SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
UM RETRATO DA CULTURA DO BRAISL DA ERA
VARGAS AO REGIME MILITAR
A Cultura na Era Vargas
Apesar do forte controle do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), o Brasil
conheceu uma intensa vida artística e cultura nos anos 1930 e 1940. O rádio, com seus programas
de auditórios, musicais e novelas, tornou-se um dos divertimentos preferidos da população. O
Repórter Esso e o programa oficial, A Hora do Brasil, eram responsáveis pelas notícias do país e
do mundo. O segundo foi usado insistentemente na propaganda e na veiculação das ideias do
regime. Além disso, o rádio representou um importante veículo para a divulgação da música
popular brasileira. Cantores como Orlando Silva, Francisco Alves, Vicente Celestino, Carmem
Miranda, Emilinha Borba, Marlene e muitos outros se popularizaram graças às ondas do rádio.
A valorização do samba deu-se em virtude do rádio, dos desfiles oficiais das escolas e dos
bailes nos clubes. Dorival Caymmi passou a ser reconhecido nacionalmente. Ary Barroso também
fez sucesso. A Rádio Nacional colocou no ar uma das futuras paixões nacionais: a novela.
Na literatura, importantes obras foram lançadas, tais como “Vidas Secas”, de Graciliano
Ramos; “A estrela sobe”, de Marques Rebelo; “Perto do coração selvagem”, de Clarice Lispector; e
“Terras do sem fim”, de Jorge Amado.
O arquiteto Oscar Niemeyer, cujo projeto arquitetônico mais famoso é Brasília, colocou em
prática suas ideias inovadoras com a construção do Conjunto da Pampulha, em Belo Horizonte,
contratada pelo então prefeito Juscelino Kubitschek.
Em São Paulo, o recém-construído estádio do Pacaembu ficou superlotado para a
apresentação de um dos espetáculos mais populares do país: o futebol. O teatro de revista, com
suas vedetes, e as salas de cinema, com as musas de Hollywood e do cinema nacional,
completavam a gama de entretenimento dos principais centros urbanos.
O INC (Instituto Nacional do Cinema), órgão criado pelo governo Vargas, obrigou a
apresentação de pelo menos um filme nacional por ano nas salas de projeção, o que contribuiu
para o nascimento de companhias como a Atlântida e a Cinédia.

A Cultura na República Populista (1946-1964)
O período populista foi rico em manifestações culturais. Uma das características da
época foi a politização dos debates sobre cultura e da própria produção cultural.
O Centro Popular de Cultura (CPC), nascido na União Nacional dos Estudantes,
por exemplo, discutia a relação entre sociedade, cultura e política. Na ótica que acabou
prevalecendo no Centro, toda produção cultural deveria estar afinada com as propostas
políticas revolucionárias, do contrário era considerada alienada e inconsequente. A cultura
a serviço da revolução agindo como agente conscientizador das massas. O “engajamento”
da arte na ação revolucionária foi particularmente intenso no teatro, através do Teatro de
Arena.
O Cinema Novo, principalmente as obras de Glauber Rocha, retratou criticamente
a situação de miséria material e cultural da população brasileira.
Na música, a revolução estética representada pela bossa-nova, da época de
Juscelino, teve continuidade com o tropicalismo, incorporando elementos da música pop
internacional.
Após 1968, o Regime Militar endureceu a repressão e estreitou a vigilância sobre a
produção cultural.
A Cultura dos Anos 60 e 70
As manifestações culturais dos anos 60 e 70 refletiram as diferentes fases
conflituosas dessas épocas.
O cinema brasileiro nas décadas de 60, diferente da década de 50 que produzia
filmes à imagem do modelo hollywoodiano, produziram filmes como “O Pagador de
Promessas” e “O Cangaceiro”, reconhecidos internacionalmente.
Foi também nos anos 60 que um grupo de jovens intelectuais-cineastas
começaram a discutir um novo caminho estético e político para retratar os problemas do
Brasil. Nasceu desta forma o Cinema Novo. Diretores como Nelson Pereira dos Santos
(Vidas Secas), Rui Guerra (Os Fuzis), e, principalmente, Glauber Rocha (Deus e o Diabo
na Terra do Sol, O Santo Guerreiro Contra o Dragão da Maldade, Terra em Transe – este
último que representou uma proposta tropicalista para o cinema brasileiro) reconhecidos
internacionalmente, utilizaram-se de manifestações da nossa cultura popular e nacional,
muitas vezes de forma alegórica, como base para a elaboração de suas obras que
denunciavam as nossas desigualdades sociais e ressaltavam as nossas especificidades
culturais. O Cinema Novo trazia o lema: uma ideia na cabeça e uma câmara na mão.
Em 1962, a União Nacional dos estudantes (UNE) criou o Centro Popular de
Cultura (CPC), que se propunha entender a oposição cultural entre um Brasil atrasado
(agrário) e um Brasil moderno (industrializado). Esse movimento exerceu grande influência
sobre jovens universitários que se “convertiam” em artistas e músicos. Nascia assim o
conceito de arte engajada politicamente. A arte deveria ser uma arma política para
combater o poder burguês.
Essa concepção influenciou o teatro surgindo o movimento do Teatro de Arena
(“Arena conta Zumbi” e “Morte e Vida Severina”) com Augusto Boal, Gianfrancesco
Guarnieri (autor de “Eles não usam Black tie”) e Oduwaldo Vianna Filho; o Teatro Opinião,
tendo a frente o diretor José Celso Martinez; o Grupo Opinião que promovia espetáculos
musicais politicamente engajados, protestando contra o regime militar. Na mesma estava a
música de protesto, na qual se destacaram nomes como Chico Buarque de Holanda, Edu
Lobo, Geraldo Vandré entre outros.
A Música Popular Brasileira na verdade já vinha se transformando desde a
passagem dos anos 50 para os anos 60. Refletindo o processo de urbanização e
modernização, nascia o gênero, mundialmente conhecido, da Bossa Nova. Esse gênero
era fruto da produção de jovens da classe média urbana do Rio de Janeiro. Eles cantavam
sua realidade, próxima de pequenos problemas existenciais e amorosos, afastando-se de
temas tradicionais da música popular como a malandragem, próprios do samba do morro.
Era a vez dos banquinhos, cantinhos e violões.
Praticamente ao mesmo tempo nasceu o movimento conhecido como Jovem
Guarda que, com artistas como Roberto Carlos, Wanderléia e Erasmo Carlos, repetiam de
forma fiel, aqui, o que acontecia com o rock dos Beatles na Inglaterra. O Iê, Iê, Iê, como
ficou conhecido o gênero, não tinha nenhum comprometimento político.
No entanto, foi no fim dos anos 60 e começo dos anos 70 que a MPB sofreu uma
transformação estética marcante. Trata-se do chamado movimento Tropicalista
(representado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, Os Mutantes (grupo
do qual fazia parte Rita Lee) e outros; que emprestava elementos vindos da cultura pop
americana e misturava-os com a tradição da vanguarda, vinda do movimento da Semana
de Arte Moderna (tentativa de retomar os princípios antropofágicos de Oswald de Andrade)
somada à poesia concretista, dos irmãos Campos e as letras de Torquato Neto. Esse
movimento expôs, sem preconceito, todas as influências da MPB, de Luís Gonzaga a
Vicente Celestino. O tropicalismo digeriu e recriou todas as possibilidades oferecidas pela
música brasileira e internacional. Os artistas que participaram do tropicalismo queriam
entender o país em que viviam e comunicar-se com o povo, mas de um modo diferente
daquele proposto pelo CPC da UNE. Nesse aspecto, toda essa atividade intelectual e
artística estavam mescladas de política e os principais artistas acabaram sendo presos e
exilados.
A música brasileira dos anos 60 e 70 não viveu apenas da Jovem Guarda e do
Tropicalismo. Os Festivais da TV Record também empolgaram as plateias e abriram
espaço para artistas como Chico Buarque de Holanda, Elis Regina, Gilberto Gil, Jair
Rodrigues, Edu Lobo, Carlos Lira, Caetano Veloso e muitos outros. Outro espaço
importante para a música brasileira foi o programa O Fino da Bossa, apresentado também
na TV Record e que mostrava o melhor do samba e da Bossa Nova.
Concluindo: “Em meio ao período da ditadura militar, em que imperava a censura
aos meios de comunicação de massa e a repressão aos opositores do regime, o contexto
histórico, artístico e cultural é bastante rico e criativo com o aparecimento de diversas
manifestações.(...) Poucas décadas foram tão criativas – e ao mesmo tempo tão marcadas
pela repressão – como a década de 1960. Em todo o planeta, os jovens protestaram contra
um mundo burocratizado e vazio de conteúdo. E, valendo-se das mais diferentes formas de
manifestação, procuraram recriar outros laços sociais, outras razões para ficarem juntos e
outros signos (sinais) de reconhecimento”.(Myriam Becho & Patrícia R. Braick. História
das cavernas ao Terceiro Milênio. Ed. Moderna.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
A Tropicália e a produção cultural brasileira na década de 60
A Tropicália  e a produção cultural brasileira  na década de 60A Tropicália  e a produção cultural brasileira  na década de 60
A Tropicália e a produção cultural brasileira na década de 60
 
Tropicália
TropicáliaTropicália
Tropicália
 
Slide Anos 60
Slide Anos 60Slide Anos 60
Slide Anos 60
 
Anos rebeldes
Anos rebeldesAnos rebeldes
Anos rebeldes
 
Tropicália
TropicáliaTropicália
Tropicália
 
Anos 70 no brasil
Anos 70 no brasilAnos 70 no brasil
Anos 70 no brasil
 
Anos dourados e anos rebeldes
Anos dourados e anos rebeldesAnos dourados e anos rebeldes
Anos dourados e anos rebeldes
 
Arte Brasileira durante a Ditadura Militar
Arte Brasileira durante a Ditadura MilitarArte Brasileira durante a Ditadura Militar
Arte Brasileira durante a Ditadura Militar
 
Poesia pós moderna
Poesia pós modernaPoesia pós moderna
Poesia pós moderna
 
Contracultura - Prof.Altair Aguilar.
Contracultura - Prof.Altair Aguilar.Contracultura - Prof.Altair Aguilar.
Contracultura - Prof.Altair Aguilar.
 
Tropicalismo1
Tropicalismo1Tropicalismo1
Tropicalismo1
 
Poesia Marginal de 1970
Poesia Marginal de 1970Poesia Marginal de 1970
Poesia Marginal de 1970
 
Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70Trabalho das decadas de 60 e 70
Trabalho das decadas de 60 e 70
 
Anos 60
Anos 60Anos 60
Anos 60
 
Módulo 5 teatro ditadura militar
Módulo  5  teatro ditadura militarMódulo  5  teatro ditadura militar
Módulo 5 teatro ditadura militar
 
Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970
Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970
Cultura brasileira nos anos 1960 e 1970
 
Censura militar
Censura militarCensura militar
Censura militar
 
O tropicalismo
O tropicalismoO tropicalismo
O tropicalismo
 

Destaque

As primeiras civilizações (Mesopotâmia)
As primeiras civilizações (Mesopotâmia)As primeiras civilizações (Mesopotâmia)
As primeiras civilizações (Mesopotâmia)João Marcelo
 
Paradigms
ParadigmsParadigms
Paradigmsgwsis
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaJoice Belini
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa lulimiss
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964Claudio Apolinário
 
Primeiras civilizações da histria
Primeiras civilizações da histriaPrimeiras civilizações da histria
Primeiras civilizações da histriafelipewatz
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesinessalgado
 
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e Fenícios
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e FeníciosAs primeiras civilizações: Hebreus, Persas e Fenícios
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e FeníciosAlícia Quintino
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasEdvaldo Lopes
 
Primeiras Civilizaçoes
Primeiras CivilizaçoesPrimeiras Civilizaçoes
Primeiras CivilizaçoesFabio Santos
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasEdvaldo Lopes
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesaprofalced04
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaedna2
 

Destaque (17)

As primeiras civilizações (Mesopotâmia)
As primeiras civilizações (Mesopotâmia)As primeiras civilizações (Mesopotâmia)
As primeiras civilizações (Mesopotâmia)
 
Paradigms
ParadigmsParadigms
Paradigms
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Alexandre o grande
Alexandre o grandeAlexandre o grande
Alexandre o grande
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
 
Primeiras civilizações da histria
Primeiras civilizações da histriaPrimeiras civilizações da histria
Primeiras civilizações da histria
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e Fenícios
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e FeníciosAs primeiras civilizações: Hebreus, Persas e Fenícios
As primeiras civilizações: Hebreus, Persas e Fenícios
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
Primeiras Civilizaçoes
Primeiras CivilizaçoesPrimeiras Civilizaçoes
Primeiras Civilizaçoes
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a Um retrato da Cultura Brasileira da Era Vargas ao Regime Militar

6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturaisder-nader-777
 
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80Fabio Salvari
 
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboSusana Reis
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraJaiza Nobre
 
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º ano
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º anoRevisão de prova bimestra 2º bimestre 3º ano
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º anoeunamahcado
 
Cultura de massas anos 30
Cultura de massas anos 30Cultura de massas anos 30
Cultura de massas anos 30cecilianoclaro
 
Contexto e sentidos
Contexto e sentidosContexto e sentidos
Contexto e sentidosMaxwel Lima
 
www.AulasParticulares.Info - História – Era Vargas
www.AulasParticulares.Info - História – Era Vargaswww.AulasParticulares.Info - História – Era Vargas
www.AulasParticulares.Info - História – Era VargasAulasPartInfo
 
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...Guilherme Werner
 
A Cultura na Ditadura Militar
A Cultura na Ditadura MilitarA Cultura na Ditadura Militar
A Cultura na Ditadura MilitarAna Keizy
 
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e asManifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e asKivia Caroline
 
Movimento armorial x_tropicalismo_dilema
Movimento armorial x_tropicalismo_dilemaMovimento armorial x_tropicalismo_dilema
Movimento armorial x_tropicalismo_dilemamarciasmendonca
 
Canto orfeônico by Delziene Perdoncini
Canto orfeônico by Delziene PerdonciniCanto orfeônico by Delziene Perdoncini
Canto orfeônico by Delziene PerdonciniDelziene Jesus
 
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930Felipe Marques
 

Semelhante a Um retrato da Cultura Brasileira da Era Vargas ao Regime Militar (20)

Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais6c o papel_dos_movimentos_culturais
6c o papel_dos_movimentos_culturais
 
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80
CULTURA BRASILEIRA DE 50 A 80
 
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileira
 
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º ano
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º anoRevisão de prova bimestra 2º bimestre 3º ano
Revisão de prova bimestra 2º bimestre 3º ano
 
Cultura de massas anos 30
Cultura de massas anos 30Cultura de massas anos 30
Cultura de massas anos 30
 
Contexto e sentidos
Contexto e sentidosContexto e sentidos
Contexto e sentidos
 
www.AulasParticulares.Info - História – Era Vargas
www.AulasParticulares.Info - História – Era Vargaswww.AulasParticulares.Info - História – Era Vargas
www.AulasParticulares.Info - História – Era Vargas
 
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...
Vocês não estão entendendo nada! uma análise do discurso de caetano veloso no...
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
A Cultura na Ditadura Militar
A Cultura na Ditadura MilitarA Cultura na Ditadura Militar
A Cultura na Ditadura Militar
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e asManifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
Manifestações artísticas da literatura brasileira contemporânea e as
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Movimento armorial x_tropicalismo_dilema
Movimento armorial x_tropicalismo_dilemaMovimento armorial x_tropicalismo_dilema
Movimento armorial x_tropicalismo_dilema
 
Canto orfeônico by Delziene Perdoncini
Canto orfeônico by Delziene PerdonciniCanto orfeônico by Delziene Perdoncini
Canto orfeônico by Delziene Perdoncini
 
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930
Publicidade e Propaganda entre 1920 e 1930
 
Aula 3 novo
Aula 3 novoAula 3 novo
Aula 3 novo
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 

Mais de josafaslima

Roteiro de Aula - Fascismo e Nazismo
Roteiro de Aula - Fascismo e NazismoRoteiro de Aula - Fascismo e Nazismo
Roteiro de Aula - Fascismo e Nazismojosafaslima
 
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na América
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na AméricaPPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na América
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na Américajosafaslima
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...josafaslima
 
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo DilmaRoteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilmajosafaslima
 
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime MilitarPPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militarjosafaslima
 
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no BrasilPPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no Brasiljosafaslima
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917josafaslima
 
PPT - Cultura Grega
PPT - Cultura GregaPPT - Cultura Grega
PPT - Cultura Gregajosafaslima
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917josafaslima
 
Entrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalhoEntrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalhojosafaslima
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileirajosafaslima
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXjosafaslima
 
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militar
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime MilitarPPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militar
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militarjosafaslima
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXjosafaslima
 
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45josafaslima
 
Roteiro de Aula - Iluminismo
Roteiro de Aula - IluminismoRoteiro de Aula - Iluminismo
Roteiro de Aula - Iluminismojosafaslima
 
Os 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de WillsonOs 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de Willsonjosafaslima
 
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasil
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no BrasilPPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasil
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasiljosafaslima
 
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romanajosafaslima
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Gregajosafaslima
 

Mais de josafaslima (20)

Roteiro de Aula - Fascismo e Nazismo
Roteiro de Aula - Fascismo e NazismoRoteiro de Aula - Fascismo e Nazismo
Roteiro de Aula - Fascismo e Nazismo
 
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na América
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na AméricaPPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na América
PPT - O Contexto Histórico Europeu da Chegada do Colonizador na América
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
 
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo DilmaRoteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
 
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime MilitarPPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
 
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no BrasilPPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
PPT - Cultura Grega
PPT - Cultura GregaPPT - Cultura Grega
PPT - Cultura Grega
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
 
Entrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalhoEntrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalho
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileira
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
 
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militar
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime MilitarPPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militar
PPT - A Cultura na Era Vargas ao Regime Militar
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
 
Roteiro de Aula - Iluminismo
Roteiro de Aula - IluminismoRoteiro de Aula - Iluminismo
Roteiro de Aula - Iluminismo
 
Os 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de WillsonOs 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de Willson
 
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasil
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no BrasilPPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasil
PPT - O Funcionamento do Sistema Colonial de Exploração no Brasil
 
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romana
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 

Um retrato da Cultura Brasileira da Era Vargas ao Regime Militar

  • 1. UM RETRATO DA CULTURA DO BRAISL DA ERA VARGAS AO REGIME MILITAR A Cultura na Era Vargas Apesar do forte controle do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), o Brasil conheceu uma intensa vida artística e cultura nos anos 1930 e 1940. O rádio, com seus programas de auditórios, musicais e novelas, tornou-se um dos divertimentos preferidos da população. O Repórter Esso e o programa oficial, A Hora do Brasil, eram responsáveis pelas notícias do país e do mundo. O segundo foi usado insistentemente na propaganda e na veiculação das ideias do regime. Além disso, o rádio representou um importante veículo para a divulgação da música popular brasileira. Cantores como Orlando Silva, Francisco Alves, Vicente Celestino, Carmem Miranda, Emilinha Borba, Marlene e muitos outros se popularizaram graças às ondas do rádio. A valorização do samba deu-se em virtude do rádio, dos desfiles oficiais das escolas e dos bailes nos clubes. Dorival Caymmi passou a ser reconhecido nacionalmente. Ary Barroso também fez sucesso. A Rádio Nacional colocou no ar uma das futuras paixões nacionais: a novela. Na literatura, importantes obras foram lançadas, tais como “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos; “A estrela sobe”, de Marques Rebelo; “Perto do coração selvagem”, de Clarice Lispector; e “Terras do sem fim”, de Jorge Amado. O arquiteto Oscar Niemeyer, cujo projeto arquitetônico mais famoso é Brasília, colocou em prática suas ideias inovadoras com a construção do Conjunto da Pampulha, em Belo Horizonte, contratada pelo então prefeito Juscelino Kubitschek. Em São Paulo, o recém-construído estádio do Pacaembu ficou superlotado para a apresentação de um dos espetáculos mais populares do país: o futebol. O teatro de revista, com suas vedetes, e as salas de cinema, com as musas de Hollywood e do cinema nacional, completavam a gama de entretenimento dos principais centros urbanos. O INC (Instituto Nacional do Cinema), órgão criado pelo governo Vargas, obrigou a apresentação de pelo menos um filme nacional por ano nas salas de projeção, o que contribuiu para o nascimento de companhias como a Atlântida e a Cinédia. A Cultura na República Populista (1946-1964) O período populista foi rico em manifestações culturais. Uma das características da época foi a politização dos debates sobre cultura e da própria produção cultural. O Centro Popular de Cultura (CPC), nascido na União Nacional dos Estudantes, por exemplo, discutia a relação entre sociedade, cultura e política. Na ótica que acabou prevalecendo no Centro, toda produção cultural deveria estar afinada com as propostas políticas revolucionárias, do contrário era considerada alienada e inconsequente. A cultura a serviço da revolução agindo como agente conscientizador das massas. O “engajamento” da arte na ação revolucionária foi particularmente intenso no teatro, através do Teatro de Arena. O Cinema Novo, principalmente as obras de Glauber Rocha, retratou criticamente a situação de miséria material e cultural da população brasileira. Na música, a revolução estética representada pela bossa-nova, da época de Juscelino, teve continuidade com o tropicalismo, incorporando elementos da música pop internacional. Após 1968, o Regime Militar endureceu a repressão e estreitou a vigilância sobre a produção cultural.
  • 2. A Cultura dos Anos 60 e 70 As manifestações culturais dos anos 60 e 70 refletiram as diferentes fases conflituosas dessas épocas. O cinema brasileiro nas décadas de 60, diferente da década de 50 que produzia filmes à imagem do modelo hollywoodiano, produziram filmes como “O Pagador de Promessas” e “O Cangaceiro”, reconhecidos internacionalmente. Foi também nos anos 60 que um grupo de jovens intelectuais-cineastas começaram a discutir um novo caminho estético e político para retratar os problemas do Brasil. Nasceu desta forma o Cinema Novo. Diretores como Nelson Pereira dos Santos (Vidas Secas), Rui Guerra (Os Fuzis), e, principalmente, Glauber Rocha (Deus e o Diabo na Terra do Sol, O Santo Guerreiro Contra o Dragão da Maldade, Terra em Transe – este último que representou uma proposta tropicalista para o cinema brasileiro) reconhecidos internacionalmente, utilizaram-se de manifestações da nossa cultura popular e nacional, muitas vezes de forma alegórica, como base para a elaboração de suas obras que denunciavam as nossas desigualdades sociais e ressaltavam as nossas especificidades culturais. O Cinema Novo trazia o lema: uma ideia na cabeça e uma câmara na mão. Em 1962, a União Nacional dos estudantes (UNE) criou o Centro Popular de Cultura (CPC), que se propunha entender a oposição cultural entre um Brasil atrasado (agrário) e um Brasil moderno (industrializado). Esse movimento exerceu grande influência sobre jovens universitários que se “convertiam” em artistas e músicos. Nascia assim o conceito de arte engajada politicamente. A arte deveria ser uma arma política para combater o poder burguês. Essa concepção influenciou o teatro surgindo o movimento do Teatro de Arena (“Arena conta Zumbi” e “Morte e Vida Severina”) com Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri (autor de “Eles não usam Black tie”) e Oduwaldo Vianna Filho; o Teatro Opinião, tendo a frente o diretor José Celso Martinez; o Grupo Opinião que promovia espetáculos musicais politicamente engajados, protestando contra o regime militar. Na mesma estava a música de protesto, na qual se destacaram nomes como Chico Buarque de Holanda, Edu Lobo, Geraldo Vandré entre outros. A Música Popular Brasileira na verdade já vinha se transformando desde a passagem dos anos 50 para os anos 60. Refletindo o processo de urbanização e modernização, nascia o gênero, mundialmente conhecido, da Bossa Nova. Esse gênero era fruto da produção de jovens da classe média urbana do Rio de Janeiro. Eles cantavam sua realidade, próxima de pequenos problemas existenciais e amorosos, afastando-se de temas tradicionais da música popular como a malandragem, próprios do samba do morro. Era a vez dos banquinhos, cantinhos e violões. Praticamente ao mesmo tempo nasceu o movimento conhecido como Jovem Guarda que, com artistas como Roberto Carlos, Wanderléia e Erasmo Carlos, repetiam de forma fiel, aqui, o que acontecia com o rock dos Beatles na Inglaterra. O Iê, Iê, Iê, como ficou conhecido o gênero, não tinha nenhum comprometimento político. No entanto, foi no fim dos anos 60 e começo dos anos 70 que a MPB sofreu uma transformação estética marcante. Trata-se do chamado movimento Tropicalista (representado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, Os Mutantes (grupo do qual fazia parte Rita Lee) e outros; que emprestava elementos vindos da cultura pop americana e misturava-os com a tradição da vanguarda, vinda do movimento da Semana de Arte Moderna (tentativa de retomar os princípios antropofágicos de Oswald de Andrade) somada à poesia concretista, dos irmãos Campos e as letras de Torquato Neto. Esse movimento expôs, sem preconceito, todas as influências da MPB, de Luís Gonzaga a Vicente Celestino. O tropicalismo digeriu e recriou todas as possibilidades oferecidas pela música brasileira e internacional. Os artistas que participaram do tropicalismo queriam entender o país em que viviam e comunicar-se com o povo, mas de um modo diferente
  • 3. daquele proposto pelo CPC da UNE. Nesse aspecto, toda essa atividade intelectual e artística estavam mescladas de política e os principais artistas acabaram sendo presos e exilados. A música brasileira dos anos 60 e 70 não viveu apenas da Jovem Guarda e do Tropicalismo. Os Festivais da TV Record também empolgaram as plateias e abriram espaço para artistas como Chico Buarque de Holanda, Elis Regina, Gilberto Gil, Jair Rodrigues, Edu Lobo, Carlos Lira, Caetano Veloso e muitos outros. Outro espaço importante para a música brasileira foi o programa O Fino da Bossa, apresentado também na TV Record e que mostrava o melhor do samba e da Bossa Nova. Concluindo: “Em meio ao período da ditadura militar, em que imperava a censura aos meios de comunicação de massa e a repressão aos opositores do regime, o contexto histórico, artístico e cultural é bastante rico e criativo com o aparecimento de diversas manifestações.(...) Poucas décadas foram tão criativas – e ao mesmo tempo tão marcadas pela repressão – como a década de 1960. Em todo o planeta, os jovens protestaram contra um mundo burocratizado e vazio de conteúdo. E, valendo-se das mais diferentes formas de manifestação, procuraram recriar outros laços sociais, outras razões para ficarem juntos e outros signos (sinais) de reconhecimento”.(Myriam Becho & Patrícia R. Braick. História das cavernas ao Terceiro Milênio. Ed. Moderna.)