SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS
DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA
DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA ETISIOLOGIA
Regulação do Equilíbrio
Ácido – Básico
Moléculas capazes de liberar íons
H(+) = Ácidos
Moléculas capazes de receber
/consumir íons H(+) = Bases
 1909
 Soren Peter Lauritz
 Bioquímico Dinarmaquês
(Cervejaria)
 “p” – Potenz = Poder de
concentração.
 “H”- Refere-se ao íon
Hidrogênio
 Conjunto de substâncias que impedem
grandes variações do pH.
 Ácido fraco + base fraca.
ÁCIDO
BASE
RESPIRATÓRIO METABÓLICO
1) Tampões Plasmáticos
- Tendem a se opor à mudanças de pH
- ↓ o efeito de ácidos ou bases adicionados nos liquidos corporais
- Atuação imediata
2) Sistema Pulmonar
- elimina ou retém CO2 (Hiperventilação ou Hipoventilação)
- atuação em minutos a horas
3) Sistema Renal
- Filtração de Bicarbonato, filtração de cloreto de sódio, excreção de bicarbonato de sódio
(Alcalose) = excreção de urina ácida ou alcalina, reajustando a concentração de íons hidrogênio do
líquido extracelular normal durante a acidose ou alcalose
- atuação em horas ou dias
 Utilizada para cálculo do pH em uma solução
tampão
 Exprime a eficácia das trocas gasosas através
da membrana alveolocapilar
 Valores normais: de 80 a 100 mmhg
 ↓ 60 mmhg = hipoxemia significativa
 Relacionar PaO2 com fiO2 ofertada
 PaO2 diminuida:
 Insuficiência ventilatória isolada
 Insuficiência Respiratória Hpoxêmica
SHUNT
DISTÚRBIO V/Q
 Eficácia da ventilação alveolar
 Valores normais: de 35 a 45 mmhg
 Reflete distúrbios respiratórios do pH
 ↓PaCO2 = hiperventilação = Alcalose
respiratória
 ↑PaCO2 = hipoventilação = Acidose
respiratória
 Concentração depende da função renal
 Valores normais: de 22 a 24mMol/l
 Reflete distúrbios metabólicos
 ↓HCO3 = pH = acidose metabólica↓
 ↑HCO3 = pH = alcalose metabólica↑
 Nos indica se o organismo perdeu ou ganhou bases.
 Quando baixo indica perda de bases
 Quando alto indica ganho de bases
 Nos ajuda a distinguir distúrbios agudos dos
distúrbios crônicos
 Nos auxília a avaliar a gravidade
 Ex: > + 10 = Alcalose grave; < -10 = Acidose grave
 É o volume de ar que entra e sai dos alvéolos
 Conceitos relacionados:
▪ Hiperventilação: Aumento da taxa de ventilação alveolar
▪ Hipoventilação: Diminuição da taxa de ventilação
alveolar
 Incapacidade dos pulmões de realizarem a
troca gasosa.
 Mecanismos:
 Distúrbios Respiratórios relacionados ao meio
ambiente
 Insuficiência ventilatória
 Distúrbios da Troca gasosa
 Exposição ao ar rarefeito (Altas altitudes)
▪ Hipóxia  Hiperventilação reativa
 Intoxicação por monóxido de carbono
▪ Alta afinidade de ligação à hemoglobina
 A renovação do ar alveolar se torna reduzida
 Aumento da PACO2 - Retenção de CO2
(hipercapnia) - Acidose respiratória.
 Quando instalação lenta: Compensação renal
(HCO3)  Reflexo: BE elevado.
 Ex: pH 7.34, PaCO2 80,HCO3 40, BE + 10
 Perda do drive respiratório bulbar
 Lesão medular ou neuropatia periférica comprometendo
nervo frênico
 Doença muscular ou da placa motora
 Obstrução de vias aéreas superiores (obst. Alta)
 Fadiga da musculatura respiratória
 Comprometimento da expansibilidade toracica
 PCR
 Distúrbio da V/Q
▪ Crise asmática
▪ Atelectasias
▪ DPOC
▪ TEP
▪ Congestão pulmonar
▪ SDRA
▪ Pneumonia
 Shunt pulmonar
(relação V/Q= Zero)
▪ Edema pulmonar
cardiogênico
▪ SDRA
▪ Malformações
arteriovenosas
▪ Síndrome hepatopulmonar
VALORES NORMAIS DE GASOMETRIA ARTERIAL
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
 Acidose respiratória
 Alcalose respiratória
 Acidose metabólica
 Alcalose metabólica
 Acidose mista
 Alcalose mista
OLHE PARA O PH
ATENÇÃO: o pH pode estar normal na presença de um distúrbio misto,
particularmente se outros parâmetros da gasometria estiverem anormais.
OLHE PARA A PACO2
E PARA O HCO3
Que processo AB (alcalose,acidose) está
contribuindo para o pH anormal?
Nos distúrbios AB simples, ambos os valores são anormais e a direção da alteração
anormal é a mesma para ambos os parâmetros.
-um valor anormal será a alteração inicial e o outro será a
resposta compensatória.
A alteração inicial será o valor anormal
que se correlaciona com o pH anormal.
Se alcalose:
Pco2 - estará BAIXA ou
HCO3- estará ALTO
Se acidose:
pCO2 - estará ALTO ou
HCO3- estará BAIXO
Achou a alteração inicial? Ótimo! Então o outro parâmetro anormal será a resposta
compensatória.
Se o pCO2 é a alteração química
inicial,então, o processo é
respiratório
Se o HCO3- é alteração química
inicial, então, o processo é
metabólico
 Ph= 7.32
 pCO2=52
 HCO3
-
=24
Acidose
Alto = Ácido
Normal
ACIDOSE RESPIRATÓRIA
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
 pH = 7.32
 pCO2=42
 HCO3
-
=19
Acidose
Normal
Baixo = Ácido
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
ACIDOSE METABÓLICA
 pH= 7.49
 PCO2 = 33
 HCO3
-
= 23
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
Alcalose
Baixo = Alcalino
Normal
ALCALOSE RESPIRATÓRIA
 pH = 7.49
 Pco2= 44
 HCO3
-=
32
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
Alcalose
Normal
Alto = Alcalino
ALCALOSE METABÓLICA
1. Respiratória
 Variação do pH por distúrbio metabólico 
estimulo do centro respiratório (SNC) 
Alteração do drive respiratório.
1. Metabólica (renal)
 Variação do pH por distúrbio respiratório 
Estímulo para os rins ajustarem HCO3 (lenta).
 Acidose Metabólica  Hiperventilação  PaCO2
 Como saber se a regulação está dentro do esperado?
 Alcalose Metabólica  Hipoventilação
 Como saber se a regulação está dentro do esperado?
pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2)
pCO2 esperada = HCO3 + 15 (+/- 2)
 Na Alcalose Respiratória
 Aguda: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 5 + 24
 Crônica: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 2 + 24
 Na Acidose Respiratória
 Aguda: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 10 + 24
 Crônica: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 3.5 + 24.
ATENÇÃO: RESPOSTA LENTA!!!!!
 pH = 7.05
 Pco2= 55
 HCO3
-=
8
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
Baixo
Alto= Acido
Baixo = Ácido
Acidose Mista
 pH=7.31
 Pco2= 52
 pO2=80
 HCO3
-
= 19
 EB = -4
 spO2 = 95%
Acidose
Alto = Ácido
Baixo = Ácido
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH!
ACIDOSE MISTA
 Ph=7.49
 PCO2=31
 HCO3 = 32
Alcalose
Baixo = Alcalino
Alto = Alcalino
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 26 mEq/l
Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH!
ALCALOSE MISTA
 pH = 7.42
 Pco2= 15
 HCO3
-=
9
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 24 mEq/l
Normal
Baixo= Alcalino
Muito Baixo = Ácido
E AGORA??? O pH normal não exclui nesse caso que não
haja nenhum distúrbio ácido-básico. Mas e então.... Estamos diante do
que?
Distúrbio Misto: Acidose Metabólica +
Alcalose Respiratória??
Um compensando o outro? Quem está
compensando quem?
 Alteração 1 - Acidose Metabólica
 PCO2 esperada = (9x1,5) + 8 = 21.5 (bem longe do 15)
 Alteração 2- Alcalose Respiratória
 Aguda: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 5 + 24
▪ = (40 – 15) ÷ 5 + 24  29 (Bem longe do 9)
 Crônica: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 2 + 24
▪ = (40 – 15) ÷ 2 + 24  36,5 (Bem longe do 9)
pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2)
NESSE CONTEXTO, RESPOSTA COMPENSATÓRIA NÃO ESPERADA EM NENHUM =
DISTÚRBIO MISTO
SE HOUVESSE RESPOSTA ESPERADA EM UM DELES CONSIDERARIA-SE COMO
DISTÚRBIO PRIMÁRIO O QUE NÃO ACOMPANHOU E O COMPENSADO COMO SENDO A
RESPOSTA AO DISTÚRBIO PRIMÁRIO.
 Ajuda a identificar qual o tipo de acidose
metabólica
 Quando alto = acrescimo de outros ácidos
(normoclorêmicas)
▪ Ex: acidose lática, cetoacidose diabética, síndrome urêmica,
intoxicações exógenas, rabdomiólise maciça.
 Quando normal= Hiperclorêmicas. Não houve
acréscimo de outros ácidos.
▪ Perdas GI, acidose tubular, hipoaldo, IRC em fase não avançada.
AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 15
a) Perda renal de bicarbonato
b) Acidose Lática
c) Cetoacidose diabética
d) Rabdomiólise maciça
e) Intoxicação por salicito
Um paciente com acidose metabólica grave tem os seguintes eletrólitos: Na- 132; K-
6,5; Cl- 113 e HCO3- 9. Qual alternativa apresenta uma possível causa da acidemia
deste paciente?
AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 15
AG = 132 – (113 + 9) = 10.
Anion GAP normal
= (40 – 15) ÷ 5 + 24  29
 É uma estimativa da diferença de
concentração de oxigênio no alvéolo e na
artéria.
 A-a aumentado = Insuficiência respiratória
hipoxêmica
▪ Distúrbios V/Q – responde ao O2
▪ Shunt – não responde ao O2
A-a = (pAtm – pH2O) x FiO2 – pO2 – pCO2/Resp Q*
*Resp Q = 0,8 sem em ar ambiente e 1,0 c/O2 suplementar
 pH = 7.23
 pCO2 = 22
 HCO3
-
= 10
 Está compensado?
 = 10x1,5 + 8 = 23
Acidose
Baixo = Alcalino
Baixo = Ácido
pH = 7,35 – 7,45
pCO2 = 35 – 45 mmHg
pO2 = 80 – 100 mmHg
SO2 = 96 – 98 %
BE= -2 /+2
HCO3 = 22 – 24 mEq/l
ACIDOSE METABÓLICA
compensada
pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2)
 Qual a causa da acidose metabólica desse paciente?
 Cetoacidose diabética (normoclorêmica)?
 Perdas gastrointestinais (hiperclorêmica)?
 PARA DESCOBRIR, CALCULE O ÂNION GAP!
 AG = 135 – (83+10) = 42  NORMOCLORÊMICA
 Logo, a acidose é secundária a cetoacidose diabética.
AG = NA- (CL + HCO3) VR: <
15
 pH = 7.20
 pCO2 = 82
 HCO3
-
= 29
 Trata-se de uma acidose respiratória aguda ou crônica?
 AGUDA = 28.2
 CRÔNICA: 36
Acidose
Alta= Ácido
Alto= Básico
ACIDOSE RESPIRATÓRIA
AGUDA
Aguda: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 10 + 24
Crônica: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 3.5 + 24.
Regulação do equilíbrio ácido-básico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Cristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínicaCristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínica
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Aula de gasometria
Aula de gasometriaAula de gasometria
Aula de gasometria
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 

Semelhante a Regulação do equilíbrio ácido-básico

Insuficiencia Respiratoria
Insuficiencia RespiratoriaInsuficiencia Respiratoria
Insuficiencia RespiratoriaFlávia Salame
 
Distúrbios ácido básicos2.pdf
Distúrbios ácido básicos2.pdfDistúrbios ácido básicos2.pdf
Distúrbios ácido básicos2.pdfNayara85
 
Distúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoDistúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoAntonio Souto
 
Introdução a Gasometria Arterial
Introdução a Gasometria ArterialIntrodução a Gasometria Arterial
Introdução a Gasometria ArterialFelipe Patrocínio
 
Acido base-medicina1
Acido base-medicina1Acido base-medicina1
Acido base-medicina1mateus98
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterialBrendel Luis
 
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...LAEC UNIVAG
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Pedro Miguel
 
Distúrbios do equilíbrio ácido-base
Distúrbios do equilíbrio ácido-baseDistúrbios do equilíbrio ácido-base
Distúrbios do equilíbrio ácido-baseJuliana Lima
 
Soluções tampão
Soluções tampãoSoluções tampão
Soluções tampãoLuis Ribeiro
 
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdflarissafaria39
 
tampoes_biologicos.pdf
tampoes_biologicos.pdftampoes_biologicos.pdf
tampoes_biologicos.pdfInciaLeal2
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoPaulo Filho
 

Semelhante a Regulação do equilíbrio ácido-básico (20)

Insuficiencia Respiratoria
Insuficiencia RespiratoriaInsuficiencia Respiratoria
Insuficiencia Respiratoria
 
Gaso
GasoGaso
Gaso
 
Gasometria
GasometriaGasometria
Gasometria
 
Distúrbios ácido básicos2.pdf
Distúrbios ácido básicos2.pdfDistúrbios ácido básicos2.pdf
Distúrbios ácido básicos2.pdf
 
Distúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoDistúrbio acido básico
Distúrbio acido básico
 
Equilibrio acido basico
Equilibrio acido basicoEquilibrio acido basico
Equilibrio acido basico
 
Introdução a Gasometria Arterial
Introdução a Gasometria ArterialIntrodução a Gasometria Arterial
Introdução a Gasometria Arterial
 
Ácido Base e Gasometria - Drª Nádia Almosny
Ácido Base e Gasometria - Drª Nádia AlmosnyÁcido Base e Gasometria - Drª Nádia Almosny
Ácido Base e Gasometria - Drª Nádia Almosny
 
Acido base-medicina1
Acido base-medicina1Acido base-medicina1
Acido base-medicina1
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...
Liga acadêmica de emergências clínicas - GASOMETRIA APLICADAS ÀS EMERGÊNCIAS ...
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
 
Distúrbios do equilíbrio ácido-base
Distúrbios do equilíbrio ácido-baseDistúrbios do equilíbrio ácido-base
Distúrbios do equilíbrio ácido-base
 
Soluções tampão
Soluções tampãoSoluções tampão
Soluções tampão
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf
2.3. DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE EXAMES HEMOGASOMETRIA (1).pdf
 
Acido base.ppt
Acido base.pptAcido base.ppt
Acido base.ppt
 
tampoes_biologicos.pdf
tampoes_biologicos.pdftampoes_biologicos.pdf
tampoes_biologicos.pdf
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 

Mais de Flávia Salame

TCAR de tórax: Princípios Básicos
TCAR de tórax: Princípios BásicosTCAR de tórax: Princípios Básicos
TCAR de tórax: Princípios BásicosFlávia Salame
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaFlávia Salame
 
Doenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais PulmonaresDoenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais PulmonaresFlávia Salame
 
Pneumopatias Intersticiais
Pneumopatias IntersticiaisPneumopatias Intersticiais
Pneumopatias IntersticiaisFlávia Salame
 
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDALesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDAFlávia Salame
 
Teste Xpert para diagnóstico da Tuberculose
Teste Xpert para diagnóstico da TuberculoseTeste Xpert para diagnóstico da Tuberculose
Teste Xpert para diagnóstico da TuberculoseFlávia Salame
 
Distúrbios Respiratórios do Sono
Distúrbios Respiratórios do SonoDistúrbios Respiratórios do Sono
Distúrbios Respiratórios do SonoFlávia Salame
 
Distúrbios do equilíbrio ácido-básico
Distúrbios do equilíbrio ácido-básicoDistúrbios do equilíbrio ácido-básico
Distúrbios do equilíbrio ácido-básicoFlávia Salame
 
Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaManual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaFlávia Salame
 
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010Flávia Salame
 
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificado
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificadoCronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificado
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificadoFlávia Salame
 
Micoses pulmonares uea
Micoses pulmonares ueaMicoses pulmonares uea
Micoses pulmonares ueaFlávia Salame
 
7 insuficiencia respiratoria
7 insuficiencia respiratoria7 insuficiencia respiratoria
7 insuficiencia respiratoriaFlávia Salame
 

Mais de Flávia Salame (20)

TCAR de tórax: Princípios Básicos
TCAR de tórax: Princípios BásicosTCAR de tórax: Princípios Básicos
TCAR de tórax: Princípios Básicos
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Silicose
SilicoseSilicose
Silicose
 
Asma ocupacional
Asma ocupacionalAsma ocupacional
Asma ocupacional
 
Asbestose
AsbestoseAsbestose
Asbestose
 
Doenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais PulmonaresDoenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais Pulmonares
 
Pneumopatias Intersticiais
Pneumopatias IntersticiaisPneumopatias Intersticiais
Pneumopatias Intersticiais
 
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDALesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
 
Teste Xpert para diagnóstico da Tuberculose
Teste Xpert para diagnóstico da TuberculoseTeste Xpert para diagnóstico da Tuberculose
Teste Xpert para diagnóstico da Tuberculose
 
Distúrbios Respiratórios do Sono
Distúrbios Respiratórios do SonoDistúrbios Respiratórios do Sono
Distúrbios Respiratórios do Sono
 
Acido base pucsp
Acido base pucspAcido base pucsp
Acido base pucsp
 
Distúrbios do equilíbrio ácido-básico
Distúrbios do equilíbrio ácido-básicoDistúrbios do equilíbrio ácido-básico
Distúrbios do equilíbrio ácido-básico
 
Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaManual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição Médica
 
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010
Guia Antimicrobianos do HUPE - EURJ - 2010
 
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificado
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificadoCronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificado
Cronograma de aulas_teóricas-01-2014(2)-modificado
 
Micoses pulmonares uea
Micoses pulmonares ueaMicoses pulmonares uea
Micoses pulmonares uea
 
7 insuficiencia respiratoria
7 insuficiencia respiratoria7 insuficiencia respiratoria
7 insuficiencia respiratoria
 
Sdra consenso vm
Sdra consenso vmSdra consenso vm
Sdra consenso vm
 
Sdra fmrpusp
Sdra fmrpuspSdra fmrpusp
Sdra fmrpusp
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (6)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 

Regulação do equilíbrio ácido-básico

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA ETISIOLOGIA
  • 2. Regulação do Equilíbrio Ácido – Básico Moléculas capazes de liberar íons H(+) = Ácidos Moléculas capazes de receber /consumir íons H(+) = Bases
  • 3.  1909  Soren Peter Lauritz  Bioquímico Dinarmaquês (Cervejaria)  “p” – Potenz = Poder de concentração.  “H”- Refere-se ao íon Hidrogênio
  • 4.  Conjunto de substâncias que impedem grandes variações do pH.  Ácido fraco + base fraca.
  • 6. 1) Tampões Plasmáticos - Tendem a se opor à mudanças de pH - ↓ o efeito de ácidos ou bases adicionados nos liquidos corporais - Atuação imediata 2) Sistema Pulmonar - elimina ou retém CO2 (Hiperventilação ou Hipoventilação) - atuação em minutos a horas 3) Sistema Renal - Filtração de Bicarbonato, filtração de cloreto de sódio, excreção de bicarbonato de sódio (Alcalose) = excreção de urina ácida ou alcalina, reajustando a concentração de íons hidrogênio do líquido extracelular normal durante a acidose ou alcalose - atuação em horas ou dias
  • 7.  Utilizada para cálculo do pH em uma solução tampão
  • 8.  Exprime a eficácia das trocas gasosas através da membrana alveolocapilar  Valores normais: de 80 a 100 mmhg  ↓ 60 mmhg = hipoxemia significativa  Relacionar PaO2 com fiO2 ofertada  PaO2 diminuida:  Insuficiência ventilatória isolada  Insuficiência Respiratória Hpoxêmica SHUNT DISTÚRBIO V/Q
  • 9.  Eficácia da ventilação alveolar  Valores normais: de 35 a 45 mmhg  Reflete distúrbios respiratórios do pH  ↓PaCO2 = hiperventilação = Alcalose respiratória  ↑PaCO2 = hipoventilação = Acidose respiratória
  • 10.  Concentração depende da função renal  Valores normais: de 22 a 24mMol/l  Reflete distúrbios metabólicos  ↓HCO3 = pH = acidose metabólica↓  ↑HCO3 = pH = alcalose metabólica↑
  • 11.  Nos indica se o organismo perdeu ou ganhou bases.  Quando baixo indica perda de bases  Quando alto indica ganho de bases  Nos ajuda a distinguir distúrbios agudos dos distúrbios crônicos  Nos auxília a avaliar a gravidade  Ex: > + 10 = Alcalose grave; < -10 = Acidose grave
  • 12.  É o volume de ar que entra e sai dos alvéolos  Conceitos relacionados: ▪ Hiperventilação: Aumento da taxa de ventilação alveolar ▪ Hipoventilação: Diminuição da taxa de ventilação alveolar
  • 13.  Incapacidade dos pulmões de realizarem a troca gasosa.  Mecanismos:  Distúrbios Respiratórios relacionados ao meio ambiente  Insuficiência ventilatória  Distúrbios da Troca gasosa
  • 14.  Exposição ao ar rarefeito (Altas altitudes) ▪ Hipóxia  Hiperventilação reativa  Intoxicação por monóxido de carbono ▪ Alta afinidade de ligação à hemoglobina
  • 15.  A renovação do ar alveolar se torna reduzida  Aumento da PACO2 - Retenção de CO2 (hipercapnia) - Acidose respiratória.  Quando instalação lenta: Compensação renal (HCO3)  Reflexo: BE elevado.  Ex: pH 7.34, PaCO2 80,HCO3 40, BE + 10
  • 16.  Perda do drive respiratório bulbar  Lesão medular ou neuropatia periférica comprometendo nervo frênico  Doença muscular ou da placa motora  Obstrução de vias aéreas superiores (obst. Alta)  Fadiga da musculatura respiratória  Comprometimento da expansibilidade toracica  PCR
  • 17.  Distúrbio da V/Q ▪ Crise asmática ▪ Atelectasias ▪ DPOC ▪ TEP ▪ Congestão pulmonar ▪ SDRA ▪ Pneumonia  Shunt pulmonar (relação V/Q= Zero) ▪ Edema pulmonar cardiogênico ▪ SDRA ▪ Malformações arteriovenosas ▪ Síndrome hepatopulmonar
  • 18. VALORES NORMAIS DE GASOMETRIA ARTERIAL pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l
  • 19.  Acidose respiratória  Alcalose respiratória  Acidose metabólica  Alcalose metabólica  Acidose mista  Alcalose mista
  • 20. OLHE PARA O PH ATENÇÃO: o pH pode estar normal na presença de um distúrbio misto, particularmente se outros parâmetros da gasometria estiverem anormais.
  • 21. OLHE PARA A PACO2 E PARA O HCO3 Que processo AB (alcalose,acidose) está contribuindo para o pH anormal? Nos distúrbios AB simples, ambos os valores são anormais e a direção da alteração anormal é a mesma para ambos os parâmetros. -um valor anormal será a alteração inicial e o outro será a resposta compensatória.
  • 22. A alteração inicial será o valor anormal que se correlaciona com o pH anormal. Se alcalose: Pco2 - estará BAIXA ou HCO3- estará ALTO Se acidose: pCO2 - estará ALTO ou HCO3- estará BAIXO Achou a alteração inicial? Ótimo! Então o outro parâmetro anormal será a resposta compensatória.
  • 23. Se o pCO2 é a alteração química inicial,então, o processo é respiratório Se o HCO3- é alteração química inicial, então, o processo é metabólico
  • 24.  Ph= 7.32  pCO2=52  HCO3 - =24 Acidose Alto = Ácido Normal ACIDOSE RESPIRATÓRIA pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l
  • 25.  pH = 7.32  pCO2=42  HCO3 - =19 Acidose Normal Baixo = Ácido pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l ACIDOSE METABÓLICA
  • 26.  pH= 7.49  PCO2 = 33  HCO3 - = 23 pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l Alcalose Baixo = Alcalino Normal ALCALOSE RESPIRATÓRIA
  • 27.  pH = 7.49  Pco2= 44  HCO3 -= 32 pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l Alcalose Normal Alto = Alcalino ALCALOSE METABÓLICA
  • 28. 1. Respiratória  Variação do pH por distúrbio metabólico  estimulo do centro respiratório (SNC)  Alteração do drive respiratório. 1. Metabólica (renal)  Variação do pH por distúrbio respiratório  Estímulo para os rins ajustarem HCO3 (lenta).
  • 29.  Acidose Metabólica  Hiperventilação  PaCO2  Como saber se a regulação está dentro do esperado?  Alcalose Metabólica  Hipoventilação  Como saber se a regulação está dentro do esperado? pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2) pCO2 esperada = HCO3 + 15 (+/- 2)
  • 30.  Na Alcalose Respiratória  Aguda: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 5 + 24  Crônica: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 2 + 24  Na Acidose Respiratória  Aguda: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 10 + 24  Crônica: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 3.5 + 24. ATENÇÃO: RESPOSTA LENTA!!!!!
  • 31.
  • 32.  pH = 7.05  Pco2= 55  HCO3 -= 8 pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l Baixo Alto= Acido Baixo = Ácido Acidose Mista
  • 33.  pH=7.31  Pco2= 52  pO2=80  HCO3 - = 19  EB = -4  spO2 = 95% Acidose Alto = Ácido Baixo = Ácido pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH! ACIDOSE MISTA
  • 34.  Ph=7.49  PCO2=31  HCO3 = 32 Alcalose Baixo = Alcalino Alto = Alcalino pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 26 mEq/l Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH! ALCALOSE MISTA
  • 35.  pH = 7.42  Pco2= 15  HCO3 -= 9 pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l Normal Baixo= Alcalino Muito Baixo = Ácido E AGORA??? O pH normal não exclui nesse caso que não haja nenhum distúrbio ácido-básico. Mas e então.... Estamos diante do que? Distúrbio Misto: Acidose Metabólica + Alcalose Respiratória?? Um compensando o outro? Quem está compensando quem?
  • 36.  Alteração 1 - Acidose Metabólica  PCO2 esperada = (9x1,5) + 8 = 21.5 (bem longe do 15)  Alteração 2- Alcalose Respiratória  Aguda: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 5 + 24 ▪ = (40 – 15) ÷ 5 + 24  29 (Bem longe do 9)  Crônica: HCO3 esperado = (40 - PCO2) ÷ 2 + 24 ▪ = (40 – 15) ÷ 2 + 24  36,5 (Bem longe do 9) pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2) NESSE CONTEXTO, RESPOSTA COMPENSATÓRIA NÃO ESPERADA EM NENHUM = DISTÚRBIO MISTO SE HOUVESSE RESPOSTA ESPERADA EM UM DELES CONSIDERARIA-SE COMO DISTÚRBIO PRIMÁRIO O QUE NÃO ACOMPANHOU E O COMPENSADO COMO SENDO A RESPOSTA AO DISTÚRBIO PRIMÁRIO.
  • 37.  Ajuda a identificar qual o tipo de acidose metabólica  Quando alto = acrescimo de outros ácidos (normoclorêmicas) ▪ Ex: acidose lática, cetoacidose diabética, síndrome urêmica, intoxicações exógenas, rabdomiólise maciça.  Quando normal= Hiperclorêmicas. Não houve acréscimo de outros ácidos. ▪ Perdas GI, acidose tubular, hipoaldo, IRC em fase não avançada. AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 15
  • 38. a) Perda renal de bicarbonato b) Acidose Lática c) Cetoacidose diabética d) Rabdomiólise maciça e) Intoxicação por salicito Um paciente com acidose metabólica grave tem os seguintes eletrólitos: Na- 132; K- 6,5; Cl- 113 e HCO3- 9. Qual alternativa apresenta uma possível causa da acidemia deste paciente? AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 15 AG = 132 – (113 + 9) = 10. Anion GAP normal = (40 – 15) ÷ 5 + 24  29
  • 39.  É uma estimativa da diferença de concentração de oxigênio no alvéolo e na artéria.  A-a aumentado = Insuficiência respiratória hipoxêmica ▪ Distúrbios V/Q – responde ao O2 ▪ Shunt – não responde ao O2 A-a = (pAtm – pH2O) x FiO2 – pO2 – pCO2/Resp Q* *Resp Q = 0,8 sem em ar ambiente e 1,0 c/O2 suplementar
  • 40.
  • 41.  pH = 7.23  pCO2 = 22  HCO3 - = 10  Está compensado?  = 10x1,5 + 8 = 23 Acidose Baixo = Alcalino Baixo = Ácido pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l ACIDOSE METABÓLICA compensada pCO2 esperada = (HCO3 x 1,5) + 8 (+/- 2)
  • 42.  Qual a causa da acidose metabólica desse paciente?  Cetoacidose diabética (normoclorêmica)?  Perdas gastrointestinais (hiperclorêmica)?  PARA DESCOBRIR, CALCULE O ÂNION GAP!  AG = 135 – (83+10) = 42  NORMOCLORÊMICA  Logo, a acidose é secundária a cetoacidose diabética. AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 15
  • 43.  pH = 7.20  pCO2 = 82  HCO3 - = 29  Trata-se de uma acidose respiratória aguda ou crônica?  AGUDA = 28.2  CRÔNICA: 36 Acidose Alta= Ácido Alto= Básico ACIDOSE RESPIRATÓRIA AGUDA Aguda: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 10 + 24 Crônica: HCO3 esperado = (PCO2 -40) ÷ 3.5 + 24.

Notas do Editor

  1. Afinidade 240 vezes maior que o oxigênio