SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
RELAÇÕES ECOLÓGICAS Profª Ms. Sílvia Maria Marinho Storti   Fisma - Andradina
RELAÇÕES ECOLÓGICAS A maioria dos seres vivos depende de outras espécies para sobreviver. Uma espécie geralmente explora a outra, mas duas espécies podem, algumas vezes, juntar forças na luta pela sobrevivência...
INTERESPECÍFICA Interação entre seres de  espécies diferentes. CLASSIFICAÇÃO I NTRA-ESPECÍFICA Interação entre seres da  mesma espécie.
RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA  : Relação do tipo +/+ Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que são  estruturalmente ligados uns aos outros.
HETEROMORFAS:  Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho. ISOMORFAS:  Todos indivíduos são iguais e não há divisão de trabalho.
INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS DESARMÔNICAS Pelo menos um indivíduo sai prejudicado.  Podem gerar interações do tipo: (+/-), (0/-) ou (-/-)   Não há prejuízo para nenhuma das partes associadas. Podem gerar interações do tipo: (+/+) ou (+/0)
Caracteriza-se pela cooperação entre indivíduos da mesma espécie que têm  independência física uns dos outros.  SOCIEDADES:  Relação do tipo +/+
HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes. ISOMORFAS: apesar de haver divisão de trabalho não há diferenças significativas entre os seus membros componentes.
MUTUALISMO :  Relação do tipo +/+ RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS Relação entre espécies diferentes onde ambas são beneficiadas e  não podem viver separadamente.
Líquens: Associação de algas e fungo
Ruminantes / Bactérias do seu trato digestivo. Micorrizas- fungo/raízes
Relação entre espécies diferentes, na qual ambas se beneficiam; contudo, tal associação não é obrigatória,  podendo cada espécie viver isoladamente. PROTOCOOPERAÇÃO:  Relação do tipo +/+
 
Associação entre indivíduos de espécies diferentes, onde um ser vivo utiliza o outro, como moradia - suporte ou abrigo. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0 As epífitas ( as bromélias e as orquídeas ) que vivem sobre os troncos de árvores.
O peixe Fierasfer (peixe agulha) refugia-se no interior do pepino-do-mar (equinodermo).
Envolve indivíduos de espécies diferentes, na qual um deles se alimenta das sobras ou restos da alimentação do outro, sem qualquer prejuízo. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0
 
RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Relação em que indivíduos da mesma espécie lutam por algum componente do ambiente.
A competição é um dos fatores limitantes do crescimento das populações naturais e está intimamente relacionada com o processo evolutivo por seleção natural.   ,[object Object],[object Object]
É uma relação entre indivíduos da mesma espécie  na qual um indivíduo se alimenta do outro. CANIBALISMO: Relação do tipo +/-
Relação em que o indivíduo predador captura e mata um indivíduo de outra espécie, a presa, que lhe servirá de alimento. PREDATISMO: Relação do tipo +/- RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS
O predatismo é um fator limitante do crescimento das populações naturais. Plantas carnívoras são um raro exemplo em que o predador é uma planta. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em  herbivoria.
No processo evolutivo a relação  PRESA-PREDADOR  favoreceu, em ambos, a perpetuação de características que garantem ora o sucesso do predador ora o da presa.  O predatismo é fundamental também nos processos evolutivos por seleção natural.
Mimetismo ou camuflagem? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
 
Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles ( parasita)  vive no corpo do outro ( hospedeiro) , do qual retira alimentos. PARASITISMO:  Relação do tipo +/-   ECTOPARASITAS  (externos) ENDOPARASITAS (internos)
O cipó-chumbinho é um exemplo de planta  holoparasita  da seiva elaborada das plantas que lhe são hospedeiras.  A erva-de-passarinho é uma planta classificada como  hemiparasita,  pois retira a seiva bruta das plantas que lhes são hospedeiras.
Embora os parasitas possam causar a morte do hospedeiro, em muitos casos trazem-lhes apenas prejuízos. Os herbívoros que consomem plantas inteiras são considerados predadores e parasitas quando consomem partes das mesmas sem porém causar-lhes a morte.
Associação em que uma espécie libera substâncias tóxicas que inibem o crescimento ou não deixa a outra espécie se reproduzir.  AMENSALISMO OU ANTIBIOSE: Relação do tipo +/-
COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Ocorre quando duas populações de espécies diferentes, em uma mesma comunidade, apresentam nichos ecológicos semelhantes.
Princípio de Gause  (Princípio da exclusão competitiva) O Princípio de Gause diz respeito ao processo de competição inter-específica que acontece quando duas espécies diferentes habitam um mesmo ambiente e têm nichos muito semelhantes. Assim duas espécies não podem ocupar um mesmo nicho por muito tempo, uma delas irá sempre prevalecer, pois é mais adaptada àquele habitat.
Esse mecanismo pode determinar o controle da densidade das duas populações que estão interagindo, a extinção de uma delas ou ainda a especialização do nicho ecológico.
É um tipo de interação interespecífica na qual uma espécie captura e faz uso do trabalho, das atividades e até dos alimentos de outra espécie . ESCLAVAGISMO: Relação do tipo +/-
ESCLAVAGISMO A formiga-sanguinária  ( Formica sanguinea ), ataca formigueiros de outras espécies.  Matam ou expulsam as operárias, capturam as larvas e pupas das vítimas  e as levam para o seu formigueiro, onde trabalharão como operárias sem poderem de lá sair ou reproduzirem-se.
A relação entre formigas e  pulgões (Afídeos) é um caso de esclavagismo entendido por muitos como um tipo especial de protocooperação. Esclavagismo ou Protocooperação? Um caso especial
A relação entre formigas e  pulgões (Afídeos) é um caso clássico de esclavagismo porém de difícil classificação.  HARMÔNICA OU DESARMÔNICA???
QUANTOS DIFERENTES TIPOS DE RELAÇÕES ECOLÓGICAS PODEM SER IDENTIFICADAS NA FIGURA ABAIXO?
INTRA-ESPECÍFICA HARMÔNICAS Relações Ecológicas Colônia Sociedade DESARMÔNICAS Competição Canibalismo INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS Protocooperação Mutualismo Comensalismo Inquilinismo DESARMÔNICAS Predatismo Parasitismo Competição Amensalismo Esclavagismo
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCésar Milani
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosRebeca Vale
 
Nutricao vegetal
Nutricao vegetalNutricao vegetal
Nutricao vegetalURCA
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaReinan Santos
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaLeonardo Kaplan
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresGabriela de Lima
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasSilvana Sanches
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoKamila Joyce
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosPlínio Gonçalves
 
Camuflagem e mimetismo
Camuflagem e mimetismoCamuflagem e mimetismo
Camuflagem e mimetismoJoseOliveiraPT
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosRebeca Vale
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Silvana Sanches
 

Mais procurados (20)

Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Nutricao vegetal
Nutricao vegetalNutricao vegetal
Nutricao vegetal
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino Protoctista
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Camuflagem e mimetismo
Camuflagem e mimetismoCamuflagem e mimetismo
Camuflagem e mimetismo
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 

Destaque

conceitos em ecologia
conceitos em ecologiaconceitos em ecologia
conceitos em ecologiaChiara Lubich
 
Fatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - BiologiaFatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - BiologiaMatheus Augusto
 
Distúrbio Convulsivo em Felino Selvagem
Distúrbio Convulsivo em Felino SelvagemDistúrbio Convulsivo em Felino Selvagem
Distúrbio Convulsivo em Felino SelvagemMed. Veterinária 2011
 
Níveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemasNíveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemasLeonardo Alves
 
Apresentação membro pélvico incompleto
Apresentação membro pélvico incompletoApresentação membro pélvico incompleto
Apresentação membro pélvico incompletoMed. Veterinária 2011
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicasguest787ebb4
 
Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicoscatiacsantos
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficasMaria Rocha R
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicasMaria Rocha R
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicasGMarques99
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaaConceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaaMed. Veterinária 2011
 

Destaque (20)

Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
 
conceitos em ecologia
conceitos em ecologiaconceitos em ecologia
conceitos em ecologia
 
Interacções entre seres vivos
Interacções entre seres vivosInteracções entre seres vivos
Interacções entre seres vivos
 
Urolitíase em pequenos ruminantes
Urolitíase em pequenos ruminantesUrolitíase em pequenos ruminantes
Urolitíase em pequenos ruminantes
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Fatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - BiologiaFatores bióticos - Biologia
Fatores bióticos - Biologia
 
Distúrbio Convulsivo em Felino Selvagem
Distúrbio Convulsivo em Felino SelvagemDistúrbio Convulsivo em Felino Selvagem
Distúrbio Convulsivo em Felino Selvagem
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Níveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemasNíveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemas
 
Aula de anatomia i 1ª
Aula de anatomia i   1ªAula de anatomia i   1ª
Aula de anatomia i 1ª
 
Apresentação membro pélvico incompleto
Apresentação membro pélvico incompletoApresentação membro pélvico incompleto
Apresentação membro pélvico incompleto
 
RELAÇÕES ECOLÓGICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
 
Factores BióTicos
Factores BióTicosFactores BióTicos
Factores BióTicos
 
8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas8ºano relações interespecíficas
8ºano relações interespecíficas
 
Artrologia
ArtrologiaArtrologia
Artrologia
 
8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas8ºano relações intra-específicas
8ºano relações intra-específicas
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaaConceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
 

Semelhante a Relações ecológicas

Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Diego Yamazaki Bolano
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicasmendel1b2010
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosÉrika Cardozo
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Antonio Fernandes
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasRosalia Azambuja
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicasEstude Mais
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora RaquelRaquel Alves
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptEwerthonGomes1
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivoswenea
 
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMDouglas Oliveira
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2hugocampos2
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2XPaulinhaSilva
 
Relações ecológicas
Relações ecológicas Relações ecológicas
Relações ecológicas 3a-manha
 
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Eduardo Henrique
 

Semelhante a Relações ecológicas (20)

Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunos
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
 
relações ecologicas 3.pdf
relações ecologicas 3.pdfrelações ecologicas 3.pdf
relações ecologicas 3.pdf
 
relacoesecologicasap.pptx
relacoesecologicasap.pptxrelacoesecologicasap.pptx
relacoesecologicasap.pptx
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
 
Relaçaoeco
RelaçaoecoRelaçaoeco
Relaçaoeco
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
 
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
Relações ecológicas
Relações ecológicas Relações ecológicas
Relações ecológicas
 
Rel ec
Rel ecRel ec
Rel ec
 
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
 

Mais de Med. Veterinária 2011

Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Med. Veterinária 2011
 
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02Med. Veterinária 2011
 
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02Med. Veterinária 2011
 
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01Med. Veterinária 2011
 
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01Med. Veterinária 2011
 
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01Med. Veterinária 2011
 

Mais de Med. Veterinária 2011 (18)

Moraxella bovis
Moraxella bovisMoraxella bovis
Moraxella bovis
 
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
 
Esporotricose
EsporotricoseEsporotricose
Esporotricose
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Apostila de Anatomia
Apostila de AnatomiaApostila de Anatomia
Apostila de Anatomia
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02
Osteologiaparte3 100823191018-phpapp02
 
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02
Osteologiaparte2color 100818194745-phpapp02
 
Osteologiacolor 100818084123-phpapp02
Osteologiacolor 100818084123-phpapp02Osteologiacolor 100818084123-phpapp02
Osteologiacolor 100818084123-phpapp02
 
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01
Introduaoaanatomiaanimal1color 100811101229-phpapp01
 
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01
Osteologiaparte5color 110303100359-phpapp01
 
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
 
Apostila anatomia
Apostila anatomiaApostila anatomia
Apostila anatomia
 
Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça
 
Apresentação membro torácico
Apresentação membro torácicoApresentação membro torácico
Apresentação membro torácico
 
Apresentação membro pélvico.
Apresentação membro pélvico.Apresentação membro pélvico.
Apresentação membro pélvico.
 
Apresentação coluna vertebral
Apresentação coluna vertebralApresentação coluna vertebral
Apresentação coluna vertebral
 

Relações ecológicas

  • 1. RELAÇÕES ECOLÓGICAS Profª Ms. Sílvia Maria Marinho Storti Fisma - Andradina
  • 2. RELAÇÕES ECOLÓGICAS A maioria dos seres vivos depende de outras espécies para sobreviver. Uma espécie geralmente explora a outra, mas duas espécies podem, algumas vezes, juntar forças na luta pela sobrevivência...
  • 3. INTERESPECÍFICA Interação entre seres de espécies diferentes. CLASSIFICAÇÃO I NTRA-ESPECÍFICA Interação entre seres da mesma espécie.
  • 4. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA : Relação do tipo +/+ Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que são estruturalmente ligados uns aos outros.
  • 5. HETEROMORFAS: Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho. ISOMORFAS: Todos indivíduos são iguais e não há divisão de trabalho.
  • 6. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS DESARMÔNICAS Pelo menos um indivíduo sai prejudicado. Podem gerar interações do tipo: (+/-), (0/-) ou (-/-) Não há prejuízo para nenhuma das partes associadas. Podem gerar interações do tipo: (+/+) ou (+/0)
  • 7. Caracteriza-se pela cooperação entre indivíduos da mesma espécie que têm independência física uns dos outros. SOCIEDADES: Relação do tipo +/+
  • 8. HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes. ISOMORFAS: apesar de haver divisão de trabalho não há diferenças significativas entre os seus membros componentes.
  • 9. MUTUALISMO : Relação do tipo +/+ RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS Relação entre espécies diferentes onde ambas são beneficiadas e não podem viver separadamente.
  • 10. Líquens: Associação de algas e fungo
  • 11. Ruminantes / Bactérias do seu trato digestivo. Micorrizas- fungo/raízes
  • 12. Relação entre espécies diferentes, na qual ambas se beneficiam; contudo, tal associação não é obrigatória, podendo cada espécie viver isoladamente. PROTOCOOPERAÇÃO: Relação do tipo +/+
  • 13.  
  • 14. Associação entre indivíduos de espécies diferentes, onde um ser vivo utiliza o outro, como moradia - suporte ou abrigo. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0 As epífitas ( as bromélias e as orquídeas ) que vivem sobre os troncos de árvores.
  • 15. O peixe Fierasfer (peixe agulha) refugia-se no interior do pepino-do-mar (equinodermo).
  • 16. Envolve indivíduos de espécies diferentes, na qual um deles se alimenta das sobras ou restos da alimentação do outro, sem qualquer prejuízo. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0
  • 17.  
  • 18. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Relação em que indivíduos da mesma espécie lutam por algum componente do ambiente.
  • 19.
  • 20. É uma relação entre indivíduos da mesma espécie na qual um indivíduo se alimenta do outro. CANIBALISMO: Relação do tipo +/-
  • 21. Relação em que o indivíduo predador captura e mata um indivíduo de outra espécie, a presa, que lhe servirá de alimento. PREDATISMO: Relação do tipo +/- RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS
  • 22. O predatismo é um fator limitante do crescimento das populações naturais. Plantas carnívoras são um raro exemplo em que o predador é uma planta. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria.
  • 23. No processo evolutivo a relação PRESA-PREDADOR favoreceu, em ambos, a perpetuação de características que garantem ora o sucesso do predador ora o da presa. O predatismo é fundamental também nos processos evolutivos por seleção natural.
  • 24.
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles ( parasita) vive no corpo do outro ( hospedeiro) , do qual retira alimentos. PARASITISMO: Relação do tipo +/- ECTOPARASITAS (externos) ENDOPARASITAS (internos)
  • 30. O cipó-chumbinho é um exemplo de planta holoparasita da seiva elaborada das plantas que lhe são hospedeiras. A erva-de-passarinho é uma planta classificada como hemiparasita, pois retira a seiva bruta das plantas que lhes são hospedeiras.
  • 31. Embora os parasitas possam causar a morte do hospedeiro, em muitos casos trazem-lhes apenas prejuízos. Os herbívoros que consomem plantas inteiras são considerados predadores e parasitas quando consomem partes das mesmas sem porém causar-lhes a morte.
  • 32. Associação em que uma espécie libera substâncias tóxicas que inibem o crescimento ou não deixa a outra espécie se reproduzir. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE: Relação do tipo +/-
  • 33. COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Ocorre quando duas populações de espécies diferentes, em uma mesma comunidade, apresentam nichos ecológicos semelhantes.
  • 34. Princípio de Gause (Princípio da exclusão competitiva) O Princípio de Gause diz respeito ao processo de competição inter-específica que acontece quando duas espécies diferentes habitam um mesmo ambiente e têm nichos muito semelhantes. Assim duas espécies não podem ocupar um mesmo nicho por muito tempo, uma delas irá sempre prevalecer, pois é mais adaptada àquele habitat.
  • 35. Esse mecanismo pode determinar o controle da densidade das duas populações que estão interagindo, a extinção de uma delas ou ainda a especialização do nicho ecológico.
  • 36. É um tipo de interação interespecífica na qual uma espécie captura e faz uso do trabalho, das atividades e até dos alimentos de outra espécie . ESCLAVAGISMO: Relação do tipo +/-
  • 37. ESCLAVAGISMO A formiga-sanguinária ( Formica sanguinea ), ataca formigueiros de outras espécies. Matam ou expulsam as operárias, capturam as larvas e pupas das vítimas e as levam para o seu formigueiro, onde trabalharão como operárias sem poderem de lá sair ou reproduzirem-se.
  • 38. A relação entre formigas e pulgões (Afídeos) é um caso de esclavagismo entendido por muitos como um tipo especial de protocooperação. Esclavagismo ou Protocooperação? Um caso especial
  • 39. A relação entre formigas e pulgões (Afídeos) é um caso clássico de esclavagismo porém de difícil classificação. HARMÔNICA OU DESARMÔNICA???
  • 40. QUANTOS DIFERENTES TIPOS DE RELAÇÕES ECOLÓGICAS PODEM SER IDENTIFICADAS NA FIGURA ABAIXO?
  • 41. INTRA-ESPECÍFICA HARMÔNICAS Relações Ecológicas Colônia Sociedade DESARMÔNICAS Competição Canibalismo INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS Protocooperação Mutualismo Comensalismo Inquilinismo DESARMÔNICAS Predatismo Parasitismo Competição Amensalismo Esclavagismo
  • 42.

Notas do Editor

  1. Em geral o aluno tende a entender a competição inter ou intra-específica como do tipo +/-. N o entanto, nas relações de competição há gasto excessivo de energia entre as espécies envolvidas em uma competição, o que acarreta prejuízo para os participantes enquanto ela estiver ocorrendo. Com a competição, haverá menos recursos para ambas as espécies, mesmo que uma delas seja favorecida.
  2. É bom ressaltar que casos de mimetismo e camuflagem não são exemplo de nenhum tipo de relação ecológica mas que estão presente aqui neste trabalho por estarem ligados ao predatismo.
  3. Todos os casos desse slide são de camuflagem.
  4. Na figura do alto a direita, pode-se ver, com um pouco de esforço, um bicho-pau.
  5. O inseto da direita é uma mosca que parece muito com uma vespa de sabor desagradável.
  6. Apenas uma das cobras é a coral verdadeira.
  7. As raízes sugadoras das plantas parasitas e hemiparasitas são denominadas haustórios.
  8. Vale também comentar casos de amensalismo entre as plantas de regiões secas. Lembrar os antibióticos.
  9. NICHO ECOLÓGICO: É o conjunto dos hábitos e características de um indivíduo, que determina a sua relação com o meio abiótico e com os demais seres vivos da população e da comunidade onde está inserido. A figura utilizada neste slide mostra a competição entre hienas e urubus.
  10. Um exemplo é a relação entre formigas e os pulgões (Afídeos).  Os pulgões são parasitas de certos vegetais. Alimentam-se da seiva elaborada que retiram dos vasos liberianos de plantas como a roseira, a orquídea, etc.  A seiva elabora é rica em açúcares e pobre em aminoácidos. Por absorverem muito açúcar, os pulgões eliminam o seu excesso pelo ânus.  Esse açúcar eliminado é aproveitado pelas formigas, que chegam a acariciar com suas antenas o abdômen dos pulgões, fazendo-os eliminar mais açúcar. As formigas transportam os pulgões para os seus formigueiros e os colocam sobre raízes delicadas, para que delas retirem a seiva elaborada.  Muitas vezes as formigas cuidam da prole dos pulgões para que no futuro, escravizando-os, obtenham açúcar.  A sinfilia é a interação desarmônica na qual uma espécie captura e faz uso do trabalho, das atividades e até dos alimentos de outra espécie.
  11. Por um lado, o esclavagismo tem características de hostilidade, já que os pulgões são mantidos cativos dentro do formigueiro. Não obstante, pode-se considerar uma relação harmônica , pois os pulgões também são beneficiados pela facilidade de encontrar alimentos e até mesmo pelos bons tratos a eles dispensados pelas formigas (transporte, proteção, etc). Essa associação é considerada harmônica e um caso especial de protocooperação por muitos autores, pois a união não é obrigatória à sobrevivência. Outro exemplo de esclavagismo que pode ser citado ocorre entre o Chupim e o tico-tico. O chupim coloca seus ovos no ninho do tico-tico que os choca e alimenta como sendo seus.
  12. Por um lado, o esclavagismo tem características de hostilidade, já que os pulgões são mantidos cativos dentro do formigueiro. Não obstante, pode-se considerar uma relação harmônica , pois os pulgões também são beneficiados pela facilidade de encontrar alimentos e até mesmo pelos bons tratos a eles dispensados pelas formigas (transporte, proteção, etc). Essa associação é considerada harmônica e um caso especial de protocooperação por muitos autores, pois a união não é obrigatória à sobrevivência. Outro exemplo de esclavagismo que pode ser citado ocorre entre o Chupim e o tico-tico. O chupim coloca seus ovos no ninho do tico-tico que os choca e alimenta como sendo seus.
  13. São 5 ao todo: 1. vaca / pasto – herbivoria; 2. vaca / bactérias do seu estômago: mutualismo; 3. pássaros/vaca: protocooperação; 4. pássaros / carrapatos: predatismo; 5. carrapatos / vaca: parasitismo.