A dimensão “tempo” na visualização da informação

872 visualizações

Publicada em

Seminário apresentado à disciplina Aspectos Tecnológicos do Acesso a Dados Abertos, no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da UNESP - Campus de Marília

Publicada em: Educação, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
872
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • Segundo Brown e Duguid (c2001, p. 10),
    [...] os períodos de escassez crônica de informações ameaçaram o trabalho, a educação, a pesquisa, a inovação e o processo de tomada de decisões econômicas – quer em termos de diretrizes governamentais, de estratégias comerciais ou de compras domésticas. A única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações. [...] Entretanto, apesar de toda essa euforia, para muitas pessoas a escassez transformou-se rapidamente em excesso. A preocupação sobre o acesso a informações cedeu lugar à preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade.
    A transferência da escassez ao excesso de informações potencializou problemáticas como a dificuldade no julgamento da relevância da informação, bem como o emaranhado informacional no ambiente digital que carece de organização e representação que proporcionem facilidades na busca e recuperação da informação.
  • A arte de criar visualizações de informação não requer muitos talentos, mas pode exigir de seus criadores a capacidade de se movimentar entre diferentes habilidades.
  • News organizations including the New York Times, Washington Post, and the Guardian regularly incorporate dynamic graphics into their journalism.
  • A maioria das histórias de visualização começam com algum tipo de questão que orienta o espectador para o tema e para o contexto no qual os dados são mais significativos. Isso pode ser feito de forma explícita ou implícita, mas o contexto deve estar claro. A pergunta contém a premissa e introdução à história, e nos leva até o ponto em que os dados podem assumir o enredo.
  • Muitas das peças-chave de uma história são relacionadas como parte do processo de colocar a visualização em um contexto. Freqüentemente encontramos o contexto de visualização como parte de um texto introdutório de um infográfico ou visualização.
  • Ao elaborar uma questão para os fins de criação de uma visualização de informação, devemos nos concentrar em questões que são mais centradas nos dados coletados. Perguntas que começam com “onde”, “quando”, “quanto” ou “quantas vezes” são geralmente bons pontos de partida, pois nos permitem concentrar a nossa busca por dados dentro de um conjunto específico de parâmetros, de modo a facilitar na busca de dados que possam ser mapeados visualmente.
  • Dentre as várias dimensões em que uma visualização pode ser criada e apresentada (tamanho, cor, local, grafos, tempo, entre outros) a dimensão tempo se destaca por permitir a comparação de uma determinada informação em períodos diferentes de tempo e acompanhar a sua evolução através de uma linha do tempo.
  • A dimensão “tempo” na visualização da informação

    1. 1. A dimensão “tempo” na visualização da informação Laura A. S. Inafuko PPGCI/UNESP Bolsista CAPES
    2. 2. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI229927-17805,00- ANIMACAO+MUITA+INFORMACAO.html>.
    3. 3. Escassez versus Excesso de informações escassez crônica de informações trabalho educação pesquisa inovação processo de tomada de decisões Brown e Duguid, c2001
    4. 4. Escassez versus Excesso de informações escassez crônica de informações trabalho educação pesquisa inovação processo de tomada de decisões Diretrizes governamentais Estratégias comerciais Compras domésticas Brown e Duguid, c2001
    5. 5. Escassez versus Excesso de informações a única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações Brown e Duguid, c2001
    6. 6. Escassez versus Excesso de informações a única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações a escassez transformou-se rapidamente em excesso Brown e Duguid, c2001
    7. 7. Escassez versus Excesso de informações a única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações a escassez transformou-se rapidamente em excesso preocupação sobre o acesso a informações Brown e Duguid, c2001
    8. 8. Escassez versus Excesso de informações a única coisa de que nós aparentemente necessitávamos era mais informações a escassez transformou-se rapidamente em excesso preocupação sobre como lidar com a quantidade de informações às quais devemos ter acesso de verdade Brown e Duguid, c2001
    9. 9. Ansiedade de informação • A ansiedade de informação, segundo Wurman, [...] é o resultado da distância cada vez maior entre o que compreendemos e o que achamos que deveríamos compreender. É o buraco negro que existe entre dados e conhecimento , e ocorre quando a informação não nos diz o que queremos ou precisamos saber (WURMAN, 2003, p. 38).
    10. 10. Ansiedade de informação • A ansiedade de informação, segundo Wurman, [...] é o resultado da distância cada vez maior entre o que compreendemos e o que achamos que deveríamos compreender. É o buraco negro que existe entre dados e conhecimento , e ocorre quando a informação não nos diz o que queremos ou precisamos saber (WURMAN, 2003, p. 38).Visualização de Informação
    11. 11. Visualização de Informação • Visualização da informação é o estudo interdisciplinar da representação visual de coleções de informação não- numérica em grande escala, como arquivos e linhas de código em sistemas de software, biblioteca e bases de dados bibliográficos, redes de relações na internet, e assim por diante (FRIENDLY, 2009, p. 2, tradução nossa).
    12. 12. Visualização de Informação • Ben Fry (2007) identifica sete estágios para a criação de uma visualização de informação: • Aquisição • Análise • Filtragem • Mineração/Processamento • Representação • Refinamento • Interação • Cada etapa exige um certo nível de habilidade técnica e a visualização de informação requer a integração dessas habilidades.
    13. 13. Visualização de Informação • Ben Fry (2007) identifica sete estágios para a criação de uma visualização de informação: • Aquisição • Análise • Filtragem • Mineração/Processamento • Representação • Refinamento • Interação • Cada etapa exige um certo nível de habilidade técnica e a visualização de informação requer a integração dessas habilidades.A arte do Contar Histórias (Storytelling)
    14. 14. Histórias • As pessoas são, em sua essência, contadoras de histórias e possuem uma habilidade implícita para avaliar a consistência, o detalhe e a estrutura de uma história. • Neste sentido, a história serve como uma ferramenta de comunicação interna – um método de organizar as observações diárias em conhecimentos significativos. Assim, a história age como um artefato estratégico e ganha um conhecimento aplicado sobre os dados brutos observados.
    15. 15. Histórias • As histórias nos auxilia a concentrar a atenção e nos ajuda a discernir porque os dados apresentados são importantes ou relevantes para alguma parte de nossas vidas. É somente dentro de um contexto que os dados são significativos, e utilizar os dados como parte de uma história é uma excelente maneira de permitir que os dados tenham um impacto duradouro. (SHAPIRO, 2010, p. 16, tradução nossa).
    16. 16. Questão + “Visual Data”+ Contexto = História • O contexto fornece informações que responde a perguntas tais como:Contexto
    17. 17. Disponível em: <http://www.onlineeducation.net/videogame_ timeline>.
    18. 18. Disponível em: <http://www.onlineeducation.net/videogame_ timeline>.
    19. 19. Disponível em: <http://ngrams.googlelabs.com/>.
    20. 20. Formulando uma questão
    21. 21. Dimensão Tempo • Segundo Fry (2007, p. 54, tradução nossa), A dimensão Tempo é um tipo de conjunto de dados ubíqua. Esta dimensão descreve como alguma característica mensurável (por exemplo: população, queda de neve, produtos vendidos) mudou ao longo de um período de tempo.
    22. 22. Disponível em: <http://www.babynamewizard.com/voyager>.
    23. 23. Disponível em: <http://timetric.com/>.
    24. 24. Disponível em: <http://www.hyperhistory.com/online_n2/History_n2/a.html >.
    25. 25. Disponível em: <http://www.hyperhistory.com/online_n2/History_n2/a.html >.
    26. 26. Disponível em: <http://www.europeana.eu/portal/timeline.html? query=*:*&format=simile>.
    27. 27. Conclusões • Apesar da variedade de campos utilizados para o processo de criação de visualização de uma informação, estes se unificam pelo fato de que cada visualização é parte de algum tipo de história. • Mesmo os gráficos de barras mais simples exibindo dados sobre o lucro de uma empresa é o desenho de uma informação que torna estes dados mais memoráveis e mais​​ valiosos dentro do contexto maior, e torna visível o seu impacto de longa duração e poder.
    28. 28. Conclusões • A variável Tempo se apresenta como um fator comum em diversos tipos de visualizações de informação por possibilitar ao leitor comparar uma determinada informação em períodos diferentes de tempo e acompanhar a sua evolução através de uma linha do tempo. • Considera-se, assim, que o uso da dimensão Tempo em visualizações de informação se justifica por contextualizar os dados, tornando-os significativos e prontos para compreensão e uso.
    29. 29. Referências BROWN, J. S.; DUGUID, P. A vida social da informação. São Paulo: MAKRON Books, c2001. FRIENDLY, Michale. Milestones in the history of thematic cartography, statistical graphics, and data visualization. 24 ago. 2009. Texto da web. Disponível em: <http://www.math.yorku.ca/SCS/Gallery/milestone/milestone.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2011. FRY, Ben. Visualizing Data. O’Reilly: Sebastopol, CA, 2007. SHAPIRO, Matthias. Once upon a stacked Time Series: the importance of storytelling in Information Visualization. In: STEELE, Julie; ILIINSKY, Noah (eds.) Beautiful visualization: looking at data through the eyes of experts. O’Reilly: Sebastopol, CA, 2010. WURMAN, R. S. Ansiedade de informação: como transformar informação em compreensão. 5. ed. São Paulo: Cultura, 2003.
    30. 30. Referência do vídeo ANIMAÇÃO: Muita informação. Animação de Fred Rubim, locução de André Fonte, ilustração de Alexandre Affonso, reportagem de Bruna Fasano, roteiro de Denise Dalla Colletta. São Paulo: Revista Galileu, 2011. 1 vídeo. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI22992 7-17805,00-ANIMACAO+MUITA+INFORMACAO.html>. Acesso em: 01 jun. 2011.
    31. 31. Obrigada pela atenção! Laura A. S. Inafuko PPGCI/UNESP Bolsista CAPES

    ×