SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Eletricidade
Evolução dos Modelos
      Atômicos
Modelo atômico de Dalton


 John Dalton (químico inglês) propôs o
  primeiro Modelo atômico, em 1807.

   Indivisíveis;
   Pequenas esferas;
                                              John Dalton
   Grande quantidade;                         (1766-1844)
   Variações de tamanho e cor;
   Átomos de elementos iguais, são iguais;
   Átomos de elementos diferentes, são
    diferentes;
   Se ligam em proporção fixa.
Modelo atômico de Thomson

 Em 1904, Thomson, propôs um novo modelo
  (Modelo atômico de Thomson).

 Admitiu que o átomo era uma esfera maciça
  de carga positiva, estando os elétrons
  dispersos no seu interior. (tal como as passas   Joseph   Thomson
                                                   (1856-1940)
  num pudim).

 Modelo do “ Pudim de passas”.
Modelo atômico de Rutherford




                                                                Rutherford
                                                                (1871-1937)



1.A grande maioria dos raios α passou pela lâmina.

2. Foram poucos os raios α reflectidos pela lâmina.

3. Pouquíssimos raios α passaram pela lâmina sofrendo desvio.
 A maior parte do espaço do átomo é espaço
  vazio.

 No seu interior, existe uma pequena região
  central positiva (núcleo).

 No núcleo encontra-se a maior parte da massa
  do átomo.

 Os elétrons giram à volta do núcleo em órbitas
  circulares.

 Também conhecido como o modelo Planetário.
Modelo Atômico de Bohr

 Concebido, em 1913, por Bohr.
  (físico dinamarquês)

 O átomo possuí um núcleo central.

                                                      Niels Bohr
 Os elétrons descrevem órbitas circulares em torno   (1885-1962)
  do núcleo.

 Os elétrons só podem ocupar determinados níveis
  de energia.

 A cada órbita corresponde um valor de energia.
Modelo Atual – Modelo da Nuvem
                 eletrônica
 Os elétrons nos átomos movem-se em torno do núcleo com elevada rapidez.

 É impossível determinar, simultaneamente, com exatidão a posição e a
  velocidade de um elétron. (Princípio da Incerteza de Heisenberg)




                Representação simbólica da nuvem eletrônica
Modelo Atual – Modelo da Nuvem
                Eletrônica
 O átomo possui um núcleo central de
  reduzidas dimensões e uma nuvem
  eletrônica.

 No núcleo encontram-se os prótons e os
  neutrões.

 Os elétrons encontram-se à volta do
  núcleo, na nuvem eletrônica.

 É possível falar em zonas onde a
  probabilidade de encontrar o elétron é
                                           ORBITAIS
  maior.
Estudo dos fenômenos associados com as cargas elétricas;

Carga elétrica – propriedade intrínseca da matéria (como a
massa, por exemplo);

Existem dois tipos de carga elétrica ( + e – );

Carga + :associada aos prótons;

Carga – :associada aos elétrons;

Corpo neutro: possui os dois tipos de carga em igual número e
homogeneamente distribuídas

Corpo carregado: possui excesso total ou local de um tipo de
carga
Cargas elétricas de mesmo sinal se       e de sinais
                contrários se        .
Pelo atrito (esfregação) entre dois corpos, elétrons são transferidos
de um corpo para o outro de acordo com a série triboelétrica.

Ao final do processo, os dois corpos ficam eletrizados com carga de
sinais contrários.




Mica = minério
Ebonite e celuloide = tipos de plástico
- quando se faz contato entre um corpo carregado e outro neutro, o
excesso de cargas em um dos corpos se distribui pelo sistema
único. Quando separa-se novamente os corpos, a carga líquida fica
dividida entre os dois – NÃO NECESSARIAMENTE AO MEIO;

Ao final do processo, os dois corpos ficam carregados com carga de
mesmo sinal.
- pela aproximação de um corpo carregado (indutor), induz-se uma
separação interna de cargas em um corpo inicialmente neutro
(induzido), aterra-se convenientemente o induzido e depois afasta-
se o indutor;

Ao final do processo, os indutor e induzido estão carregado com
cargas de sinal contrário.
Pikachu?

Roedor amarelo eletrificado que se
 comunica falando repetidamente
       seu próprio nome.

 Geralmente são encontrados em
 florestas ou em tomadas de suas
               casas.

  Choque do Trovão: ele utiliza o
   próprio rabo para criar uma
quantidade de eletricidade estática
 para descarregar em criancinhas
            japonesas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicaçõesAula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicaçõesAdriano Silva
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivosjppaco
 
Física b relátório 1
Física b   relátório 1Física b   relátório 1
Física b relátório 1Laiana Bentes
 
Aula 20: O átomo de hidrogênio
Aula 20: O átomo de hidrogênioAula 20: O átomo de hidrogênio
Aula 20: O átomo de hidrogênioAdriano Silva
 
Aula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAdriano Silva
 
Circuitos elétricos 1
Circuitos elétricos 1Circuitos elétricos 1
Circuitos elétricos 1msmarquinhos
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaVítor Folgado
 
Modelo de Kronig Peney y Bandas
Modelo de Kronig Peney y BandasModelo de Kronig Peney y Bandas
Modelo de Kronig Peney y BandasAndrés Escárraga
 
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃOAPOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃOIsvaldo Souza
 
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroPlanck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroCristiane Tavolaro
 
Experimentos Fluorescentes
Experimentos FluorescentesExperimentos Fluorescentes
Experimentos FluorescentesSuennya Thaís
 
Potencial electrico clase 6 TE
Potencial electrico clase 6 TEPotencial electrico clase 6 TE
Potencial electrico clase 6 TETensor
 
Eletricidade e magnetismo
Eletricidade e magnetismoEletricidade e magnetismo
Eletricidade e magnetismoGr0R
 
Power point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétricaPower point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétricaClaudio Arkan
 
Carga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrizaçãoCarga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrizaçãoProf. JC
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasEdhy Torres
 

Mais procurados (20)

Optica
OpticaOptica
Optica
 
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicaçõesAula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
 
Capacitores
CapacitoresCapacitores
Capacitores
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
 
Aula 04 - Lei de ohm
Aula 04 - Lei de ohmAula 04 - Lei de ohm
Aula 04 - Lei de ohm
 
Física b relátório 1
Física b   relátório 1Física b   relátório 1
Física b relátório 1
 
Aula 20: O átomo de hidrogênio
Aula 20: O átomo de hidrogênioAula 20: O átomo de hidrogênio
Aula 20: O átomo de hidrogênio
 
Aula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônico
 
Circuitos elétricos 1
Circuitos elétricos 1Circuitos elétricos 1
Circuitos elétricos 1
 
3 curto simetrico_pt1
3 curto simetrico_pt13 curto simetrico_pt1
3 curto simetrico_pt1
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínua
 
Modelo de Kronig Peney y Bandas
Modelo de Kronig Peney y BandasModelo de Kronig Peney y Bandas
Modelo de Kronig Peney y Bandas
 
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃOAPOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
 
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroPlanck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
 
Experimentos Fluorescentes
Experimentos FluorescentesExperimentos Fluorescentes
Experimentos Fluorescentes
 
Potencial electrico clase 6 TE
Potencial electrico clase 6 TEPotencial electrico clase 6 TE
Potencial electrico clase 6 TE
 
Eletricidade e magnetismo
Eletricidade e magnetismoEletricidade e magnetismo
Eletricidade e magnetismo
 
Power point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétricaPower point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétrica
 
Carga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrizaçãoCarga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrização
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
 

Destaque (7)

Quimica i
Quimica iQuimica i
Quimica i
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Modelos atómicos
Modelos atómicosModelos atómicos
Modelos atómicos
 
Quimica
QuimicaQuimica
Quimica
 
O atual modelo atômico
O atual modelo atômicoO atual modelo atômico
O atual modelo atômico
 
Super Modelo Atomico
Super Modelo AtomicoSuper Modelo Atomico
Super Modelo Atomico
 
Evolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicosEvolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicos
 

Semelhante a Evolução dos Modelos Atômicos da História da Ciência

Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)Anne Solsi
 
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)Anne Solsi
 
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)Anne Solsi
 
ficha-inf-1
ficha-inf-1ficha-inf-1
ficha-inf-1djluc
 
Evolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosEvolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosPaulo Cavallari
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Coc2010
 
Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)ct-esma
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos eleniceEEB Paulo Bauer
 
Modelos atômicos ( 2 ano)
Modelos atômicos ( 2 ano)Modelos atômicos ( 2 ano)
Modelos atômicos ( 2 ano)Karol Maia
 
Evolução do modelo atômico teóricos e vida
Evolução do modelo atômico teóricos e vidaEvolução do modelo atômico teóricos e vida
Evolução do modelo atômico teóricos e vidaewerthongomesciencia
 
Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)Juliani Limoni
 

Semelhante a Evolução dos Modelos Atômicos da História da Ciência (20)

Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
 
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
 
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)Aula anne solsi   química 1º ano (aula 1)
Aula anne solsi química 1º ano (aula 1)
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
STC - O àtomo
 STC - O àtomo STC - O àtomo
STC - O àtomo
 
ficha-inf-1
ficha-inf-1ficha-inf-1
ficha-inf-1
 
Evolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos AtômicosEvolução dos Modelos Atômicos
Evolução dos Modelos Atômicos
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
 
Modelos atômicos(slide)
Modelos atômicos(slide)Modelos atômicos(slide)
Modelos atômicos(slide)
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
 
AtomíStica
AtomíSticaAtomíStica
AtomíStica
 
Modelos atômicos ( 2 ano)
Modelos atômicos ( 2 ano)Modelos atômicos ( 2 ano)
Modelos atômicos ( 2 ano)
 
Modelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaqueModelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaque
 
Evolução do modelo atômico teóricos e vida
Evolução do modelo atômico teóricos e vidaEvolução do modelo atômico teóricos e vida
Evolução do modelo atômico teóricos e vida
 
Evolução atomica 2015
Evolução atomica 2015Evolução atomica 2015
Evolução atomica 2015
 
Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 

Mais de Wellington Sampaio (20)

Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de NewtonCartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
 
Astrobiologia
AstrobiologiaAstrobiologia
Astrobiologia
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
 
Via Láctea
Via LácteaVia Láctea
Via Láctea
 
Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008
 
Lista 1 termometria - dilatação
Lista 1   termometria - dilataçãoLista 1   termometria - dilatação
Lista 1 termometria - dilatação
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Espelhos
EspelhosEspelhos
Espelhos
 
Óptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e LentesÓptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e Lentes
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
 
Exercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano RECExercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano REC
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Lista de Exercícios
Lista de ExercíciosLista de Exercícios
Lista de Exercícios
 
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° semLista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
 
Sociedade de consumo
Sociedade de consumoSociedade de consumo
Sociedade de consumo
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as criançasPara Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
 
Campo e potencial elétrico
Campo e potencial elétricoCampo e potencial elétrico
Campo e potencial elétrico
 

Evolução dos Modelos Atômicos da História da Ciência

  • 3. Modelo atômico de Dalton  John Dalton (químico inglês) propôs o primeiro Modelo atômico, em 1807.  Indivisíveis;  Pequenas esferas; John Dalton  Grande quantidade; (1766-1844)  Variações de tamanho e cor;  Átomos de elementos iguais, são iguais;  Átomos de elementos diferentes, são diferentes;  Se ligam em proporção fixa.
  • 4. Modelo atômico de Thomson  Em 1904, Thomson, propôs um novo modelo (Modelo atômico de Thomson).  Admitiu que o átomo era uma esfera maciça de carga positiva, estando os elétrons dispersos no seu interior. (tal como as passas Joseph Thomson (1856-1940) num pudim).  Modelo do “ Pudim de passas”.
  • 5. Modelo atômico de Rutherford Rutherford (1871-1937) 1.A grande maioria dos raios α passou pela lâmina. 2. Foram poucos os raios α reflectidos pela lâmina. 3. Pouquíssimos raios α passaram pela lâmina sofrendo desvio.
  • 6.  A maior parte do espaço do átomo é espaço vazio.  No seu interior, existe uma pequena região central positiva (núcleo).  No núcleo encontra-se a maior parte da massa do átomo.  Os elétrons giram à volta do núcleo em órbitas circulares.  Também conhecido como o modelo Planetário.
  • 7. Modelo Atômico de Bohr  Concebido, em 1913, por Bohr. (físico dinamarquês)  O átomo possuí um núcleo central. Niels Bohr  Os elétrons descrevem órbitas circulares em torno (1885-1962) do núcleo.  Os elétrons só podem ocupar determinados níveis de energia.  A cada órbita corresponde um valor de energia.
  • 8. Modelo Atual – Modelo da Nuvem eletrônica  Os elétrons nos átomos movem-se em torno do núcleo com elevada rapidez.  É impossível determinar, simultaneamente, com exatidão a posição e a velocidade de um elétron. (Princípio da Incerteza de Heisenberg) Representação simbólica da nuvem eletrônica
  • 9. Modelo Atual – Modelo da Nuvem Eletrônica  O átomo possui um núcleo central de reduzidas dimensões e uma nuvem eletrônica.  No núcleo encontram-se os prótons e os neutrões.  Os elétrons encontram-se à volta do núcleo, na nuvem eletrônica.  É possível falar em zonas onde a probabilidade de encontrar o elétron é ORBITAIS maior.
  • 10. Estudo dos fenômenos associados com as cargas elétricas; Carga elétrica – propriedade intrínseca da matéria (como a massa, por exemplo); Existem dois tipos de carga elétrica ( + e – ); Carga + :associada aos prótons; Carga – :associada aos elétrons; Corpo neutro: possui os dois tipos de carga em igual número e homogeneamente distribuídas Corpo carregado: possui excesso total ou local de um tipo de carga
  • 11. Cargas elétricas de mesmo sinal se e de sinais contrários se .
  • 12.
  • 13. Pelo atrito (esfregação) entre dois corpos, elétrons são transferidos de um corpo para o outro de acordo com a série triboelétrica. Ao final do processo, os dois corpos ficam eletrizados com carga de sinais contrários. Mica = minério Ebonite e celuloide = tipos de plástico
  • 14. - quando se faz contato entre um corpo carregado e outro neutro, o excesso de cargas em um dos corpos se distribui pelo sistema único. Quando separa-se novamente os corpos, a carga líquida fica dividida entre os dois – NÃO NECESSARIAMENTE AO MEIO; Ao final do processo, os dois corpos ficam carregados com carga de mesmo sinal.
  • 15. - pela aproximação de um corpo carregado (indutor), induz-se uma separação interna de cargas em um corpo inicialmente neutro (induzido), aterra-se convenientemente o induzido e depois afasta- se o indutor; Ao final do processo, os indutor e induzido estão carregado com cargas de sinal contrário.
  • 16. Pikachu? Roedor amarelo eletrificado que se comunica falando repetidamente seu próprio nome. Geralmente são encontrados em florestas ou em tomadas de suas casas. Choque do Trovão: ele utiliza o próprio rabo para criar uma quantidade de eletricidade estática para descarregar em criancinhas japonesas.