Machado de Assis

2.163 visualizações

Publicada em

Trabalho de português sobre machado de assis

Publicada em: Educação

Machado de Assis

  1. 1. Machado de Assis
  2. 2. Vida & Obra
  3. 3. Joaquim Maria Machado de Assis nasceu no dia 21 de junho de 1839 no Morro do Livramento, Rio de Janeiro. Seus pais foram Francisco José de Assis, um mulato que pintava paredes, e Maria Leopoldina da Câmara Machado, lavadeira portuguesa dos Açores. Ao contrario do que se imagina a trajetória de Machado de Assis não o conduziu naturalmente para o mundo das letras. Ainda na infância o jovem “Machadinho”, como era carinhosamente chamado perdeu sua mãe e seu pai casou-se de novo com Maria Inês. Para ajudar nas despesas de casa Trabalhou como vendedor de doces e mal frequentou a escola publica.
  4. 4. Em 1851 seu pai faleceu. Em 1855 frequentava a tipografia e Livraria de Francisco de Paula Brito, onde se publicava a revista Marmota Fluminense, cujo o numero 21 de janeiro saiu seu poema “Ela”. Em 1864 publica seu primeiro livro de poesias, “Crisálidas”. Em 1867 inicia sua carreira de funcionário publico. Por indicação do Jornalista e político Quintino Bocaiúva Torna-se redator do Diário Oficial, onde logo foi promovido a assistente de diretor Em 12 de Novembro de 1869 casou-se com Carolina Augusta Xavier de Novais, que o estimulou na carreira literária. Em 1872 pública seu primeiro romance “Ressurreição”.
  5. 5. Machado de Assis teve uma carreira meteórica, como funcionário publico. Em 1896, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Em outubro de 1904 faleceu sua companheira por 35 anos, Carolina Augusta Xavier Novais, que além de revisora de suas obras era também sua enfermeira, pois Machado de Assis tinha sua saúde abalada pela epilepsia. Após sua morte o romancista raramente saia de casa. Em sua homenagem publicou o poema “A Carolina”.
  6. 6. Joaquim Maria Machado de Assis morreu no Rio de Janeiro, dia 29 de setembro de 1908, aos 69 anos. Foi enterrado no cemitério de São João Batista, na mesma cidade onde nasceu e viveu toda a sua vida. Representando a Academia Brasileira de Letras, o jurista Rui Barbosa fez um discurso em homenagem ao escritor . A trajetória de Machado de Assis é alvo de interessados apreciadores da literatura e de vários pesquisadores. A sua obra conta com um leque temático e estilístico bastante variado, dificultando bastante o enquadramento de seu legado em um único gênero. O impacto da sua obra chegou a figurá-lo entre os principais nomes da literatura internacional.
  7. 7. Costuma-se dividir a obra de Machado de Assis, em duas fases: A primeira fase apresenta o autor ainda preso a alguns princípios da escola romântica. A segunda fase apresenta o autor completamente definido dentro das ideias realistas.
  8. 8. 1° Fase
  9. 9. 2° Fase
  10. 10. ACarteira (conto do livro Contos Fluminenses) O Alienista (conto do livro Papéis Avulsos) Uns Braços (conto do livro Várias Histórias) A Cartomante (conto do livro Várias Histórias) O Enfermeiro (conto do livro Várias Histórias)
  11. 11. POEMAS
  12. 12. Quando Ela Fala: Quando ela fala, parece Que a voz da brisa se cala; Talvez um anjo emudece Quando ela fala. Meu coração dolorido As suas mágoas exala, E volta ao gozo perdido Quando ela fala. Pudeste eu eternamente, Ao lado dela, escutá-la, Ouvir sua alma inocente Quando ela fala. Minha alma, já semimorta, Conseguira ao céu alçá-la Porque o céu abre uma porta Quando ela fala.
  13. 13. A Caridade: Ela tinha no rosto uma expressão tão calma Como o sono inocente e primeiro de uma alma Donde não se afastou ainda o olhar de Deus; Uma serena graça, uma graça dos céus, Era-lhe o casto, o brando, o delicado andar, E nas asas da brisa iam-lhe a ondear Sobre o gracioso colo as delicadas tranças. Levava pela mão duas gentis crianças. Ia caminho. A um lado ouve magoado pranto. Parou. E na ansiedade ainda o mesmo encanto Descia-lhe às feições. Procurou. Na calçada À chuva, ao ar, ao sol, despida, abandonada A infância lacrimosa, a infância desvalida, Pedia leito e pão, amparo, amor, guarida. E tu, ó Caridade, ó virgem do Senhor, No amoroso seio as crianças tomaste, E entre beijos – só teus — o pranto lhes secaste Dando-lhes leito e pão, guarida e amor.
  14. 14. “Não há decepções possíveis para um viajante, que apenas vê de passagem o lado belo da natureza humana e não ganha tempo de conhece-lhe o lado feio”.
  15. 15. “Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o essencial é que saiba amar”.
  16. 16. “Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa a boca para rir, também não deixa olhos para chorar”.

×