Palestra

250 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
250
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra

  1. 1. VIOLÊNCIA NASVIOLÊNCIA NAS ESCOLAS : MITO OUESCOLAS : MITO OU REALIDADE ?REALIDADE ?
  2. 2. APAAEP Associação de Pais, Alunos e Amigos das Escolas Públicas de Mendes CONVITE DIA 19 DE SETEMBRO DE 2003 ÀS 13:00 HORAS - CIEP 288 ( MENDES) PALESTRA COM A PROFESSORA JORZEIA AMORIM ESCOLA DE PAZ (SEE-RJ/UNESCO) TEMA: VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS : MITO OU REALIDADE ? "Eu gostaria, por fim, que nas escolas se ensinasse o horror absoluto à violência e às armas de qualquer tipo. Quem sabe algum dia teremos uma Escola Superior de Paz, que se encarregará de falar sobre o horror das espadas e a beleza dos arados, a dor das lanças e o prazer das tesouras de podar". Rubem Alves
  3. 3. COMO POSSO CONTRIBUIRCOMO POSSO CONTRIBUIR PARA DIMINUIR O ÍNDICE DEPARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHAVIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA?ESCOLA?
  4. 4.  SENSIBILIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ESCOLA PARA A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA .    SENSIBILIZAÇÃO COM PAIS E OU RESPONSÁVEIS.    APROXIMAR A COMUNIDADE NAS ATIVIDADES ESCOLARES.    RESGATE DE VALORES.    CRIAÇÃO DE PARCERIAS E VÍNCULOS. COMO POSSO CONTRIBUIR PARACOMO POSSO CONTRIBUIR PARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NADIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA?MINHA ESCOLA?
  5. 5. DO QUE EU MAIS PRECISODO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOSPARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?JOVENS ?
  6. 6. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDARDO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?OS NOSSOS JOVENS ?  LIMITE: Estabelecer parâmetros demonstrando os benefícios do entendimento entre direitos e deveres  PACIÊNCIA: Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem.  COMPREENSÃO: Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem.  SOLIDARIEDADE: Apresentar-se sempre como o amigo, nos momentos alegres ou tristes.  SABER FALAR SUA LINGUAGEM: Estar apto a promover o conhecimento sobre a forma de diálogo do jovem.
  7. 7. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDARDO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?OS NOSSOS JOVENS ?  SUBSTITUIR UM PRAZER PELO OUTRO: Ofertar sempre possibilidade de convívio em situações prazerosas saudáveis.  DIÁLOGO: Através do exercício da compreensão, do saber ouvir.  AMOR EM TRABALHO: Dedicação, estar sempre a demonstrar que no exercício da função sempre haverá a necessidade do “fazer com amor”.  RELIGIOSIDADE: Refletir sempre sobre a presença da Força Criadora em nossas vidas.
  8. 8. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDARDO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?OS NOSSOS JOVENS ?  IMITAÇÃO DE ÍDOLOS: Referenciar na formação de ídolos da juventude, os comportamentos que possam produzir exemplos positivos que estimulem a formação correta de cidadania.  GLOBALIZAÇÃO: Integrar o objetivo do Ensinar para a Vida, aproximando os sistemas educacionais para um só ideal: formar de fato e direito, o pensamento crítico para o crescimento humanizado na globalização.  ÉTICA: Estabelecer como referencial maior, a postura ética na área educacional.  POR MEDO DE ERRAR AS PESSOAS NÃO PRODUZEM NADA. Necessidade de analisar posicionamentos, rompendo com atitudes que podem representar impedimentos para atualizar-se nas propostas sobre EDUCAÇÃO.
  9. 9. O QUE NA SALA DE AULA OO QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR?AJUDA A ENSINAR?
  10. 10. O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR?O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR?  TER CONSCIÊNCIA DO MEU PAPEL NA SOCIEDADE.  RESPEITAR AS DIFERENÇAS.  CONHECER A REALIDADE DO ALUNO.  CAPACIDADE DE DIÁLOGO.  TER AMOR PELO QUE FAÇO.  NÃO TER PRECONCEITOS.  SER ABERTO A MUDANÇAS.
  11. 11. O QUE NA SALA DE AULAO QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADOTORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?MAIS DIFÍCIL?
  12. 12. O QUE NA SALA DE AULA TORNA OO QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL? DESESTRUTURA FAMILIARDESESTRUTURA FAMILIARDESESTRUTURA FAMILIARDESESTRUTURA FAMILIAR TELEVISÃO (MÍDIA)TELEVISÃO (MÍDIA)TELEVISÃO (MÍDIA)TELEVISÃO (MÍDIA) DEPENDÊNCIA QUÍMICADEPENDÊNCIA QUÍMICADEPENDÊNCIA QUÍMICADEPENDÊNCIA QUÍMICA SAÚDE (DEFICIÊNCIA)SAÚDE (DEFICIÊNCIA)SAÚDE (DEFICIÊNCIA)SAÚDE (DEFICIÊNCIA) FALTA DE PROFISSIONAISFALTA DE PROFISSIONAIS DE SAÚDEDE SAÚDE FALTA DE PROFISSIONAISFALTA DE PROFISSIONAIS DE SAÚDEDE SAÚDE ALIMENTAÇÃO (FOME)ALIMENTAÇÃO (FOME)ALIMENTAÇÃO (FOME)ALIMENTAÇÃO (FOME) QUANTITATIVO DE ALUNOSQUANTITATIVO DE ALUNOSQUANTITATIVO DE ALUNOSQUANTITATIVO DE ALUNOS FALTA DE TECNOLOGIAFALTA DE TECNOLOGIAFALTA DE TECNOLOGIAFALTA DE TECNOLOGIA PRÁTICA PEDAGÓGICAPRÁTICA PEDAGÓGICAPRÁTICA PEDAGÓGICAPRÁTICA PEDAGÓGICA METODOLOGIAS IMPOSTASMETODOLOGIAS IMPOSTAS SEM ESPECIFICAÇÃOSEM ESPECIFICAÇÃO METODOLOGIAS IMPOSTASMETODOLOGIAS IMPOSTAS SEM ESPECIFICAÇÃOSEM ESPECIFICAÇÃO
  13. 13. O QUE NA SALA DE AULA TORNA OO QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL? VOCAÇÃO PROFISSIONALVOCAÇÃO PROFISSIONAL (FALTA DE OPÇÃO)(FALTA DE OPÇÃO) VOCAÇÃO PROFISSIONALVOCAÇÃO PROFISSIONAL (FALTA DE OPÇÃO)(FALTA DE OPÇÃO) CONTEÚDOS REPETITIVOSCONTEÚDOS REPETITIVOSCONTEÚDOS REPETITIVOSCONTEÚDOS REPETITIVOS LEIS ARBITRÁRIASLEIS ARBITRÁRIASLEIS ARBITRÁRIASLEIS ARBITRÁRIAS DISCIPLINA = LIMITESDISCIPLINA = LIMITESDISCIPLINA = LIMITESDISCIPLINA = LIMITES MOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃO FALTA DE PERSPECTIVAFALTA DE PERSPECTIVAFALTA DE PERSPECTIVAFALTA DE PERSPECTIVA EMPOBRECIMENTOEMPOBRECIMENTO DE TODOSDE TODOS EMPOBRECIMENTOEMPOBRECIMENTO DE TODOSDE TODOS
  14. 14. DEPOIMENTOS SOBRE ODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO : VIOLÊNCIA NASEVENTO : VIOLÊNCIA NAS ESCOLASESCOLAS
  15. 15. “O Encontro se propôs a discutir a Violência na Escola: Mito ou Realidade. A metodologia proposta foi a de discussões em sub-grupos de ângulos específicos do tema proposto. A Coordenadora do Encontro, Professora Jorzeia Amorim, não trouxe um novo enfoque; buscou a visão, experiência e expectativa dos participantes (representantes de escolas municipais, estaduais, particulares e comunidade em geral). A violência foi discutida amplamente em seus diversos aspectos: social, familiar, moral, profissional, institucional, legal. Ficou claro que a violência existe e está presente no cotidiano não só escolar, como no de todos os que interagem com a criança e ou adolescente. E que a solução para minorar essa violência, seria uma parceria real entre os vários segmentos envolvidos: pais, professores, colaboradores, instituições públicas e privadas. É fundamental, imprescindível que cada um faça a sua parte; que acredite e contribua para a PAZ. Não esperar que aconteça algum dia e sim agir AGORA, juntos, parceiros buscando alternativas que contemplem a INCLUSÃO e o fazer com amor e responsabilidade.” DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO
  16. 16. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO   “Eu achei muito proveitoso o encontro sobre a Violência na Escola. Momentos como este nos ajuda a refletir sobre problemas que enfrentamos diariamente. A solução é difícil mas temos que ser otimistas e perseverantes.” Imaculada, professora da Escola Estadual Jayme Siciliano (Mendes)
  17. 17. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A palestra sobre Violência nas Escolas foi muito importante pela forma como foi conduzida: dinâmica de grupos, em que os participantes discutiram todas as dificuldades apresentadas e que é exclusivamente do professor, que não está sabendo conduzir os seus alunos dentro de uma sala da aula, de forma a resgatar a auto-estima do aluno e incentivando ao método pedagógico.” Geraldo Heleno, Presidente a Associação de Moradores e Amigos do Bairro Humberto Antunes
  18. 18. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A criação de espaços públicos para debates é sem dúvida nenhuma, uma das mais eficientes formas de se agregar ao conhecimento coletivo, as condições ideais para a busca de soluções dos mais diversos problemas que de uma forma geral, afligem a Sociedade. A oportunidade para discussão sobre a PAZ como prática diária, seja nas escolas, ou lares, ou nas ruas, constituiu-se em um desses momentos, que se não nos deixou mais otimistas, com certeza nos deixou mais esperançosos.” Hiquinho, professor e representante da Secretária Municipal de Saúde(funcionário).
  19. 19. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “ Parabenizo a APAAEP-MENDES pelo excelente encontro realizado com a professora Jorzeia Amorim – Coordenadora do Programa Escola de Paz, com o tema: Violência: mito ou realidade?   Com entusiasmo, simpatia e muita experiência, a professora Jorzeia trabalhou o tema, levando os presentes a refletir e debater sobre a nossa comunidade, nossas crianças e nossos jovens.   No fechamento do trabalho mostrou a todos que respostas ou soluções mágicas – que sempre esperamos – não existem sem a união e trabalho da comunidade, e esta é quem de fato pode detectar seus problemas e conseqüentemente buscar dentro da sua realidade, os meios, caminhos e soluções para o problema da violência ou outros. Enfatizou também que Mendes - representada por membros de alguns segmentos da sociedade, pelas respostas e opiniões por ela ouvidas, já conhece seus principais problemas faltando apenas conjugar esforços comuns para as soluções.   Ela ajudou-nos a perceber que, como comunidade, já estamos pensando na mesma direção, embora ainda não estejamos unidos e comprometidos de fato.   Como professora , mais uma vez pude refletir sobre educação, repensar as minhas ações como educadora, renovar idéias e continuar acreditando que com competência, muito amor e esforço, a comunidade pode alcançar seus objetivos. Parabéns!” Jussara Macedo dos Santos Reis Silva Professora da 1ª série do Ensino Fundamental
  20. 20. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “ A CLAMA ESTEVE PRESENTE !   19/09 : A CLAMA esteve presente na palestra proferida pela professora Jorzeia Amorim. Ela se apresentou como uma integrante do movimento “ESCOLAS DE PAZ”, dizendo que só no Estado do Rio de Janeiro existem 70 escolas já engajadas nesse voluntariado. A violência doméstica foi apontada como uma das maiores dificuldades pois, uma criança criada com brutalidade, seguirá o mesmo caminho. Por fim, ficou a pergunta “Como contribuir para diminuir a violência nas Escolas? E como resposta ficou a sugestão:”Escola abrindo nos fins de semana, para integrar a comunidade.”   (Transcrito do Boletim da CLAMA - Cinco Lagos Associação de Moradores e Amigos).    
  21. 21. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTODEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS, MITO OU REALIDADE ?   “ Ter participado deste evento foi uma experiência muito positiva para mim, pois a partir disto pude elaborar questionamentos sobre o meu efetivo papel dentro da Escola,enquanto agente participativo em um processo de relacionamentos diversos e nem sempre satisfatórios. Percebi que a Escola tem relevante importância na elaboração do tipo de relação entre os indivíduos e o quanto é delicado tratar certos conflitos, visto que existe todo um contexto familiar no qual a Escola não tem acesso. Mas nada impede que seja feito um trabalho de “formiguinha” na busca da PAZ.”   Professora Tânia; Escola Municipal Professora Hilda Braga ( Bairro Santa Rosa).
  22. 22. FIMFIM

×