SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DA TERRA TERRA
MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO
A camada de ozônio é uma espécie de capa composta por gás ozônio (O3), sendo responsável
por filtrar cerca de 95% dos raios ultravioleta B (UVB) emitidos pelo Sol que atingem a Terra.
O CONCEITO DE CLIMA
Para compreender o clima de um determinado local, é preciso
estudar os diversos tipos de tempo que costumam ocorrer
durante vários anos seguidos. Tanto o “clima” como o
“tempo” referem-se aos mesmos fenômenos atmosféricos: a
temperatura e a insolação, a pressão atmosférica, os ventos, a
umidade do ar e as precipitações .
Diferença entre Tempo e Clima
•Tempo é uma combinação passageira dos
elementos do clima.
•Clima é a sucessão habitual dos tipos de tempo.
Clima: A palavra clima deriva do grego e significa “inclinação” referindo-se a
curvatura da Terra, que condiciona em grande parte os diferentes tipos
climáticos terrestres
Elementos climáticos
São grandezas (variáveis) que caracterizam o estado da
atmosfera, ou seja:
- radiação solar,
- temperatura do ar,
- umidade do ar,
- pressão atmosférica,
- velocidade e direção do vento,
- precipitação.
Esse conjunto de variáveis descreve as condições
atmosféricas em um dado local e instante.
Fatores ou controles do Clima:
São os agentes causais que condicionam os elementos do
clima. Fatores geográficos que interferem nos elementos
do clima:
- latitude,
- altitude,
- continentalidade/ maritimidade,
- tipo de corrente oceânica (fria ou quente),
- radiação solar (dia/noite)
A radiação solar pode ser tomada como elemento ou fator do clima, pois quando
a radiação solar influencia a variação diária da temperatura do ar esta se torna
um fator do clima, mas não deixa de ser, por natureza um elemento do clima.
1. Temperatura
- Latitude: quanto mais próximo uma área estiver da linha do equador,
maior será sua temperatura; quanto mais distante dessa linha estiver,
menor será sua temperatura. Assim, nas latitudes baixas (próximas do
equador), a temperatura é mais elevada e, nas latitudes altas (próximas
dos polos, a temperatura é mais baixa. Isso ocorre devido à insolação
diferencial, pois a forma esférica da Terra faz com que a intensidade da
radiação solar recebida seja desigual nas diferentes latitudes.
FATORES CLIMÁTICOS: Latitude
- Altitude: quanto maior a altitude, menor será a temperatura. Devido
aos fatores de pressão.
Monte Kilimanjaro – Quênia - África
Campos do Jordão = 1.600 m – 04/05/12
08:00 = 11°C min 7° e max 11°
São Paulo = 800m – 04/05/12
08:00 = 15°C min 13° e max 24°
- Continentalidade/Maritimidade: se refere ao afastamento de uma área em
relação às grandes massa líquidas: mares e oceanos. Quanto mais afastado do
mar for um local, maior será a sua continentalidade. A continentalidade aumenta a
amplitude térmica (diária e anual) de um lugar.
Amplitude térmica
Variação/Diferença entre a Máxima e a Mínima temperatura
30 30
10
2020
10
Amplitude
térmica
Amplitude
térmica
2 - Pressão atmosférica:
É a força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, o peso
do ar. Em geral, ela é menor nos lugares mais altos e nas
regiões quentes. Dessa forma a altitude e a temperatura
interferem na pressão atmosférica:
- altitude: a pressão atmosférica varia conforme a altura.
Quanto menor a altitude maior o volume de gases sobre a
superfície, portanto maior pressão. Na medida em que a
altitude é maior, menor pressão porque a densidade é menor.
- temperatura: ar aquecido sofre dilatação, tornando-se mais
leve e por isso, o ar ascende (subir).
3 – Ventos:
É o ar em movimento. São as diferenças de pressão
atmosférica que explicam esse movimento, que ocorre
principalmente na horizontal, isto é, de uma área para outra.
Mas esse movimento também pode ser vertical, ou seja, da
superfície, onde o ar é mais aquecido, para as elevadas
altitudes
VENTO
Alta pressão
Baixa temperatura
Baixa pressão
Alta temperatura
4 – Umidade do Ar:
É a água em suspensão no ar atmosférico. O ar tem uma
capacidade limite, quando atingido, fica saturado. O ar quente
tem maior capacidade de conter maior vapor de água do que
o ar frio. Quando o ar saturado enfrenta uma diminuição de
temperatura ele condensa originando o orvalho, as nuvens, a
neve, o nevoeiro e a chuva.
5 – Precipitação:
A chuva, a neve, a geada, o orvalho e o granizo, são formas
de precipitação atmosférica. Todas elas resultam da
condensação, fenômeno que ocorre quando há resfriamento
ou excesso de vapor de água.
Chuva de granizo
Como se formam as nuvens?
As nuvens se formam a partir da
condensação do vapor d’água presente no ar. O
ar aquecido sobe e, ao se resfriar, forma as
nuvens.
O ponto de orvalho é a temperatura a
partir
da qual o vapor d’água contido no ar começa a
condensar.
Nevoeiro
• Ocorre o nevoeiro quando a temperatura em superfície
atinge o ponto de orvalho, ou seja, quando o vapor
d’água presente no ar começa a condensar, formando
gotículas de água.
Nevoeiro em
San Francisco,
Estados Unidos
Nuvens
Quando uma parcela de ar ascende na
atmosfera, ela se resfria e o vapor d’água nela
presente se condensa. Formam-se, então, as
nuvens. Existem vários tipos de nuvens.
Vejamos alguns.
CUMULUS
CIRRUS
(NIMBO) STRATUS
CUMULONIMBUS
Tipos de chuva
• As chuvas são classificadas em três tipos,
segundo sua origem:
OROGRÁFICAS
FRONTAIS
CONVECTIVAS
Furacões
• Os furacões são formados a partir de centros
de baixa pressão que surgem nos oceanos
aquecidos das latitudes baixas (de 5º a 15º N e
S). Seus ventos podem atingir até 250 km/h e
seu diâmetro varia de 150 a 500km. Na Ásia
são também denominados tufões.
Imagem por satélite – Furacão Fran - 1996
Tornados
• Tornados surgem a partir do choque de duas
massas com temperaturas muito diferentes.
Ocorrem sobretudo no continente, sua
velocidade pode atingir até 400 km/h e seu
diâmetro é pequeno, não passando de 500
metros.
6 – Massas de Ar:
Massas de ar são porções da atmosfera que apresentam
características particulares de temperatura, pressão e
umidade.
Zona de
convergência
intertropical
(ZCI)
Massas de ar:
São os elementos mais importantes para explicar as mudanças no comportamento
dos fenômenos atmosféricos.
Massas de ar: constituem volumes da atmosfera (semelhantes a enormes “bolhas”
ou “bolsões”) que têm algumas propriedades em comum (pressão, temperatura e
umidade).
São cinco as principais massas de ar que interferem no clima brasileiro.
•mEc (massa equatorial continental) – quente e úmida
•mTc (massa tropical continental) – quente e seca
•mEa (massa equatorial atlântica) – quente e úmida
•mTa (massa tropical atlântica) – quente e úmida
•mPa (massa polar atlântica) – fria e úmida no inverno provoca frio e chuva no Sul e
Sudeste; chuvas no Nordeste (litoral e sertão) e friagem no Norte. No verão provoca
chuva.
CLIMA BRASIL: tipos climáticos
1 – Equatorial
2 – Tropical
3 – Tropical de Altitude
4 – Tropical Atlântico/Úmido
5 – Semi-Árido
6- Subtropical
verão
CLIMA BRASIL: massas de ar
inverno
CLIMA BRASIL: massas de ar
-Inverno rigoroso
- chuvas distribuídas regularmente pelo ano
todo, com índices pluviométricos superiores
os 1.250 mm ao ano
-duas estações bens definidas: verão quente
e chuvoso; inverno seco.
-amplitude térmica oscilando entre 5°C e 6°C
-Quantidade de chuvas é de 1.500 mm ao
ano.
-2 estações bens definidas:verão quente e
chuvoso; inverno seco.
-temperatura mediana o no verão e baixa no
inverno.
-Temperaturas elevadas
-Chuvas escassas e irregulares, com uma
média anual inferior a 750mm.
-elevada temperatura e pequena amplitude
térmica, variando entre 24°C e 26°C
- Alta pluviosidade, com índices
pluviométricos superiores a 2.000 mm.
-2 estações bens definidas:verão quente e
chuvoso; inverno frio e com alta
pluviosidade.
Clima tropical atlânticoClima equatorial
Clima tropical
tropical de altitude Semi-Árido
Subtropical
Clima tropical atlântico
Clima equatorial Clima tropical tropical de altitude
Semi-Árido Subtropical
POLARES – Ocorrem em latitudes extremas, próximo aos círculos polares Ártico e Antártico,
grande variação da duração do dia e da noite. Baixas temperaturas o ano todo, máxima de
10°C no verão.
TEMPERADOS – Apresentam as quatro estações bem definidas. Há diferenças entre os
locais próximos e os que estão longe do mar.
MEDITERRÂNEOS – Verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos. Chuvas de
outono e no inverno.
TROPICAIS – Quentes o ano inteiro; duas estações: verão chuvoso e inverno seco.
Apresentam variações em função da altitude, da maritimidade e da continentalidade.
EQUATORIAIS – Temperaturas elevadas e chuvas abundantes o ano todo, com pequena
amplitude térmica anual.
SUBTROPICAIS – Das médias latitudes onde começam a se delinear as quatro estações.
Chuvas bem distribuídas, verões quentes e invernos frios, com significativa amplitude
térmica anual.
ÁRIDOS – Extrema falta de umidade, elevadas amplitudes térmicas diária e sazonal. Chuvas
inferiores a 250mm. anuais.
SEMI-ÁRIDOS – São climas de transição. Chuvas escassas e irregulares. Encontrados tanto
nas regiões tropicais quanto nas zonas temperadas (onde apresentam invernos frios).
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: frente fria
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: ilhas de calor
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: inversão térmica
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: Monções
verão
inverno
Debate: Aquecimento Global
Aquecimento Resfriamento
Ação
Natural
Ação
antrópica
(Homem)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
 
Clima - 1º ano
Clima - 1º anoClima - 1º ano
Clima - 1º ano
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Clima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do BrasilClima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do Brasil
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Os elementos-do-clima geografia
Os elementos-do-clima geografiaOs elementos-do-clima geografia
Os elementos-do-clima geografia
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
 
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do climaModulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 

Destaque (20)

CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
 
A construção do território brasileiro
A construção do território brasileiro  A construção do território brasileiro
A construção do território brasileiro
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
O mundo subdesenvolvido 2017
O mundo subdesenvolvido 2017O mundo subdesenvolvido 2017
O mundo subdesenvolvido 2017
 
Filmes - Disciplina de Geografia
Filmes - Disciplina de GeografiaFilmes - Disciplina de Geografia
Filmes - Disciplina de Geografia
 
O mundo subdesenvolvido (atualizado)
O mundo subdesenvolvido (atualizado)O mundo subdesenvolvido (atualizado)
O mundo subdesenvolvido (atualizado)
 
Canadá
CanadáCanadá
Canadá
 
Precipitación, heliofania, nubosidad
Precipitación, heliofania,  nubosidadPrecipitación, heliofania,  nubosidad
Precipitación, heliofania, nubosidad
 
Reciclaje -CURSO CLIMATOLOGÍA Y METEREOLOGIA
Reciclaje -CURSO CLIMATOLOGÍA Y METEREOLOGIAReciclaje -CURSO CLIMATOLOGÍA Y METEREOLOGIA
Reciclaje -CURSO CLIMATOLOGÍA Y METEREOLOGIA
 
Economia dos estados unidos
Economia dos estados unidosEconomia dos estados unidos
Economia dos estados unidos
 
6 precipitacion
6 precipitacion6 precipitacion
6 precipitacion
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Mapas conceptuales de Metereología
Mapas conceptuales de MetereologíaMapas conceptuales de Metereología
Mapas conceptuales de Metereología
 
Python 3 + apache hadoop
Python 3 + apache hadoopPython 3 + apache hadoop
Python 3 + apache hadoop
 
Climatologia geral ( luiz andré)
Climatologia geral ( luiz andré)Climatologia geral ( luiz andré)
Climatologia geral ( luiz andré)
 
Precipitacion
PrecipitacionPrecipitacion
Precipitacion
 
PROBLEMAS SOCIAIS
PROBLEMAS SOCIAISPROBLEMAS SOCIAIS
PROBLEMAS SOCIAIS
 
Como se forma la lluvia
Como se forma la lluviaComo se forma la lluvia
Como se forma la lluvia
 
Jogos de geografia
Jogos de geografiaJogos de geografia
Jogos de geografia
 
Dinâmicas para o ensino da geografia
Dinâmicas para o ensino da geografiaDinâmicas para o ensino da geografia
Dinâmicas para o ensino da geografia
 

Semelhante a Climatologia geográfica

Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptAntonioCarlos151949
 
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.Conceição Fontolan
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricadianalove15
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)flaviocosac
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climasGoreti Carvalho
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climáticaRenato Brasil
 
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElis Costa
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Google
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1flaviocosac
 

Semelhante a Climatologia geográfica (20)

Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
 
CLIMA : FATORES E ELEMENTOS
CLIMA : FATORES E ELEMENTOSCLIMA : FATORES E ELEMENTOS
CLIMA : FATORES E ELEMENTOS
 
Atmosfera terreste
Atmosfera terresteAtmosfera terreste
Atmosfera terreste
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1
 
Clima
ClimaClima
Clima
 

Mais de Gustavo Silva de Souza (20)

Um mundo desigual
Um mundo desigualUm mundo desigual
Um mundo desigual
 
Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018
 
O mundo subdesenvolvido 2018
O mundo subdesenvolvido 2018O mundo subdesenvolvido 2018
O mundo subdesenvolvido 2018
 
População do brasil
População do brasilPopulação do brasil
População do brasil
 
Aspectos físicos da América 2017
Aspectos físicos da América 2017Aspectos físicos da América 2017
Aspectos físicos da América 2017
 
Revolução industrial 8 c e 8d
Revolução industrial 8 c e 8dRevolução industrial 8 c e 8d
Revolução industrial 8 c e 8d
 
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPAASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
 
O quadro natural africano 2017
O quadro natural africano 2017O quadro natural africano 2017
O quadro natural africano 2017
 
Cartografia básica
Cartografia básicaCartografia básica
Cartografia básica
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
ÁSIA O QUADRO HUMANO E SOCIAL
ÁSIA O QUADRO HUMANO E SOCIALÁSIA O QUADRO HUMANO E SOCIAL
ÁSIA O QUADRO HUMANO E SOCIAL
 
ÁSIA humano
ÁSIA humanoÁSIA humano
ÁSIA humano
 
Geologia geral 6 ano do ef ou 1 ano do em
Geologia geral 6 ano do ef ou 1 ano do emGeologia geral 6 ano do ef ou 1 ano do em
Geologia geral 6 ano do ef ou 1 ano do em
 
O QUADRO NATURAL ASIÁTICO
O QUADRO NATURAL ASIÁTICOO QUADRO NATURAL ASIÁTICO
O QUADRO NATURAL ASIÁTICO
 
áFrica socioeconômico
áFrica socioeconômicoáFrica socioeconômico
áFrica socioeconômico
 
Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
O quadro natural africano
O quadro natural africanoO quadro natural africano
O quadro natural africano
 

Último

Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 

Último (20)

Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 

Climatologia geográfica

  • 2.
  • 3. MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DA TERRA TERRA
  • 5.
  • 6.
  • 7. A camada de ozônio é uma espécie de capa composta por gás ozônio (O3), sendo responsável por filtrar cerca de 95% dos raios ultravioleta B (UVB) emitidos pelo Sol que atingem a Terra.
  • 8. O CONCEITO DE CLIMA Para compreender o clima de um determinado local, é preciso estudar os diversos tipos de tempo que costumam ocorrer durante vários anos seguidos. Tanto o “clima” como o “tempo” referem-se aos mesmos fenômenos atmosféricos: a temperatura e a insolação, a pressão atmosférica, os ventos, a umidade do ar e as precipitações .
  • 9. Diferença entre Tempo e Clima •Tempo é uma combinação passageira dos elementos do clima. •Clima é a sucessão habitual dos tipos de tempo. Clima: A palavra clima deriva do grego e significa “inclinação” referindo-se a curvatura da Terra, que condiciona em grande parte os diferentes tipos climáticos terrestres
  • 10. Elementos climáticos São grandezas (variáveis) que caracterizam o estado da atmosfera, ou seja: - radiação solar, - temperatura do ar, - umidade do ar, - pressão atmosférica, - velocidade e direção do vento, - precipitação. Esse conjunto de variáveis descreve as condições atmosféricas em um dado local e instante.
  • 11. Fatores ou controles do Clima: São os agentes causais que condicionam os elementos do clima. Fatores geográficos que interferem nos elementos do clima: - latitude, - altitude, - continentalidade/ maritimidade, - tipo de corrente oceânica (fria ou quente), - radiação solar (dia/noite) A radiação solar pode ser tomada como elemento ou fator do clima, pois quando a radiação solar influencia a variação diária da temperatura do ar esta se torna um fator do clima, mas não deixa de ser, por natureza um elemento do clima.
  • 12. 1. Temperatura - Latitude: quanto mais próximo uma área estiver da linha do equador, maior será sua temperatura; quanto mais distante dessa linha estiver, menor será sua temperatura. Assim, nas latitudes baixas (próximas do equador), a temperatura é mais elevada e, nas latitudes altas (próximas dos polos, a temperatura é mais baixa. Isso ocorre devido à insolação diferencial, pois a forma esférica da Terra faz com que a intensidade da radiação solar recebida seja desigual nas diferentes latitudes.
  • 13.
  • 14.
  • 16. - Altitude: quanto maior a altitude, menor será a temperatura. Devido aos fatores de pressão.
  • 17. Monte Kilimanjaro – Quênia - África
  • 18. Campos do Jordão = 1.600 m – 04/05/12 08:00 = 11°C min 7° e max 11° São Paulo = 800m – 04/05/12 08:00 = 15°C min 13° e max 24°
  • 19. - Continentalidade/Maritimidade: se refere ao afastamento de uma área em relação às grandes massa líquidas: mares e oceanos. Quanto mais afastado do mar for um local, maior será a sua continentalidade. A continentalidade aumenta a amplitude térmica (diária e anual) de um lugar.
  • 20. Amplitude térmica Variação/Diferença entre a Máxima e a Mínima temperatura 30 30 10 2020 10 Amplitude térmica Amplitude térmica
  • 21. 2 - Pressão atmosférica: É a força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, o peso do ar. Em geral, ela é menor nos lugares mais altos e nas regiões quentes. Dessa forma a altitude e a temperatura interferem na pressão atmosférica: - altitude: a pressão atmosférica varia conforme a altura. Quanto menor a altitude maior o volume de gases sobre a superfície, portanto maior pressão. Na medida em que a altitude é maior, menor pressão porque a densidade é menor. - temperatura: ar aquecido sofre dilatação, tornando-se mais leve e por isso, o ar ascende (subir).
  • 22. 3 – Ventos: É o ar em movimento. São as diferenças de pressão atmosférica que explicam esse movimento, que ocorre principalmente na horizontal, isto é, de uma área para outra. Mas esse movimento também pode ser vertical, ou seja, da superfície, onde o ar é mais aquecido, para as elevadas altitudes VENTO Alta pressão Baixa temperatura Baixa pressão Alta temperatura
  • 23.
  • 24. 4 – Umidade do Ar: É a água em suspensão no ar atmosférico. O ar tem uma capacidade limite, quando atingido, fica saturado. O ar quente tem maior capacidade de conter maior vapor de água do que o ar frio. Quando o ar saturado enfrenta uma diminuição de temperatura ele condensa originando o orvalho, as nuvens, a neve, o nevoeiro e a chuva.
  • 25. 5 – Precipitação: A chuva, a neve, a geada, o orvalho e o granizo, são formas de precipitação atmosférica. Todas elas resultam da condensação, fenômeno que ocorre quando há resfriamento ou excesso de vapor de água. Chuva de granizo
  • 26. Como se formam as nuvens? As nuvens se formam a partir da condensação do vapor d’água presente no ar. O ar aquecido sobe e, ao se resfriar, forma as nuvens. O ponto de orvalho é a temperatura a partir da qual o vapor d’água contido no ar começa a condensar.
  • 27. Nevoeiro • Ocorre o nevoeiro quando a temperatura em superfície atinge o ponto de orvalho, ou seja, quando o vapor d’água presente no ar começa a condensar, formando gotículas de água. Nevoeiro em San Francisco, Estados Unidos
  • 28. Nuvens Quando uma parcela de ar ascende na atmosfera, ela se resfria e o vapor d’água nela presente se condensa. Formam-se, então, as nuvens. Existem vários tipos de nuvens. Vejamos alguns.
  • 33. Tipos de chuva • As chuvas são classificadas em três tipos, segundo sua origem: OROGRÁFICAS FRONTAIS CONVECTIVAS
  • 34.
  • 35. Furacões • Os furacões são formados a partir de centros de baixa pressão que surgem nos oceanos aquecidos das latitudes baixas (de 5º a 15º N e S). Seus ventos podem atingir até 250 km/h e seu diâmetro varia de 150 a 500km. Na Ásia são também denominados tufões.
  • 36. Imagem por satélite – Furacão Fran - 1996
  • 37. Tornados • Tornados surgem a partir do choque de duas massas com temperaturas muito diferentes. Ocorrem sobretudo no continente, sua velocidade pode atingir até 400 km/h e seu diâmetro é pequeno, não passando de 500 metros.
  • 38.
  • 39. 6 – Massas de Ar: Massas de ar são porções da atmosfera que apresentam características particulares de temperatura, pressão e umidade.
  • 40.
  • 42. Massas de ar: São os elementos mais importantes para explicar as mudanças no comportamento dos fenômenos atmosféricos. Massas de ar: constituem volumes da atmosfera (semelhantes a enormes “bolhas” ou “bolsões”) que têm algumas propriedades em comum (pressão, temperatura e umidade). São cinco as principais massas de ar que interferem no clima brasileiro. •mEc (massa equatorial continental) – quente e úmida •mTc (massa tropical continental) – quente e seca •mEa (massa equatorial atlântica) – quente e úmida •mTa (massa tropical atlântica) – quente e úmida •mPa (massa polar atlântica) – fria e úmida no inverno provoca frio e chuva no Sul e Sudeste; chuvas no Nordeste (litoral e sertão) e friagem no Norte. No verão provoca chuva.
  • 43. CLIMA BRASIL: tipos climáticos 1 – Equatorial 2 – Tropical 3 – Tropical de Altitude 4 – Tropical Atlântico/Úmido 5 – Semi-Árido 6- Subtropical
  • 46. -Inverno rigoroso - chuvas distribuídas regularmente pelo ano todo, com índices pluviométricos superiores os 1.250 mm ao ano -duas estações bens definidas: verão quente e chuvoso; inverno seco. -amplitude térmica oscilando entre 5°C e 6°C -Quantidade de chuvas é de 1.500 mm ao ano. -2 estações bens definidas:verão quente e chuvoso; inverno seco. -temperatura mediana o no verão e baixa no inverno. -Temperaturas elevadas -Chuvas escassas e irregulares, com uma média anual inferior a 750mm. -elevada temperatura e pequena amplitude térmica, variando entre 24°C e 26°C - Alta pluviosidade, com índices pluviométricos superiores a 2.000 mm. -2 estações bens definidas:verão quente e chuvoso; inverno frio e com alta pluviosidade. Clima tropical atlânticoClima equatorial Clima tropical tropical de altitude Semi-Árido Subtropical
  • 47.
  • 48. Clima tropical atlântico Clima equatorial Clima tropical tropical de altitude Semi-Árido Subtropical
  • 49.
  • 50. POLARES – Ocorrem em latitudes extremas, próximo aos círculos polares Ártico e Antártico, grande variação da duração do dia e da noite. Baixas temperaturas o ano todo, máxima de 10°C no verão. TEMPERADOS – Apresentam as quatro estações bem definidas. Há diferenças entre os locais próximos e os que estão longe do mar. MEDITERRÂNEOS – Verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos. Chuvas de outono e no inverno. TROPICAIS – Quentes o ano inteiro; duas estações: verão chuvoso e inverno seco. Apresentam variações em função da altitude, da maritimidade e da continentalidade. EQUATORIAIS – Temperaturas elevadas e chuvas abundantes o ano todo, com pequena amplitude térmica anual. SUBTROPICAIS – Das médias latitudes onde começam a se delinear as quatro estações. Chuvas bem distribuídas, verões quentes e invernos frios, com significativa amplitude térmica anual. ÁRIDOS – Extrema falta de umidade, elevadas amplitudes térmicas diária e sazonal. Chuvas inferiores a 250mm. anuais. SEMI-ÁRIDOS – São climas de transição. Chuvas escassas e irregulares. Encontrados tanto nas regiões tropicais quanto nas zonas temperadas (onde apresentam invernos frios).
  • 51.
  • 56. Debate: Aquecimento Global Aquecimento Resfriamento Ação Natural Ação antrópica (Homem)