05 os selos e a obra do selamento

1.302 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

05 os selos e a obra do selamento

  1. 1. OS SELOS E A OBRA DO SELAMENTO I. TEXTO BÁSICO. Apoc. 4:1 a 8:1 II. TEMA – TERMINAÇÃO DA OBRA DE SALVAÇÃO NO SANTUÁRIO CELESTIAL, OS JUSTOS TRIUNFANTES, OS ÍMPIOS PERDIDOS. DESDOBRAMENTO DAS CENAS: A. Deus o Pai sobre o Seu trono : Apoc. 4 1. Uma porta aberta para o local do trono no céu: V. 1; Ezeq. 1:1 a. Deus assentado sobre o trono Apoc. 4:2; Dan. 7:9; Isa. 6:1 (1) Semelhante ‘a pedra jaspe e sardônica: Apoc. 4:3; Êx. 8:17, 20. Comp. Isa. 63:2-4; Apoc. 19:12-15. Revised Standard Version: “Semelhante ao jaspe e cornalina” Jaspe – cor vermelha; última pedra no peitoral do sumo sacerdote Sardônica – pedra preciosa avermelhada; primeira pedra no peitoral do sumo sacerdote. b. Um arco-íris sobre o trono Apoc. 4:5; Ezeq. 1:28 “Como o arco na nuvem é formado pela união da luz do sol e dachuva, também o arco-íris ao redor do trono representa o poder combinadoda justiça e misericórdia... É a união da justiça e misericórdia que torna asalvação completa e plena.” – E. G. White, SpTM, n. 1, 44, 45. “Assim como o arco nas nuvens resulta da união da luz solar e dachuva, o arco acima do trono de Deus representa a união de Suamisericórdia e justiça.” – Ed.,115.
  2. 2. Os Selos e a Obra do Selamento 2 “No Céu, uma semelhança de arco-íris rodeia o trono, e estende-secomo uma abóbada por sobre a cabeça de Cristo. ... Quando o homem pelasua grande impiedade convida os juízos divinos, o Salvador, intercedendojunto ao Pai em seu favor, aponta para o arco nas nuvens, para o arcoceleste em redor do trono e acima de Sua cabeça, como sinal damisericórdia de Deus para com o pecador arrependido.” – PP., 107. c. Vinte e quatro anciãos Apoc. 4:4, 10, 11 (1) Vinte e quatro ordens de sacerdotes I Crôn. 24:1-18; Heb. 8:2, 5; 9:23-24. (2) Redimidos desta terra Apoc. 5:9; Mat. 27:52; Ef. 4:8. (3) Assentados sobre tronos Apoc. 4:4, 20:4-6; Dan. 7:22; I Cor. 6:2, 3. A palavra grega usada neste texto é ‘thronoi’ ou tronos. American Standard Version: “Ao redor do trono estavam vinte e quatro tronos, e assentados nos tronos estavam vinte e quatro anciãos.” (4) Vestidos brancos - Apoc. 19:8 (5) Coroas de ouro - II Tim. 4:8 (6) Adoravam a Deus - Apoc. 4:10, 11. (7) Suas funções “Encontro, então, nestes anciãos entronizados, a manifestação maiselevada de glória dos santos ressurretos glorificados. Eles estão no céu.Encontram-se ao redor do trono da divindade. São puros e santos, comtrajes brancos, que são a justiça dos santos. São participantes do domíniocelestial. São reis da glória com coroas de ouro. Estão estabelecidos, e nolar de suas dignidades exaltadas; não em pé esperando como servos, masassentados como conselheiros reais do Todo-Poderoso. São assistentes doGrande Juiz de vivos e mortos, e participantes no julgamento do mundo porseus pecados.” – J. A. Seiss, The Apocalypse, vol. I, 253. d. Relâmpagos, trovões e vozes Apoc 4:5; Êx. 19:16; Apoc. 11:19; 16:17-19; I Sam. 22:14,15.
  3. 3. Os Selos e a Obra do Selamento 3 “...Os terrores do Sinai deviam representar ao povo as cenas do juízo.O som de uma trombeta convocou Israel a encontrar-se com Deus. A voz doArcanjo e a trombeta de Deus convocarão, da Terra toda, tanto os vivoscomo os mortos, à presença de seu Juiz. O Pai e o Filho, acompanhados poruma multidão de anjos, estavam presentes no monte. No grande dia dojuízo, Cristo virá "na glória de Seu Pai, com os Seus anjos". Mat. 16:27. EleSe assentará então no trono de Sua glória, e diante dEle reunir-se-ão todasas nações.” – PP., 339. e. Sete lâmpadas de fogo - Apoc. 4:5; 1:4; 5:6; Zac. 4:10; Prov. 15:3; Heb. 4:13 “Sendo em visão concedida a João uma vista do templo de Deus noCéu, contemplou ele ali "sete lâmpadas de fogo" (Apoc. 4:5) que ardiamdiante do trono. Viu um anjo, "tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dadomuito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altarde ouro, que está diante do trono". Apoc. 8:3. Com isto permitiu-se aoprofeta ver o primeiro compartimento do santuário celestial; e viu ali as "setelâmpadas de fogo’.” – PP., 356. f. Mar de vidro - Apoc. 4:6; 15:2; Ezeq. 1:22; 28:14; Êx. 24:10 g. Quatro criaturas viventes - Apoc. 4:6-9 A tradução que aparece na versão inglesa do rei Tiago ‘quatro bestas’ é uma das mais infelizes em toda a Bíblia. O termo grego ‘zoa’ significa ‘ser vivente’. Tradução de Knox: “E no centro, onde o trono estava, ao redor desse trono estavam quatro figuras viventes, que tinham olhos em todos os lugares para ver para frente e para trás.” Revised Standard Version: “E ao redor do trono, de cada lado do trono, estão quatro criaturas viventes, cheias de olhos na frente e atrás.” Tradução de Weymouth: “E ao redor, acima do trono, entre eles e os anciãos estavam quatro criaturas viventes, cheias de olhos na frente e atrás.”
  4. 4. Os Selos e a Obra do Selamento 4 (1) Em número de – quatro (a) Quatro – universalidade, número que tudo inclui: Apoc. 7:1; Ezeq. 7:2; Mat. 24:31; Mar. 13:27 (2) Sua localização – nos quatro lados do trono (3) Sua aparência (a) Olhos em todos os lugares (b) Natureza quádrupla 1) Primeiro, semelhante a um leão. 2) Segundo, semelhante a um bezerro. 3) Terceiro, semelhante a um homem. 4) Quarto, semelhante a uma águia. (c) Seis asas. (4) Sua adoração de Deus. (a) Dão glória, honra e ações de graças a Deus. (5) Sua relação com outros caracteres bíblicos (a) Serafim 1) Acima de Deus assentado no Seu trono - Isa. 6:1,2 2) Tem seis asas Isa. 6:2 3) Exclamam ‘Santo, Santo, Santo’ - Isa. 6:3 (b) Querubim 1) Em número de quatro - Ezeq. 10:9, 10 2) Em presença do trono - Ezeq. 10:1; I Sam. 4:4 3) Tem quatro asas - Ezeq. 10:5, 12, 21 4) Cheio de olhos - Ezeq. 10:12 5) Tinham quatro rostos Ezeq. 10:14, 21, 22 (c) As criaturas viventes de Ezequiel 1 1) Em número de quatro - Ezeq. 1:5 2) Diante do trono - 1:22, 26-28 3) Tinham quatro asas - 1:6 4) Tinham quatro rostos - 1:6, 10 a) Semelhantes a um homem b) O lado direito semelhante a um leão
  5. 5. Os Selos e a Obra do Selamento 5 c) O lado esquerdo semelhante a um boi d) Semelhante a uma águia. (d) Os carros de Zacarias 1) Em número de quatro - Zac. 6:1 2) Espíritos dos céus - 6:5 3) Em pé diante de Deus - 6:5 4) Cavalos de quatro cores a) Vermelho - Zac. 6:2 b) Preto - 6:2 c) Branco - 6:3 d) Grisalho 6:3 5) Os carros de Deus são anjos - Sal. 68:17 “Jesus então usou vestes preciosas. ... Quando ficou completamenteataviado, achou-Se rodeado pelos anjos, e em um carro chamejante passoupara dentro do segundo véu.” – PE., 251. (e) O cavaleiro de Zacarias 1) Montado num cavalo vermelho - Zac. 1:8 2) Outros cavaleiros Tradução de Moffat: “E atrás dele cavaleiros em cavalos que eram castanhos, pretos, avermelhados e brancos.” 3) Aqueles que o Senhor enviou à terra - Zac. 1:10 (f) As figuras dos estandartes das tribos Segundo a tradição judaica, as tribos de Israel acampadas nodeserto ao redor do tabernáculo, estavam sob as insígnias de certas tribos– para o oriente sob o estandarte de Judá, um leão; para o sul, Ruben, umhomem; para o ocidente, Efraim, um boi; para o norte, Dã, uma águia. O breve quadro que nos é dado em Apocalipse cap. 4, das quatrocriaturas viventes, revela pouco a respeito de sua natureza exata e dassuas responsabilidades. Entretanto, ao ajuntarmos todas as informaçõesaproveitáveis consegue-se algumas idéias a respeito de suas funções. A
  6. 6. Os Selos e a Obra do Selamento 6sua proximidade do trono deve indicar que são personagens de grandeimportância. Eles ministram e permanecem bem na presença de Deus.Estão mais próximos do trono do que os vinte e quatro anciãos. Estãonos quatro lados do trono. Todas as funções do trono, são também suasfunções. Têm olhos em todos os lugares, de maneira que vêem tudo,capacitados para registrar e dirigir com perfeita sabedoria econhecimento. São eles que regem a adoração diante do trono de Deus,pois foi, quando levantaram suas vozes em louvor e glória, que os vinte equatro anciãos se prostraram em adoração diante do Criador do céu e daTerra. Possuem um caráter quádruplo em que combinam a sabedoria e aonisciência de todos os ramos da criação, – a razão, inteligência,devoção e ardor espiritual do homem, a majestade, coragem e audácia doleão; a submissão, paciência e força do boi, e a visão, a vista penetrante,a rapidez de ação e o notável poder da águia. Estando ligados ao santuário de Deus no céu, as criaturas viventesdevem ter algumas responsabilidades de importância em ligação com osserviços do santuário e com a obra de Deus em salvar os homens. Seuserviço, forçosamente, deve ser de natureza diferente ao dos vinte equatro anciãos que eram representados no santuário terrestre pelas vintequatro ordens de sacerdotes. As criaturas viventes ao redor do trono deDeus são representadas no santuário terrestre pelos querubins sobre opropiciatório, representando por sua vez as hostes angélicas. “Em cada extremidade do propiciatório estava fixo um querubim deouro maciço. Suas faces voltavam-se um para o outro, e olhavamreverentemente para o propiciatório embaixo, e representam todos os anjosdo céu que com interesse e reverência olham a lei de Deus.” – 1 SP., 272. Enquanto que os anciãos representam os homens diante de Deus, ascriaturas viventes são representantes de Deus ao homem. Enquanto queos anciãos são conselheiros junto a Deus, as criaturas viventes sãoobservadores e executores de Deus, dos divinos decretos. Enquanto queo serviço dos anciãos é junto de Deus no céu, o serviço das criaturasviventes é tanto no grande santuário do céu como entre os justos e os
  7. 7. Os Selos e a Obra do Selamento 7pecadores da terra....” “E, quanto aos anjos, diz: ’O que de seus anjos fazventos, e de seus ministros labareda de fogo.’ ” Heb. 1:7. Muito emboraas criaturas viventes possam ser reconhecidas mais propriamente comoacima dos anjos, aqueles que vivem ao lado de Deus e às ordens deDeus, prontos para serem instantaneamente mandados a qualquer partedeste mundo ou do grande universo de Deus. Acham-se em todos osquatro pontos da bússola, comandando silenciosa e invisivelmente todasas atividades de Deus, dirigindo os negócios da terra de conformidadecom os planos do céu. Um conhecimento mais completo das atividades destas criaturasviventes pode ser conseguido através do estudo de um material comoaquele que se tornou de utilidade para o povo de Deus. (a) Querubim 1) Idêntico às criaturas viventes - Ezeq. 10:15, 20; 1:5, 10 2) Deus habita entre os querubins I Sam. 4:4; II Sam. 6:2; Sal. 99:1 3) Lúcifer foi querubim ungido - Ezeq. 28:14, 16. 4) Gabriel agora ocupa a primitiva posição de Lúcifer: DTN., 780, 693, 234. a) Está na presença de Deus - Luc. 1:19 b) Enviado aos servos de Deus - Dan. 8:16; 9:21; Luc. 1:19, 26 c) Enviado para combater os poderes de Satanás: PR., 571, 572 5) Guarda o caminho da árvore da vida - Gên. 3:24 6) A glória de Deus se retira do querubim ao caírem os juízos finais - Ezeq. 9:3; 10:4. 7) No tempo do juízo brasas de fogo são tomadas dentre os querubins e espalhadas - Ezeq. 10:2,6,7. 8) O sonido das asas dos querubins como a voz de Deus Ezeq. 10:5. 9) Um forma de mão de homem sob as asas do querubim Ezeq. 10:8.
  8. 8. Os Selos e a Obra do Selamento 8 10) Quatro rodas, uma com cada querubim Ezeq. 10:9 a) Rodas cor de berilo - Ezeq. 10:9 b) Uma roda no meio de outra roda - Ezeq. 10:10 c) Não se viravam ao andar - Ezeq. 10:11. d) As rodas são cheias de olhos - Ezeq. 10:12. e) Uma voz chama as rodas Ezeq. 10:13. f) As rodas se movem com os querubins - 10:16, 19. g) O espírito das criaturas viventes está nas rodas: Ezeq. 10:17 11) A glória de Deus levanta-se do limiar da entrada e pára de novo sobre os querubins - Ezeq. 10:18. 12) Os querubins levantam-se da terra e postam-se à porta do lado oriental da casa de Deus - Ezeq. 10:19. (b) As criaturas viventes de Ezequiel 1) Quatro criaturas viventes emergem de uma nuvem, fogo e vento tempestuoso do norte - Ezeq. 1:4,5 2) A mão de um homem sob suas asas - Ezeq. 1:8. 3) Vão aonde o Espírito vai - Ezeq. 1:12. 4) Não se viram quando andam - Ezeq. 1:17. 5) Semelhantes a brasas chamejantes de fogo; relâmpagos se desprendem do fogo - Ezeq. 1:13. 6) Vão e voltam como os lampejos do relâmpago - Ezeq. 1:14. 7) Rodas sobre a terra junto às criaturas viventes - Ezeq. 1:15. a) Rodas iguais ao berilo - Ezeq. 1:16 b) Uma roda dentro de outra roda - 1:16 c) Não se viravam ao andarem - 1:17 d) Cambas tão altas que metem medo - 1:18 e) Cambas cheias de olhos - 1:18 f) As rodas andam junto com as criaturas viventes - 1:19 g) Vão para qualquer parte que o Espírito vai - 1:20,21 h) O Espírito das criaturas viventes está nas rodas - 1:20,21. 8) O ruído das suas asas é audível quando andam - Ezeq. 1:24.
  9. 9. Os Selos e a Obra do Selamento 9 a) Como o ruído de muitas águas. b) Como a voz do Todo-Poderoso. c) Como a voz de um exército 9) A semelhança de um trono acima deles - Ezeq. 1:26. a) Um assentado sobre o trono - Ezeq. 1:26 (1) Com o aspecto de âmbar ou fogo - Ezeq. 1:27. b) Um arco como de chuva ao redor do trono - Ezeq. 1:28. (c) Os carros de Zacarias 1) Quatro carros - Zac. 6:1 2) Cavalos de quatro cores - Zac. 6:2,3 a) Vermelho b) Preto c) Branco d) Moreno ou grisalho 3) São os quatro espíritos do céu - Zac. 6:5 4) Da presença do Senhor vão para toda a terra - Zac. 6:5; comp. Luc. 1:19. 5) Sua obra está nas várias partes da terra Zac. 6:6-8 Tradução de Moffat: “Eles estavam ansiosos para estar livres e patrulhar a terra; tanto que ele disse, ‘Sede livres e patrulhai a terra.’ ” 6) Eles aquietam o Espírito de Deus - Zac. 6:8; comp. Zac. 8:2; 9:3,4,13,14; 12:8,9. Tradução de Moffat: “Vede, aqueles que vão para a terra do norte abrandarão a minha ira contra a terra do norte.” (d) Os cavaleiros montados de Zacarias 1) Cavalos de cores variadas - Zac. 1:8 Tradução de Moffat: “Era noite, e num sonho vi um homem (montado num cavalo castanho) postado entre as murtas no vale, e atrás dele cavaleiros em cavalos que eram castanhos, pretos, morenos e brancos.”
  10. 10. Os Selos e a Obra do Selamento 10 Tradução da Septuaginta: “Olhei de noite e vi um homem montado num cavalo vermelho, e postado entre as sombras das montanhas; e atrás dele estavam cavalos vermelhos, e cinzentos, e malhados e brancos.” 2) Mensageiro de Deus para andar por todos os lugares da terra - Zac. 1:10. Tradução de Moffat: “Estes são os correios que o Eterno enviou para patrulhar a terra.” 3) Sua missão terminada - Zac. 1:11; comp. vv. 14-16, 21; 2:8. (e) Agentes celestiais dirigem os negócios humanos “Nos anais da história humana o crescimento das nações, olevantamento e queda de impérios aparecem como dependendo da vontadee façanhas humanas. O desenvolver dos acontecimentos em grande parteparece, determinar-se por seu poder, ambição ou capricho. Na Palavra deDeus, porém, afasta-se a cortina, e contemplamos ao fundo, em cima, e emtoda a marcha e contramarcha dos interesses, poderio e paixões humanas,a força de um Ser Todo-Misericordioso, a executar, silenciosamente,pacientemente, os conselhos de Sua própria vontade. ... “Conquanto as nações rejeitassem os princípios de Deus, e em suarejeição operassem a sua própria ruína, todavia era manifesto que opredominante propósito divino estava agindo através de todos os seusmovimentos. “Esta lição é ensinada por meio de uma maravilhosa representaçãosimbólica exibida ao profeta Ezequiel. ...Os símbolos que lhe foramapresentados revelavam, porém, um poder superior ao dos governantesterrestres... “Algumas rodas, cruzando-se entre si, eram movidas por quatrocriaturas viventes. ...As rodas eram tão complicadas em seu arranjo que aprimeira vista pareciam estar em confusão: mas moviam-se em perfeitaharmonia. Seres celestiais, sustidos e guiados pela mão que estava sob asasas dos querubins, impeliam aquelas rodas; acima delas, sobre o trono desafira, estava o Eterno; e em redor do trono um arco-íris – emblema damisericórdia divina.
  11. 11. Os Selos e a Obra do Selamento 11 “Assim como aquela complicação de semelhanças de rodas se achavasob a direção da mão que havia sob as asas dos querubins, o complicadojogo dos sucessos humanos acha-se sob a direção divina. Por entre ascontendas e tumultos das nações, Aquele que Se assenta acima dosquerubins ainda dirige os negócios da terra.” – Educ. 173,177,178. “Nas visões dadas a Isaías, Ezequiel e João, vemos o interesse que oCéu toma nos acontecimentos da Terra e quão grande é a solicitude deDeus pelos que Lhe são fiéis. O mundo não está sem um governante. Oprograma dos sucessos futuros está nas mãos do Senhor. A Majestade doCéu tem sob Sua direção o destino das nações e os negócios de Suaigreja. ... “A incansável vigilância dos mensageiros celestiais, e seu incessanteempenho em prol dos que vivem na Terra, nos revelam como a mão deDeus está guiando uma roda dentro de outra. ... “Na visão de Ezequiel, a mão divina aparece debaixo das asas dosquerubins. ... “Aquilo que a homens finitos parece confuso e complicado, a mão doSenhor pode manter em perfeita ordem. Tem meios e modos de frustrar asintenções de homens ímpios, e pode destruir o conselho dos que planejam omal contra Seu povo.” – 2 TS., 352, 353. (f) O derramamento dos juízos diversos a) Um dos animais dá aos anjos das pragas as taças da ira. b) Dá brasas de fogo ao anjo do juízo - Ezeq. 10:2, 6, 7. c) Fogo e taças derramadas sobre a terra - Ezeq. 10:2; Apoc. 8:5; 16:1. d) Os juízos de Deus sobre o homem - Ezeq. 9:2, 5, 6; Apoc. 8:5; 11:18, 19; 16:18, 19. h. O serviço de louvor e glória - Apoc. 4:6-11 (1) As criaturas viventes - vv. 8, 9. (a) Uma glorificação infinda de Deus - PE., 116. (b) O Deus que eles adoram 1) Santo - CT. 402.
  12. 12. Os Selos e a Obra do Selamento 12 2) Onipotente 3) Eterno (2) Os vinte e quatro anciãos - vv. 10, 11. (a) Prostravam-se diante dEle. (b) Lançavam suas coroas diante do trono. (c) Deus é exaltado por sua adoração. 1) Em virtude de Seu poder de criar. “O dever de adorar a Deus se baseia no fato de que Ele é o Criador, eque a Ele todos os outros seres devem a existência. E, onde quer que seapresente, na Bíblia, Seu direito à reverência e adoração, acima dos deusesdos pagãos, enumeram-se as provas de Seu poder criador. ... E os seressantos que adoram a Deus nos Céus, declaram porque Lhe é devida suahomenagem: ‘Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porqueTu criaste todas as coisas.’ Apoc. 4:11.” – GC., pp. 436, 437. Este oratório da criação é o maior, o hino de maior regozijo detodos os tempos. Este é o querubim ungido, o regente do coro celeste, oprimeiro a irromper no serviço de louvor. A ele se une o querubimcelestial e por seu turno a eles se unem os vinte e quatro anciãos que,deslumbrados pela gloriosa cena, lançam suas coroas diante do tronoceleste. Neste hino todo o céu se une num espírito de louvor e ações degraças. Todos os justos terão parte neste hino, pessoalmente nos dias daglória por vir, e agora em espírito ao contemplarem tudo o que Deus lhesreservou. Somente Satanás e aqueles que se juntaram a ele em recusarreconhecer a glória devida ao Criador de todas as coisas, não se unem noregozijo deste glorioso cântico. E. O livro selado com sete selos - Apoc. 5. 1. O livro - Apoc. 5:1. a. Na mão direita do Pai sobre o trono. b. Escrito em ambos os lados. c. Selado com sete selos. (1) “Um testamento por escrito, selado com os selos de sete testemunhas, ainda que o herdeiro nele mencionado somente
  13. 13. Os Selos e a Obra do Selamento 13 se tornasse “honorum possessor”, era guardado conforme prática pretoriana, confirmado pelo Imperador, e cuja posse, sendo abundantemente protegida por interditos e outros meios, era válida para todos os fins.” – R. W. Leagni, Roman Private Law, 204. “Um testamento, segundo a forma do Testamento Pretoriano e conforme a lei romana, trazia os sete selos das sete testemunhas sobre os cordões que amarravam os tabletes ou pergaminho (veja Smith, Dic. of Greek and Roman Ant., 1:17). Um tal testamento não podia ser executado até que se abrissem todos os seus sete selos.” – Charles, International Critical Commentary, Revelation, vol. I, p. 137. “Quando, sem mancipatio ou muncupatio, o testador tinha meramente posto os tabletes selados que continham os seus últimos desejos diante de sete testemunhas a fim de que neles pusessem seus selos ou assinaturas, o pretor dava ao herdeiro apontado por este ato, que era nulo na lei civil, o título de posse. Assim foi mais tarde tornado do maior valor, por Antonio Pios, do que herdeiro legal.” – J. Declaraiul, Rome the Law-Giver, 288. (2) A natureza do livro selado com os sete selos “Ao lavar Pilatos as mãos, dizendo: ‘Estou inocente do sangue destejusto’, os sacerdotes uniram-se à turba ignorante, gritando exaltados: ‘O Seusangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.’ Mat. 27:24 e 25. “Desse modo os guias judeus fizeram a escolha. Sua decisão foiregistrada no livro que João viu na mão dAquele que estava assentado notrono, no livro que ninguém podia abrir. Essa decisão lhes será apresentadaem todo o seu caráter reivindicativo naquele dia em que o livro há de seraberto pelo Leão da tribo de Judá.” – PJ., 294. “Mas o homem que considera que, confessando os seus pecados,demonstra fraqueza, não achará perdão, nem verá em Cristo o seuRedentor; perseverará na transgressão e cometerá uma falta após outra eacrescentará pecado a pecado. Que fará essa pessoa no dia em que os
  14. 14. Os Selos e a Obra do Selamento 14livros forem abertos e cada um for julgado segundo as coisas que nelesestiverem escritas? “O quinto capítulo do Apocalipse precisa ser detidamente estudado. Eleé da maior importância para os que haverão de participar da obra de Deusnestes últimos dias. Alguns há que são enganados. Não se apercebem doque está para acontecer na Terra. Os que têm permitido que se lhesobscureça a mente no tocante à natureza do pecado, são vítimas de um errofatal. A menos que efetuem mudança decisiva, quando Deus pronunciarSuas sentenças sobre os filhos dos homens serão achados em falta.” – 3TS., 414, 415. 2. Quem é digno de desatar os selos e abrir o livro? Apoc. 5:2. a. Ninguém digno, nem no céu, terra ou debaixo da terra - 5:3. b. João chora por não ser encontrado alguém digno - Apoc. 5:4. “É-nos declarado que o livro continha revelações desconhecidas, e queJoão estava sobremaneira impaciente por entendê-las; e, que o seu chorocopioso era causado pela perspectiva pessoal de poder obter umconhecimento do futuro como desejava. Pobre João, que impaciência, quemortal tolo, ficar-se perturbando por causa de uma profecia não revelada econtinuar chorando no céu por não encontrar alguém que lhe abra o livro. ...Que inspiração teria esse quadro ao retratar um respeitável e disciplinadoservo de Deus cheio de elevada dignidade varonil ao apresentá-lo como umfilho impaciente e tolo! Não, não; João sabia pelo Espírito que nele estava, oque significava o livro selado. Ele sabia que, se ninguém fosse encontradodigno e capaz de tomá-lo da mão de Deus e tirar os selos, todas aspromessas dos profetas, e todas as esperanças dos santos, e todas as pré-intimações de um mundo resgatado, falhariam.... seria a herança prometidaque, agora, no momento exato da recuperação, por causa de uma falta iriapara a eterna alienação? ... E olhando a questão por este ponto de vista,bem poderia um profeta fervoroso chorar, sem perder coisa alguma de suahonra e mansidão. ... Aquele livro, se não fosse exaltado e aberto, seria adesgraça e o luto da igreja. Fala de uma herança não resgatada – filhosainda estranhos à possessão adquirida. Mas aquele livro aberto é a glória eo regozijo da igreja. É a garantia de sua reintegração naquilo que Adãoperdeu – a recuperação de tudo aquilo que esteve há tanto tempo e tãocruelmente privada por causa do pecado. Por isto, enquanto este livropermanecesse fechado, os seus selos sem serem abertos, o povo de Deus
  15. 15. Os Selos e a Obra do Selamento 15permaneceria em privação, tristeza e lágrimas.” – J.A. Seiss, TheApocalypse, v. I, pp. 276-278. c. Aquele que é digno de abrir o livro (1) O Leão da tribo de Judá - Apoc. 5:5; Gên. 49:9, 10. (2) A raiz de Davi - Apoc. 5:5; Isa. 11:1, 10, 12. “O fato de ser Ele introduzido exatamente aqui quer dizer que este‘livro’ se refere ao cumprimento da profecia de Jacó a respeito de Judá, e deque é na capacidade do fundador divino do trono de Judá que se achou serEle digno e capaz de tomar o livro, abrir por isto os sete selos e executar oseu conteúdo.” – W.C. Stevens, Revelation, the Crown-Jewel of BiblicalProphecy, p. 117. (3) O Cordeiro como tendo sido morto - Apoc. 5:6; Isa. 53:7; João 1:29. “O Salvador é apresentado perante João sob os símbolos do ‘Leão datribo de Judá’, e de um ‘Cordeiro, como havendo sido morto’. Apoc. 5:5 e 6.Esses símbolos representam a união do onipotente poder e do amor que sesacrifica. O Leão de Judá, tão terrível para os que rejeitam Sua graça, será oCordeiro de Deus para os obedientes e fiéis.” – AA., 589. (a) Sete chifres – símbolos de poder, autoridade real - Deut. 33:17; Mat. 28:18; Apoc. 1:5; Dan. 4:17. (b) Sete olhos – símbolos de onisciência, penetração Zac. 3:8,9; 4:10; II Crôn. 16:9. 1) Os sete espíritos de Deus d. O livro do destino Embora não tenha sido dado nenhum nome ao livro que está nas mãos dAquele que Se assenta sobre o trono, a natureza dele é clara. É o grande livro do destino, o livro que, aberto, revelará a sorte do mundo e de todos os que já o habitaram. Este livro tem que ver com condenação – com a condenação daqueles que matam a Cristo, e de todos os que rejeitam a Sua graça salvadora. Ele tem que ver com redenção e salvação – a salvação de todos os que aceitam a Jesus como o Cordeiro de
  16. 16. Os Selos e a Obra do Selamento 16 Deus. Aquele que abre este livro é tanto o que castiga como o que redime; Ele é o Leão e o Cordeiro, Aquele cujo poder é salvar e cujo direito é condenar. Este é Aquele que tem em Sua mão o título deste mundo, que possui o direito de dá-lo a quem quiser. Somente Cristo tem este poder, e somente Cristo pode abrir este livro do destino. “... Ao ser criado, foi Adão posto no domínio da Terra. Mas, cedendo àtentação, foi levado sob o poder de Satanás. ... Quando o homem se tornoucativo de Satanás, o domínio que exercera passou para o seu vencedor.Assim Satanás se tornou o ‘deus deste século’. II Cor. 4:4. Ele usurpouaquele domínio sobre a Terra, que originalmente fora dado a Adão. Cristo,porém, pagando pelo Seu sacrifício a pena do pecado, não somente remiriao homem mas restabeleceria o domínio que ele perdera. Tudo que foiperdido pelo primeiro Adão será restaurado pelo segundo. Diz o profeta: ‘E aTi, ó Torre do rebanho, monte da filha de Sião, a Ti virá; sim, a Ti virá oprimeiro domínio.’ Miq. 4:8. E o apóstolo Paulo aponta para a ‘redenção dapossessão de Deus’. Efés. 1:14. ... “Mas Deus dera o Seu amado Filho - igual a Ele mesmo, a fim desuportar a pena da transgressão, e assim proveu um caminho pelo qualpudessem ser restabelecidos ao Seu favor, e de novo trazidos ao seu laredênico. Cristo empreendeu redimir o homem, e livrar o mundo das garrasde Satanás.” – PP., pp. 67, 69. “Quando Satanás declarou a Cristo: O reino e a glória do mundo meforam entregues, e dou-os a quem quero, disse o que só em parte eraverdade, e disse-o para servir a seu intuito de enganar. O domínio dele,arrebatara-o de Adão, mas este era o representante do Criador. Não era,pois, um governador independente. A Terra pertence a Deus, e Ele confiouao Filho todas as coisas. Adão devia reinar em sujeição a Cristo. Aoatraiçoar Adão sua soberania, entregando-a às mãos de Satanás, Cristopermaneceu ainda, de direito, o Rei.” – DTN., 129. “A abertura dos sete selos significa os passos sucessivos pelos quaisDeus em Cristo aclara o caminho para o desenrolar final do livro noestabelecimento visível do reino de Cristo. ... Ninguém é digno de o fazer,exceto o Cordeiro; pois Ele sozinho redimiu a herança perdida do homem,da qual o livro é o título de propriedade. A pergunta (v. 2) não é Quem
  17. 17. Os Selos e a Obra do Selamento 17deveria revelar os destinos da Igreja (isto qualquer profeta inspirado podiafazer) mas, Quem é digno de dar ao homem um novo título de sua herançaperdida?” – A.R. Fausset, A Commentary Critical, Experimental andPractical, vol. VI, 674. “Este livro é introduzido aqui para mostrar, não a história eclesiástica,mas algo do qual toda a história eclesiástica é apenas a introdução eprelúdio, e ao que as Escrituras chamam ‘a redenção da possessãoadquirida ‘. ... “A palavra redenção vem até nós do significado antigo de certas leis ecostumes dos judeus. De conformidade com estas leis e costumes, eraimpossível alienar terras por tempo além do determinado. Ainda que opossuidor fosse forçado a dispor de suas terras; e sem levar em conta quemfosse encontrado na posse das mesmas, o ano jubileu fazia-as voltar aosrepresentantes legais dos primitivos proprietários. Tendo por base esteregulamento, havia um outro que dava ao parente mais achegado de alguémque por dificuldades ou outro fator qualquer tinha alienado a sua herança emfavor de outrem, o direito de tomar a iniciativa de redimi-la; isto é, comprá-lade volta e retomá-la... “Existe uma herança perdida e sem possuidor através destes milharesde anos...Tudo testifica de que era uma herança santa, elevada e bendita.Mas, ah, seu possuidor original pecou, e ela escapou-lhe das mãos, e toda aposteridade ficou deserdada. O livro selado, o título desta hipoteca, destedireito perdido, está nas mãos de Deus e estranhos e intrusos a têminvadido e aviltado. E desde os dias de Adão até agora, aqueles títulos têmestado nas mãos do Todo-Poderoso, sem ninguém para tomá-los oudesapossar os estranhos. ... “O pecado não pode viciar qualquer dos direitos de Deus. A posse deSatanás é uma mera usurpação permitida por um tempo, mas de maneiraalguma em detrimento de propriedade do Todo-Poderoso. O direito realainda continua nas mãos de Deus, até que o Remidor adequado venharedimi-la, pagar o preço, e expulsar o estranho e sua semente. “Quais, na verdade, têm sido todos os esforços de homens pecadores,na política, na ciência e em todos os ramos da civilização, senão acabar comeste problema de procurar possuir de novo aquilo que se perdeu em Adão...Qual, na verdade, tem sido a mola da atividade do mundo inferior, nestestempos de esforços para seduzir os mortais, senão persuadir os homens deque são capazes de tornar real a enganadora promessa, ‘sereis como deus’
  18. 18. Os Selos e a Obra do Selamento 18e, a despeito do Todo-Poderoso e sem Ele, fazer reconhecer no sonho doprogresso humano e na guia demoníaca, o sonho de um destino melhor parao mundo e a raça. Também já estava incluído no plano de Deus há muito,entregar os reinos às suas criaturas rebeldes, para permitir que aexperiência alcançasse o apogeu e, com o objetivo de tornar marcante aomáximo a queda final... O espírito de liberdade, as consideraçõesdemocráticas, o comunismo universal e o esclarecimento, muito unidas aoselementos de origem infernal, o estão tentando agora, e perpetuarão os seusesforços para consumá-lo de uma maneira tão agigantada e fascinadoracomo o mundo jamais contemplou, mas apenas para operar a maisespantosa derrocada que já ocorreu. ... “Jesus é o Leão, o Renovo de Judá...Ele pagou o preço de redençãode herança perdida. È o verdadeiro Remidor, que tendo há muito triunfado esido aceito, provar-se-á também pronto e digno para completar Sua obra emresgatar aqueles títulos a longo prazo e quebrar seus selos invioláveis.” –J.A.Seiss, The Apocalypse, Vol. I,267-280 3. Abertura do livro a. Jesus toma o livro da mão direita do Pai - Apoc. 5:7 b. Universal aclamação do Cordeiro (1) Os anciãos e as criaturas viventes - vv. 8-10 (a) Salvas de incenso, as orações dos santos PE., 32, 256; LS., 100; PP., 379, 380 “Entre os querubins estava um incensário de ouro e, ao as orações dossantos, oferecidas pela fé, chegarem a Jesus; e, ao apresentá-las Ele aoPai, uma nuvem de fragrância se elevava do incenso semelhante a fumo demuitas cores... Ao ascender o fumo ao Pai, glória mui excelente provinda dotrono vinha a Jesus e, dEle era derramada sobre aqueles cujas orações setinham elevado como fragrante incenso.” – PE., 252 (b) Cântico de redenção (2) Os anjos ao redor do trono - Apoc. 5:11 (a) Digno é o Cordeiro - v.12; Fil. 2:5-11; Sal. 2:7-9; Ezeq. 21:27 (3) Toda criatura - Apoc. 5:13.
  19. 19. Os Selos e a Obra do Selamento 19 c. As ocasiões das antífonas de louvor (1) Ao ocupar Cristo o Seu trono sacerdotal após a ressurreição. “Chegara agora a ocasião de o Universo celestial receber o seu Rei. ... ”Todo o Céu estava esperando para saudar o Salvador à Sua chegadaàs cortes celestiais. Ao ascender, abriu Ele o caminho, e a multidão decativos libertos à Sua ressurreição O seguiu. A hoste celestial, com bradosde alegria e aclamações de louvor e cântico celestial, tomava parte najubilosa comitiva. ... “Então se abrem de par em par as portas da cidade de Deus, e aangélica multidão entra por elas, enquanto a música prorrompe emarrebatadora melodia. ... “Ali está o trono, e ao seu redor, o arco-íris da promessa. Ali estãoquerubins e serafins. Os comandantes das hostes celestiais, os filhos deDeus, os representantes dos mundos não caídos, acham-se congregados. Oconselho celestial, perante o qual Lúcifer acusara a Deus e a Seu Filho, osrepresentantes daqueles reinos imaculados sobre os quais Satanás pensaraestabelecer seu domínio - todos ali estão para dar as boas-vindas aoRedentor. Estão ansiosos por celebrar-Lhe o triunfo e glorificar seu Rei. ... “Com inexprimível alegria, governadores, principados e potestadesreconhecem a supremacia do Príncipe da Vida. A hoste dos anjos prostra-seperante Ele, ao passo que enche todas as cortes celestiais a alegreaclamação: ‘Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, eriquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças’ Apoc.5:12. ... “Hinos de triunfo misturam-se com a música das harpas angélicas, demaneira que o Céu parece transbordar de júbilo e louvor. O amor venceu.Achou-se a perdida. O Céu ressoa com altissonantes vozes que proclamam:‘Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações degraças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.’ Apoc. 5:13.” – DTN.,pp. 832-835. “... Agora não está ‘no trono de Sua glória’; o reino de glória ainda nãofoi inaugurado. Só depois que termine a Sua obra como mediador, Lhe daráDeus ‘o trono de Davi, Seu pai’, reino que ‘não terá fim’. Luc. 1:32 e 33.Como sacerdote, Cristo está agora assentado com o Pai em Seu trono(Apoc. 3:21).” – GC., 416.
  20. 20. Os Selos e a Obra do Selamento 20 (2) Na primeira coroação de Cristo após Seu segundo advento “O Filho de Deus redimiu a falta e a queda do homem; e agora, pelaobra da expiação, Adão é reintegrado em seu primeiro domínio. “Em arrebatamento de alegria, contempla as árvores que já foram oseu deleite - as mesmas árvores cujo fruto ele próprio colhera nos dias desua inocência e alegria. Vê as videiras que sua própria mão tratara, asmesmas flores que com tanto prazer cuidara. Seu espírito apreende arealidade daquela cena; ele compreende que isso é na verdade o Édenrestaurado, mais lindo agora do que quando fora dele banido. O Salvador oleva à árvore da vida, apanha o fruto glorioso e manda-o comer. Olha emredor de si e contempla uma multidão de sua família resgatada, no Paraísode Deus. Lança então sua brilhante coroa aos pés de Jesus e, caindo a Seupeito, abraça o Redentor. Dedilha a harpa de ouro, e pelas abóbadas do céuecoa o cântico triunfante: Digno, digno, ‘digno é o Cordeiro’ (Apoc. 5:12) ‘quefoi morto e reviveu!’ Apoc. 2:8. A família de Adão associa-se ao cântico elança as suas coroas aos pés do Salvador, inclinando-se perante Ele emadoração.” – GC., pp. 647, 648. “Devemos ter uma visão do futuro e da felicidade do Céu. Postai-vos nolimiar da eternidade e ouvi a acolhida amável feita aos que nesta vidacooperam com Cristo, considerando privilégio e honra sofrer por amor dEle.Ao reunirem-se aos anjos, lançam eles suas coroas aos pés do Redentor,exclamando: ‘Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, eriquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças... ao queestá assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças,e honra, e glória, e poder para todo o sempre.’ Apoc. 5:12 e 13. “Ali os remidos saudarão aqueles que os guiaram ao Salvadorcrucificado. Unem-se em louvor Àquele que morreu para que os sereshumanos tivessem vida tão duradoura quanto a de Deus. O conflito estáterminado. As tribulações e lutas chegaram ao fim. Cânticos de vitóriaenchem todo o Céu, enquanto os remidos permanecem em volta do trono deDeus. Todos entoam o jubiloso coro: ‘Digno é o Cordeiro que foi morto’(Apoc. 5:12), e vive novamente, como triunfante vencedor.” – VE., 231, 232. “Jamais poderá o preço de nossa redenção ser avaliado enquanto osremidos não estiverem com o Redentor ante o trono de Deus. Então, aoirromperem as glórias do lar eterno em nossos arrebatados sentidos,lembrar-nos-emos de que Jesus abandonou tudo isso por nós, que Ele não
  21. 21. Os Selos e a Obra do Selamento 21somente Se tornou um exilado das cortes celestiais, mas enfrentou por nós orisco da derrota e eterna perdição. Então, lançar-Lhe-emos aos pés nossascoroas, erguendo o cântico: ‘Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber opoder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória e ações de graças."Apoc. 5:12.’ ” – DTN., 131. “Enquanto Jesus estivera ministrando no santuário, o juízo estivera emandamento pelos justos mortos, e a seguir pelos justos vivos. Cristorecebera Seu reino, tendo feito expiação pelo Seu povo, e apagado os seuspecados. Os súditos do reino estavam completos. As bodas do Cordeiroestavam consumadas. E o reino e a grandeza do reino sob todo o Céu foramdados a Jesus e aos herdeiros da salvação, e Jesus deveria reinar como Reidos reis e Senhor dos senhores. ... “Vi então Jesus depor Suas vestes sacerdotais e envergar Seus maisrégios trajes. Sobre Sua cabeça havia muitas coroas, uma coroa encaixadadentro da outra. Cercado pelo exército dos anjos, deixou o Céu. As pragasestavam caindo sobre os habitantes da Terra. ... O plano da salvação secumprira.” – PE., 280, 281. (3) Coroação final de Jesus no fim do milênio “Ao fim dos mil anos, Cristo volta novamente à Terra. ... “Descendo do Céu a Nova Jerusalém em seu deslumbrante resplendor,repousa sobre o lugar purificado e preparado para recebê-la, e Cristo, comSeu povo e os anjos, entram na santa cidade. ... “Satanás consulta seus anjos... Formulam seus planos para tomarposse das riquezas e glória da Nova Jerusalém. ... “Agora Cristo de novo aparece à vista de Seus inimigos. Muito acimada cidade, sobre um fundamento de ouro polido, está um trono, alto esublime. Sobre este trono assenta-Se o Filho de Deus, e em redor dEleestão os súditos de Seu reino. ... “Na presença dos habitantes da Terra e do Céu, reunidos, é efetuada acoroação final do Filho de Deus. E agora, investido de majestade e podersupremos, o Rei dos reis pronuncia a sentença sobre os rebeldes contra Seugoverno, e executa justiça sobre aqueles que transgrediram Sua lei eoprimiram Seu povo. ... “É agora evidente a todos que o salário do pecado não é nobreindependência e vida eterna, mas escravidão, ruína e morte. Os ímpios
  22. 22. Os Selos e a Obra do Selamento 22vêem o que perderam em virtude de sua vida de rebeldia. ... Todos vêemque sua exclusão do Céu é justa. ... “Como que extasiados, os ímpios contemplam a coroação do Filho deDeus. ... Testemunham o irromper de admiração, transportes e adoração porparte dos salvos, e, ao propagar-se a onda de melodia sobre as multidõesfora da cidade, todos, a uma, exclamam: ‘Grandes e maravilhosas são asTuas obras, Senhor Deus todo-poderoso! Justos e verdadeiros são os Teuscaminhos, ó Rei dos santos’ (Apoc. 15:3); e, prostrando-se, adoram oPríncipe da vida. “Satanás vê que sua rebelião voluntária o inabilitou para o Céu. ... Eagora Satanás se curva e confessa a justiça de sua sentença. ... “... À vista de todos os fatos do grande conflito, o Universo inteiro, tantoos que são fiéis como os rebeldes, de comum acordo declara: ‘Justos everdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei dos santos.’ Apoc. 15:3. ... “É chegada a hora em que Cristo ocupa a Sua devida posição, sendoglorificado acima dos principados e potestades, e sobre todo o nome que senomeia. ... Ele olha para os remidos, renovados em Sua própria imagem,trazendo cada coração a impressão perfeita do divino, refletindo cada rosto asemelhança de seu Rei. ... E sobe o cântico de louvor dos que estãovestidos de branco em redor do trono: "Digno é o Cordeiro, que foi morto, dereceber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e açõesde graças." Apoc. 5:12. ... “Está para sempre terminada a obra de ruína de Satanás. ... “... O fogo que consome os ímpios, purifica a Terra. ... “A Terra, dada originariamente ao homem como seu reino, traída porele às mãos de Satanás, e tanto tempo retida pelo poderoso adversário, foirecuperada pelo grande plano da redenção. Tudo que se perdera pelopecado foi restaurado.” – GC., pp. 662-674. (4) Através dos anos da eternidade “A cruz de Cristo será a ciência e cântico dos remidos por toda aeternidade. No Cristo glorificado eles contemplarão o Cristo crucificado. ...Ao olharem as nações dos salvos para o seu Redentor e contemplarem aglória eterna do Pai resplandecendo em Seu semblante; ao verem o Seutrono que é de eternidade em eternidade, e saberem que Seu reino não teráfim, irrompem num hino arrebatador: ‘Digno, digno é o Cordeiro que foimorto, e nos remiu para Deus com Seu mui precioso sangue!’ " – GC., 651.
  23. 23. Os Selos e a Obra do Selamento 23 “E ao transcorrerem os anos da eternidade, trarão mais e maisabundantes e gloriosas revelações de Deus e de Cristo. Assim como oconhecimento é progressivo, também o amor, a reverência e a felicidadeaumentarão. Quanto mais aprendem os homens acerca de Deus, mais Lheadmiram o caráter. Ao revelar-lhes Jesus as riquezas da redenção e osestupendos feitos do grande conflito com Satanás, a alma dos resgatadosfremirá com mais fervorosa devoção, e com mais arrebatadora alegriadedilharão as harpas de ouro; e milhares de milhares, e milhões de milhõesde vozes se unem para avolumar o potente coro de louvor. " ‘E ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo daterra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao queestá assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças,e honra, e glória, e poder para todo o sempre.’ Apoc. 5:13.” – GC., 678. (5) O espírito deste cântico deve ser o nosso tema hoje “Porque não despertar a voz de nossos cânticos espirituais nasjornadas de nossa peregrinação?... “O templo de Deus está aberto no céu, e o limiar fulgura com a glóriaque está destinada a toda a igreja que ama a Deus e guarda os Seusmandamentos... “Deus ensina que devemos reunir-nos em Sua casa para cultivar osatributos do perfeito amor. Isto habilitará os habitantes da terra para asmansões que Cristo foi preparar para todos que O amam. Lá eles sereunirão no Santuário sábado após sábado, de uma lua nova à outra, parase unirem nos mais fortes sons do cântico em louvor e ações de graçasÀquele que Se assenta sobre o trono, e ao Cordeiro para todo o sempre.” –6 T., 368. d. As criaturas viventes e os anciãos curvam-se em adoração a Deus. - Apoc. 5:14 e. A significação das admiráveis cenas de Apocalipse cinco C. A abertura dos selos. Apoc. 6; 7; 8:1 Se o tema básico dos capítulos 4 e 5 é o juízo, então, o dos capítulos6 e 7 é o da guerra, e neste trecho Deus é apresentado como Juiz e
  24. 24. Os Selos e a Obra do Selamento 24Guerreiro. Em Sua obra de julgamento Ele justifica os justos e condenaos ímpios. Em Seus atos guerreiros Ele batalha a favor dos justos e ossalva, e batalha contra os ímpios e os destrói. Esta cena marcial ésemelhante à de Habacuque 3:8-15, onde Deus é apresentado comoguerreiro, montado em Seus cavalos ou avançando em Seus carros desalvação a fim de salvar Seu povo; ou, avançando em marcha com oarco, indignado contra os ímpios, primeiro em desagrado, depois em irae finalmente em furor. É semelhante à de Zac. 1:8-17 onde, no tempo docativeiro babilônico, Deus avançou com indignação sobre cavalosvermelhos e malhados por um período de setenta anos, mas que passadoo tempo, avançou com conforto e misericórdia sobre cavalos brancos desalvação. Semelhanças notáveis aparecerão ao confrontarmos o simbolismode Apoc. 4-7 com o de Apoc. 19 onde são descritos os eventos finais dogrande conflito contra as hostes do mal. Em ambas as cenas aparece umadescrição com o céu aberto (4:1; 19:11); Deus assentado sobre o trono4:2, 9; 5:13; 19:4, 6; salvação, glória, honra e poder são descritos comosendo do Senhor (5:1; 7:10, 12; 19:1); há um ruído de trovão (6:1;19:60); Deus como Juiz e vingador do sangue de Seus servos (6:10;19:2); as quatro criaturas viventes e os vinte e quatro anciãos prostram-seem adoração (4:10; 5:8, 14; 19:6-8); um cavalo branco em avanço para abatalha (6:2; 19:11); coroas sobre as cabeças dos cavaleiros nos cavalosbrancos (6:2; 19:12); e há uma espada afiada para destruir as nações etirar a paz da terra (6:4; 19:15). Se Apoc. 4:7 apresenta Deus como Juiz e como Guerreiro, Apoc.19:11 menciona especificamente o fato de que Ele ‘julga e peleja comjustiça’. Em Apoc. 6:10 é feita a pergunta, ‘até quando, ó verdadeiro esanto Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue?’, enquanto que nocap. 19:2, Ele ‘julgou’ e ‘vingou o sangue dos Seus servos’. Cuidadosamente estudado, Apoc. 4-7 se demonstrará ser um temaintimamente entrelaçado, em que todas as partes se adaptam inteiramentee se harmonizam perfeitamente com as cenas similares dadas noutras
  25. 25. Os Selos e a Obra do Selamento 25partes da Bíblia e do Espírito de Profecia. Deus assentado em Seu tronoeterno no céu, ao tratar com os justos e os ímpios nesta terra, é tanto oJuiz supremo como o Comandante chefe. O gráfico que se segue poderá tornar mais claro o assunto destescapítulos. LADO MISERICÓRDIA ATITUDE DE DEUS JUSTIÇA Deus Santos Aceitam Agrada Justificados Satanás Ímpios Resistem Desagrada Avisados Desprezam Ira Advertidos Rejeitam Furor Condenados ./... RESULTADO CAVALOS SELAMENTO Vitória Branco Santidade Céu Tribulação Vermelho Desgraça Preto Condenação Pálido Depravação Inferno 1. O uso e o objetivo do selo Os selos eram largamente usados no oriente antigo. Eram colocadosem documentos para indicar poder, autoridade e autenticidade. Sobreobjetos materiais eram empregados como títulos de propriedade. Emcontratos e acordos eram reconhecidos como garantias de validade. Umobjeto selado ficava sob a autoridade e controle do indivíduo cujo seloestava no objeto. Um decreto ou ordem que continha o selo do rei tinha aautoridade de rei. Um documento comercial que trazia selos detestemunhas era considerado legal com evidências da mais altaautoridade e o documento selado era autenticado. Um pacote selado, umtúmulo, tablete, mandado ou testamento, não podia ser aberto senão poraquele que tinha a autoridade de abrir o selo.
  26. 26. Os Selos e a Obra do Selamento 26 2. As lições e os fatos básicos dos selos e das mensagens deselamento A visão de João da abertura do rolo selado com os sete selos éapresentada pelos dois capítulos mostrando cenas das mais notáveis eimpressivas que se acham reveladas em qualquer parte da palavra deDeus. Os portais do céu se acham abertos ante o olhar estupefato doprofeta que contempla o próprio Deus assentado em Seu trono eterno. Ossupremos funcionários do universo celestial estão presentes. TambémJesus está presente; como Cordeiro de Deus e Salvador daqueles que searrependem, e como o Leão da tribo de Judá para os ímpios quepersistem na rebelião contra Deus. Na mão do Pai está um rolo seladocom sete selos. É um documento de suprema importância que temrelação com a sorte eterna dos seres da Terra. Em todo o Universo deDeus, Jesus é o único digno de partir os selos e abrir o livro. E a razão deser Ele digno é ter sido Ele Aquele que foi morto pelos pecados dohomem tornando possível, pelo Seu sangue, a redenção eterna dosperdidos. Logo após ter Ele tomado o livro, a cena que se segue, mostraa exultante adoração e louvor que é dado a Cristo por ocasião da Suacoroação por todos os habitantes do céu e da Terra. Onde nas cenasapresentadas pelos profetas se pode encontrar algo comparável a isto?Onde em toda a história se pode encontrar alguma cena gloriosa comoesta? Tudo isto, contudo, é preliminar à visão da abertura dos selos doprofeta e do selamento dos filhos de Deus. Certamente temos nestaúltima visão algo de suprema importância que envolve a suma das maiselevadas esperanças do homem, algo destinado a levar os homens àconcretização das suas esperanças, ou falhando isto, levá-los acompreender a terrível sorte que aguarda os sentenciados. O quadro anossa frente é de vida ou de morte, de gloriosa vitória ou ignominiosaderrota, de clamor às rochas para que escondam da ira do Cordeiro ou deirreprimíveis manifestações de adoração e louvor pela consumação dosnossos maiores desejos.
  27. 27. Os Selos e a Obra do Selamento 27 Notai a maneira notável como estes capítulos apresentam ocontrastante destino dos justos e rebeldes: PARA OS SALVOS PARA OS PERDIDOSJesus, o Cordeiro que foi morto - Jesus, o Leão de Judá - Apoc. 5:5. Apoc. 5:6.Cavalo branco - Apoc. 6:2 Cavalo preto - Apoc. 6:5.Vencedor e para vencer - 6:2. Morte e inferno - 6:8.Em pé diante do trono - 7:9. Escondidos nas rochas e cavernas Apoc. 6:15‘Salvação ao nosso Deus que está ‘Escondei-nos do rosto dAqueleassentado no trono’ - 7:10. que está assentado sobre o trono’ Apoc. 6:16.Deus limpará de seus olhos toda a Vinda do grande dia da ira sobrelágrima - 7:17. eles - 6:17.O livro desselado – Redimidos por O livro desselado – Seu sangueSeu sangue - 5:9. deles é requerido - PJ., 294, 295. a. Em andamento um grande conflito entre as forças do bem e do mal “Vi em visão dois exércitos em terrível conflito. Um deles ostentava emsuas bandeiras as insígnias do mundo; guiava o outro a bandeira manchadade sangue do Príncipe Emanuel. ... “O combate prosseguia. A vitória ia alternadamente de um para outrolado. Às vezes os soldados da cruz cediam terreno, ‘como quando desmaiao porta-bandeira’. Isa. 10:18. Mas a sua retirada aparente não foi senão paraganhar uma posição mais vantajosa. ... “A igreja, porém, deve combater e combaterá contra inimigos visíveis einvisíveis. Estão a postos forças satânicas sob forma humana.” ... – VE.,228, 229.
  28. 28. Os Selos e a Obra do Selamento 28 b. As forças de Deus tomarão parte ativa nesta guerra até o fim “A igreja é hoje militante. Enfrentamos agora um mundo em trevas demeia-noite, quase inteiramente entregue à idolatria. Mas aproxima-se o diaem que a batalha terá sido ferida, e ganha a vitória. A vontade de Deus deveser feita na Terra como o é no Céu.” – VE., 229. “Necessitamos do ardor do herói cristão que consegue suportar o olhard’Aquele que é invisível. Nossa fé deve ressuscitar. Os soldados da cruzdevem exercer uma influência positiva para o bem. ... “Não devemos ver o mundo de hoje cristãos que em todos os atos desuas atividades são dignos do nome que têm? Quem aspira praticar atosdignos de valentes soldados da cruz? Estamos vivendo bem próximos dofinal do grande conflito.” – 8 T., 45, 46 c. Sem levar em conta como as coisas possam parecer aos homens, Deus tem os negócios deste mundo sob Seu controle e tem agentes que Lhe cumprirão a vontade “Nas visões dadas a Isaías, Ezequiel e João, vemos o interesse que océu toma nos acontecimentos da terra e quão grande é a solicitude de Deuspelos que Lhe são fiéis. O mundo não está sem um dominador. O programados sucessos futuros está nas mãos do Senhor. A Majestade do céu temsob Sua direção o destino das nações e os negócios de Sua igreja. ... “A incansável vigilância dos mensageiros celestiais e seu incessanteempenho em prol dos que vivem na terra, nos revelam como a mão de Deusestá guiando uma roda da outra. O instrutor divino diz a cada qual quedesempenha uma parte em Sua obra o que outrora disse respeito de Ciro:‘Eu te cingirei; ainda que tu me não conheças’.” – 3 TS., 352. “Nas margens do rio Quebar contemplou Ezequiel um remoinho queparecia vir do norte... algumas rodas, cruzando-se entre si, eram movidaspor quatro criaturas viventes. ... As rodas eram tão complicadas em seuarranjo que à primeira vista pareciam estar em confusão: mas moviam-seem perfeita harmonia. Seres celestiais, sustidos e guiados pela mão queestava sob as asas dos querubins, impeliam aquelas rodas; acima delassobre o trono de safira, estava o Eterno; e em redor do trono um arco-íris –emblema da misericórdia divina.
  29. 29. Os Selos e a Obra do Selamento 29 “Assim como aquela complicação de semelhanças de rodas se achavasob a direção da mão que havia sob as asas dos querubins, o complicadojogo dos sucessos humanos acha-se sob a direção divina. Por entre ascontendas e tumultos das nações, Aquele que Se assenta acima dosquerubins ainda dirige os negócios da terra... “A história das nações que uma após outra, tem ocupado seusdestinados tempos e lugares, testemunhando inconscientemente da verdadeda qual elas próprias desconheciam o sentido, fala a nós. A cada nação, acada indivíduo de hoje, tem Deus designado um lugar no Seu grande plano.Homens e nações estão sendo hoje medidos pelo prumo que se acha namão d’Aquele que não comete erro. Todos estão pela sua própria escolhadecidindo o seu destino, e Deus está governando acima de tudo para ocumprimento de Seu propósito.” – Ed., 177, 178. d. Deus assiste os justos em suas lutas e encaminhá-los-á ao triunfo final “Irmãos, não é tempo de nos lamentarmos e entregarmos aodesespero, nem de ceder à dúvida e incredulidade. Cristo não é para nós umSalvador que jaz no sepulcro de José, vedado por uma grande pedra seladacom o selo romano; temos um Salvador ressuscitado. É o Rei, o Senhor dosexércitos, que está assentado entre querubins, e que no meio da peleja e dotumulto das nações continua a guardar Seu povo. Aquele que domina noscéus é nosso Salvador. ... Quando as fortalezas dos reis ruírem e as flechasda ira de Deus atravessarem o coração de Seus inimigos, Seu povo estaráseguro em Suas mãos." – 3 TS., 353. "Nós podemos triunfar gloriosamente, pois nenhuma alma crente quevigia e ora será presa dos enganos do inimigo. Todo o céu esta interessadoem nosso bem estar e espera por nossas petições de força e sabedora.Homem ímpio algum, nem espírito maligno, pode impedira a obra de Deusem Seu povo ou privá-lo de Sua presença, se com corações contritos esubjugados, cada um deles reclamar as Suas promessas. Toda influênciaoposta, seja secreta ou aberta, pode ser resistida com êxito, não por força,nem por violência, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos. " –EGW, R & H., 11-1-1887; 8-3-1945.
  30. 30. Os Selos e a Obra do Selamento 30 e. Deus resiste aos ímpios e opõe-Se aos seus intentos. "Aquele que não tosqueneja, que opera continuamente pelocumprimento de Seus desígnios, há de levar avante a Sua obra. Eleembargará os propósitos dos ímpios, e confundirá os conselhos dos quetramam maldades contra o Seu povo." – MDC., 121. "O Leão de Judá, cuja ira será tão terrível para aqueles que rejeitamSua graça, será o Cordeiro de Deus para os obedientes e fiéis. A coluna denuvens proferirá ira e terror para os transgressor da lei de Deus, mas luz,misericórdia e livramento para aqueles que guardarem Seus mandamentos.O Braço forte para destruir os rebeldes, será forte para libertar os leais."EGW, R & H 11/01/1887; 08/01/1945. f. Deus manda juízos sobre homens a fim de levá-los ao arrependimento. “Os pesados juízos que deviam cair sobre os impenitentes - guerra,exílio, opressão, a perda de poder e prestígio entre as nações - tudo issodevia vir, para que os que neles reconhecessem a mão de um Deusofendido, pudessem ser levados ao arrependimento.” – PR., 309. g. Juízos cada vez mais severos são mandados repetidamente com oobjetivo de fazer com que os homens considerem os juízos finais e sepreparem antes que eles caiam. “Os anjos destruidores têm a seguinte missão dada pelo Senhor:‘Começai pelo meu Santuário’. E começaram pelos homens mais velhosque estavam diante da casa. Se as advertências dadas por Deus sãonegligenciadas, se vos permites acalentar o pecado, estais selando odestino de vossas almas; Sereis pesados na balança e achados em falta." –E. G. White, R & H., 11/01/1887; 08/01/1945. “ ‘E tu Cafarnaum, que te ergues até o céus, serás abatida até aosinfernos. ... Porém, Eu vos digo que haverá menos rigor para os deSodoma, do que para ti.’ ... “O Senhor aniquilou duas de nossas maiores instituições estabelecidasem Battle Creek e nos transmitiu uma advertência após outra, tal comoCristo antigamente, advertiu Betsaida e Cafarnaum.... O Salvador insistecom os errantes para que se arrependam. Os que humilham o coração e
  31. 31. Os Selos e a Obra do Selamento 31confessam os pecados serão perdoados. Suas transgressões serãoreveladas. Mas o homem que considera que, confessando os seus pecados,demonstrarão fraqueza, não achará perdão. ... Que fará essa pessoa no diaem que os livros forem abertos e cada um for julgado segundo as coisas queneles estiverem escritas? “O quinto capítulo de Apocalipse precisa ser detidamente estudado. Eleé da maior importância para os que haverão de participar da obra de Deusnestes últimos dias. Alguns há que são enganados. ... A menos que efetuemmudança decisiva, quando Deus pronunciar Suas sentenças sobre os filhosdos homens serão achados em falta. ... “ ‘E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grandetremor de terra; e o Sol tornou-se negro como saco de silício, ... e o céuretirou-se como um livro que se enrola, ... e os poderosos, e todo o servo, etodo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; ediziam aos montes e aos rochedos: caí sobre nós, e escondei-nos do rostodAquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro, porque évindo o grande dia da Sua ira e quem poderá subsistir?’ Apoc. 6:12-17. “ ‘Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão. ... diante dotrono, e perante o Cordeiro, trajando vestidos brancos e com palmas nassuas mãos; e aclamando com grande voz, dizendo: salvação ao nossoDeus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. ... Porque o Cordeiro queestá no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontesdas águas da vida; e Deus limpará dos seus olhos toda a lágrima. Apoc.7:9-12. “Nestes passos das Escrituras são apresentados dois grupos depessoas. Um deles se deixou enganar e aliou-se aos inimigos do Senhor.Interpretaram erroneamente as mensagens que lhes foram dirigidas erevestiram-se de justiça própria. Para eles não havia malignidade no pecado.Ensinaram mentiras como se fossem verdades e por sua causa muitos seextraviaram. “É-nos preciso, agora, vigiar-nos a nós mesmos. Foram-nos feitas asadvertências. Não podemos ver o cumprimento das predições de Cristo,contidas no vigésimo primeiro capítulo de Lucas?... “ ‘Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o nossoSenhor. ... Porém se aquele Meu servo disser consigo: o meu Senhor tardevirá; e começar a espancar os seus conservos e a comer e a beber com osébrios, virá o Senhor daquele servo num dia em que O não espera, e à hora
  32. 32. Os Selos e a Obra do Selamento 32em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com oshipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mat. 24:42-51.” – 3 TS., pp.413-417 h. Deus manda, afinal, juízos irrevogáveis de condenação e mortesobre os impenitentes “Com exatidão infalível, Aquele Ser infinito guarda um acerto de contascom todas as nações. Enquanto Sua misericórdia é seguida de apelos aoarrependimento, este relatório permanece em aberto; mas quando atinge umcerto limite fixado por Deus, começa o ministério de Sua ira. O relatório éencerrado. A paciência divina se esgota. Não há apelação em seu favor." –E. G. White, R&H., 11/01/1887. "A cada nação que tem subido ao cenário da atividade, tem sidopermitido que ocupasse seu lugar na terra, para que se pudesse ver se elacumpriria o propósito do Vigia e Santo. A profecia delineou levantamento equeda dos grandes impérios mundiais - Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia eRoma. Com cada um destes, assim como com nações de menos poder tem-se repetido a história. Cada qual fracassou; esmaeceu sua glória, passou-se-lhe o poder e o lugar foi ocupado por outra nação. “Conquanto as nações rejeitassem os princípios de Deus, e com estarejeição operassem a sua própria ruína, todavia era manifesto que opredominante propósito divino estava agindo através de todos os seusmovimentos. “Esta lição é ensinada por meio de uma maravilhosa representaçãosimbólica exibida pelo profeta Ezequiel durante o seu exílio na terra dosCaldeus. ... “A subversão final de todos os domínios terrestres está claramentepredita na Palavra da Verdade. Na profecia proferida quando a sentençadivina foi pronunciada sobre o último rei de Israel, deu-se esta mensagem:- “ ‘Assim diz o Senhor Jeová: Tira o diadema e levanta a coroa... exaltaao humilde, humilha ao soberbo. Ao revés a porei, e ela não será mais, atéque venha Aquele a quem pertence de direito, e a Ele a darei’. ... "Nesta época, anterior à grande crise final, assim como foi antes daprimeira destruição do mundo, acham-se homens absortos nos prazeres esatisfação dos sentidos. “Pelo levantamento e queda de nações, como se acha explicado naspáginas das Escrituras Sagradas, necessitam aprender quão sem valor a
  33. 33. Os Selos e a Obra do Selamento 33simples aparência e a glória do mundo. Babilônia, com todo seu poder emagnificência, quais desde então o mundo não mais viu - poder emagnificência que ao povo daquela época pareciam estáveis e duradouros -quão plenamente passou ela. Como a flor da erva ela pereceu. Assimperece tudo que não tem a Deus como seu fundamento." – Ed., pp. 176,177, 179, 183 i. O diagrama histórico dos negócios deste mundo está sob a direção do céu. “A história que o grande EU SOU assinalou em Sua Palavra, unindo-secada elo aos demais na cadeia profética, desde a eternidade no passado atéà eternidade no futuro, diz-nos onde achamos hoje, nos prosseguimentosdos séculos, e o que se poderá esperar no tempo vindouro. Tudo que aprofecia predisse como devendo acontecer, até a presente época, tem-setraçado nas páginas da história, e podemos estar certos de que tudo queainda deve vir se cumprirá em sua ordem. ... “... Hoje, os sinais dos tempos declaram que nos achamos no limiar degrandes e solenes acontecimentos. Tudo em nosso mundo está emagitação. Ante os nossos olhos cumprem-se a profecia do Salvador relativaaos acontecimentos que precedem Sua vinda: Ouvires de guerra e rumoresde guerra. ... Portanto se levantará nação contra nação e reino contra reino,e haverá fome e pestes, e terremotos em vários lugares. " – Ed., 178, 179. "A crise se aproxima apressadamente. Os sinais que tão rapidamentese avolumam mostram que o tempo de visitação de Deus está para chegar.Embora de mau grado em punir, não obstante punirá e isto presto. Os queandam na luz verão os sinais da aproximação do perigo. ... "Cristo no monte das Oliveiras narrou os terríveis juízos queprecederão a Sua segunda vinda: E ouvireis de guerra e rumores deguerras. Portanto se levantará nação contra nação e reino contra reino, ehaverá fome e pestes e terremotos em vários lugares. Mas todas essascoisas são o princípio das dores. Conquanto estas profecias tenham tidocumprimento parcial na destruição de Jerusalém, tem uma aplicação bemmais diretas nestes últimos dias. "João também foi testemunha das terríveis cena que terão lugar comosinais da vinda de Cristo. Viu exércitos se ordenando para guerra, e os
  34. 34. Os Selos e a Obra do Selamento 34corações dos homens desmaiando de terror. ... Viu as taças da ira de Deusserem abertas, e pestilências, fome e morte sobrevir aos habitantes da terra. "Já o repressor Espírito de Deus está sendo retirado da terra.Furacões, tempestades, tormentas, fogo e inundações, desastres em terra emar, seguir-se-ão em rápida sucessão. A ciência procura explicar tudo isto.Os sinais que se condensam ao nosso redor, falando da breve aproximaçãodo Filho de Deus, são atribuídos a qualquer outra que não a causaverdadeira. ... "O programa de eventos vindouros está nas mãos do Senhor; o mundonão está sem um governante. A majestade do céu tem o destino dasnações, tanto quanto os negócios de Sua igreja, em Suas próprias mãos." –E. G. White, R&H., 11/01/1887 j. Os anjos de Deus estão agora segurando os ventos e conservando sob controle divino os acontecimentos da terra até que a obra de Deus esteja terminada. “Os anjos acham-se hoje a refrear os ventos das contendas, para quenão soprem antes que o mundo haja sido avisado de sua condenaçãovindoura; mas está-se formando uma tempestade, prestes a irromper sobrea terra; e, quando Deus ordenar a Seus anjos que soltem os ventos, haveráuma cena de lutas que nenhuma pena poderá descrever." Ed., 179 k. A época atual é de tremenda significação e interesse, pois o mundo acha-se face a face com a hora de sua última grande crise. “A atualidade é uma época de absorvente interesse para todos os quevivem. Governadores e estadistas, homens que ocupam posição deconfiança e autoridade, homens e mulheres pensantes de todas as classes,tem fixa a sua atenção nos fatos que se desenrolam em redor de nós.Acham-se a observar a relações tensas e inquietas que existem entre asnações. Observam a intensidade que está tomando posse de todo oelemento terrestre, e reconhecem que algo de grande e decisivo está paraocorrer, ou seja, que o mundo se encontra à beira de uma crise estupenda.”– Ed., 179. “Já os juízos de Deus estão por toda a parte na terra, são vistos emtempestades, em enchentes, em terremotos, em perigos em terra e mar. O
  35. 35. Os Selos e a Obra do Selamento 35grande EU SOU está falando àqueles que anulam Sua Lei: Quando a ira deDeus se derramar sobre a terra quem então será capaz de ficar em pé? ...Permanecer firmes na defesa da verdade e da justiça quando a maioria nosabandona, guerreais as batalhas do Senhor, quando são poucos oscampeões, esta será a nossa prova. ... “Os sinais revelam que está próximo o tempo em que o Senhormanifestará estar a peneira em Suas mãos e que logo purificará totalmente aSua casa. ... “O profeta, contemplando os séculos, teve a época atual diante de siem visão. As nações da atualidade tem sido o recipiente de misericórdia semprecedentes. As melhores bênçãos dos céus lhes têm sido dadas; contudo,crescente orgulho, cobiça, idolatria, desprezo a Deus e baixa ingratidão seacham registrados contra elas. Estão quase encerrando sua conta comDeus. “Estamos no limiar de grandes e solenes acontecimentos. A profecialogo se cumprirá. O Senhor está às portas. Logo se abrirá diante de nós umperíodo de preponderante interesse para todos os viventes. Os conflitos dopassado serão revividos. Novos conflitos surgirão. As cenas que sedesenrolarão em nosso mundo nem mesmo são sonhadas. “Que todos os que tem recebido a luz, que tem tido a oportunidade deler e ouvir a profecia, dêem atenção e guardem as coisas que nela estãoescritas; ‘porque o tempo está próximo’”. – E.G. White, R & H., 11-1-1887 1. Antes de romper a crise final, Deus traçará uma linha divisória acentuada entre leais e desleais, tornando claramente distintos aqueles que serão Seu através da eternidade. “O dia da vingança de Deus será colocado somente na testa daquelesque suspiram e clamam por causa das abominações cometidas na terra. “Nossa maneira de proceder determinará se receberemos o selo doDeus vivo, ou seremos abatidos pelas armas destruidoras. ... “Quando vier este tempo de angústia, todo o caso estará decidido; nãomais haverá graça, nem misericórdia para o impenitente. O selo do Deusvivo estará sobre o Seu povo. “Nem todo os que professam guardar o sábado serão selados. Muitoshá, mesmo entre os que ensinam a verdade a outros, que não receberão natesta o selo de Deus.
  36. 36. Os Selos e a Obra do Selamento 36 “Nenhum de nós jamais receberá o selo de Deus, enquanto o carátertiver uma nódoa ou mácula sequer. “...quando sair o decreto, e o selo for aplicado, seu caráterpermanecerá puro e sem mácula para toda a eternidade. “Agora é o tempo de preparar-nos. O selo de Deus jamais serácolocado à testa de um homem ou mulher cobiçosos ou amantes do mundo.Jamais será colocado à testa de homens ou mulheres de língua falsa oucoração enganoso. Todos os que receberem o selo devem ser imaculadosdiante de Deus - candidatos para o céu.” – 2 TS, 67-71. “A ordem é ‘passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, emarca com um sinal as testas dos homens que suspiram e que gemem porcausa das abominações que se cometem no meio dela’. “No tempo em que Sua ira romper em juízos, os humildes, osdevotados seguidores de Cristo serão distinguidos do resto do mundo porsua angústia de alma. “A classe que não sente aflição por seu declínio espiritual, nem gemepelos pecados de outros, será deixada sem o selo de Deus. O Senhorordena aos Seus mensageiros, os homens que tem as armas destruidorasnas mãos: ‘Passai pela cidade após Ele, e feri:... mas a todo o homem quetiver o Meu sinal não vos chegueis; e começai pelo Meu santuário. Ecomeçaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa.’ “Aqui vemos que a igreja - o santuário do Senhor - foi a primeira asentir o golpe da ira de Deus. Os homens velhos, aqueles a quem Deusconcedera a grande luz, e que do povo, traíram-lhe a confiança. “Os homens não podem discernir os anjos sentinelas retendo os quatroventos para que não soprem até que os servos de Deus estejam selados;mas quando Deus mandar os anjos soltarem os ventos, haverá uma cena talda ira de Sua vingança que pena alguma pode descrever.” – E.G. White,R&H., 11-1-1887. m. As lições que o povo de Deus precisa aprender, são lições de confiança, fé, resignação e coragem. “O futuro de importância está diante de nós. Para enfrentar suasprovas e tentações, e para executar as tarefas, requerer-se-á grande fé,energia e perseverança.
  37. 37. Os Selos e a Obra do Selamento 37 “No tempo de provação bem à nossa frente, a garantia da segurançade Deus será dada aqueles que guardam a palavra de Sua paciência. Setendes cumprido com as condições da Palavra de Deus, Cristo será para vósum refúgio na tempestade....” – E.G. White, R&H., 11-1-1887, 8-3-1945. “Quando o Senhor sair como vingador, virá também como protetor detodos aqueles que preservaram a fé em sua pureza e se conservaramimaculados do mundo.” – 5 T., 210. “Ânimo, fortaleza, fé e implícita confiança no poder de Deus parasalvar, não nos vêm num instante. estas graças celestiais são adquiridaspela experiência dos anos. Por uma vida de santo esforço e firme apego àretidão, os filhos de Deus estiveram selando seu destino. “Sim, fé viva e eficaz! Dela necessitamos; devemos possuí-la, oudesfaleceremos e fracassaremos no dia da prova. As trevas que então hãode cair em nosso caminho não deverão desanimar-nos nem levar-nos aodesespero. É o véu com que Deus cobre Sua glória, ao vir Ele paracomunicar Suas ricas bênçãos. Deveríamos saber isto por nossa experiênciapassada. No dia em que Deus tiver uma contenda com o Seu povo, estaexperiência será uma fonte de conforto e esperança.” – 2 TS., 67, 70 n. Em tempos de crise severa, quando as forças do mal triunfam aparentemente, Deus deseja que Seu povo se encoraje ao vê-Lo assentado no trono eterno com grande amor e poder. (1) Foi sob circunstâncias difíceis e desalentadoras que Isaías, sendo ainda moço, foi chamado para exercer o ministério da profecia. Seu país estava nesse tempo ameaçado de destruição. Por sua transgressão da Lei de Deus, o povo judeu se privava da proteção divina, e os exércitos dos assírios estavam a ponto de invadir o reino de Judá. Deveriam os deuses de Nínive dominar a terra em desafio ao Deus do céu? “Esses pensamentos lhe acudiam em tropel ao espírito, quando Isaíasse achava no pórtico do templo santo. De repente, pareceu-lhe que a portae o véu do interior se abriram ou foram corridos, sendo-lhe permitidorelancear a vista para dentro do Santo dos Santos, onde nem mesmo os pésde um profeta poderiam pisar. Perpassou-lhe então diante dos olhos uma
  38. 38. Os Selos e a Obra do Selamento 38visão em que Jeová apareceu sentado num alto e sublime trono, enchendoSeu séquito o recinto do templo. “Que aconteceria se os poderes terrestres se arregimentassem contraJudá? Que sucederia se Isaías enfrentasse oposição e resistência em suamissão? Contemplara o Rei, o Senhor dos exércitos; ouvira o canto dosserafins: ‘Toda terra está cheia da Sua glória’; e o profeta foi confortado paraa obra que tinha à frente. A lembrança desta sua visão o acompanhouatravés de toda a sua longa e árdua missão.” – 2 TS., 348, 349 (2) Ezequiel “Ezequiel, o melancólico profeta do exílio na terra dos caldeus, foiagraciado com uma visão que lhe ensinou a mesma lição de fé no DeusTodo-Poderoso de Israel. Algumas das rodas de aparência estranha,girando umas dentro das outras, pareciam movidas por criaturas viventes. Eacima de tudo isto havia uma semelhança de trono, como duma safira; esobre a semelhança do trono havia como que a semelhança de um homemno alto sobre ele. ... “O complexo de rodas visto por Ezequiel, era uma combinação tãocomplicada que à primeira vista lhe pareceu uma verdadeira confusão. Masquando se moviam, havia nelas a mais admirável ordem e perfeita harmonia.Essas rodas eram impelidas por criaturas celestiais, e acima de todo aqueleconjunto estava assentado sobre um trono de safira o Deus eterno. “Esta visão foi dada a Ezequiel num tempo em que seu espírito seachava abatido por tristes pressentimentos. Via desolada a terra de seuspais. A cidade outrora tão populosa estava despovoada. A voz de alegria eo cântico de louvor ali não eram mais ouvidos. O profeta mesmo é peregrinoem terra estranha, onde imperavam, supremas, a desmedida ambição e aselvagem crueldade. As injustiças e tiranias que era obrigado a presenciar,contristavam-lhe a alma e de dia e de noite se queixava amargamente. Masos símbolos gloriosos que lhe foram apresentados junto ao rio Quebar,revelaram-lhe um poder muito superior ao dos dominadores terrestres.Acima do orgulho e crueldade dos reis da Assíria e babilônia, estavaentronizado um Deus de misericórdia e verdade. “Aquele complexo de rodas que ao profeta se afigurava umaenextricável confusão, era governado por mão onipotente. O Espírito deDeus, que lhe fora mostrado movendo e dirigindo aquelas rodas, convertiaaquela confusão em harmonia; do mesmo modo o mundo inteiro se acha
  39. 39. Os Selos e a Obra do Selamento 39sob o Seu domínio. Miríades de entes celestiais estão prontos para sobre aSua palavra dominar o poder e os planos dos homens maus, e fazer tudoredundar em benefício dos fiéis servos de Deus.” – 2 TS., 349-351 (3) Zacarias “Zacarias teve uma série de visões referentes à obra de Deus na Terra.Essas mensagens, dadas na forma de parábolas e símbolos, vieram numtempo de grande incerteza e ansiedade, e foram de peculiar significaçãopara os homens que estavam avançando em nome do Deus de Israel.Parecia aos líderes como se a permissão dada aos judeus para reconstruirestivesse prestes a sofrer impedimento; o futuro parecia muito negro. Deusviu que Seu povo estava em necessidade de ser sustido e animado por umarevelação de Sua infinita compaixão e amor.” – PR., 580. (4) Os discípulos de João e de Jesus “O Salvador contemplou os anos que se estendiam diante dos Seusdiscípulos, não como haviam sonhado, ao brilho da prosperidade e da honramundanas, mas obscurecidos pelas tempestades do ódio humano e da irasatânica. Por entre os conflitos e ruína nacionais, seriam os passos dosdiscípulos rodeados de perigos, oprimindo-se-lhes muitas vezes o coraçãode temor. Eles veriam Jerusalém reduzida à desolação, o templo arrasado,seu culto para sempre acabado, e Israel disperso para todas as terras, quaisnáufragos em uma praia deserta. Jesus disse: ‘E ouvireis de guerras e derumores de guerras.’ ‘... se levantará nação contra nação, e reino contrareino’ ... Todavia os seguidores de Cristo não deviam temer que suaesperança ficasse perdida, ou que Deus houvesse abandonado a Terra. Opoder e a glória pertencem Àquele cujos grandes desígnios avançam ainda,não entravados, rumo à consumação.” – MDC., 120. “Da mesma maneira, quando Deus estava a aponto de revelar a João,o discípulo amado, a história futura de Sua igreja, deu-lhe uma segurança dointeresse e cuidado do salvador pelo Seu povo. Ao passo que João recebiaa revelação das últimas grandes lutas da igreja com as potências do mundo,foi-lhe dado também contemplar a vitória final e a libertação dos fiéis. Viu aigreja empenhada num conflito moral com a besta e sua imagem, e aadoração dessa besta imposta sob pena de morte. Mas, olhando através dofumo e do ruído da batalha, notou sobre o monte Sião, unido ao Cordeiro,
  40. 40. Os Selos e a Obra do Selamento 40um grupo que, em vez do sinal da besta, ‘em suas testas tinham escrito onome de Seu Pai.’ ” – 2 TS., 351 (5) O povo de Deus hoje “Encontramo-nos no limiar de grandes e solenes acontecimentos.Acha-se diante de nós uma crise, como o mundo jamais presenciou. E,quão doce nos é, a nós, como aos primeiros discípulos, a certeza que nosé dada, de que o reino de Deus domina para sempre!” – MDC., 121. “Necessitamos exercer fé em Deus porque estamos justamenteenfrentando um tempo de grandes provações. Cristo, no monte das Oliveirasenumerou os juízos terríveis que deviam preceder Sua volta: ‘E ouvireis deguerras e de rumores de guerras’. ... “As profecias rapidamente se estão cumprindo. O Senhor está àsportas. Está prestes a inaugurar-se um período da mais alta importânciapara todos os viventes. As controvérsias do passado serão revividas, eoutras novas suscitadas. As cenas que deverão desenrolar-se neste mundonão são nem sequer sonhadas. ... Uma crise está iminente. “Entretanto, os servos de Deus não devem confiar em si mesmos nestahora calamitosa. Nas visões dadas a Isaias, Ezequiel e João, vemos ointeresse que o céu toma nos acontecimentos da terra e quão grande é asolicitude de Deus pelos que lhe são fiéis.” – 2 TS., 351-352. c. Deus deseja que seu povo tenha sempre em mente de que a vitória final no grande conflito contra as forças do mal será com as forças da justiça. “Existem reveladas nestes últimos dias visões de glória futura, cenastraçadas pela mão de Deus; e estas devem ser prezadas por Sua Igreja. ... “Devemos ter uma visão do futuro e da felicidade do Céu. Postai-vos nolimiar da eternidade e ouvi a acolhida amável feita aos que nesta vidacooperam com Cristo, considerando privilégio e honra sofrer por amor dEle.Ao reunirem-se aos anjos, lançam eles suas coroas aos pés do Redentor,exclamando: "Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, eriquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças... ao queestá assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças,e honra, e glória, e poder para todo o sempre." Apoc. 5:12 e 13.
  41. 41. Os Selos e a Obra do Selamento 41 “...Cânticos de vitória enchem todo o Céu, enquanto os remidospermanecem em volta do trono de Deus. Todos entoam o jubiloso coro:"Digno é o Cordeiro que foi morto" (Apoc. 5:12), e vive novamente, comotriunfante vencedor. " ’Depois destas coisas, olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguémpodia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavamdiante do trono e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmasnas suas mãos; ...’ Apoc. 7:9 e 10. " ‘Estes são os que vieram de grande tribulação, e lavaram os seusvestidos, e os branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante dotrono de Deus, e O servem de dia e de noite no Seu templo; e Aquele queestá assentado sobre o trono os cobrirá com a Sua sombra. Nunca maisterão fome, nunca mais terão sede; nem Sol nem calma alguma cairá sobreeles. Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhesservirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de Seusolhos toda a lágrima.’ " Apoc. 7:14-17.” – VE., 231, 232. “Não haveríeis de querer apropriar-vos da inspiração da visão? Nãohaveríeis de querer deixar a mente demorar sobre o quadro? Não quereríeisser verdadeiramente convertido, e então avançar trabalhando num espíritototalmente diferente do espírito em que trabalhaste no passado, afastando oinimigo e lançar por terra toda a barreira que se opõe ao avançamento doevangelho, encher os corações da paz da luz e da alegria do Senhor?” [fontenão citada] Nota: Deve se notar que as citações do Espírito de Profecia acimanão foram selecionadas à esmo, mas foram tiradas de várias seções quetratam dos assuntos dos selos e da obra do selamento e que estão citadasna bibliografia que segue este capítulo. Um estudo meticuloso destematerial como um todo revelará, assim cremos, os fatores básicos doassunto dos selos e indicará a importância que tem para estes últimosdias em que vivemos. 3. A abertura do livro e a abertura dos selos “O ‘livro’ na antiguidade era um rolo. Para desenrolá-lo era precisocortar ou quebrar todos os sete cordões com as quais eram amarrados.” –Harry Rimmer, carta de 14-03-1941.
  42. 42. Os Selos e a Obra do Selamento 42 “Na leitura do livro, as partes que por si não são precedidas pelaabertura dos selos que lhe correspondem embora, na realidade, o livroesteja todo escrito, nada nele se lê.” – RCH., Lenski, Interpretation of St.John’s Revelation, 217. “Os selos são abertos sucessivamente, para no fim, quando osacontecimentos simbolizados pelos selos já tiverem passado, dar acesso aoconteúdo (do livro) num todo perfeito.... As aberturas dos selos significam ospassos sucessivos pelos quais Deus em Cristo esclarece os caminho para aleitura final do livro no estabelecimento no reino de Cristo.” – A.R. Fausset,A Commentary on the Old and New Testaments, vol. VI, 674. “Os guias judeus fizeram a escolha. Esta decisão lhes seráapresentada em todo o seu caráter reivindicativo naquele dia em que o livroa de ser desselado pelo Leão da tribo de Judá.” – PJ., 294. 4. O primeiro selo Apoc. 6:1, 2. a. A ordem da criatura vivente Deve-se notar que a palavra grega Erkou que aparece na versão do rei Tiago traduzida para ‘vem’, também significa ‘vai’. Está no imperativo presente, o qual assim indica ação contínua. O significado seria algo semelhante a ‘segue teu caminho’. Lenski traduz ‘vai indo’. b. Cavalos e carros são tipos dos mensageiros da parte de Deus. Zac. 1:8-11; 6:2-5; Hab. 3:8; Joel 2:4, 11; Jer. 4:13; II Reis 6:16,17; Salmos 68:17; 18:10. c. A relação entre os cavalos e as quatro criaturas viventes. A ordem, no caso do primeiro cavalo, partiu sem dúvida da primeira das criaturas viventes, pois na abertura do segundo, terceiro e quarto selos, a ordem foi dado pela segunda, terceira e quarta criatura vivente respectivamente (vv. 3,5,7). As indicações são de que cada cavalo estava sobre a orientação de uma das quatro criaturas viventes, e saiam para a missão que lhes cabia em resposta à ordem divina. Ao se abrir cada um dos quatro primeiros selos era dada uma ordem, e a cena que
  43. 43. Os Selos e a Obra do Selamento 43 segue é de um cavalo com seu cavaleiro a caminho para cumprir sua missão. As quatro criaturas viventes de Apocalipse são idênticas às quatro de Ezequiel (A septuaginta em Ezequiel usa o mesmo termo que o grego de Apocalipse), e as quatro criaturas viventes de Ezequiel são os mesmos quatro querubins (Ezequiel 10:15, 20). Em Ezequiel havia também quatro rodas, uma junto de cada querubim (Ezeq. 10:9). As rodas estavam sob a direção e controle das quatro criaturas viventes ou querubins (Ezeq. 1:19-21; 10:16,17) e moviam-se com o ‘Espírito’. Em Zacarias havia quatro cavalos e carros, dos quais se nos diz que eram ‘os quatro espíritos do céu, saindo de onde estavam perante o Senhor de toda a terra’ (Zc. 6:5). ‘Estes são os que o Senhor tem enviado para andarem pela terra’(Zac. 1:10). Como em Apocalipse eram dadas ordens celestiais aos cavalos, assim também em Zacarias: ‘Ide, andai pela terra. E andaram pela terra’. (Zac. 6:7) Como estes mensageiros eram enviados do céu também eles cumpriam o objetivo do céu: ‘Eis que aqueles que saíram para a terra do norte fizeram repousar o Meu Espírito na terra do norte’. (Zac. 6:8) As quatro criaturas viventes ou querubins são sem dúvida anjos comandantes, que têm sob sua orientação as forças angélicas do céu, assim que o que Lúcifer já o foi, Gabriel agora o é ‘querubim ungido’ que permanece junto de Cristo no comando do exército angélico. E sob o controle de Deus estão as forças e os poderes da terra, continuamente dirigidos e guiados pelos mensageiros invisíveis do céu. “Assim como aquela complicação de semelhança de rodas se achavasob a direção da mão que havia sob as asas dos querubins, o complicadojogo de sucessos humanos acha-se sob a direção divina. Por entre as
  44. 44. Os Selos e a Obra do Selamento 44contendas e tumultos das nações, Aquele que se assenta acima dosquerubins ainda dirige os negócios da terra.” – Ed., 178. “Nas visões dadas a Isaias, Ezequiel e João, vemos o interesse que océu toma nos acontecimentos da terra e quão grande é a solicitude de Deuspelos que Lhe são fiéis. O mundo não está sem um dominador. Oprograma dos sucessos futuros está nas mãos do Senhor. A majestade docéu tem sob Sua direção o destino das nações e os negócios de Suaigreja. ... A incansável vigilância dos mensageiros celestiais, e seuincessante empenho em prol dos que vivem na terra, nos revelam como amão de Deus está guiando uma roda dentro da outra.” – 2 TS., 352. Os mensageiros enviados são mensageiros de salvação e justiça. Cooperação significa vida e vitória, resistência significa derrota e morte. Se este conceito está realmente correto, e cremos que está, então as atividades dos quatro cavalos e seus cavaleiros deve abranger as múltiplas atividades dos mensageiros angélicos de Deus à terra, para levar os homens ao arrependimento, à vitória e à vida; proteger os justos e manter os ímpios sob sujeição; auxiliar na marcha da obra de Deus sobre a terra, a fim de que possa ser encaminhada até o triunfo final; operar junto aos ímpios num esforço contínuo para levá-los ao arrependimento; trazer juízos e aflições sobre aqueles que resistem à graça de Deus com o objetivo de despertá-los ao arrependimento; trazer os ímpios face a face com as fortes e negras realidades da vida para serem levados a pesar cuidadosamente as sérias conseqüências do seu curso e entenderem os terríveis resultados à sua frente se não volverem dos seus caminhos pecaminosos; e, por fim, trazer a retribuição final e a morte àqueles que se recusam atender. Nestes quatro cavalos vemos os poderes do céu em ação entre os filhos da terra. Aqui vemos os quatro que vivem e os quatro que amam, aqui vemos o leão e o boi, o homem e a águia. Aqui está o amor de Deus e a Sua justiça; aqui está o poder de Deus, Sua retidão e misericórdia. Aqui está Jesus o Cordeiro de Deus e o Leão

×