O velho que lia romances de amor- resumo (breve)

16.849 visualizações

Publicada em

Pequeno resumo do livro '' o velho que lia romances de amor ''.
Contém indice =)
Bjj :3
#danielaaww

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.849
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
46
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O velho que lia romances de amor- resumo (breve)

  1. 1. RESUMO DO LIVRO O velho que lia romances de amor
  2. 2. Índice 1………………………………….... Biografia do autor (dispositivo 3) 2…………………………………… Algumas obras (dispositivo 4) 3…………………………………… Resumo do livro (dispositivo 5) 4…………………………………... Apreciação final (dispositivo 6)
  3. 3. Biografia do autor • Luís Sepúlveda nasceu em Ovalle,4 de Outubro de 1949. É um romancista, escritor e ilustrador de alguns dos seus próprios livros. Reside atualmente em Gijón, em Espanha após ter vivido em Hamburgo e Paris.
  4. 4. Algumas obras § As Rosas de Atacama. § Contos Apátridas. § Diário de umKillerSentimental. § Encontro de Amor num País em Guerra. § O General e o Juiz. § História de uma Gaivota e do Gato que A Ensinou a Voar. § Histórias do Mar. § Mundo do Fim do Mundo. § Nome de Toureiro. § O Velho Que Lia Romances de Amor. § Patagónia Express. § O Poder dos Sonhos. § Os Piores Contos dos IrmãosGrim. § Uma História Suja. § Crónicas do Sul. § A Lâmpada de Aladino. § A sombra do que fomos.
  5. 5. Resumo(breve) Este livro fala sobre um homem, António José Bolívar Proaño, que vivia numa aldeia isolada, no interior da floresta, San Luís, com a sua mulher Dolores Encarnación Del Santíssimo Sacramento Estupiñan Otavalo. Na sua aldeia toda a gente comentava o facto do casal não poder ter filhos o que os levou a partir para outra aldeia, El Idílio, e la viveram dois anos. No segundo ano Dolores morreu vítima da malária. Após este acontecimento, António Proaño começou a conviver com os Xuar, uma tribo indígena da selva Amazónica. Aprendeu a sua língua e costumes, a caçar, pescar e muitas outras coisas mais. Um dia, Nushiño, um indígena shuar, morreu depois dos colonos terem disparado contra si. António Proaño tinha abandonado os shuar por se sentir velho. Com este acontecimento sentiu-se culpado e por isso foi impedido de conviver com a tribo. O homem voltou para El Idílio onde conheceu o dentista Rubicundo Loachamín de quem se tornou amigo. Um dia, quando decidiam se o deixavam votar, descobriu que sabia ler. A partir daí começou a ler jornais mas, estes não lhe despertavam interesse. Então, pediu ao seu amigo dentista, que vivia numa cidade, para, sempre que fosse a El Idílio, lhe levasse alguns livros. Um dia chegaram à aldeia uns Norte-Americanos que se dirigiram para a floresta onde encontraram um homem morto com as marcas de garras nas costas. Correram logo para a aldeia onde o administrador organizou uma expedição para procurar a fera. Nessa expedição estava António José Proaño. Depois de alguns dias de busca, os Norte-Americanos voltaram para aldeia mas António ficou e continuou a procurar a onça. Após tempos e tempos de “jogos” do animal para apanhar o homem António foi mais inteligente e conseguiu matar a onça. Depois de eliminada a fera, só pensava em voltar para El Idílio e para a sua choça para ler os seus tão queridos Romances de Amor.
  6. 6. Apreciação final • O livro é de fácil compreensão mesmo contendo alguns palavrões, mas nada de grave. Gosto muito da forma como ele é escrito, principalmente quando António José defende corajosamente os índios Shuar , quando aparece um cadáver de um morto . Também gostei porque fala de um local muito selvagem , da Amazónia, pondo em evidência a Natureza e as suas leis e o respeito que esta deveria merecer por um local muito exótico, mas também muito perigoso ! Aconselho e recomendo a sua leitura. Trabalho realizado por: Daniela Filipa & Carolina Melo . (enviado para slideshare).
  7. 7. Apreciação final • O livro é de fácil compreensão mesmo contendo alguns palavrões, mas nada de grave. Gosto muito da forma como ele é escrito, principalmente quando António José defende corajosamente os índios Shuar , quando aparece um cadáver de um morto . Também gostei porque fala de um local muito selvagem , da Amazónia, pondo em evidência a Natureza e as suas leis e o respeito que esta deveria merecer por um local muito exótico, mas também muito perigoso ! Aconselho e recomendo a sua leitura. Trabalho realizado por: Daniela Filipa & Carolina Melo . (enviado para slideshare).

×