Asma de difícil controle

1.949 visualizações

Publicada em

Revisão expressa sobre asma de dificil controle publicada no site pneumoatual.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.949
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
47
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Asma de difícil controle

  1. 1. Caracterizando o asmático de difícil controle Liberado/Revisado FONTE: http://www.pneumoatual.com.br/secao/boletim/boletimExpressoExibe.aspx?idAssunto=15&i dBoletim=181IntroduçãoA asma é uma doença com alta prevalência mundial, com cerca de 300 milhões de asmáticos no mundo, que na grande maioriados casos apresenta evolução benigna e ótima resposta terapêutica. No entanto, em uma parcela de pacientes (5% a 10%) adoença se comporta de forma agressiva, mesmo quando o tratamento é realizado de forma adequada. Esses pacientesapresentam sintomatologia persistente, exacerbações e internações freqüentes, limitação para realização das atividades docotidiano e, conseqüentemente, comprometimento significativo da qualidade de vida e aumento dos custos com o seutratamento. Para se estabelecer um programa terapêutico adequado para esses asmáticos é fundamental identificá-loscorretamente, caracterizando a gravidade de sua doença.Terminologia e definiçãoHá muita confusão quanto à terminologia mais apropriada para essa forma de comportamento da asma, havendo uma grandevariedade de denominações: asma persistente grave, asma grave, asma refratária, asma resistente, asma dependente decorticóides, asma instável, asma de difícil controle, entre outras. Asma de difícil controle parece ser o termo mais adequado,pois vai ao encontro das novas determinações do GINA, que enfatizam a necessidade de se avaliar o estado de controle dadoença durante o seu tratamento. A antiga classificação de gravidade da asma, que estratificava a doença em intermitente,persistente leve, moderada ou grave, tem pouca aplicabilidade clínica, pois a gravidade da asma deve levar em consideraçãonão só a apresentação da doença, mas, principalmente, a sua resposta ao tratamento estabelecido, algo não compreendido pelaantiga classificação.O grupo de Consenso Latino-Americano propõe a seguinte definição para asma de difícil controle (ADC): “Asmainsuficientemente controlada, apesar de uma estratégia terapêutica adequada e ajustada ao nível de gravidade clínica (deacordo com os consensos internacionais)”.Em 2000, a ATS (American Thoracic Society) organizou um workshop com especialistas que elaboraram critérios diagnósticospara asma de difícil controle. Esses critérios foram revisados e atualizados pela Sociedade Espanhola de Pneumologia e CirurgiaTorácica (SEPAR) e apresentados em 2005 no seu consenso sobre o assunto (tabela 1). O diagnóstico desta condição éestabelecido quando há presença dos dois critérios maiores ou um critério maior associado a pelo menos dois critérios menores. Tabela 1. Critérios diagnósticos de ADC (SEPAR – 2005) Critérios maiores • Uso de corticóides orais de forma contínua ou por mais de seis meses no último ano. • Uso contínuo de corticóides inalados em altas doses (budesonida ou equivalente > 1200 mcg/dia ou fluticasona > 880 mcg/dia) associados a outra droga de manutenção, como beta-2 agonista de longa duração. Critérios menores
  2. 2. • Necessidade diária do uso de beta-2 agonista de curta duração como medicação de resgate. • VEF1 menor que 80% do teórico previsto ou variabilidade do PFE (pico de fluxo expiratório) maior que 20%. • Uma ou mais visitas por asma a serviços de urgência no último ano. • Três ou mais cursos de corticóide oral no último ano. • Episódio prévio de crise asmática com risco de vida. • Rápida deterioração da função pulmonar.Fatores que contribuem para a dificuldade no controle da doençaPara que os critérios diagnósticos tenham valor, é preciso que fatores que contribuem para o fracasso do tratamento tenhamsido afastados. A maioria dos pacientes encaminhados para avaliação em função de dificuldade de controle da doença nãoalcançam melhora clínica devido a presença de fatores que não podem ser atribuídos à asma propriamente.O consenso da SEPAR sugere a estratificação dos pacientes em dois grupos: pacientes com ADC verdadeira e indivíduos comADC falsa. Estes últimos seriam aqueles em que outros fatores, que não a própria doença, comprometem a resposta aotratamento, ou seja, a doença é apenas aparentemente difícil de ser controlada. Os principais fatores que devem serconsiderados na avaliação desses pacientes são: • Diagnóstico incorreto de asma: o paciente que é portador de outra doença respiratória (DPOC, bronquiectasia, pneumonia eosinofílica crônica, alveolite alérgica extrínseca, etc) ou mesmo condições não respiratórias (insuficiência cardíaca) podem erroneamente receber o diagnóstico de asma. • Comorbidades: o asmático pode ter outras doenças associadas que contribuem para o não controle da asma. As principais condições são: obstrução da via aérea superior (disfunção de cordas vocais, estenose traqueal, apnéia obstrutiva do sono), síndrome de hiperventilação, ansiedade, rinossinusite, refluxo gastroesofágico e bronquiectasia. A obesidade, principalmente entre as mulheres, é fator que prejudica significativamente o controle da asma. • Fatores agravantes: a exposição continuada a tais fatores é motivo para que se não alcance o controle da doença. Os fatores principais são os alérgenos domiciliares ou aqueles encontrados no ambiente de trabalho, uso de determinados medicamentos (beta bloqueadores e antiinflamatórios não hormonais) e o tabagismo. • Aderência ao tratamento: como em qualquer doença crônica, a adesão ao tratamento proposto é fundamental para seu sucesso. Estudos mostram que a aderência ao tratamento entre os asmáticos pode variar de 30% a 50%. Assim, na elaboração de uma estratégia terapêutica para esses indivíduos, é fundamental prescrever esquemas posológicos que facilitem a adesão do doente. • Técnica inalatória: uma freqüente causa de fracasso no tratamento da asma é o uso inadequado do dispositivo inalatório. O médico precisa orientar adequadamente o paciente a respeito da técnica inalatória e avaliar periodicamente a capacidade do indivíduo em executá-la.O fenótipo do paciente com asma de difícil controleA asma de difícil controle é uma condição bastante heterogênea, que inclui diferentes fenótipos, ou seja, diferentesapresentações clínicas. O fenótipo da ADC pode servir para entender a fisiopatogenia e a história natural dessa doença e, porconseqüência, orientar a terapêutica.Em uma tentativa de entender melhor o comportamento desses asmáticos, foi realizado, em nove países europeus, o estudoENFUMOSA (European Network for Understanding Mechanisms of Severe Asthma). Esse trabalho observacional comparouindivíduos adultos com asma de difícil controle (denominada no estudo de asma grave) com asmáticos que alcançavam ocontrole da doença com doses baixa/moderada de corticóide inalado (<1.000mcg/dia de budesonida ou equivalente). Foramconsiderados asmáticos com doença grave os pacientes que, apesar do uso contínuo de corticóide inalado em doses altas(>1.200 mcg/dia de budesonida ou equivalente), haviam apresentado pelo menos uma exacerbação no último ano. Foramincluídos 321 indivíduos, sendo 163 no grupo de ADC e 158 no grupo de pacientes com doença facilmente controlada. As
  3. 3. principais diferenças entre os pacientes com asma grave quando comparados com aqueles com doença controlada foram: • Proporção significativamente maior de mulheres entre os pacientes com ADC. • IMC (índice de massa corpórea) maior entre as mulheres com ADC. • Mais de um terço dos asmáticos com doença grave necessitaram de hospitalização no último ano. • Análise de marcadores de atopia (IgE sérica e testes cutâneos de alergia) mostraram relação inversa com a gravidade da doença. • Pacientes com ADC apresentaram pior função pulmonar. • A citologia do escarro mostrou número significativamente maior de neutrófilos entre os pacientes com ADC. Não houve diferença entre os números de eosinófilos.Abordagem do paciente com suspeita de asma de difícil controleO consenso da Sociedade Espanhola de Pneumologia e Cirurgia Torácica (SEPAR) propõe, de forma didática, a seguinteseqüência na avaliação diagnóstica do paciente com suspeita de ADC:1º passo - Confirmar o diagnóstico de asma e afastar outras doenças que possam ser responsáveis pelo quadro clínico.2º passo – Avaliar a presença de comorbidades que possam prejudicar o controle da asma (exemplo: rinite, refluxo gastro-esofágico, bronquiectasia, etc) e tratá-las de forma adequada.3º passo – Avaliar a aderência ao tratamento proposto para a asma, bem como estabelecer estratégias que permitam melhoraressa aderência.4º passo – Identificar os fatores agravantes e estabelecer programa específico para combatê-los.Quando todos esses procedimentos tiverem sido realizados e o paciente persistir preenchendo os critérios diagnósticos,podemos afirmar que o indivíduo é portador de asma de difícil controle.Leitura recomendadaAssembly on Asthma of the Spanish Society of Pulmonology and Thoracic Surgery (SEPAR). Guidelines for the diagnosis andmanagement of difficult-to-control asthma. Arch Bronconeumol 2005;41:513-523.Carrillo CT, Neffen HE. Consenso latino-americano sobre asma de difícil controle. Drugs of today 2006;42 (Supl. X/BR):1-27.Chanez P, Wenzel SE, Anderson GP et al. Severe asthma in adults: what are the important questions? J Allergy ClinImmunol 2007;119:1337-1348.Heaney LG, Robinson DS. Severe asthma treatment: need for characterising patients. Lancet 2005;365:974-976.The ENFUMOSA Study Group. The ENFUMOSA cross-sectional european multicentre study of the clinical phenotype os chronicsevere asthma. Eur Respir J 2003;22:470-477. Editoria PneumoAtual http://www.PneumoAtual.com.br

×