SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Rubéola
- Descrição
. Doença exantemática aguda;
. Alta contagiosidade;
. De curso benigno;
. Na gravidez interfere na formação do
feto.
- Rubéola congênita
. Pode comprometer o desenvolvimento do
feto e causar aborto, morte fetal e
anomalias congênitas;
. Pode ser transitória, permanente ou
tardia.
- Taxa de incidência de SRC por Estado
brasileiro
- Espacialização por Estado brasileiro
em 2011
- Agente etiológico: Rubivírus, família
Togaviridae
- Transmissão
. contato com as secreções nasofaríngeas de
pessoas infectadas, disseminação de
gotículas ou através de contato direto com os
pacientes ou contato com objetos
contaminados com secreções nasofaríngeas,
sangue e urina.
- Suscetibilidade geral, afetando
principalmente as crianças.
- Imunidade
. Adquirida após infecção ou através da
vacinação;
. Permanece imune por praticamente
toda a vida.
- Manifestações clínicas
. Inicia-se na face, couro cabeludo e
pescoço, posteriormente para o tronco
e membros. Apresenta febre baixa e
linfadenopatia retro-auricular, occipital
e cervical posterior.
- Diagnóstico laboratorial
. Detecção de anticorpos IgM no
sangue na fase aguda da doença,
anticorpos IgG são detectados anos
após a infecção.
- Tratamento
. Não há um tratamento específico;
. Os sinais devem ser tratados de
acordo com a sintomatologia.
- Aspectos epidemiológicos
. Introduzida na lista de doenças de
notificação compulsória, na déc. de 90;
. Em 2007 ocorreu um aumento no
número de casos confirmados;
. Houve uma grande campanha de
vacinação em 2008;
. Meta de eliminar a rubéola e a SRC
até o ano de 2010 (não cumprida).
Sarampo
- Descrição
. Doença infecciosa aguda, de natureza
viral, grave, transmissível e extremamente
contagiosa, muito comum na infância;
. Mais grave em crianças desnutridas ou
menores de 1 ano.
- Agente etiológico: Morbillivirus,
família Paramyxoviridae
- Transmissão
. Através do contato com secreções
nasofaríngeas;
. Por dispersão de gotículas com partículas
virais no ar.
- Suscetibilidade geral, atingindo
geralmente crianças.
- Imunidade
. Adquirida após a infecção ou através da
vacinação;
. Lactantes cujas mães já tiveram a doença
ou foram vacinadas possuem anticorpos
nos primeiros meses de vida;
. Permanece imune por quase toda a vida.
- Manifestações clínicas
. Febre alta (acima de 38,5ºC);
. exantema máculo-papular generalizado;
. tosse, coriza e conjuntivite;
. manchas de Koplik (pequenos pontos
brancos que aparecem na mucosa bucal,
antecedendo ao exantema).
. As manifestações clínicas de dividem
em 3 momentos:
1. Período de infecção - dura cerca de 7
dias,surge febre, acompanhada de tosse
produtiva, coriza, conjuntivite e fotofobia. Do 2°
ao 4° dias desse período, surge o exantema,
quando se acentuam os sintomas iniciais;
2. Remissão – caracteriza-se pela diminuição
dos sintomas, declínio da febre. O exantema
torna-se escurecido;
3. Período toxêmico – o sarampo é uma doença
que compromete a resistência do hospedeiro,
facilitando a ocorrência de superinfecção viral
ou bacteriana. febre, por mais de 3 dias, após o
aparecimento do exantema, é um sinal de
alerta, indicando o aparecimento de
complicações.
- Diagnóstico laboratorial
. Realizado mediante detecção de
anticorpos IgM no sangue, na fase
aguda da doença, desde os primeiros
dias até 4 semanas após aparecimento
do exantema.
- Tratamento
. Não existe tratamento específico;
. A criança deve ingerir vitamina A;
. Manter a hidratação;
*- tratamento profilático com
antibióticos é contraindicado.
- Aspectos epidemiológicos
. realizado mediante detecção de
anticorpos IgM no sangue, na fase aguda
da doença, desde os primeiros dias até 4
semanas após aparecimento do exantema
. a evolução clínica e a letalidade são
influenciadas pelas condições
socioeconômicas, o estado nutricional e
imunitário do doente
. No Brasil, o sarampo é doença de
notificação compulsória desde 1968;
. Manutenção do sistema de vigilância
epidemiológica da doença, com vistas à
detecção oportuna de
todo caso importado e à adoção de
todas as medidas de controle
pertinentes ao caso
Apresentado na UEPG-
Universidade Estadual de Ponta Grossa
Por Débora G. Belniak e
Vanessa R. de Andrade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Catapora
CataporaCatapora
Catapora
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
04 aula tétano
04 aula   tétano04 aula   tétano
04 aula tétano
 
Apresentação catapora
Apresentação cataporaApresentação catapora
Apresentação catapora
 
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Rubéola na Gestação
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 

Destaque

Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaNatália Maciel
 
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7EducacaoConstruct
 
Doença por vírus
Doença por vírusDoença por vírus
Doença por vírusProf Regina
 
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e Manejo
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e ManejoRaiva - Fisiopatologia, Diagnostico e Manejo
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e ManejoAlexandre Naime Barbosa
 
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASP
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASPAula: Vírus - 2º Ano TI - UNASP
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASPRonaldo Santana
 
Infecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso CentralInfecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso Centralmarianagusmao39
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticasLuciano Rodrigues
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaDario Hart
 

Destaque (20)

Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7
Apresentação como funcionam as notificações _ Cadence note 7
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Doença por vírus
Doença por vírusDoença por vírus
Doença por vírus
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e Manejo
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e ManejoRaiva - Fisiopatologia, Diagnostico e Manejo
Raiva - Fisiopatologia, Diagnostico e Manejo
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASP
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASPAula: Vírus - 2º Ano TI - UNASP
Aula: Vírus - 2º Ano TI - UNASP
 
Infecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso CentralInfecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso Central
 
PPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas molecularesPPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas moleculares
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Raiva - Humano Rede de Laboratório
Raiva - Humano Rede de LaboratórioRaiva - Humano Rede de Laboratório
Raiva - Humano Rede de Laboratório
 

Semelhante a Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo

Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Hosana maniero
 
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptxDOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptxluciaitsp
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasLívia Zadra
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasGustavo Henrique
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descriçãoEliene Meira
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiRenan Matos
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxPsiclogoClinicoclini
 
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfCurso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfMarcosOntonio
 

Semelhante a Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo (20)

Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
 
Doença de aujezki
Doença de aujezkiDoença de aujezki
Doença de aujezki
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
 
Tutoria 3 varicela
Tutoria 3   varicelaTutoria 3   varicela
Tutoria 3 varicela
 
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptxDOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
 
76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
O Sarampo
O SarampoO Sarampo
O Sarampo
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Sindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdfSindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdf
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
 
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfCurso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 

Último

Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 

Último (10)

Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 

Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo

  • 2. - Descrição . Doença exantemática aguda; . Alta contagiosidade; . De curso benigno; . Na gravidez interfere na formação do feto.
  • 3. - Rubéola congênita . Pode comprometer o desenvolvimento do feto e causar aborto, morte fetal e anomalias congênitas; . Pode ser transitória, permanente ou tardia.
  • 4.
  • 5. - Taxa de incidência de SRC por Estado brasileiro
  • 6. - Espacialização por Estado brasileiro em 2011
  • 7. - Agente etiológico: Rubivírus, família Togaviridae - Transmissão . contato com as secreções nasofaríngeas de pessoas infectadas, disseminação de gotículas ou através de contato direto com os pacientes ou contato com objetos contaminados com secreções nasofaríngeas, sangue e urina.
  • 8. - Suscetibilidade geral, afetando principalmente as crianças. - Imunidade . Adquirida após infecção ou através da vacinação; . Permanece imune por praticamente toda a vida.
  • 9. - Manifestações clínicas . Inicia-se na face, couro cabeludo e pescoço, posteriormente para o tronco e membros. Apresenta febre baixa e linfadenopatia retro-auricular, occipital e cervical posterior.
  • 10. - Diagnóstico laboratorial . Detecção de anticorpos IgM no sangue na fase aguda da doença, anticorpos IgG são detectados anos após a infecção.
  • 11. - Tratamento . Não há um tratamento específico; . Os sinais devem ser tratados de acordo com a sintomatologia.
  • 12. - Aspectos epidemiológicos . Introduzida na lista de doenças de notificação compulsória, na déc. de 90; . Em 2007 ocorreu um aumento no número de casos confirmados; . Houve uma grande campanha de vacinação em 2008; . Meta de eliminar a rubéola e a SRC até o ano de 2010 (não cumprida).
  • 14. - Descrição . Doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa, muito comum na infância; . Mais grave em crianças desnutridas ou menores de 1 ano.
  • 15. - Agente etiológico: Morbillivirus, família Paramyxoviridae - Transmissão . Através do contato com secreções nasofaríngeas; . Por dispersão de gotículas com partículas virais no ar.
  • 16. - Suscetibilidade geral, atingindo geralmente crianças. - Imunidade . Adquirida após a infecção ou através da vacinação; . Lactantes cujas mães já tiveram a doença ou foram vacinadas possuem anticorpos nos primeiros meses de vida; . Permanece imune por quase toda a vida.
  • 17. - Manifestações clínicas . Febre alta (acima de 38,5ºC); . exantema máculo-papular generalizado; . tosse, coriza e conjuntivite; . manchas de Koplik (pequenos pontos brancos que aparecem na mucosa bucal, antecedendo ao exantema).
  • 18. . As manifestações clínicas de dividem em 3 momentos: 1. Período de infecção - dura cerca de 7 dias,surge febre, acompanhada de tosse produtiva, coriza, conjuntivite e fotofobia. Do 2° ao 4° dias desse período, surge o exantema, quando se acentuam os sintomas iniciais; 2. Remissão – caracteriza-se pela diminuição dos sintomas, declínio da febre. O exantema torna-se escurecido;
  • 19. 3. Período toxêmico – o sarampo é uma doença que compromete a resistência do hospedeiro, facilitando a ocorrência de superinfecção viral ou bacteriana. febre, por mais de 3 dias, após o aparecimento do exantema, é um sinal de alerta, indicando o aparecimento de complicações.
  • 20. - Diagnóstico laboratorial . Realizado mediante detecção de anticorpos IgM no sangue, na fase aguda da doença, desde os primeiros dias até 4 semanas após aparecimento do exantema.
  • 21. - Tratamento . Não existe tratamento específico; . A criança deve ingerir vitamina A; . Manter a hidratação; *- tratamento profilático com antibióticos é contraindicado.
  • 22. - Aspectos epidemiológicos . realizado mediante detecção de anticorpos IgM no sangue, na fase aguda da doença, desde os primeiros dias até 4 semanas após aparecimento do exantema . a evolução clínica e a letalidade são influenciadas pelas condições socioeconômicas, o estado nutricional e imunitário do doente
  • 23. . No Brasil, o sarampo é doença de notificação compulsória desde 1968; . Manutenção do sistema de vigilância epidemiológica da doença, com vistas à detecção oportuna de todo caso importado e à adoção de todas as medidas de controle pertinentes ao caso
  • 24. Apresentado na UEPG- Universidade Estadual de Ponta Grossa Por Débora G. Belniak e Vanessa R. de Andrade