SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
C L I M A S
Profª: CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
CLIMA MUNDIAL
DEFINIÇÕES:
Tempo (meteorológico): são condições atmosféricas de um determinado
lugar em um dado momento.
Clima: é a sucessão habitual dos tipos de tempo num determinado lugar
da superfície terrestre.
O estudo do clima implica o conhecimento e a análise de inúmeros
elementos e fatores:
Elementos:
Temperatura atmosférica, chuvas, umidade, pressão atmosférica.
Fatores:
Relevo, vegetação, massas líquidas, latitude, altitude, massas de ar e
continentalidade .
ATMOSFERA E SEUS
FENÔMENOS
A atmosfera é a camada gasosa que envolve o
planeta Terra, fundamental para a manutenção
da vida.
Dentre as suas funções, destacam-se:
– Filtragem: responsável por filtrar os
raios nocivos à vida em nosso planeta, graças ao
ozônio encontrado na camada denominada
estratosfera.
– Proteção: proteger a superfície terrestre de
qualquer corpo que entre em rota de colisão com
nosso planeta, por exemplo, os meteoros.
– Conservação: conservar o calor recebido do
Sol durante o dia, desprendendo-o gradativamente
à noite,(efeito estufa). Com a elevada emissão de
gases estufa, esta função vem sendo ampliada,
aumentando assim, a temperatura média da
atmosfera .
Além dessas funções, a atmosfera guarda a
quantidade necessária de oxigênio para a
manutenção da vida.
Composição do ar atmosférico
A composição atual da atmosfera apresenta
78% de nitrogênio, 21% de oxigênio e 1% dos
demais gases.
representa a ascensão de magma através
de fissuras ou fendas da crosta, quase
sempre em regiões de contacto entre as
placas rígidas que compõem a litosfera.
Temperatura atmosférica
Define-se temperatura atmosférica como a
quantidade de calor existente no ar. Ela
sofre influência de uma série de fatores,
responsáveis pela sua variação:
– Altitude: nas maiores altitudes, as
temperaturas são menores, porque o ar se apresenta
mais rarefeito e, assim, absorve menor quantidade de
calor.
ALTITUDE
ALTITUDE/VEGETAÇÃO
– Latitude:quanto maior a latitude, menor é a
temperatura, porque os raios solares incidem de
forma perpendicular sobre a região equatorial. À
medida que aumenta a latitude, vai aumentando a
inclinação dos raios solares e, portanto, aquecendo
menos a atmosfera.
LATITUDE/TEMPERATURA
LATITUDE
Troposfera
É a camada da atmosfera em que vivemos e
respiramos. Ela vai do nível do mar até 12 km de
altura. É nesta camada que ocorrem os fenômenos
climáticos (chuvas, formação de nuvens). É também
na troposfera que ocorre a poluição do ar. Os aviões
de transporte de cargas e passageiros voam nesta
camada.
As temperaturas nesta camada podem variar de 40°C
até –60°C. Quanto maior a altitude menor a
temperatura.
CAMADAS DA ATMOSFERA
Estratosfera
Esta camada ocupa uma faixa que vai do fim da troposfera
(12 km de altura) até 50 km acima do solo. As temperaturas
variam de –5°C a –70°C. Na estratosfera localiza-se a
camada de ozônio, que funciona como uma espécie de filtro
natural do planeta Terra, protegendo-a dos raios
ultravioletas do Sol. Aviões supersônicos e balões de medição
climática podem atingir esta camada.
Mesosfera
Esta camada tem início no final da estratosfera e vai até 80
km acima do solo. A temperatura na mesosfera varia entre –
10°C até –100°C . A temperatura é extremamente fria, pois
não há gases ou nuvens capazes de absorver a energia solar.
Termosfera
Tem início no final da mesosfera e vai até 500
km do solo. É a camada atmosférica mais
extensa. É uma camada que atinge altas
temperaturas, pois nela há oxigênio atômico,
gás que absorve a energia solar em grande
quantidade. As temperaturas na termosfera
podem atingir os 1.000°C.
Exosfera
É a camada que antecede o espaço sideral. Vai do
final da termosfera até 800 km do solo. Nesta camada
as partículas se desprendem da gravidade do planeta
Terra. As temperaturas podem atingir 1.000°C. É
formada basicamente por metade de gás hélio e
metade de hidrogênio.
Na exosfera ocorre o fenômeno da aurora boreal e
também permanecem os satélites de transmissão de
informações e também telescópios espaciais.
+ de 80° C
+ de 15° C
0° C
- 60° C
- 80° C
Aumento de
temperatura
Camadas da atmosfera
IONOSFERA
TIPOS DE CHUVAS
CONVECTIVAS:
RESULTAM DA
ASCENÇÃO VERTICAL
DO AR.
FRONTAIS: resultam do
encontro de uma frente fria
e uma frente quente.
Orográfica ou de Relevo:
resultam do deslocamento
horizontal do ar, que, ao
entrar em contato com as
regiões elevadas, sofre
condensação e
consequentemente
precipitação.
CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA
O que são ventos?
São deslocamentos de ar das zonas de alta pressão para
zonas de baixa pressão.
Os ventos desempenham um papel muito importante na
vida dos seres vivos, pois são eles que levam para longe o
ar viciado que nós respiramos e trazem até nós o ar puro,
com bastante oxigênio, tão importante para o nosso
organismo.
Os ventos podem ser constantes, ou regulares, periódicos,
variáveis, ou irregulares, e locais.
Vamos conhecer os principais tipos de ventos:
VENTOS
Ventos constantes
Alísio – São ventos que sopram constantemente dos
trópicos para o Equador e que por serem muitos úmidos,
provocam chuvas nesses arredores onde ocorre o encontro
desses ventos. Por isso, a zona equatorial é a região das
calmarias equatoriais chuvosas.
Contra-alísios – São ventos secos, responsáveis pelas
calmarias tropicais secas. Sopram do Equador para os
trópicos, em altitudes elevadas.
Dia-continente –baixa pressão Noite-oceano-baixa pressão
A
B A
B
Brisas marítimas
Como as massas de terra são aquecidas pelo sol mais
rapidamente do que o oceano, o ar em cima delas
ascende e cria uma baixa de pressão no solo que atrai o ar
mais fresco do mar: o que se chama uma brisa marítima.
Ao cair da noite, há muitas vezes um período de calmaria
durante o qual a temperatura em terra e no mar são iguais.
De noite, como o oceano arrefece mais lentamente, a brisa
sopra de terra, na direção oposta, mas é geralmente mais
fraca porque a diferença de temperaturas é menor.
ZONAS ANTICICLONAIS
As monções são um fenômeno típico da
região sul e sudeste da Ásia, onde o clima é
condicionado por massas de ar que ora
viajam do interior do continente para a
costa, monção continental, ora da costa
para o continente, monção marítima.
VENTOS DE MONÇÕES
ALTA
PRESSÃO
BAIXA
PRESSÃO
BAIXA
PRESSÃO
ALTA
PRESSÃO
INVERNO
VERÃO
Ventos Periódicos:
Monções – São os ventos que, durante o verão, sopram do Índico
para a Ásia Meridional e durante o inverno, sopram da Ásia Meridional
Para o oceano Índico.
As monções são classificadas da seguinte forma:
Monções Marítimas : Sopram do oceano Índico para o
continente e provocam fortes chuvas na Ásia Meridional, causando
enchentes e inundações.
Monções Continentais : Sopram do continente para o
oceano Índico provocando secas no sul da Ásia.
Brisas – São ventos repetitivos que sopram do mar para o
continente durante o dia e do continente para o mar durante a
noite.
Devido às diferenças de temperatura e pressão das
massas de ar sobre o continente e o mar o clima de países
como a Índia e o Paquistão, é inteiramente afetado pelo
regime das monções.
Durante o verão, que vai de junho a agosto, o calor
aquece rapidamente terra do continente que absorve
calor bem mais rápido do que o oceano (a terra pode
chegar a 45ºC). Com o aquecimento da terra, as massas
de ar sobre o continente também ficam mais quentes e
sobem dando lugar a uma rajada de ventos vindos do
oceano Índico, que, como toda massa de ar que se
forma sobre os oceanos, vem carregada de umidade.
Essa umidade é despejada (praticamente toda a taxa de
precipitação anual) sobre o continente em chuvas
torrenciais que podem durar dias. Esse é o período das
monções marítimas que todo ano causam enchentes
nessas regiões.
Após essa fase úmida, no inverno, ocorre o
inverso, as massas de ar do continente esfriam
mais que as massas oceânicas e é a vez dos
ventos vindos das cordilheiras do Himalaia,
descerem rapidamente em direção ao Índico,
empurrando as massas úmidas do oceano para
longe e ocasionando um longo período de
estiagem que chega a ceifar centenas de vidas.
Essas são as monções continentais que acabam
influenciando também o clima da Oceania.
SUDESTE ASIÁTICO
Monções no sudeste asiático
Ventos locais e variáveis
O vento local se desloca numa certa região em determinadas
épocas. No Brasil, um bom exemplo de vento local é o noroeste,
massa de ar que, saindo do Amazonas, alcança o Estado de São
Paulo entre agosto e outubro. No deserto do Saara, ocorre um
vento extremamente forte conhecido como simum, que provoca
enormes tempestades de areia. Já os ventos variáveis, são massas
de ar irregulares que varrem uma determinada área de maneira
inesperada.
As diferenças das zonas anticiclonal e ciclonal determinam a
velocidade do vento.
A velocidade do vento é medida em metros por segundo, por um
aparelho chamado anemômetro. Para indicar a direção e o sentido
do vento utiliza-se a biruta, ou anemoscópio.
O tipo de vento mais perigoso é o ciclone, que consiste numa
combinação de ventos e nuvens formadas nos oceanos das regiões
tropicais.
•Ventos Perigosos
Ciclone : é o nome genérico para
ventos circulares, como tufão,
furacão, tornado e willy-willy.
Caracteriza-se por uma tempestade
violenta que ocorre em regiões
tropicais ou subtropicais, produzida
por grandes massas de ar em alta
velocidade de rotação. Os ventos os
superam 50 km/h.
Furacão : vento circular forte, com velocidade igual
ou superior a 108 km/h. Os furacões são os ciclones
que surgem no mar do Caribe (oceano Atlântico) ou
nos EUA. Os ventos precisam ter mais de 119 km/h
para uma tempestade ser considerada um furacão.
Giram no sentido horário (no hemisfério Sul) ou anti-
horário (no hemisfério Norte) e medem de 200 km a
400 km de diâmetro. Sua curva se assemelha a uma
parabólica.
A umidade do ar diz respeito à quantidade de vapor de água
presente na atmosfera - o que caracteriza se o ar é seco ou
úmido - e varia de um dia para o outro. A alta quantidade de
vapor de água na atmosfera favorece a ocorrência de chuvas.
Já com a umidade do ar baixa, é difícil chover.
Quando falamos de umidade relativa, comparamos a umidade
real, que é verificada por aparelhos como o higrômetro, e o
valor teórico, estimado para aquelas condições. A umidade
relativa pode variar de 0% (ausência de vapor de água no ar)
a 100% (quantidade máxima de vapor de água que o ar pode
dissolver, indicando que o ar está saturado).
Em regiões onde a umidade relativa do ar se mantém muito
baixa por longos períodos, as chuvas são escassas. Isso
caracteriza uma região de clima seco.
UMIDADE DO AR: RELATIVA E ABSOLUTA
MASSAS DE AR
As massas de ar são extensas “bolsas” de ar que
realizam deslocamentos ao longo da troposfera,
possuem características particulares de
temperatura, pressão e umidade relativamente
uniforme. Tais características são adquiridas do
lugar onde as massas se originam (exemplo: massa
polar), porém, ao se deslocarem, interferem no
clima e no tempo de distintos lugares por onde
passam.
MASSAS DE AR
O que difere uma massa de ar de outra massa são
a temperatura (quente ou fria) e a umidade (seca
ou úmida). Quanto à temperatura, elas podem ser
equatoriais/ tropicais (quentes) ou polares (frias).
Já em relação à umidade, as massas podem ser
marítimas (úmidas) ou continentais (secas), exceto
quando se formam em regiões de florestas
equatoriais, onde há grande umidade em virtude
do processo de evapotranspiração.
De acordo com o deslocamento, as massas de ar vão sendo
destituídas de suas características originais, que acontece quando
ocorre o encontro de duas massas distintas, fato que dá origem às
frentes.
As frentes podem ser frias ou quentes, as frias se formam a partir do
contato de uma massa de ar fria com uma quente, sendo que a
primeira empurra a segunda. Quando isso acontece, o ar frio eleva a
massa de ar quente - que sofre um resfriamento - e a água que se
encontra nas nuvens se reverte em chuvas. São nas frentes frias que
ocorrem vendavais, temporais e chuvas de granizo.
As frentes quentes acontecem a partir do encontro de uma massa de
ar quente com uma fria, de modo que a primeira empurra a
segunda. Esse tipo de frente também produz chuvas, no entanto, sem
ventos de grande velocidade, granizo, etc
 Frentes frias
(linhas azuis com
triângulos) e
frentes
quentes (linhas
vermelhas com
semi-círculos).
"B" = região de
baixa pressão
atmosférica.
"A" = região de
alta pressão
atmosférica.
As linhas brancas
finasindicam
regiões de
mesma pressão
atmosférica.
Áreas de alta pressão no oceano
22 3
MASSAS DE AR
CORRENTES MARÍTIMAS
Correntes Oceânicas
As águas de superfície dos oceanos estão em constante
movimento. As águas oceânicas que possuem em seu
movimento uma direção razoavelmente constante
fazem parte das chamadas correntes oceânicas. O
sentido das correntes oceânicas é determinado por
diversos fatores, dentre estes a interferência de ventos
e a diferenciação entre densidades e salinidade das
águas de certas regiões oceânicas
As correntes também variam de acordo com
a localidade em que se apresentam no globo.
As correntes situadas abaixo da linha do
Equador possuem sentido anti-horário,
opostamente às correntes situadas acima da
linha do Equador. Já nas regiões oceânicas
adjacentes a esta linha, as correntes
direcionam-se em sentidos opostos. As
temperaturas das correntes oceânicas podem
variar de acordo com sua origem. Assim,
correntes que se orientam dos pólos até as
regiões mais próximas ao Equador possuem
temperaturas mais baixas, e correntes que
partem do Equador para os pólos são
correntes quentes.
CLIMOGRAMA
LINHA MOSTRA AS
TEMPERATURAS
BARRAS VERTICAIS , NA
ESQUERDA A TEMPERATURA E NA
DIREITA A PLUVIOSIDADE.
NA BARRA HORIZONTAL , OS
MESES DO ANO
CLIMA POLAR
ISOIETAS- PRECIPITAÇÃO
ISOTERMAS-
TEMPERATURA
ISÓBARAS- PRESSÃO
ATMOSFÉRICA
PRESSÃO
ATMOSFÉRICA
A atmosfera terrestre é composta por vários
gases, que exercem uma pressão sobre a
superfície da Terra. Essa pressão, denominada
pressão atmosférica, depende da altitude do
local, pois à medida que nos afastamos da
superfície do planeta, o ar se torna cada vez mais
rarefeito, e, portanto, exercendo uma pressão
cada vez menor.
Corrente de Coriolis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaGerson Coppes
 
Temperatura e Humidade do Ar
Temperatura e Humidade do ArTemperatura e Humidade do Ar
Temperatura e Humidade do ArBeatriz Antunes
 
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napA atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napgisele picolli
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Climaceama
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosféricaWalbruni
 
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terra
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terraDinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terra
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terraClaudia França
 
Aula introdução a climatologia 2
Aula   introdução a climatologia 2Aula   introdução a climatologia 2
Aula introdução a climatologia 2Omar Fürst
 
Climatologia - Aula 2
Climatologia  - Aula 2Climatologia  - Aula 2
Climatologia - Aula 2marciotecsoma
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7marciotecsoma
 
Umidade atmosférica e precipitação
Umidade atmosférica e precipitaçãoUmidade atmosférica e precipitação
Umidade atmosférica e precipitaçãoIone Rocha
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoelsaki72
 
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)Karol Schmitz
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºanoMissManson
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaAntonio Reali
 

Mais procurados (20)

Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica Climática
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Climatologia 2008
Climatologia 2008Climatologia 2008
Climatologia 2008
 
Temperatura e Humidade do Ar
Temperatura e Humidade do ArTemperatura e Humidade do Ar
Temperatura e Humidade do Ar
 
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napA atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosférica
 
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terra
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terraDinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terra
Dinâmica atmosférica, climática e hidrográfica no planeta terra
 
1.O Tempo
1.O Tempo1.O Tempo
1.O Tempo
 
Aula introdução a climatologia 2
Aula   introdução a climatologia 2Aula   introdução a climatologia 2
Aula introdução a climatologia 2
 
Clima - 1º ano
Clima - 1º anoClima - 1º ano
Clima - 1º ano
 
Climatologia - Aula 2
Climatologia  - Aula 2Climatologia  - Aula 2
Climatologia - Aula 2
 
Climatologia aula 4
Climatologia   aula 4Climatologia   aula 4
Climatologia aula 4
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
 
Umidade atmosférica e precipitação
Umidade atmosférica e precipitaçãoUmidade atmosférica e precipitação
Umidade atmosférica e precipitação
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
 
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
 
Em cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verificaEm cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verifica
 

Semelhante a Climas Mundiais: Fatores e Elementos que Influenciam as Condições Atmosféricas

Semelhante a Climas Mundiais: Fatores e Elementos que Influenciam as Condições Atmosféricas (20)

Cliima
CliimaCliima
Cliima
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Tornado
TornadoTornado
Tornado
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Aula de clima
Aula de climaAula de clima
Aula de clima
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Atmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosAtmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores Climaticos
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Climas Mundiais: Fatores e Elementos que Influenciam as Condições Atmosféricas

  • 1. C L I M A S Profª: CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
  • 2.
  • 4. DEFINIÇÕES: Tempo (meteorológico): são condições atmosféricas de um determinado lugar em um dado momento. Clima: é a sucessão habitual dos tipos de tempo num determinado lugar da superfície terrestre. O estudo do clima implica o conhecimento e a análise de inúmeros elementos e fatores: Elementos: Temperatura atmosférica, chuvas, umidade, pressão atmosférica. Fatores: Relevo, vegetação, massas líquidas, latitude, altitude, massas de ar e continentalidade .
  • 5. ATMOSFERA E SEUS FENÔMENOS A atmosfera é a camada gasosa que envolve o planeta Terra, fundamental para a manutenção da vida. Dentre as suas funções, destacam-se: – Filtragem: responsável por filtrar os raios nocivos à vida em nosso planeta, graças ao ozônio encontrado na camada denominada estratosfera.
  • 6. – Proteção: proteger a superfície terrestre de qualquer corpo que entre em rota de colisão com nosso planeta, por exemplo, os meteoros. – Conservação: conservar o calor recebido do Sol durante o dia, desprendendo-o gradativamente à noite,(efeito estufa). Com a elevada emissão de gases estufa, esta função vem sendo ampliada, aumentando assim, a temperatura média da atmosfera . Além dessas funções, a atmosfera guarda a quantidade necessária de oxigênio para a manutenção da vida.
  • 7. Composição do ar atmosférico A composição atual da atmosfera apresenta 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio e 1% dos demais gases. representa a ascensão de magma através de fissuras ou fendas da crosta, quase sempre em regiões de contacto entre as placas rígidas que compõem a litosfera.
  • 8. Temperatura atmosférica Define-se temperatura atmosférica como a quantidade de calor existente no ar. Ela sofre influência de uma série de fatores, responsáveis pela sua variação:
  • 9. – Altitude: nas maiores altitudes, as temperaturas são menores, porque o ar se apresenta mais rarefeito e, assim, absorve menor quantidade de calor.
  • 12. – Latitude:quanto maior a latitude, menor é a temperatura, porque os raios solares incidem de forma perpendicular sobre a região equatorial. À medida que aumenta a latitude, vai aumentando a inclinação dos raios solares e, portanto, aquecendo menos a atmosfera.
  • 15. Troposfera É a camada da atmosfera em que vivemos e respiramos. Ela vai do nível do mar até 12 km de altura. É nesta camada que ocorrem os fenômenos climáticos (chuvas, formação de nuvens). É também na troposfera que ocorre a poluição do ar. Os aviões de transporte de cargas e passageiros voam nesta camada. As temperaturas nesta camada podem variar de 40°C até –60°C. Quanto maior a altitude menor a temperatura. CAMADAS DA ATMOSFERA
  • 16. Estratosfera Esta camada ocupa uma faixa que vai do fim da troposfera (12 km de altura) até 50 km acima do solo. As temperaturas variam de –5°C a –70°C. Na estratosfera localiza-se a camada de ozônio, que funciona como uma espécie de filtro natural do planeta Terra, protegendo-a dos raios ultravioletas do Sol. Aviões supersônicos e balões de medição climática podem atingir esta camada. Mesosfera Esta camada tem início no final da estratosfera e vai até 80 km acima do solo. A temperatura na mesosfera varia entre – 10°C até –100°C . A temperatura é extremamente fria, pois não há gases ou nuvens capazes de absorver a energia solar.
  • 17. Termosfera Tem início no final da mesosfera e vai até 500 km do solo. É a camada atmosférica mais extensa. É uma camada que atinge altas temperaturas, pois nela há oxigênio atômico, gás que absorve a energia solar em grande quantidade. As temperaturas na termosfera podem atingir os 1.000°C.
  • 18. Exosfera É a camada que antecede o espaço sideral. Vai do final da termosfera até 800 km do solo. Nesta camada as partículas se desprendem da gravidade do planeta Terra. As temperaturas podem atingir 1.000°C. É formada basicamente por metade de gás hélio e metade de hidrogênio. Na exosfera ocorre o fenômeno da aurora boreal e também permanecem os satélites de transmissão de informações e também telescópios espaciais.
  • 19. + de 80° C + de 15° C 0° C - 60° C - 80° C Aumento de temperatura Camadas da atmosfera
  • 21. TIPOS DE CHUVAS CONVECTIVAS: RESULTAM DA ASCENÇÃO VERTICAL DO AR. FRONTAIS: resultam do encontro de uma frente fria e uma frente quente. Orográfica ou de Relevo: resultam do deslocamento horizontal do ar, que, ao entrar em contato com as regiões elevadas, sofre condensação e consequentemente precipitação.
  • 22.
  • 24. O que são ventos? São deslocamentos de ar das zonas de alta pressão para zonas de baixa pressão. Os ventos desempenham um papel muito importante na vida dos seres vivos, pois são eles que levam para longe o ar viciado que nós respiramos e trazem até nós o ar puro, com bastante oxigênio, tão importante para o nosso organismo. Os ventos podem ser constantes, ou regulares, periódicos, variáveis, ou irregulares, e locais. Vamos conhecer os principais tipos de ventos: VENTOS
  • 25. Ventos constantes Alísio – São ventos que sopram constantemente dos trópicos para o Equador e que por serem muitos úmidos, provocam chuvas nesses arredores onde ocorre o encontro desses ventos. Por isso, a zona equatorial é a região das calmarias equatoriais chuvosas. Contra-alísios – São ventos secos, responsáveis pelas calmarias tropicais secas. Sopram do Equador para os trópicos, em altitudes elevadas.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Dia-continente –baixa pressão Noite-oceano-baixa pressão A B A B
  • 31.
  • 32. Brisas marítimas Como as massas de terra são aquecidas pelo sol mais rapidamente do que o oceano, o ar em cima delas ascende e cria uma baixa de pressão no solo que atrai o ar mais fresco do mar: o que se chama uma brisa marítima. Ao cair da noite, há muitas vezes um período de calmaria durante o qual a temperatura em terra e no mar são iguais. De noite, como o oceano arrefece mais lentamente, a brisa sopra de terra, na direção oposta, mas é geralmente mais fraca porque a diferença de temperaturas é menor.
  • 34. As monções são um fenômeno típico da região sul e sudeste da Ásia, onde o clima é condicionado por massas de ar que ora viajam do interior do continente para a costa, monção continental, ora da costa para o continente, monção marítima. VENTOS DE MONÇÕES
  • 36. Ventos Periódicos: Monções – São os ventos que, durante o verão, sopram do Índico para a Ásia Meridional e durante o inverno, sopram da Ásia Meridional Para o oceano Índico. As monções são classificadas da seguinte forma: Monções Marítimas : Sopram do oceano Índico para o continente e provocam fortes chuvas na Ásia Meridional, causando enchentes e inundações. Monções Continentais : Sopram do continente para o oceano Índico provocando secas no sul da Ásia. Brisas – São ventos repetitivos que sopram do mar para o continente durante o dia e do continente para o mar durante a noite.
  • 37. Devido às diferenças de temperatura e pressão das massas de ar sobre o continente e o mar o clima de países como a Índia e o Paquistão, é inteiramente afetado pelo regime das monções.
  • 38. Durante o verão, que vai de junho a agosto, o calor aquece rapidamente terra do continente que absorve calor bem mais rápido do que o oceano (a terra pode chegar a 45ºC). Com o aquecimento da terra, as massas de ar sobre o continente também ficam mais quentes e sobem dando lugar a uma rajada de ventos vindos do oceano Índico, que, como toda massa de ar que se forma sobre os oceanos, vem carregada de umidade. Essa umidade é despejada (praticamente toda a taxa de precipitação anual) sobre o continente em chuvas torrenciais que podem durar dias. Esse é o período das monções marítimas que todo ano causam enchentes nessas regiões.
  • 39. Após essa fase úmida, no inverno, ocorre o inverso, as massas de ar do continente esfriam mais que as massas oceânicas e é a vez dos ventos vindos das cordilheiras do Himalaia, descerem rapidamente em direção ao Índico, empurrando as massas úmidas do oceano para longe e ocasionando um longo período de estiagem que chega a ceifar centenas de vidas. Essas são as monções continentais que acabam influenciando também o clima da Oceania.
  • 41. Monções no sudeste asiático
  • 42. Ventos locais e variáveis O vento local se desloca numa certa região em determinadas épocas. No Brasil, um bom exemplo de vento local é o noroeste, massa de ar que, saindo do Amazonas, alcança o Estado de São Paulo entre agosto e outubro. No deserto do Saara, ocorre um vento extremamente forte conhecido como simum, que provoca enormes tempestades de areia. Já os ventos variáveis, são massas de ar irregulares que varrem uma determinada área de maneira inesperada. As diferenças das zonas anticiclonal e ciclonal determinam a velocidade do vento. A velocidade do vento é medida em metros por segundo, por um aparelho chamado anemômetro. Para indicar a direção e o sentido do vento utiliza-se a biruta, ou anemoscópio. O tipo de vento mais perigoso é o ciclone, que consiste numa combinação de ventos e nuvens formadas nos oceanos das regiões tropicais.
  • 43. •Ventos Perigosos Ciclone : é o nome genérico para ventos circulares, como tufão, furacão, tornado e willy-willy. Caracteriza-se por uma tempestade violenta que ocorre em regiões tropicais ou subtropicais, produzida por grandes massas de ar em alta velocidade de rotação. Os ventos os superam 50 km/h.
  • 44. Furacão : vento circular forte, com velocidade igual ou superior a 108 km/h. Os furacões são os ciclones que surgem no mar do Caribe (oceano Atlântico) ou nos EUA. Os ventos precisam ter mais de 119 km/h para uma tempestade ser considerada um furacão. Giram no sentido horário (no hemisfério Sul) ou anti- horário (no hemisfério Norte) e medem de 200 km a 400 km de diâmetro. Sua curva se assemelha a uma parabólica.
  • 45. A umidade do ar diz respeito à quantidade de vapor de água presente na atmosfera - o que caracteriza se o ar é seco ou úmido - e varia de um dia para o outro. A alta quantidade de vapor de água na atmosfera favorece a ocorrência de chuvas. Já com a umidade do ar baixa, é difícil chover. Quando falamos de umidade relativa, comparamos a umidade real, que é verificada por aparelhos como o higrômetro, e o valor teórico, estimado para aquelas condições. A umidade relativa pode variar de 0% (ausência de vapor de água no ar) a 100% (quantidade máxima de vapor de água que o ar pode dissolver, indicando que o ar está saturado). Em regiões onde a umidade relativa do ar se mantém muito baixa por longos períodos, as chuvas são escassas. Isso caracteriza uma região de clima seco. UMIDADE DO AR: RELATIVA E ABSOLUTA
  • 47. As massas de ar são extensas “bolsas” de ar que realizam deslocamentos ao longo da troposfera, possuem características particulares de temperatura, pressão e umidade relativamente uniforme. Tais características são adquiridas do lugar onde as massas se originam (exemplo: massa polar), porém, ao se deslocarem, interferem no clima e no tempo de distintos lugares por onde passam. MASSAS DE AR
  • 48. O que difere uma massa de ar de outra massa são a temperatura (quente ou fria) e a umidade (seca ou úmida). Quanto à temperatura, elas podem ser equatoriais/ tropicais (quentes) ou polares (frias). Já em relação à umidade, as massas podem ser marítimas (úmidas) ou continentais (secas), exceto quando se formam em regiões de florestas equatoriais, onde há grande umidade em virtude do processo de evapotranspiração.
  • 49. De acordo com o deslocamento, as massas de ar vão sendo destituídas de suas características originais, que acontece quando ocorre o encontro de duas massas distintas, fato que dá origem às frentes. As frentes podem ser frias ou quentes, as frias se formam a partir do contato de uma massa de ar fria com uma quente, sendo que a primeira empurra a segunda. Quando isso acontece, o ar frio eleva a massa de ar quente - que sofre um resfriamento - e a água que se encontra nas nuvens se reverte em chuvas. São nas frentes frias que ocorrem vendavais, temporais e chuvas de granizo. As frentes quentes acontecem a partir do encontro de uma massa de ar quente com uma fria, de modo que a primeira empurra a segunda. Esse tipo de frente também produz chuvas, no entanto, sem ventos de grande velocidade, granizo, etc
  • 50.  Frentes frias (linhas azuis com triângulos) e frentes quentes (linhas vermelhas com semi-círculos). "B" = região de baixa pressão atmosférica. "A" = região de alta pressão atmosférica. As linhas brancas finasindicam regiões de mesma pressão atmosférica.
  • 51. Áreas de alta pressão no oceano
  • 52.
  • 53.
  • 54. 22 3
  • 57. Correntes Oceânicas As águas de superfície dos oceanos estão em constante movimento. As águas oceânicas que possuem em seu movimento uma direção razoavelmente constante fazem parte das chamadas correntes oceânicas. O sentido das correntes oceânicas é determinado por diversos fatores, dentre estes a interferência de ventos e a diferenciação entre densidades e salinidade das águas de certas regiões oceânicas
  • 58. As correntes também variam de acordo com a localidade em que se apresentam no globo. As correntes situadas abaixo da linha do Equador possuem sentido anti-horário, opostamente às correntes situadas acima da linha do Equador. Já nas regiões oceânicas adjacentes a esta linha, as correntes direcionam-se em sentidos opostos. As temperaturas das correntes oceânicas podem variar de acordo com sua origem. Assim, correntes que se orientam dos pólos até as regiões mais próximas ao Equador possuem temperaturas mais baixas, e correntes que partem do Equador para os pólos são correntes quentes.
  • 59. CLIMOGRAMA LINHA MOSTRA AS TEMPERATURAS BARRAS VERTICAIS , NA ESQUERDA A TEMPERATURA E NA DIREITA A PLUVIOSIDADE. NA BARRA HORIZONTAL , OS MESES DO ANO
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67. PRESSÃO ATMOSFÉRICA A atmosfera terrestre é composta por vários gases, que exercem uma pressão sobre a superfície da Terra. Essa pressão, denominada pressão atmosférica, depende da altitude do local, pois à medida que nos afastamos da superfície do planeta, o ar se torna cada vez mais rarefeito, e, portanto, exercendo uma pressão cada vez menor.
  • 68.