14stres

326 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
326
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

14stres

  1. 1. Psicossociologia do Trabalho FMH - Psicossociologia do trabalho STRESS OCUPACIONAL Link: The American Institute of Stress http://www.stress.org Bases históricas do estudo do stress STRESS Cannon, 1935 - Postula a importância do Sumário equilíbrio e estabilidade nos sistemas orgânicos (homeostasia). Contudo, essa Bases históricas do estudo do stress estabilidade e equilíbrio por vezes é perturbada por factores externos (stress). Definições de stress Selye 1950 - Usa a palavra stress para se Os factores de stress (causas) referir à quebra geral que o corpo sofre em Efeitos do stress (consequências) consequência dos usos e costumes da vida moderna. Há agentes ambientais stressantes Gestão do stress (stressors), que provocam no organismo a resposta de stress. 1.  Fase de alarme. Reacção do corpo a uma ameaça do meio. O alarme ouve-se e quase todos os órgãos do corpo estão prontos para “fugir Síndrome geral de adaptação ou lutar”. Em muitos casos esta fase é de curta duração. 2. Fase de resistência. Quando o factor stressante é mais persistente 3 fases – Selye e resulta numa mudança fisiológica ou mental. A pessoa adapta-se ao stressor , e o sintoma usualmente desaparece. 1. Fase de alarme. 3. Fase de exaustão. Ocorre quando os recursos físicos e 2. Fase de resistência. psicológicos se esgotam. A exposição prolongada aos stressores pode sobrepor-se à capacidade adaptativa e terem como resultado manifestações físicas como a fadiga, doença, incapacidade e até a morte. Durante esta fase 3. Fase de exaustão. as consequências adversas do stress tornam-se visíveis em termos de produtividade e bem estar físico e psicológico.pnoriega@fmh.utl.pt 1
  2. 2. Psicossociologia do Trabalho O que é o stress... Algumas definições.... Stress Ocupacional Stress Ocupacional Uma condição dinâmica em Resposta adaptativa , mediada pelas que o indivíduo é confronta- diferenças individuais ou processos do com uma oportunidade, psicológicos, consequência de acções constrangimento ou exigên- externas (ambientais), situações ou cia relacionada com aquilo que acontecimentos que colocam deseja e cujo resultado é demasiadas exigências físicas ou percepcionado como sendo psicológicas à pessoa (Ivancevich & simultaneamente importante e Mateteson in Luthans 1995) incerto (Robbins 1996) ESCOLHA E INCERTEZA DE RESULTADOS ACÇÕES EXTERNAS Stress Ocupacional Stress Ocupacional Condição que surge na interacção Resposta adaptativa a uma entre a pessoa e o trabalho, situação externa que resulta em caracterizada por uma mudança desvios físicos, psicológicos e/ou na pessoa que a força desviar-se comportamentais para os do seu funcionamento normal participantes das organizações (Beehr & Newman in Luthan (Luthans 1995) 1995) FUNCIONAMENTO NORMAL RESPOSTA ADAPTATIVA = DESVIOSpnoriega@fmh.utl.pt 2
  3. 3. Psicossociologia do Trabalho Que factores originam o stress Os factores de stress OCUPACIONAL? Factores extra-organizacionais Factores organizacionais Factores de grupo Factores individuais Stress ocupacional Factores organizacionais Factores extra-organizacionais Estratégias e políticas administrativas S T Downsizing; Pressões competitivas; Planos de pagamento por mérito; R Factores que advêm de se ver a organização como um Rotatividade dos turnos de trabalho; Regras burocráticas; Tecnologias sistema aberto, ou seja o stress ocupacional não é fruto avançadas E apenas da vivência dentro da organização, diversos S exemplos ilustram as influências externas: Estrutura e planeamento organizacional S Centralização e formalização; Especialização; Ambiguidade de papeis e conflitos; Inexistência de oportunidades de promoção; Cultura restritiva e •  Mudanças societais e tecnológicas de pouca confiança O •  Acontecimentos na família Processo organizacional C •  Condições económicas e financeiras U Controles apertados; Existência apenas de comunicação descendente; Pouca informação de feedback relativo ao desempenho; Tomada de P •  Género sexual e raça(minorias) decisão centralizada; Sistemas de recompensa punitivos A C •  Condições residenciais e da comunidade I Condições de trabalho O Área de trabalho com muita gente; Ruído, calor ou frio; Ar poluído; N Odores fortes; Condições perigosas e inseguras; Iluminação forte; A Esforços físicos ou mentais; Químicos tóxicos ou radiações L Factores organizacionais Exemplos S Factores de grupo T •  Downsizing 1. Falta de coesão de grupo. Com especial relevo para os R E níveis mais baixos da organização, a falta de coesão, quer S imposta ou devido ao tipo da tarefa é provocadora de stress S 2. Falta de suporte social. Os empregados são muito afectados pelo suporte dado por um ou mais membros dum O grupo. A falta de partilha dos problemas e alegrias com outros, é C stressante. U P 3. Conflitos intraindividuais, intragrupo e A C intergrupos. Há uma ligação de proximidade entre o stress e I o conflito. O conflito associa-se com incompatibilidades entre O dimensões individuais como objectivos pessoais e valores N /necessidades motivacionais, entre indivíduos num grupo e entre A L grupos.pnoriega@fmh.utl.pt 3
  4. 4. Psicossociologia do Trabalho Factores individuais Factores individuais 1- Papéis •  1 - Papéis a) Conflito de papéis – Advém dos múltiplos papéis que •  2 - Personalidade tipo A um indivíduo possui (família, trabalho, lazer, etc). •  3 - Controle pessoal e desamparo b) Ambiguidade de papel – Existência de ambiguidade relativamente aos papéis que as pessoas devem aprendido desempenhar, ou por falta de conhecimento, formação •  4 - Auto-eficácia ou má comunicação (distorção/filtração) por parte de outros. •  5 - Resistência psicológica c) Sobrecarga de papel – Existe quando as expectativas relativamente ao papel de uma pessoa são demasiadas 2 - Personalidade tipo A Personalidade tipo A “Envolvimento agressivo numa luta crónica e incessante, para obter mais e mais em menos e menos tempo, e se necessário contra os esforços contraditórios de outras pessoas e coisas” Personalidade tipo A 3 - Controle pessoal e desamparo aprendido a) Controle pessoal Estudos de cardiologistas Grau em que o indivíduo percebe que tem ou não (Friedman & Rosenman in capacidade para controlar a situação. Se se percebe que não há controle sobre o ambiente de trabalho e o Luthans 1995) Tipo A - Perfil sobre o trabalho em si, o nível de stress será mais altamente correlacionado com elevado. níveis elevados de stress e consequências físicas b) Desamparo aprendido perigosas (Dobro de ataques Tendência para a inacção relativamente ao evitamento dos factores stressantes, mesmo quando é possível cardíacos) ter sobre eles controle. (Exps de Seligman)pnoriega@fmh.utl.pt 4
  5. 5. Psicossociologia do Trabalho 4 - Auto-eficácia 5 - Resistência psicológica Auto percepção de quão bem a pessoa consegue Grau de resistência aos factores stressantes, ou, enfrentar as situações que vão aparecendo. Há características psicológicas que amortecem as estudos que demonstram que as pessoas com reacções das pessoas a acontecimentos níveis de auto-eficácia elevada, podem lidar mais potencialmente stressantes. As pessoas mais facilmente com resistentes têm as seguintes “forças psicológicas”: situações de 1. Desafio. Estão abertas à mudança e consideram-na um desafio em vez de uma ameaça stress. 2. Empenhamento. Envolvem-se profundamente no que quer que façam, considerando-o interessante e importante (oposto da alienação) 3. Controle. Têm o sentido de controle sobre os acontecimentos Efeitos negativos do stress ocupacional Efeitos negativos do stress ocupacional Problemas fisiológicos Problemas psicológicos •  Dores de cabeça • Ansiedade •  Pressão sanguínea elevada • Depressão •  (Subida do colesterol) •  Doenças de coração • Diminuição dos níveis de satisfação no trabalho Efeitos negativos do stress ocupacional Gestão do stress Problemas comportamentais 1. Reconhecimento do stress Pistas que indicam existência de stress (padrão de comportamentos com •  Sinais da presença de stress alguma continuidade) Ausência de reacção ou sobre reacção 1. Maior nervosismo. As pessoas podem ter maior dificuldade em concentrarem Sonolência -se e parecerem mais distraídas. Aumento de consumo de substâncias 2. Atrasos e absentismo. Aumento de conflito, mais discussões, menos cooperação e colaboração (tabaco, álcool, estupefacientes) 3. Dificuldades interpessoais. Aumento de conflito, mais discussões, menos •  Implicações cooperação e colaboração 4. Diminuições de desempenho. Maior falta de cuidados, mais erros como Ao nível da produtividade, absentismo e esquecimentos de passos a serem executados ou de pessoas a serem contactadas, incapacidade de tomar decisões turnover. 5. Evidência de abuso de substâncias. A pessoa pode estar a fumar mais, beber mais café, prolongar os almoços cheirar a alcoolpnoriega@fmh.utl.pt 5
  6. 6. Psicossociologia do Trabalho Gestão do stress Gestão do stress 2. Tratamento dos sintomas 2. Tratamento dos sintomas 1. Uso de medicamentos, para descer a pressão sanguínea, para diminuir ansiedade depressão, para dormir, etc. 1. Uso de medicamentos. 2. Comportamentais. Por exemplo, relativamente aos atrasos pode-se pensar num esquema de recompensas que premeie o chegar a horas. Também as terapias comportamentais podem 2. Comportamentais. servir para resolver problemas de ansiedades, alcoolismo, depressão, etc. 3. Formas físicas. 3. Formas físicas. Por exemplo formas de relaxamento como massagens ou sauna. “O tratamento dos sintomas, no entanto, não remove a “O tratamento dos sintomas, no entanto, não remove a causa do problema e a pessoa não é modificada de causa do problema e a pessoa não é modificada de nenhuma forma fundamental” nenhuma forma fundamental” Gestão do stress Gestão do stress 3. Mudança das pessoas 4. Métodos organizacionais para reduzir stress Técnicas que ensinam às pessoas formas para 1. Estrutura as ajudar a responder de forma diferente aos 2. Papéis factores stressantes: 3. Relações interpessoais 1. Biofeedback; 4. Mudança 2. Treino de relaxamento; 5. Factores stressantes do trabalho 3. Estratégias interpessoais; 6. Ambiente físico 4. Mudanças físicas (c.f. Mitchell e Larson 1987, p 209-210) 1 - Estrutura 2 - Papéis Variáveis da estrutura que são importantes na gestão do stress, Expºs: Centralização - Expº. Quantidade de participação na tomada de Os conflitos de“papéis”, ambiguidade e decisão.- quanto maior for maior a satisfação. sobrecarga podem ser reduzidos em reuniões nas quais os indivíduos discutem as expectativas Políticas de avaliação de desempenho, de colocação das tarefas e para os trabalhos específicos, aí devem referir: de promoções - A clareza na comunicação de políticas de avaliação de desempenho, de colocação e de promoções parecem 1- O que pensam que é esperado deles reduzir os níveis de stress. 2- O que esperam dos outros Em termos gerais estas estratégias reduzem a ambiguidade e 3- O que eles pensam que os outros pensam incerteza enquanto aumentam a satisfação e envolvimento da acerca deles pessoa.pnoriega@fmh.utl.pt 6
  7. 7. Psicossociologia do Trabalho 4 - Mudança 3 - Relações interpessoais Discussão aberta e franca dos problemas em primeira mão pode ajudar pessoas a Problemas geralmente devido a enfrentar e ajudar à mudança. diferentes objectivos, má comunicação. Durante a mudança: devem existir canais de A gestão deve clarificar quais os comunicação abertos, solicitação de “inputs”, objectivos. Também podem ser sensibilidade às queixas, estar a par das desenhados planos de formação para reacções das pessoas. Ou seja, em termos melhorar a comunicação. gerais estar a monitorizar a mudança. 5 - Factores stressantes do trabalho 6 - Ambiente físico O aumento da variedade da tarefa, o Relativamente às condições aversivas dar feedback e autonomia, ou seja (ex. ruído, poluição, calor, etc) os aumentar o sentido da tarefa, pode passos lógicos (se possíveis) são: diminuir alguns factores stressantes 1º Eliminar a condição aversiva através do aumento da motivação. 2º Diminuir a sua intensidade Factores esses normalmente 3º Diminuir a exposição associados à tecnologia e tipo de tarefa.pnoriega@fmh.utl.pt 7

×