Superior Tribunal de Justiça           CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7)RELATOR                   :...
Superior Tribunal de Justiça           CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7)                           ...
Superior Tribunal de Justiça           CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7)                           ...
Superior Tribunal de Justiça                                "AGRAVO        REGIMENTAL         EM      CONFLITO        DE  ...
Superior Tribunal de Justiça                                    CERTIDÃO DE JULGAMENTO                                    ...
Superior Tribunal de Justiça                                       Brasília, 13 de outubro de 2010                        ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crimes contra a organização do trabalho

962 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
962
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crimes contra a organização do trabalho

  1. 1. Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7)RELATOR : MINISTRO GILSON DIPPAUTOR : JUSTIÇA PÚBLICARÉU : FABIANA RODRIGUES DE ALMEIDAADVOGADO : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOSSUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 2A VARA DE DIVINÓPOLIS - SJ/MGSUSCITADO : JUÍZO DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DE LUZ - MG EMENTA CONFLITO DE COMPETÊNCIA. CRIMINAL. CRIME CONTRA AORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. LESÃO A DIREITO DOS TRABALHADORESCOLETIVAMENTE CONSIDERADOS OU À ORGANIZAÇÃO GERAL DO TRABALHO.NÃO OCORRÊNCIA. COMPETÊNCIA JUSTIÇA ESTADUAL. I. Hipótese em que a denúncia descreve a suposta prática do delito de aliciamentopara o fim de emigração perpetrado contra 3 (três) trabalhadores individualmente considerados. II. Compete à Justiça Federal o julgamento dos crimes contra a organização dotrabalho desde que demonstrada a lesão a direito dos trabalhadores coletivamente consideradosou à organização geral do trabalho. III. Conflito conhecido para declarar a competência da Justiça Estadual. ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas,acordam os Ministros da TERCEIRA SEÇÃO do Superior Tribunal de Justiça. A Seção, porunanimidade, conheceu do conflito e declarou competente o Suscitado, Juízo de Direito da VaraCriminal de Luz - MG, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.Votaram com o Relator a Sra.Ministra Maria Thereza de Assis Moura e os Srs. Ministros Napoleão Nunes Maia Filho, JorgeMussi, Celso Limongi (Desembargador convocado do TJ/SP), Honildo Amaral de Mello Castro(Desembargador convocado do TJ/AP) e Haroldo Rodrigues (Desembargador convocado doTJ/CE). Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Og Fernandes. Presidiu o julgamento a Sra. Ministra Laurita Vaz. Brasília (DF), 13 de outubro de 2010(Data do Julgamento) MINISTRO GILSON DIPP RelatorDocumento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 1 de 6
  2. 2. Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7) RELATÓRIO EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP(Relator): Trata-se de Conflito Negativo de Competência entre o Juízo Federal da 2ª VaraFederal da Subseção Judiciária de Divinópolis/MG (suscitante) e o Juízo de Direito da VaraCriminal de Luz/MG (suscitado), nos autos de denúncia oferecida em face de Fabiana Rodriguesde Almeida pela suposta prática do delito previsto no art. 206 c/c o art. 14, II, ambos do CódigoPenal. Extrai-se que os autos do inquérito policial, com vistas à apuração dos delitossupostamente perpetrados por Fabiana Rodrigues de Almeida, foi inicialmente encaminhado àJuíza de Direito da Comarca de Luz/MG que, em acatamento à manifestação do promotor dejustiça (fl. 38), remeteu os autos à Justiça Federal (fl. 38v.). Após o oferecimento da denúncia perante o Juízo da 2ª Vara Federal daSubseção Judiciária de Divinópolis/MG, o Ministério Público Federal manifestou-se pelo declínioda competência para o Juízo de Direito Criminal da Comarca de Luz/MG, e, portanto, pelanecessidade de suscitação de conflito de competência (fls. 65/67). Diante disso, o Juízo Federal da 2ª Vara Federal da Subseção Judiciária deDivinópolis/MG suscitou o presente conflito de competência (fl. 69). A Subprocuradoria Geral da República opinou pela não procedência do conflito,firmando-se a competência da Justiça Federal (fls. 74/82). É o relatório.Documento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 2 de 6
  3. 3. Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 107.391 - MG (2009/0156673-7) VOTO EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP(Relator): Trata-se de Conflito Negativo de Competência entre o Juízo Federal da 2ª VaraFederal da Subseção Judiciária de Divinópolis/MG (suscitante) e o Juízo de Direito da VaraCriminal de Luz/MG (suscitado), nos autos de denúncia oferecida em face de Fabiana Rodriguesde Almeida pela suposta prática do delito previsto no art. 206 c/c o art. 14, II, ambos do CódigoPenal. O art. 206 do Código Penal prevê o delito de aliciamento para o fim de emigração,cujo bem jurídico tutelado é o interesse do Estado em garantir a permanência dos trabalhadoresbrasileiros no Brasil. Protege-se o interesse público da não emigração do trabalhador nacional, naidéia de que essa emigração seria danosa à economia nacional. Referida infração se encontra inserida no Título IV do Código Penal que trataDos Crimes Contra a Organização do Trabalho, que, por sua vez, se insere na competência daJustiça Federal, nos termos do art. 109, VI, da CF/88. Para se firmar a competência da Justiça Federal, no entanto, é necessário restardemonstrada a lesão a direito dos trabalhadores coletivamente considerados ou à organizaçãogeral do trabalho. Nesse sentido, a jurisprudência desta Corte: "CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. AGENCIAMENTO E EMIGRAÇÃO DE BRASILEIROS AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. CRIME CONTRA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. ART. 206 DO CÓDIGO PENAL. LESÃO A DIREITOS DE TRABALHADORES CONSIDERADOS INDIVIDUALMENTE. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. 1. A Constituição da República, em seu art. 109, VI, atribui à Justiça Federal a competência para julgar os delitos praticados contra a organização do trabalho. 2. No caso, o inquérito visa apurar o agenciamento e promoção de entrada ilegal de brasileiros nos Estados Unidos da América. 3. Considerando-se, pelos elementos colhidos no procedimento inquisitivo até o momento, que não houve ofensa a direitos coletivos dos trabalhadores, não há falar em fixação da competência da Justiça Federal. Precedentes do STJ. 4. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo de Direito da 2ª Vara Criminal de Poços de Caldas-MG." (CC 101.877/MG, Rel. Min. Jorge Mussi, DJ de 17/06/2010).Documento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 3 de 6
  4. 4. Superior Tribunal de Justiça "AGRAVO REGIMENTAL EM CONFLITO DE COMPETÊNCIA. DIREITO PROCESSUAL PENAL. PROCEDIMENTO EM QUE APURADA SUPOSTA PRÁTICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 203 E 207 DO CÓDIGO PENAL. INEXISTÊNCIA DE OFENSA À ORGANIZAÇÃO GERAL DO TRABALHO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL QUE SE AFIRMA, CONSOANTE OS TERMOS DA SÚMULA 115 DO TRIBUNAL FEDERAL DE RECURSOS. DESPROVIMENTO. 1. Compete à Justiça Federal processar e julgar os crimes perpetrados contra a organização do trabalho, quando violados direitos dos trabalhadores considerados coletivamente. 2. A infringência dos direitos individuais de trabalhadores, sem que configurada lesão ao sistema de órgãos e instituições destinadas a preservar a coletividade trabalhista, afasta a competência da Justiça Federal. Competência do Juízo Estadual da 1.ª Vara Criminal de Itabira/MG que se declara. 3. Agravo desprovido." (AgRg no CC 64.067/MG, Rel. Min. Og Fernandes, DJ de 08/09/2008). No presente caso, extrai-se da denúncia que se trata de ilícito supostamentepraticado contra 3 (três) trabalhadores individualmente considerados, sem qualquer ofensa àorganização geral do trabalho ou a direitos de trabalhadores coletivamente considerados,competindo à Justiça Estadual o seu julgamento. Diante do exposto, conheço do conflito para declarar a competência do Juízo deDireito da Vara Criminal de Luz/MG, o suscitado. É como voto.Documento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 4 de 6
  5. 5. Superior Tribunal de Justiça CERTIDÃO DE JULGAMENTO TERCEIRA SEÇÃONúmero Registro: 2009/0156673-7 CC 107.391 / MG MATÉRIA CRIMINALNúmeros Origem: 200738110041405 388060128096EM MESA JULGADO: 13/10/2010RelatorExmo. Sr. Ministro GILSON DIPPPresidente da SessãoExma. Sra. Ministra LAURITA VAZSubprocuradora-Geral da RepúblicaExma. Sra. Dra. JULIETA E. FAJARDO C. DE ALBUQUERQUESecretáriaBela. VANILDE S. M. TRIGO DE LOUREIRO AUTUAÇÃOAUTOR : JUSTIÇA PÚBLICARÉU : FABIANA RODRIGUES DE ALMEIDAADVOGADO : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOSSUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 2A VARA DE DIVINÓPOLIS - SJ/MGSUSCITADO : JUÍZO DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DE LUZ - MGASSUNTO: DIREITO PENAL - Crimes contra a Organização do Trabalho - Aliciamento para fins de emigração CERTIDÃO Certifico que a egrégia TERCEIRA SEÇÃO, ao apreciar o processo em epígrafe nasessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão: A Seção, por unanimidade, conheceu do conflito e declarou competente o Suscitado,Juízo de Direito da Vara Criminal de Luz - MG, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Votaram com o Relator a Sra. Ministra Maria Thereza de Assis Moura e os Srs.Ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Jorge Mussi, Celso Limongi (Desembargador convocadodo TJ/SP), Honildo Amaral de Mello Castro (Desembargador convocado do TJ/AP) e HaroldoRodrigues (Desembargador convocado do TJ/CE). Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Og Fernandes. Presidiu o julgamento a Sra. Ministra Laurita Vaz.Documento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 5 de 6
  6. 6. Superior Tribunal de Justiça Brasília, 13 de outubro de 2010 VANILDE S. M. TRIGO DE LOUREIRO SecretáriaDocumento: 1011918 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 18/10/2010 Página 6 de 6

×