SlideShare uma empresa Scribd logo

O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta

Os gêneros são produzidos em diferentes contextos sociais ou domínios sociais de comunicação e que esse pertencimento a diferentes domínios causa impactos em sua forma composicional.

1 de 3
Baixar para ler offline
Maria Cristina Amarante – RA 125479
Curso: Redefor – Língua Portuguesa
Disciplina: LP003 – Linguística Textual: Tipologias, Agrupamentos e Textualidade
Atividade Dissertativa Individual 2


        O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta


       O Estudo do presente tópico nos mostra que os gêneros são produzidos em
diferentes contextos sociais ou domínios sociais de comunicação e que esse
pertencimento a diferentes domínios causa impactos em sua forma composicional. Por
exemplo, vimos que cada gênero analisado (posts, reportagens jornalísticas, relatos de
experiência pessoal, contos etc.) apresenta diferenças de textualização em função de os
textos serem caracterizados por um determinado aspecto tipológico, que é o
predominante. Aprendemos também que os aspectos tipológicos dos gêneros estão
relacionados a ações gerais predominantes de textualização (narrar, relatar, argumentar,
expor, descrever e regular ações alheias (injunção)). São essas ações que organizam os
textos, exemplares do gênero.


       Os textos que lemos apesar de pertencerem ao gênero "reportagem", eles
apresentam diferentes textualidades e isto ocorre em função de eles se inserirem em
diferentes domínios sociais de comunicação, apresentando           diferentes aspectos
tipológicos predominantes. Vimos também que os critérios estabelecidos por Dolz e
Schneuwly (2004[1996]) são realmente muito úteis para o trabalho com os gêneros e
com os seus exemplares (os textos singulares) em sala de aula. Os textos em geral são
compostos de uma combinação de sequências; sendo assim, um texto sempre traz em
sua composição várias sequências.


       Os gêneros textuais estão cada vez mais presente na educação atual. Essa
tendência foi oficializada com a publicação da Proposta Curricular do Estado de São
Paulo (PCESP), em 2008, baseada na proposta dos genebrinos Dolz e Schneuwly
(1996). A proposta didática organizada pelo agrupamento por gêneros, visando uma
progressão no ensino, na qual diferentes capacidades leitoras e escritoras fossem
paulatinamente construídas. Para os autores, Dolz e Schneuwly, deve-se trabalhar todos
os agrupamentos e não simplesmente privilegiar uns em detrimento de outros. Sempre
abordando crescentes níveis de complexidade, em todos os anos escolares.


       Segundo Dolz e Schneuwly, os critérios utilizados para organizar os
agrupamentos de gêneros são o contexto, ou domínio social de comunicação, onde os
gêneros são produzidos e circulam, considerando que um mesmo gênero pode ser
produzido e circular em domínios sociais de comunicação diversos, além dos processos
de textualização, como o vocabulário e as sequências textuais.


       Já a proposta genebrina separa o agrupamento em oral e escrita, ciclos 1 e 2 e se
resume às práticas orais. Nas atividades propostas o aluno deverá opinar e debater
desenvolvendo assim a habilidade de argumentar. As atividades vão evoluindo e
aumentando gradativamente o grau de complicação. Na escrita, exigi-se que o aluno
domine os diferentes gêneros textuais. Faz uso ainda dos recursos de leitura e produção
de textos argumentativos, como o artigo de opinião, a partir do qual também propõe
leitura e produção de textos deste gênero.


       Portanto, ao focarmos no agrupamento argumentar e compararmos as propostas
genebrina e PCESP podemos perceber que ambas fazem uso de uma progressão no
nível de dificuldade e exigência em relação ao conteúdo abordado. Confrontando as
propostas, em relação à progressão didática e a diversidade de gêneros a serem
trabalhados em cada ano/série, a proposta genebrina parece apresentar vantagens,
porque dá prioridade a um aprendizado progressivo, além de fazer uso de maior
variedade de gêneros textuais relativos a cada agrupamento.
Referências Bibliográficas:


DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita -
Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: ROJO, R. H.
R.; CORDEIRO, G. S. (Orgs./Trads.) Gêneros orais e escritos na escola. Campinas:
Mercado de Letras, 2004[1996]


ROJO, R. H. R. Gêneros do discurso/texto como objeto de ensino de línguas: Um
retorno aotrivium? In: SIGNORINI, I. (Org.) (Re) Discutir texto, gênero e discurso. São
Paulo: Parábola Editorial, 2008


WESTON, A. A construção do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Recomendados

Agrupamento de gênero textual
Agrupamento de gênero textual Agrupamento de gênero textual
Agrupamento de gênero textual Queila Adriana
 
Prática de leitura e escrita em gênero textual chuva ácida
Prática de leitura  e escrita em gênero textual   chuva ácidaPrática de leitura  e escrita em gênero textual   chuva ácida
Prática de leitura e escrita em gênero textual chuva ácidaTerezinha Barroso
 
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...Amábile Piacentine
 
Generos e tipos textuais
Generos e tipos textuaisGeneros e tipos textuais
Generos e tipos textuaisofpedagogica
 
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Bete Feliciano
 
Gênero textual
Gênero textualGênero textual
Gênero textualthiagokrek
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros textuais na ponta da língua
Gêneros textuais na ponta da línguaGêneros textuais na ponta da língua
Gêneros textuais na ponta da língualisanebutka
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevanetlfleite
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamentalGêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamentalKleber Freitas
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuaisnunesmaril
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioClaudia Elisabete Silva
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaOsinéia Brunelli
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiofpedagogica
 
Gêneros
 Gêneros Gêneros
Gênerosilma05
 
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...Suellen Nascimento
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidademariaelidias
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2miesbella
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaIanka Targino
 

Mais procurados (19)

Gêneros textuais na ponta da língua
Gêneros textuais na ponta da línguaGêneros textuais na ponta da língua
Gêneros textuais na ponta da língua
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamentalGêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Sm03ss16 09
Sm03ss16 09Sm03ss16 09
Sm03ss16 09
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
 
Gêneros
 Gêneros Gêneros
Gêneros
 
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
O uso de gêneros textuais nas aulas de LE do Ensino Médio: refletindo e ressi...
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 

Semelhante a O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta

Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsJosé Dantas
 
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarDebate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarMayke Machado
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAweleslima
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglêsFALE - UFMG
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesaUNIPLETRAS
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos salSandra Campelo
 
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...Keimelion - revisão de textos
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-201606171906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617Adriano Alves de Souza
 

Semelhante a O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta (20)

Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
255 4
255 4255 4
255 4
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012
 
Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcns
 
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarDebate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
 
B praticas deleitura
B praticas deleituraB praticas deleitura
B praticas deleitura
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglês
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos sal
 
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...
Da perspectiva funcionalista de uma monografia: prática da escrita no ensino ...
 
Bonini 2001
Bonini 2001Bonini 2001
Bonini 2001
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Sequência didática adair eliana
Sequência didática adair elianaSequência didática adair eliana
Sequência didática adair eliana
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
 
Edilene nunes
Edilene nunesEdilene nunes
Edilene nunes
 
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-201606171906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617
 

Último

01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...azulassessoriaacadem3
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 

Último (20)

01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 

O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta

  • 1. Maria Cristina Amarante – RA 125479 Curso: Redefor – Língua Portuguesa Disciplina: LP003 – Linguística Textual: Tipologias, Agrupamentos e Textualidade Atividade Dissertativa Individual 2 O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta O Estudo do presente tópico nos mostra que os gêneros são produzidos em diferentes contextos sociais ou domínios sociais de comunicação e que esse pertencimento a diferentes domínios causa impactos em sua forma composicional. Por exemplo, vimos que cada gênero analisado (posts, reportagens jornalísticas, relatos de experiência pessoal, contos etc.) apresenta diferenças de textualização em função de os textos serem caracterizados por um determinado aspecto tipológico, que é o predominante. Aprendemos também que os aspectos tipológicos dos gêneros estão relacionados a ações gerais predominantes de textualização (narrar, relatar, argumentar, expor, descrever e regular ações alheias (injunção)). São essas ações que organizam os textos, exemplares do gênero. Os textos que lemos apesar de pertencerem ao gênero "reportagem", eles apresentam diferentes textualidades e isto ocorre em função de eles se inserirem em diferentes domínios sociais de comunicação, apresentando diferentes aspectos tipológicos predominantes. Vimos também que os critérios estabelecidos por Dolz e Schneuwly (2004[1996]) são realmente muito úteis para o trabalho com os gêneros e com os seus exemplares (os textos singulares) em sala de aula. Os textos em geral são compostos de uma combinação de sequências; sendo assim, um texto sempre traz em sua composição várias sequências. Os gêneros textuais estão cada vez mais presente na educação atual. Essa tendência foi oficializada com a publicação da Proposta Curricular do Estado de São Paulo (PCESP), em 2008, baseada na proposta dos genebrinos Dolz e Schneuwly (1996). A proposta didática organizada pelo agrupamento por gêneros, visando uma progressão no ensino, na qual diferentes capacidades leitoras e escritoras fossem paulatinamente construídas. Para os autores, Dolz e Schneuwly, deve-se trabalhar todos
  • 2. os agrupamentos e não simplesmente privilegiar uns em detrimento de outros. Sempre abordando crescentes níveis de complexidade, em todos os anos escolares. Segundo Dolz e Schneuwly, os critérios utilizados para organizar os agrupamentos de gêneros são o contexto, ou domínio social de comunicação, onde os gêneros são produzidos e circulam, considerando que um mesmo gênero pode ser produzido e circular em domínios sociais de comunicação diversos, além dos processos de textualização, como o vocabulário e as sequências textuais. Já a proposta genebrina separa o agrupamento em oral e escrita, ciclos 1 e 2 e se resume às práticas orais. Nas atividades propostas o aluno deverá opinar e debater desenvolvendo assim a habilidade de argumentar. As atividades vão evoluindo e aumentando gradativamente o grau de complicação. Na escrita, exigi-se que o aluno domine os diferentes gêneros textuais. Faz uso ainda dos recursos de leitura e produção de textos argumentativos, como o artigo de opinião, a partir do qual também propõe leitura e produção de textos deste gênero. Portanto, ao focarmos no agrupamento argumentar e compararmos as propostas genebrina e PCESP podemos perceber que ambas fazem uso de uma progressão no nível de dificuldade e exigência em relação ao conteúdo abordado. Confrontando as propostas, em relação à progressão didática e a diversidade de gêneros a serem trabalhados em cada ano/série, a proposta genebrina parece apresentar vantagens, porque dá prioridade a um aprendizado progressivo, além de fazer uso de maior variedade de gêneros textuais relativos a cada agrupamento.
  • 3. Referências Bibliográficas: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita - Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: ROJO, R. H. R.; CORDEIRO, G. S. (Orgs./Trads.) Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004[1996] ROJO, R. H. R. Gêneros do discurso/texto como objeto de ensino de línguas: Um retorno aotrivium? In: SIGNORINI, I. (Org.) (Re) Discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 WESTON, A. A construção do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2009.