Aula custos

347 visualizações

Publicada em

apresentação de custos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aula custos

  1. 1. TERMINOLOGIAS DE CUSTOS
  2. 2.  GASTOS • “TERMO UTILIZADO PARA DEFINIR AS TRANSAÇÕES FINANCEIRAS NAS QUAIS A EMPRESA UTILIZA RECURSOS OU ASSUME UMA DÍVIDA, EM TROCA DA OBTENÇÃO DE UM BEM OU SERVIÇO.” (WERNKE. GESTÃO DE CUSTOS – PG. 11, 2001). • AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA; • CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA; • CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA. • OBS. DEPENDENDO DA APLICAÇÃO, O GASTO PODERÁ SER CLASSIFICADO EM CUSTOS, DESPESAS, PERDAS OU DESPERDÍCIOS
  3. 3. • CUSTOS • “SÃO OS GASTOS EFETUADOS NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE BENS OU DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS.” (WERNKE. Gestão de Custos – pg. 12, 2001). • LOGO, CUSTOS SÃO GASTOS DA FÁBRICA. – CONSUMO DE MATÉRIA-PRIMA; – MÃO-DE-OBRA PRODUTIVA; – CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO • DEPRECIAÇÃO, • ENERGIA ELÉTRICA, • ÁGUA, • ...
  4. 4. DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO
  5. 5. CUSTOS x DESPESAS
  6. 6. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Os custos são classificados quanto: - grau de média - quanto ao nível de operação e vendas - quanto a identificação com o produto ou serviço - quanto ao momento de cálculo
  7. 7. GRAU DE MÉDIA: CUSTO TOTAL: • É a expressão monetária de algumas contas de custos e despesas. Representada de forma total. • É o valor dos bens ou serviços consumidos para produzir um conjunto de unidades de um produto/serviço CUSTO UNITÁRIO: • Expressão monetária de algumas contas de custos, depende do volume de operações. • É o valor dos bens ou serviços consumidos para produzir uma unidade de produto ou serviço. Este é obtido pela divisão do custo total pelo numero de unidades vendidas.
  8. 8. QUANTO AO NÍVEL DE OPERAÇÃO E VENDAS:
  9. 9. QUANTO À IDENTIFICAÇÃO COM O PRODUTO OU SERVIÇO: CUSTO DIRETO: • É aquele custo facilmente atribuível a um determinado produto ou serviço. Ex..: custo dos materiais custo da mão-de-obra direta CUSTO INDIRETO: • É aquele que apresenta algum grau de dificuldade de identificar com os produtos ou serviços, mas que possui vinculação com a Empresa Ex..: salários dos supervisores
  10. 10. QUANTO AO MOMENTO DE CÁLCULO: CUSTOS HISTÓRICOS: • São calculados após terem ocorrido e tem por objetivo avaliar os inventários, os produtos fabricados e os produtos vendidos, bem como apurar o resultado obtido pela Empresa em determinado período. • Ex..: Custo dos produtos vendidos no mês de JUL / X1. CUSTOS PRÉ-DETERMINADOS: • São aqueles determinados antes da sua ocorrência e tem por objetivo auxiliar a Administração no planejamento e controle das atividades empresariais, bem como na tomada de decisões. • Ex..: Previsão dos custos com matérias-primas para o período do segundo semestre do Ano X1.
  11. 11. Elementos de custos • MATERIAL DIRETO (MD): todo material que pode ser alocado diretamente à unidade do produto que está sendo fabricado e que sai da fábrica incorporado ao produto. Exemplo: embalagem. • MÃO DE OBRA DIRETA (MOD): todo o salário com os encargos pago ao operário que trabalha diretamente no produto, cujo tempo pode ser identificado com a unidade que está sendo produzida. • CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO (CIF): todos os gastos relacionados com a fabricação e que não são alocados, de forma direta, entre as unidades que estão sendo produzidas, necessitando de RATEIOS.
  12. 12. SISTEMAS DE CUSTEIO: • Custeio por Absorção Total • Custeio Absorção Parcial • Custeio Variável • Custeio Baseado em Atividades
  13. 13. CUSTEIO POR ABSORÇÃO TOTAL Consiste na apropriação de todos os custos de produção aos produtos elaborados, considerando a quantidade real produzida no período.
  14. 14. ABSORÇÃO TOTAL
  15. 15. CUSTEIO POR ABSORÇÃO PARCIAL Consiste na apropriação de todos os custos de produção aos produtos, considerando a quantidade ideal de produção da empresa .
  16. 16. ABSORÇÃO PARCIAL / IDEAL
  17. 17. CUSTEIO VARIÁVEL
  18. 18. MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO É a diferença entre a Receita Líquida de Venda de uma unidade e a soma dos custos e despesas variáveis, desta mesma unidade. RECEITA LÍQUIDA (-) CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS (=) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO - Valor - %
  19. 19. Activity Based Costing (ABC) Custeio Baseado em Atividades Procura aprimorar o custeamento dos produtos, através de mensurações compreensíveis e transparentes dos custos fixos indiretos, com base na analise das atividades geradoras desses custos, para acumulação diferenciada ao custo dos diversos projetos e produtos da empresa. Primeiro os custos são atribuídos às atividades e depois aos produtos.
  20. 20. CUSTEIO POR ATIVIDADES
  21. 21. FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA
  22. 22. PREÇO DE VENDA • Definição: É a expressão do valor que se oferece por alguma coisa que satisfaça uma dada necessidade ou desejo. Valor justo que proporciona satisfação nos consumidores, atendendo o composto de marketing. O preço deve ser suficiente para cobrir os custos, despesas, impostos e propiciar um lucro na venda.
  23. 23. FÓRMULA BÁSICA: PVu = Preço de venda por unidade Custos de produção= custo diretos de produção a = Despesa total unitário em % + lucro desejado deduzido do IR em% + Impostos em %) PREÇO DE VENDA  Custo de produção PVu = ---------------------  (1 – a %)
  24. 24. PREÇO DE VENDA - COMÉRCIO FÓRMULA BÁSICA:  PREÇO COM BASE NOS CUSTOS TOTAIS:  PVu = Preço de venda por unidade  CTu$ = Custo total unitário em valor  DTu$ = Despesa total unitário em valor  DDv%= Despesas diretas com vendas em percentual  LAIR% = Lucro Antes do Imposto de Renda - % sobre o preço de venda.
  25. 25. PREÇO DE VENDA - COMÉRCIO FÓRMULA BÁSICA: PREÇO COM BASE EM RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO: PVu = Preço de venda por unidade CTu$ = Custo total unitário em valor DTu$ = Despesa total unitário em valor LAIRu$ = Lucro Antes do IR - unitário em valor DDV%= Despesas diretas com vendas em percentual
  26. 26. PREÇO DE VENDA - COMÉRCIO FÓRMULA BÁSICA: LUCRO BRUTO: LAIR = Lucro Antes do Imposto de Renda LDIR = Lucro Depois do Imposto de Renda IR$ e CS$ = Alíquota de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o lucro bruto.
  27. 27. ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO X VOLUME X LUCRO
  28. 28. PONTO DE EQUILÍBRIO Ponto de equilíbrio contábil: Receita total é igual a despesa total. Nesta situação a empresa não tem lucro nem prejuízo contábil.
  29. 29. Abreviaturas Cft = Custo Fixo Total; Dft = Despesa Fixa Total; Cvu = Custo Variável por Unidade; Dvu = Despesa Variável por Unidade; PVU = Preço de Venda por Unidade; Mcu = Margem de Contribuição por unidade;  Mcu = Pvu – (Cvu + Dvu) Mct = Margem de Contribuição Total; Mct = Receita Total – (Cvt + Dvt)
  30. 30. PONTO DE EQUILÍBRIO ECONÔMICO Ponto de equilíbrio econômico: Acrescenta-se aos custos e despesas fixas, no dividendo da equação, a rentabilidade planejada sobre o patrimônio líquido.
  31. 31. PontodeEquilíbrioContábil-pece PontodeEquilíbrioEconômico-pee Un.Monet. ($)
  32. 32. PONTO DE EQUILÍBRIO FINANCEIRO • Ponto de equilíbrio financeiro; • Subtrai-se dos custos e despesas fixas, o valor dos custos não financeiros, ou seja, aqueles que não são desembolsados. • Exemplo: • depreciação.
  33. 33. MARGEM DE SEGURANÇA OPERACIONAL Entende-se por MSO o diferencial entre o total de vendas normais e as vendas no ponto de equilíbrio de uma empresa.
  34. 34. MARGEM DE SEGURANÇA OPERACIONAL Em termos operacionais, quanto maior for a margem de segurança operacional, maiores serão as possibilidades de negociação de preços envolvendo as relações custo, volume, lucro, principalmente quando a empresa participa de um mercado altamente competitivo.
  35. 35. Volume (Q)500 $5.000,00 600 $6.000,00 Margem de segurança Quantidade Faturamento UnMonet ($)

×