
  47. 47. Qualidade versus visibilidade
  48. 48. Milhõooooooes de documentos: Quantas páginas você percorre?
  49. 49. Acesso aberto como ferramenta de visibilidade
  50. 50. Opções de acesso aberto Taxa de Acesso Aberto no momento da publicação Política de auto- arquivamento
  51. 51. Informações sobre política de auto-arquivamento
  52. 52. Os dois lados do acesso aberto: quando você disponibiliza sua pesquisa em acesso aberto
  53. 53. Os dois lados do acesso aberto: Quando você busca um artigo
  54. 54. Evidências do acesso aberto sobre o impacto do artigos MIGUEL, S.; CHINCHILLA-RODRIGUEZ, Z.; DE MOYA-ANEGÓN, F. Open access and Scopus: A new approach to scient standpoint of access. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 62, n. 6, p.

×